História The Catalyst Z - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Nina Dobrev, One Direction, The Walking Dead, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Ficção, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, The Walking Dead, Zayn Malik
Exibições 70
Palavras 1.589
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Luta, Romance e Novela, Survival, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá!

Capítulo 26 - Safe and Sound


Está chovendo nessa manhã, assim como as últimas manhãs há uma semana. Isso seria um impasse, algo que me faria olhar para o céu cinza inglês e amaldiçoar esse clima chuvoso. Mas não dessa vez, enquanto olho pela janela desse quarto alto e a manhã apenas chega calmamente detrás de toda a chuva.

Olho para trás, para Zayn ainda dormindo calmamente na cama ridiculamente grande e ridiculamente confortável, nesse quarto ridículo e nesse castelo ridículo. Honestamente? Isso é tão impensável que se tornou ridículo. Estou morando num castelo com o homem que amo, com sua família que me aceitou e tendo uma das melhores semanas que tive em... Sempre. É tão bom que se tornou ridículo.

- Você sempre faz isso.

Assusto-me quando a voz de Zayn se faz presente na penumbra. Pressiono meus lábios e o olho, ainda envolvido pelos cobertores quentes e calmo, olhando-me com olhos sonolentos.

- Isso o que?

- Acordar no meio da noite e ficar olhando pela janela até o amanhecer.

- Sim, eu faço. – Sorrio para mim mesma. Achei que ele não tinha percebido, mas não pela primeira vez, Zayn sabe mais de mim do que eu imaginava que saberia.

Posso ouvir o suspiro dele, e me viro, o farfalhar dos cobertores enquanto ele se levanta e vem até mim, seus braços quentes me segurando firme, e fecho os olhos.

- Você está segura, Kathy. – Zayn murmura, pressionando seus lábios em meu ombro e suspirando.

Não respondo.

A última semana foi algo que não posso ir além do seguro. A ideia ainda é estranha para mim, mesmo depois de eu ter dado voltas ao redor do castelo, verificando os muros, os porões, qualquer coisa que pudesse quebrar a segurança conquistada aqui. E não há.

Isso me assusta, mais que tudo. Os últimos anos da minha vida, não havia segurança. A fazenda que eu levantei por mim mesma foi o mais perto que eu consegui, mas mesmo assim, eu não me deixei envolver pela facilidade de me iludir achando que estava segura. Não estamos seguros, nem mesmo com os muros altos de um castelo nos cercando, e eu sei disso.

- Vamos nos deitar. – Digo, pegando a mão de Zayn e o puxando.

Eu não acho que um dia estaremos seguros. A ideia de uma cura para esse mundo já se tornou algo inalcançável e apenas aceitamos que o que o apocalipse é algo definitivo. Meros muros não são uma garantia. Mas, enquanto estou deitada nos braços de Zayn, e a chuva cai lá fora, posso lavar minhas preocupações e me focar no agora.

 

A manhã é calma, o cheiro da chuva anterior ainda presente sob a terra molhada. Olho ao redor, os muros altos de pedras me cercando, um silêncio puro por trás do muro.

- Todas as manhãs você anda junto aos muros. – Olho para trás, para onde Trisha vem andando até onde estou parada. – Desculpe, mas é difícil não reparar.

- Eu sei. – Respondo. Quando cheguei aqui, um dos meus medos era não me dar bem com toda a família de Zayn, que incluem não só sua mãe, pai e irmã mais nova, como também alguns tios e primos – não, eu estava com medo de que eu não soubesse estar ao redor deles. – Estou tentando não fazer isso, mas...

As palavras morrem na minha boca. O que eu diria? Como eu poderia colocar em palavras tudo o que vi lá fora? Que nunca tive um muro de pedra ao meu redor e que o mero sentimento de segurança pode ser ilusório?

- Gostaria de dizer que entendo, mas eu não posso dizer isso. – Trisha sorri, e ainda é um pouco novo para mim o quanto vejo de Zayn no rosto feminino e marcado pela idade de Trisha. – Você passou os últimos anos lá fora e viu e passou por muitos, entendo que para você seja difícil confiar rapidamente.

Sorrio. O fato dele ter me lido assim me deixa de certa forma desconfortável, pensando que talvez eu deva ser menos transparente. Mas quando encontro os olhos de Trisha, eles não estão com aquele brilho maldoso ao qual já foram dirigidos a mim quando conseguiram me ler como ela fez, e sim amáveis. Eu posso não confiar nisso tudo, mas ela confia, e confia em mim.

- Vamos? O café já está pronto. – Trisha diz, e eu apenas sorrio novamente, seguindo ao lado dela de volta ao castelo. – Andei pensando e acho que deveríamos ter alguma guarda, sabe? Nos portões, e pensei que você poderia me ajudar nisso.

- Eu adoraria. – Respondo.

Dessa vez, quando entro na cozinha e me sento a mesa cheia, suspiro mais facilmente. Niall e Theo estão meu lado, felizes e com um brilho no olhar novo, algo que não estava ali na semana passada. E o mesmo há com todos, até mesmo Zayn. A consciência do perigo do mundo lá fora ainda é forte demais e sei que nunca poderei relaxar adequadamente, mas em torno de todas essas pessoas, e Zayn, acho que posso me focar no momento e deixar de lado o resto.

