História The Boss - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Nina Dobrev
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 16
Palavras 1.944
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi pessoal, espero que gostem desse primeiro capítulo e comentem o que acharam. Não quero enrolar pois estou ansiosa, então boa leitura.

Beijos!

Capítulo 2 - A proposta


Fanfic / Fanfiction The Boss - Capítulo 2 - A proposta

 

2 meses antes... 

 

— Você só pode ter ficado louca, Ivy. — eu joguei o pacote de maconha roubado em cima da cama, fazendo os olhos claros da minha melhor amiga focarem em mim. — Isso não é nosso! 

— Eu não roubei, ok? Estava em cima do balcão, a boate estava vazia... — se explica ela, levantando-se e indo em direção ao banheiro. 

Nós duas trabalhávamos em uma boate de strippers, mas nenhuma de nós fazia programa ou algo do tipo. Somos responsáveis pelo bar e pelos cuidados que as meninas recebem enquanto trabalham. 

Fora do horário de trabalho, fazemos nossas faculdades e seguimos nossas vidas. Blaine, nosso chefe, permite morarmos junto com as garotas e nós duas dividimos um quarto, que fica no fundo da mansão que acolhe todas nós. 

A diferença entre eu, Ivy e as outras, é que não temos dívidas, além de ter total liberdade para sair e voltar quando quisermos. Obviamente um dinheiro é descontado de nosso salário, pois usamos água, luz e, algumas vezes, pegamos algum material de limpeza emprestado. Mas independente do desconto, seguimos nossas vidas e nossas únicas obrigações são cuidar bem da boate e nos certificarmos que os clientes estão satisfeitos com suas escolhas. 

Eu observava Ivy séria enquanto a via se despir para entrar no banho. 

— Isso é errado... 

— Infelizmente a maconha ainda não foi legalizada em todos os estados. — resmungou ela, enquanto ligava o registro.  

— Você sabe do que eu estou falando, Ivy Jensen. 

— Beleza, não vamos dar continuidade a isso. Pega essa porra e leva para Blaine. — eu concordei e antes que pudesse reclamar mais, ela fechou a cortina na minha cara. — Tchau, Liv! 

Eu respirei fundo para não perder o controle e voltei para o quarto, pegando o pacote em cima da cama. 

Antes de me retirar do quarto, me certifiquei que Blaine já estaria na mansão. 

Deixei minhas coisas que usaria a noite de qualquer jeito na cama e sai do quarto, passando pelo jardim que me levava para dentro da grande casa.

A maioria das meninas estavam em seus quartos se arrumando, então quase não havia barulho. Fui diretamente em direção ao escritório, entrando assim que tive permissão.

— O que lhe traz aqui, Olivia? 

Eu observei a postura perfeita de Blaine sentado na cadeira em minha frente e me aproximei, ficando de frente a mesa. 

— Ivy encontrou isso no balcão ontem. — disse, jogando o pacote em cima da mesa. — Achei que deveria saber.

— Com certeza, sim! — ele sorriu, puxando o pacote para si. — Obrigado por avisar, darei um jeito de encontrar o dono. Agora vá, não quero que se atrase. 

Eu concordei com ele, saindo de sua sala e voltando para o quarto que eu e Ivy dividíamos no fundo da mansão, a encontrando sentada na cama mexendo no celular ainda enrolada na toalha. 

Ela me lançou um rápido olhar e eu me concentrei em me arrumar.

Nossa arrumação era diferente das meninas, é claro. Não tínhamos que ser provocantes, mas elegantes. Geralmente, as roupas que usamos são de cores quentes, escuras, chamando a atenção o menos possível. Afinal, as meninas deveriam ser a verdadeira atração. 

Eu coloquei um cropped de mangas longas preto e a saia de couro curta, junto com minhas botas de cano alto. 

Nunca gostei de penteados diferentes, então deixei os cabelos soltos e lisos, fazendo uma maquiagem forte no rosto.

Ivy usava seu vestido preto também de mangas longas e salto agulha, com a maquiagem não muito diferente da minha. A diferença era seus cabelos escuros presos em um rabo. 

Quando terminamos, voltamos a mansão, onde todas já se encontravam na sala.

Assim que a van chegou, cada uma ocupou o seu lugar e seguimos em direção à boate. Ivy e eu não trocamos palavras e nos distraiamos com as outras, ignorando uma a outra. 

