História The Cursed Child - Primeira Temporada - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Aberforth Dumbledore, Alecto Carrow, Alice Longbottom, Alvo Dumbledore, Alvo Potter, Amycus Carrow, Angelina Johnson, Antíoco Peverell, Antonin Dolohov, Arabella Figg, Argo Filch, Ariana Dumbledore, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Augustus Rookwood, Avery (Marauder-era), Barão Sangrento, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Cadmo Peverell, Carlinhos Weasley, Cho Chang, Cornélio Fudge, Cuthbert Binns, Daphne Greengrass, Dobby, Dolores Umbridge, Dominique Weasley, Draco Malfoy, Duda Dursley, Evan Rosier, Fenrir Greyback, Fílio Flitwick, Fleur Delacour, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Gellert Grindelwald, Gilderoy Lockhart, Gina Weasley, Godric Gryffindor, Gregory Goyle, Grope, Gui Weasley, Gwenog Jones, Harry Potter, Helena Ravenclaw, Helga Hufflepuff, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Hugo Weasley, Ignoto Peverell, Jorge Weasley, Katie Bell, Kingsley Shacklebolt, Lilá Brown, Lílian Evans, Lílian L. Potter, Lorcan Scamander, Lord Voldemort, Louis Weasley, Lucius Malfoy, Lucy Weasley, Luna Lovegood, Lysander Scamander, Marcus Flint, Merlin, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Molly Weasley II, Mulciber, Mundungo Fletcher, Murta Que Geme, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Olívio Wood, Pansy Parkinson, Parvati Patil, Pedro Pettigrew, Percy Weasley, Personagens Originais, Petunia Dursley, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Rabastan Lestrange, Regulus Black, Rita Skeeter, Rodolfo Lestrange, Rolanda Hooch, Rolf Scamander, Ronald Weasley, Rose Weasley, Rowena Ravenclaw, Roxanne Weasley, Rúbeo Hagrid, Salazar Slytherin, Scorpius Malfoy, Severo Snape, Sibila Trelawney, Simas Finnigan, Sirius Black, Ted Lupin, Theodore Nott, Thorfinn Rowle, Tiago Potter, Tiago S. Potter, Victoire Weasley, Viktor Krum, Vincent Crabbe, Walburga Black, Walden Macnair, Yaxley, Zacharias Smith
Tags Amizade, Aventura, Corvinal, Fantasia, Godric Gryffindor, Grifinória, Harry Potter, Hogwarts, Nova Geração, Potter God, Romance, Rose Minerva Weasley, Rose Weasley, Scorpius Hyperion Malfoy, Scorpius Malfoy, Sonserina, Suspense
Exibições 74
Palavras 1.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, eu sei que ficou curto, mas foi o que deu para escrever nessa semana de provas, aproveitem!

Capítulo 2 - O Chamado


Fanfic / Fanfiction The Cursed Child - Primeira Temporada - Capítulo 2 - O Chamado

Albus sempre soube que sua vida iria ter grandes reviravoltas, pois sua mãe disse que essa era uma das coisas mais extraordinárias daquele ciclo, quando tudo que as pessoas conheciam começaram a mudar, quando elas se sentiam perdidas e tentadas a desistir, mas foi avisado por sua mãe que desistir não estava no seu sangue. O menino apenas apertou as mãos entre si, sentindo seu nervosismo aflorar. Depois que sua madrinha tinha sido nomeada Ministra da Magia, logo depois do falecimento de Kingsley Shacklebolt, seus pais não paravam de levar a ele e seus irmãos para as enormes e belíssimas festas da alta sociedade bruxa.

Ajeitou seus trajes a rigor, totalmente preto, inclusive a camisa social que ele achara estupenda. Os sapatos sociais lhe davam calos, mas, pelo menos, lhe deixava mais alto. Saiu do quarto com um envelope vermelho debaixo do braço, andou até o quarto de sua irmã caçula, Lily Luna, que prendia seu cabelo com uma presilha brilhante que havia ganhado de sua madrinha, Luna Lovegood.

– Já estamos atrasados – avisou Albus casualmente, mesmo mostrando o nervosismo. Sua irmã, desistindo da presilha, deixou os cabelos ruivos caírem sobre os ombros e prendeu apenas uma parte do cabelo, dando um sorriso vitorioso para si mesma. – James já está arrancando os cabelos de tanta impaciência que tem. – continuou o menino entregando as sapatilhas brancas que a irmã procurava pelo quarto e tentou pensar em mais alguma coisa para dizer. – Ah, mamãe está vestindo aquele vestido vermelho que você comprou com ela semana passada.

