História The Bad Wolf - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias UP10TION
Personagens Bit-to, Gyujin, Hwanhee, Jinhoo, Kogyeol, Kuhn, Sunyoul, Wei, Wooshin, Xiao
Exibições 18
Palavras 1.055
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom, eu sei que passei muito tempo sem postar na fanfic HwanXiao, mas hoje trago para vocês, pouco antes de ir dormir para a aula de amanhã (que aliás, é despedida dos professores da escola), uma fanfic WoonHee. Eu gosto desse shipp, porque ele é bem aquela relação "gato e rato", "amor e ódio" e achei um enredo até interessante para trabalhar isso.
Bom! Tenham uma boa leitura! E não esqueçam de deixar reviews, eles são muito gratificantes <3
(aliás, qualquer erro, eu não tive lá muita paciência para revisar).

Capítulo 1 - Alcateia


“O homem é o lobo do próprio homem”. Há no homem um desejo de destruição e de manter o domínio sobre o seu semelhante (competição constante, estado de guerra).

Hobbes.

 

Hwanhee sabia bem onde estava se metendo. Sabia, segundo a filosofia de Hobbes, que aquilo era uma furada. Que não há ser humano genuinamente bom, e isso não seria diferente com Wooseok, pode ter certeza que não. Mas, ele não conseguia controlar muito bem seus impulsos, que também eram influenciados por sua hiperatividade constante. Quando ele passava pela porta, era como se uma hipnose repentina tomasse conta de si.

Suspirou, frustrado consigo mesmo, olhando o relógio na parede. Estava quase na hora dele chegar, geralmente escoltado por um ou dois seguranças. Pois é, ele era bem rico. Enquanto Hwanhee se contentava com sua biblioteca e todos os conhecimentos que adquiriu com a mesma. E veja bem, tais conhecimentos não o impediram de cair nessa furada.

As prateleiras antigas de mogno sempre deixavam um aroma característico nos livros, principalmente aqueles que já tinham certa idade. Era nesse ambiente que gostava de trabalhar. O cheiro de café doce de sua amiga Hwayoung, a luz levemente amarelada em alguns pontos da biblioteca que se dividia em cinco grandes seções, geralmente caracterizada pela idade dos livros. A última seção era praticamente proibida, já que ali jaziam os livros que precisariam de capas novas, encadernações delicadas.

O sino tilintou levemente e seu coração quase deu um salto. Cerrou os olhos com calma e respirou fundo. Arrependeu-se no mesmo instante, o perfume dele entrara por suas narinas e tomou conta de seu ser. Abriu as pálpebras devagar e o seu rosto corado só lhe trazia ainda mais vergonha. Wooseok era lindo. E nunca iria o notar.

— Olá, Hwanhee. — disse em seu tom comum, que apenas significava puro deboche.

Geralmente, o outro não entendia o porquê de Hwanhee gostar tanto daquele lugar, que para si, era empoeirado, cheio de pessoas estranhas que enfiavam a cara nos livros por horas e ainda faziam questão de levá-los emprestados. Isso era loucura.

— Olá... — respondeu em tom baixo, esperando pela pergunta indelicada do dia. Wooseok vivia tentando intimidá-lo, fazer com que mudasse seu ponto de vista, sobre algo que amava.

— Diga, você não adquiriu nenhuma alergia por ficar perto dessas coisas empoeiradas? Ou pior, perto dessas pessoas estúpidas? — seu tom de voz começava a irritar os leitores que rapidamente mandavam olhares agressivos ao mesmo, e estes os seguranças devolviam com quase o dobro de agressividade. Era uma guerra sem fim, toda bendita quarta-feira.

— Talvez eu seja uma pessoa estúpida? — revidou com um sorriso de canto, dando de ombros, não conseguia ficar irritado com mentes pequenas. — Se realmente se preocupa se eu tenho alergia, o seu papel seria me comprar algo para ficar melhor e não me criticar por fazer o que eu gosto só porque eu não te deixo tocar na seção um.

