História The Cursed Twins - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Aberforth Dumbledore, Alastor Moody, Alecto Carrow, Alvo Dumbledore, Alvo Potter, Amycus Carrow, Andromeda Tonks, Angelina Johnson, Antonin Dolohov, Arabella Figg, Argo Filch, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Augustus Rookwood, Barão Sangrento, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Carlinhos Weasley, Cedrico Diggory, Cho Chang, Colin Creevey, Córmaco Mclaggen, Cornélio Fudge, Daphne Greengrass, Dênis Creevey, Dino Thomas, Dobby, Dolores Umbridge, Draco Malfoy, Duda Dursley, Ernesto Macmillan, Evan Rosier, Fenrir Greyback, Fílio Flitwick, Fleur Delacour, Fred Weasley, Gilderoy Lockhart, Gina Weasley, Grope, Gui Weasley, Harry Potter, Helena Ravenclaw, Hermione Granger, Hestia Carrow, Horácio Slughorn, Jorge Weasley, Katie Bell, Lilá Brown, Lílian Evans, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Marcus Flint, Mila Bulstrode, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Mundungo Fletcher, Murta Que Geme, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nymphadora Tonks, Olívio Wood, Pansy Parkinson, Parvati Patil, Pedro Pettigrew, Penélope Clearwater, Percy Weasley, Personagens Originais, Petunia Dursley, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Quirinus Quirrell, Remo Lupin, Rita Skeeter, Rodolfo Lestrange, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Sibila Trelawney, Simas Finnigan, Sirius Black, Theodore Nott, Tiago Potter, Tom Riddle Jr., Valter Dursley, Viktor Krum, Vincent Crabbe, Walden Macnair, Wilhelmina Grubbly-Plank, Yaxley, Zacharias Smith
Tags Draco Malfoy, Fred, Fred Weasley, Grifinória, Harry Potter, Jorge, Jorge Weasley, Livros, Personagens Originais, Sonserina
Exibições 109
Palavras 2.299
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Voltei né povo!
Eu postei capítulo ontem? Se sim, não me lembro, mas eu estou postando agora e é o que vale 😊💙

Capítulo 19 - Cuidado com o amor


Fanfic / Fanfiction The Cursed Twins - Capítulo 19 - Cuidado com o amor

Após as luzes voltarem, Draco voltou à sua cabine. O acontecimento fora traumatizante a todos, mas fora pior a Harry.

Do segundo ano para cima, todos foram pelas carruagens que se movimentavam sozinhas. Ao chegarem em Hogwarts, sentiram a mesma onda de euforia que nos anos seguintes.

No momento em que se sentaram em suas mesas, Draco cutucou as costas de Harry, que se virou.

- Você desmaiou, Potter? Longbottom está falando a verdade? Desmaiou mesmo, é?- perguntou o loiro, zombando da cara do moreno e fazendo imitação de um desmaio.

- Ha ha, muito engraçado.- disse Annabelle, secamente, enquanto puxava Harry para que se virasse de costas ao sonserino, então sussurrou.- Não dê ouvidos a ele. Draco chegou em nossa cabine morrendo de medo dos dementadores, parecia que teria uma ataque.

Harry deu um pequeno sorriso.

Dumbledore estava de pé, fazendo o silêncio reinar no local. Seus óculos meia-lua estavam apoiados em seu nariz torto e ele estava energético, como sempre.

- Sejam bem-vindos!- começou Dumbledore. - Sejam bem-vindos para mais um ano em Hogwarts! Tenho algumas coisas a dizer a todos, e uma delas é muito séria. Acho que é melhor tirá-la do caminho antes que vocês fiquem tontos com esse excelente banquete...

O diretor pigarreou e prosseguiu:

- Como vocês todos perceberam depois da busca que houve no Expresso de Hogwarts, a nossa escola passou a hospedar alguns dementadores de Azkaban, que vieram cumprir ordens do Ministério da Magia.

Por mais que conseguisse disfarçar bem, Annabelle notou que o diretor não estava nada satisfeito com a hospedagem dos seres deprimentes na escola. Na verdade, nenhum aluno parecera gostar.

- Eles estão postados em cada entrada da propriedade e, enquanto estiverem conosco, é preciso deixar muito claro que ninguém deve sair da escola sem permissão. Os dementadores não se deixam enganar por truques nem disfarces, nem mesmo por capas de invisibilidade.- acrescentou Dumbledore, os olhos faiscando em direção a Harry.- Não faz parte da natureza deles entender súplicas nem desculpas. Portanto, aviso a todos e a cada um em particular, para não darem a esses guardas razão para lhes fazerem mal. Apelo aos monitores, e ao nosso monitor e monitora chefes, para que se certifiquem de que nenhum aluno entre em conflito com os dementadores.

