História The Baby-sitter. - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Au Pair, Babá, Charlotte, Clara, Crianças, Harry, Horan, Liam, Livros, Londres, Louis, Malik, Niall, One Direction, Original, Paixão, Payne, Romance, Styles, Tomlinson, Zayn
Visualizações 123
Palavras 5.780
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Doze


- Chega, gente, chega! - falei, gargalhando, minha barriga já doía de tanto rir, eu estava no estágio, Liam e seu primo, mais um funcionário, discutiam por um jogo de basquete qualquer, mas era tanta bobagem que até eu comecei a discutir pelo tal jogo, a diferença é que eu não entendo nada de basquete, o que fez com que eu só falasse coisas absurdas.

- Eu vou é sair daqui, senão serei demitido... - o primo de Liam falou, saindo da sala em que estávamos.

- Vocês são ridículos. - brinquei, enquanto guardava a papelada que estava espalhada na mesa em que eu estava, Liam apenas riu, coçando a nuca.

- Sabe... - ele se pronunciou. - Trabalhar aqui ficou bem mais fácil depois que você veio para cá. - disse, se sentando na cadeira em frente à mesa.

- Como assim? - falei, rindo sem entender e sem tirar a atenção dos meus papéis.

- Quando você vai jantar comigo? - ele desconversou, Liam me chamava para jantar literalmente desde o dia em que eu entrei na empresa, e cada dia que passava eu inventava uma desculpa diferente, já estava ficando chato.

- Tudo bem... - falei, apoiando no encosto da cadeira. - Só marcar. - respondi.

- Sério? Vai finalmente parar de me enrolar? - ele disse, surpreso.

- Liam, vai trabalhar, vai. - falei, rindo, levantando da mesa e ele gargalhou.

- Hoje à noite, então. - disse, indo em direção à porta da sala. - Sem desculpas. - e, por fim, piscou o olho, rolei os olhos, porém rindo em seguida, Liam era um ótimo amigo, não tinha por que eu negar um jantar com o mesmo.

Depois do estágio, busquei Melanie na escola e fomos para casa rapidamente, hoje a pequena iria a uma festa do pijama na casa de uma de suas amiguinhas, e não havia nada que tirasse o sorriso no rosto dela.

- Eu vou tomar banho, e quando eu terminar venho te ajudar com a bolsa, ok? - falei da porta do quarto da menina que confirmou com a cabeça, virei meu corpo e imediatamente bati no corpo de Zayn. - Desculpa. - falei assim que voltei ao lugar que estava.

- Pelo visto todos vão sair essa noite... - ele falou entrando no quarto da filha.

- Aonde você vai, papai? - ela perguntou e eu prestei atenção silenciosamente.

- Vou sair com uns amigos. - ele disse. - E já que você não vai dormir em casa, vou chegar bem tarde. - ele disse brincando com a pequena.

- Ah não! - ela colocou a mão na cintura.

- Clara, não o deixe chegar tarde em casa. - pediu, fazendo bico, e eu sorri com a cena.

- Eu também vou sair, Mel... - falei, me desencostando do batente da porta. - E não tenho hora para chegar. - respondi, virando e indo diretamente ao banheiro, tomei um banho rápido e, em meia hora, eu estava pronta, levei mais tempo mesmo para arrumar as coisas de Melanie, que cismava em querer levar quase todas suas bonecas, olhei na tela do meu celular e vi a mensagem de Liam, dizendo que estava a minha espera em frente à casa, despedi- me de Melanie e saí sem nem ver Zayn.

- Boa noite. - sorri ao entrar no carro de Liam.

- Preparada para o melhor jantar da sua vida? - ele perguntou, já dando partida no carro.

- Menos, por favor. - disse, rolando os olhos, após quase vinte minutos dentro do carro, eu finalmente reparei onde estávamos e logo falei:

- Esqueceu algo em casa? - perguntei, encarando Liam, já que estávamos exatamente na rua onde ele morava.

- Não. - falou, estacionando em frente ao seu apartamento.

- Então... Por que estamos aqui? - perguntei, sem entender, vendo Liam desligar o carro.

- Porque vamos jantar aqui... - ele me olhou.

- Fala sério. - rolei os olhos, um pouco irritada com a intenção de Liam.

