História The Bad Girl - Capítulo 49


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Debrah
Tags Amor Doce, Bad Girls, Castiel, Castiete, Medison, Rock
Visualizações 126
Palavras 4.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OIE GENTE LINDA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

TUDO BOM??????
MAIS UM CAPITULO PARA VOCÊS!!!!!!!!!!!
ESPERO QUE GOSTEM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

*Estou gritando tá bom?*
Bju!!!!!!

Capítulo 49 - Life is still going on ...


Fanfic / Fanfiction The Bad Girl - Capítulo 49 - Life is still going on ...

        Como dói olhar para uma pessoa que a gente ama... Que a gente já amou... E ver que tudo que fizemos juntos só vai ficar na memoria... Tantas promessas... Tantos beijos... Tantos momentos... Chega dar um aperto no coração.

        “Haja olhos pra chorarem... Haja lagrimas para caírem...”.

        Por que hoje em dia os relacionamentos não duram tanto? Eu nunca entendi porque uma pessoa não fica com uma pessoa pra sempre... Por acaso... Vocês... Estão com o seu primeiro amor até hoje? Talvez tenham começado agora... Mas talvez... Quem sabe... Não vá durar pra sempre.

        Por isso que eu devia ter escutado tal conselho... Qual conselho? Deixar o meu futuro nas mãos de Deus... Focar nos meus estudos... Evitar sofrimentos... Mas não... Eu sou teimosa... Eu tive que me “apaixonar” pelo garoto da minha sala... Ele tirou a minha virgindade... Depois nem se quer ficamos juntos... Depois conheci outro cara... Era pra ser amizade... Mas eu tive que me “apaixonar” por ele... Namoramos... Coisas ruins aconteceram... Terminamos... Depois reencontrei meu amigo de infância... Me “apaixonei” por ele... Começamos a namorar... Mas... Não durou muito... Terminamos... Você deve se perguntar... Porque todos os derivamos de “paixão” estão entre aspas... O motivo é simples... Porque não passava de paixão platônica... Mas não foi sempre assim...

        Mudei-me de tudo... Escola, casa, cidade e tal... Conheci um tomate... Mais uma vez... Era pra ser amizade, mas... Eu me apaixonei por ele. E dessa vez foi de verdade. Eu nunca havia sentido nada assim antes. Ele coloriu o meu mundo preto e branco... Ele mudou tudo... Ele me mudou. Ele me pediu em namoro e eu aceitei... Ele fazia merda e eu o perdoava... Quantas merdas ele fez? Muitas. E eu sempre o perdoei.

        Estava tudo bem, mas tinha que aparecer um demônio para acabar com tudo. Ele ficou estranho depois de ver esse demônio. Ele fez questão de deixar um presente no meu útero antes de fuder com tudo. Isso mesmo... Ele me engravidou. E antes mesmo de eu falar pra ele, o mesmo terminou comigo.

        E agora eu estou aqui... Sofrendo... Chorando... Sem chão... Eu estou completamente morta. Sinto-me sem vida. Era como se eu fosse um zumbi... Uma zumbi que está gravida.

        Por isso eu digo... Se for pra sofrer... Que sofra por uma pessoa que já sofreu pela gente.

        Estou deitada na cama... Olhando para o teto... Era como se eu estivesse no meio do deserto, a noite... Estava tudo frio. Não a temperatura e sim o meu estado. Era frio... Tristeza... Solidão.

        É só eu e meu filho ou filha.

                Não consigo dormir. Eu tenho vontade de chorar, mas é como se minhas lagrimas tivessem acabado. To tão vazia que nem lagrima eu tenho.

É assim... No início eu lutava contra coisas pequenas, mas normalmente escolhi ignorá-las. É como uma dor de cabeça que eu insisto em dizer que é temporária, “vai passar”, “que é só mais um dia ruim”. Mas não é. Eu estou presa nesse estado mental. Eu me acostumei a colocar uma máscara social e continuei a viver em meio às pessoas, porque é isso que eu tenho que fazer. É isso que os outros fazem. No entanto, o problema não passa, e eu luto para levantar todo dia, e começa a ficar mais difícil a cada dia...

