História The dark side of red - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Cindy Kimberly, Criminal, Gangster, Justin Bieber
Visualizações 130
Palavras 3.885
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Escolar, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois de um tempinho eu volteii!

Capítulo 10 - You're so fucked up, Natália.


Fanfic / Fanfiction The dark side of red - Capítulo 10 - You're so fucked up, Natália.

De: Justin

 

Vou para uma boate, na verdade tô até atrasado. Depois a gente se fala, beijo!

 

Ele simplesmente acabou de sair daqui e vai pra uma boate, sério que aquele nosso momento não significou nada pra ele? Claro que não sua burra, se ele gostasse de você teria feito igual o Ryan fez com a Lilly, assumiria

 

Levantei irritada com os meus pensamentos, fui até o closet e arrumei tudo que estava caído devido a… não quero nem lembrar! Amanhã eu tenho aula e iria falar com o Luke, fiquei bastante mal pela forma que ele me tratou e eu merecia uma chance de me explicar. Finalmente fui deitar e logo minha cabeça começou a lotar de pensamentos, o cheiro de Justin estava impregnado ali, e olha que eu já tinha trocado os lençóis. Droga! Quando finalmente estava conseguindo dormir escutei meu celular vibrar

 

De: Justin

 

Acabei de chegar, tá acordada? Queria te ver.

 

Juro que tentei não sorrir ao ler aquilo, Justin só podia estar muito bêbado pra me enviar uma mensagem dessas a essa hora. Mas não, eu não iria me iludir assim tão fácil! Coloquei o celular de volta na mesinha e voltei a me cobrir, difícil vai ser dormir depois de uma mensagem dessas

 

{..}

 

-Aí ele me mandou uma mensagem às 3 da manhã, dá pra acreditar nisso? Acho que ele tava bêbado- terminei de contar toda a história para a Lilly, mas diferente do que eu esperava ela estava séria -O que foi?- perguntei sem entender

 

-Eu estava na boate ontem, Natália. Era isso que eu tentei te dizer desde que você começou a falar- falou ainda séria

 

-E o que aconteceu lá?- perguntei curiosa

 

-Olha… eu não quero te ver magoada, mas o Luke estava certo, Justin não é garoto pra você- ela media as palavras enquanto eu a olhava com atenção

 

-Ele ficou com outras?- perguntei e ela assentiu cautelosa

 

-Desculpa- falou triste e eu sorri fraco

 

-Por mais que isso doa um pouquinho- fiz o gesto com a mão -Eu e Justin não temos nada Lilly, você mais que ninguém deveria entender isso, e da próxima vez, ele vai me ver com outro pra perceber que eu também sou capaz de...-ela me olhou estranho e rapidamente me interrompeu

 

-Natália, não tente fazer o que eu fiz com o Ryan, isso não combina com você- me repreendeu na mesma hora -Sei que você sente algo por Justin, e tentar provocá-lo ficando com outros só vai fazer você machucar a si mesma- é, Lilly tinha razão, nem se eu quisesse eu conseguiria beijar a boca de outro só pra provocar alguém, bufei com aquilo e voltei a prestar atenção na aula. O Luke não veio hoje então eu teria que esperar até amanhã, se Justin tentasse falar comigo hoje eu iria falar a verdade e pedir pra ele se decidir, ficar no meio termo não dá




 

Dei todas as chances para Justin se comunicar comigo ontem e adivinhem? Ele não falou! Todo esse tempo isso tudo era atrás de uma só coisa, sexo. Me doía acreditar que eu poderia ter sido um pouco a mais que isso pra ele, mas a verdade é essa né. E ela machuca.

