História The Chosen - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Artemis, Atena, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Dakota, Dionísio, Frank Zhang, Gleeson Hedge, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hylla Ramírez-Arellano, Jason Grace, Júniper, Leo Valdez, Nico di Angelo, Octavian, Paul Blofis, Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Piper Mclean, Poseidon, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Thalia Grace, Travis Stoll, Will Solace, Zeus
Tags Percy Jackson
Exibições 35
Palavras 2.348
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olaaa amores, tudo ok com vcs? Aqui está mais um capítulo pra vcs... espero que gostem e comentem... boa leitura.

Capítulo 21 - Gaia Is... Bad?!



"Tenha como regra na vida nunca se arrepender e nunca olhar para trás. O arrependimento é um terrível desperdício de energia; você não pode construir sobre ele, e ele é bom apenas para ficar se remoendo"
 

- Katherine Mansfield




Pov's Hazel



Me senti como se tivesse acabado de plantar duas bombas nucleares. Agora estava esperando para ver qual delas explodiria primeiro.


Até aquela manhã, meu irmão Nico tinha sido o semideus mais poderoso que eu havia conhecido. Os outros no Acampamento Júpiter o viam como um viajante excêntrico, tão inofensivo quanto os faunos. Mas eu sabia melhor. Claro, não tinha crescido com Nico, sequer o tinha conhecido por muito tempo. Mas eu sabia que Nico era mais perigoso que Reyna, ou Octavian, ou talvez até mesmo Jason.


E então conheci os dois filhos de Netuno, mais precisamente Percy.


No início, quando o vi tropeçando pela estrada com a velha senhora em seus braços, pensei que ele poderia ser um deus disfarçado. Mesmo que ele estivesse espancado, sujo e encurvado de exaustão, ele tinha uma áurea de poder. Ele tinha a boa aparência de um deus romano, com olhos verde-mar e cabelos pretos soprados ao vento.


Ordenei que Frank não disparasse nele. Pensei que os deuses poderiam estar nos testando. Eu tinha ouvido mitos como esse: um garoto com uma velha senhora pede por abrigo, e quando os rudes mortais recusam — boom, eles são transformados em lesmas banana.


Então Percy havia controlado o rio e destruído as górgonas e Sophia tinha asas. Ele tinha transformado uma caneta em uma espada de bronze e ela conhecia Reyna. Eles haviam despertado todo o acampamento com a conversa sobre os graecus.


Dois filhos do deus do mar...


Há muito tempo, havia sido me dito que um descendente de Netuno iria me salvar. Mas poderia algum deles realmente tirar a minha maldição? Parecia demais para esperar.


Percy e Nico apertaram as mãos. Eles estudaram um ao outro cuidadosamente, e reprimi o impulso de correr. Se aqueles dois batessem as espadas mágicas, as coisas poderiam ficar feias. Assim como Sophia, fiquei parada, esperando algo acontecer.


Nico não aparentava medo. Ele estava magro e desleixado em suas roupas pretas amarrotadas. Seu cabelo, como sempre, parecia que ele tinha acabado de sair da cama.


Ainda me lembrava de quando o havia conhecido. A primeira vez que o tinha visto desembainhar aquela espada, quase ri. A maneira como ele a chamou de “Ferro estígio”, todo com-jeito-de-sério — ele parecia ridículo. Aquele garoto magrelo e branco não era um lutador. Eu certamente não tinha acreditado que estávamos relacionados. Mas mudei de ideia sobre isso bem rápido. Percy fez uma careta.


— Eu... Eu conheço você.


Nico ergueu as sobrancelhas e olhou rapidamente para Sophia.


— Você conhece? — Ele olhou para mim por uma explicação.


Hesitei. Alguma coisa sobre a reação do meu irmão não estava certa. Ele estava se esforçando para agir casualmente, mas eu pude ter quase certeza de uma coisa: Nico já conhecia Percy. Por que ele estava fingindo o contrário?


— Hm... Percy perdeu sua memória. — Contei ao Nico o que tinha acontecido desde que Percy e Sophia haviam chegado aos portões.


