História The Dark Threat - Capítulo 7


Escrita por: ~

Exibições 9
Palavras 3.529
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Romance e Novela, Sci-Fi
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Não me matem, sei que demorei para atualizar, mas é que só agora estou me recuperando de um bloqueio criativo

Capítulo 7 - Marcas do Passado


Base de localização desconhecida da HYDRA – 1942

Os soldados estavam trocando as garotas de celas. Não havia uma explicação sobre o porquê. Eles levavam as garotas para alguns exames e depois as trocavam de celas. Anna estava assustada, ela havia sido capturada há meses e era ingênua demais para entender o que estava acontecendo. Ela achava que logo o irmão dela chegaria e a resgataria, mesmo que as circunstâncias dissessem o contrário.

Os soldados a deixaram em uma cela junto com uma garota de cabelos dourados e olhos azuis bem claros. Ela provavelmente tinha no máximo uns quinze anos e não parecia muito assustada. Estava bastante confiante. “Talvez seja porque ela saiba que vai sair ou algo do tipo. ” Anna pensava. Na cela também haviam outras duas garotas, eram gêmeas, de cabelos pretos e olhos verdes. Tinham por volta dos dezessete anos e estas estavam bastante assustadas, o desespero delas era visível no olhar.

— Eu sou a Rubria. — A loira se apresentou.

— Eu sou a Anna. — A menina se apresentou. — O que eles vão fazer?

— Você ainda não percebeu? Eles vão nos matar! — Uma das gêmeas disse.

— Esses malditos nazistas! — A outra gêmea completou.

— Não são nazistas. — Rubria corrigiu. — Nazistas usam a suástica nos uniformes, esses homens usam uma hidra.

— Mas eles nos caçam e nos matam, então para mim é como se fosse a mesma coisa! — A primeira gêmea respondeu.

— Por que eles querem nos matar? O que fizemos de errado? — Anna questionou, ela não entendia o porquê dela e do irmão serem perseguidos. Eles nunca haviam feito mal a ninguém.

— Não fizemos nada de errado, eles nos matam porque é a natureza deles, porque são idiotas. — A segunda gêmea respondeu.

— Nunca sairemos daqui. — A primeira gêmea constatou.

— Então nunca mais verei o meu irmão? — Anna perguntou com lágrimas nos olhos.

— Minha Oma disse que somos especiais, que alguns de nós são anjos que ficam escondidos entre o resto. E que um dia estes anjos salvarão o mundo. — Rubria disse em uma tentativa de consolar Anna.

— Acha que eles vão salvar a mim e ao meu irmão? — Anna perguntou.

— Sim, eu acho. — Rubria respondeu.

***

Dias atuais…

O ônibus chegou à Nova Iorque e Annie, Samantha, Shadow e Mark desceram. Eles pegaram um metrô para Manhattan e começaram a andar pelas ruas onde costumavam andar todos os dias um ano antes o que parecia ter sido há cinquenta anos.

— Eu costumava passar por aqui com o meu pai antes de irmos para casa, eu tentava me livrar dele para me esconder em algum lugar e ser uma hacktivista por algumas horas. — Samantha se lembrou.

— Como uma espiã que tenta esconder seu trabalho da família. — Shadow observou.

— É, e também porque ele estava sempre tentando arrumar um jeito de espionar o que eu faço na internet. Eu não podia nem ver vídeos no YouTube. — Samantha respondeu. — Mas era legal no dia da pizza, ele até parava de ser aquele agente chato que achava que ainda estava trabalhando.

— Foi aqui que eu passei três dias escondido para não voltar para casa. — Mark se lembrou.

— Por que você fez isso? — Shadow perguntou.

— Se tivesse o meu pai, você entenderia. — Mark respondeu.

— Bom, eu não lembro nada relacionado a minha infância ou a minha família — Shadow respondeu.

— Realmente, é uma situação complicada — Samantha comentou.

— Foi aqui que eu caí quando pulei daquela janela quando estava fugindo da SHIELD. — Annie se lembrou.

— Lembranças… — Samantha disse com um pequeno sorriso no rosto.

— Por que elas sempre parecem melhores quando viram passado? — Annie questionou.

— Tem a ver com a nossa mente, ela nunca está completamente feliz com o presente até ele virar passado. — Shadow explicou.

