História The Climb - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Tags Camila Intersexual, Camilag!p, Camren, Camreng!p
Visualizações 1.325
Palavras 2.855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Romance e Novela, Shoujo-Ai
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, gente.
Quero dizer que depois de hoje, vou começar a escrever meu testamento, pois sei que vocês irão me matar.
Quero agradecer por tudo, foi bom enquanto durou.
Mas se quiserem, podem deixar para me matar depois que eu concluir a fic, ne?
XD
Boa leitura :3

Capítulo 35 - Por Favor, Não Durma


Fanfic / Fanfiction The Climb - Capítulo 35 - Por Favor, Não Durma

Camila narrando.

 

Depois de tanta diversão àquela noite, nos preparamos para dormir. Eu me sentia um pouco tonta pelas bebidas que ingeri e Lauren ria de mim, por ser tão fraca e me embebedar apenas com dois goles de cerveja e dois copos de vinho.

Devo admitir que eu me sentia quente e muito excitada. De repente, notei que o rebolado que Lauren dava, ao andar até o banheiro, estava me deixando louca.

Assim que ela saiu do banheiro, a puxei rapidamente para o meu quarto e nos tranquei ali, ouvindo sua risada ao ver meu olhar selvagem dirigido a ela.

- Você está tão gostosa. – Falei, prensando seu corpo contra a parede e apertando sua bunda com um pouco de força. Pela cara que Lauren fez, ela amou o meu ato.

Ela não respondeu nada, apenas mordeu o lábio inferior, sabendo exatamente o que aquilo fazia comigo. Ela me enlouquecia quando mordia o lábio.

Simplesmente a ataquei, devorando sua boca e sentindo o gosto da bebida que ela havia acabado de beber, me fazendo sentir que o gosto do vinho era muito melhor provado de sua boca.

Adentrei sua boca com minha língua e logo encontrei a sua, então começamos aquela batalha gostosa, que mais parecia uma dança sincronizada, pois nossas línguas se encaixavam com perfeição. Inclinei minha cabeça para o lado, para que o beijo se aprofundasse mais, então segurei nos cabelos de sua nuca, dando leves puxões, ditando seus movimentos e tendo completamente o domínio daquele beijo. Lauren dizia adorar quando eu fazia aquilo, então me aproveitei.

Com a mão livre, voltei a apertar sua bunda, amando sentir aquela carne macia em meus dedos. Lauren também não controlou as suas, então com uma arranhou minha nuca e com a outra massageou meu membro por cima da roupa.

Não aguentando mais ficar naquela posição, a desgrudei da parede e caminhei com ela até minha cama. Tudo isso sem desgrudar nossas bocas, mas tive que o fazer, pois a joguei em cima da cama, sem delicadeza. Ia me desculpar por meu ato, mas pela expressão de Lauren, ela amou aquilo. Sei disso, pois seu sorriso mais safado apareceu em seu rosto, me fazendo apertar meu membro para aliviar a dor prazerosa que aquele sorriso me causou.

Sem paciência nenhuma, comecei a me despir, conseguindo ficar nua em tempo recorde. Me aproximei da beirada da cama e a arrastei até que eu me posicionasse ainda de pé entre suas pernas. Já que ela estava gostando do meu jeito rude, decidi fazer algo. Sorri para ela, que me devolveu o gesto, então peguei nos cabelos de sua nuca e a puxei levemente, mas com um pouco de força, e posicionei sua boca bem em frente ao meu membro.

- Você já está tão dura. Eu mal te toquei. – Forcei um pouco mais sua cabeça e ela logo entendeu o recado, dando uma longa lambida em toda a extensão do meu pau.

- Isso, porra! Chupa. – Ela me olhou com intensidade e eu logo entendi o motivo. Eu não costumava dizer muitos palavrões e aquilo chamou sua atenção, então ela sorriu e logo em seguida colocou grande parte do meu membro em sua boca, começando com os movimentos de sucção. – Isso! Chupa ele todinho. – Comecei a foder sua boca com movimentos rápidos e fortes, mas tendo todo o cuidado em não colocar tudo, para não machucar minha namorada. – Ele é todo seu, Lauren. Só você pode fazer isso.

Não tinha ideia de como estava conseguindo pronunciar aquelas palavras, pois o prazer que circulava meu corpo estava me arrasando.

Vendo que eu gozaria em instantes, Lauren retirou meu pau de sua boca e começou a dar leves lambidinhas com a ponta da língua em uma parte estratégica de minha glande que ela havia descobrido e que me dava muito prazer. Gemi arrastadamente e lambuzei sua cara com meu gozo.