É ai que eu cai mais fundo ainda e é aí que eu, aos poucos, me afastei da minha família e dos meus amigos –que eu não os vejo a dias—às vezes isolando-me deles completamente... Toda a satisfação vai embora. As pequenas coisas que me alegravam são agora sem importância, e mesmo as tarefas mais simples tornam-se dolorosas, e é aí que começa a faltar motivação... “Por que continuar tentando se nada me faz feliz?”

Tudo me faz sentir-me ainda pior e eu me vejo preso em um círculo vicioso. Subitamente eu me encontrava vivendo em câmera lenta. Os dias se tornam indistinguíveis. É apenas um ruído branco, apenas um peso preenchendo a minha cabeça e se derramando sobre seu corpo. Eu sinto que nunca mais serei feliz novamente. Eu continuo a recuar e destruir relacionamentos. Eu me envergonho de tudo o que fiz ou faço, e de tudo o que não fiz. Há uma parte minha que quer fazer as coisas direito, que quer voltar a ser o que era, uma súbita onda de positividade me faz querer sair e encontrar pessoas, mas tudo passa muito rápido, porque eu sei que não vai funcionar de qualquer maneira.

Coisas que deixam meus amigos animados me deixam indiferente e eu fico ciente do imenso abismo entre nós.

Não sei o que há comigo. Faz seis dias que estou aqui na casa da minha mãe. Não saio de casa, só fico aqui dentro, não quero mais viver... Não quero mais sorrir. Não é só porque o Castiel terminou comigo... Tem algo mais. Não sei o que é, mas... Eu não sei...

Eu não faço quase nada. Só como, durmo, tomo banho e escrevo musicas. Pelo menos essa porra que tá acontecendo comigo serve para alguma coisa... Dá-me muita criatividade. Não sei quantas músicas eu já escrevi, mas eu sei que foram muitas. O caderno que eu peguei da minha mãe era de 10 matérias. Já acabei com cinco delas só escrevendo música... Além dos meus desabafos. Já que eu to desabafando tudo no papel.

Meus pais estão trabalhando. Eles pediram para eu fazer uma compra pra casa para eles. Eu não tenho nenhuma motivação, mas eu vou fazer o que eles pediram. Pelo menos isso.

Levantei da cama. Andei até o banheiro. Primeiro tomei um banho. Entrei na banheira. Fiquei sentada na banheira e abracei meus joelhos. Fiquei lá por um tempo e depois sai. Coloquei uma calça jeans, uma blusa normal branca e uma blusa de frio com capuz. Fiz um coque de qualquer jeito e coloquei um chinelo da melissa preto. Peguei o dinheiro que a minha mãe tinha deixado junto com a lista e sai de casa. Coloquei o capuz e fui até o mercadinho.

Comprei as coisas e voltei pra casa. Assim que cheguei eu guardei as compras e voltei para o meu quarto. Tirei a calça e a blusa de frio. Fiquei apenas de blusa e calcinha. Me joguei na cama.

{Medison—Off}

{Megan –On}

        Estou na sala de aula. Estou ficando louca. Faz seis dias que a Medy está desaparecida. Eu estou muito preocupada. Não só eu, como os amigos DE VERDADE dela também. Estou ficando paranoica. Não estou conseguindo mais fazer nada.

Se não fosse Nathaniel, eu não sei o que eu já teria feito.

--Senhorita Megan?! –Gritou o professor me despertando dos meus pensamentos. Revirei os olhos bufando. –Está prestando atenção?

--Não. Não estou! Sabe por quê? Porque a minha irmã está desaparecida. E ninguém se preocupa com isso. Todas essas pessoas que diziam serem AMIGOS dela estão pouco se fudendo. –Falei indignada e irritada. Todos se calaram e me encararam. –O que foi? Estou mentindo? –Ninguém respondeu. –O silencio de vocês dizem tudo. Inacreditável... Como vocês podem reclamar de falsidade se vocês mesmo são falsos?  Amigo de verdade, NUNCA da às costas!!!!!! Espero que todos vocês tomem no meio do cu! –Falei. Levantei peguei minhas coisas e sai sem ao menos pedir para o professor.

