História The Breakfast Club - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Maze Runner
Tags Minesa, Newtmas
Exibições 53
Palavras 2.663
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OI PESSOAL TUDO BEM COM VCS?? PORQ EU TO ÓTIMA
é o seguinte, a fic vai ser estilo O Clube dos 5, que é um filme antigo quem não viu pode ir ver recomendo pks
então vai ter esse negócio de o nerd, a princesa, o atleta, a maluca e o rebelde só que em versão tmz
BOM eu planejei essa fic com muito carinho, então tudo, TUDO MSM, que envolver os personagens, nomes, personalidades, ações, pensamentos, qualquer coisa, tem um motivo por trás ~~~~~plot twist confirmed
então se vcs tiverem um tempinho pesquisem os sobrenomes, abram o santo google tradutor e pesquisem oq significa cada um deles. É PRATICAMENTE O SPOILER DA FANFIC INTEIRA MAS FODA-SE

Capítulo 15 - Detenção pt. 10


Fanfic / Fanfiction The Breakfast Club - Capítulo 15 - Detenção pt. 10

Se você ama alguém, diga. Se você se importa com alguém, demonstre. Se você sente falta de alguém, vá atrás. Não deixe para amanhã, a vida não espera ninguém, e certamente não vai esperar você. Nós precisamos aprender a não ter medo de sentir, esse é o nosso maior dom, por que temê-lo? Quando seu coração bater mais rápido, seus olhos não conseguirem piscar, seu cérebro não funcionar direito, seu estômago borbulhar e suas mãos suarem, aprecie isso. Agradeça por sentir o que poucos sentirão, se permita sorrir, apesar de toda dor. Você está amando, e não importa se machuca, ou o quanto doloroso é, significa que você está vivo, e que ainda há razão para lutar.

Eles nos ensinaram que não existe conto de fadas, muito menos almas gêmeas. No coração deles não existe mais amor, mas no seu, sim. E se você quiser, se você lutar por isso, então existirá conto de fadas. Você terá o amor pelo qual lutou, e isso não é lindo? Saber que mesmo com tanta maldade no mundo, você pode ter tudo o que quiser? Se você ama alguém, não espere que outra pessoa venha para amá-lo primeiro. Se você se importa com alguém, não deixe que ela vá embora sem saber o que significa para você. Se você sente falta de alguém, não imponha limites para estar ao seu lado novamente. Se você sente algo, não esconda.

-Ei idiotas! - Minho gritou do andar de baixo -Parem o que estão fazendo e desçam!

Logo, Thomas e Brenda estavam descendo as escadas. A garota carregava um sorriso no rosto, parecia até menos pálida que o normal, enquanto Thomas descia resmungando de cara amarrada. Os dois se sentaram no chão junto com os outros, fizeram um círculo, ou pelo menos tentaram. Thomas e Newt estavam apoiados no corrimão que dava para a escada, Brenda se escorava nos primeiros andares da mesma, enquanto Teresa e minho estavam de lados opostos, um de frente para o outro.

-E aí, querem jogar verdade ou desafio, é isso? - Gean disse sarcástico, Minho fingiu uma risada histérica, o que fez todos rirem, menos Thomas.

-Bom, não tem nada pra fazer, então por que não? - Teresa deu de ombros -Vai Thom, você começa. Verdade ou desafio?

-Verdade.

-Covarde - Minho tossiu, fazendo Thomas o olhar irritado -O que foi? Só tossi.

-Sei lá, você viria para a escola pelado? - questionou, o moreno soltou uma risadinha, ainda sob efeito da erva.

-Depende, eu teria que sair do carro?

-Claro - ela riu também.

-Na primavera ou no inverno?

-Tanto faz - balançou a mão, mas pareceu pensar -Primavera.

-Na frente ou atrás da escola? - todos já estavam ficando sem paciência, a notável expressão de tédio era quase cômica.

-Tanto faz.

-Seria capaz - finalizou, fazendo com que todos suspirassem de alívio.

-Eu seria capaz - Brenda anunciou, se sentia aberta para tentar fazer parte daquele grupo.

-Eu também - o loiro disse, rindo logo em seguida, também sob efeito da droga -E você Teresa?

-Acho que sim - pensou por um segundo -É, seria capaz, sim.

-Tá aí algo que eu gostaria de ver - Minho sorriu malicioso, a garota o encarou com uma sobrancelha arqueada, mas dava para notar que não estava brava ou algo assim.

-Minho?