— Faz sentido. — Samantha comentou e então os três chegaram à casa dos avós de Annie.

— Então… Quem vai tocar a campainha? — Shadow perguntou.

— A Annie, o avô é dela — Samantha respondeu enquanto Annie encarava a campainha. — Está tudo bem?

— Está… É só que faz algum tempo que não vejo alguém da minha família. É um pouco estranho — Annie explicou. — E além disso, o meu avô tinha uma razão para esconder a verdade de todo mundo, tenho medo de estarmos fazendo a coisa errada.

— Bem, provavelmente pensar na sua tia-avó pode fazer o seu avô ficar bem perturbado, mas pensa que se não fizermos isso, talvez a HYDRA acabe conseguindo vencer e todos os esforços de milhões de pessoas para manter a nossa liberdade terá sido em vão. — Samantha explicou fazendo com que Annie tocasse a campainha e quem atendeu foi uma velhinha bastante simpática que era a avó de Annie.

— Posso ajudar? — A velhinha perguntou.

— Lembra de mim? — Annie perguntou desarrumando o cabelo.

— Annie? — A velhinha perguntou espantada.

— O vovô está? — Annie perguntou.

— Sim, ele está. — A velhinha respondeu. — Entrem. — Annie, Samantha, Mark e Shadow entraram na casa.

— Alguém sabe que você voltou? — A velhinha perguntou.

— Eu não voltei, eu só preciso falar com o vovô. — Annie explicou e então a velhinha deixou ela e os outros sozinhos na sala e foi chamar o avô de Annie.

— Annie! — O avô de Annie disse ao entrar na sala. — Quanto tempo!

— É bom te ver também. — Annie respondeu com um sorriso no rosto.

— Por onde andou? — O avô de Annie perguntou.

— Eu não sei se a resposta seria muito legal. — Mark comentou.

— Precisamos falar sobre a minha tia-avó, a outra Annie. — Annie explicou.

— Você descobriu tudo, não foi? — O avô de Annie perguntou.

— Quase tudo, preciso entender algumas coisas. — Annie respondeu.

— Sempre soube que este dia chegaria. Primeiro o Gregory e agora você — o avô de Annie ficou meio tristonho ao se lembrar do filho que morreu cedo, parecia um ciclo repetitivo.

— Ele sabia? — Annie questionou.

— Suspeitava, ele começou a investigar e descobriu um boato sobre uma garota com habilidades psíquicas que havia se matado, foi isso que o motivou a entrar naquele maldito projeto, se eu tivesse contado quando ele perguntou, nada daquilo teria acontecido — George ainda se culpava pelo que aconteceu com o filho. — Mas não cometerei o mesmo erro novamente! Depois do que a Clarice me contou, acho justo que você saiba a verdade.

— A Clarice te contou? — Annie perguntou.

— Aquela história de que você fugiu não me convenceu. E era coincidência demais que na mesma época que você fugiu, dois de seus amigos sumissem também, a Sammy desaparecesse e o Richard fosse morto. Lembre-se que eu ainda sou o membro mais inteligente da família, Annie. — George respondeu.

— O que exatamente aconteceu com a tia-avó Annie? — Annie perguntou.

— “Tia-avó Annie”. É meio estranho ouvir isso vindo de você. — Samantha comentou.

— Isso começou na Segunda Guerra Mundial. Naquela época eu me chamava Görg e a minha irmã ainda se chamava Anna. Nossa família era judia e morava na Polônia, nós até que vivíamos bem, apesar das dificuldades, mas tudo mudou no dia que as tropas invadiram a Polônia. Ali começava a Segunda Guerra Mundial e o nosso tormento. Nós passamos meses fugindo, até que fomos capturados e mandados para o gueto. Mamãe estava doente e morreu pouco tempo depois e o papai… Ele foi mandado para um campo de concentração e nunca mais o vimos. Era só eu e Anna agora. Nós nos protegíamos e ficávamos unidos durante todo o tempo. Até que um dia um oficial nazista visitou o gueto acompanhado de um general da HYDRA.

— Tinha que ter a HYDRA no meio — Samantha comentou.