        Agora é fato... Estou enlouquecendo. CADE A PORRA DA DESGRAÇA DA BUCETA DA MINHA IRMÃ???????????????????????????????????????

{Megan –Off}

{Medison –On}

        Ouvi batidas na porta. Mandei entrar. Eram meu pai e minha mãe.

--Olá querida... –Disseram.

--Oi... –Falei.

--Precisamos conversar. –Disse meu pai se sentando na minha cama. Sentei-me também. Minha mãe a mesma coisa. Eu apenas assenti.

--Você não pode ficar assim... Eu me preocupo com você... Nós nos preocupamos. Megan me ligou desesperada... Ela está extremamente preocupada com você. Serio que você vai fazer isso com ela? –Disse minha mãe.

--Assim... Foda-se se aquele desgraçado te largou. Você não depende dele pra viver. A única coisa que você precisa pra viver é Deus, mais ninguém. –Disse meu pai. Encarei minhas mãos. –Bola pra frente. Ele não merece você. Ele merece uma garota não uma mulher. Porque é isso que você é... Uma mulher. Você vai fazer 19 anos. Você já é dona do seu próprio nariz. Ele é só um moleque. Ele merece algo do nível dele. Ou seja, uma menina. Não uma mulher como você. Ele não te merece.

--Não deixe que um filho de puta, como ele, te faça desistir de tudo, de todos os seus sonhos, de tudo aquilo que você quer na vida! Acredite! Lute! Saia desse circulo negro! Colora o seu próprio mundo. Você pode fazer isso sozinha! –Minha mãe falou.

--Filha... Às vezes, coisas ruins acontecem para nos colocar nos caminhos certos... Para nos colocar na direção onde teremos felicidade. –Meu pai falou. –Aconteça o que for... Insista, persista e nunca desista de tudo o que você quer na vida. Não estrague a sua vida por causa de um filho da puta. –Comecei a refletir. Então senti algo nascer dentro de mim. Uma gota de esperança brotou dentro de mim. Era como se o mundo que eu via em preto e branco, começasse a ganhar cor sozinho, sem ninguém precisar colorir ele.

--Obrigada pai... Obrigada mãe... Eu precisava disso! –Falei e os abracei. Os mesmos retribuíram.

--Olha... Não importa o que você tenha acabado de decidir... O que importa é que te faça feliz. –Minha mãe disse. Eu sorri e voltei a abraça-los.

        Meus pais saíram do quarto e eu olhei para aquele caderno onde eu havia escrito as músicas. Sorri. Sai do quarto atrás da minha mãe. Peguei o celular dela emprestado. Liguei para Bruce.

{Ligação –On}

Bruce: Alô? Quem é?

Eu: Bruce? Sou eu a Medy.

Bruce: *Silencio* MEDY??????? VOCÊ ESTÁ BEM? COMO ESTÁ? Eu estou muito preocupado com você... O que aconteceu?

Eu: Calma... Calma... Eu vou te contar, mas antes... Você teria uma hora pra mim? Preciso conversar com você.

Bruce: Claro... Amanhã as 09h00min da manhã está bom pra você?

Eu: Claro... Estarei ai!

Bruce: Okay... Bom eu tenho que desligar.

Eu: Ok... Beijo, até amanhã.

Bruce: Tchau.

{Ligação –Off}

-Dia seguinte-

        Acordei bem disposta. A conversa que tive com meus pais ontem me fez bem. Eu estou muito bem... É como se eu tivesse renascido... Mas eu ainda estou com dor. Dor por ter perdido o Castiel. Na verdade não é nem dor, é raiva mesmo.

        Levantei da cama, tomei café com meus pais e em seguida fui tomar banho. Sai e me troquei. Coloquei uma calça legging preta e uma blusa de frio de lã, na cor branca. Penteei o cabelo e o deixei solto. Coloquei uma touca caída de lã na cor branca. Em seguida coloquei uma bota cano médio na cor branca com detalhes pretos. Peguei uma bolsa e coloquei dentro o caderno onde estavam escritas as minhas músicas.

        Meu pai me levou até o prédio onde era o escritório de Bruce. Chegando lá, falei com a secretaria e subi até o andar do mesmo. Sai do elevador e me sentei ao lado de um cara.

