História The cry of a desire - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Anitta, Arthur Aguiar, Camila Queiroz, Flávia Alessandra, Ian Somerhalder, Isabelle Drummond, Larissa Manoela, Luan Santana, Lucas Lucco, Maisa Silva, Maite Perroni, Natalia "Nah" Cardoso, Rodrigo Simas
Personagens Anitta, Arthur Aguiar, Camila Queiroz, Flávia Alessandra, Ian Somerhalder, Isabelle Drummond, Larissa Manoela, Luan Santana, Lucas Lucco, Maisa Silva, Maite Perroni, Nah Cardoso, Personagens Originais, Rodrigo Simas
Exibições 43
Palavras 1.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Científica, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shounen, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que frente das outras histórias comentem e digam se gostaram, essa história vai ser diferente, vai contar casos reais de violências, assim como uma mulher eu to cansada de tanta violência.


LEIAM AS NOTAS FINAIS!

Capítulo 2 - JAMILE ❤♡


Fanfic / Fanfiction The cry of a desire - Capítulo 2 - JAMILE ❤♡

JAMILE ♡

Quando pequena eu sonhava com o príncipe encantado, sonhava no homem perfeito, pra mim todos mereciam ser amados, quando cresci fui vendo que o mundo não era cor de rosa, meus pais lutaram na justiça por minha guarda e a do meu irmão , ele ficou com a do meu irmão e ela com a minha, oque foi a pior coisa que podia ter acontecido, eu era uma menina doce, pelo ao menos assim eu me considerava, minha mãe chegava bêbada em casa, e quando não saia com minha tia e deixava eu com 7 anos, minha prima de 6 e minha outra de 4, todas sozinhas, todos os dias era um namorado diferente, e namorados esses que eu pegava nojo todos os dias, eles eram uns psicopatas, isso, aos meus 8 anos fui abusada sexualmente por um deles, e o pior ele fez eu acreditar que fui a culpada daquilo, eu era culpada por ser diferente das outras, era a culpada por ser bonita demais, era a culpada por não ter o corpo adequado pra uma criança, que culpa tinha eu? Eu só queria ter sido uma criança normal, ter sido feliz sabe, ter brincado de boneca, Ou tomado banho de chuva, nunca tomei, aos 10 anos fui outra vez abusada, a última vez aos 16 anos fui estuprada por um dos namorados dela, pra mim aquilo era o limite, eu estava cansada de me verem como objeto com algo inutilizavel, esperei todos irem dormir, coloquei todas as minhas roupas que cabiam em duas bolsas de costas e é coloquei uma calça e é uma blusa de manga com capuz, meu pai morava no Rio de Janeiro eu iria pra lá, minha mãe cortou total o nosso contato, joguei as bolsas pela janela, elas caíram no gramado, e pulei por ela, peguei minha bolsa e sai correndo sem olhar pra trás, passei na esquina que era  casa do Renê e Renan eram meus melhores amigos, achei melhor não me despedir, andei muito e eu ja não sabia mais onde eu estava, sentei em um batente e tentei ligar pro meu pai e nada, foi quando conheci Paula.

Paula: Sozinha? (Assenti com medo) Não precisa ter medo anjinho, fugiu de casa?

Jamile: Não aguentava mais minha mãe e meu padastro.

Paula: Vem.

Ela estendeu a mão pra mim, eu peguei sem editar, eu não estava em vantagem ali, eu nunca tinha dormido na rua, no caminho contei a ela o motivo de ter sai do de casa, e cada coisa que eu contava ela não mostrava espanto em nada.

Jamile: Parece que não se abalou pelo oque te falei. (Falei enquanto andávamos por uma rua deserta)

Paula: Pelo contrário Jamile, eu já vivi muito nessa vida, já passei por muitas coisas, e olho pra você lembro de mim (foi aí que olhei pra ela, seus olhos estavam brilhando) fugi de casa aos 15 anos, morei na rua durante 3 anos, era abusada sexualmente pelo  meu  próprio pai, e minha mãe não acreditou quando a contei, hoje tenho uma ONG, chamada um grito pela vida, eu ajudo meninas assim como eu fui, assim como você, eu não suporto tanta violência.

Chegamos em frente a uma casa de primeiro andar, era simples mas porém bonita, Paul a saiu na frente e eu fui atrás, entramos e seu de cara com a sala, os móveis simples e encantadores, parecia uma casa de boneca, ela saiu andando e fui atrás, entramos em um quarto que era azul claro, com flores desenhadas nele, tinha uma cama de casal, ela colocou minhas duas bolsas na cama.

Paula: Tem toalha no guarda roupa e roupas também, seja bem vinda. (Ela falou sorrindo)

Jamile: Não tenho como pagar. (Aquilo era  a verdade eu não tinha nada)

Paula; Eu quero te ajudar Jamile.

