História The Big Family (Primeira temporada) - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~MandyCampbell

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, EXO, Got7, Monsta X, SHINee, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Heechul, Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jonghyun Kim, Joo Heon, Jungkook, Kai, Kim Heechul, Kris Wu, Lay, Lu Han, Mark, Minho Choi, Rap Monster, Sehun, Seungri, Suga, T.O.P, Taemin Lee, Taeyang, Tao, V, Xiumin, Youngjae, Yugyeom
Tags Chanbaek, Hunhan, Jikook, Kaisoo, Markson, Namjin, Nyongtory, Taolay, Topdae, Xiuchen, Yoonseok
Exibições 649
Palavras 1.731
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eae galera espero q gostem do capítulo, desejo a todos uma ótima leitura ~MandyCampbell

Capítulo 4 - Não quero me sentir só


Fanfic / Fanfiction The Big Family (Primeira temporada) - Capítulo 4 - Não quero me sentir só

— Não se preocupe, irei ajudar o JongIn - SeungHyun disse

— E você acha que o KyungSoo vai aceitar? - Namjoon perguntou.

— De primeira não, mas ele vai cuidar do seu filho. - disse firme. 

— Não sei como vou fazer para falar isso com o JongIn, mas ele deve entender. - passou a destra pelo rosto em puro cansaço.

— O que eles disseram dessa vez?

— Não falaram comigo, e sim com o Jin.

— Isso é perigoso Nam!

— Eu sei hyung. - suspirou.

— O que o JongIn fez?

- Que eu saiba, nada, eu apenas levei ele e os garotos para correr na floresta, o JongIn não ficou com a gente, então não sei o que houve, só que eles estão o caçando.

— Arg! Filhos da puta, meu filho irá cuidar dele, e eu não deixarei ninguém daqui fazer mal a ele.

— Obrigado de novo hyung.

— Não me agradeça, é o mínimo que posso fazer, você me ajudou, agora é minha vez de retribuir.

No colégio

Chanyeol caminhava ao lado de Sehun, iam em direção às escadas que levava a porta de entrada da escola. Fazia três semanas que tinham mudado de país, não sabiam qual era as regras  na nova cidade, e sabiam só um pouco do idioma coreano. O básico.

Chegaram a um corredor que leva às salas do primeiro andar, a sala de Sehun seria ali, e a de Chanyeol era no terceiro andar

— Está com o papelzinho com  número da sua sala? - Chanyeol perguntou.

— Sim, e Chany, tô com vergonha, o povo parece que vai me comer com os olhos. - falou nervoso e Chanyeol riu.

— Bando de canibais. Vai logo pra sua sala, vou ficar aqui até você entrar.

— Tá bom - Chanyeol lhe deu um beijinho na testa — sai daqui, tem gente vendo.

- Ah, tá machão, vai logo. - ficou parado vendo Sehun andar devagarinho pelo corredor cheio de lobos, alguns o encarava, mas Sehun logo achou a sala, e em seguida subiu para a sua. 

Sehun entrou na sala de aula, era um pouco grande, tinha alguns alunos conversando, e outros viajando em seus próprios pensamentos. 

Achou uma carteira vazia no meio da sala, e foi em direção a ela, quando ia se sentar, alguém o impede.

— Ai, esse lugar é meu.

Sehun não entendeu nada que o garoto lhe disse, apenas ficou olhando para sua cara.

— Não tá ouvindo? cai fora! - o moleque empurrou seu ombro de leve.

— Wonho, não está vendo que ele não entende ? - Sehun estava perdido, porque raios não aceitou as aulas de coreano, será que ninguém ali falava sua língua?!

Viu o garoto antes de se dirigir para o fundão da sala, lhe lançar un olhar nada agradável, como se quisesse sua alma nas próprias mãos.

O professor logo entra de repente, se sentando na cadeira da mesa principal.

— Bom dia crianças de meia idade, como foi as férias? - o professor cumprimentou todos, parecia ser legal.