Wooseok respirou fundo, contando até dez para não partir para agressão como tinha por costume fazer. Afinal, tinham várias testemunhas ali, além de câmeras. A seção um tinha os livros antes citados como delicados, de difícil manuseamento. Ninguém sequer entrava lá. Quando um livro tivesse de sair de lá, seria para receber uma nova capa e então ser recolhido em uma outra seção mais adequada à sua idade “plástica”.

Pessoas ricas estão acostumadas a terem tudo o que querem. Quando algo foge ao caso, é visível a sua irritação só pelo jeito de falar, o olhar fumegante, de quem não pode, por fim, comprar algo com dinheiro. Vale lembrar, Wooseok nunca amou ninguém antes para que pudesse entender esse sentimento, para si, todos apenas queriam o seu dinheiro. Dispensava-os em menos de um mês. Porém, Hwanhee era diferente. Dava-lhe nos nervos, queria o desafiar.

— Escute... — sussurrou baixinho, chamando-o para mais perto, tinha uma estratégia infalível, tentadora para o outro, uma vez que reparou que livros não eram sua única obsessão. — Que tal se nós fossemos para a minha casa? Eu posso pedir o que você quiser... Agora se a resposta for o meu corpo tudo fica ainda mais fácil... — a malícia em sua voz estava mais do que estampada e fazia com que Hwanhee quisesse pular por cima do balcão da recepção, diretamente para os braços dele.

“Respire, Hwanhee. Hobbes, lembre-se dele”.

— Não posso abandonar a biblioteca. E esse pedido, é antiético. O ódio em seus olhos é quase tão visível quanto o quão vesgos eles são. — agora sim ele despertou a fúria de Wooseok. Não queria ter feito isso, mas pelo seu próprio bem, fizera-o. Dependendo de o quanto aquilo atingiria seu ego, ou nunca mais o veria, ou então o mesmo jamais o deixaria em paz novamente.

— Seu... Seu... — bufou, batendo as mãos com força no balcão. — Eu te odeio muito, Lee Hwanhee, você é a pessoa mais irritantemente insuportável desse mundo, eu vou te fazer pagar por isso. Eu sei que você tem uma quedinha por mim, é assim que você pagará caro. Bem caro, mais caro do que eu mesmo posso pagar. — o sorriso cínico em sua face se mostrava enquanto as palavras eram sussurradas com voz assassina ao ouvido alheio.

Por isso, Hwanhee tinha certeza, Wooseok era definitivamente o primitivo lobo que Hobbes descreveu. Destruição, domínio sobre os demais a sua volta. Respirou fundo depois do choque, os olhos estavam levemente arregalados, o suficiente para ver o outro rindo sarcasticamente enquanto saía calmamente pela porta, escoltado pelos seus guardas.

De uma coisa tinha certeza, veria Wooseok bem mais do que gostaria nos próximos dias. Ele se tornaria uma praga insuportável, que faria de tudo para ver o outro em situações vergonhosas, ou então tentando submetê-lo aos seus caprichos. Não duvidava sequer mais que Wooseok pudesse invadir a biblioteca durante a noite para roubar todos os livros que pudesse da seção um. A pergunta em questão é: por que ele ainda não fez nada disso?

Eis a questão que Hwanhee entendia, mas queria à todo custo manter a maior distância possível, tinha medo de cair na armadilha de lobo. Afinal, ninguém nunca mencionou que Hwanhee também era referência do lobo citado por Hobbes. Tinha medo de sua própria essência. O grande problema é sobre a destruição do indivíduo, ele seria capaz de destruição própria por Wooseok, sem sombra de dúvidas. Isso o caracterizava como um lobo de Hobbes? Talvez...


Notas Finais


É ISSO! ESPERO QUE TENHAM GOSTADO DO COMECINHO~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...