História The Case 71 - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Visualizações 58
Palavras 1.420
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais uma fanfic para vocês ^3^

Boa leitura S2

Capítulo 1 - O assassinato...


Fanfic / Fanfiction The Case 71 - Capítulo 1 - O assassinato...

Já era tarde da noite quando Kim Taehyung recebera uma ligação de seu chefe, na qual pedira a presença do Kim em um suposto assassinato.

Dirigia pelas ruas escuras e mal iluminadas de Seul. Nunca havia passado por ali, ele apenas seguia o endereço que haviam lhe informado.

As pessoas fechavam as cortinas de suas casas quando seu carro passava pelas mesmas. Ele achou estranho mas ignorou, não poderia se atrasar. Além disso, o Kim se encontrava exausto. Sim, exausto. O último caso o traumatizou por um bom tempo. 

A rua se encontrava deserta nesse horário da noite e também, por causa do assassinato que ocorrera a pouco tempo. Ele cruzou a direita e pôde avistar as luzes das sirenes, seu corpo estremeceu ao ver aquelas cores. 

Parou o carro um pouco antes e olhou o horário em seu relógio.

02:34

Três minutos atrasado. Abriu a porta do carro e pisou na neve que cobria o chão. Bufou, o que rendeu uma fumacinha branca no ar. Só de pensar no sermão que levaria de seu chefe, seu estômago embrulhava. 

Seus passos eram abafados pela neve fofa. Caminhava lentamente, sua mente o dizia para voltar. Mas quem disse que Kim Taehyung desistia? 

Passou um quarteirão e conseguiu ver mais claramente as ambulâncias, os carros de polícia e a famosa fita da polícia. Aquela coisa amarela... bem, isso não traz boas lembranças.

A neblina tomava conta do lugar, que era iluminado pelas cores vermelho e azul. Viu seu chefe se aproximando e engoliu em seco.

-Viu o corpo? -perguntou encarando o celular, provavelmente alguém passou algum recado que naquele momento não era importante.

-Não. -disse firme. -Homicídio? 

-Pode ser... não temos nada confirmado. Mas pelo o que eu vi, eu já posso confirmar que com certeza foi. -disse desligando o celular e agora o encarando. -Vai tomar conta do caso? 

Negou com a cabeça. 

-Não sei se estou pronto para outro. -disse fitando o chão e seu chefe suspirou em frustração.

-Olha, Kim. -disse e o mesmo o encarou. -O passado já era, vamos olhar para o futuro, está bem? 

Assentiu, porém dentro de sua cabeça estava um transtorno. Tudo estava acontecendo muito rápido, primeiro Busan, depois Daegu... a vida de Taehyung não se tornou como ele pensara.

Quando criança, Taehyung disse que faria justiça e que nunca erraria. E nunca errou, mas o caso de Busan junto ao de Daegu o cansou. Ser detetive não foi o que ele imaginara quando criança. Afinal, nada é como imaginamos ser.

Colocou sua mão na fita da polícia e a ergueu, passando por ela. Viu sangue espalhado pela neve, o que causou uma sensação estranha em seu corpo. A coloração vermelha nunca foi tão tenebrosa como antes.

Se aproximou do corpo o qual recebia atenções de fotógrafos, repórteres e policiais. O corpo era de um jovem, que Taehyung chutou ter menos de 30 anos. Ele estava branco como a neve, provavelmente ficou exposto durante a tempestade que ocorrera a pouco.

Agachou-se e observou o corpo mais de perto. A palavra "estranho" correu por sua mente. O Kim já havia visto esse rapaz de algum lugar. 

Ouviu passos se aprimarem dele e virou a cabeça para o lado, vendo seu amigo Namjoon com uma expressão gentil.

-Irá realizar a autópsia? -perguntou se levantando.

-Sim, irei passar o resultado para você. -diz enquanto apertavam as mãos.

Namjoon era um cara em que Taehyung confiava. Todos os outros eram subornados ou passavam informação falsa, o que Taehyung odiava quando acontecia. No caso de Busan e Daegu foi isso que aconteceu, portanto levaram 2 anos para resolverem e acharem os corruptos.

-Não será necessário. -disse e Namjoon bufou.

-Aceite o caso... -fez uma pausa quando um paramédico tropeçou nele. -Taehyung, esse caso não irá ser como o de Busan...

-Você não tem certeza do que está falando... -o interrompeu.

Namjoon desmanchou o sorriso e sua face se tornou entristecida. Taehyung olhou para o corpo em sua frente e soltou todo o ar de seus pulmões. A face do rapaz estava irreconhecível, mordidas estavam espalhadas pelo corpo. Com certeza foi vítima de canibalismo. 

Voltou ao olhar de seu amigo. 

-Visitou sua família? -Namjoon tentou desviar do assunto.