— Uma droga professor​, fiquei em casa todos os dias. - alguém da frente disse.

— Nossa, não entendo, pedem férias para nada? - o professor falou divertido.

— É, e ainda fiquei sem namorado. - ouviu uma voz feminina vir do seu lado e todos riem do que ela falou.

— E você Luhan, fez algo de bom ? - Luhan? olhou para trás e viu o loiro de pele branca como papel, e lábios rosados atrás de si.

— Dormir. - todos riram do tom preguiçoso do loiro.

— Ah, isso é bom - o professor ria — Opa, temos um rostinho novo ali.

Sehun arregalou os olhos, não havia entendido nada da conversa que tiveram agora pouco, e não sabia se o professor falava consigo, só sabia que estavam todos o olhando e que estava quente, com certeza corou.

— Como é seu nome? - o professor perguntou a Sehun que não respondeu.

— Ele não fala coreano professor. - o garoto atrás de si disse algo.

— Ah, esse é o estrangeiro ? - professor perguntou surpreso.

— Isso mesmo. - Luhan respondeu.

Pov's Sehun

Vi o professor se aproximar da minha carteira, e me lançar um sorriso adorável. Juro nas minhas palavras, que eu queria correr dali.

— Olá, sou seu professor de artes, meu nome é Heechul, e o seu ? 

Amém, alguém que fala a minha língua — Oi, sou Sehun, Kim Sehun - lhe respondi adequadamente, e retribui o sorriso.

— Wa! um Kim, que chique, também sou um, e provavelmente irá encontrar vários aqui - meu deus como é bom entender alguma coisa — se apresente para seus colegas.

Ah não, isso não. Tudo o que menos queria, era fazer essa apresentação sem futuro. Não podem chegar até mim, e perguntar meu nome?

Me levantei com um pouco de dificuldade, tinha pouco espaço para me movimentar entre a carteira e a cadeira. Me curvei para eles assim como appa me ensinou, e sorri.

— Olá todos, meu nome é Kim Sehun, e sou um alfa Lúpus, tenho 57 anos, sou um amor de pessoa. Espero que cuidem bem de mim! - aquela piscadela básica no final, só pra dar um charme, só espero que todos entendam inglês.

— Bem vindo Sehun. - todos responderam perfeitamente em inglês, uníssono.

É eles entendem.

— Pode se sentar agora, e obrigado. - o professor Heechul falou sorrindo. — Espero que se dê bem!

— De nada. - me sentei e afundei na cadeira 

— Bom, vamos começar a aula de hoje. - o professor pegou um giz na mesa e foi até o quadro.

Ele falava sobre algo, molhado, e gosmento, não sabia ao certo o que era. Senti algo me cutucar nas costas, me virei devagarinho, e vi o loiro sorrindo pra mim. 

— Oi. - falou

— Olá. - respondi

— Sou o Lee Luhan. - ele aumentou o sorriso.

— Ah, oi Luhan... é você já sabe o meu nome. - sorri sem jeito.

— Sim. Então, não querendo ser muito atirado e tals - ele levou a mão para trás da cabeça e começou a alisar aquela parte - mas, vamos tomar um refrigerante depois da escola ? 

Um refrigerante? refrigerante? Nossa, melhor maneira de chamar alguém para sair.

— Claro. - pisquei e voltei a olhar para o quadro

— Ok, mas se me der vácuo, arranco seu rabo fora. - ok, confesso que me deu um tremelique mas acabei por rir e ouvi ele fazendo o mesmo.

Chanyeol que me perdoe, mas prefiro sair com o loirinho bonito aqui do que ver filme triste a tarde toda com ele.

Pov's Sehun off

— Omma, como você e o Appa se conheceram? 

Kyungsoo e Jiyong estavam em uma lanchonete, bem organizada que ficava no fim da rua de onde moravam, as mesas em laranja e verde, e os assentos pretos e macios. Gostavam de ir até lá quando Seunghyun recebia visitas importantes​ em casa.

