História The Art - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Pink, Girls' Generation
Personagens Jennie, Jisoo, Lisa, Rosé, Seohyun, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Blackpink, Chaelisa, Drama, Girls' Generation, Jennie, Jisoo, Lisa, Romance, Rose, Snsd, Surpresa, Suspense
Visualizações 168
Palavras 1.572
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Científica, Orange, Poesias, Romance e Novela, Survival, Suspense, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Vocês pediram tanto por atualização e a fanfic se saiu tão bem que hoje venho com uma recompensa... vim com o capítulo 2 adiantado para vocês. Eu espero que gostem, vocês podem me sempre contactar no twitter (@iwishyoutayior, o i vai ficar grande igual a um l, não se assustem) e caso não tiverem, se mandarem mensagem por aqui já é o suficiente, vou responder o mais rápido possível. Estou a pensar trazer um capítulo novo de 4 em 4 dias, que tal? Alguma sugestão? Enfim, MUITO obrigada pelo carinho até agora!

Capítulo 2 - Chapter Two


Lisa, 12:32: ''Rosé, é você? A guia do museu?''

Manoban mandou apenas esta mensagem no dia seguinte, pois já estava cansada demais no dia das entrevistas. Achava que a mensagem da guia vinha tarde pela demora, mas se surpreendeu. A ruiva respondeu em segundos, como a loira sempre gostou, já que não tolera joguinhos de jeito nenhum. Como soubesse que Lisa não gostava.

Rosé, 12:34: ''Sou eu sim. Como está?''

Lisa, 12:40: ''Eu estou me sentindo meio triste e você? Espero que nada tenha acontecido, qualquer das maneiras não se precisa de preocupar, vamos apenas nos conhecer melhor''

Rosé, 12:43: ''Você está brincando? Eu estou bem, e antes de qualquer conversa normal deve-se falar sobre os seus sentimentos, por isso eu pergunto como você está. Não é nada superficial''

Lisa se surpreendeu com tal resposta, e ficou muito feliz. Esse sentimento veio à tona porque não esperava que alguém se importasse com ela assim tão cedo, ainda mais alguém que nem a conhece. Rosé parecia ser a pessoa ideal para ter por perto, aquela pessoa preocupada e querida que faz o nosso dia e Manoban cada vez mais ficava tentada a conhecê-la.

Lisa, 12:47: ''Hm... que tal nos encontrarmos? Não gosto de escrever textos explicando aqui, acho entediante''

Rosé, 12:51: ''Claro, mas aonde?''

Lisa, 12:53: ''Eu estava pensando em irmos a um café amanhã, que tal? É simples e prático, ótimo para se manter uma conversa''

Rosé, 12:56: ''Você está brincando? Isso é uma coisa muito cliché. Vamos apanhar maçãs, eu conheço um lugar onde podemos fazer muito bem isso, podemos conversar sobre os seus sentimentos e ainda levamos fruta pra casa''

Larissa ficou curiosa, nunca tinha feito aquilo na vida, até porque nem nunca se interessou. Ao ver que ela não queria um café e também não sabia outros lugares para ir, então decidiu aceitar.

Lisa, 13:01: ''Ok''

Falaram sobre o lugar, combinaram a hora e seguiram seu caminho. Elas tinham de se encontrar às 22:05 e não combinaram uma hora exatamente para sair de lá. Era um horário arriscado, mas nenhuma delas se importou com isso.


-----


Eram 20:46 e Lisa tinha acabado de jantar. Escovou seus dentes, colocou perfume, se vestiu da melhor maneira possível e entrou no seu carro, ansiosa para ver a futura amiga que tinha acabado de encontrar no site de relacionamentos. Manoban ficava preocupada se Rosé poderia querer um caso, pois ela não se sentia preparada pra isso atualmente.

Ela conduzia e se lembrava de vários momentos felizes que tinha tido ao longo do tempo com seus ex-amigos. Infelizmente, tinha mudado de celular e perdeu qualquer número que tinha, ficou apenas com o da família e uns essenciais de lojas, cafés e coisas do género e ninguém lhe chamou. Não usava qualquer tipo de rede social pois achava desnecessário e queria viver a vida à grande. Ela se lembrava dos momentos que estava tão bebêda que não conseguia quase enxergar nada, se lembrava das fodas que conseguiu com várias meninas e o imenso prazer que sentira, os momentos das aulas onde havia confusão... tudo que era felicidade pra ela, agora era lembranças e nada do presente. Isso lhe doía muito, porém o futuro chegou e ela teve de amadurecer.

Se distraiu tanto que se perdeu no caminho, eram 21:22 e podia não chegar a tempo mas felizmente, minutos depois percebeu onde estava e chegou lá às 21:45. 

Lisa chegou ao local e viu que não tinha ninguém por perto ainda, então procurou seu celular e começou a jogar algum jogo para passar o tempo, até que Rosé finalmente apareceu.

– Lisa... é você? —

– ROSÉ! — exclamou. – Que bom que está aqui e ainda chegou um pouco mais cedo como eu — Larissa riu.

Ambas ficaram muito animadas com a presença uma da outra, pegaram numa cesta e começaram a apanhar as maçãs como prometido.

– Então... Lisa.. você já me pode contar o que aconteceu? — falou Rosé muito preocupada. Era visível que o seu coração era puro demais para o mundo de hoje, onde existe tanto ódio e dor.

– Ontem foi a minha primeira entrevista e achei que tivesse me corrido bem, mas afinal, foi o contrário disso.. — entristeceu e começou a sentir lágrimas nos olhos – Muita gente falou mal da minha aparição e não foram coisas simples, até mesmo da minha aparência falaram. Eu estava muito feliz, pesquisei meu vídeo no Youtube e achei que tudo estivesse bem, apesar do meu nervosismo. Quando eu fui ver os comentários para ver o que achavam de mim, fiquei chocada e quase chorei — Lisa falou isso tremendo e quase chorando. Rosé estava chocada.

