História The Black Snow Lótus - Capítulo 82


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Piece
Personagens Boa Hancock, Brook, Dracule Mihawk, Eustass "Captain" Kid, Franky, Jinbe, Cavaleiro do Mar, Monkey D. Dragon, Monkey D. Garp, Monkey D. Luffy, Nami, Nico Robin, Portgas D. Ace, Roronoa Zoro, Sanji, Smoker, Tashigi, Tony Tony Chopper, Trafalgar D. Water Law, Usopp
Tags Akuma No Mi, Angel No Mi, Comedia, Dark Fic, Drama, One Piece, Romance
Visualizações 23
Palavras 5.603
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Hentai, Josei, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hello Nekos !!! Ultimo capitulo antes dos extras que eu disse que sim são a continuação da historia, como se fosse um arco dividido ou coisa assim >w P.S. To no 1 extra e imaginando os demais, o 1 não me anima muito, mas o que eu planejo pra frente...heheheheh ¬u¬
Depois acabara a fic, ai vou ficar bad T^T

Capítulo 82 - Oliver e Nico ! O verdadeiro Inicio !


Fanfic / Fanfiction The Black Snow Lótus - Capítulo 82 - Oliver e Nico ! O verdadeiro Inicio !

Um pequeno silencio alastrou o recinto ainda pelo choque de verem a menina com barrigão realmente confirmando o que havia dito.

– MEU DEUS, ELA ESTÁ GRAVIDA !!! KYAAHHH !! – Perona quebrou o silencio se jogando na mais nova, mas obviamente atravessou a mesma – Oh, desculpa. Mas e ai, quem é o pai...espera você disse pais ? Como assim ? Explica isso !!! MIHAWK PORQUE NÃO ME CONTOU ? – exigiu fazendo a outra rir da animação infinita de Perona naquele momento voando para lá e para cá com seu ursinho.

– Caso raro de gêmeos de pais diferentes, como aconteceu, bem.....sexo é a resposta, não achei que ainda tivesse um útero pra gerar crianças. – revirou os olhos enquanto alguns coravam com a afirmação da menina – E ao que tudo indica um é filho de Zoro e outro de Law. Fuji daquele bando antes que me matassem de cuidados, fiquei um tempo em Demon e estou aqui agora.

– Demon ? A ilha lendária dos demônios ? Espera....explica tudo desde o inicio. - pediu Shanks e Yukino encarnou a contadora de historias que havia nela novamente, contou a trajetória dos bandos, da luta, de como ficou em ‘semi-coma’ numa forma demoníaca por causa da verdadeira pedra filosofal – ESPERA AI....TU ACHOU A PEDRA ? ? ? SERIO ?

– Eu a completei, é diferente, aquela que você me deu se quebrou em falar nisso. Continuando... – contou da vingança final, das crianças, dos bebes, e por ai foi, até chegar aos cuidados exagerados dos seus colegas de bando e aliados e por fim a ilha Demon onde estava até então – E sim, eu tenho uma forma de demônio depois daquele acidente.

– Incrível, então é verdade o que ouvi dos boatos, demônios realmente apareceram na guerra e uma pirata se transformou em um também. – Lucky entrou na conversa segurando um pedaço de frango – Você.....como é ?

– Olha eu estou grávida.....e até duas semanas atrás eu até não tinha problemas para me transformar, mas agora fica cada vez mais cansativo, além de que eu vim voando pra cá, já estou parcialmente exausta, talvez eu mostre depois de descansar e dormir. – disse bocejando em seguida – Quero só que esses 3 meses passem logo e eu possa me livrar de desses dois pesos. – disse isso com as bochechas infladas parecendo uma criança ao dizer aquilo.

Mihawk sorriu discretamente e passou a mão na cabeça da sobrinha, cena a qual Shanks travou ao observar desacreditado.

– Você é bem vinda aqui sempre que quiser, já lhe disse isso. – falou num tom calmo deixando todos os ouvintes paralisados com a cena carinhosa a frente deles.

– Não vou me acostumar nunca com esse tipo de cena vinda de você. – reclamou Shanks suspirando.

Mal ele sabia que o que Mihawk estava vendo naquele momento era uma visão clara de sua irmã quando tinha aquela exata idade, Yukino era demasiadamente parecida com sua irmã mais nova, e agora grávida era como ver ela viva novamente, só que de cabelos pretos com branco nas pontas e um dos olhos azuis.

