História The Broken Boy - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Automutilação, Darkfic, Death Fic, Gay, Lemon, Morte, Mutilação, Noshy, Suícidio, Yaoi
Exibições 148
Palavras 1.255
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


~Keily, ~Aneleee, ~PandaDoHoran_, ~pandicaputo, ~GabiXRamos, ~Milkiie, ~tom193 e ~PaahTrigo5h... A esses lindos que favoritaram, meu imenso obrigada, me deixaram muito feliz

Quero agradecer também aos novos leitores ou fantasminhas que deixaram comentários no capítulo anterior, seu lindos da tia <3

Capítulo postado principalmente como pedido de desculpa pelo "Chapter X" ter sido pequenininho hahaha

Boa leitura e até depois!!

Capítulo 11 - Chapter XI


“De uma coisa eu sei, chega um momento que para de doer ou nos acostumamos com a dor”

                                                   - Virei a página, mas a próxima estava em branco

~#~

Acordo todo dolorido, quando tento me despreguiçar percebo que ainda estava enrolado no lençol, sinto uma pontada na cabeça e uma dor se espalhar por todo meu corpo, o quarto ainda estava escuro, mas não demorou muito a meus olhos se acostumarem com a escuridão, tento apoiar meu braço, mas uma dor aguda me impede de levantar, olho para  despertador do criado mudo ao lado da cama e desisto de me erguer da cama assim que vejo que eram 03:27, logo deito e durmo antes mesmo de ver o número de visor mudar.

----------------------------------x------------------------------------

Pisco algumas vezes para me acostumar com a claridade do quarto, me estico, mas mesmo com sono me forço a levantar, aparentava ser tarde, quando olho para o lado confirmo que eram 14:54, havia perdido a aula, se bem que não faria tanta diferença, afinal eu não iria mesmo.

Pego meu celular do lado do travesseiro, nenhuma chamada de Dereck, apenas algumas mensagens de Sam perguntando o porquê de eu não ter ido hoje, sorri, não conseguir distinguir se foi de felicidade por ele não saber que eu faltei, o que significaria que ele havia ficado na faculdade, ou tristeza por ele não ter me ligado.

- Puta merda, Thomas! Você é um bipolar filho da puta, ele apenas vez o que você mandou! – fiquei repetindo na minha mente e sem conseguir chegar a uma conclusão, vou tomar um banho para parar de pensar nos problemas.

Quando saio do banheiro já devidamente vestido com uma calça folgada e uma camisa branca de botões e com mangas compridas, pela primeira vez em semanas vou para a cozinha com o objetivo de realmente cozinhar algo, já que recentemente minha dieta tem se voltado para pizza ou qualquer outro tipo de comida que possa ser entregada na porta de casa.

Decidi fazer macarronada, um prato simples e fácil, comi na mesa em silêncio quando vejo minha manga adquirir uma mancha vermelha, o corte estava sangrando.

- Droga... – xingo irritado, mas apenas ignoro e continuo a comer

Eram quase 16:00 quando me sentei em frente a TV a procura de algum programa que me distraísse, mas depois de ficar mudando de um canal para o outro por quase meia hora, desisti.

Caminhava novamente em direção ao quarto para começar a fazer curativos nos braços, mas ao parar em frente a porta do cômodo, vejo outra porta um pouco mais ao fundo do corredor. Minha casa não era grande, afinal, pra quem morava sozinho, casa grande era desperdício, tinha uma sala, não muito grande mas mesmo assim bem organizada, uma cozinha, onde geralmente evitava-se a entrada de qualquer tipo de carne, um banheiro comum, meu quarto com suíte onde geralmente o caos dominava com papeis jogados pelos lados, livros em cima da mesinha, mochila jogada num canto, e uma estante de livros, e havia esse quarto sobrando, geralmente eu ia pra ele para extravasar a raiva e a agonia, digamos que foi um tipo de método indicado pelo psicólogo para conseguir ou pelo menos tentar parar, nele havia guardado os mais horríveis símbolos do meu desespero, mas fazia tempo que não entrava lá, e parece que no final, meu corpo se tornou símbolo da minha decadência.