- O que foi, Clara? - ele puxou meu rosto. - Eu vou cozinhar! Você tem noção do que é isso? - ele disse, rindo, saindo do carro, fiz o mesmo e o olhei sem entender. - Eu realmente quero que você prove minha comida. - falou, entrando, e eu o segui.

- Sério que você cozinha? - perguntei, rindo.

- Clara, eu sou praticamente um chefe de cozinha! - ele encheu o peito e eu gargalhei. Entrei no apartamento de Liam, já conhecido por mim, e logo me senti em casa, ele colocou uma música tranquila, e, enquanto cozinhava, nós tomávamos um ótimo vinho, eu já estava descalça e ria de uma bobeira qualquer que ele falava, depois de um tempo, o jantar finalmente ficou pronto, o ajudei a arrumar a mesa e sem mais esperar começamos a comer, preciso admitir que Liam era um cozinheiro de mão cheia, estava tudo perfeito e delicioso, atrevo- me a dizer que foi uma das melhores comidas que eu já havia provado.

- Olha a sua cara! - disse, gargalhando de uma foto que Liam havia me mostrado. Já era bem tarde e estávamos ambos sentados no chão de sua sala, apoiados no sofá, com uma caixa de fotografias nas mãos. - O que é isso na sua boca? - perguntei, olhando a foto, e Liam quanto mais se explicava, mais se enrolava, nossa noite foi, sem dúvidas. baseada em gargalhadas.

- Viu, foi uma noite agradável, não foi? - Liam perguntou, me encarando.

- Demais. - respondi, pegando minha taça de vinho em cima da mesinha de centro.

- Não tinha porque me enrolar tanto... - ele falou e eu apenas ri, colocando uma mecha do meu cabelo para trás. - Vamos ter mais noites assim? - ele perguntou e eu olhei para cima, fazendo uma cara engraçada, como se tivesse pensando.

- Hm, deixa eu pensar... - brinquei. - Sim. - ri em seguida.

- É muito bom ficar contigo. - Liam colocou uma de suas mãos em meu rosto e acariciou. - E eu não falo isso só porque você é linda. - disse, aproximando seu rosto.

- Obrigada... - falei, encarando seus olhos. - Você também é... Muito, por sinal. - falei, rindo, já que não estava acostumada a elogiar homens assim.

- Só falta uma coisa para nossa noite ficar perfeita... - eu já sentia o hálito quente de Liam, e a mão forte dele apertando a minha nuca não estava me ajudando a evitá- lo.

- Eu acho que sei o que é, mas...

- Mas nada, Clara... - Liam levou sua boca até minha orelha, dando uma leve mordida, fazendo com que eu prendesse minha respiração. - Nem tenta se fazer de difícil pra mim, por favor... - ele falava enquanto continuava a me provocar.

- Eu não me faço de difícil, eu sou... - falei, dando uma risadinha de leve, já um pouco arrepiada.

- Mesmo com quem é louco por você desde que te conheceu? - ele falou, voltando o seu olhar no meu, Liam não deixou que eu respondesse, e logo levou sua boca na minha, pela primeira vez, eu fiquei sem reação com um homem, e só acordei do meu transe quando a língua de Liam tocou a minha, não me afastei, não evitei, Liam era um cara muito atraente, e nada me impedia de fazer aquilo, as mãos grandes de Liam apertavam minha cintura e sua barba roçava em todo meu pescoço, aquilo, sim, era insano, eu estava gostando, preciso admitir, no Brasil, era raro eu ficar com homens mais velhos, e ter essa experiência aqui, ainda mais com americanos, era bom demais, em um ato incrivelmente rápido, Liam me puxou pela cintura, fazendo com que eu sentasse em seu colo, em uma posição, digamos... Bem digna de deixar com que nossos pensamentos se divertissem, Liam estava sentado no chão com as costas no sofá, enquanto eu estava sentada em seu colo, com uma perna em cada lado, seu beijo era bom, bom demais, mas nada que comparasse ao único beijo que eu queria naquele momento.

- O que foi? - ele falou assim que eu cortei o beijo.

- Er... - falei um pouco desnorteada. - Nada. - disse, saindo de seu colo.

- Clara, relaxa... - ele riu e eu escondi meu rosto, como uma menina, eu poderia ficar por horas conversando com Liam, porém, meus olhos já se fechavam de tanto sono, e, assim que eu pedi, Liam me levou até em casa.