– Eu disse que ela realmente tinha gostado do vestido! – exclamou a caçula feliz, enquanto ajeitava o vestido de tom branco, solto e cheio de renda, orgulhosa da combinação e do jeito que seus cabelos estavam impecáveis. – Jamie é impaciente como o tio Ron. – acrescentou a menina de dez anos, pegando o garoto pela mão e saindo do quarto, cheia de si e com um sorriso largo e brilhante, que contagiava qualquer um. – E, Sev, é uma festa de aniversário, claro que o aniversariante e sua família deveriam chegar um pouco atrasados.

Albus riu, enquanto corria atrás de Lily, que abraçou a cintura da mãe ao chegarem na sala. Ginevra Weasley (agora Potter) estava retocando o batom quando sentiu o impacto da filha em seu corpo. Com os cabelos ruivos soltos e cheios de brilho, o vestido vermelho longo e colado na curvas, mas chegando a se soltar no final, com detalhes de renda, estava perfeito em si. Gina tinha que admitir, Lily sabia muito quando se tratava de moda, pois isso iria deixar sua cunhada, Fleur Delacour, de boca aberta.

– Olha aí a minha cenourinha! – exclamou Gina pegando a menina nos braços, com um pouco de esforço, já que Lily Luna crescia cada vez mais. Alvo riu e abraçou a cintura da mãe. Entre Harry e Gina, Alvo era mais íntimo da mãe, e o garoto não sabia dizer o por quê. Lily apenas abraçou a mãe de volta e riu acompanhada do irmão. – Só estava esperando por vocês, seu pai e seu irmão estão lá fora, impacientes.

– Com certeza Jamie está implorando para papai dar uma vassoura nova à ele! – sussurrou Lily, fazendo Albus dar um sorriso maroto. Era bem a cara do irmão, já que o mesmo tinha aprendido a voar na Escola de Magia e entrado no segundo ano como apanhador da Grifinória. Albus desejava ser como o pai, um grandioso apanhador e que todos o conhecessem por quem ele era, não apenas um dos filhos do herói mais aclamado da história bruxa.

Gina abriu a porta e deu de cara com James tentando pegar o Pomo de Ouro que seu pai havia ganhado há muitos anos, com um misto de euforia e desafio, porém, Harry foi mais rápido, agarrando e guardando no bolso do paletó, dando um sorriso de vitória e olhando para a porta, onde a esposa estava de braços cruzados tentando controlar Albus e Lily, que apenas riam e rodeavam o vestido da mãe, provavelmente brincando de pega-pega.

– Eu com os pestinhas e vocês dois brincando de pegar o maldito do Pomo! – resmungou Gina com um sorriso travesso. Ela foi até o marido, usando a varinha para acalmar Albus e Lily. – O portal vai partir em alguns minutos, soube por Fleur que Hermione já está perdendo os cabelos de tão nervosa.

– E olha que é a minha festa de aniversário. – murmurou Harry ajudando a esposa e descer das pequenas escadas do Lago Grimmauld, já que o vestido era um tanto desconfortável na questão de locomoção. O auror pediu para os filhos já irem em direção à uma parte do jardim, onde um urso de pelúcia estava parado, com sinais de que estava na hora. – Está deslumbrante!

– Agradeça à sua filha pelo vestido, ela realmente sabe das coisas. – falou Gina com um sorriso. Deu um selinho no marido e murmurou já sabendo de sua reação, mas querendo provocá-lo. – Imagino quando ela tiver um namorado, será um milhão de roupas, sabe que Lily adora sair e quando ela namorar vai querer vestir todo mundo…

– Namorado?! Ela só tem dez anos! – resmungou Harry incrédulo. Ele balançava a cabeça e murmurava pragas. Gina riu e levou-o até as crianças, que provocavam umas às outras sobre quem seria o melhor apanhador da família.  Harry olhou para Lily e disse: – Prometa-me que quando gostar de um menino só vai inventar de apresentá-lo quando tiver trinta anos!

Lily fez uma careta e deu de ombros, voltando-se para os irmãos, que riam de alguma coisa. Gina bateu no ombro de Harry e os dois seguraram na chave de portal, já sentindo um leve puxão e sendo arrastados para dentro do bichinho de pelúcia e começarem a girar. Albus nunca gostou de Chaves de Portal, sempre tinha vontade de vomitar logo depois. Depois, seu pai gritou para soltarem e o garoto apenas largou o objeto sem jeito, assim como os irmãos e os três caíram na frente de uma Cabine Telefônica vermelha em uma Londres vazia.

– Por que estamos na frente de uma cabine telefônica?! – exclamou James irritado. Ajeitou suas vestes enquanto se levantava, já que seus pais estavam de pé sorrindo travessos. – Argh, aposto que Tio Percy errou novamente na Chave!