Ela deu um beijo na minha testa e saiu, eu não estava acostumada com tanto carinho desde que não via mais meu pai, minha mãe nem me olhava, e meu padastro bom, não gosto de falar, sentei na cama que era fofa, abri a bolsa e peguei meu caderno, eu contava minha vida ali, e um dia pretendia lançar ele, como uma ajuda as meninas que sofrem violência.

"É até estranho, mas depois de tanto tempo recebi um carinho, e não foi um carinho maldoso como o do meu padastro, mas foi um carinho materno, eu acho, não sei como é, Paul a me contou a historia dela e não sei se foi Deus que me mandou ela mas se foi eu te agradeço Deus"

Me deitei na cama e acabei adormecendo.

Passei alguns meses com Paula naquela cidade, mas segundo ela teria que voltar pro Rio de Janeiro, ela morava lá, ela não queria me deixar sozinha então formos de carro, como sou de menor, seria menos perigoso, chegamos no Rio de Janeiro tranquila, ela me levou pra sua casa que com toda certeza era enorme e linda, vi mais duas garotas e olhei pra Paula.

Paula: Jamile essas são Letícia e Rafaela assim como você e eu elas foram violentadas por tio e pai.

Letícia: Me chamo Letícia e tenho 17 anos (falou uma menina do cabelo preto e do sorriso enorme)

Rafaela: Eu sou a rafa e tenho 16 (já essa era loira também, mas muito, muito branca e do cabelo liso.)

Paula: Mostrem o quarto pra Jamile meninas, vou dar uma passada na ONG.

Ela deu um beijo em casa uma e saiu, elas me ajudaram com a bolsa, cada uma com uma, subimos as escadas e entramos no corredor repleto de quartos, elas entraram no terceiro a direita, era todo rosa, entronchei a boca e elas riram

Rafaela: Não precisa das suas roupas Jamil e, no armário tem muitas.

Jamile: (assenti) então, como conheceram a Paula ?

Leticia: Eu tinha acabado de apanhar do meu tio, estava com cortes em todo canto, e sangrando cê sabe onde, meu primo achou estranho mas não contei o motivo, então ele me levou no médico, o médico pediu pra ele nos deixar a só, fiquei com medo, pois pensei qie ele faria o mesmo que meu tio fazia comigo todas as noites......ai ele puxou uma cadeira e sentou do meu lado e pediu pra contar a verdade, contei e pedi que ele não informasse a ninguém, ele conhecia a Paul a, ligou pra ela, não deixou que eu voltasse pra casa., e aqui estou eu.

Rafaela: Eu sou irmã  da Paula (Ela falou e arregalei os olhos) ela já deve ter te contado a historia dela... Ela fugiu mas prometeu que voltaria pra me buscar, ela cumpre oque promete.

Jamile:  A Paula é um anjo.

Elas foram me mostrar o resto da casa, o quarto da Letícia era massa, chegamos no da Rafaela e retirei os olhos tinha um post do Luan Santana bem enorme na parede.

Leticia: Ela é fã dele (Ela falou ao me ver revirar os olhos)

Jamile: Você sabe que ele é outro que bate nas mulheres não sabe?

Rafaela: Isso tudo é mentira, ele é um anjo.

Passar dias com elas eram ótimos, a Paul a me levou pra conhecer a ONG  e minha nossa era o trabalho mais lindo do mundo, aos meus 19 anos Paula sofreu um acidente a acabou morrendo, fiquei sabendo que a responsabilidade da ONG ela deixou pra mim e não pra rafa sua irmã, mas segundo oque ela escreveu eu era a mais responsável das três, eu e as meninas nos unimos, Paula mão não era minha mãe mas me ajudou muito, ela me ensinou a ser oque sou hoje, não sou mais aquela menina fraca, Paula me ensinou a ser forte, me ensinou a aguentar as pancadas da vida, e principalmente nunca, mas nunca chorar por alguém, essa parte eu nao entendi, mas não me importo, ela me ensinou a ser fria em relação aos meus sentimentos, ela dizia que não devemos nos entregar a qualquer paixão, claro que ela sempre dizia que o amor existe mas ela não teve a sorte de conhecer, mas que diferente dela eu iria conhecer, mas não acredito, oque importa pra mim é a ONG, é livrar as meninas como eu e a rafa e a lets da violência, hoje em dia homem nenhum acredita em amor, pra eles mulheres são meros brinquedos sexuais que só servem para os  satisfazer, eu não sou um e nem vou ser, amar ? claro que não, meu coração não tem espaço pra isso.


Notas Finais


Resolvi dar um pequeno início na história por incentivo de familiares, minha tia leu mais da metade já, e ela achou bem intensa e real, diferente das outras eu só continuarei o próximo capítulo quando tiver 9 a 10 comentários.


Rafaela: Sophia Abrahão
Leticia: Isabele Drummond
Paula: Flávia Alessandra
Jamile: Lorena Improta ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...