História The Criminal - Capítulo 38


Escrita por: ~

Exibições 528
Palavras 2.484
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Policial, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


4 years Camren (16/10) <3
boa leitura *-*

Capítulo 38 - Uti


Fanfic / Fanfiction The Criminal - Capítulo 38 - Uti

-LAUREN!! EU TE AMOO, EU TE AMO LAUREN!! -duas enfermeiras tentavam arrastá-la pra fora, a pressão arterial de Lauren estava cada vez mais baixa, e seus batimentos cardíacos diminuindo

-segundo choque

-LAAAUUREN!!

Tiraram Camila da sala de cirurgia aplicando um sedativo.

------------------

-senhor, parece até milagre mas conseguimos fazê-la voltar, os batimentos cardíacos normalizaram

-ótimo! Mas ainda precisamos concluir aqui

-pode parecer besteira mas foi depois que aquela moça entrou gritando aqui dentro

-mais concentração no que está fazendo, se as coisas voltaram para o nosso controle é graças a medicina e não a garota nenhuma

-ok senhor, perdão

Continuaram realizando a cirurgia durante mais uma hora

-conseguimos tirar os vestígios da bala, faça a sutura, agora precisamos tratar da lesão, seu braço precisa ser imobilizado e depois levem-na para a UTI para um monitoramento constante

-agora mesmo senhor

Fizeram tudo que o médico chefe pediu. Vero foi até a sala onde levaram Camila desacordada

-o que aconteceu com ela? porque está aqui?

-ela entrou em meio a cirurgia, a gente precisou deter a garota, meu medo foi quando soube quem ela é

-Camila não machuca ninguém

-mas ela era uma procurada, certamente boa coisa não é

-não conhece a história dela senhora, então por favor não opine sobre coisas que não sabe a respeito –a mulher se calou na hora e mudou de assunto

-ela vai acordar em poucos minutos, controle a sua amiga, Lauren está passando por um momento difícil

-pode deixar, ela estará sob controle, apenas cuidem para que minha amiga saia dessa, ela ainda tem muito o que viver

Clara depois de tomar calmantes foi até em casa, recebeu ligações da clínica onde Taylor estava e precisou ir até lá para saber do que se tratava, ao chegar foi diretamente para a sala do diretor do local

-senhora Jauregui, passamos o dia ligando

-estou passando por um momento difícil com a minha outra filha, ela é policial e está muito mal no hospital

-nossa! Eu não imaginava, eu tinha ligado pra avisar que sua filha já pode ter alta

Halsey havia saído já fazia dois dias, ela e outras incluindo Taylor estavam na lista das que já podiam receber alta

-tenho uma notícia boa pra te dar, sua filha Taylor poderá ir pra casa, basta assinar os papéis

-isso realmente é muito bom mas eu não acho que seja uma boa hora pra Taylor voltar pra casa, estamos todos muito preocupados com Lauren e não quero deixa-la nervosa, nem está sabendo do que aconteceu ainda, ela é muito apegada a irmã e tenho medo de acabar ficando nervosa demais e correr o risco de passar mal, não quero que prejudique a gravidez

-falando nisso será vó de um garoto

-Lauren me contou, estou muito feliz! Posso deixa-la aqui apenas por mais uns dias? Preciso me certificar de que a minha outra filha está fora de perigo

-tudo bem, sem problemas

-vou até o quarto dela por um tempinho antes de voltar pro hospital

-pode ir senhora Jauregui

Clara foi até o quarto, Taylor estava deitada acariciando a própria barriga

-MOMMY! A senhora veio me ver! Que saudade

-vim meu amor, também senti sua falta

-o papa não veio?

-não, teve umas coisas pra resolver no trabalho

-e a Laur? –Clara teve que se segurar para não chorar, respirou fundo e mentiu pra filha

-ela está bem

-ela disse que acertaria as contas com o chefe dela, me disse umas coisas, deu tudo certo?