– Não, seu burro, estamos no lugar certo! – retrucou Albus com um sorriso. Lily riu concordando com o irmão. – Pelo que vejo, alguém não sabe que só pode entrar no Ministério da Magia por Aparatação ou Pó de Flú. Para os desconhecidos, um meio de entrar é por essa Cabine, imagino eu.

– Isso prova o quanto Jamie estuda em Hogwarts. – brincou Lily maldosa. O menino deu língua para a irmã e bateu nas costas de Albus, zangado. Gina levou os três para a Cabine e discou os seguintes dígitos: 62442, o que rapidamente foi atendido por uma recepcionista, de voz fina e rápida, fazendo Lily rir.

Harry falou os nomes e rapidamente receberam cartões azuis, onde enfiaram dentro dos bolsos e sentiram a cabine telefônica dar uma guinada e começar a descer, para o subterrâneo. Albus pensou que aquilo era o meio mais inteligente de se esconder um sistema de governo que tinha dotes “não convencionais”. A cabine flutuava enquanto eles apareciam em um átrio, gigantesco, cheio de lareiras de coloração esverdeada e um monte de gente com vestidos mais brilhantes e mais valiosos que suas próprias casas.

– Feliz Aniversário, Harry! – exclamaram os presentes, erguendo as taças em direção ao menino-que-sobreviveu.

E Albus mal podia esperar para a noite mais estranha de toda a sua vida.

 

[...]

 

Depois de tanto apertar a mão dos presentes, tentando satisfazer a monstruosidade que chamava de mãe, Alice não poderia estar mais enjoada. Sentou em uma das cadeiras, desgostosa, querendo encontrar alguém interessante da sua idade para poder desabafar o quanto odiava o fato que aquele vestido rosa bebê que sua mãe a havia a forçado a usar estava apertado e o quanto ela queria devorar o bolo mais lindo que já havia visto - e o mais alto também. Alguém desabafou do seu lado, uma garota que ela tinha quase certeza que já tinha a visto em alguma loja do Beco Diagonal, acompanhada de uma amiga do seu pai. A menina era alta, mais alta que qualquer criança daquela festa, usava um vestido solto com babados, de cor claríssima e botas no lugar, estava de pernas e braços cruzados, possuía os cabelos bem arrumados em uma trança, Alice havia notado que os fios dela eram do mais profundo laranja, cheiravam a morangos e seus lábios eram rosados e a pele branca feito neve.

– Acho que já a vi em algum lugar. – arriscou Alice com um sorriso amarelo, aquela voz doce e sonhadora que seu pai dizia que era a mais bonita já tentando arrancar alguma reação da garota ruiva que estava totalmente dura na cadeira. – Você deve ser uma dos Weasley, não?

A menina não respondeu, apenas fechou os punhos e travou o maxilar, tentando comprimir a raiva que sentia. Alice sempre foi boa em observar as pessoas, mas aquela garota era quase que indecifrável, seus olhos, da cor do mais bonito céu elétrico, era um misto de intelecto e mistério, cheios de sentimentos contidos que Alice não sabia qual era. Alice pegou um cupcake da mesa e mordeu-o, sujando os lábios de cobertura. Já imaginando que iria ficar em uma conversa silenciosa com a garota desconhecida, logo se surpreendeu com a voz forte e com sotaque britânico fortíssimo, madura demais para ser de uma garota que deveria ter uns onze anos.

– O cabelo me entregou, hm? – brincou a garota ajeitando o vestido e pegando um pouco da cobertura do cupcake de Alice, já se entregando a uma futura conversa. Alice riu e afirmou com a cabeça, enquanto mastigava aquele cupcake delicioso. – Eu conheço você, estava na Floreios&Borrões com o amigo da minha mãe, Neville, não?

– Alice Longbottom, às suas ordens, ruiva. – brincou Alice fazendo a menina rir e pegar uma das bebidas que os Elfos traziam, era um suco de abóbora bem gelado, algo que fez Alice notar um dos hábitos da menina, que bebia vagarosamente, quase como se apreciasse cada coisa que provasse. – Eu aposto que você tem sobrenome Weasley, só para ter alguma informação sobre seu nome.

A ruiva riu e assentiu, bebericando um gole mais longo e um sorriso maravilhoso aparecendo.

– Sou Rose Weasley. Acho que já ouviu seus pais citarem meu nome, afinal, meu pai nunca para de falar de mim. – disse a garota se apresentando com um resmungo. Alice abriu um sorriso divertido, negando tal afirmação e arrancando outro sorriso mais simplório da garota que revirou os olhos, olhando para o teto como se tivesse visto uma raridade. – Bem, Alice, é um prazer te conhecer.

Alice estendeu a mão e Rose apertou-a, já sentindo algo embrulhar em seu estômago e uma voz falar em sua mente, como um sussurro:

“Venha”

[...]

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado e comentem!
O próximo vai demorar um pouco para sair, mas vai!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...