Vendo que fiquei completamente mole, Lauren me puxou para deitar na cama e se posicionou em cima de mim, enchendo meu corpo de selinhos.

- Eu amo quando você me pega assim e me transforma em uma submissa promiscua. – Ela disse, acariciando meu pau, o fazendo ficar duro novamente.

Percebi que ela ainda estava completamente vestida, então resolvi mudar isso. A virei na cama, ficando em cima dela, a despindo completamente. Quando a deixei completamente nua, comecei a devorar seu corpo, deixando algumas marcas.

- Eu ainda não acabei, então vou te dar mais motivos para gostar do meu lado animal.

Decidindo fazer uma coisa que nunca havia pensado antes, peguei minha camisa, a torci de um modo que ficasse parecendo com uma corda, pegando as mãos de Lauren logo em seguida, vendo o brilho de luxúria que transcorreu por seus olhos quando viu o que eu tinha em mente. Levei seus pulsos até a cabeceira da cama e os prendi ali, usando minha camisa. Quando me certifiquei que não estava nem muito forte e nem muito frouxo, voltei para o que eu estava fazendo.

Ela não pronunciou uma palavra, mas eu sabia que ela estava amando.

Minha namorada é tão safada...

Sem enrolar, comecei a beijar seus seios, dando leves mordidas, beijos molhados e lambidas, a vendo arfar só com aquilo. Depois que os deixei bem sensíveis, trilhei meus beijos mais para baixo, deixando rastros molhados, a vendo se contorcer toda.

- Você vai me matar assim. – Ela disse com aquela voz rouca carregada de prazer.

Olhei para cima e vi que ela observava todos os meus atos, então mais uma vez tive uma ideia. Me levantei, ouvindo ela me xingar por ter parado o que eu estava fazendo. Peguei sua blusa e voltei para a cama, engatinhando até sua cabeça, levando a peça de roupa até seus olhos.

- Dizem que na falta de um dos sentidos, os outros se aguçam mais. – Dizendo isso, amarrei a blusa em sua cabeça, tapando sua visão.

Voltei para o que fazia e decidi descer meus beijos para a sua barriga, dando atenção àquela parte que eu amava, mas nunca ousei dizer isso a minha namorada. Eu amava sua barriga levemente saltada perto do umbigo, sempre me perdia ali quando fazíamos amor.

Mas dessa vez, eu queria algo mais selvagem. Queria foder, como alguns dizem. Eu queria tê-la de maneira forte e bruta.

Não, eu não queria machucá-la, eu queria fazê-la minha, como nunca havia feito antes.

Trilhei mais beijos para baixo, chegando finalmente onde nós duas mais queríamos. Para provoca-la, beijei a parte interna de suas coxas, arrastando meus dentes ali, a vendo se arrepiar toda e se contorcer.

- Não me provoca assim. – Ela disse com uma voz sôfrega, praticamente suplicando.

Sorri e resolvi provocar ainda mais, beijando sua virilha e dando leves lambidas. Fiquei nisso por uns cinco minutos e quando Lauren já estava prestes a reclamar, chupei seu clitóris com força, o colocando dentro de minha boca e brincando com ele ali, lambendo rapidamente.

Minha namorada começou a gemer como louca, rebolando e se contorcendo. Olhei para cima e tive aquela visão maravilhosa. Era incrível dar prazer a ela, suas expressões eram lindas e eu chegava a sentir tanto prazer quanto ela, apenas fazendo aquilo.

A penetrei com dois dedos e comecei movimentos rápidos e fortes em seu interior, sentindo suas contrações me apertarem. Desejei que o mesmo acontecesse quando meu pau estivesse ali dentro, mas isso só aconteceria depois de tê-la feito gozar primeiro em minha boca.

E foi o que aconteceu. Só precisei curvar meus dedos e sugar seu nervo em minha boca, que ela se desmanchou, gritando meu nome. Eu amei ouvir aquilo.

Depois que ela relaxou, retirei meus dedos de dentro dela e levantei da cama, indo até meu guarda-roupa e pegando alguns preservativos que havia deixado ali guardados. Rapidamente, peguei uma embalagem, rasguei e vesti o preservativo em mim. Minha ereção já estava me fazendo curvar os dedos dos pés, então tratei de voltar logo para a cama.

Engatinhei até Lauren, que estava linda daquela forma. Os pulsos amarrados, os olhos vendados, a respiração descompassada.

Comecei novamente a distribuir beijos por seu corpo, abrindo suas pernas novamente e estimulando seu clitóris inchado.

- Agora eu vou colocar uma coisa bem maior aqui dentro. – Sussurrei de uma forma suja em seu ouvido e vi mais uma vez ela se arrepiar e sorrir de forma safada.