Novamente ele fez uma pausa, examinando o salão seriamente, nenhum aluno sequer movia um músculo. Então, voltou a falar:

- Agora, falando de coisas mais agradáveis, tenho o prazer de dar as boas-vindas a dois novos professores este ano. Primeiro, o Prof. Lupin, que teve a bondade de aceitar ocupar a vaga de professor de Defesa contra as Artes das Trevas.

O Salão Principal ecoou em palmas. O novo professor parecia humilde e simpático, com feições leves e roupas de segunda mão.

As gêmeas conheciam ele. Viram-no poucas vezes, mas sabiam que era amigo de seus pais e amigo de sua tia. Mas, depois da morte dos Potter e dos Thompkins, ele se afastou um pouco, aparecendo apenas de vez enquando.

Annabelle reparou nas feições de Snape enquanto o professor de Poções olhava para o novo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas. Seu olhar era mais que raiva, era desprezo.

- Quanto ao nosso segundo contratado.- continuou Dumbledore quando cessavam as palmas ao professor Lupin.- Bem, lamento informar que o Prof. Kettleburn, que ensinava Trato das Criaturas Mágicas, aposentou-se no fim do ano passado para poder aproveitar melhor os membros que ainda lhe restam. Contudo, tenho o prazer de informar que o seu cargo será preenchido por ninguém menos que Rúbeo Hagrid, que concordou em acrescentar essa responsabilidade docente às suas tarefas de guarda-caça.

Harry, Rony e Hermione foram os últimos a parar de aplaudir.

- Bem, acho que, de importante, é só o que tenho a dizer. Vamos à festa!

~...~

No dia seguinte, Annabelle se perdera algumas vezes, porém, finalmente, conseguiu achar sua sala de Adivinhação, na Torre Norte.

- Muitos bruxos e bruxas, embora talentosos para ruídos, cheiros e desaparecimentos instantâneos, permanecem, ainda assim, incapazes de penetrar nos mistérios do futuro.- a professora dizia, quando Annabelle abriu a porta da sala com violência acidental, surpreendendo os alunos.- Oh, sentira mesmo que faltava alguém aqui conosco neste momento.

Annabelle ficou um tanto assustada quando entrou na sala. Era uma mistura de um sótão com uma salinha de visitas da bisavó de alguém. A professora era esquelética e um tanto quanto encurvada, usava tantos braceletes e pulseiras em seus braços que eram impossíveis de se contar e um xale coberto por lantejoulas estava envolto sobre seus ombros.

Annabelle sentou-se em um pufe próximo à Rony. Então, a Prof Trelawney continuou a falar, a cada palavra, o cérebro de Annabelle voava para mais longe.

Seus pensamentos estavam no Expresso de Hogwarts, no momento em que Jorge segurou sua mão, para que parasse de tremer, então, pegou a laterna. Mas, ele não retirou a mão de lá por um bom tempo. Ela gostaria de saber se ele havia se esquecido de soltar sua mão ou, se ele continuou de propósito, pois gostava do toque, assim como ela.

-... Aliás, querida, tenha muito cuidado com o amor.- disse Sibila, tocando o ombro de Annabelle e a dando um susto.

- Mas o que...?- ela começou, desnorteada.

Será que além de vidente ela lê mentes? Pensou.

Então, ela explicou sobre o que os alunos aprenderiam, pediu a Neville que pegasse algumas xícaras e previu que ele quebraria a primeira em que tocasse. Não deu outra, a xícara espatifou-se no chão.

Annabelle realmente não prestava atenção. A sala fora dividida em duplas e eles começaram a analisar manchas em xícaras de chá, para que pudessem prever seus futuros. Enquanto analisava as manchas da xícara de Hermione, estava com os pensamentos em qualquer outra coisa.

Então, ela escutou um barulho de porcelana se partindo. Olhou para o lado, com o repentino susto, e viu que a professora estava parada ao lado de Harry e Rony, com a xícara espatifada no chão.

- Meu pobre garoto... Meu pobre garoto querido... Não... É mais caridoso não dizer... Não... Não me pergunte...

- Que foi, professora?- perguntou Dino Thomas no mesmo momento.

Todos se amontoaram para bisbilhotar a mesa de Harry.

- Meu querido... Você tem o Sinistro.

- O quê?- perguntou Harry confuso.

Dino estava intrigado, porém, os outros alunos soltaram uma alta exclamação e levaram as mãos à boca.

- O Sinistro, meu querido, o Sinistro!- exclamou a professora chocada. - O cão gigantesco e espectral que assombra os cemitérios! Meu querido menino, é um mau agouro, o pior de todos, agouro de morte!

O clima na sala de aula ficou tenso, a professora encerrou a aula e deu um último aviso, enquanto os alunos guardavam as xícaras.