 

Outra semana se segue calmamente, assim como outra, e outra, até que paro de conta-las.

Ficou mais fácil aceitar a vantagem que este castelo traz, além do fato de que agora os muros são vigiados constantemente e temos munição suficiente. Talvez eu seja neurótica em relação a isso, mas eu não vejo como mudar isso e nem mesmo quero. Por um tempo era somente eu, e então Zayn, e agora uma grande família, há bem mais a perder do que somente minha mera vida.

Mas eu sabia que em algum momento, essa calma perfeita iria ser quebrada. Mas, isso não quer dizer que eu estava preparada.

Sei que algo está errado assim que Zayn entra em nosso quarto. Ele olha para mim e sorri de lado, sentando-se a cama, o sorriso frágil ainda preso aos seus lábios. Seus sorrisos desde que chegamos aqui não eram frágeis como este ao qual ele dirige a mim, e sim vivos, fortes.

Mas eu espero em silêncio sentada a cama, atenta ao seja lá o que ele tem a me dizer.

- Lembra quando você me encontrou na floresta? – Zayn diz depois de um minuto em silêncio. – Quando encontrou eu e minhas irmãs?

- Sim. – Como poderia esquecer? É o que eu gostaria de dizer, mas não o faço.

- Lembra de como eu estava machucado?

- Sim.

- Lembra de como eu estava sangrando?

- Onde você quer chegar com isso? – Digo, sem paciência para apenas ouvir e esperar como eu pretendia.

- Eu não lhe contei o porquê de eu estar todo ferrado e você também não perguntou, e depois disso não houve um... momento, para isso. – Zayn diz, seus olhos escuros fixos em seus dedos esfregando a colcha debaixo de si. – E... Droga.

Zayn ri, e quando ele levanta os olhos, fico surpresa por ver medo neles. E isso me deixa em alerta, e como um espelho, começo a sentir no fundo de mim um medo irracional por seja lá o que Zayn tem a temer.

- Só diga. – Digo, aproximando-me dele e pego sua mão.

- Há um... Grupo, por assim dizer, nas redondezas. – Zayn começa, seus olhos presos nos meus. – Eu os encontrei a alguns anos, o primeiro grupo que encontrei desde que tudo começou, e eles me ajudaram. Nós já estávamos aqui, e bem, eu era muito egoísta e queria sair por ai, mas você sabe como é fácil perceber quando você tem comida e um lugar seguro para ficar do que quando você não tem nada, e eles perceberam.

“No começo, eles não diziam nada, eram apenas brincadeiras sobre de onde eu vim e porque sempre estou andando por ai de tempos em tempos. E eu era ingênuo e não percebi no começo, obviamente, que eles queriam tomar o lugar onde eu fico. E eventualmente, eles perderam a paciência, e foi quando minhas irmãs foram comigo.

“Um dia antes de você me encontrar, eu e as meninas estávamos sendo perseguidos. Eu achei que tínhamos feito um bom trabalho despistando-os, levando-os o mais longe possível daqui, e mesmo que eu tenha me machucado, está mais que claro que eu fui um idiota egoísta.

- Quando eu estive com você na fazenda, tive medo de que nos encontrassem e nos matasse. Já tinha o sangue de minhas irmãs em minhas mãos, eu não queria o da mulher que me salvou também. – Zayn suspira, seus olhos brilhantes, como se ele estivesse lutando para conter algumas lágrimas de saírem. – E agora, tenho medo de que eles nos encontrem aqui.

Quando Zayn termina, eu não digo nada. Não saberia o que dizer. Mas minha cabeça corre, absorvendo tudo o que Zayn disse e ao mesmo tempo fazendo possibilidades. Fiquei por semanas com medo de me sentir segura, medo de que a ilusão da segurança me tornasse alguém distraída, que me esquecesse que no fim, nunca estaríamos seguros.

Eu tinha consciência de que os walkers estão lá fora, ameaçando nossa segurança, assim como possíveis humanos. Mas, agora, não é somente possíveis humanos, pessoas, as poucas que restaram depois do apocalipse que dizimou a população humana. Uma ameaça real é sempre algo que nos faz parar, o frio do medo na barriga, e derramar sangue pela sua vida.

Ou pela dos outros. E isso foi algo que eu não tive em muito tempo, mas agora sim. Posso ter ficado cercada por muros, comida suficiente e amor, mas não me esqueci de que agora, tudo é sobre sobrevivência.


Notas Finais


Oláa!! Surpresas por me verem aqui????
Foram... nove meses sem atualizar a fic?? Se meus calculos estiverem certos, sim. Mas eu voltei, e é isso que importa!!
Enfim, não acho que o capítulo esta bom, principalmente porque não escrevo em primeira pessoa a bastante tempo, e o enredo, mas eu precisava desse cap e agora as coisas vão começar a acontecer!!
ESpero que tenham gostado do capítulo e desculpem qualquer erro!
Até a próxima!! - não vou demorar mais nove meses, prometo!!-
Amoo vocêes!!!
XOXOOX


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...