Taehyung abriu a boca mas fechou. A verdade era que o Kim havia completado seus 25 anos a pouco tempo e não havia ido visitar sua família. Sentia falta dela...

-Não... -murmurou cabisbaixo. -Uma outra hora creio que irei. -disse demonstrando um sorriso falso.

Namjoon balançou a cabeça afirmando e se retirou dali quando Seokjin o chamou. Os dois eram casados mas a relação deles andava complicada nesses últimos dias. Uma noite Namjoon chegou no apartamento de Tae chorando, o que amoleceu o pequeno coração do Kim. Ele contou o que estava acontecendo... Namjoon recebeu boatos de uma possível traição de Seokjin. A culpa não era de Seokjin, nem de Namjoon. Ambos andam ocupados com o trabalho e isso está comprometendo a relação dos dois. 

Passou a mão em seus cabelos e esfregou suas mãos em uma tentativa falha de se aquecer. Ajeitou o casaco e caminhou até seu chefe.

-Vou indo no meu escritório. -o Kim disse se dirigindo ao carro.

Olhou uma última vez para trás e foi cegado por um flash de uma máquina fotográfica. Abriu os olhos zonzo e se apoiou em uma árvore dali. Observou alguém rindo que nem uma hiena.

-Isso não tem graça, Mark! -gritou tentando bater no mesmo.

Mark era um fotógrafo que trabalhava para  o mesmo chefe que o Kim.

-Vai aceitar o caso? -perguntou curioso.

-Não sei... -suspirou.

-Você tem talento. -disse e começou a se retirar. -Preciso tirar fotos da vítima. Até depois. -correu o que fez seus cabelos se bagunçarem.

Taehyung voltou a andar até seu carro e entrou no mesmo. Virou a chave e começou a dirigir até a delegacia. O caminho foi tranquilo, os postes iluminavam as ruas, mas mesmo assim não era possível enxergar muita coisa diante aquela neblina.

Chegou seguro e fechou a porta do carro, o trancou e se dirigiu até a delegacia. Entrou recebendo olhares curiosos. Taehyung era muito conhecido e nunca parou de receber esses olhares, principalmente depois do caso de Busan e Daegu que desvendou. 

-Detetive Kim Taehyung. -mostrou sua identidade a secretária. 

Assentiu e abriu a porta de vidro para ele. Caminhou lentamente e observou os quadros e agradecimentos expostos nas paredes. Nunca irá esuqecer da primeira vez que colocou os pés nesse lugar.

"Ao detetive Kim Taehyung por sua bravura. -colocou uma medalha em seu pescoço. -Somos eternamente gratos. -ouviu-se palmas e assovios." -lembrou do dia em que desvendaram o caso.

Abriu a porta de seu escritório. Ele não era grande coisa. Havia uma prateleira repleta de documentos, relatórios e outras coisas, uma mesa de interrogatório que também servia de estudos e análises, e por último e não menos importante uma mesa de sinuca para quando o Kim decidisse jogar algumas partidas com Mark ou Namjoon.

Acendeu a luz e sentou-se na cadeira de sua mesa. Mexeu nos lápis até achar um verde com branco e preto, suas cores favoritas. Pode ser um pouco de frescura, mas o Kim gosta de seu jeito de ser. Gosta de seu sorriso retangular, que esses últimos dias não apareceu... gosta de ser "diferente". Ser diferente é bom.

Desenhou algo aleatório na folha e olhou para o teto.

-Deveria aceitar? Bom... daqui a pouco Kyung-soo chegará e resolveremos isso. -disse para si mesmo.

Kyung-soo era o seu chefe. Apesar de ser um pouco arrogante, exigente e egoísta, ele era legal quando queria e também, dependendo das pessoas com quem falava. 

Alguns minutos se passaram e Taehyung pôde ouvir passos vindo do corredor. Ajeitou-se na cadeira e esperou Kyung-soo entrar em seu escritório.

-Vai aceitar o caso? Temos mais um detetive, mas tenho mais confiança em você. -disse entrando na sala.

O Kim se levantou e fez uma breve reverência.

-Acho que sim... -disse e apertou a mão de seu chefe.

-Faça seu juramento então. - Kyung-soo disse sério.

Levantou a mão direita e olhou para seu chefe de forma firme e séria.

-Eu, detetive Kim Taehyung, irei cuidar do caso. Prometo fazer justiça ou defender algum indivíduo inocente, prometo ser sincero e não falhar. Aceito o caso...

-Será o caso 71. -disse e balançou a cabeça afirmando.

-Aceito o caso 71... mesmo que coloque minha vida em risco. -terminou  o juramento e Kyung-soo se retirou de seu escritório.

Serão dias cansativos daqui para frente para o Kim devido sua decisão sobre o caso 71.

 

 


Notas Finais


Obg por lerem Sz

Espero que tenham gostado...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...