História The Bat - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman, Mulher Gato
Personagens Alfred Pennyworth, Bruce Wayne (Batman), Comissário James "Jim" Gordon, Coringa (Jack Napier), Dick Grayson, Dr. Jonathan Crane (Espantalho), Dr. Thomas Wayne, Harvey Dent (Duas-Caras), Henri Ducard, Martha Wayne, Oswald Chesterfield Cobblepot (Pinguim), Pamela Lillian Isley / Poison Ivy (Hera Venenosa), Selina Kyle (Mulher-Gato)
Exibições 34
Palavras 1.849
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Romance e Novela, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem, darei o máximo para essa fic.

Capítulo 1 - Homem que cai


Fanfic / Fanfiction The Bat - Capítulo 1 - Homem que cai

"Sim, pai, eu devo me tornar um morcego", disse o jovem adulto Bruce Wayne, ensanguentado, enquanto um morcego entrava em seu estúdio, onde estava descansando. Ao tocar um sino, Bruce começa a se lembrar de seu passado. Onde tudo começou. - Bruce, não vá tão longe! - As palavras de Martha são dirigidas para um Bruce mais novo, que está correndo pelo jardim de uma linda mansão gigante, a tão aclamada Mansão Wayne.

- Amor deixe o garoto se divertir. - Thomas e sua esposa estavam falando com Alfred Pennyworth, um velho amigo dos Wayne. Enquanto corre, Bruce cai em um buraco no quintal. Seus pais não ouvem, mas Alfred consegue escutar seus gritos e vai até o pequeno garoto de somente 6 anos. 

- Esse... era o inferno? - Foram as únicas palavras que Bruce conseguiu falar após ser resgatado, antes de desmaiar. Vários morcegos saem do buraco em que o garoto estava, espantando os Wayne. Foi nesse momento que Alfred Pennyworth se tornou parte da vida do Batman. De Bruce Wayne. 

Na seguinte memória, Bruce está em um beco escuro, ajoelhado, em cima dos corpos de seus pais, o momento que marcou a sua vida. Enquanto chora, o garoto de sete anos ainda se lembra da voz do homem que matou seus pais, o homem que começou tudo isso. "Me passa o colar! Eu só quero o colar!", ele dizia.  Enquanto a policia chegava no local, o garoto continuava chorando, enchendo mais ainda a poça de sangue no local. 

Em uma memória mais recente, de somente algumas semanas atrás,  Bruce Wayne chega a Gotham City. Enquanto saia do aeroporto, o homem de agora vinte e cinco anos é rodeado de jornalistas, que comentam sobre seu relacionamento com a princesa e sua viagem pelo mundo. Ao chegar na Mansão Wayne, um Alfred mais velho saúda Bruce, lhe dizendo que Gotham City se tornou uma cidade mais perigosa que antes. 

- E os ataques do criminoso que se apelidou de Capuz Vermelho pioram, depois de sua ameaça contra o Comissário Loeb. E como todos sabemos, Harvey Dent se candidatou a prefeitura de Gotham City, prometendo limpar a cidade desses criminosos. O que não sabemos é, será que Harvey irá cumprir o que prometeu? - Enquanto assiste ao Jornal, Bruce olha para seu braço, marcado de tatuagens com o nome "Henri Ducard". - Essa cidade... Ela precisa de ajuda. Eu não sei se Bruce Wayne pode ajudar. Mas quem poderia? - Bruce olha para uma foto sua, junto de Harvey, seu amigo de infância. 

Ao chegar no escritório de seu melhor amigo, Bruce escuta Harvey brigando com sua mulher, e vê a mesma, saindo brava da sala. - Mais uma briga, não é? - Bruce sorriu e Harvey o abraçou. - Bruce! Nossa, tanto tempo se passou... O que quer aqui? - Enquanto falava, Harvey brincava com sua moeda de prata, uma moeda de duas-caras nos dois lados. - Harvey. Você sabe no que está se metendo aqui? Se candidatar para prefeito? Dessa cidade? - Ao ouvir as palavras de seu amigo, Harvey larga sua moeda em sua mesa, fechando seus punhos. - Qual é, Bruce. Você acha que eu não sou qualificado para isso? Você acha que eu não presto para isso? 

