História The Cursed Twins - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Aberforth Dumbledore, Alastor Moody, Alecto Carrow, Alvo Dumbledore, Alvo Potter, Amycus Carrow, Andromeda Tonks, Angelina Johnson, Antonin Dolohov, Arabella Figg, Argo Filch, Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Augustus Rookwood, Barão Sangrento, Bellatrix Lestrange, Blásio Zabini, Carlinhos Weasley, Cedrico Diggory, Cho Chang, Colin Creevey, Córmaco Mclaggen, Cornélio Fudge, Daphne Greengrass, Dênis Creevey, Dino Thomas, Dobby, Dolores Umbridge, Draco Malfoy, Duda Dursley, Ernesto Macmillan, Evan Rosier, Fenrir Greyback, Fílio Flitwick, Fleur Delacour, Fred Weasley, Gilderoy Lockhart, Gina Weasley, Grope, Gui Weasley, Harry Potter, Helena Ravenclaw, Hermione Granger, Hestia Carrow, Horácio Slughorn, Jorge Weasley, Katie Bell, Lilá Brown, Lílian Evans, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Luna Lovegood, Marcus Flint, Mila Bulstrode, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Mundungo Fletcher, Murta Que Geme, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nymphadora Tonks, Olívio Wood, Pansy Parkinson, Parvati Patil, Pedro Pettigrew, Penélope Clearwater, Percy Weasley, Personagens Originais, Petunia Dursley, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Quirinus Quirrell, Remo Lupin, Rita Skeeter, Rodolfo Lestrange, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Sibila Trelawney, Simas Finnigan, Sirius Black, Theodore Nott, Tiago Potter, Tom Riddle Jr., Valter Dursley, Viktor Krum, Vincent Crabbe, Walden Macnair, Wilhelmina Grubbly-Plank, Yaxley, Zacharias Smith
Tags Draco Malfoy, Fred, Fred Weasley, Grifinória, Harry Potter, Jorge, Jorge Weasley, Livros, Personagens Originais, Sonserina
Exibições 105
Palavras 1.597
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Cheguei
Bem, nesse capítulo, você vão querer me abraçar (acho)
É meio que um pedido de desculpa pelas merdas que fiz (e farei)
Muito obrigada pelos 78 favoritos, de verdade <33
Já já chegamos em 80 (finge que tem uns emojis de fogos aqui) \o/\o/\o/\o/

Capítulo 22 - Isso nunca aconteceu


Fanfic / Fanfiction The Cursed Twins - Capítulo 22 - Isso nunca aconteceu

— Vocês se beijaram? — exclamou Katerina, assim que Annabelle a contou sobre o acontecimento, ao chegarem a Hogwarts.

— Ei, não faz escarcéu que eu nem comentei sobre o seu beijo com o Cedrico. — falou Annabelle.

— Eu não acredito nisso. — comentou Katerina. — Conheço gente que não ficará nada feliz com isso.

— Ah, é? — perguntou Annabelle. — Quem?

— Jorge, né? Dãh!

— Há, mas é claro que não! — falou Annabelle. — Jorge está mais ocupado com as garotas do quinto ano para se preocupar com isso.

— Ah, querida, acredite em mim. — falou Katerina rindo.

O jantar de Dia das Bruxas ocorreu de forma normal, Córmaco insistia em manter o olhar fixado em Annabelle, que corava e puxava assunto com Harry e Rony, para fugir de seu olhar.

Já Katerina sentou-se o mais longe possível de Draco, ignorando-o por completo.

Todo ano é a mesma coisa. Pensou. Todo ano brigamos sempre por algo estúpido. E é claro que na maioria das vezes a culpa é dele.

Mas é claro que o Dia das Bruxas não teria um fim normal. Os alunos de todas as casas foram convocados ao Salão Comunal, pois Sirius Black destruíra o quadro da Mulher Gorda pois ela não o deixou entrar na Torre da Grifinória.

— Os professores e eu precisamos fazer uma busca meticulosa no castelo — disse Dumbledore, enquanto os outros professores fechavam as portas. — Receio que, para sua própria segurança, vocês terão que passar a noite aqui. Quero que os monitores montem guarda nas saídas para o saguão e vou encarregar o monitor e a monitora chefes de cuidarem disso. Eles devem me informar imediatamente qualquer perturbação que haja, mande um dos fantasmas me avisar. Ah, sim, vocês vão precisar…

Com um gesto da varinha, as mesas se moveram para junto das paredes e o chão ficou coberto por sacos de dormir de cor roxa.

