História The Best Friend Of My Brother - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Jack & Jack, Magcon, Matthew Espinosa, Nash Grier, Sam "Wilk" Wilkinson, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Personagens Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Jack Gilinsky, Jack Johnson, Matthew Espinosa, Nash Grier, Sammy Wilkinson, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Tags Aaron Carpenter, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Hayes Grier, Jack & Jack, Magcon, Matthew Espinosa, Nash Grier, Shawn Mendes, Taylor Caniff
Exibições 55
Palavras 1.198
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


olha só, quem é vivo sempre aparece. sei que demorei pra caralho, e vocês tem TODO o motivo de estarem putos comigo, mas eu estava estudando pra caralho e finalmente passei de ano, então relaxem, que agora postarei mais rápido! bjão, amo vocês, e obrigado pelos favoritos, vocês são os melhores! até o próximo, bom capítulo, e evitem chorar por que eu chorei escrevendo, foi bem difícil escrever esse ep! kisses ♥

Capítulo 13 - Hayes Grier


Fanfic / Fanfiction The Best Friend Of My Brother - Capítulo 13 - Hayes Grier

Pov's Kyle


        Preto. Era tudo o que poderíamos ver em dias como esse. Preto. Uma cor tão profunda, que mais representa a tristeza do que qualquer outra coisa. As pessoas costumam gostar muito da cor preto, por ser uma cor discreta, que não chama a atenção. Discreta. Era isso que eu tentava ser. Discreta. Durante esses 2 dias que passaram, eu permaneci quieta, sem demonstrar fraqueza, sem demonstrar meu verdadeiro sentimento. Isso tudo apenas para dar força aos outros, as pessoas que precisavam de mais ajuda do que eu. Eu tentava chorar, eu tentava demonstrar o quão ruim eu estava mas eu não conseguia. Parecia que a ficha não tinha caído. E realmente, não caiu. Eu precisava me manter firme, mas o meu medo mesmo era se quando a ficha caísse, eu ficasse pior do que todos ao meu redor. A culpa era toda minha e eu sabia disso. 

       Me olhava em frente ao espelho, meu reflexo demonstrava tudo o que eu queria, tudo o que eu deveria transparecer para para os outros. Calma e paciência. Era o que eu tinha que ter, por mais que parecesse difícil.


- Ky, tá na hora - Jack entra no quarto, me fazendo sair dos meus pensamentos e focar no que estava em minha volta. Eu não podia desistir, e nem tinha mais tempo, a hora tinha chegado. Pego minha bolsa e desço as escadas em direção a sala. Chegando lá, Jack me olha e então reparo na situação dele. Seu cabelo estava bagunçado, ele tinha olheiras profundas e com cara de sono. Ela realmente estava péssimo. Segurei sua mão e então fomos em direção ao carro. Chegando lá, decidi que eu iria dirigindo. Do caminho de casa para o cemitério foi um silêncio total, mas eu entendo, realmente não tinha o que falarmos, principalmente nós, os filhos da assassina. 

     Chegando no local, eu estaciono o carro e então descemos do carro. Olho para frente e encontro todos. Todos nós nos comprimentamos e eu então vi que Nash não estava na rodinha, obviamente estava com seus familiares. Alguns choravam, outros permaneciam calmos, mas na maioria, a ficha não tinha caído. Ficamos conversando por alguns minutos e então seguimos para o velório. Sentamos um do lado do outro e então um orador começou a falar coisas reconfortantes que acolheria a família. Nash permanecia em pé ao lado de sua mãe. A mesma, tinha os dedos entrelaçados com seu marido, porém não chorava, permanecia calma, estava exatamente como eu, querendo apenas, acolher sua família. Depois de um tempo, as pessoas começaram a ler textos e fazerem depoimentos para Hayes. Texto iam e viam e então chegou a vez de Nash. O garoto foi até a frente do túmulo fechado de seu irmão e então começou a falar.