-Eu já vi esse cara em algum lugar... –Pensei.

        O cara sentado ao meu lado era-me familiar. Já tinha o visto em algum lugar. Foi então que a minha ficha caiu. Eu estava sentado ao lado do Lil Wayne.

--Puta merda... –Falei assim que a minha ficha caiu. Ele olhou para mim. Ele deu um sorriso.

--Perai.. Você não é a tal cantora desaparecida? –Disse ele.

--Eh... Sou. Mas não estava desaparecida. –Falei.

--O mundo inteiro parou quando a noticia saiu no jornal falando que a mais nova cantora desapareceu. Gosto das suas musicas... São bem fodas. –Disse ele.

--Valeu. –Falei.

--Que nada... Medison, neh? –Falou ele e eu assenti. –O que aconteceu pra você sumir?

--Problemas. Queria ficar longe do mundo por um tempo. E o bom que nesse tempo minha mente ficou bem criativa e ai escrevi varias musicas... E mais uma coisinha... Cara... Pode me chamar de Medy. –Falei.

--Tendi... Beleza Medy... E você pode me chamar só de Lil. Beleza? –Falou ele e eu assenti.

--Assim... Se não for pedir muito, você pode dar sua opinião sobre algumas das músicas que eu escrevi? –Falei.

--Claro... Porque não... –Disse ele sorrindo. Eu sorri. Abri a bolsa e peguei o caderno. Abri em uma das músicas e entreguei pra ele. Meu coração foi a mil. Ele leu. Depois me encarou e sorriu. –Tá foda. –Falou ele e eu sorri. –Tô falando serio... Essa música tá incrível... Sensacional. Parabéns.

--Obrigada. Isso significa que ela tá aprovada para o mundo?

--Pra mim tá... Mas na real... Foda-se o gosto dos outros. O que importa é se você gostou.

--É isso ai! –Falei. Ele levantou a mão e demos um soco bate.

--Adoraria gravar uma música com você. –Disse ele. –E a sua banda.

--Que banda? Eu vou sair dos Night Angels.

--O que? Por quê?

--O problema que eu estava passando... É uma das pessoas da banda. E se eu continuar... Vou piorar.  

--Nossa... Isso ai vai dar o maior rolo.

--Eu sei... Mas eu é que decido as coisas da minha vida. Eu posso até magoa-los, mas... Não dá.

--E o que vai ser? Vai parar de vez ou vai seguir careia a solo?

--Carreira a solo. Eu amo cantar. E já que eu to aqui... Vou continuar... Só que do meu jeito.

--Gostei de você... Garota determinada... –Disse ele e eu sorri.

--Valeu.

--Medy querida... –Disse Bruce assim que chegou perto de mim. –Eai Lil... Bem?

--Tá tudo susa. –Disse Lil.

--Eai Bruce... –Falei.

--Fiquei preocupado com você! Nunca mais faça isso!

--Lil? –Disse um cara. Provavelmente era o produtor do Lil. Ele se levantou e deu um ‘até mais’ para nós e segui até a sala do produtor dele. Eu entrei na sala de Bruce.

--Antes de tudo... Diga-me... O que aconteceu para você sumir? –Disse Bruce. Eu dei um longo suspiro. Comecei a falar desde o começo. –Entendi... Castiel seu merda! Mas me diga... Porque você não contou mesmo assim pra ele esse segredo?

--Não preciso dele. Pra nada. –Falei.

--Entendo.

--Bom, chega de enrolação... Tenho algumas coisas a tratar com você. Já que você é o meu produtor e o meu empresário. –Ele assentiu. –A primeira é... Eu vou sair da banda.

--O que? Por que? –Ele falou indignado.

--O motivo você sabe muito bem. Eu acabei de dizer.

--Só por causa do Castiel?

--Sim. E nem venha tentar me convencer de não o fazer, porque eu já estou decidida!

--Okay... Não vou insistir... Só que... Isso me pegou de surpresa... Vai dar o maior rolo com isso...

--Foda-se. O segundo é que... Eu vou começar uma carreira a solo. Sem ninguém. Só eu e eu.

--Tudo bem... Bom... Quer que eu indique uma pessoa pra ser a sua empresaria?