— Durmam bem — disse Dumbledore, fechando a porta ao passar.

O salão começou a borbulhar com conversas.

— Todos dentro dos sacos de dormir! — gritou Percy. — Andem logo e chega de conversa! As luzes vão ser apagadas dentro de dez minutos!

Katerina deitou-se ao lado de Daphne e logo, um energúmeno deitou-se ao seu lado.

— Ótimo, agora tenho um encosto. — falou revirando os olhos enquanto via a cabeleira loira prateada ao seu lado.

— Nem reclama que aqui foi o único lugar que achei. — reclamou o garoto.

— Deve ter uns sete colchões vazios para lá. — Katerina apontou o lado oposto.

— Eu não quero ficar perto dos grifinórios.

— Ah, quer saber? Nem sei por que estou falando contigo. — ela exclamou, virou-se de costas e tentou dormir, tentando ignorar o fato de que havia um Malfoy deitado atrás dela.

E que ela sentia seu olhar atrás de si.

~...~

Nos dias seguintes, estavam todos de volta à suas respectivas Salas Comunais. Cada teoria era mais absurda que a outra, uma lufana dizia que Black era capaz de se transformar em um arbusto.

Fumar ervas da aula de Herbologia dá nisso. Pensou Katerina.

Katerina encontrava-se em um período muito irritadiço — e não era TPM — pois aquele McLaggen estúpido havia tomado toda a atenção de sua irmã, e o ciúmes que sentia da irmã era incomparável. Além disso, tinha de aturar Jorge praguejando pelos cantos, com Fred rindo e chamando-o de Caso Perdido. E é claro, o maior motivo de sua ira:

Draco Malfoy

Não adiantava para onde ia, ele estava lá com a Pansy Buldogue. Mesmo que ela tentasse evitá-lo, ele não saía de sua cabeça e ela só queria conversar com ele normalmente.

Mas seu orgulho nunca deixaria.

Ao chegar na aula de Defesa Contra as Artes das Trevas, notou que  quem estava na sala não era Lupin e sim, Snape.

Sentou-se em uma carteira vazia, ao lado de Daphne.

— Você está com uma cara de morte. — a amiga comentou.

— Acho que não notou, mas essa é a minha cara constante. — comentou Katerina.

Harry chegou correndo, atrasado. Snape ralhou com ele e, é claro, tirou pontos da Grifinória.

— Como eu ia dizendo antes de ser interrompido por Potter, o Profº. Lupin não registrou os tópicos que já abordou até hoje…

— Professor, por favor, já estudamos os bichos-papões, os barretes vermelhos, os kappas e os grindylows — informou Granger, fazendo Katerina revirar os olhos. Incomodava-se apenas com a voz da garota. —, e íamos começar…

— Fique calada — disse Snape friamente. — Não lhe pedi informação, estava apenas comentando a falta de organização do Profº. Lupin.

Como eu adoro esse professor. Pensou Katerina, controlando-se para não rir.

Snape disse algumas coisas sobre o professor Lupin, com as quais Katerina não concordava. Então, pediu para que os alunos abrissem no último capítulo do livro, na página em que falavam sobre lobisomens.

Snape seu pilantra! Pensou Katerina. Ele deve saber sobre Lupin, é claro. Por qual outro motivo mandaria os alunos para um capítulo mais à frente?

— Mas, professor — protestou Hermione. —, não podemos estudar Lobisomens ainda, vamos começar os hinkypunks…

— Srta. Granger — disse Snape com a voz lenta e calma. —, eu tinha a impressão de que era eu que estava dando a aula e não a senhorita. E estou mandando todos abrirem a página 394 do livro. Todos Agora!

E, novamente, Katerina segurou-se para não rir, assim como os outros alunos da Sonserina.

— Qual de vocês sabe me dizer como é que se distingue um Lobisomen de um lobo verdadeiro? — perguntou Snape. — Alguém sabe? — insistiu Snape. — Vocês estão me dizendo que o Profº. Lupin sequer ensinou a vocês a diferença básica entre…

Katerina sabia a resposta, mas não se daria ao trabalho de ficar com a mão erguida como a idiota da Granger.

— Nós já lhe informamos — interrompeu-o Parvati. —, ainda não chegamos aos Lobisomens, ainda estamos…

— Silêncio! — mandou Snape. — Ora, ora, ora, nunca pensei que um dia encontraria uma turma de terceiro ano que não soubesse reconhecer um Lobisomen quando o visse. Vou fazer questão de informar ao Profº. Dumbledore como vocês estão atrasados…

— Professor, por favor — Hermione insistiu. —, o Lobisomen se diferencia do lobo verdadeiro por pequenos detalhes. O focinho do Lobisomen…

— Esta é a segunda vez que a senhorita fala sem ser convidada — disse Snape friamente. — Menos cinco pontos para Grifinória por ser uma intragável sabe-tudo.