-Diga, meu amor - disse irônico, mas mesmo assim uma veia saltou na testa de Thomas, era notável seu ciúmes com o loiro -Se eu seria capaz?

-Sim - respondeu sorrindo, o que fez o moreno sentir mais ciúmes ainda, para tentar acalmar seu coração possessivo, se arrastou para o lado para ficar mais perto do nerd.

-Eu seria tão capaz, que até já fiz isso - riu recordando do dia em que correu pelado pelo campo de futebol no dia da final do campeonato -Não existe nada nesse mundo que eu não seria capaz.

-Eu lembro disso! - Gean caiu na gargalhada - Levaram três minutos para te pegar e tirar do campo, foi hilário!

-Fico honrado que Vossa Excelência tenha apreciado meu show.

-Ok, então agora você pergunta Thom - Teresa prosseguiu com a brincadeira.

-Tudo bem - olhou em volta, pensando pra quem deveria perguntar -Newt, verdade ou desafio?

-Verdade - disse meio sem jeito, nunca tinha brincado disso antes, então não sabia o que significava “desafio”.

-Deixa eu pensar… - refletiu por alguns segundos -Caramba, estou sem ideia nenhuma. Teresa fala aí alguma coisa.

-Você pegaria o Thomas? - indagou de prontidão, essa pergunta estava entalada em sua garganta. Teve que conter a gargalhada ao ver os dois garotos ficando vermelhos ao mesmo tempo.

-Garota, eu te amo - Minho disse rindo, não estava nem aí se ia deixar os garotos constrangidos, a cena era cômica demais para ele.

-Eu...Sei lá - começou a gaguejar, não sabia nem para onde olhar, seu corpo estava trêmulo e seu rosto devia estar vermelho vivo.

-Não precisa ter vergonha - Brenda tentou acalmar o loiro, se sentindo muito bem consigo mesma ao fazer isso -O que acontece na detenção, fica na detenção.

-É, isso mesmo - Minho estendeu a mão para a garota, fazendo um “toca aqui” com ela -O que acontece na detenção, fica na detenção.

-O que acontece na detenção, fica na detenção - Teresa repetiu, Newt criou coragem e levantou a cabeça, suspirando antes de falar.

-Sim - assim que falou, sentiu seu rosto ferver ainda mais com as palmas de Teresa e Minho, que já não aguentavam mais a tensão sexual entre os garotos.

-Finalmente, loirinho! - Minho brincou, assobiando e cantando Aleluia.

-Obrigado pela pergunta Teresa - Thomas disse cínico, mas podia ver em seus olhos o quanto o moreno estava agradecido pela atitude da amiga, sabia que nunca teria coragem de perguntar.

-E aí, vocês não vão se beijar? - Minho cutucou -Ele acabou de admitir que te pegava, Gean. Não seja broxante!

-Cala a boca, Makau! - retrucou irritado, estava tão envergonhado que não conseguia encarar o garoto ao seu lado, que parecia estar a beira de um colapso nervoso.

-Agora é sua vez, Newt - Brenda continuou, seu corpo parecia estar ganhando vida, ela continha um enorme sorriso no rosto, nunca pensou que estaria interagindo com essas pessoas. Ou com qualquer pessoa em geral.

-Tá - tentou se recuperar e voltar ao normal, ainda sem olhar para Thomas -Teresa. Verdade ou desafio?

-Desafio.

-Você não pode escolher verdade?

-Eu quero desafio.

-Escolhe verdade, por favor.

-Mas eu quero desafio.

-Eu não sei o que é desafio, dá pra você escolher verdade, por favor?

-Como assim não sabe?

-Eu nunca joguei esse jogo, tá legal? - se encolheu, o moreno ao seu lado teve que se controlar para não pular em cima dele assim que viu seu biquinho manhoso.

-Tá, tudo bem - bufou, mas sorriu para mostrar a Newt que não se importava -Verdade, então.

-Pegaria o Minho? - sorriu vitorioso ao ver a expressão envergonhada da garota, ao seu lado, Thomas ria sem parar.

-Cuidado com o que você vai falar, princesa. Uma resposta errada e nunca poderá desfrutar do meu corpinho - Makau disse sarcástico, fazendo todos rirem, até Teresa soltou um risinho fraco.

-Tirando essa casca de badboy mal compreendido, você é um cara legal, Minho - seu olhar sob o seu o fez perder o fôlego, não importa quantas vezes aqueles olhos azuis o encarasse, ele sempre ia se sentir desse jeito, como se fosse a primeira vez -E sim, eu ficaria com você.

