História The chosen ones( Interativa) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Adolescentes, Batalhas, Descobertas, Diversão, Drama, Magia
Visualizações 6
Palavras 1.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Terrible day


Eu estava desesperada em relação a Karin... 

Havia dito para ela que estava tudo bem de seguir seus sonhos e de acompanhar as irmãs Deckers, mas não imaginava que acontecia  tamanha atrocidade para essa aproximação acontecer... 

 

Merda. Que tipo de pessoa acha isso normal? acha que, tirar a virgindade é algo como uma passagem para a popularidade?Puta merda.

Me sinto meio culpada por ter incentivado-a a tentar isso... 

 

- Quem é você?- perguntou um garoto ao aparecer no meio do corredor, juntamente com mais dois que não está muito bem claro as aparencias de ambos.

 

- Não interessa.- respondi, passando por um deles, mas sendo empurrada pelo maior que abriu um enorme sorriso ao me ver cair.

 

- Até que você não é nada mal...- ele disse ao agachar-me para me ver de perto. Cuspir em seu rosto e me levantei, aproveitei que se distrairam e passei por eles. 

 

{...}

 

- Para de choramingar, Karin... E aceita isso! Se quiser ser uma de nós, é claro...- disse Brittany, ao empurrar Karin para que ela caisse na cama, fazendo com o que o garoto drogado retirasse o que restava de suas roupas.

 

- Parem!- respondi, ao abrir a porta com toda a minha força. Observei o quanto o quarto estaria imundo e cheio de pessoas... Como pode caber tantas em um só quarto?Dentre eles, as irmãs Deckers. 

 

- Chloe... É você?- Ouço a voz abafada e trêmula da Karin ao ouvir o que acabei de dizer. Ao empurrar a Bethany que ficou na frente dela, eu pude ver o desastre... Karin estaria com seu vestido totalmente rasgado, seus peitos a mostra... E seus saltos retirados. Ela estava chorando tanto que sua maquiagem havia sido borrada completamente.

 

- Vamos para casa.- respondi ao estender minha mão. Bethany apareceu na minha frente. 

 

- Chloe... Olha... Podemos conversar um pouco?- ela perguntou, parecia bem nervosa e um tanto constrangida.

 

- O que tem a conversar com essa idiota, irmã? Aliás, como ela entrou aqui?- Brittany retrucou assim que empurrou sua irmã para seu lado. 

 

- Diga o que quiser sobre mim...- eu comecei a dizer, assim que vi Karin me esperar lá no corredor.- Isso não vou permitir que aconteça novamente. 

 

- HAHaHAHA e fará o que? Acha que temos medo?- Brittany ousou me afrontar, com seus braços cruzados, toda sorridente.

 

- Britt... Não vamos piorar as coisas... Já estavámos fazendo coisa errada... Eu..- Bethany murmurou cabisbaixa e sua face estaria ruborecida. 

 

- Você aí! Tira essa camisa!- gritei para um dos amigos das irmãs que me olhou confuso, mas não hesitou em fazer o que pedir. Eu peguei a sua camisa e sair do quarto. 

 

- Olha... Eu devo te agradecer, Chloe...- Karin respondeu envergonhada, desviando o seu olhar do meu.- Se não fosse por você...

 

- Use isso.- respondi, ao erguer minha blusa. Virei-me e ela o vestiu, dando assim como um vestido. Nós começamos a correr para achar alguma saída mais rapido, até que parei em um pequeno jardim, havia uma porta recém aberta. Eu olhei para ver se não tinha ninguém por perto e saímos por ela.

 

- O-o que irá fazer?- Karin perguntou, me seguindo enquanto comecei a discar um número. Obviamente para a policia e informando o endereço. 

 

 

Se elas pensam que isso  continuará a acontecer... Mais meninas inocentes caindo no papo, sendo controladas e enganadas... Isso não vou deixar.

Tive sorte de chegar há tempo e impedir algo de ruim. Infelizmente, Karin está abalada por tudo que houve... Não será fácil esquecer tamanha estupidez e agressividade. Ela estava sendo forçada a algo que não queria...

Lá encontrei drogas, obviamente há de menores... Além de outros motivos.  Por sorte uma viatura rondava pela região e não demorou muito até que ele chegasse.

 

{...}

Não demorou muito para que meus pais chegassem e nos vissem sentados enquanto Karin tomava vários copos de águas para tentar se acalmar.

 

- O- o que acontece aqui?- minha mãe perguntou assim que entrou na casa, observando eu e Karin sentadas uma do lado da outra.