- Até que tornemos a nos encontrar, que a sorte lhes seja favorável. Ah, e querido- disse apontando para Neville- você vai se atrasar da próxima vez, portanto trate de trabalhar muito para recuperar o tempo perdido.

Annabelle saiu apressadamente da sala, querendo ficar o mais longe possível da professora.

Cuidado com o amor... Cuidado com o amor... mas que droga significa isso? Pensava ela, enquanto andava até sua aula de Transfiguração.

~...~

As aulas de Estudo dos Trouxas eram uma droga. Era um tédio horrendo. Katerina desejava não ter feito "mamãe mandou" em suas matérias. Eles apenas aprendiam alguns métodos trouxas para resolver as coisas, ou os mostravam lavando a louça sem magia. Um verdadeiro saco.

- Vamos, andem depressa!- falou Hagrid quando os alunos da Sonserina e da Grifinória se aproximaram. Seria sua primeira aula de Trato de Criaturas Mágicas.

É claro que vai dar problema. Pensou Katerina.

- Tenho uma coisa ótima para vocês hoje! Vai ser uma grande aula! Estão todos aqui? Certo, então me acompanhem!

Katerina estava um tanto incerta, sabia que Hagrid gostava bastantes de animais perigosos. Era, sem dúvida, um amante dos animais nível XXXXX. (N/A: De acordo com o livro Animais Fantásticos e Onde Habitam, animais XXXXX são considerados perigosos e impossíveis de serem domesticados).

Ele os levou por volta da orla da Floresta Proibida. Em menos de minutos, estavam em uma espécie de picadeiro.

- Todos se agrupem em volta dessa cerca!- mandou o gigante.- Isso… Procurem garantir uma boa visibilidade… Agora, a primeira coisa que vão precisar fazer é abrir os livros…

- Como?- perguntou Draco Malfoy.

- Que foi?- perguntou Hagrid.

- Como é que vamos abrir os livros?- repetiu Katerina pelo amigo.

Ela rerirou seu exemplar do Livro Monstruoso dos Monstros, preso com uma enorme corda. Os outros alunos fizeram o mesmo, todos os livros estavam amarrados ou confinados à lugares muito pequenos.

- Será… Será que ninguém conseguiu abrir o livro?- perguntou Hagrid desapontado.

Todos negaram.

- Vocês têm que fazer carinho neles- falou o professor, como se isso fosse óbvio.- Olhem aqui…

Ele pegou o livro de Granger, rasgou a fita adesiva, e fez carinho nele. O livro estremeceu e abriu, inerte.

- Ah, mas que bobeira a nossa!- Draco disse ironicamente.- Devíamos ter feito carinho no livro! Como foi que não adivinhamos!

- Eu… Eu achei que eles eram engraçados.- disse Hagrid inseguro.

- Ah, nossa, engraçadíssimos!- comentou Draco.- Uma idéia realmente espirituosa, nos dar livros que tentam arrancar nossa mão.

- Cala a boca, Malfoy.- disse Harry baixinho.

- Draco tem razão.- retrucou Katerina, todos finalmente ficaram em silêncio novamente.

- Certo, então- prosseguiu Hagrid, tentando se lembrar do que estava falando.- … Então vocês já têm os livros e… E… Agora faltam as criaturas mágicas. É. Então vou buscá-las. Esperem um pouco…

Ele se afastou na direção da floresta e desapareceu de vista.

- Nossa, essa escola está indo para o brejo!- comentou Draco em voz alta.- Esse pateta dando aulas, meu pai vai ter um acesso quando eu contar…

- Cala a boca, Malfoy.- disse Harry novamente.

- Cuidado, Potter, tem um dementador atrás de você…

- Aaaaah!- gritou Lilá Brown, apontando para o lado oposto.

Então, alguns animais trotaram até eles. Possuíam um corpo de cavalo, do tronco para baixo, mas, para cima, possuíam corpo de águia. Estavam sendo levados por uma longa corrente, segurada por Hagrid. No momento que os viu, Katerina quase gritou, mas não de medo e sim, entusiasmo.

Seu sonho era conhecer um hipogrifo.

- Upa! Upa! AÍ!- gritou Hagrid, puxando as correntes, para que os animais diminuíssem a velocidade.

Todos recuaram, instintivamente, quando Hagrid chegou bem perto e amarrou os bichos na cerca.

- Hipogrifos!- anunciou Hagrid entusiasmado.- Lindos, não acham?

Mas é claro que sim. Pensou Katerina. São hipogrifos.

- Então- disse Hagrid sorrindo- , se vocês quiserem chegar mais perto…

Ninguém pareceu querer. Além de Katerina, é claro. Essa se aproximou o máximo que podia da cerca. Annabelle, Harry, Rony e Hermione, também se aproximaram, porém, cautelosamente.