Arrastei-me até o andar de cima, torcendo para não ter muitas roupas jogadas em cima da minha cama, porque eu só queria dormir, sem dúvidas, nem banho eu tomaria, passei lentamente pela porta fechada do quarto de Zayn e apoiei minha cabeça na parede suspirando, às vezes eu paro e penso que eu e Zayn nunca deveríamos ter nos envolvido, eu não sei o que se passa na cabeça dele, não sei o que ele sente, mas eu sei que eu sinto, estava muito difícil aguentar a ausência de Zayn, e por um momento passou pela minha cabeça rezar para que Megan voltasse logo. 

Senti minhas pernas doerem um pouco, sem dúvidas hoje seria um dia em que eu passaria o dia inteiro na cama, mas, antes disso, eu realmente precisava de um banho, e foi exatamente o que fiz assim que levantei, coloquei uma roupa confortável e ajeitei meus cabelos, desci as escadas cuidadosamente ao ver que Zayn ainda não tinha levantado. Lembrei- me de North e imaginei que a menina devia estar dormindo pesadamente agora, já que provavelmente passou a madrugada acordada com as amigas, comecei a preparar um café e já tentava decidir entre ficar no sofá assistindo alguma coisa na televisão ou voltar para minha cama, quando, de repente...

- Bom dia! - uma mulher totalmente desconhecida e com as pernas de fora apareceu na cozinha.

- Bo- Bom dia... - respondi, sem entender. 

- Levei um susto quando escutei um barulho já que não tinha mais ninguém na casa além de mim e do Zayn... - ela dizendo, arrumando a blusa, visivelmente de Zayn, em seu corpo. - Mas aí lembrei que ele me falou que você é só a babá, né? - ela me olhou inocentemente com um ar de superioridade.

- Só a babá? - perguntei, incrédula, e ela concordou com a cabeça enquanto enrolava seus cachos ruivos nos dedos. - Verdade... Eu sou só a babá! - abri um enorme sorriso falso. - Sou a empregada também, e acabei de fazer um café, servida? - disse, irônica, jogando a xícara de café dentro da pia, deixando a mulher desconhecida sozinha, corri para o meu quarto e troquei de roupa, os planos de ficar o dia todo deitada foram por água a baixo e eu imediatamente corri para casa de Lott.

- Foda-se que ele está praticamente solteiro, Lott, foda-se. - falava, irritada. - Só a babá, ele pensa que ele é quem? - eu não estava me aguentando de tão nervosa.

- Ele é seu patrão, o dono daquela casa, e ele pode levar quem ele quiser lá, Clara... Não estou te entendendo. - Lott dizia calma, como sempre.

- Eu é que não estou te entendendo, Lott. Na verdade, eu nunca te entendo, por que você sempre fica do lado dele? - cruzei os braços e olhei furiosa para Lott.

- Porque você nunca está certa, Clara, só por isso... - ela falava como se fosse normal ficar contra mim nesse momento.

- Ah, eu nunca estou certa? Você que sempre se faz de certa e defensora dos fracos e oprimidos...

- Você está certa... Foi escrotice de o Zayn fazer isso... E está bem óbvio que ele fez de propósito, sabendo que vocês se encontrariam no dia seguinte. - Lott me defendeu. - Mas Clara, o Zayn está solteiro e a casa é dele e tem todo direito de levar quem quiser para dormir lá. - Funguei para não deixar que uma lágrima boba caísse dos meus olhos. - Está estampado na sua cara o quanto você está louca por ele, amiga... Não deixa isso passar... Fala com ele! - Lott dizia e eu a encarei.

- Como vou falar? - dizia, cruzando os braços prendendo o choro. - Ele deixou bem claro que só queria um relacionamento de trabalho. - falei, chorosa, e Lott rolou os olhos.  

- Você esqueceu que eu sou a namorada do irmão e melhor amigo dele? E que eu sei de tudo? - ela me desafiou e eu a olhei sem entender. - Não posso falar nada, só quero te dizer que a última coisa que o Zayn quer é ser seu chefe. - falou por fim, me fazendo suspirar.

- Eu vou embora... - disse, me levantando.