Naquela tarde Perona apresentou o novo quarto de Yukino, as duas meninas conversaram sobre como estava a vida de cada uma, na verdade Perona ficou falando de como Mihawk era irritante e um velho rabugento, mas também perguntou como estava o ‘garoto irritante’ e como ele havia estado com a noticia de que ia ser pai.

Foi divertido, a festa lá em baixo parecia ter acabado e Shanks pelo o que parecia não ia embora até amanha a noite, ao menos ficaria em seu barco, o que deixava a semi-morena aliviada, era bom passar um tempo com seu outro pai, Shirohige ligava toda a semana, mas agora que estava com o baby den-den moshi era possível que ele não conseguisse se comunicar assim tão cedo com ela, só falava com seu bando ao sair das barreiras de Edinnia em Demon.

Ao menos a menina ligou para o irmão naquela noite, ligava uma vez por semana, para manter a todos informados que estava bem, mas nunca dizia a onde estava para não irem busca-la, era engraçado e ao menos aliviava seu coração ouvir a voz de seus amados amigos e família.

*Tock Tock*

– Está acordada ? – Perona entrava em seu real corpo segurando um vestido em mãos – Vi que você só tinha um e sabe....

– Não gosto de vestidos. – disse a menina com um sorriso – Esse foi uma amiga que me deu, mas também é bom tê-los agora porque as roupas não me servem mais. Obrigada. – agradeceu pegando o vestido longo de manga até o meio da mão – É bem quentinho. – constatou ao tocar no tecido.

– Sim, eu tinha comprado, mas acabei trocando os números, por isso é maior. – disse envergonhada – Ao menos te serve no momento, depois pode usar só pra dormir mesmo, é bem confortável por ser grande. – a rosada sorriu segurando seu urso, a mais nova fez o mesmo, ao menos sentia que a outra não ia a tratar como um bebe – Bem estou indo. Boa Noite.

– Boa Noite. – desejou dando tchau.

É, aqueles seriam os meses mais relaxantes que já teve, mas também tediosos por não conseguir andar por muito tempo e muito menos treinar, Mihawk até brincara certa vez dizendo que Eliza não tivera uma barriga tão grande assim e que por isso Yukino estava tendo mais problemas que o normal.

*8 mês de gestação*

– Grnnnn....d-droga.... – aquela manha começara mal, muito mal e Yukino sabia disso.

Os bebes estavam nascendo e 1 mês antes do previsto. Não conseguia gritar, mas ao menos estava numa cama naquele momento, devia ser umas 3 da manha e Mihawk não havia sido chamado pelo governo o que significava que estava no castelo, dormindo em seu quarto provavelmente, assim como Perona no dela.

P.O.V. Yukino

– Ahhnnnnnnn.... – eu sentia as dores aumentarem, aquilo de contrações era até suportável antes, devido a força de raposa, mas agora...agora eram infernais – M-Miha....hawk.... – tentei chamar, mas minha voz estava ocupada de mais dentro de mim pra conseguir fazer mais de um sussurro.

Uma dor maior me fez gritar finalmente liberando algo de voz, mas acho que ninguém ouviu por causa das portas estarem fechadas e o quarto de Perona ser o mais próximo e mesmo assim distante de mais para ouvir esse grito.

Conseguia aguentar a dor, eu estava sozinha, sozinha num quarto sofrendo, como naqueles tempos, não...de novo sozinha......

Novamente uma dor se alastrou em meu ventre e fiquei com medo, não por mim, mas de algo dar errado e aquelas crianças não nascerem por minha culpa, por minha insegurança, droga. Pensei rápido e fiquei deitada, tirei o lençol de cima de mim já sujo de sangue e tentei lembrar do que Chopper havia me dito que ia acontecer nesse momento e o que eu teria que fazer.

Tentei colocar minha respiração num ritmo e não descompassada como estava, levantei o vestido que Nami me dera, agora cheio de sangue também, tirei a calcinha e joguei-a no chão, tossi umas três vezes pelo desespero, mas tinha que voltar a respirar no ritmo. Agora era só comigo, sozinha.

*x*

Longas horas se passaram para a jovem, tudo começara as 3, ninguém a ouvia gemer e gritar vez ou outra, ninguém escutava seu choro fraco de dor e desespero de poder não estar fazendo o certo, Mihawk tinha uma ótima audição, mas naquela noite em especifico não estava em seu habitual quarto no mesmo corredor que Yukino, havia passado a noite em seu escritório onde cuidava de algumas coisas como suprimentos e gastos, acabara dormindo no sofá de lá.