-claro, conhece a sua irmã né? quando ela falha em algo?

-isso é verdade! Tenho muito orgulho dela

-eu também meu amor

-soube que eu vou ter alta? Veio pra me buscar?

-sim me ligaram avisando, me dá só alguns dias?

-porque? Está acontecendo alguma coisa?

-NÃO! Eu só.. –pensou por alguns instantes –quero preparar o quartinho do bebê, será um presente

-awn mama, nem precisava

-claro que precisa, terá nosso apoio, irá mesmo desistir de dar ele pra adoção né?

-sim, eu quero esse bebê, já me sinto mãe dele, não sei explicar, é uma coisa forte que cresceu dentro de mim

-sei bem, amor materno

-preciso de contar uma coisa

-o que foi?

-talvez fique um pouco decepcionada comigo

-claro que não filha, sabe que pode me contar qualquer coisa

-é que eu.. fiquei com uma garota e a gente está namorando

-era isso?

-não vai ficar surpresa nem nada?

-não, isso pra mim não é nada demais, é algo normal, nunca fui contra o que Lauren é, porque eu ficaria contra você?

-é que eu não sou lésbica, quer dizer.. eu não sei, nunca tinha me atraído por garotas, foi apenas por Halsey

-ah então esse é o nome dela

-sim, ainda vou apresenta-la, ela saiu daqui e já sinto saudades

-logo você me apresenta, tudo que eu quero é a felicidade das minhas filhas, você está com essa garota, Chris com a Selena e a Lauren se Deus quiser com a Camila

-já sabe então sobre ela?

-sim, ela contou tudo. Tay eu preciso ir agora ok? mas logo irei vim te buscar, prometo

-tudo bem, vou ficar aguardando ansiosa, manda um beijo pra Laur

Elas se despediram e Clara saiu com os olhos marejados pois não poderia dar o recado de Taylor. Voltou as pressas pro hospital e encontrou Camila e Vero com as mesmas expressões

-como está tudo por aqui?

-do mesmo jeito, Camila acordou faz pouco tempo, foi sedada por ter entrado na sala de cirurgia

-desculpa, eu estava desesperada, preciso saber como ela está

-vem aqui menina –a latina se aproximou –vai ficar tudo bem ok? precisamos ser fortes e estarmos todas unidas, não sei a que religião vocês seguem, ou se acreditam em algo, mas nesse momento tudo que ela precisa é que a gente peça a Deus para fazê-la ficar bem, precisamos ter fé –abraçou Camila e logo Vero se juntou a elas no abraço, o médico chegou nesse momento chamando a atenção delas, ele estava sério, não parecia esboçar reação alguma

-doutor! Como foi a cirurgia? Como minha filha está?

-Lauren perdeu muito sangue, teve uma parada respiratória e uma cardíaca, a área do seu braço esquerdo está com um inchaço muito grande ainda, realizamos a operação, além da lesão tem os pontos no local da sutura, está fraca

-mas ela vai ficar bem né? –Camila perguntou

-nunca mais entre em uma sala de cirurgia daquela maneira! Você poderia ter atrapalhado o processo no momento em que entrou e ela poderia ter morrido

-eu sei, me desculpe, eu sinto muito mesmo! mas ela.. é o amor da minha vida, eu não sei se o senhor  já amou alguém doutor, não sei se é casado, nem se tem filhos, se tem alguém pra chamar de minha, eu não o conheço, mas eu perdi tudo doutor! Não tenho mais meus pais, não tenho uma família, aliás, eu tenho, duas amigas que me apoiaram sempre, mas sabe do que estou falando né? nada substitui o amor materno e paterno, eu tive que aprender a me virar sozinha depois de perder tudo! Eu tomei decisões erradas e fiz coisas erradas mas em meio a tudo isso eu conheci ela, a Lauren.. ela mudou tudo em mim, tudo que eu costumava ser, tirou de mim a velha sensação de se sentir só, eu me senti amada, protegida, cuidada, foi um impulso! Eu só queria saber do estado dela porque eu a amo mais do que a minha própria vida, e eu poderia aguentar qualquer barra, qualquer coisa mesmo, menos perde-la, eu não posso perder a Lauren, então por favor faça tudo que puder para que ela se recupere, deixe-a fora de perigo, eu te imploro