– Você tem 3G? Eu posso ver os comentários? —

– Claro... deixa ligar —

Manoban entregou seu celular à Rosé e ela se surpreendeu com tanta crueldade nos comentários. Ainda estavam piores do que aqueles que a Lisa tinha visto, porém não falou para não a magoar. Larissa era mesmo a piada nacional e a sua autoestima estava descendo por causa disso, será que o sonho dela tinha sido destruído?

– Lisa... olhe para mim e oiça com atenção o que eu te irei dizer — Rosé se virou para a loira com uma cara bem séria – Essas pessoas dizem na frente de uma tela e não na sua frente porque te temem, elas têm medo da sua reação e, na pior das hipóteses, serem processadas por difamação. Se você acha que esteve bem, porque vai ligar para essas pessoas que nem te conhecem? Elas são simplesmente pessoas infelizes que descontam a sua raiva nos outros, e ao ver que ficaram atingidos, o ego delas enche. Você deveria fazer outra entrevista e aparecer com autoconfiança, provavelmente vai receber ainda mais hate, mas o que importa? É a sua resposta para todos, o facto que você não se deixa abalar por gente que te tentou ver triste, e falharam miseravelmente. Eu não te conheço, mas você parece ser alguém legal, e além disso, é muito linda.

Manoban ficou em choque com tal coisa, ela sabia que Rosé era um amor e uma pessoa boa de se ficar por perto, mas não tanto. Ela queria agradecer de todas as formas possíveis e retribuir aquelas palavras tão lindas que melhoraram o seu dia e soube a partir dali que queria ter uma grande amizade com Rosé. 

Larissa tremeu, sorriu, apenas falou obrigada bem baixinho, abraçou-a e chorou no seu ombro. Por sua vez, a ruiva também se deixou ser abraçada e deu carinhos no cabelo dela. Era um momento extremamente lindo de se ver, e provavelmente o mais marcante da amizade futura.

Ambas foram apanhar maçãs depois disso e estavam felizes, mais juntas que nunca. Talvez se a loira tivesse procurado outra guia em vez da ruiva, as coisas seriam diferentes e este sábado seria mais um daqueles que ela se sentava sozinha a ver um filme, coberta a beber vinho.

– Rosé, me conte mais sobre você. A sua idade, estado civil, onde mora, essas coisas todas que você sabe — falou a Lisa timidamente. 

– Hum... tenho 21 anos, moro na rua Street n Chill, estou solteira... o que eu posso dizer mais?... – pensou a fundos enquanto apanhava uma maçã difícil no cimo da árvore — Por enquanto estou trabalhando num café, por isso que eu não aceitei seu convite lá, já estou enjoada do mesmo... mas estou tentando conseguir carreira de artista (cantora). Você também me pode chamar de Roseanne ou Chaeyoung. —

– Isso é tão legal! E VOCÊ MORA NA STREET N CHILL? É BEM PERTO DA MINHA RUA. Sou de Okapak e você já sabe o que eu faço. Sinto-me feliz com a minha decisão e espero que você também consiga alcançar seus objetivos, é que sabe...  — 

Lisa se interrompeu, isso mesmo, a si mesma, e olhou para o lado, onde vinha alguém a correr com uma... arma na direção... delas.

– ROSÉ, CORRE! —

Segurou a mão da Rosé e foram correndo, a ruiva ainda não sabia o que estava acontecendo, só tremia e perguntava várias vezes que porra era aquela.

É MELHOR PARAREM DE CORRER OU VOU DISPARAR IMEDIATAMENTE. ISTO É UM ASSALTO,  É MELHOR PREPARAREM AS SUAS COISAS — gritou aquela pessoa. Lisa corria como nunca junta à Rosé pela vida de ambas.

Tiros eram disparados e ambas se moviam muito, com sorte, poderiam não ser atingidas. Um tiro quase atingiu a perna de Rosé, mas não foi lá. Corriam como senão houvesse amanhã, a ruiva chorava e gritava, a Lisa ainda tinha seu próprio controle, mesmo que estivesse um caos dentro dela.

Encontraram uma saída, se esconderam lá e o bandido tentou achar elas em tudo que era canto, mas não conseguiu. Entretanto foi embora e elas ficaram sozinhas, inseguras e tristes. Só se ouvia a respiração de ambas e choro muito forte. Estavam cansadas de tanto correr e Rosé estava assustada pelo facto que podia ser atingida tão facilmente. Esperaram um tempo, se levantaram e finalmente, uma delas abriu a boca.

– Rosé, vamos embora. Já tivemos aqui o tempo suficiente, provavelmente a pessoa sumiu, vamos para minha casa e você dorme lá mesmo. Não quero saber. Se quiser, faremos uma denuncia amanhã — falou Lisa, ainda muito assustada e a gaguejar.

– Não posso aceitar... me desculpa.. a culpa é minha... eu mereço estar sozinha.. — e assim, a ruiva fugiu sem rumo cheia de nervos, tremendo e com lágrimas na cara.

Lisa estava oficialmente perdida e sem ninguém. Ela só queria pensar que aquilo era um sonho e que simplesmente ainda não tinha acordado. Mais nada.


Notas Finais


Eu avisei que esta fanfic ia ter caixinhas de surpresas, mas espera.. vocês acham mesmo que esse acontecimento é o pior que pode existir? É, talvez não... rs

---

O que acharam do capítulo? Se possível, por favor, deixem suas opiniões aqui nos comentários, pois eu adoraria ler alguma sugestão ou opinião.. ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...