 

Estava andando em direção ao Luke e meu coração acelerava a cada passo, ele só quis me proteger todo esse tempo pois sabia o tipo de homem que Justin é, e a boba aqui? Não deu ouvidos em nenhum momento

 

-Luke- o chamei cautelosa, ele virou a cabeça para mim mas percebi desprezo em seu olhar -Você sabe que precisamos conversar- cruzei os braços ainda o encarando e percebi os meninos que estavam com ele observarem tudo

 

-Eu não tenho nada pra falar com você- foi super grosso, respirei fundo e permaneci na mesma posição

 

-Você tem quantos anos? 5? Pare de infantilidade- disse e ele riu irônico

 

-Eu te avisei Natália, agora você vai sofrer as consequências- por que ele estava agindo dessa maneira? Não era pra tanto

 

-Como você mesmo disse: eu não te devo satisfações. Então por que se importa tanto?- perguntei

 

-Você acha que eu me importo?- riu -Quero mais é que se foda, você foi burra em acreditar nas palavras dele, você é burra- ok, aquilo doeu, eu estava sem chão, meus olhos marejaram e eu não sabia mais o que fazer

 

-Fala com ela assim de novo e eu acabo contigo- olhei pra trás e vi Justin se aproximando de nós, todos olhavam curiosos

 

-Acha que eu tenho medo de você, Bieber?- Luke riu e seus amigos o acompanharam, isso vai dar merda

 

-O que você está fazendo aqui?- entrei na frente dele quando o vi se irritar com as palavras de Luke

 

-O dono dela chegou- Tyler gritou e os outros meninos riram, Luke permanecia sério encarando o Justin. Eu estava sendo humilhada em público. Senti os músculos de Justin se contraírem

 

-Por favor não faz isso, eles estão em maioria- o impedi de avançar colocando toda minha força contra o corpo dele, Justin tinha o castanho dos seus olhos escuros de raiva. Eu já estava perdendo as forças quando finalmente ele me olhou e me puxou para sair dali

 

-Lá vai a cachorrinha, obedecendo todas as ordens do dono- aquilo já estava saindo do controle, todos aqueles garotos sabiam sobre mim e Justin? Ele virou com tanta brutalidade e rapidez que eu não tive nem tempo de raciocinar, Justin foi pra cima do garoto que tinha falado aquilo enquanto eu continuava intacta, ouvi bastante barulho e gritaria, engoli em seco e me virei para eles

 

-PARA COM ESSA PORRA JUSTIN- Luke gritava freneticamente, Justin estava esmurrando o garoto sem controle, eu nunca havia o visto assim antes. Mais dois garotos se juntaram para tentar tirá-lo de cima do que estava apanhando, finalmente conseguiram, mas não era o bastante para Bieber, quando percebi que ele novamente ia avançar corri até lá entrando na frente

 

-Sai da minha frente agora, Natália- sua respiração estava ofegante e ele tentou não me olhar, mas eu o forcei a encarar meu olhos

 

-Você me disse naquela noite que não era perigoso, que jamais seria, por mais que possa ter sido da boca pra fora, me deixe pelo menos acreditar nisso- implorei, aos poucos o seu peito foi subindo e descendo mais devagar e ele estava mais calmo, quando caiu na real de toda aquela confusão fechou os olhos passando as mãos no cabelo

 

-Vocês vão se arrepender disso tudo- foi a última coisa que disse para os garotos e nós saímos dali, Justin tinha acabado de mostrar um lado dele que francamente, eu não gostei nada de conhecer

 

Entramos em seu carro e eu mal consegui colocar o cinto quando ele pisou fundo no acelerador, notei que a mão do Justin estava machucada pela intensidade que ele bateu no garoto, virei minha cabeça para a janela angustiada com tudo aquilo

 

-Porra Natália, você devia ter deixado eu terminar o que comecei- me assustei com o murro que ele deu no volante, sua atenção veio para mim e ele percebeu que eu estava assustada -Seu pescoço tá melhor?- Justin tentou me tocar, mas nesse momento eu estava sentindo medo dele, me encolhi no banco e percebi que ele ficou atormentado com o meu ato, estávamos passando por uma rua deserta quando ele simplesmente parou o carro no meio da pista

 

-Eu só quero ir pra casa- apoiei minhas não no joelho e cobri o rosto com as mesmas

 

-Eu não queria que você tivesse me visto naquele estado- novamente voltou a falar -Natália, aqueles caras estavam falando…- antes que ele pudesse terminar eu explodi