— Então, Nico... — continuei, cuidadosamente, — Eu pensei... você sabe, você viaja por toda parte. Talvez você tenha conhecido semideuses como Percy antes, ou...


A expressão de Nico ficou tão escura quanto o Tártaro. Não entendi o por quê, mas entendi a mensagem: desista.


— Essa história sobre o exército de Gaia, — Nico disse. —Você avisou Reyna?


— Quem é Gaia, afinal? -- Perguntou Percy.


Minha boca ficou seca. Só de ouvir esse nome... Tudo o que eu podia fazer era impedir que meus joelhos se encurvassem. Me lembrei de uma suave voz adormecida de mulher, um caverna brilhante, e sentindo meus pulmões se encherem de óleo negro.


— Ela é a deusa da terra. — Sophia disse e olhou para o chão como se ela pudesse estar ouvindo, Nico olhou de relance para a filha de Netuno. — A deusa mais antiga de todos. Ela está em um sono profundo na maior parte do tempo, mas ela odeia os deuses e seus filhos.


— A Mãe-Terra... é má? — Percy perguntou.


— Muito, — Nico disse gravemente, desta vez Sophia olhara. — Ela convenceu seu filho, o Titã Cronos... hum, quero dizer, Saturno, a matar seu pai, Urano, e dominar o mundo. Os Titãs governaram por um longo tempo. E então os filhos dos Titãs, os deuses do Olimpo, os derrubaram.


— Essa história parece familiar, — Percy pareceu surpreso, como se uma antiga memória tivesse vindo parcialmente à tona. — Mas eu não acho que já tenha ouvido a parte sobre Gaia.


— Ela ficou louca quando os deuses assumiram. Ela tomou um novo marido, Tártaro, o espírito do abismo, e deu à luz a uma raça de gigantes. Eles tentaram destruir o Monte Olimpo, mas os deuses finalmente os venceram. Pelo menos... na primeira vez. -- Sophia completou.


— A primeira vez? — Percy repetiu.


Nico olhou para mim. Ele provavelmente não queria fazer eu me sentir culpada, mas não pudia evitar isso. Se Percy soubesse a verdade sobre mim, e as coisas horríveis que eu havia feito...


— No verão passado, — Nico continuou, — Saturno tentou retornar. Houve uma segunda Guerra Titã. Os romanos no Acampamento Júpiter atacaram violentamente seu quartel-general no Monte Ótris, do outro lado da baía, e destruíram seu trono. Saturno desapareceu... — Ele hesitou, observando o rosto de Percy. Tive a impressão de que seu irmão estava nervoso pelo que mais da memória de Percy poderia voltar.


— Hm, de qualquer forma, — Sophia continuou por Nico, — Saturno provavelmente sumiu de volta para o abismo. Todos nós achávamos que a guerra estava acabada. Agora parece que a derrota dos Titãs despertou Gaia. Ela está começando a acordar. Eu tenho ouvido relatos de gigantes renascendo. Se eles pretendem desafiar os deuses de novo, eles provavelmente vão começar por destruir a nós,  semideuses.


— É fofo o modo com vocês completam as frases um do outro. Enfim, vocês disseram isso à Reyna? — Percy perguntou.


— É claro. — A boca de Nico se retesou. — Os romanos não confiam em mim. É por isso que eu estava esperando que ela ouvisse vocês. Os filhos de Plutão... bem, sem ofensa, -- Nico olhou para Percy e para Sophia. -- mas eles acham que somos piores até mesmo do que filhos de Netuno. Nós somos má sorte.


— Eles deixaram que Hazel ficasse aqui, — Percy observou.


— Isso é diferente, — Nico disse.


— Por quê? -- Percy perguntou, curioso.


— Percy, — Intervi — olha, os gigantes não são o pior problema. Até mesmo... mesmo Gaia não é o pior problema. A coisa que você disse sobre as górgonas, como elas não morreram, esse é o nosso maior problema. — Olhei para Nico. Eu estava ficando perigosamente perto de meu próprio segredo agora, mas por alguma razão eu sabia que pudia confiar em Sophia e Percy. Talvez porque eles também eram forasteiros, talvez porque eles tenham salvado Frank no rio. Mereciam saber o que eles estavam enfrentando. — Nico e eu, — disse cuidadosamente, — pensamos que o que está acontecendo é que... a Morte não está...