--Seria bom...

--Tudo bem... O nome dela é Cecilia. Ela trabalha aqui no prédio também. O escritório dela é no ultimo andar. Ela é a minha prima. Você  vai resolver tudo com ela.

--Beleza... Mas vou deixar uma coisa clara... Não vou sair agora. Vou esperar um certo tempo.

--E quanto tempo duraria esse “cero tempo”?

--Não sei... Mas até lá eu te mantenho informada.  Mas eu já vou iniciar a minha carreira.

--Explica isso direito.

--Eu compus varias músicas nesses últimos dias. Elas foram criadas por mim. E eu já queria lança-las. Mas... Sem ninguém saber.

--O que está tramando Medy? –Disse ele.

--Você é esperto... Mas não tanto. Não se preocupe Bruce, você verá com os seus próprios olhos. –Disse e sorri.

--Já que você está dizendo... –Falou ele.

--Quero gravar as músicas o mais rápido possível.

--Tenho um tempo livre hoje. Podemos ir à gravadora e já iniciar toda a parada.

--Ótimo. Então vamos.

(...)

        Terminei de gravar as músicas à noite. São 21h15min da noite. Estou esperando Bruce.

        O mesmo chegou e se sentou ao meu lado.

--Eai? As músicas serão lançadas quando? –Perguntei.

--A primeira música que gravamos saíra essa segunda. Tá bom pra você? –Falou ele.

--Tá ótimo! Muito obrigada  Bruce.! –Falei e o abracei.

--Vamos. Eu te levo até o lugar onde você se escondeu. –Disse ele e eu assenti.

(...)

-Segunda-feira-

        Estou indo até o meu apartamento. São 07:50 da manhã. Megan já deve ter saído. Cheguei e subi até o meu apartamento.

        Abri e dei de cara com os meus bichinhos lindos. Eles estavam com muitas saudades de mim. Fiz carinho neles e brinquei com eles.

        Cheguei ao meu closet e a primeira coisa que fiz foi pegar todas as coisas que Castiel me deu. Peguei todas as roupas que ele me deu e as coloquei em uma sacola. Depois peguei outros objetos que ele me deu. Joguei tudo em uma sacola. Depois de tudo, tirei aquele colar que ele tinha me dado do meu  pescoço, pois eu estava com ele até aquele momento, o mesmo digo sobre a aliança. Peguei o colar e a aliança e os joguei na sacola. Sente-me na minha escrivaninha e peguei um papel e escrevi um bilhete.

*Bilhete*: Caro senhor Harris... Estou devolvendo tudo que o senhor me deu. Não preciso mais. Essas coisas são inúteis para mim. Pode doar ou fazer o que bem entender. Não quero nada que venha de você. E lhe peço uma coisa... Devolva imediatamente o meu cachorro. Devolva o Dragon Zeus imediatamente. Pois ele é meu. Pois acho que ele não merece viver com um cafajeste como dono. O que será que você é capaz de fazer com o meu cachorro?  Muitas coisas. Ou você devolve o meu cachorro ou eu vou até a sua casa e pego ele. Já que ele é meu. Obrigada pela compreensão.

--Prontinho... –Falei rindo malignamente. –Isso é só o começo... Castiel!

        Peguei aquele bilhete e o coloquei dentro da sacola. Em seguida me arrumei rapidamente. Pois ainda iria para a escola.

        Coloquei um look foda. O look da minha volta. O look da minha vingança!

        Arrumei o cabelo. Peguei minha mochila e a sacola.

        Desci até o térreo. Entreguei ao porteiro.

--Olá senhor Rinkys... –Falei ao porteiro.

--Olá Medy... –Disse ele.

--Entrega isso aqui para o Castiel. E não diga que fui eu tá bom?  

--Tudo bem. –Disse ele.

--Valeu. Tenha um bom dia! –Falei indo em direção à escadaria que dá no estacionamento. Chegando lá vi que o carro que EU comprei para o Castiel estava lá. Ri e entrei no meu carro. Segui para a escola. Cheguei lá quase na hora do almoço. Estacionei o carro no estacionamento. O portão estava fechado e o que eu fiz? Isso mesmo. Pulei. Mesmo de salto. Eu pulei e foda-se.