- Fica aqui, Clara. - Lott pediu, porém, eu neguei, eu queria ficar sozinha, espairecer, respirar um pouco e colocar meus pensamentos em ordem, despedi-me de Lott e fui andar pela rua fora, para ser sincera, não sei por quanto tempo andei, mas imagino que eu tenha andado muito, já que, naquele momento, eu estava em um banco na calçada em frente a uma praia qualquer da cidade e a casa de Lott ficava em uma longa distância de qualquer praia, suspirei pesadamente e silenciei ao olhar as pequenas ondas que ali se quebravam, eu sempre amei esse país sempre sonhei em vir para cá e conhecer todos os lugares possíveis, e agora que finalmente estava aqui, eu sequer havia saído de Londres, e tudo por causa de Zayn, eu simplesmente não tinha vontade de ficar longe dele, nunca em toda minha vida eu imaginei me envolver com o homem que me acolheria, isso era, sem dúvidas, fora de cogitação, e agora, aqui estou eu, secando uma lágrima que teimava em rolar dos meus olhos porque estava completamente apaixonada por ele, ter Zayn na mesma casa que eu e, ao mesmo tempo, longe de mim fazia com que eu sinta dor em meu coração, eu nunca havia sentido isso por ninguém, um sentimento que faz com que eu perca a noção da vida, que faz com que eu queira ter somente ele do meu lado, como se só ele fosse o bastante para minha real felicidade existir, olhei para o céu por um instante e lembrei que isso não era um conto de fadas, e, que se fosse, seria como Cinderela, que à meia- noite seu encanto acabava, e, no meu caso, eu provavelmente nunca mais veria Zayn nunca mais saberia nada sobre ele, e tudo o que aconteceu entre a gente seria apenas uma lembrança em meu subconsciente.

Já era quase nove da noite quando eu finalmente voltei para casa, entrei pela porta da cozinha, deixando minhas sandálias ali mesmo, passei pela sala e, na mesma hora, Melanie correu para os meus braços.

- Clara, até que enfim! - a pequena, que estava deitada no sofá com seu pai, agora me abraçava fortemente, atrevo-me a dizer que, para mim, foi um abraço confortante, abri um sorriso, mesmo com os olhos cheios d’água. Melanie era importante para mim, e eu jamais imaginaria me apegar tanto a uma criança assim. - O que houve? - a pequena me olhou piedosa e eu apenas neguei com a cabeça. Zayn nos observava do sofá.

- Você sumiu... A gente ficou preocupado. - ele falou, eu nem sequer olhei para Zayn, apenas funguei e falei para Melanie que eu iria para o meu quarto, ameacei subir as escadas, mas fui impedida por Melanie.

- Você tá triste? - ela perguntou, segurando em minha mão. Mordi meu lábio inferior e encarei a menina.

- Só um pouquinho... Mas vai passar, tá? - cochichei, dando um beijo na criança.

- Qualquer coisa me chama. - ela disse meiga e eu sorri com a cena, tenho certeza de que da mesma forma com que eu me apeguei a Melanie, a menina também se apegou a mim, não sei como será quando eu não tê-la mais na minha vida, na verdade, não sei como será minha vida depois que eu sair daqui.

- Clara? - Liam me chamou e eu olhei com o olhar perdido para ele. - O que aconteceu? Eu estou falando contigo faz cinco minutos e você não me escuta. - ele perguntou, confuso, passei a mão pelo meu rosto e joguei meu cabelo para trás.

- Liam... Desculpa. - me ajeitei na cadeira. - Não sei o que está acontecendo comigo hoje... - falei, respirando fundo.

- Você precisa relaxar, menina. - ele brincava, me cutucando. - Sério. - sorriu, por fim, eu realmente precisava relaxar, meu nível de estresse estava altíssimo e minha falta de atenção havia duplicado.

- Acho que preciso mesmo. - ri enquanto arrumava os papéis em minha mesa.

- Eu vou a um bar com o pessoal daqui hoje, você quer vir? - ele perguntou e eu torci a boca, não estava nem um pouco a fim de sair essa noite.

- Não sei... - falei, deitando minha cabeça na mesa em que eu estava.