Antes que pudesse terminar, um grito veio colina abaixo. Frank correu em nossa direção, vestindo sua calça jeans, camiseta roxa do acampamento, e jaqueta de brim. Suas mãos estavam cobertas com graxa de limpar armas.


Como toda vez que via Frank, meu coração saltou uma batida e realizou um pouco de sapateado — o que realmente me irritava. Claro, ele era um bom amigo — uma das únicas pessoas no acampamento que não me tratava como se eu tivesse uma doença contagiosa. Mas eu não gostava dele dessa maneira. Ele era três anos mais velho do que eu, e não era exatamente um Príncipe Encantado, com essa combinação estranha de rosto de bebê e corpo maciço de lutador de luta-livre. Ele parecia um coala fofinho com músculos. O fato de que todo mundo sempre tentou nos juntar — os dois maiores perdedores no acampamento! Vocês são perfeitos um para o outro — apenas me fazia mais determinada a não gostar dele.


Mas meu coração não agia como planejado. Ele ficava louco sempre que Frank estava por perto. Eu não tinha me sentido assim desde... Bem, desde Sammy.


Pare com isso, pensei. Você está aqui por uma razão — e não é para arranjar um novo namorado. Além disso, Frank não sabia de meu segredo. Se ele soubesse, não seria tão legal comigo. Ele chegou ao santuário.


— Hey, Nico...


— Frank. — Nico sorriu. Ele parecia achar Frank engraçado, talvez porque Frank fosse o único no acampamento que não era apreensivo perto dos filhos de Plutão.


— Reyna me enviou para buscar Percy, — Frank disse. — Octavian aceitou você?


— Sim, — Percy disse. — Ele trucidou meu panda.


— Ele... Oh. O presságio? Sim, ursos de pelúcia devem ter pesadelos com aquele cara. Mas você está dentro! Precisamos deixá-lo limpo antes da reunião noturna.


Sophia soltou um riso de leve. Percebi que o sol estava ficando baixo sobre as colinas. Como o dia havia passado tão rápido?


— Você está certo, — disse. — É melhor que nós...


— Frank, — Nico interrompeu — por que você não leva Percy e Sophia para baixo? Hazel e eu alcançaremos vocês logo.


Oh-Oh, pensei. Tentei não parecer ansiosa.


— Essa é... essa é uma boa ideia, — consegui dizer. — Vão na frente, pessoal. Nós vamos alcançá-los.


Percy olhou para Nico mais uma vez, como se ele ainda estivesse tentando reconhecer uma memória.


— Eu gostaria de falar com você um pouco mais. Não posso afastar a sensação de...


— Claro, — Nico concordou. — Mais tarde. Eu vou ficar durante um tempimho.


— Você vai? — Hazel disse abruptamente.


Os campistas estavam amando isso - os filhos de Netuno e o filho de Plutão chegando no mesmo dia. Agora tudo o que eles precisavam era de mais alguns gatos pretos e espelhos quebrados.


— Vá em frente, Percy, — Nico disse. — Acomode-se. — Ele se virou para mim, e tive a sensação de que a pior parte do dia ainda estava por vir. — Minha irmã e eu precisamos conversar.


...



— Você o conhece, não é? — Perguntei. -- Conhece os dois, Percy e Sophia.


Nos sentamos no telhado do Santuário de Plutão, que era coberto de ossos e diamantes. Tanto quanto eu sabia, os ossos sempre estiveram ali. Os diamantes eram minha culpa. Se eu me sentasse em qualquer lugar por muito tempo, ou apenas ficasse ansiosa, eles começariam a aparecer ao seu redor como cogumelos depois de uma chuva. Vários milhões de dólares de pedras brilhavam no telhado, mas felizmente os outros campistas não tocariam neles. Eles sabiam mais do que roubar templos — especialmente o de Plutão — e os faunos nunca viriam aqui em cima.