Os alunos da Sonserina não se seguraram dessa vez, desandaram a rir. A cara que Granger fez fora a melhor, ela estava tão vermelha quanto Neville e parecia prestes a chorar.

Dramática. Pensou Katerina.

— O senhor nos fez uma pergunta e Hermione sabe a resposta! — disse Rony em voz alta. —  Por que perguntou se não queria que ninguém respondesse?

A turma percebeu instantaneamente que o colega fora longe demais. Snape caminhou até Rony lentamente, e a sala prendeu a respiração.

— Detenção, Weasley — disse Snape suavemente. — e se algum dia eu o ouvir criticar o meu modo de ensinar outra vez, o senhor vai realmente se arrepender. — então virou-se para o resto da sala. — Tenho certeza que há pelo menos algum aluno de minha casa que sabe a resposta e não quer se mostrar, como a Srta Granger... Que tal a Srta Thompkins.

Esse cara gosta de incitar uma briga, né? Pensou Katerina.

— Como a Granja... Opa, Granger dizia — os sonserinos riram alto. — Eles possuem o focinho achatado e patas longas, já os lobos possuem o focinho comprido e pernas mais curtas.

É claro que Katerina não concordava quando o professor dizia que Lupin era péssimo de ensino, mas nada alimentava mais seu ego, do que mostrar à Granger Sabe-tudo que ela não é a toda toda.

— Pelo menos essa turma não é um completo desperdício. — comentou Snape.

Ele deu sua aula sobre os lobisomens e entregou os trabalhos. Annabelle e Katerina se saíram muito bem, ambas tiraram 10.

~...~

Já era madrugada, Katerina estava deitada  no enorme sofá da Sala Comunal da Sonserina, enquanto lia um livro de romance bruxo.

— Kat? — disse uma voz conhecida e arrastada atrás dela, fazendo com que ela revirasse os olhos.

— O que é, Malfoy? — perguntou com desdém.

— Agora é Malfoy? — ele perguntou.

— Agora é Kat? — perguntou no mesmo tom.

— Por que é sempre assim? — ele perguntou.

— O que? — perguntou Katerina. — Você faz babaquice e depois vem correndo atrás da minha pessoa para tentar reparar?

— Não, eu quero saber por que é que brigamos e depois você fica dando uma de orgulhosa. — Draco despejou.

Katerina respirou fundo, deixou seu livro em cima do sofá.

— Me fazendo de orgulhosa? — perguntou, irritada. — Você acha certo me chamar de prostituta?

— Não foi bem assim...

— Você acha certo deixar de falar comigo, sua melhor amiga, por causa de um maldito beijo?

— Não, mas...

— Você acha certo ficar grudado naquela cadela só para ‘’preencher’’ o meu lugar de melhor amiga?

— Não Kat, eu...

— Ou então ficar....

— Katerina Stone Thompkins, vai me deixar falar ou está difícil? — exclamou ele, chamando a atenção da garota, que nunca havia sido chamada pelo nome completo por ele.

— Fala.

— Entenda meu lado. Você acha certo ficar me evitando? E... Francamente, um lufano Kat? Um lufano?

— Pelo menos ele me beijou, que é algo que você nunca teve coragem de fazer. — ela despejou em cima dele.

— Ah é?

Fora muito rápido, quando Katerina se deu por si, já havia sido puxada por Draco para um beijo. E ela retrbiuía.

Eles se separaram.

— I-Isso n-nunca a-aconteceu. — falou Katerina, paralisada e foi apressadamente até seu quarto.

Eu não acredito que fiz isso. Draco pensou, pasmo. Eu não acredito que beijei Katerina Thompkins, minha melhor amiga.

Enquanto isso, no dormitório feminino, Katerina tentou não fazer barulho algum e se jogou na cama.

Draco Malfoy me beijou. Pensou, ainda surpresa. Não, ele não beijou. A partir de agora esse beijo nunca existiu.

Nunquinha.


Notas Finais


E então? Taquei a bomba e vocês e saí correndo, porque sou dessas!
No próximo capítulo de The Cursed Twins: Annabelle e Córmaco ficam cada vez mais próximos. Harry ganha o mapa do maroto. Confissões são feitas... em uma madrugada.
Bjs da Rainha da Bad <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...