- Harvey, você não sabe do que isso se trata. ISSO é uma guerra! Você sabe que está na mira do Romano! Você sabe que você pode morrer com isso. Não seja tão idiota, Harvey, saia dessa antes que você não consiga.

- Depois de todos esses anos... Você mudou totalmente. Bruce, nem eu e nem você somos as pessoas de antes. Eu sei me cuidar, tudo bem? Eu cuido do Romano, e se quiser, eu acabo com essa tal gangue do Capuz Vermelho! 

- Você e eu mudamos, mas Gotham City também mudou. Não é mais aquele lugar em que dois garotos poderiam brincar em um parque sem ter os pais mortos ou serem sequestrados e vendidos para alguém mais perigoso. Você sabe que Gotham City morreu naquela noite. 

- Pelo visto, Bruce Wayne também. Bruce, vá pra casa. Eu sei me cuidar. Você está precisando relaxar, acabou de chegar em Gotham, não está acostumado. Mas vai precisar se adaptar. Eu, você e James Gordon somos os únicos não-corruptos nessa cidade!

- Parece que agora, tem somente ao James e a mim. - Bruce deixa uma moeda de prata normal para Harvey, e sai da sala de seu companheiro. Bruce parte para o bairro East End, vigiar a cidade, mas lá, ele tem uma breve briga com o cafetão Stan. No meio da briga, a prostituta Selina Kyle briga com ele, mas ele rapidamente domina a mulher, e a joga no chão. 

- Parado! Se você se mexer, eu atiro! - As sirenes da polícia ecoavam por todo o bairro. A bala que sai da arma do policial atravessa o ombro de Bruce, que desmaia. - Ele tem alguma identidade na carteira? 

- Não, somente dois dólares e alguns centavos. - Com a conversa dos policiais, Bruce acorda. - Me tirem daqui... Ou a situação vai piorar... - Com uma fraca voz, Bruce não convence os policiais, que o ignoram. O jovem adulto consegue usar suas algemas para dominar pelo pescoço o policial que dirige, e o carro bate. Bruce quebra suas algemas na batida e tira os policiais do carro, que explode. 

Ele chega em sua casa. Ensanguentado, Alfred lhe ajuda, falando algumas palavras que o jovem não consegue ouvir. Alfred lhe deixa em uma poltrona, encarando a estátua de seu pai, com um sino. - Patrão Bruce, se quiser minha ajuda, aperte este sino. Eu voltarei com a caixa médica o mais rápido que posso! - Alfred corre e parte para seu quarto. 

- Me ajude, pai. Me ajude. Como eu posso fazer as pessoas md temerem? - Bruce diz, para a estátua de seu pai. Agora, no presente. Enquanto sua mão ensanguentada treme, Bruce assiste a um morcego invadir ao local em que ele se encontrava.  - E então, sem nenhum aviso... Ele quebra a janela. Eu já lhe vi antes... Me assustou. Quando eu era uma criança. Me assustou... Sim, pai. - diz Bruce enquanto vê o morcego pousando na estátua de seu pai. - Eu devo me tornar um morcego. 

No departamento de polícia, o tenente James Gordon está vendo algumas fichas, quando seu telefone toca. - Você ligou para o departamento de polícia de Gotham. James Gordon falando.

- James, sou eu, Merkel! Preciso da sua ajuda. 

- O que houve? Fale, Merkel, mas não muito rápido. 

- Eu... <pzz> ..SWAT... <pzzz> 

- É sobre o homem que está com quatro crianças em sua casa e está ameaçando elas?! 

- S... <pzzzzt> ...Branden. - Ao ouvir o último nome, James larga o telefone e sai correndo para o seu carro. - Droga... Branden. O maluco da SWAT. Eu não acredito que o Loeb mandou esse cara. A última vez que o Branden fez algo... Não sobrou nem os adolescentes que estavam fazendo a parada. - Chegando no local, James sai de seu carro e corre até Merkel. 

- Onde ele está?! 

- Dentro do prédio, está querendo invadir. 