-Ouviram isso? A princesa admitiu gostar do plebeu - arqueou uma sobrancelha, risonho. A garota apenas retrucou com uma careta.

-Então, minha vez - olhou em volta, fixando seu olhar em Brenda -Verdade ou desafio?

-Desafio - se sentiu corajosa ao dizer isso, mas estava feliz, e era isso que importava.

-Preste atenção  Newt, isso é um desafio - pensou por alguns segundos antes de começar a rir sozinha, logo encarando a garota de forma perversa -Te desafio a fazer a coisa mais estranha que pensar, aqui e agora. E com estranha, quero dizer estranha mesmo.

-Tudo bem - riu já sabendo o que fazer.

De prontidão, tirou o sapato. Assim que tirou a meia, levou o pé até a boca e o lambeu todo. Causando uma onda de nojo e risadas entre os quatro. Incrivelmente, não se sentiu mal com isso, sabia que as expressões de nojo não eram direcionadas a sua pessoa, e sim ao desafio que cumpriu, e era tão bom se sentir assim. Sentir que faz parte de alguma coisa.

-Ok, você pegou a escala de estranho e levou 1000 níveis além - Thomas dizia sorrindo, levando a mão até a garota para que fizesse um “toca aqui”, ela se sentiu alegre pela quantidade de “toca aqui’s” que estava ganhando.

-Minha vez - disse animada -Minho, verdade ou desafio?

-Desafio.

-Te desafio a entrar no time de atletismo da escola.

-Isso é sério? - seu semblante alegre desapareceu, dando lugar a uma carranca enfurecida.

-Muito sério.

-O que aconteceu com o “O que acontece na detenção, fica na detenção”? - perguntou incrédulo.

-O que você tem contra o time de atletismo? - Thomas questionou com o cenho franzido -Nós somos a referência da escola.

-Exatamente. Eu não quero ser referência de nada, principalmente de algo sem valor como corrida.

-Corrida tem valor, sim.

-Tá, tá. Eu não ligo, Thomas - o rebelde revirou os olhos -Nem todo mundo gosta das mesmas coisas que você, atleta.

-Eu faço outro desafio, não tem problema - Brenda interviu, sabia que se não fizesse nada os dois iam acabar brigando.

-Ótima ideia - Minho bufou.

-Te desafio a… - pensou por um tempo e então jogou as mãos para o alto -Desisto, não tenho ideia nenhuma. Passo a palavra para você, Teresa.

-Minhas ideias também estão esgotadas. Acho que devíamos parar de brincar.

-Só por que estava na minha vez? - disse emburrado, cruzando os braços e fazendo bico.

-É, só por isso - retrucou.

-Podíamos contar o porquê de estarmos aqui - Newt sugeriu, dando de ombros.

-Acho que todos sabemos porquê você está aqui, Newt - Teresa riu, seguida pelos outros três -Mas achei legal sua sugestão.

-É, se a princesa concordou, podemos aderir - Minho brincou, mas deixou Teresa um pouco magoada. Ela sabia que o modo como agia parecia que as pessoas precisavam de sua aceitação, mas ela realmente não pretendia parecer desse jeito.

-Então você começa - Thomas apontou para Makau, que limpou a garganta ao falar, como se fosse ator de teatro.

-Estou aqui hoje porque como bom vandalista que sou, pixei a quadra de basquete.

-Isso explica muita coisa - Newt concluiu, se referindo ao ódio mortal do treinador Jorge para com Minho.

-Isso foi comovente - Thomas acrescentou -Eu estou aqui hoje porque, como vocês sabem, eu e este indivíduo afetuoso - apontou para Minho, que sorriu de forma afeminada -Brigamos pelo amor da jovem donzela, Princesa Teresa.

-Você é tão engraçado, Thomas - a garota ficou emburrada, mas sorriu assim que Thomas e Minho começaram a rir.

-Sua vez, Tessa.

-Eu estou aqui porque - engoliu em seco -A diretora encontrou no meu armário os papeis para o grêmio estudantil, quer dizer, os votos.

-Você ia trapacear? - Newt se pronunciou -Eu estou concorrendo à presidência!

-Bom, sim. Mas eu não queria.

-Se não queria, por que ia? - Minho interviu.

-A Sonya. Ela teve a ideia, eu nem queria participar. Foi ela quem conseguiu os papeis e tudo mais - falava sem jeito, a cada palavra se encolhia mais, se sentia tão envergonhada.

-Tá, então você não tem opinião própria para chegar nela e falar “Ei Sonya, eu não quero participar do grêmio estudantil, para de ser uma vagabunda e vai se foder”? - Minho questionou mais uma vez,.