 

- Eu... Eu sinto muito por está incomodando...- Karin começava a dizer, em seguida, desabou-se em lágrimas repentinamente. Meu pai me olhou confuso, deixou seu blazer no outro sofá e veio até nós duas.

 

- O que aconteceu de tão terrível? Karin, você pode contar para mim?- Ele questionou enquanto lentamente agachou-se para vê-la. Karin nao conseguia conter seu nervosismo e vergonha.

 

- Ela não conseguirá dizer... Bem, ela quase foi estuprada.- respondi, minha mãe arregalou seus olhos e tampou sua boca, parecia incrédula.- E... Eu cheguei há tempo. Eu a ajudei a sair do lugar terrivel em que ela foi levada... E cá estamos.

 

- A policia foi acionada?Você chamou a policia?Tenho que conversar com seus pais.- ele disse, aparentemente apreensivo diante da situação.- Está machucada?- Karin negou.

 

- Eu vi tudo... Foi horrivel... Havia drogas, muita fumaça, orgia... Muitos estavam fora de controle... E... E eu fiz o que pude.- respondi ao me levantar. Ajudei Karin a se reerguer e deixei o copo de água no centro. Minha mãe a olhava sem saber o que dizer.- Ela vai dormir aqui essa noite.

 

Adelaide nos acompanhou até o meu quarto. Tive que insistir para que Karin tomasse um banho quente, emprestei as roupas que ela precisava e ela ficou deitada, olhando para o teto.

 

- Eu... Fui muito burra... Me deixei levar por sonhos tão fúteis...- ela começou a dizer, assim que virou-se para me encarar. Dei risada e olhei para a janela. 

 

- Você tinha que ver com seus próprios olhos como elas são de verdade. É o que elas são, é como elas são... E o mais importante, o que elas fazem.- respondi e ela sorriu sem graça.- Agora entende o porque  de sempre não ligar para elas?De ignorá-las ao máximo?

 

- Sim... Eu realmente fui egoista, Chloe. Só pensei em mim...- Karin murmurou, ao sentar-se na cama.- Eu sabia que podia me dá mal, mas não a esse ponto, sabe? Eu tenho amigos que são amigos dela!

 

- Você acha que eles iriam te dizer o que acontece?- reviro os olhos ao ver sua expressão meio esperançosa. Ela abaixou a cabeça e negou.- Claramente não. É o que ela fazem... 

 

- Quando meu pai souber, provavelmente irá querer que eu me afaste dessas pessoas, dessa cidade, da escola... E eu não queria isso.- Karin respondeu, sem disposição alguma ao inclinar-se para deitar sua cabeça sobre o travesseiro.- Mesmo assim... Mudando de assunto.. Estou mesmo agradecida pelo que fez.

 

- Eu faria isso mil vezes se for preciso, Karin... Eu não suportaria ver você sofrendo... Você sabe disso, não é mesmo?- ela concordou e veio me abraçar. Ficamos olhando para a janela enquanto involuntariamente escutavamos a briga de vizinhos.

Começamos a rir.

 

 

Não passou uma hora... Até que passou na tv todo o escandalo que foi aquela festa, tudo foi levado a tona.. Alguns foram até presos!

Inclusive, depois dessa noticia, adeus popularidade... E adeus propagandas, mais dinheiro e tudo que elas almejam.

Karin foi embora juntamente com seus pais que foram avisados pelo meu de que ela estaria aqui.

Eles me agradeceram. 

De fato, eles irão levá-la para longe... 

A familia dela prezam muito pela imagem...

 

 

- Ainda preocupada com a sua amiga?- Adelaide me tirou do devaneio ao me ver deitada, olhando para o teto enquanto ela recolhia as roupas jogadas da Karin ao chão.

 

- Sim... Muito.- respondi assim que me levantei, fiz questão de aprontar a minha cama para que eu pudesse deixar já arrumada. Tomei um banho rápido... E sentir meus musculos relaxarem...

Escutei o barulho da porta ao fechar com tudo e me assustei assim que terminei.- Alguém está aí?- perguntei. 

 

Observei a janela e ela estava aberta.

Pelo que eu me lembre, eu a fechei não tinha nem cinco minutos... 

 

- Cuidado...- foi então que congelei. Não conseguir me mexer a partir deste momento. É como se eu ouvisse alguém sussurrar no meu ouvido. Em seguida, sentir um calafrio... 

 

Ok, isso foi bem estranho...

O que será que foi isso?


Notas Finais


perdão pelos erros e pelas palavras repetidas, não tive mt inspiração nesse cap


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...