- Droga, preciso impedir... - Gordon corre até a entrada do prédio, e ao chegar no segundo andar, ele encontra os homens da SWAT desmaiados. Entrando no quarto, ele acha Branden desmaiado, as crianças com medo parados na parede e o  maluco armado lutando contra um homem morcego. - Parados! Não se mexam! - O homem armado atira no tenente, mas o morcego consegue chutá-lo e impede a bala de atingir Gordon. 

- Quem diabos... é você? - Diz Gordon, com suas mãos tremendo. - Eu sou o que essa cidade precisa, eu sou o Batman. - Responde o morcego, que pula da janela.  - Ei, NÃO! - Gordon vai correndo até a janela, vendo que ele havia desaparecido. - Hmpf... Mal cheguei nessa cidade e já vi que está cheia de malucos... 

Após uma semana, o departamento de polícia ganha sua centésima ocorrência sobre ataques de um monstro morcego. - E então, o tal do Batman invadiu o prédio pela janela e desmaiou todos os meus homens! Eu tentei atirar nele, mas ele conseguiu ser mais rápido! - Branden conta a história sobre o morcego em uma reunião feita por Gordon. 

- Gordon. Faça uma força tarefa contra o morcego. Quero o Branden nela. E o Flass. Mais alguém? - Grita o comissário Loeb, que estava assistindo a reunião. Uma mulher no meio da multidão policial levanta sua mão. - Quem é você? - Pergunta Gordon, apontando para a mulher.

- Prazer, sou Sarah Essen. Sou uma nova policial aqui. Eu quero participar dessa força tarefa. - Diz a mulher, olhando fixamente para Gordon. - Hmpf, uma mulher na policia? HAHAHAHA! - Grita o Detetive Flass, no meio da multidão. O resto dos policiais começam a rir, exceto Gordon, que continua sério. 

- Está bem, então. - As palavras de Gordon param as risadas da sala, deixando tudo em silêncio novamente. Na Mansão Wayne, Bruce está explorando a caverna na qual ele caiu quando criança, com uma lanterna. - Pelo visto, isso daria uma ótima base secreta. -  Enquanto explora, Bruce encontra vários morcegos, que se espantam com a sua lanterna. - Caverna... Batcaverna... - Bruce sorri, vendo os morcegos voando pelo local.

- Quem é o Romano, senhor? - Alfred se aproxima de Bruce, que está agora colocando seu uniforme. - Ele é Carmine Falcone, um dos maiores chefes do crime de Gotham, Alfred. O próximo alvo do Batman. - O senhor tem certeza disso? Falcone parece perigoso. 

- Ele é. - Bruce coloca a máscara do Batman. Ele sai, usando uma moto personalizada. Os policiais chegam e protegem o prédio de Falcone, na qual ele está reunindo todos que conhece para festejar o casamento de Johny Viti, seu primo. O Batman sobe no terraço usando seu cinto de utilidades. Ele desliga a eletricidade e invade o local, jogando um gás. 

- Senhoras e senhores, vocês comeram bem. Vocês comeram a força de Gotham. Seu espírito. Mas isso vai acabar.  Começando por este momento... Nenhum de vocês está a salvo. - A voz modificada do homem-morcego ecoa pelo salão, deixando todos aterrorizados. Os policiais invadem o local, atirando contra o morcego, que escapa. Gordon consegue seguir o morcego, chegando até uma ponte. Gordon atira contra o morcego, que se protege. Johny Viti, Carmine Falcone e dois guardas aparecem no local, atirando contra Gordon e o morcego. 

Batman entra na frente de Gordon e usa sua capa para se proteger, mas uma bala atinge sua barriga. Cambaleando, ele consegue correr contra os dois guardas e, depois de alguns socos, desmaia eles, mas cai junto.  -Eu preciso pelo menos retribuir... Droga. - Sussurra Gordon, que tenta proteger o homem-morcego. Johny Viti leva um tiro  de Harvey Dent, caindo no chão, mas Falcone consegue correr do local depois de uma troca de tiros com Harvey. 

- Bruce! - Grita Harvey, que reconheceu a voz de seu antigo amigo. - Bruce? - Responde Gordon. 


Notas Finais


Fiz o capítulo apressadamente. Juro que os outros serão melhores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...