Perona não tinha uma boa audição e por tal não sabia o que estava acontecendo, seu sono era repleto de sonhos profundos que não a deixariam acordar tão cedo naquele dia.

5 da manha e Yukino estava exausta, suor e sangue se espalhavam pela cama, um choro era ouvido, mas ainda não tinha terminado seu trabalho, a menina ainda se esforçou mais depois de ouvir aquele choro, não queria ver, não podia ver, e por tal só tinha que ter forças para que a outra criança também nascesse, e com segurança, mesmo que isso custasse ainda mais da menina.

7 da manha e Mihawk acordava em seu escritório. Esfregou seu rosto dando um pequeno bocejo, estava descansado e já tinha terminado o que havia ido fazer naquela noite, se espreguiçou lentamente sentindo os ossos do corpo estralarem por ter dormido no sofá, mesmo assim não deixou de perceber um cheiro incomum no ar. Um cheiro que não deveria estar naquele castelo.

Cheiro de sangue.

Sem pensar duas vezes correu para subir as escadas, Perona também acabava de acordar e ia para o banheiro quando viu o vulto de Mihawk passar por si e finalmente sentiu o cheiro intenso de sangue e arregalou os olhos paralisada ao encarar a porta de Yukino.

O mais velho abriu a porta grossa e no mesmo instante foram recebidos por choros agudos e fortes, no entanto o cheiro que o atingiu e a cena seguinte foi o suficiente para quase perder a compostura.

Yukino estava deitada na cama, o vestido que usava cheio de sangue a cobrindo até os joelhos, dois pequenos volumes cobertos de sangue estava se movendo em seus pés, ainda presos pelo cordão umbilical, no entanto Yukino estava de olhos fechados, algo que desesperou o olhos de falcão ao se dar conta do fato.

– PERONA CUIDE DAS CRIANÇAS E TRAGA TOALHAS E AGUA QUENTE RÁPIDO. – falou, na verdade gritou, algo que nunca fizera na frente da jovem de cabelos róseos, a mesma paralisou com tal acontecimento, mas em seguida por medo de algo pior correu porta afora pra pegar o que o outro havia mandado, era a primeira vez que ele dizia seu nome.

Ela teria que cuidar dos bebes.....

Os bebes.....os bebes nasceram....ambos vivos......Uma lagrima caiu ao pensar como Yukino havia conseguido fazer aquilo sozinha ? A quanto tempo estava aguentado a dor....aquele sangue....todo aquele sangue....

Já o mais velho estava ao lado da sobrinha medindo sua pulsação, não podia perder novamente uma pessoa amada exatamente nas mesma circunstâncias de antes, era como se tudo estivesse se repedindo, que bem ele fizera em deixar a menina ali em sua casa se não estava ao seu lado para ajuda-la no parto ? Exatamente como fora com Eliza, ele não estava com ela, ela havia tido o parto com estranhos, estranhos esses que lhe mataram.

– Ainda tem pulsação. – falou com certo alivio, mas não podia deixar assim, pegou a faca que tinha em seu bolso e cortou o cordão umbilical dos bebes, Perona cuidaria de arrumar as coisas depois.

Em seguida, com cuidado, pegou a menina nos braços se precavendo para não fazer movimentos bruscos, e saiu do quarto. Havia uma área de enfermaria por ali, onde ele guardava alguns remédios e bandagens, colocou a menor na maca e procurou algum livro que lhe auxiliasse naquele momento, só havia um relacionado a partos, o que ele teve que usar, só esperava que tudo desse certo, Yukino era sua única família de sangue e não queria perder aquela vida tão jovem.

Perona já estava de volta ao quarto da semi-morena, mas não encontrou nem Mihawk nem a própria no quarto, pensou no pior tremendo quando escutou o choro novamente dos bebes e lembrou do que tinha que fazer.

A bacia de água foi colocada ao lado da cama e finalmente a jovem ia limpar os dois bebes e enrola-los nas toalhas para não passarem frio por saírem de um útero quente para o mundo frio por fora.

Pegou com cuidado o primeiro bebe sujo de sangue, não dava para ver nada, mas mesmo assim se dispôs a limpa-lo com todo o cuidado que já teve em sua vida, até porque qualquer coisa que acontecesse com aqueles bebes não queria nem imaginar a fúria que cairia sobre si daqueles que os esperavam.

Finalmente terminou de limpar o segundo bebe, a bacia estava vermelha de sangue, mas ao menos os dois bebes estavam quentinhos dormindo em suas mantas, as quais Yukino havia entregue a Perona a algumas semanas atrás dizendo serem presentes dos demônios quando partiu da ilha deles.