A viagem foi curta e logo chegamos a boate, ocupando nossos lugares. Abriríamos em poucos minutos, então fiz questão de dar uma última olhada nas coisas e nas meninas para ter certeza que estava tudo certo.

— Vocês precisam de algo? 

— Está tudo bem, Liv. — confirmou Sarah, umas das meninas. 

Eu sorri para elas e desejei boa sorte, me retirando em seguida. 

Fui para atrás do balcão e sentei em um dos bancos, enquanto via os seguranças abrirem as portas e a música iniciar a tocar. 

Ivy estava ao meu lado mas parecia querer me ignorar, então foquei em fazer o meu trabalho.

Não demorou muito para que alguns clientes chegassem e tivéssemos que iniciar nosso trabalho. 

Quando nos certificamos que os Barmans estavam todos ali, eu e Ivy nos separamos para tomar conta das coisas.

Olivia! — eu me virei, encontrando com Ewan. Ele era um de nossos melhores clientes e fez questão de me abraçar, já que estava um pouco sumido. — Bom te ver!

— Bom te ver também, Ewan. — sorri. — Precisa de ajuda? 

— Como sempre me ajudando... — ele me guiou até o bar. — Preciso de uma boa menina essa noite, alegre, com muito gás! 

— Tudo bem, tenho o que procura. — eu acenei para Carly, uma das meninas novas na equipe. Assim que a mesma se aproximou, eu me afastei para deixá-los a sós. — Boa noite, Ewan! 

Eu voltei a rodar pela boate, já sentindo o ar pesado pela quantidade de pessoas, no caso, homens, e continuar o meu trabalho.

Como sempre, as coisas andavam agitadas. Eu supervisionava tudo de longe, enquanto sentia os olhos de Ivy em mim. 

Porém, depois de me encontrar com a mesma, notei que não eram só seus olhos que me cercavam. 

— Ele está te olhando... — gritou ela, por conta da música alta. 

Eu rodei meu corpo a procura dos outros olhos que me vigiavam e tive que receber a ajuda de Ivy para encontrá-los. 

Diferente do que eu esperava, eles eram tapados por lentes escuras, que me faziam perguntar como alguém poderia usar óculos escuros a essa hora da noite. Mas mesmo com tantas perguntas me rodeando, a que mais me incomodava era o fato de saber que eu era o alvo, mesmo que não pudesse o ver. 

— Vamos continuar rodando. — falei a Ivy. — Ele deve achar que sou uma das meninas. 

— Tudo bem. Tome cuidado. — eu concordei com ela e me afastei, na tentativa de dar um gelo nela.

Um defeito horrível de Ivy era fazer merda e depois tentar voltar como se nada tivesse acontecido. 
 
 

• • • 

Eu terminei de secar o último copo e me sentei na bancada, observando calada Ivy enxugar as últimas coisas.

Assim que a mesma terminou, sentou-se de frente para mim. 

— Liv, me desculpa? — eu apoiei meu rosto na mão direita sobre o balcão, olhando bem séria para Ivy. Ela parecia realmente arrependida ali, com os olhos marejados. — Você estava certa, não sei o que aconteceu comigo. 

— Tudo bem. — me rendi, a abraçando. — Só não faça mais isso.

Ela concordou rindo e nós nos afastamos, nos levantando para irmos embora. 

As outras meninas já estavam à espera da van e só faltavam nós duas, além de Blaine. 

— Olivia. — eu ouvi meu nome ao me aproximar das garotas e me virei, encontrando com Gary, um dos seguranças. — O chefe te chama. 

Eu olhei rapidamente para Ivy, que parecia tão confusa quanto eu, e assenti indo em direção ao segundo andar da boate, onde ficava o escritório de Blaine. 

Gary seguiu comigo até a porta do mesmo, mas somente eu entrei. 

Assim que coloquei meus pés dentro da sala de cores quentes, notei uma presença familiar em uma das poltronas de couro, de costas para mim. 

— Algum problema? — perguntei enquanto me aproximava, levando um susto ao ver o homem da poltrona se levantando e virando-se para mim. 

Eu fiquei paralisada olhando para os olhos cor de mel dele, que agora não eram mais escondidos por lentes escuras, preocupada pelo fato do mesmo ter passado a noite toda me olhando e agora estar ali, bem de frente para mim e meu chefe. 

