História The Cat - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, V
Tags Bangtan Boys, Bias, Bts, Gato, Happyjiminday, Jimin, Tae, Taehyung, Você
Exibições 952
Palavras 1.433
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Começando...
#HappyJiminDay
Essa é mais uma das minhas three-shots, onde vocês movem a fanfic
NÃO DEIXEM FLOPPAR E COMENTEM, POR FAVOR <3
Nem acredito que estou postando mesmo essa fic ;-;
Me fizeram um pedido mais ou menos assim, então resolvi fazer u.u

BOA LEITURA!

Capítulo 1 - My Cat is Black


Fanfic / Fanfiction The Cat - Capítulo 1 - My Cat is Black

Capitulo 1: Meu Gato é Preto

            Cheguei em casa sendo recepcionada por Jimin, meu gato. Eu até considerava meio errado ter aquele bichinho em minhas mãos, as quais temia não serem suficientes para segurá-lo. Céus, sempre fui o maior desastre! Como conseguiria cuidar daquele animalzinho tão fofo?

            – Você é lindo demais – agradei-o, agachando para acariciar o mesmo, o qual se esfregava em minha perna.

            Depois de tanta fofura, segui para a sala, deixando meus pertences em cima da mesa, e comecei a tirar as roupas. Olhei para Jimin. O gato parecia tão atento aos meus movimentos que me senti envergonhada. Oras, o que estava pensando?! Era só um bicho de estimação!

            – Que bom que você é um gato – suspirei.

            Sai andando de calcinha e sutiã pela casa e até dei uma paradinha para me olhar no espelho da sala de jantar. Uau, adorei essa lingerie! Fiquei uma delicia, hehe, modéstia a parte. 

            Ouvi um miado atrás de mim e logo Jimin veio se esfregar de novo na minha perna. Sério, ele ama fazer isso! Sem contar que ele dorme comigo (fazer o que, né? por acaso acha que eu tenho tempo/paciência para comprar uma caminha de gato?) e juro que já acordei com a bunda arranhada. Gato safado!

            – Que foi, tarado? – perguntei desgrudando minha perna de seu corpo – Acha que eu não sei que você está se aproveitando? Pervertido!

            Um "miau" manhoso foi a resposta que tive. Ele nem negava! 

            "Por acaso tem como o gato negar, s/n?" É... Faz sentido, não tem.

            Peguei-o no colo, vendo o mesmo se aconchegar em meus seios. Revirei os olhos, afinal, já esperava que ele fosse fazer isso.

            – Tarado...

            Logo, ouvi o maldito interfone começar a tocar. O que esses filhos da puta da portaria estavam querendo comigo, em? Não se pode mais chegar em casa e relaxar com seu bichinh... É, não podia. Animais eram proibidos no meu prédio (imagine o sacrifício para manter Jimin lá sem ninguém saber... pelo menos, não tenho amizade com os vizinhos, sou neutra, nem cumprimento direito). 

            Tive de correr até a sala para atender, ainda com meu amorzinho nos braços.

            – Que foi? – disse, super delicada.

            – Senhorita, seu namorado, o senhor Kim, está pedindo para subir.

            Puta. Que. Pariu. Esqueci que ele vinha em casa hoje! Merda, merda! Devia ter chego mais cedo e feito a janta já. Imagine como ele vai ficar bravo quando souber que eu não fiz nada ainda!

            Eu gosto muito de Tae, ou senhor Kim, como gosta de ser chamado, porém, não acredito que o amo. Há muito tempo atrás, apaixonei-me perdidamente pelo mesmo, o qual disse corresponder meus sentimentos com o mesmo ardor. Oras, eu era uma criança, uma adolescente besta que nem sabia o que significava viver! Ele tem sete anos há mais que eu. Exatamente, sete! Considerando que possuo vinte e cinco, Tae era meio velho.

            Deixei Jimin no chão e sai correndo para o quarto, deixando o interfone ali mesmo, pendurado pelo fio. Eu sei que Taehyung vai me matar! 

            Vesti uma blusa branca e uma saia preta rendada, depois, coloquei sapatilhas bonitas, as quais foram dadas por ele. Passei uma base para corrigir minhas olheiras e o lápis preto no olho. Sabia de seu ódio por batom, então preferi não o afrontar.

            Voltei ao interfone correndo e liguei para a portaria novamente.

            – Desculpe, tive um imprevisto... – falei rapidamente – Pode deixar Kim entrar.

            – Certo, senhorita.

            Desliguei, ofegante. Segui para a porta com a chave já em mãos. Pude ouvir Jimin miar, parecendo triste.

            – Desculpe, meu amorzinho... – suspirei – Ah... Se você fosse humano...

            Meu gato era: fofo, inteligente, tarado. Tem como pedir mais? Tsc, queria mesmo que ele fosse um homem, assim, quem sabe, teria uma relação pacífica.

            "Abre logo essa porra, s/n", escutei e nem precisei pensar muito. Era Taehyung.

            – Até que enfim – exclamou, furioso – Achei que não ia me deixar entrar!

            – Perdão, Tae, estava me arrumando para você – fechei e tranquei a porta.

            Foi muito rápido. A chave caiu de minhas mãos, meu corpo foi imprensado contra a porta e meu queixo segurado com agressividade.

            – O que eu disse sobre apelidos? É "senhor Kim". Quantas vezes vou ter que repetir?