— Eles fizeram uma lista de pessoas que teriam que ir com o General e eu e Anna estávamos na lista, eu sabia que precisava fazer algo. Nós viajamos em um trem no qual o destino era uma base da HYDRA, eu aproveitei uma brecha e consegui pular do trem em movimento junto com Anna, nós ficamos bem machucados, mas pelo menos, éramos livres novamente. Uma família deixou que nos escondêssemos no porão deles, e apesar da vida dura, aquilo com certeza era melhor que a HYDRA. Mas um dia eles nos acharam.

— Você sempre disse que eram da Inglaterra. — Annie disse sem acreditar.

— Calma que eu ainda vou chegar lá. — George respondeu. — Eles nos levaram para lugares diferentes e nos separaram, eu fui levado para uma base onde estava o Caveira Vermelha e que mais tarde receberiam alguns prisioneiros americanos que serviam na 107. O Capitão nos resgatou e eu tive um papel um tanto importante no resgate.

— Você foi resgatado pelo Capitão América? — Annie, Mark, Samantha e Shadow perguntaram juntos e surpresos, eles nem faziam ideia de que o George conhecia o Steve Rogers.

— Depois de algum tempo eles montaram o Comando Selvagem e eu estava tão desesperado para achar a minha irmã que resolvi fazer parte disso…

— Espera um pouco, você fez parte do Comando Selvagem? — Samantha interrompeu o avô de Annie completamente impressionada.

— Sim — George respondeu.

— E por que eu nunca soube disso? — Annie questionou.

— Por que não há documentos sobre você, gravações ou qualquer coisa que diga que fez parte do Comando Selvagem? — Shadow também questionou.

— Porque eu não gostava muito de aparecer nas gravações, e depois da guerra eu fiz o Stark apagar todos os meus registros de quando eu estava no Comando Selvagem — George explicou — Em uma dessas missões, nós invadimos uma prisão da HYDRA e libertamos alguns prisioneiros, entre eles estava a minha irmã. Ela não estava bem, ouvia vozes, tinha pesadelos. E depois de algum tempo alguns objetos começaram a se mover inexplicavelmente quando ela estava por perto. Foi ai que eu decidi sair da equipe, eu menti dizendo que o trauma havia deixado a minha irmã doente, não foi difícil para eles acreditarem. O Stark nos ajudou criando documentos falsos e um passado falso na Inglaterra para nós. Foi aí que eu comecei a me chamar George e ela Annie. Depois disse, nos mudamos para os Estados Unidos e vivíamos em boa parte do tempo isolados por causa do problema dela. Ela não sabia como controlar. Os objetos se moviam sozinhos, ela ouvia vozes e eu tinha tanto medo que alguém descobrisse. Para todos eu era um jovem cuidando da irmã doente.

— O que aconteceu com ela? — Annie questionou.

— Ela ia piorando cada vez mais e eu não sabia o que fazer — George continuou a história. — Nesse meio tempo o Steve desapareceu, a guerra acabou e a HYDRA havia sido supostamente extinta. E quanto mais o tempo passava, mais ela piorava. E chegou ao ponto de que o Stark começou a desconfiar de que havia alguma coisa errada. Ele começou a sondar, a fazer perguntas, principalmente depois de descobrir que o Extery havia sido testado em várias garotas que estavam no mesmo lugar que a Anna. Eu menti, dizendo que a Anna havia escapado por pouco dos testes, mas isso não o convenceu. Ele investigou tanto que acabou descobrindo tudo. — Nesse momento o avô de Annie parou a história abruptamente e respirou bem fundo tentando conter as lágrimas que queriam sair. Lembrar da irmã continuava sendo doloroso, mesmo depois de todos aqueles anos.

— Você tem certeza que quer continuar? — Annie perguntou preocupada com o avô que estava completamente abalado.

— Sim, você merece saber — George respondeu. — O Stark me procurou e tentou me convencer a deixarem leva-la.

— Quem iria leva-la? — Shadow perguntou confusa.

— Provavelmente a S.H.I.E.L.D — Samantha deduziu, ela havia sido criada por um agente da S.H.I.E.L.D e sabia exatamente como eles lidavam com pessoas como a Annie.

— Na época não era S.H.I.E.L.D., era S.S.R., ele queria levar a Anna e estuda-la, ele disse que procurariam uma cura para ela, mas eu nunca acreditei, conhecia o Stark o suficiente para saber que ele iria querer transformar a minha irmã em uma arma — Gregory contou. — Nós discutimos por dias sobre isso e a Anna escutou uma dessa discussões, o Stark ameaçou leva-la a força e ela…

— Ela pirou — Annie deduziu.