Agora podia ver as características dos dois bebes, já que não tinha prestado atenção enquanto os lavava pelo cuidado que estava tendo.

O primeiro era claramente filho de Zoro, cabelos de cor forte se destacando e uma bochechinha linda, não dava para ver os olhos por conta da idade, mas mesmo assim era uma fofura, ‘ao contrario do pai’ pensou a rosada, no entanto o não era o tom de verde que esperava, era quase um verde água, se não um azul, bem diferente da cor de grama de seu pai ‘deve ser aquilo de genética, como a Yukino tem nos olhos, acho que é mutação o nome, mas o dele é no cabelo, em vez de verde como o pai ficou quase um azul, mesmo assim muito fofo’ sorriu.

O segundo bebe por opção era filho de Law, os cabelos totalmente negros diferente do bicolor de sua mãe, também não dava para ver os olhos, mas o que mais se destacava era seu nariz fofo.

– Vocês são tão lindos, Yukino teve sorte em ter vocês. – disse olhando com carinho para aqueles dois seres tão frágeis pensando que eram filhos de piratas tão fortes – Espero que a mãe de vocês esteja bem, mas...... – parou de falar lembrando que aqueles bebes não iriam nem conviver com a mãe, ela tinha trauma de crianças, não ia conseguir ficar próxima deles, uma pequena lagrima caiu dos olhos da menina, sentia-se triste pela amiga, tinha dado quase sua vida para traze-los a vida, mas não poderia aproveitar o crescimento deles.

Horas depois Mihawk finalmente estabilizava a situação da menina, lera no livro que em casos de parto solitário poderia acontecer do sangue não ser estabilizado a tempo e isso exigir da mãe descanso por um dia no máximo, Yukino abrira os olhos por poucos segundos, mas depois voltou a dormir.

O mais velho foi ao seu quarto e pegou uma blusa sua, tirou as roupas da menor e as trocou pela sua, não ia deixa-la suja de sangue até que acordasse. Ao menos pôde suspirar por um momento ao saber que ela estava bem e ao que viu os bebes também, sem perdas, sem dor, sem uma repetição do passado.

4 horas depois Yukino já estava acordada comendo tudo o que Perona conseguia trazer pra menina, isso porque Mihawk estava conhecendo seus sobrinhos\netos, o que era uma denominação estranha a se dizer, então os considerava apenas sobrinhos.

– Como você vai alimentar eles ? – perguntou Perona vendo que a menina estava satisfeita.

– Usopp criou um amamentador, no caso um objeto pra que eu tire o leite do meu peito e possa colocar nas mamadeiras. – falou abrindo o Burakuhoru e pegando o objeto que parecia uma seringa só que obviamente em proporção totalmente diferente das usadas pra tirar sangue – É só colocar a ponta no peito e apertar essa bolinha. – apontou para a parte onde havia uma bola de borracha que apertava e sugava o ar.

– Ohhhhh bem útil, então você vai tirar o leite e deixar com os mugiyaras, certo ? – a menor assentiu se levantando.

– Mas eles nasceram 1 mês antes do previsto, tenho que leva-los para o barco. – disse já preparando lençóis, no entanto em seu olhar uma clara dor era vista.

Perona não aprofundou o assunto porque sabia que aquela viajem de volta ia mexer com a menina, ela ia manter as crianças em um lençol e transporta-las como se fosse uma cegonha, com elas a 1 metro de si, mas aquilo ainda sim era perto para ela. Esperava que o plano desse certo, mas ao mesmo tempo pensava em como aquilo devia doer na garota, os filhos eram seu sangue, ela os tivera praticamente sozinha, e mesmo assim não podia cuidar deles.

Mihawk apareceu na enfermaria segurando os dois bebes, um em cada braço, enrolados nas mantas amarelas, no entanto estava nas costas de Yukino, a menina virou-se levemente olhando por cima do ombro e pode ver brevemente o rosto dos dois bebes, tinha tirado o leite a alguns minutos antes de Perona aparecer, pegou as mamadeiras e deu a rosada.

– Eles não comeram. – foi tudo o que disse, quando Mihawk deu um passo a frente um tremor atravessou o corpo da menina – Fique ai.....por favor. – os ombros da mesma estava tensos, sua respiração naqueles metros de distancia já estava pesada – Só cuide deles até que eu possa me arrumar pra viagem.