-Eu não… Eu não posso fazer isso - abraçou os joelhos e escondeu a cabeça entre eles, quando ele falava desse jeito parecia tão fácil, ela desejou que pudesse agir assim, que pudesse dizer e fazer o que quisesse.

-Como não? Vai me dizer que você é proibida por lei de dizer o que pensa?

-É complicado, tá legal? - levantou o rosto, cansou de ouvir Minho a julgando sem conhecimento nenhum de sua vida -Você não sabe como é, ok? As pessoas com quem eu ando, elas têm expectativas, se você não as cumpre, você é mandado embora. É como uma empresa.

-Tá certo, acontece que aqui não é uma empresa, é uma escola.

-Você  não entende. Thomas sabe como é, ele vive o mesmo que eu. Acho que podemos fazer o que queremos quando queremos? Não, existem regras. Caso contrário você não pode andar com a gente.

-E quem é que quer andar com vocês?

-Todo mundo.

-Esse é seu problema, Teresa. Você é tão metida, acha que todos querem ficar com você. Acha que todos te amam. Acorda pra vida, princesa, ninguém liga.

-Se fosse assim tão fácil…

-O que quer dizer com isso?

-Bom, acha que segunda tudo vai ser diferente? Acha que vou deixar de ser a maldita princesa e o Thomas a porra do atleta? - seus olhos estavam marejados, doía falar disso, do peso das pressões de todos sobre si -Acha que seremos um grupinho?

-Então nada vai mudar? - Newt pronunciou, seu semblante começava a entristecer -Quer dizer, eu considero vocês meus amigos.

-Gostaria de dizer que somos - Teresa suspirou.

-Isso é sério? - Minho cuspiu -Você seria arrogante a esse ponto?

-Não fale isso. Nós não podemos nos dar ao luxo de sairmos com quem quisermos. E você está sendo um hipócrita. O que diria se segunda Newt caminhasse até você para dizer um “oi”? O que seus amigos iriam pensar de você?

-Não fale dos meus amigos, você não conhece os meus amigos. Você nem mesmo sabe quem eles são, você pisa neles e em todo mundo todo dia!

-Cala a boca! - esbravejou, estava cansada de todos dizendo o quanto ela era ignorante, mas ela queria gritar que não era, tirar todo o ar de seus pulmões e dizer que não era essa pessoa que todos pensam que é.

-Então quer dizer que todos vocês virariam a cara para mim no corredor? - o loiro estava de cabeça baixa, suas bochechas vermelhas eram sinal da sua tristeza.

-Eu não - Brenda disse.

-E não iria se importar com o que seus amigos pensariam de você? -Teresa perguntou.

-Eu não tenho amigos - deu de ombros -E o tipo de amigos que eu teria não se importariam.

-Então só eu e Brenda teríamos coragem de nos falarmos segunda?

-Não… -Thomas sibilou, estava nervoso com a situação.

-Qual é, Thom. Você sabe muito bem o que iria acontecer.

-O que? - Newt questionou.

-Se Newt parasse você no corredor você iria cumprimentá-lo, mas assim que desse as costas para ele, você falaria mal dele para seus amigos! - Teresa acusou, não queria sair como a vilão da história sabendo que seu amigo faria o mesmo.

-Você faria isso? - Newt já tinha os olhos marejados, encarou Thomas. O moreno não queria magoar o nerd, mas sabia que era verdade. Infelizmente, era assim que as coisas funcionavam.

-Queria poder não fazer, acredite. Mas quando se é popular, você precisa fazer as coisas contra a sua vontade.

-Impressionante. Somos um bando de idiotas - Minho anunciou, já estava cansado desse assunto.

-Sabem por que estou aqui hoje? - Brenda disse, tentando quebrar o gelo, todos a encararam de forma curiosa, como se a conversa anterior nunca tivesse acontecido -Nada. Eu só não tinha nada melhor para fazer.

Um a um, todos começaram a rir. Nem lembravam mais por quê estavam brigando, ali, naquele momento, eram amigos. E não importava se segunda se falariam ou não. Estavam apenas apreciando uns aos outros. Porque havia algo naquele lugar, naquelas pessoas, que os faziam ser eles mesmos. E isso era mais importante do que qualquer nota, coroa, troféu, detenção ou atenção.


Notas Finais


e ai manas, o que acharam do capítulo?

espero sinceramente que tenham gostado e vejo vocês no próximo

obrigado por estarem acompanhando amorzinhos szsz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...