- Deixa de ser velha! - Liam implicou comigo, após mais dez minutos insistindo para que eu fosse ao tal bar, eu finalmente cedi, era sexta à noite e eu não tinha nenhum plano, após o estágio, fui direto para casa e tomei um banho rápido, Melanie ficou no quarto comigo, me contando como foi seu dia na escola, a menina também estava pronta, já que iria para casa de sua avó, Zayn chamou a menina, dizendo que seus avós já estavam no andar de baixo à sua espera, eu também não demorei muito e logo saí de casa ao encontro de Liam, o bar em que fomos era um ambiente agradável, e eu agradeci mentalmente por Liam ter me convencido a ir, já que eu finalmente estava me divertindo, já na minha segunda garrafa de cerveja, eu tirava pela segunda vez o braço de Liam em volta de mim, e discutia com um cara qualquer do trabalho que teimava em dizer que nós éramos o mais novo casal da empresa.

- Ih, gente, vocês estão viajando... - eu falava, dando uma golada naquele líquido gelado.

- Para de negar, Clara... - Liam continuava brincando. - Essa aí está gamada em mim e não quer admitir. - ele implicava e eu dei um empurrão em seu braço, já tinha se passado uma hora e meia que estávamos lá, a mesa em que nos encontrávamos estava abarrotada de gente, todas da empresa da família de Liam, e eram realmente pessoas boas, piadas, risadas, conversas eram constantes, assim como o braço de Liam em volta de mim, mas dessa vez eu não rejeitei, antes de qualquer coisa, nós estávamos começando uma amizade, e ele sabia disso, em meio a mais uma piada idiota e uma gargalhada escandalosa, eu avistei de longe um casal adentrando no bar, forcei meus olhos e senti uma pontada no coração, Zayn estava ali, acompanhado, o casal imediatamente foi para o balcão do bar, se sentando nos bancos altos que ali estavam e, quando eu consegui enxergar, reparei que era a mesma mulher ruiva que havia dormido em casa, sem esconder minha aflição, Liam perguntou umas duas vezes se eu estava bem, era claro que eu não estava, porém apenas neguei, cinco minutos foram o bastante para Zayn viajar seu olhar pelo local e dar de cara comigo sua expressão parecia ter sido a mesma que a minha, e eu tenho certeza de que seu olhar naquele momento estava vidrado no braço de Liam a minha volta, eu não sei por mais quanto tempo ficamos ali, sei que eu estava totalmente alienada do que acontecia a minha volta, meus colegas falavam comigo e eu respondia coisas aleatórias, ria de coisas que eu nem sabia o que era, tudo isso sem conseguir tirar os olhos de Zayn, tu estava incomodada, era óbvio, senti Liam dando um beijo em minha bochecha e depois algumas risadas, sem dúvidas mais uma piada falando que éramos um casal, ri mesmo sem ter entendido e logo avisei que iria ao banheiro, eu precisava espairecer.

- Droga! - falei sozinha ao entrar no banheiro do local, era um banheiro enorme, com uma iluminação escura, apoiei minhas mãos na pia e me olhei no espelho que tomava conta de toda a parede em que a pia estava, eu não podia ficar assim por um cara, não mesmo, abri a torneira, recolhendo um pouco de água em minhas mãos e molhei meu rosto, respirando fundo, ouvi o barulho da porta e, ao olhar, deparei com Zayn. Abri a boca incrédula, sem entender o que ele estava fazendo ali.

- O que você está fazendo aqui? - perguntei imediatamente, encarando o homem no banheiro feminino.

- Clara, você está ficando com o Liam? - ele ignorou minha pergunta, andando até mim, me fazendo outra.

- Zayn, se alguém entrar teremos sérios problemas... - foi minha vez de ignorar sua pergunta, ele deu meia volta, indo novamente até a porta, e girou a chave que ali estava. - Zayn! - o repreendi.

- Você está ou não está com ele? - Zayn repetiu sua pergunta, vindo em minha direção.

- O que você tem a ver com isso? - o olhei incrédula, com a mão na cintura, Zayn apenas bufou e eu rolei os olhos, virei novamente de frente para o espelho e comecei a arrumar meu cabelo, como se a presença do meu chefe ali não significasse nada, bobagem.

- Sabe... - ele se aproximou de mim. - Eu tenho certeza de que isso é um joguinho seu só para me provocar... - Zayn se pôs atrás de mim, porém, eu ainda podia vê-lo pelo espelho, já que o mesmo era mais alto do que eu.

- Do que você está falando? - perguntei confusa e Zayn abriu um sorrisinho irônico.