Mihawk olhou para a menina que já não olhava para trás, suspirou vendo o quanto aquilo realmente mexia com ela, chamou a rosada pelo olhar e saiu do quarto segurando os bebes.

– Ao menos posso saber os nomes deles ? – perguntou já de costas fora do quarto, um pequeno silencio se instalou até que Yukino respondeu.

– O de cabelos azulados... – Mihawk arregalou os olhos ao perceber que ela tinha sim dado uma boa olhada nas crianças naquele mini segundo que virara o rosto para trás – É o Oliver, Trafalgar D Water Oliver. O de cabelos pretos é Nico, Roronoa D Nico. Imaginei que não fosse identificar quem seria quem, mas os genes de Zoro passaram um pouco para Oliver, mesmo que o cabelo dele pareça tem uma mutação clareando a cor. – comentou baixo dando um suspiro no final.

O olhos de falcão decidiu que aquele era o momento pra sair realmente dali, Perona parecia tão surpresa quanto a si.

– Ela realmente se preocupa com eles. – comentou a menina fantasma – Que horrível não poder ficar próxima por causa de imagens do passado. – com uma expressão triste pegou Nico do colo de Mihawk e passou a mamadeira de Oliver para o maior – Mas pelo menos eles terão uma boa família, aquele idiota já me contou que cuidou de crianças antes.

– Eles vão crescer bem, mas Yukino vai sofrer ainda mais. – falou Mihawk vendo o bebe de cabelos quase azuis beber ávido o leite que lhe era dado, eles não haviam comido desde seu nascimento – ‘São crianças fortes, aguentaram passar horas sem comer, nem reclamar por tal, realmente vão se tornar homens poderosos no futuro’ – admirou pensando no quanto de Yukino eles tinham, o que era surpreendente agora que via direito.

Se fosse pensar que Yukino era idêntica a Eliza quando bebe, então aqueles dois tinham mais da mãe do que dos pais, mesmo sendo gêmeos de óvulos diferentes, eles tinham traços idênticos ao de Eliza quando nasceu, seriam bonitos ao que percebeu. O mais velho sorriu vendo que a mamadeira já estava vazia, assim como a que Perona dava para Nico, seriam comilões como a mãe também.

Dois dias depois Perona já tinha se divertido com os recém nascidos, assim como Mihawk lembrava de como era cuidar de um bebe, ainda mais depois de sua irmã, já Yukino estava estocando o leite que teria que deixar com seus amados, já que seriam eles quem alimentariam as crianças dali para frente.

Só não podia mentir em dizer que sentia varias vezes a vontade de mãe de poder segurar seus bebes, mas.....não conseguia fazer tal coisa, observava de longe os dois serem cuidados e aquilo era bom e ao mesmo tempo torturante, não podia se aproximar mais que aquilo, porque se não.....As memórias voltavam e um desgosto a assolava, não queria passar aquilo para os bebes, queria que eles tivesse uma infância diferente do que ela teve.

Suspirou terminando de encher a ultima mamadeira, colocou o sutiã de volta, finalmente podia usar suas roupas normais, colocou uma blusa de frio azul e uma calça jeans preta, ficou descalça já que ia finalmente voar depois de meses, e sentia falta do ar nos pés. Respirou bem fundo e foi para a ‘sala do trono’ onde normalmente acontecia as festas que Shanks preparava a contra gosto do dono da ilha.

– Estou pronta. – avisou vendo que tanto Perona quanto Mihawk estavam ali, os bebes dentro de uma cesta cobertos pelas mantas e por uma tela de proteção, assim Yukino não os via e o vento não iria atingi-los, afinal só tinham dias de vida.

– Amarrei o lençol na cesta, revisei 5x pra ter certeza de que não ia soltar. – falou a rosada indo abraçar a menina, não disse nenhuma palavra naquele abraço, mas a morena sentia os sentimentos que a outra a passava – Boa viagem, sabe como chegar né ?

– Estou com o Vivre Card de Luffy, vou saber chegar. – sorriu calma virando para Mihawk e indo o abraçar.

O abraço durou mais tempo do que deveria, mas aquilo se devia mesmo a preocupação do maior para com sua sobrinha.

– Cuide-se. – foi tudo o que disse.

Quem visse tal cena não iria acreditar, no entanto Perona era a única além dos dois que acreditava naquilo, havia presenciado cenas incomuns de mais para pessoas daquele tipo nos últimos meses, ainda mais aqueles dois em especifico tão ruins em demonstrar sentimentos.