- Bom, assim que Hayes nasceu, eu me senti na obrigação de proteje-lo. Na obrigação de cuidar dele. De ficar ao seu lado independente do que acontecesse. Nós sempre brincávamos que quando eu morresse, ele ficaria com o meu quarto, por ele ser maior. Mas, pelo jeito eu vou continuar no meu quarto, por que quem se foi primeiro foi ele, e não eu. Eu acho que tudo na vida tem um propósito, e se isso teve que acontecer, com certeza não foi atoa, Deus o queria ao seu lado um pouquinho mais cedo. Eu só queria um tempo, pelo menos para me despedir, e dizer para Hayes Grier que ele, com certeza, é o melhor irmão do mundo. Quero que ele saiba sempre que eu sou eternamente grato por ter tido o imenso prazer em ter ele na minha vida. Por isso, sou eternamente grato. Eu te amo irmão, até algum dia. - Assim que termina, Nash volta ao seu lugar de início, tentando impedir de chorar mais uma vez. As próximas pessoas a lerem iam até a frente, enquanto eu esperava a minha vez, e quando ela chegou, me dirigi até a frente então comecei:

- Bom, eu sinceramente nunca pensei que eu iria passar por esse momento. Jamais pensei que viria ao velório e ao enterro de Hayes Grier. Ele era uma pessoa maravilhosa, e sempre me ajudava, não importava o momento, a hora, o dia, ele sempre esteve ao meu lado, sempre me ajudando e me dando forças para continuar, principalmente quando a minha mãe foi embora. A partir de ontem, quando ele morreu, eu tive certeza de duas coisas. A primeira é que, eu jamais esquecerei essa pessoa maravilhosa que foi Hayes Grier, o garoto que merecia muito mais tempo do que teve. E a segunda é que, eu jamais me perdoarei por isso, por que se eu não tivesse me entregado a minha mãe, se eu tivesse feito alguma coisa, eu poderia ter impedido isso, mas infelizmente, isso não foi possível. Eu sinto muito Hayes, sinto muito, eu prometo a você que vingarei sua morte. Eu te amo! - Terminei de ler, e com isso, eu tirei um peso das minhas costas, consegui me livrar de algo que me prendia a culpa.


Xxxxxx


       Estava chovendo. Eram por volta da 17:30 da tarde. O caixão de Hayes era carregado pelo pai dele e por seus tios. Assim que chegamos no local onde ele seria enterrado, o caixão foi colocado no chão e depois foi aberto para as últimas despedidas dos familiares. Assim que o caixão foi aberto, todos voltamos a chorar. Eu permaneci quieta, apenas observando o rosto que eu não veria nunca mais. Seus olhos azuis, continuavam brilhante, porém, nunca mais vivos. Sua pele estava pálida, e o sorriso que ele sempre mantinha no rosto, não estava lá. Fui até lá, segurei sua mão, e então coloquei uma rosa, bem em cima de seu peito. Mandei um beijo pro ar, e assim então, me despedi de Hayes Grier. 


Xxxxxxxx


            Chego em casa, subo as escadas em direção ao meu quarto. Depois do enterro, a galera ficou por um tempo acolhendo a família de Nash, porém eu quis vir embora e Jack veio comigo. 

          Deixo minha bolsa em cima da cama, tiro meu sapato e então deito na cama. Começo a olhar para o teto e a lembrar de todos os meus momentos com Hayes. Sinto um espaço no coração, uma falta enorme. Minutos depois Jack entra no quarto. Me sento e o mesmo se senta do meu lado. Olho para o mesmo e ele se pronuncia.


- O pessoal tá querendo fazer uma homenagem ao Hayes na escola. Tão querendo fazer um memorial no armário dele, e pediram a nossa ajuda. - Ele fala me olhando

- Tudo bem. - O encaro. O mesmo me encara novamente. Meus lábios tremem e ele me abraça, e assim, eu desabo. Eu choro. Pela primeira vez eu choro. Choro por mim. Choro por Hayes. Choro por Nash. Choro por ter essa vida. Choro por ter que fazer meus amigos passarem por isso. Choro pelo arrependimento que Elizabeth terá, pois ela irá pagar por tudo isso. E Hayes será vingado, sua morte não será um vão. Nesse momento eu só queria ver seu sorriso, e então vejo. Fecho os olhos e imagino, seu sorriso largo e seus olhos brilhantes. Choro mais ainda por nunca mais poder vê-los.



                   "Hayes Grier

                     2000-2016"


Notas Finais


GOSTARAM?
FAVORITEM
COMENTEM
E ATÉ O PRÓXIMO
BJOOOS, I LOVE YOU ♥


ROUPA:

http://www.polyvore.com/m/set?.embedder=17999199&.svc=copypaste-and&id=210931416


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...