- Clara, você tem noção do quão puto eu fiquei quando entrei no bar e te vi com ele? - Zayn tirou meu cabelo de onde estava deixando meu pescoço e orelha descobertos. - E você tem noção do quanto eu fiquei com vontade de te arrancar dos braços dele e te mostrar que sou melhor do que ele? - Zayn cochichou no ouvido e eu fechei meus olhos, sentindo um arrepio em toda espinha.

- Eu realmente não sei por que você está falando essas coisas... - tentei afastar Zayn de mim, o que foi em vão.

- Em casa a gente conversa. - ele falou, tirando as mãos de mim e indo em direção à porta. Olhei sem entender e o chamei.

- Eu não vou embora agora! - falei, decisiva. Zayn destrancou a porta e me observou.

- Eu te espero. - abriu a porta. - Acho que a gente tem um assunto pendente. - Zayn piscou, e, por fim, saiu do banheiro feminino. Era só o que me faltava.

- Nossa, Clara, o que houve? - Liam perguntou assim que eu voltei para mesa. - Você demorou muito... Eu quase fui atrás de você. - ele disse, me olhando estranho e logo dei a desculpa de que havia ficado trancada no banheiro, o que, de certa forma, era verdade, tentei enrolar mais um tempo, tempo suficiente para ver Zayn indo embora com a mulher, tempo suficiente para me deixar agoniada, será que ele estaria mesmo me esperando em casa? E o que ele queria, afinal? Eu não queria ir embora, porque não queria que Zayn soubesse que eu passei o resto da noite imaginando o que ele faria, enrolei o máximo de tempo que consegui e, passando duas horas, pedi a Liam que me levasse embora, já era tarde e eu não queria mais ficar ali, Liam estacionou o carro em frente de casa, e eu agradeci saindo rapidamente, arrumei meu cabelo e minha roupa e respirei fundo, eu sabia que isso era ridículo, mas eu estava morrendo de nervoso e ansiedade, bri a porta cuidadosamente e reparei que a casa estava toda apagada, nem sinal de Zayn.

- Babaca. - falei sozinha, jogando minha bolsa no sofá da sala.

- Me chamou? - a luz se acendeu e eu vi que Zayn nesse momento descia as escadas com um sorriso estúpido no rosto. - Achei que assim que eu te dissesse que te esperaria, você viria para casa. - ele falou, parando no pé da escada.

- Desculpa se te desapontei... Mas é que a minha noite estava muito agradável. - falei, sorrindo irônica, como ele, tirando a jaqueta e jogando no sofá junto com minha bolsa.

- A minha também estava... - ele falou, dando passos para frente. - Muito, por sinal. - sorriu, rolei os olhos e fui em direção à cozinha, olhei no relógio da parede e marcavam duas e meia da manhã.

- Afinal, qual o motivo do pedido para que eu viesse para casa? - falei quando vi que Zayn vinha atrás de mim.

- Eu só quero que você me responda se está ficando com o Liam ou não. - ele falou do outro lado do balcão, enchi um copo de água, na maior lentidão possível, encostei as costas na pia, respirei fundo e respondi:

- Isso não te diz respeito... Afinal, eu sou só a menina que cuida da sua filha. - pisquei o olho e bebi toda a água que ali estava. Zayn balançou a cabeça e riu, ele veio até mim, encostando- se ao balcão da cozinha, que ficava exatamente de frente para pia que eu estava encostada.

- Só quero te avisar que se isso for para me fazer ciúme, não está funcionando. - estávamos em uma distância grande, e eu estava pedindo mentalmente para que continuássemos assim, gargalhei um pouco alto. Zayn estava sendo ridículo, e eu ia entrar no seu jogo. - Vai, Clara, me responde... - ele insistia em fazer uma voz sedutora. Zayn falava com os olhos semicerrados.

- Isso não é da sua conta, Zayn! - falei, séria, o encarando, não acredito que Zayn achava que tinha algum direito de tirar satisfações comigo. Pior. Não acredito que ele achava que eu estava saindo com Liam para fazê- lo ciúmes, o que não era verdade, mas, pelo visto, era o que tinha acontecido, ver Zayn com ciúmes até que estava sendo bem prazeroso. - E a sua amiga? Não foi legal você deixá- la sozinha para ir até o banheiro feminino do bar à minha procura, você não acha? - falei firme e Zayn riu. Dessa vez, não irônico. Ele realmente riu.