 

-Estavam falando a verdade, Justin. Não é isso que sou pra você? Só mais uma?- senti algumas lágrimas escorrendo e ele me olhava sem saber o que fazer

 

-O que? Não- falou rápido -Não deixe que eles façam a sua cabeça- sua mão veio até meu rosto

 

-Não são eles que estão fazendo minha cabeça, é você- passou o dedo em uma das lágrimas que escorria, uma de suas mãos puxou meu corpo para mais perto dele

 

-Já vi que vou ter que tirar mais fotos engraçadas pra melhorar o seu humor- ele tinha os olhos fissurados em minha boca, ri com aquilo e Justin deu um sorriso lindo -Agora sim, bem mais linda- esbarrou os lábios no meu e nós começamos um beijo calmo

 

-Eu falei sério quando disse que precisava ir para casa- o afastei um pouco

 

-Você não disse que precisava ir pra casa, você disse que queria ir pra casa. E eu estou quase mudando isso- falou com um sorriso divertido ainda muito perto do meu rosto

 

-E por culpa sua eu estou de castigo por uma semana, então eu preciso ir- destaquei e ele riu se ajeitando na cadeira e dando partida no carro

 

-Por culpa minha?- se fez de inocente dirigindo

 

-Sim, meus pais quase me mataram depois do dia do parque- cruzei os braços, Justin veio até minha barriga e começou a fazer cócegas -Paraaa- gritei enquanto ria e ele parou rindo de mim. O resto do caminho foi totalmente diferente de como começou, eu e ele cantávamos músicas aleatórias enquanto eu morria de rir com suas palhaçadas

 

-Está entregue- disse parando em frente a minha casa, já ia me preparar pra sair, mas ele voltou a falar -Quero te levar a um lugar hoje a noite, esteja pronta às 21h- eu o olhei com uma cara estranha

 

-Você não ouviu quando eu disse que estou de castigo?- perguntei

 

-Pra isso que existe sua janela- o que?

 

-Tá pensando que eu vou sair escondida? Não mesm…- Justin me calou com um beijo, o interrompi e ele me olhou com aquela cara de quem sempre ganha tudo, revirei os olhos e saí dali, é cada ideia louca que esse garoto tem.

 

O resto da minha tarde foi um tédio, eu não sabia se Justin tinha falado sério em relação a sairmos hoje a noite, mas se isso fosse acontecer eu teria que bolar um plano muito bom pra sair escondida, perai é sério que eu estou cogitando essa ideia? Eu nunca saí escondida nem da minha casa no Brasil e vou fazer isso pela primeira vez no meu intercâmbio? Escutei meu telefone tocar, peguei-o e atendi quando vi o nome do Justin

 

Ligação on

 

-Espero que já esteja se arrumando- ele disse com uma voz extremamente rouca, olhei no relógio e eram 20:05h

 

-Justin…- falei fechando os olhos, como vou negar sair com ele? -Eu não vou e você sabe disso- escutei uma risada gostosa do outro lado

 

-Sei?- perguntou -Poxa, vai me dizer que eu passei quase uma hora bolando um plano pra você passar pelos seguranças à toa?- sua voz soou triste, respirei fundo tentando não me deixar ser vencida -E a nossa noite… ia ser muito legal- ok agora você está me provocando, iria ser um encontro?

 

-Tudo bem, eu vou- falei rápido e ele riu -Qual o plano?- perguntei curiosa, Justin começou a explicar e aquilo era muita loucura, sério que vou mesmo fazer isso?

 

-Te vejo em uma hora- se despediu e antes que ele pudesse desligar eu voltei a falar

 

-Só mais uma coisinha, para onde vamos? Preciso saber que roupa colocar- expliquei

 

-Você acha mesmo que vou estragar a surpresa?- foi tudo que ele disse antes de desligar na minha cara, mereço

 

Ligação off

 

Joguei meu celular na cama e entrei no closet, e agora? Que roupa eu visto? Tomei um banho rápido e quando percebi só faltavam 20 minutos para Justin chegar, droga. Entrei rapidamente no closet, coloquei uma saia preta colada e uma blusa com decote, não ficou tão vulgar, peguei uma sapatilha e calcei, é...estava bom. Entrei no banheiro e fiz uma maquiagem simples, optei por um batom nude e estava pronta, fui até a cama e na mesma hora chegou mensagem do Justin

 

De: Justin

 

Pronta?