Estremeci, lembrando da chamada próxima de Don naquela tarde. Se não tivesse me movido rapidamente e apanhado aquele diamante da estrada... não queria pensar nisso. Eu não precisava de outra morte em minha consciência.


Nico balançou seus pés como uma criança pequena. Sua espada de ferro estígio estava ao seu lado, próxima à spatha (espada da cavalaria romana) de Hazel. Ele contemplou o vale, onde equipes de construção estavam trabalhando no Campo de Marte, construindo fortificações para os jogos desta noite.


— Percy Jackson e Sophia Hale. — Ele disse cada nome como um encantamento. — Eu a conheci em uma dad minhas viagens nas sombras, acho qe foi em Houston, ela estava procurando por Percy. --- Mentira, ele estava mentindo sobre onde a havia conhecido também. --- Hazel, eu tenho que ser cuidadoso com o que eu digo. Coisas importantes estão em jogo aqui. Alguns segredos precisam permanecer em segredo. Você de todas as pessoas deve entender isso.


Minhas bochechas ficaram quentes.


— Mas ele não é como... como eu?


— Não, — Nico disse. — Sinto muito, eu não posso te contar mais. Não posso interferir. Percy tem que encontrar seu próprio caminho neste acampamento.


— Ele é perigoso? — Perguntei. Nico conseguiu dar um sorriso seco.


— Muito. Para seus inimigos. Mas ele não é uma ameaça para o Acampamento Júpiter. Você pode confiar nele.


— Como eu confio em você. — Falei amargamente.


Nico torceu seu anel de caveira. Ao seu redor, ossos começaram a tremer como se estivessem tentando formar um novo esqueleto. Sempre que ele ficava mal-humorado, Nico tinha esse efeito na morte, uma espécie de maldição como a minha. Entre eles, representavam duas esferas de controle de Plutão: morte e riquezas. Às vezes eu pensava que Nico tinha conseguido a melhor parte.


— Olha, eu sei que é difícil, — Nico disse. — Mas você tem uma segunda chance. Você pode fazer as coisas de maneira certa.


— Nada sobre isso é certo, — Rebati. — Se eles descobrirem a verdade sobre mim...


— Eles não vão, — Nico prometeu. — Eles vão ser chamados para uma missão em breve. Eles têm que ser chamados. Você vai me deixar orgulhoso, Bi...


Ele se conteve, mas eu sabia do que ele quase havia me chamado: Bianca. A verdadeira irmã de Nico — aquela que havia crescido com ele. Nico poderia se preocupar comigo, mas eu sabia que nunca seria Bianca. Eu era simplesmente a coisa mais próxima que Nico poderia conseguir — um prêmio de consolação do Mundo Inferior.


— Sinto muito, — ele disse.


Minha boca ficou com gosto de metal, como se pepitas de ouro fossem aparecendo debaixo de minha língua.


— Então é verdade sobre a Morte? É culpa de Alcioneu?


— Acho que sim. — Nico disse. — Está ficando ruim no Mundo Inferior. Papai está enlouquecendo tentando manter as coisas sob controle. Pelo que Percy disse sobre as górgonas, as coisas estão piorando até aqui, também. Mas olha, é por isso que você está aqui. Todas essas coisas no seu passado — Você pode fazer algo bom sair disso. Você pertence ao Acampamento Júpiter.


Isso soou um tanto ridículo, quase ri. Eu não pertencia àquele lugar. Nem pertencia àquele século.


Eu deveria saber melhor do que focar no passado, mas conseguia me lembrar do dia em que minha antiga vida havia sido destruída. A escuridão me atingiu tão de repente, nem mesmo tive tempo de dizer, Oh-oh. Voltei no tempo. Não um sonho ou uma visão. A memória veio sobre mim com uma clareza perfeita, senti que estava verdadeiramente ali. Em meu aniversário mais recente. Eu havia apenas feito 13. Mas não dezembro passado — em 17 de dezembro de 1941, o último dia que vivi em Nova Orleans.



[...]


Notas Finais


Então... gostaram? Ahhh, espero que sim! Favoritem e comentem!! Obrigada por lerem e até o próximo capítulo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...