- Agora, a primeira coisa que vocês precisam saber sobre os hipogrifos é que são orgulhosos.- explicou Hagrid.- Se ofendem com facilidade, os hipogrifos. Nunca insultem um bicho desses, porque pode ser a última coisa que vão fazer na vida. Vocês sempre esperam o hipogrifo fazer o primeiro movimento. É uma questão de cortesia, entendem? Vocês vão até eles, fazem uma reverência e aí esperam. Se o bicho retribuir o cumprimento, vocês podem tocar nele. Se não retribuir, então saiam de perto bem depressinha, porque essas garras machucam feio. Certo, quem quer ser o primeiro?

Em resposta, a maioria dos alunos recuou. Até Harry, Rony e Hermione estavam apreensivos.

Katerina estava vidrada demais nos bichos para prestar atenção.

- Ninguém?- disse Hagrid, num tom suplicante.

- Eu vou.- disse Harry.

- Aaah, não, Harry, lembra das folhas de chá!- disseram Lilá e Parvati.

Folhas de chá? Pensou Katerina

Ela olhou à Annabelle, que parecia ter se lembrado de algo.

- Tenho que te falar algo.- a outra gêmea moveu os lábios.

- Okay.- Katerina disse, do msmo modo.- No fim da aula.

Annabelle concordou com a cabeça e Katerina voltou sua atenção aos bichos.

- Era seu sonho ver um, não era?- perguntou Daphne.- Lembro-me de quando contou a mim, no dormitório.

- Sim, sempre foi meu sonho ver um hipogrifo.- concordou Katerina, sorrindo.

Elas voltaram o olhar aos hipogrifos, Harry se curvava perante um, esperando receber seu respeito.

O hipogrifo nem se mexeu.

- Ah- exclamou Hagrid preocupado.- Certo… Recue, agora, Harry, devagarinho…

Nesse momento, o hipogrifo se curvou, devolvendo a reverência.

- Muito bem, Harry!- aplaudiu Hagrid.- Certo… Pode tocá-lo! Acaricie o bico dele, vamos!

Harry acariciou o bico do animal. Naquele momento Katerina desejava estar em seu lugar.

Imagina? Tocar em um hipogrifo?

A turma inteira aplaudiu, menos Draco e seus gorilas.

- Certo então, Harry- falou Hagrid.- Acho que ele até deixaria você montar nele!

Harry montou no bicho, após receber as instruções de Hagrid.

Instantes depois, as asas gigantescas do animal se abriram. Sem mais nem menos, o hipogrifo levantou vôo, com Harry junto.

Ao voltar, com os cabelos mais bagunçados que o normal, Harry foi aplaudido por Hagrid e pela turma.

- Bom trabalho, Harry!- berrou Hagrid.- Muito bem, quem mais quer experimentar?

Katerina foi a primeira a pular a cerca do picadeiro, enquanto os outros alunos faziam o mesmo atrás dela. Hagrid soltou os hipogrifos, um a um, os alunos se dividiram em trios e em duplas.

Katerina ficou junto à Annabelle e Daphne.

Katerina foi primeiro, fazendo todos os procedimentos, em menos de minutos já acariciava o bico do animal, extasiada. Annabelle e Daphne fizeram o mesmo em seguida.

- Isso é moleza - disse Draco, acariciando o bico do animal com desdém.- Só podia ser, se o Potter conseguiu fazer.. Aposto que você não tem nada de perigoso, tem?- disse ao hipogrifo.- Tem, seu brutamontes feioso?

- Draco, não...- começou Katerina, sabendo o que aconteceria a seguir.

Num rápido movimento, as garras de aço cortaram Draco, que estava no chão, com o sangue começando a se espalhar pelo tecido negro de suas vestes.

- Estou morrendo!- gritava o Malfoy enquanto a turma toda entrava em pânico. -Estou morrendo, olhem só para mim! Ele me matou!

- Você não está morrendo!- disse Hagrid muito pálido.- Alguém me ajude… Preciso tirar ele daqui…

Hermione abriu os portões para que Hagrid passasse, enquanto corria apressadamente até o castelo, carregando Draco, que pingava sangue pelo gramado.

Katerina correu atrás dele. Tinha o esporro perfeito preparado em sua mente, mas naquele momento só tinha uma coisa em sua mente: Garantir que Draco ficasse bem para que houvesse um Draco com quem brigar mais tarde.


Notas Finais


E aí? O que acharam amores? Gostaram? Odiaram?
No próximo capítulo de The Cursed Twins: Katerina discute com Madame Pomfrey. As gêmeas têm sua primeira aula com Lupin.

Ahh, eu gostaria de fazer uma brincadeira:
Vocês vão colocar nos comentários um palpite de qual bicho papão acham que é o delas (são diferentes)!
Quem acertar pelo menos o medo de uma terá direito a um spoiler leve e saudável
Bjs da Rainha da Bad 😚👑♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...