 

Para: Justin

 

A muito tempo

 

(mentira)

 

Fui até a janela e o vi do lado de fora do seu carro, ele deu um sorrisinho quando me viu e entrou no mesmo, outros dois carros chegaram e pararam ao lado do de Justin, aquilo era parte do plano. Abri a janela com cuidado e olhei os seguranças, eles continuavam lá, os carros começaram a fazer barulho e chamar a atenção deles, um estava dando cavalo de pau, outro estava fritando os pneus no asfalto... esses meninos são loucos? Quando percebi que os seguranças foram ver o que era aquilo eu saltei, com cuidado, para o chão, a minha janela tinha no máximo 1 metro e meio de altura, então foi fácil. Pular o muro era a parte difícil, mas com um pouco de esforço eu consegui, quando cheguei ao outro lado andei até o local combinado e lá estavam eles

 

-Eu já disse que vocês são doidos?- perguntei me aproximando, Bieber estava escorado em seu carro me observando enquanto Ryan, Chaz e Chris riam do que acabaram de fazer

 

-Você tá me devendo uma, Drew, eles quase pegaram a placa do meu bebezinho- Chaz dramatizou e eu ri

 

-Agora vocês já podem ir embora cuzões- Justin falou com humor

 

-Qual é cara, cadê o agradecimento?- Chris perguntou ofendido e tudo que eles receberam foi um dedo do meio do Justin, os meninos foram embora e eu entrei no carro

 

-Já pode me dizer para onde vamos?- perguntei curiosa quebrando o silêncio

 

-Pra uma festa que não é- me olhou de relance e eu ri envergonhada

 

-Você não quis dizer o tipo de ocasião então eu tive que colocar no google: roupas para sair com o crush- ele riu enquanto me ouvia falar

 

-Então quer dizer que você tem um crush em mim?- desviou a atenção da pista e me olhou, Justin tinha um olhar intenso, algo que fazia com que eu me derretesse… como se pudesse ler todos os meus pensamentos

 

-O que? Não, só coloquei essa pra não me atrasar- dei de ombros e ele parou de rir, ótimo! Observei o caminho que estávamos e ele era totalmente oposto em direção a cidade -Justin, é sério, para onde estamos indo?- perguntei séria

 

-Pra um pouco longe da cidade- falou devagar, entramos em uma rua de barro e aquilo estava começando a me assustar

 

-Eu-eu quero voltar- falei sem tentar demonstrar que eu estava assustada e ele me encarou

 

-Por que você está gaguejando?- agora o olhar dele estava extremamente assustador, ele parecia um psicopata assim

 

-Por favor me deixa sair- eu estava a ponto de saltar do carro mesmo ele em movimento

 

-Tá com medo de mim, Natália?- ele começou a rir muito, idiota -Relaxa, já estamos chegando- sua voz estava tão serena que automaticamente meu corpo todo voltou ao normal

 

-Medo? Claro que não- tentei disfarçar -Mas até hoje não entendo porque as pessoas falam aquelas coisas de você- falei me referindo ao que a Lilly me disse

 

-As pessoas falam demais- passou uma de suas mãos no cabelo o assanhando

 

-Então por que você tem uma arma?- aproveitei o momento para matar minha curiosidade, sempre quis saber o motivo

 

-Porque, ué. Não posso ter?- não Justin, não pode

 

-Só as pessoas perigosas têm armas- me ajeitei no banco para ficar de frente pra ele, cruzei os braços esperando sua resposta

 

-Então quer dizer que os policiais são perigosos?- rebateu, droga, ele tem razão

 

-Então você é um policial?- eu estava tão distraída fazendo aquelas perguntas que nem notei quando chegamos, estávamos subindo uma pequena montanha que tinha uma pista ao seu redor, ou seja, tinham várias curvas e nenhuma proteção para os carros não ultrapassarem a estrada

 

-O que?- ele me olhou sarcástico -Eu já disse que você é chata, né?- mudou de assunto e eu bufei, quando finalmente chegamos lá em cima tive a visão de outro carro, ok isso claramente não é um encontro, e eu me iludindo!