– Estou indo, mando uma carta quando chegar, conheço as rotas seguras para ela não ser interceptada. – sorriu pegando a ponta do lençol e abrindo suas asas a tanto tempo presas.

Esticou-as, sentiu novamente cada pena, a sensação voltando aos poros, finalmente começou a subir, lentamente e colocando o lençol no pescoço para segurar mais fácil, a um metro do chão a cesta subiu perfeitamente segura, nenhum choro, nenhuma movimentação brusca, pelo menos esperava que não chovesse no caminho, e sim, esse era um pensamento da mãe das crianças.

– Bye. – sorriu se despedindo, no entanto sua pele estava pálida, com certeza aquilo estava mexendo com ela.

Os dois deram um tchau calmo, mas ao mesmo tempo preocupado, enquanto a imagem do anjo passava para um ponto branco, um borrão e por fim o nada além do céu daquela manhã.

Yukino vagou sozinha pelo mar, torcia realmente para não entrar em uma tempestade, seja essa qual fosse, relâmpagos, chuva, vento, só queria chegar até seu irmão o mais rápido possível, estava a meses longe de todos, queria vê-los, mas ao mesmo tempo eles ficariam surpresos em saber que as crianças nasceram 1 mês antes do previsto, ainda mais a 3 dias atrás.

O Vivre Card apontava para leste, não sabia o quão longe estaria depois de meses, e realmente demorou para chegar lá, as crianças por outro lado não choraram por comida ou coisa parecida, mesmo que seus corações estivessem a bater mostrando que estava vivos, era como se soubessem que a situação não os permitia a tal.

8 horas haviam se passado com Yukino no máximo de sua velocidade, um borrão para quem olhasse de alguma ilha ou barco, mas mesmo assim as crianças estavam em segurança dentro da cesta e da tela de proteção, mas ainda sim nada do Sunny Go.

– Já passei a muito o local do qual saímos, mas não duvido nada que usaram o Bust pra fugir da marinha ou pra lutar com algum outro grupo pirata. – falou pensando que realmente poderia ser aquilo.

Finalmente após 10 horas o papel em sua mão apontou para baixo, estava perto. Desceu lentamente pra não causar pressão no ouvido dos bebes e avistou Sunny a vários metros abaixo, deu um suspiro, mas em seguida parou no ar vendo que não era só o Sunny que estava ali, o submarino de Law estava fora da doca, o que significava que tinham usado recentemente, além de que havia outro navio ao lado do Sunny e uma voz irritantemente alta chamou a atenção da menina.

– Vocês que tem a sorte de nos encontrar nesse mar gigante. – a voz parecia baixa, mas era porque estava gritando a uma distancia considerável.

“Kid” pensou a semi-morena rindo internamente ao pensar na sorte de chegar no dia exato daquele encontro inesperado “Ele continua vivo ao menos”.

– Kishishishishsi.....Quanto tempo. – sorriu ainda mais ao ouvir a voz de seu irmão, cada capitão estava em seu barco, Law em seu submarino olhando para os dois lados parecendo ter chegado a pouco tempo também, Zoro estava ao lado de seu capitão e Killer também.

– Hm ? Ué....cadê a garota anjo ? – perguntou o ruivo percebendo finalmente que era a única que não estava presente – Finalmente decidiu desistir desse bando ? – sorriu vitorioso.

Luffy fez uma cara seria e ia responder quando outra voz se interpôs.

– Até parece cabecinha de fogo. – falou Yukino finalmente descendo no Sunny com cuidado, Killer sorriu por baixo da mascara ao ver que a menina continuava viva e do jeito que ele se lembrava, diferente da demônio que haviam dito que ela tinha se transformado – Law, Zoro, os filhos de vocês. Oliver e Nico. – apontou para a cesta no chão e ficou pálida de repente se afastando até o ninho do corvo – Aproveitem bem, eles nasceram 1 mês antes do previsto.

Os olhos arregalados de seu bando e do bando Heart a faria rir, se não fosse o fato de que as crianças estavam a alguns metros dela.

– YUKI !!! – Luffy esticou seus braços e foi abraçar a menina lá em cima – CARAMBA VOCÊ VIU !!! Senti saudade. – sussurrou a ultima parte apertando a menor nos braços em seguida olhando para baixo onde estava a cesta – Eles...