        Meu celular vibrou –Comprei um celular novo. –Era uma mensagem do Bruce dizendo que a minha música tinha sido lançada a uma hora e já tem muitas visualizações e curtidas. A música foi postada no youtube, no canal da gravadora.

        Uma coisa que eu não contei. Sabe o Lil Wayne? Então... Ele gravou o musica comigo.

        Entrei no corredor. O mesmo estava vazio. Andei até o final do corredor e entrei no refeitório. Assim que entrei no refeitório o sinal bateu. Não demorou para eu ouvir barulhos de pessoas conversando e muita barulheira.

        Outra coisa que eu não contei... Aqui na escola, na hora do almoço, toca, nos rádios que tem nas paredes, as músicas mais populares do dia. Não é nem do mês. É do dia mesmo.

        Meu celular tocou de novo. Era outra mensagem de Bruce. Ele tinha mandado o print da pagina do youtube da minha música. Haviam mais de 2 bilhões de visualizações e mais de 1 bilhão de likes em pouquíssimo tempo. Sorri. Guardei meu celular e peguei uma bandeja e peguei o almoço. Em seguida me sentei bem no meio do refeitório.

        Os alunos demoram um pouco para irem para o refeitório. Por que? Porque eles primeiro guardam as coisas em seus armários e depois veem.

        Comi e depois deixei a bandeja no lugar das bandejas. Voltei para a mesa do centro do refeitório e me sentei em cima da mesa. Cruzei as pernas e fiquei olhando para a porta do refeitório. Depois de alguns segundos, muitos alunos entraram no refeitório ao mesmo tempo. Mas todos paralisaram assim que me viram. Todos pararam, literalmente, e ficaram me encarando. Ficou uma multidão de pessoas ali. Praticamente a escola inteira. Foi então que escutei vozes familiares dizendo “Saiam da frente caralho”. E então Megan, Karem, Rosa, Ambre e Alex me viram. Os mesmos paralisaram assim como os outros.

--Ué? Cadê o meu abraço dona Megan? –Falei. Megan correu até mim e me abraçou com força.

--Nunca mais faça isso de novo!! Nunca mais! –Disse ela. Karem e os outros fizeram a mesma coisa que a Megan. Os alunos continuaram paralisados me encarando e falando coisas entre eles. O radio foi ligado e então começou a tocar a minha música incrivelmente incrível.

--Perai... Eu conheço essa voz... –Disse Alex. Ele me encarou. –Você gravou uma música??????

--Depois eu falo. Agora... Eu tenho que fazer uma coisa.

{Medison –Off}

{Lysandre –On}

“Thought I was gone, I come again to mess up your life”

“Watch and try the movement, Maximum respect is the first commandment, And the second onde lets you tell you, For you this is difficult can not copy!”

        Esse era um trecho da música que estava tocando nos rádios. Reconheço essa voz. Mas não tenho certeza que essa música seja da Medy mesmo.

        Castiel se aproximou de mim.

--Você também reconhece essa voz? –Disse ele. Eu o encarei. Estou completamente descontente com ele. Ele terminou com a Medy. E ele quebrou a promessa que ele me fez. Ele tinha me prometido que nunca ia largar ela por nada. E agora? Largou ela e ela tá gravida... E o pior... Ele voltou a namorar com a Debrah.

--Te conheço? –Falei. Meu tom era frio. O mesmo tom que ele usou para terminar com a Medy.

--Ah qual é Lysandre! –Disse ele.

--Não sei quem é você. Então tchau. –Falei no mesmo tom de antes e me virei. Para ir embora. Ele segurou o meu braço.

--Qual é Lysandre! Você me conhece sim! Para de fazer drama! –Disse ele.

--Não é drama Castiel! Eu não sei quem é você mais! Você não é o mesmo de antes! O Castiel que eu conheço, cumpri suas promessas! –Falei irritado puxando meu braço brutalmente.

--Serio isso?

--Sim. A partir do momento que você quebrou a sua promessa, você também quebrou os laços da nossa amizade. Agora o nosso papo é só profissional! –Falei e dei as costas para ele e fui em direção ao refeitório. Chegando lá, ouvi muitas pessoas comentando “Viu como ela mudou?”, “Ela tá muito diferente!” e entre outros.