 

Desci do carro e me aproximei do precipício, à vista para para a cidade era linda, eu estava encantada vendo aquilo, Justin se aproximou de mim e riu da minha reação

 

-Tá preparada?- ele me perguntou e eu o olhei

 

-Preparada para o que?- perguntei confusa, ele tirou uma chave do bolso e jogou para mim

 

-Pra aprender a dirigir- o que???????? Justin só pode ser louco

 

-Você tá bem?- me aproximei dele colocando a mão em sua testa -Justin, você mesmo já viu, eu sou péssima- falei e ele riu

 

-Para de leseira e anda logo- me puxou até o carro, era uma Mercedes prata e luxuosa

 

-Eu vou dirigir esse carro?- perguntei nervosa, se eu batesse ele em algum lugar Justin ia ficar muito puto


 

-Você achou que eu ia deixar você dirigir meu Audi?- perguntou e eu ri, entramos no carro e eu não fazia ideia do que fazer primeiro

 

-Isso não é ilegal?- perguntei o olhando e ele riu

 

-Você já fez tantas coisas ilegais aqui nos Estados Unidos, mais uma não faz mal- me obrigou a colocar a chave na ignição, droga, eu não tinha ideia do que fazer

 

-O que eu faço agora?- perguntei nervosa

 

-Primeiro você passa a marcha, depois aperta na embreagem e a solta bem devagar, o outro pé pisa no acelerador enquanto você guia o carro com o volante- tentou me explicar, até que parecia fácil, mas na prática…

 

Respirei fundo e fiz como ele mandou, ótimo lugar ele escolheu para me ensinar a dirigir não é? Aos poucos o carro foi saindo do lugar e eu segurei com força o volante, dirigi em direção a descida da montanha, mas o carro definitivamente não estava em linha reta, vi Justin colocar o cinto de segurança rapidamente e quando olhei pra frente vi que estávamos muito perto do precipício, nós vamos morrer! As mãos de Justin foram para o volante e ele o virou com certa brutalidade para o lado oposto

 

-Presta atenção, Natália- disse sério e eu dei um sorrisinho inocente

 

-Foi você quem planejou morrer hoje, não eu- rebati e voltei a dirigir, com muito esforço consegui chegar até a parte de baixo e até que foi fácil, dei a volta com o carro e olhei para Justin animada -Eu consegui!- falei empolgada

 

-Agora sobe de novo- falou e eu o olhei incrédula

 

-O que?- perguntei

 

-Só vamos sair daqui quando você estiver fera- disse e eu bufei -Qual é, eu tô fazendo um favor pra você, todas as garotas da sua idade já sabem dirigir- ele tem razão

 

-Tá- me rendi, novamente subi e dessa vez já estava muito mais fácil, o medo se tornou em adrenalina e eu até me arriscava em aumentar a velocidade, depois de umas 2 voltas finalmente Justin se convenceu que eu era uma boa motorista. Descemos do carro e eu dei um pulo nele -Caralho, eu sei dirigir- falei ainda sem acreditar e ele riu

 

-Com um professor desses não tem como não aprender- se gabou e eu ri dele -O carro é seu- falou quando eu ia entregar as chaves a ele

 

-O que?- perguntei confusa e ele riu da minha reação

 

-Eu disse que o carro é seu- repetiu, como assim?