– São saudáveis e o Oliver tem uma mutação do cabelo, teria cabelos verdes como o do Zoro, mas tem um tom mais azulado. – falou balançando a cabeça para em seguida encarar Kid – Mas realmente faz tempo Eustass Kid, que coincidência vocês aparecerem no dia que eu ia trazer meus filhos para a família. – o olhar da menina ficou como os da raposa, só que mais ameaçadoramente – E eles nasceram só a 3 dias, então qualquer movimento brusco vindo da sua tripulação para com eles vai render uma boa perda dos seus homens. – estralou os dedos com um sorriso sádico, em seguida fazendo uma cara kawai – No entanto se quiserem conhecer a vontade, não posso ficar próxima deles mesmo. AH !!! Ei meninos, os dois estão sem comer a umas 10 horas. – pegou as mamadeiras do buraco negro e jogou para os pais ainda em choque – Acordem, vocês tem que.... – parou de falar quando ouviu o som dos choros, suspirando – Viram, eu disse que era pra alimentarem. – se espreguiçou olhando levemente para a cesta ainda coberta e virando o rosto.

Luffy percebeu aquele movimento assim como Killer, ambos se sentiram mal naquele momento, mas o irmão da menina a abraçou passando algum conforto.

– Vai me contar tudo. – falou vendo que finalmente Zoro se aproximava da cesta parecendo assustado, uma cena até engraçada, mas quando abriu a tela de proteção seus olhos brilharam parecendo querer chorar, mas trincou os dentes para não fazer aquilo na frente do bando do Kid.

Law foi em seguida e enquanto Zoro pegava o bebe de cabelo negros, o moreno pegava o bebe de cabelos azulados, não importava quem era o pai de quem, o que importava era que eram seus filhos, ambos e cada um merecia o leite que lhes era oferecido, com certeza eram bebes fortes para terem aguentado o choro durante toda a viagem.

– Prazer Oliver. – falou Law para em seguida olhar para o bebe de cabelos negros – Olá Nico.

Zoro só sorriu dando a mamadeira para o pequeno moreno, seu olhar era diferente de qualquer coisa que Yukino já tinha visto, sorriu ao ver os dois tão felizes, mas sentiu aquele incomodo ao olhar os bebes, a cena daquelas crianças sendo mutiladas passou pela sua cabeça e ela desviou o olhar novamente repirando fundo.

Luffy sorriu passando a mão na cabeça da irmã, horas depois de todos já terem aceitado o fato de que sim aqueles eram os tão esperados bebes, Kid finalmente percebeu que aquele não era momento para continuar ali e saiu em respeito a sua tripulação que sabia que Yukino iria aniquilar se cometesse qualquer erro na frente de seus filhos, Killer se despediu da menina de forma mais jeitosa e partiram.

Ao menos agora a garota sabia que seus filhos teriam uma vida feliz, ainda mais com Nami e Robin quase roubando eles dos pais, aquilo era tudo o que precisava para se sentir bem, mesmo que Yukino ordenasse que os bebes dormissem com os pais e ela dormisse no ninho do corvo, foi uma confusão até todos aceitarem por fim.

No entanto quando as crianças estavam no andar de cima a maior cantarolava inconscientemente lá do ninho do corvo, todos aproveitavam aquele momento único em que mesmo sem ter os filhos nos braços ainda sim ela era capaz de faze-los dormir como anjos.

Yukino passada dia após dia vendo os bebes comilões sem abrir os olhos ainda, sentia a pressão aumentar cada dia mais, até que sem pedir permissão de ninguém saiu do barco naquele dia, deixou um bilhete dizendo que voltava em 2 dias.

Voltou a Demon, deu as noticias, mas não ficou mais que algumas horas, tinha uma coisa que queria fazer e por tal queria fazer logo, ao menos aquilo a deixava feliz, finalmente ia usar um pouco da alquimia que tinha estudado e aprendido no tempo que a permitia.

P.O.V. Luffy

Yukino sumiu de novo, mas dessa vez ninguém a culpou, Zoro e Law pareciam pais corujas o que deixava Sanji reclamando pelos cantos, era engraçado....kishishishishis. Mas eles também ficavam preocupados com como os bebes iam crescer com a mãe longe, claro que sabíamos que isso não ia afetar aos meus sobrinhos (sobrinhos.....hehheehhe), mas sabíamos que já afetava Yukino, contamos 1 semana do nascimento dos bebes e 3 dias de que eles haviam chegado até aqui.

Foi quando Yukino finalmente voltou, pousou na cabeça do Sunny e deu olá a todo mundo, os bebes estavam com Nami e Robin em baixo da arvore.