- Ninguém está falando dela... - Zayn desencostou- se do balcão e veio até mim, colocando a mão em minha cintura, e pressionando seu corpo no meu, o que ele queria, afinal? - Só acho engraçado você estar com um cara, sendo que eu tenho certeza de que é comigo que você queria estar. - ele falou convencido, alisando minha cintura, foi minha vez de rir, na verdade, de gargalhar.

- O que te faz pensar que eu morro de prazer com você, Zayn? - menti com um ar de superioridade, sua autoestima nesse momento estava alta demais, e eu não deixaria barato assim, ele não respondeu, apenas deslizou sua mão para o interior da minha coxa, eu continuava apoiada na pia, encarando Zayn e já podia sentir sua respiração pesada, mas eu estava me controlando, eu precisava me controlar, o homem a minha frente não parou seus movimentos, levando sua mão até minha calcinha. - Zayn! - o repreendi novamente, segurando seu braço, vi um sorriso torto brotar no lábio de Zayn.

- Quem você quer enganar? - ele perguntou, segurando meu cabelo pela nuca, e eu, contra minha vontade, fechei os olhos, como sempre, Zayn alisava minha intimidade por cima da calcinha e eu apenas tentava ficar consciente.

- Não é fazendo carinho em mim que você vai provar que é melhor que o Liam. - provoquei com um sorriso sujo no rosto, olhando dentro dos olhos de Zayn, falar que outro homem é melhor mata qualquer um, Zayn não pensou duas vezes, levou sua boca até minha orelha, dizendo com uma voz completamente rouca:

- Você vai se arrepender de ter dito isso... - dito e feito, Zayn invadiu minha calcinha, colocando dois dedos dentro de mim, e, na mesma hora, um gemido abafado saiu da minha boca, virei meu rosto fechando os olhos, com raiva de mim mesma. - Olha isso... - Zayn pegou em meu queixo um pouco bruto e me forçou a olhar para ele.

- Olha seu estado enquanto eu te masturbo. - ele disse enquanto metia seus dedos em mim, sem pena, fazendo com que eu enlouquecesse.

- Você é um idiota. - respondi entre os dentes.

- Você gosta que eu sei. - ele falou agora, subindo suas mãos até meus seios, eu juro que estava dando meu melhor, tentando me controlar, mas perdia todos os sentidos com os toques de Zayn. - Agora me responde se ele te deixa assim... - ele pedia. Zayn queria ouvir da minha boca que era o melhor. Mas ele não ouviria. - Vai, fala! - ele mandava estupidamente, apoiei minhas duas mãos na pia, e inclinei meu corpo para trás, fazendo com que Zayn voltasse a atenção para minha intimidade, eu não acreditava que aquilo estava acontecendo, e não podia me entregar tão facilmente, Zayn não foi atrás de mim só por ciúmes, Zayn não estava ali naquele momento só porque me queria, o real motivo era porque seu ego estava machucado, Zayn me tinha nas mãos, e ele sabia disso. E, agora, ele não compreendia como eu podia estar com outra pessoa. E, na verdade, eu não estava. O que aconteceu com Liam foi apenas um beijo e nada mais, naquele momento, o único a quem eu queria me entregar de corpo e alma era Zayn.

- Zayn, não seja prepotente... - o chamei atenção e prendi meus olhos no dele. - Até sozinha eu me divirto mais. - eu estava me sentindo em uma cena de filme, onde a mulher deixa o cara no chão com suas palavras, homem nenhum é capaz de escutar uma mulher dizendo que se diverte mais sozinha sem fazer nada, e com Zayn não foi diferente, sua mão em minha bunda levantou meu corpo, me fazendo sentar na pia, e desesperadamente seus lábios procuraram o meu, não há como negar que sentir o gosto do beijo de Zayn é como a oitava maravilha do mundo, eu estava alucinada, suas mãos apertavam minha coxa sem preocupações de dores futuras. Infelizmente, eu me deixei levar, quando, na verdade, deveria empurrar Zayn e dizer o quão idiota ele estava sendo, eu deveria dizer que ele não podia em um dia me destratar e no outro me comer, mas vai falar isso para o meu corpo, e claro, para os meus hormônios, eu fiz totalmente o contrário, eu simplesmente arranquei sua blusa e passei a mão pelo corpo que me deixava à beira do abismo.