 

-Não, eu não posso- falei novamente o entregando as chaves, mas ele recusou -É sério Bieber, o que meus pais vão pensar?- falei séria e ele cruzou os braços

 

-Eu posso guardar ele na minha casa então- deu de ombros

 

-Justin...eu não posso aceitar esse presente- falei de forma mais clara pra ele entender

 

-Por que?- me perguntou, ele não tem noção das coisas? Esse carro deve valer mais que minha vida

 

-Isso deve ter sido uma fortuna, eu...não quero- mentira, eu queria sim, mas realmente não podia aceitar aquilo

 

-Não quer?- perguntou com uma cara de: eu sei que você está mentindo, assenti demonstrando que eu estava decidida, ele pegou as chaves e as jogou em cima do carro -Então deixa aí- deu de ombros e andou em direção ao seu, o que ele estava fazendo?

 

-O que?- perguntei -Você simplesmente vai deixar o carro aí?- perguntei e ele assentiu

 

-Você não quer, eu vou dar pra quem? Vamos logo, já está tarde- me chamou, ele estava fazendo um joguinho comigo, bufei e fui até o carro pegando as chaves do mesmo, olhei Justin que estava com um sorriso no rosto

 

-Mas ele fica na sua casa- falei e ele concordou

 

-Vem, depois peço pra alguém levar ele pra lá- me chamou e eu entrei no seu carro. Dá pra acreditar nisso? Justin me deu um carro, UM CARRO, porra! Me sinto mal por ter aceitado isso, eu nunca dei nada pra ele, fui interrompida dos meus pensamentos por Justin me chamando -Se importa?- o olhei e ele estava segurando uma cartela de cigarros

 

-Na verdade sim- falei e ele bufou -Isso faz mal pra saúde, Bieber- ele soltou uma risada nasalada, o caminho de volta foi basicamente Justin me explicando como eu faria para entrar em casa de novo sem ser notada

 

-Ainda faltam uns minutos- disse parando o carro um pouco afastado da minha casa, eu iria esperar até os guardas trocarem de turno para entrar, olhei um movimento que tinha ali na frente e avistei o John com uns seguranças

 

-Droga, é o John- me agachei para que ele não me visse

 

-Esse é o seu host dad?- perguntou e eu assenti, deduzi que Justin estava olhando em direção a eles -Ele não vai ver você, relaxa- me tranquilizou e eu me ajeitei no banco -Me fala da sua família, eles são legais?- começou a puxar assunto, ainda faltavam uns 10 minutos para ocorrer a troca de seguranças

 

-Sim, ele e a Sarah são bem legais- dei de ombros

 

-Mas você nunca percebeu nada de estranho na casa, ou nele?- perguntou e eu estranhei

 

-Não- falei, mas lembrei do dia que ganhei meu novo celular -Na verdade, sim- Justin me olhou -No dia que você me deu meu novo celular, eu meio que liguei para o meu antigo numero e… ele tocou no quarto do John- falei enquanto ele assimilava tudo -Parece loucura eu sei e talvez só tenha sido coisa da minha cabeça- eu não queria que Justin ficasse preocupado com aquilo e por isso tentei amenizar a situação, mas ele estava sério demais -Justin?- o chamei

 

-Você tem que ir- disse olhando seu relógio, assenti e desci do carro, olhei em direção a casa e não tinha mais ninguém na frente, dei meia volta no carro e fui até a janela do Justin fazendo ele a abrir

 

-Obrigada por hoje, foi incrível- falei me aproximando para beijar seu rosto, mas ele virou a cabeça e nós nos beijamos, interrompi o beijo e ri -Se eu não for agora vou ter que dormir na sua casa- ele sorriu gostando da ideia -E caso você não lembre, eu tô de castigo- pisquei o olho e me soltei dele, Justin deu partida enquanto eu andava em direção a casa, com muito cuidado pulei o muro e aliviei quando vi que não tinham seguranças, abri a janela silenciosamente e passei meu corpo para dentro, finalmente consegui entrar e a fechei, mas as luzes do nada acenderam

 

-Posso saber onde você estava?- Sarah estava parada em frente a porta, droga, agora sim eu acabei de comprar uma passagem só de ida de volta para o Brasil.

 


Notas Finais


EITA PORRAAA! Comentem e favoritem muitooo, beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...