Ela não disse nada, e sim, gemeu quando circulei seu centro com meu dedo polegar.

Quando me certifiquei que ela estava completamente molhada, me posicionei entre suas pernas, me apoiando com a mão esquerda, ao lado de sua cabeça. Com a direita, segurei meu pau e o posicionei em sua entrada, o esfregando ali, vendo minha namorada se contorcer.

Decidindo parar com a brincadeira, a penetrei de uma vez, com todo o meu membro dentro dela.

- AH! – Ela gritou e aquilo não foi um grito de dor, foi um grito de puro prazer. Comecei com movimentos fortes. Retirava todo o meu pau e depois colocava tudo de novo, repetidas e incansáveis vezes. – HM! Assim, Camila. Isso! – Acertei aquele seu ponto sensível, o que lhe proporcionava mais prazer e ela gritou novamente. – ISSO! Não para, não para. Oh, meu Deus!

Eu soltava grunhidos de prazer e sentia que meu orgasmo estava próximo, então tratei de acertar seu ponto G mais vezes, para que ela me acompanhasse ao gozar.

- Eu vou te foder, Lauren. Eu estou te fodendo. – Voltei a sussurrar em seu ouvido e ela gemeu mais ainda.

Com uma última e forte estocada, Lauren circulou suas pernas em minha cintura e gozou forte, se tremendo toda. Suas paredes internas se fecharam em volta do meu pau, me fazendo gozar também. Continuei com movimentos leves, prolongando o nosso orgasmo, até que não aguentei mais.

Me retirei de dentro dela, tirando o preservativo de mim e dando um nó, o arremessando na lixeira do meu quarto. Depois disso, desamarrei seus pulsos e tirei sua blusa de sua cabeça. Quando ela pousou aqueles malditos olhos em mim, vi que ela estava completamente saciada.

- Você acabou comigo. – Ela ronronou e me puxou para deitar ao seu lado, passando uma perna por minha cintura logo em seguida. Aproveitei para apertar sua bunda e deixar minhas mãos ali.

- Eu não sei o que me deu hoje. – Falei e sorri para ela, que me devolveu o sorriso.

- Uh, eu sei, e vou continuar te dando vinho para sempre. – Gargalhei e lhe dei um selinho, puxando o lençol para nos cobrir logo em seguida.

- Vamos dormir, eu estou morta. – Nos aconchegamos e eu beijei o topo de sua cabeça. – Boa noite, Lo. Eu te amo.

- Eu te amo, Camz. Boa noite.

Então deixamos o sono nos vencer, adormecendo logo em seguida.

 

...

 

Dormia tranquilamente, quando senti movimentos leves na cama, então despertei e vi Lauren tentando sair de meu abraço.

- Aonde você vai, Lo? Fica aqui comigo. – Pedi, completamente manhosa e ela riu.

- Eu estava tentando te fazer uma surpresa, então finja que não me viu levantando e vá para a cozinha daqui há meia hora. Quero te mostrar uma coisa que aprendi com Pepe.

Então ela começou a se vestir e eu suspirei por ver seus seios sendo cobertos por um sutiã de renda. Logo em seguida ela vestiu a blusa que eu usava no dia anterior, indo até meu armário, colocando uma de minhas cuecas e em seguida um shortinho meu também. Ela ficava tão linda em minhas roupas...

Ela saiu do quarto e eu sorri, imaginando o que quer que seja que ela havia aprendido. Eu amava o fato de minha namorada gostar de me agradar em algo, em todos os sentidos. Eu fazia o mesmo por ela, é claro.

Como ela me mandou fazer, esperei meia hora ali na cama, e quando esse tempo acabou, me levantei e comecei a me vestir, decidindo ir até o banheiro escovar os dentes, então depois disso fui para a cozinha.

Ao passar pela sala, estranhei não ver todos dormindo nos sacos de dormir. Deduzi que eles também não estavam na cozinha, pois se estivessem, o barulho seria absoluto. Então acabei por achar que todos já haviam ido embora. Dei de ombros, ainda achando aquilo muito estranho, e fui para a cozinha.

Também achei estranho não sentir o cheiro de nenhuma comida sendo preparada, pois havia sido para aquilo que Lauren levantou cedo.

- Lo, espero que não fique chateada, mas já estou entrando e... – Tomei um susto ao ver aquilo.

Meu sangue gelou e minha barriga deu um salto ao ver aquela imagem.

Não conseguia dizer nada, pois o impacto que aquilo me causou me deixou sem reação.

- Não vai dizer nada, aberração? O gato comeu a sua língua? – Depois de passar tanto tempo sem ouvir aquela voz, ela ainda me causava as mesmas sensações. – EU ESTOU FALANDO COM VOCÊ!