            Seu hálito quente bateu no meu rosto. Apertei meus olhos, assustada, tentando me livrar do aperto que fazia em meu queixo.

            – V-Você gostava de quando eu te chamava de Tae... É especial...

            Ouvi sua risada ecoar e me fiquei mais amedrontada do que antes.

            – Isso faz tempo já. Você era virgem, por isso eu gostava.

            – E o que tem a ver ser carinhosa e ser virgem? – questionei, começando a aumentar meu tom de voz.

            – Virgens são inocentes.

            – Você está me ofendendo? – pus-me incrédula.

            Seus dentes estavam aparecendo de forma ameaçadora, ele parecia irado. Céus, Taehyung que me afrontava e eu era a errada?! Senti minha face latejar ao receber um belo tapa na cara.

            Meus olhos se encheram de lágrimas, mal conseguia me mover. Apenas vi o Kim me olhar por cima, sem remorsos, dizendo:

            – Nunca mais aumente o tom de voz quando for falar comigo. Agora, levante desse chão e vá fazer meu jantar!

            Humilhada de novo. Estava me cansando disso. Da próxima vez, vou o mandar embora daqui, embora de minha vida. Não fui criada para me submeter a ordens, principalmente as de um homem.

            "Miau". Droga... Senti-me pior ainda ao ver Jimin ali. Ele veio em minha direção e se esfregou em meu rosto, bem onde a mão do meu namorado atingiu.

            – Eu... – sussurrei, sem saber o que dizer, e ainda me sentindo constrangida ao constatar que falo com meu gato.

            Levantei e fui cozinhar. Era a última vez que iria me deixar ser rebaixada daquele jeito.


            [...]


            – Eu quero você, s/n – ele disse, colando seu corpo ao meu.

            Essa era minha fraqueza. Toda vez que transávamos, eu aceitava fingir que nada aconteceu antes. Nossa relação era de submissão, ele mesmo dizia que eu era sua submissa. Quer saber? Ele que procure uma virgem! Cansei!

            – Hoje não – respondi, firme.

            Taehyung bufou, irritando-se.

            – Por acaso está me traindo? Para negar sexo, só pode ser isso!

            – Não quero, porque trabalhei muito, estou cansada.

            – Então vou ter que procurar outra para me satisfazer novamente, já que você não o faz mais, s/n.

            Lágrimas preencheram meu olhos. Filho da puta! Quantas vezes já não teria me traído?

            – Pode ir – respirei fundo, tentando conter o choro –, só não volte mais.

            Tae riu.

            – Você não vive sem mim – exclamou.

            Foi minha vez de deixar uma gargalhada escapar por minha garganta.

            – Pode apostar que vivo – sorri – Agora, vá embora.

            Taehyung olhou bem dentro de seus olhos. Eu podia ver claramente sua tentativa falha de me controlar e me fazer pedir desculpas. Não iria abaixar a cabeça, era questão de honra. Tudo o que sempre repudiei era um relacionamento machista, lotado de traições e mentiroso.

            – Vai se arrepender, s/n – falou, por fim, antes de sair.

            Não soube se o certo era suspirar aliviada ou chorar compulsivamente. 


            [...]


            Acariciando os pelos macios de Jimin, enquanto estava deitada em meu sofá-cama, acabei lembrando de quando o encontrei na rua. O dia estava nublado e um raio anunciou que a chuva começaria a cair em breve...

            "Ouvi um miado agudo e choroso de dentro de uma caixa de papelão. Talvez eu devesse checar o que tinha lá, porém, sou tão desastrada que, caso fosse mesmo um gato, acabaria matando o animalzinho.

            Abri o papelão e pude ver um gatinho muito fofo. Ele tinha a pelagem negra, olhos mais puxados do que os dos gatos normais e estes eram castanhos claros. Sua situação era deplorável, pois continha machucados em todo seu corpo.

            O que fazer? Deixar o bichano ali era tão errado quanto levá-lo. Abaixo de sua cabeça, alguma coisa brilhou. Era uma coleira com o nome "Jimin"; no entanto, sem algo que identificasse seu dono.

            Peguei-o em meus braços, ainda receosa. Ele parecia um pouco amedrontado, porque quase tremia. Talvez pensasse que eu era má... Bem, pelo menos, não me arranhou, certo?

            Olhei dentro de seus olhos profundamente no intuito de passar segurança. Foi naquele momento que senti que não conseguiria mais abandonar aquele gatinho, teria de cuidar dele."

            – Você é muito especial para mim, Jiminnie – beijei o topo de sua cabeça.

            Sim, eu o tratava como um bebê. Qual o problema? Tantas pessoas faziam o mesmo, além de que Jimin foi o único o qual ficou ao meu lado esse tempo todo.

            Ainda escorriam algumas lágrimas de meus olhos por causa de Tae. O lápis estava borrado e eu soluçava baixinho. 

            Sem querer, caí no sono ali, com o gato preto todo enroscado em meu corpo.


Notas Finais


Deixem seus comentários, POIS ELES ME INSPIRAAAM E MOVEM A FIIIC
NÃO DEIXEM FLOPPAR!!
Poxa, gente, são só 3 caps, VAI MATAR VCS COMENTAR? :(

Dêem uma olhada em:
https://spiritfanfics.com/historia/watch-out-6308256

Obrigada <3
XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...