— Olivia, quero que conheça Justin Bieber. — eu tentei forçar um sorriso, porém deveria ter sido mais uma careta. Bieber deu um riso baixo, mostrando o quanto parecia ser reservado. — Ele é um cliente muito importante e gostaria de lhe fazer uma proposta.

— Proposta? — Blaine fez um sinal para que eu me sentasse na outra poltrona e em seguida os dois sentaram também, atentos. — Você... Quer dizer, o senhor sabe que não sou uma prostituta, não sabe? 
Bieber riu novamente, dessa vez mais alto e levando Blaine com ele.

— Eu sei. — ele cruzou as pernas, enquanto observava minha expressão de espanto. Mas que porra estava acontecendo? O que ele queria? — Na verdade, sei de praticamente tudo sobre você. Olivia Victoria Atwood, vinte e um anos, nasceu e morou na Inglaterra até os dezoito anos, órfã e aluna de medicina. 

— O que você quer? 

— Direta você. Bom, acho que devo ser também. — Blaine sorriu para ele, como se o incentivasse a prosseguir. — Então Olivia, eu quero você. 

 

• • • 

Eu coloquei meus pés para fora do carro e sai do mesmo, boquiaberta pelo tamanho da mansão em minha frente. 

Só o jardim já conseguia ser do tamanho da mansão das meninas. 

— Seja bem-vinda, Olivia. — eu olhei para Bieber, que admirava tudo assim como eu.

Pelo o que parecia, ele não era lá o cara mais correto do mundo. Talvez, fosse até o menos correto. Acontece que Bieber era o maior mafioso do país e precisava roubar uma grande informação de seu concorrente. E, segundo ele, eu era a pessoa perfeita para isso. 

O mesmo havia ficado sabendo da inauguração de um hotel de seu inimigo, Edward Holden, que além de ser um grande mafioso, é também dono de uma das redes de hotelaria mais famosas do país. 

O roubo aconteceria daqui a um mês e Bieber assegurou a mim que não haveria erros, ou seja, eu estaria segura. Enquanto isso, eu seria obrigada a morar com ele e aprender diversas coisas que me ajudariam caso algo se complicasse ou em até mesmo em conseguir o que ele quer. 

Blaine obviamente concordou em me liberar, já que o mesmo receberia uma quantia grande por me liberar e eu também, suficiente para eu pagar toda a minha faculdade.

Assim que li o contrato e assinei, passei no quarto da mansão das meninas e peguei minhas coisas, me despedindo de Ivy também. Umas das exigências que tinha feito era ela, que deveria poder vir me visitar sempre que quisesse.

Eu segui Bieber até dentro da mansão, onde me deparei com uma sala enorme e iluminada, com cores exóticas e cortinas enormes tapando as janelas que iam do teto ao chão. 

Ele passou rápido pelo cômodo e me guiou até o segundo andar. Quando chegando ao final do corredor, haviam duas portas e ele abriu a da esquerda, entrando. 

Eu o segui calada e observei o quarto gigante que me esperava. 

Obviamente não era o mais chique e elegante da casa, era claro que era somente mais um quarto de visitas comum, porém para mim era perfeito. 

Diferente da casa, ele era coberto por cores claras e sem detalhes ou coisas exóticas. 

— Então, uma garota sempre esteve presente nesse seu plano? — questionei enquanto rodava o quarto. Além da cama, havia um banheiro enorme com banheira de hidromassagem e um closet. 

— Sempre. — ele se afastou, indo em direção à porta. — A partir de hoje, aqui é seu quarto. Descanse um pouco, amanhã irá acordar cedo. 

Eu assenti calada e fiquei o olhando ir embora, me deixando naquele quarto que custava mais do que minha própria vida. 

Eu não sabia no que estava me metendo, mas algo me dizia que muita coisa ainda iria acontecer. Independente disso, eu estava disposta a continuar e descobrir. 

— Boa noite, senhor Bieber. 


Notas Finais


Então, esse foi o primeiro capitulo e espero que tenham gostado. Pelo jeito Justin e Liv ainda passarão por muita coisa!

Enfim, até o próximo. Espero que comentem o que acharam e me incentivem a continuou ou até mesmo em melhorar.

Beijão!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...