        Foi então que avistei uma pessoa no centro do refeitório. Ela estava muito bonita. Corri até ela e sem ao menos perceber já tinha abraçado ela.

--Me promete que nunca mais vai fazer isso Medy! –Falei para ela. Ela riu e retribuiu o abraço.

--Eu prometo Lys-fofo! –Falou ela. Em seguida demos um abraço em grupo.

(...)

        Medy explicou para todos nós o que aconteceu. Ficamos realmente putos com o Castiel. Esse desgraçado!

{Lysandre –Off}

{Medison –On}

--Agora eu entendi o motivo das ligações estarem fora de área. –Disse Megan assim que terminei de dizer.

(...)

--Medy... –Disse Karem.

--Sim? –Falei.

--Temos algo a contar para você. –Disse ela.

--Fala. –Falei.

--Bom... Nesse tempo que você estava “desaparecida”, tivemos um compromisso de banda. Tinhamos que tocar em um programa... E... Perdoa-me... Tivemos que aceitar a Diabrah em seu lugar... Até você aparecer. –Falou ela e eu fiquei em silencio.

--Tudo bem... Não tem problema. –Falei. Na verdade tem problema sim. Mas eu entendo.

(...)

        Está na hora de ir embora. Sai da sala de aula. Fui até o meu armário. Antes mesmo de eu chegar ao meu armário vi uma cena que me deixou com ancer de vomito.

        Vi Castiel agarrado com a Diabrah. Ela estava com os braços em volta de seu pescoço e ele segurava a sua cintura. Os mesmos se beijavam.

        Corri até a lata de lixo e vomitei ali mesmo. Sim, eu vomitei por causa daquela cena. To com nojo de mim mesma. Senti alguém segurar o meu cabelo enquanto vomitava. Assim que terminei. Levantei. Era Ambre que tinha segurado o meu cabelo. Ela me abraçou. Ela me deu um abraço forte.

        Depois ela foi comigo até o meu armário. Peguei minhas coisas e assim que estava saindo trombei com Castiel. Ele arregalou os olhos por um momento.

--É cego por acaso?! –Disse.

--Olha quem fala. Anã! –Falou ele. Fitei-o. Logo Diabrah apareceu, vindo de trás dele.

--Medy... Como você mudou... O que aconteceu para você sumir? –Disse ela com um tom de anjo. Ri.

--Se fode Debrah. –Falei me aproximando dela.

--Olha o jeito que você fala com a minha namorada. –Falou Castiel se pondo na frente dela e me empurrando. Aquelas palavras e o gesto dele me deixaram tão machucada, mas me deixou mais ainda nervosa.

--Realmente... Vocês se merecem... Não sei como eu fui colocar os olhos em você. Vocês me dão nojo. Dois falsos... Perfeito. –Falei friamente. –Assim... Só avisa pra sua puta ai, que eu sempre fui a nora preferida. –Falei rindo. Empurrei-o e ela da minha frente e sai da escola. Cheguei ao meu carro. Sem eu ao menos perceber já estava chorando. –Me diz Ambre... O que ela tem que eu não tenho?

--A pergunta certa seria, o que você tem que ela não tem. –Disse Ambre. –Ele é um idiota. Ele perdeu uma menina de ouro. E ainda perdeu a chance de ter uma família linda com você.

        Karem, Lysandre, Megan, Nathaniel, Henri , Rosa, Alex e Armin se aproximaram. Ficamos todos juntos em silencio.

        Um tempo depois, o celular de Lysandre tocou. Ele pegou o mesmo e leu a mensagem.

--Bruce tá dizendo que amanhã tem reunião as 20h00min no escritório dele. –Disse Lysandre. Assentimos. –Vou avisar aquele traste e a puta dele. –Assentimos novamente e Lysandre voltou para dentro da escola.

 

Continua...


Notas Finais


Look da vingança da Medy: http://68.media.tumblr.com/c626075be7826cf2b34251866c91ce9f/tumblr_inline_mjpokvMAzN1qec7sy.jpg

BJU NA BUNDA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...