Escuto uma suave melodia na voz de Cobain e entro no meu quarto, ignorando a súbita vontade de entrar novamente no outro quarto, quando pego o telefone suspiro ao ver o nome de Samantha no visor, deixo tocar por uns 5 segundos ainda decidindo se atendia ou não, mas resolvo logo atender

- Alô alô, Thomas!!! O que aconteceu com você?? Você não morreu, não foi?? – sua voz era uma estranha mistura de preocupação e animação, “Não, Samantha, não por enquanto” Era o que queria responder, mas obviamente não o fiz

-Oi Sam, eu só perdi a hora, não deu pra ir hoje – digo dando uma desculpa qualquer, mas o que não deixou de ser verdade

- Ah, tudo bem, não esquece que amanhã já temos que fazer o trabalho, ok?

Droga, tinha esquecido completamente, eu não queria ir não queria correr o risco de ver a irmã de Barry novamente, seria um encontro desagradável.

- Ahn, então, tem algum problema se eu não for? – ela suspirou numa mistura triste e irritada

- Thomas...

- Eu realmente esqueci, Samantha, já marquei até outro compromisso – tento fugir

- Que tipo compromisso? – ela soou indignada

- A curiosidade matou o gato, Samantha – rio quando ela solta um suspiro de indignação

- Vai Thomaaas, vai ser tão legal, depois que terminar a gente sai para andar por ai, você não precisa ficar muito tempo na casa do Barry se não quiser... – ela estava quase implorando

- Samantha...

- Por favooor – ela deu ênfase no “O” e eu suspiro

- Vou ver, não prometo nada

- Yey!! – eu quase consegui ver ela pulando pela casa enquanto comemorava – Vou desligar, tenho que sair agora, depois eu mando o endereço dele por mensagem.

- Tudo bem, Samantha, tchau

- Tchau Thom! Até amanhã – escuto ela sorrir do outro lado da linha e logo depois desligar

Eu nunca tive amigos, acho que no final Dereck tinha razão, eu não era muito sociável, e a ideia de alguém se aproximar de mim era realmente assustadora e desconfortável, Samantha apareceu do nada e já chegou tomando espaço, bagunçado minha vida, e sempre com um sorriso no rosto parecia que nada a deixava triste.

Eu nunca pensei por aquele ângulo, mas ela realmente tem se aproximado de mais, quando a vi chorando aquilo acabou comigo, e saber que eu fui a causa daquele sofrimento doeu mais ainda...

Desisto de pensar na vida e pulo no sofá já me deitando e ligando para a pizzaria para pedir meu jantar, que alguns minutos depois chega acompanhado por um pote extra de sorvete que havia pedido para sobremesa

- Obrigado – digo dando o dinheiro ao entregador junto com uma gorjeta, ele pareceu encarar as notas por um momento – Algum problema?

- Não... Só que, sempre que eu venho aqui você sempre da uma gorjeta muito alta – ele parecia confuso e falava cada vez mais lento

- E você tá reclamando é? – pergunto um pouco confuso e rindo irônico

- Não... – ele me encara sorrindo – Obrigado, ajuda bastante, muito mesmo

E ele se vira indo embora sem ao menos esperar por uma resposta, na verdade fico até agradecido, afinal não saberia o que responder.

Não sei quanto tempo fazia que estava sentado em frente a TV assistindo algo que não tinha a menor noção, as duas fatias de pizza que haviam sobrado estavam na mesa de centro onde meus pés também estavam. O pote de sorvete estava na metade mais eu ainda comia, não havia nada melhor que sorvete, mas sorvete de chocolate é realmente uma coisa divina. Na verdade acho que tudo que tenha chocolate tem um gosto bom.

Já havia anoitecido, a casa estava escura e vazia, esse é um dos grandes problemas de morar sozinho, se você não gosta de escuro, se você tem medo dos monstros, você não gostaria de estar na minha pele nesse momento, nos primeiros meses foi difícil para eu me acostumar com a situação, porém com o tempo comecei a perceber que monstros não existem, a não ser aqueles que estão dentro de nós, esses são os piores e o que vocês deviam realmente temer.

Tudo escurece...


Notas Finais


Fim do capítulo, espero realmente que tenham gostado <3

Lembrem-se, comentários são importantes e opiniões são necessárias!!

P.S.: O que acham que tem no quarto que sobrou da casa? Duvido alguém acertar muhahahah

Beijinhos no pescoço e até a próxima <3 :3 :* <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...