Tomei um susto com o grito daquela mulher e dei dois passos para trás. Olhei para o lado e vi minha namorada completamente assustada. Tentei caminhar em sua direção, mas uma figura alta e musculosa barrou minha passagem.

- Como vocês entraram aqui? Como conseguiram? – Foi tudo o que eu consegui perguntar.

De repente, me vi vasculhar cada canto daquela cozinha, podendo perceber que todos os meus irmãos estavam ali, todos tão assustados quanto eu. Demi segurava Calvin, para que o mesmo não avançasse sobre a mulher, pois a mesma estava armada. Ambos estavam.

Olhei para Lauren novamente e aquele imundo a segurava em seus braços, sussurrando coisas em seu ouvido. Comecei a chorar e me desesperar pela situação.

- Responde! – Calvin esbravejou, ouvindo a risada maligna de Halsey como resposta. – Eu vou dar um jeito do pessoal daí de cima descobrir que os dois estão aqui e aí eu vou querer ver quem terá o controle da situação.

Ao ouvir aquilo, Halsey apontou a arma para ele e eu levei as mãos aos meus cabelos, desesperada com a hipótese de ela puxar o gatilho.

- Isso é uma ameaça, moleque? O que eu já falei sobre me ameaçar? – Ela disse friamente, com aquele sorriso psicótico.

- Halsey, por favor, abaixe essa arma. – Pediu Ally, com lágrimas nos olhos.

- Hoje você poderá se vingar desses inúteis, amor. Eu vou mostrar a cada um o meu ódio por terem me feito ser preso e perder o emprego. – Drake falou e eu olhei para Lauren mais uma vez, que ainda estava presa em seus braços.

- Solta ela, seu idiota. Não vê que esse sentimento imundo que você sente por ela não é reciproco? – Ele me fuzilou com os olhos ao me ouvir dizer aquilo, então apontou a arma para a cabeça de minha namorada, me fazendo engasgar em um soluço, devido ao choro. – Não! Solta ela.

Tentei correr em sua direção, mas Shawn me impediu. Me agitei em seus braços, mas não adiantou, ele era mais forte que eu.

- O que ela quis dizer quando falou de sentimentos? – Halsey perguntou ao seu namorado, ficando de costas para nós e de frente para ele.

- Você sabe que essa aberração é mentirosa. Vai acreditar nela? – Então ouvi a mulher rir mais uma vez e negar com a cabeça.

Antes que ela pudesse se virar para nossa direção novamente, vi os próximos movimentos a minha frente em câmera lenta. Calvin correu em sua direção, talvez achando que aquele era um momento bom para pegá-la distraída. Pelo que se passou em seguida, o provou que ele estava errado. Drake, ao vê-lo correr em direção a sua namorada, mirou seu revolver em sua direção, efetuando um disparo logo em seguida.

- NÃO! – Ouvi o grito de Demi, mas podia jurar que ouvia tudo de longe, como se eu estivesse aturdida com aquilo tudo.

Lágrimas começaram a manchar minha visão e de repente eu não entendia o que estava acontecendo. Só me lembro de ver muito sangue e ouvir a risada do casal, por terem, finalmente, conseguido fazer aquilo.

- Não, não, não, não. Isso não, meu Deus. – Comecei a repetir, correndo até Calvin, que estava caído nos braços de Demi, que chorava desesperadamente. – Calvin, não dorme, cara. Não dorme.

Mas ele nem ao menos conseguia falar nada sem que o sangue que saía de sua boca o atrapalhasse.

Antes de morrer, ele olhou para mim e tentou falar algo, tendo muita dificuldade.

“Camila”

Foi a última coisa que ele disse.

- Camila. – Senti alguém balançar meus ombros, mas não consegui responder. – Camila!

- Não! – Tentei me desvencilhar, mas não consegui.

- Camila! – Senti novamente alguém me balançar, só que dessa vez com mais força. – Camila, acorda!

Despertei atordoada com aquilo tudo e olhei em volta, respirando com muita dificuldade.

- O que... Cadê todo mundo? Cadê o Calvin? – Perguntei, totalmente afobada e Lauren me olhou de forma preocupada.

- Ainda estão todos dormindo, amor. Calma, foi só um pesadelo. – Ela me abraçou e eu me deixei descansar em seu colo.

Havia sido um daqueles pesadelos muito reais e eu fiquei muito impressionada.

Comecei a contar tudo para Lauren e ela me mimou, até que eu me acalmasse.

Havia sido apenas um pesadelo e eu estava grata por isso. 


Notas Finais


Postei e saí correndo.
Desculpem qualquer erro e me deixem saber o que acharam.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...