— Ah Soo, é uma longa história, outro dia te conto.

— Então tá - deu de ombros - vamos falar sobre o que ? 

Viram o garçom se aproximar, e sorrir de forma agradável.

— Boa tarde, já sabem o que vão pedir? - falou pegando um caderninho e uma caneta do bolso do avental branco que tinha amarrado na cintura.

— Eu quero um suco de uva - Kyungsoo falou.

— E eu um refrigerante com batata frita e frango, por favor! - Jiyong sorriu para o rapaz que anotou o pedido.

— Só um instante. - viram o rapaz sair em direção a cozinha.

— Ok né. - Kyungsoo disse.

— Né. - Jiyong disse e deram risadas. — Estou com saudades do Baek-ie, ele tinha as idéias pra gente se divertir. - Jiyong falou 

— Pois é, agora ele dando aula em outro país, o Tae e o Lu estudando o dia todo - falou passando a mão no rosto — tá difícil.

— Você está sozinho não é? 

— Não - mentiu. — Quer dizer, não muito.

— Seus irmãos estudando, fazendo amigos, e você em casa. - fez uma cara séria para o mais novo.

— É, tô sozinho. - confessou.

— Já está na hora de arrumar alguém e criar uma família.

— Concordo omma, mas o problema é "quem"? - falou.

— Procura Soo, saia para festas, faça amizades. - Jiyong disse.

O garçom trazia uma bandeja com os pedidos.

— Aqui está senhores. - falou colocando a bandeja com cuidado sobre a mesa.

— Nossa foi rápido! - Jiyong falou impressionado.

— É que já tava pronto, sabe. - o rapaz falou meio sem jeito.

— Ah sim. - Jiyong deu uma risadinha.

— Pronto, comam bem! 

— Obrigado. - Kyungsoo agradeceu.

— Então, voltando. - Jiyong falou.

— Uh? - tomou um gole do suco.

— Vai pras baladinhas​ da vida e quem sabe você acha o seu grande amor! - falou com a boca cheia de batata frita.

— Caralho omma, come com calma, mais tarde você vai botar pra fora mesmo.

— É só pra distrair. - bebericou o refrigerante.

— Sei, e vem cá, por que você tá falando igual um malandro? - perguntou olhando sério para o pai que o encarou de boca cheia.

— O Tae, ele fala assim tá ligado? - voltou a comer.

— Tinha que ser. - riu da situação do pai.

— Cara, isso tá muito bom, come! - esticou uma batatinha para Kyungsoo.

— Valeu, mas não tem graça se depois vou cuspir fora. -  recusou a batata.

— Seu sem graça. - Jiyong falou de boca cheia que até se engasgou.

— Tá vendo! - Kyungsoo se levantou e foi para o lado do pai. - Beba isso! - deu o copo de refrigerante. - Tem que comer com calma, morrer engasgado não é uma boa pra um vampiro. - zombou, e recebeu um tapa de leve no braço.

— Já chega. - Jiyong falou, já havia melhorado. - Vamos embora.

— Ok, vou pagar a conta né. - Kyungsoo se levantou e foi até o caixa.

Kyungsoo era o único que não tinha tanta intimidade com Jiyong, nunca tinham um assunto fixo, o amava claro, mas o clima sempre ficava pesado quando estavam a sós.

~ ∆ ~

Andavam devagar para casa, observando cada detalhe que passava diante dos olhos. O tempo estava frio e úmido, mas o cheiro das flores dominavam a rua, era primavera, tudo muito colorido e alegre, menos para Kyungsoo.

O vampiro se sentia solitário no meio daquilo tudo, sentia que não pertencia a aquele lugar, queria um canto só para si, e mais alguém, alguém que cuidasse dele, que o fizesse companhia a todo instante; que passasse o resto da eternidade consigo, odiava ter esses pensamentos, mas era impossível não desejar isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...