Todos abaixaram a cabeça ao ouvi-la, foi de fato triste, até o médico que estava com uma postura de carrasco antes desfez a pose séria e assentiu com a cabeça

-ela ainda não está fora de perigo, pode ter complicações pós operatória, mas eu farei tudo que puder para ajuda-la pode ter certeza, um dos meus residentes falou que a moça voltou a si quando você entrou gritando dentro da sala, quando ouvi o que ele disse achei uma bobagem enorme, mas agora.. penso que talvez esse amor que você fala que sente por ela tenha feito alguma diferença quando falou em voz alta dentro daquela sala, mesmo inconsciente o cérebro está funcionando em seu estágio mais baixo de alerta, Lauren está em um tipo de coma reversível, teve sorte por não ter sofrido nenhum dano cerebral, mas teve convulsões durante as longas horas na sala de cirurgia

-onde ela está agora? A gente pode vê-la?

-está na UTI

-esse nome não me faz pensar em coisas boas –Vero disse

-é uma unidade complexa onde pacientes como Lauren, em estado grave será sempre monitorada para caso aconteça alguma coisa, ela conseguiu passar pela cirurgia mesmo com as más condições do seu organismo, isso já é algo para ser comemorado, fiquem feliz por isso, ela venceu uma parte já, basta esperarmos um pouco agora e vê se ela reage aos remédios e se não terá complicações pós operatórias

-obrigada doutor! Podemos vê-la?

-por enquanto eu não acho recomendável, pelo menos não hoje,  mas eu vou deixar que vejam ela apenas pelo vidro da porta ok?

-tudo bem, obrigada!

O celular de Verônica tocou e ela se distanciou um pouco pra atender

-Oi amor

-Oi, estava preocupada contigo, apenas me passou uma mensagem falando sobre sua amiga, como ela está?

-mal, mas estamos aqui esperançosos, ela já fez a cirurgia, já é um ponto positivo, mas ainda tem riscos, perder o braço é um deles

-que horror! Espero que nada aconteça, queria poder estar ai contigo mas não posso fechar a loja

-tudo bem, eeu também espero que nada aconteça, sei como ela é, não saberia lidar de forma positiva com isso de perder um membro de seu corpo, ia preferir morrer, mas não quero pensar nisso, quero que dê tudo certo

-irá vim pra casa hoje?

-vou falar com Camila, ela provavelmente não irá querer sair do hospital ai eu vou dormir ai contigo e pela manhã retorno pra cá

-tá certo, vou desligar então

-Lucy..

-Oi amor

-eu te amo viu?

-eu também te amo Vero, muito!

Temos sempre que demonstrar os nossos sentimentos diante das pessoas que amamos, nunca sabemos o que está reservado para o dia de amanhã, e a única certeza que temos é que não se pode voltar no tempo depois para falar palavras que antes estavam instaladas em nossa garganta, portanto nunca deixe de falar sobre as coisas que sente, apenas deixe-as sair de dentro de si, liberte-se.

Vero desligou o celular e voltou pra perto de Camila e Clara

-o médico vai nos levar até ela, na verdade até na porta do quarto em que ela está

-vamos então!