- Eu não sou prepotente, Clara. - ele cochichava enquanto mordia minha orelha e puxava o cabelo da minha nuca de forma brusca. - Eu só confio no que eu faço. - falou, abaixando a alça da minha blusa. Eu nem esperei Zayn tirar, meu corpo estava tão descontrolado que eu mesma arranquei minha blusa e deixei que Zayn terminasse arrancando meu sutiã, enquanto eu arranhava suas costas, ele mordia meus seios, ficamos assim por um bom tempo, um aproveitando o corpo do outro, enquanto as roupas iam caindo, e, quando percebemos, estávamos os dois completamente nus, como há muito tempo não ficávamos, na cozinha.

- Eu não quero mais esperar, Zayn. - foi o que eu consegui falar em meio a gemidos, já que Zayn estava judiando de mim lá embaixo, claro que um sorriso convencido surgiu em seu rosto, minutos atrás eu dizia que me divertia mais sozinha, e, agora, estava implorando por ele, Zayn não esperou, ele se faz de difícil, mas eu sei muito bem quando um homem fica desesperado, e, naquele momento, ele estava tanto quanto eu, suas mãos estavam em minha coxa, me segurando para que eu não escorregasse, já que eu estava na beirada da pia, senti todo aquele calor de Zayn entrando em mim e secretamente um sorriso brotou em meus lábios, sem dúvidas, era com Zayn que eu tinha as melhores transas, e o que eu mais gostava em Zayn era que ele não tinha pena de mim, Zayn enfiava com toda sua força, e descontava em mim todo seu tesão, claro, sem exceder meus limites. Mas eu sou do tipo de pessoa que, quando o assunto é sexo, não tenho limites, o pescoço de Zayn estava roxo de chupões e arranhões, e minha intimidade pulsava de tanto que Zayn estocava, levei minha boca até seu ouvido, e não tive papas ao gemer tudo o que estava guardado dentro de mim, e eu sabia que isso deixava Zayn maluco, cansado da posição, Zayn me levou para sala, em seu colo mesmo, e se jogou no sofá, fazendo com que eu ficasse sentada em cima dele, o homem relaxou suas costas no encosto do sofá e eu fui de encontro com sua boca em um beijo estonteante, não demorou muito para que eu me posicionasse e sentasse em Zayn, como se, naquele momento, ele estivesse completamente em minhas mãos, falando em mãos, as deles estavam no meu quadril, me guiando, a expressão safada de Zayn me vendo rebolar só fazia com que eu sentasse com mais e mais força. Encostei meu corpo no de Zayn e estávamos os dois abraçados sentados no sofá, fodendo como nunca, a casa estava totalmente tomada pelos meus gritos e gemidos de Zayn, naquela posição, eu sentia cada centímetro de Zayn, e isso era espetacular, o senti estremecer, depois de muito tempo, confesso que eu mal estava aguentando, e agradeci mentalmente por Zayn ter finalmente gozado, eu ainda estava abraçada a ele, sentada em seu colo com a cabeça em seu ombro, senti sua boca dar um leve beijo em meu ombro e fazer o caminho até minha orelha dizendo com uma voz rouca e afobada:

- Você é sensacional. - ele disse, e para quem começou a noite todo presunçoso, eu até que virei muito bem o jogo, joguei meu corpo para o lado e finalmente pude respirar e esticar minhas pernas, que, sem dúvidas, estava com alguns nós nos músculos. - Agora me diz... - Zayn me olhou. - Eu sou ou não sou melhor que o Liam? - e eu o olhei cética, ele só podia estar de brincadeira.

- Ah, vai tomar no cu, Zayn! - falei, puta, me levantando e indo em direção à cozinha pegar minha roupa que estava jogada no chão, e o pensamento do início da noite só se concretizou, parecia que aquilo tinha acontecido não porque ele queria, mas sim porque que Zayn queria me provar que era melhor, e ele estava rezando para eu dizer o quanto ele era bom, mas, se dependesse de mim, o ego de Zayn continuaria afetado, subi as escadas sem nem me despedir e o arrependimento de não ter me controlado já tomava conta de mim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...