– Dê a eles. – falou pra mim com um sorriso fraco no rosto, mas mesmo assim verdadeiro – Imaginei que tinha visto os olhos deles quando os vi comendo antes, então queria fazer uns presentes. – falou me entregando dois colares – Ao menos eles vão ter algo da mãe.

– Yuki...o que.... – ela me silenciou com um olhar, um olhar triste, mas ao mesmo tempo decidido, como se.....tivesse feito uma decisão dolorosa, novamente.

*---*

– Está na hora da minha jornada nii-chan. Minha jornada como alquimista e nossa jornada para o One Piece. – disse vendo que todos prestavam atenção, Law ia falar quando a menina encarou os dois namorados – Sabíamos que ia ser assim, eu sempre volto, prometo, mas quero que não fiquem tristes, de verdade, quero que mostrem o que eu não pude ter para eles. – olhou agora para os bebes nos braços das estupefatas Nami e Robin – Eles são meus filhos também, querendo ou não já os amo, amo ao ponto de preferir que eles não vejam uma mãe ferida por estar perto deles. – disse agora sorrindo para a tripulação toda – Vão ser viagens longas, mas sempre vou voltar. Até porque aqui....é a minha casa.

O sorriso que Yukino deu pareceu ter vindo de uma criança, uma criança que dizia ‘obrigada’ ao fundo, Bepo começou a chorar enquanto Chopper pulava na colega para lhe dar um abraço, não era um adeus, era um até logo, até porque ainda tinha que estocar o leite dos bebes até que deixassem a fase de amamentação, mesmo assim parecia como se a menina nunca mais fosse voltar.

Quando todos já tinham dado seus ‘até mais’ (isso porque Nami trocou com Sanji e Robin trocou com Penguin o colo dos bebes), finalmente os dois rapazes se aproximaram, as palavras não era necessárias, Zoro a abraçou com força sem se segurar, queria manter aquele cheiro consigo, beijou a testa da menor em seguida um selinho, Law não fora muito diferente, um abraço apertado, um beijo na bochecha e um selinho.

Os olhares diziam tudo o que precisavam, era até um pouco constrangedor para os demais ver aquela cena tão intima, Yukino se despediu mais uma vez e quando já estava lá no alto gritou.

– Amo vocês, Oliver, Nico. – aquela frase pareceu ecoar nos tripulantes com certo peso.

Luffy encarou a irmã sumir nos céus e em seguida encarou os colares percebendo o que eram, primeiro pensou se eram naturais até Nami lhe afirmar que não e mesmo assim eram perfeitas e originais, feitas por alquimia.

Ambos os colares tinham o formato de uma gota, só o adorno em torno deles que diferenciava, no entanto um era feito por uma safira brilhando em azul forte, o outro era uma esmeralda parecendo brilhar mais verde pela luz do sol, duas pedras feitas por alquimia pela Yukino, as cores de seus olhos.

Luffy se aproximou do bebe no colo de Sanji e se assustou ao ver os olhinhos abertos ficando ainda mais surpreso ao virar para o outro bebe no colo de Penguin e constatar que ele também estava com os olhinhos abertos encarando o céu por onde a mãe havia partido.

Nico era um menininho de cabelos negros e olhos verdes como o esquerdo de sua mãe, Oliver era um rapaz de cabelos azuis e olhos também azuis exatamente como o olho direito de sua mãe. Ambos haviam herdado bem mais da mãe do que haviam percebido antes, ainda mais por terem aberto os olhos exatamente no momento que a mãe havia ido embora, não sabiam a percepção dos dois, mas sabiam que seriam grandes no futuro, esperavam que amassem a mãe como mostravam amar naquele momento.

Muitas aventuras os esperavam, mas isso só mais em alguns anos, até porque com a família que tinham, não havia como não crescerem arteiros, saudáveis e amados.

Tudo havia mudado e ainda mudaria muito mais, mas o verdadeiro sentimento de cada um iria se aflorar logo mais.

A pequena lótus negra nascida na neve ainda estava começando sua aventura, assim como seus filhos iriam começar no futuro.

*---*


Notas Finais


O que acharam ? Gostaram ? Ficou grande né ? E olha que ia ser o capitulo passado mais esse aqui que ia ser um só cap....kkkkkkkk.
Diminui pacas ainda, mas mesmo assim os extras vão ser mais pra vocês curtirem e verem o desenrolar dessa vida de familia (complicada diga-se de passagem, porque né Yukino tem os problemas dela e os filhos vão ficar com esse povo doido, ainda bem que tem uns que se salvam...kkkkkkk)
Kissus doces e abraços de Tontatas ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...