Acompanharam o médico até a grande sala, viram a garota através do vidro da porta, estava cheia de aparelhos, com uma máscara de oxigênio e com soro na veia, uma máquina ficava dando bipe mostrando seus sinais vitais, Clara não aguentou ver a filha daquele jeito e começou a chorar, para acalmá-la Verônica saiu dali com ela para a recepção, Camila recebeu um SMS no celular

‘’está tudo bem? Se precisar da nossa companhia é só dizer ok? estaremos sempre aqui pra você, te amamos –Dinah e Ally’’

Ela retornou a mensagem e desligou o celular em seguida

‘’vai ficar tudo bem, depois converso com vocês, também as amo –Camila’’

Olhou para a sala onde sua garota estava, era difícil ver a Lauren que costumava estar sempre tão enérgica naquela situação, cheia de fios ligados ao seu corpo e tendo que respirar com auxílio de uma máscara

Hello, hello

Anybody out there?

'Cause I don't hear a sound

Alone, alone

I don't really know where the world is but I miss it now

‘’Olá, olá

Tem alguém aí fora?

Porque eu não ouço nenhum som

Sozinho, sozinho

Eu realmente não sei onde o mundo está, mas eu sinto saudades dele agora’’

Dizem que momentos difícil são essenciais na nossa vida para que possamos aprender com eles e nos tornarmos pessoas fortes, mas naquele momento Camila fraquejava, Lauren era seu porto seguro, sua força, o motivo de seu sorriso quando nada mais fazia sentido, e no momento era ela que precisava de Camila, ela precisava se manter forte por ela, mas dói tanto! Dói não poder fazer nada pra ajuda-la, o que restava era a espera.

I'm out on the edge and I'm screaming my name

Like a fool at the top of my lungs

Sometimes when I close my eyes I pretend I'm alright

But it's never enough

‘’ Estou no limite e estou gritando meu nome

Como um tolo a plenos pulmões

Algumas vezes, quando fecho meus olhos, eu finjo estar bem

Mas nunca é suficiente’’

Ela deixou que algumas lágrimas molhassem sua face, colocou a mão no vidro desejando que tudo aquilo fosse apenas um sonho ruim, porém infelizmente era real, a dor era real

I don't wanna be down and

I just wanna feel alive and

Get to see your face again once again

‘’Eu não quero ficar para baixo e

Eu só quero me sentir vivo e

Poder ver seu rosto de novo, mais uma vez’’

Enxugou o rosto e saiu dali voltando para a recepção

-irá dormir aqui Camila?

-sim, pode ir pra casa Vero, a Lucy deve estar sentindo a sua falta, qualquer coisa te ligo

-eu voltarei amanhã de manhã

-se quiser ir também pode ir Clara, precisa descansar

-não quero te deixar aqui sozinha

-não se preocupa comigo, eu estou bem

-mas não comeu nada desde que chegou aqui

-eu estou sem fome, está tudo bem, liga pro Michael e pedi pra ele vim te buscar, descansa um pouco e vem amanhã

-me liga avisando sobre qualquer mudança no estado dela, seja boa ou ruim?

-sim eu ligo, pode deixar

Entregou o celular pra Clara que salvou seu número

-tudo bem então, obrigada

Verônica saiu primeiro e depois de alguns minutos Mike chegou no hospital para buscar Clara

-em meio a tudo isso eu nem tive tempo direito para agradecê-lo, se estou livre e estou podendo ficar perto da Lauren é graças a ti

-foi a pedido dela, sei do que aconteceu contigo, Justin merece pagar pelo que fez e você merece uma chance de uma vida melhor, minha filha também

-obrigada!

Os dois partiram e Camila se sentou no enorme sofá da recepção, as enfermeiras de vez em quando perguntava se ela estava bem ou se queria ir até a cantina pra comer algo mas a resposta era sempre a mesma, não tinha fome, tudo que queria era uma boa notícia, só queria ter a sua garota de volta, ver seu sorriso novamente e ver aquele par de olhos verdes que tanto fazia seu coração bater mais rápido em questão de segundos.


Notas Finais


Ai meu coração </3
até mais.. babys
música: https://www.youtube.com/watch?v=pxpLxb5jHO0 não deixem de ouvir ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...