— Sim, ela “pirou” — George completou. — Ela se trancou no quarto e tudo na casa começou a quebrar, quando conseguimos entrar no quarto, ela estava assustada.

Nova Iorque – 1946

Howard e George conseguiram arrombar a porta do quarto de Anna e a encontraram completamente assustada no canto do quarto.

— Anna… — George tentou conversar com a irmã.

— Eu não aguento mais — Anna chorou em voz baixa.

— Vai ficar tudo bem Anna — George tentou acalmar a irmã.

— Não, não vai George, você sabe disso — Anna respondeu descrente.

— Anna…

— Pare de negar a verdade, não há lugar no mundo para mim! — Anna gritou e algumas lâmpadas se quebraram deixando Howard assustado. — Eu tenho que terminar isso! — A garota moveu as duas mãos e fez com que George e Howard caíssem para o lado. Ela aproveitou para correr até a cozinha e quando Howard e George finalmente conseguiram se levantar, eles foram até a cozinha e ficaram completamente chocados ao verem Anna caída ensanguentada com uma faca no peito.

— Anna! — George se abaixou para perto da irmã e tirou a faca do peito dela. — Anna, por favor…

— Não chore — Anna pediu ao ver as lágrimas no rosto do irmão. — Eu já estava morta.

— Anna… — A única coisa que George conseguia fazer era chorar com a irmã em seu colo, esta deu um último suspiro antes de parar de se mexer e respirar. Ela estava morta.

— George…

— Vá embora Howard… — George pediu.

— George…

— Saia daqui! — George gritou.

Voltando ao presente…

— Depois daquilo, eu fiquei lá, olhando minha irmã…. Eu não conseguia acreditar. Tudo o que passava pela minha cabeça era que… Eu não pude proteger minha irmãzinha e Howard Stark havia estragado tudo — Todos ali viram as lágrimas saindo dos olhos de George. Depois de tantos anos, a morte da irmã ainda o abalava bastante. Tudo o que ele queria era poder mudar tudo o que aconteceu.

— Mas, você e o Stark eram amigos — Annie notou. — Por que continuaria amigo de alguém que de certa forma, causou a morte da sua irmã?

— Depois do que aconteceu, ele ajudou a pagar o funeral — George explicou. — E ele sempre tentava ver como as coisas estavam, não sei se ele tinha medo de que eu fizesse algo contra ele, ou se ele se sentia culpado, mas ele passou a tentar me ajudar.

— E você aceitou a ajuda dele — Shadow deduziu.

— Na verdade não, eu o mandei que se afastasse — George explicou. — E ele se afastou. E depois de alguns anos, eu conheci a Grace. — George olhou para a esposa que sorria para ele. — Nós nos casamos e ela ficou grávida do Gregory, mas também ficou doente. Ela estava à beira da morte e eu não tinha dinheiro para o tratamento. — Annie nunca soubera daquilo. — Então, quando eu estava desesperado, Howard apareceu oferecendo ajuda, ele me daria um emprego e um dinheiro para pagar o tratamento da Grace. Eu ainda estava com raiva por causa do que aconteceu com a Anna, e mesmo que eu não quisesse aceitar, era a vida da Grace que estava em risco, não dava para ser orgulhoso.

— Então você aceitou o emprego e a ajuda — Annie deduziu.

— Sim — George respondeu. — Grace recebeu o tratamento e sobreviveu, e Gregory nasceu saudável. E desde que o Gregory era pequeno, Howard sempre ajudava na educação dele, até mandou ele para o mesmo colégio que o próprio filho, Tony.

— Isso explica muita coisa — Samantha comentou.

— Você se sente culpado pela morte do meu pai, e disse que tem algo a ver com a Anna — Annie disse.

— Um dia a SHIELD convidou o Gregory para um projeto e de primeira, ele recusou, porque não concordava com os métodos da SHIELD — George explicou. — Então ele descobriu uma história de uma experiência da HYDRA que era parecida com a da SHIELD e que uma sobrevivente tinha poderes psíquicos.

— A Anna — Annie deduziu.

— Ele não sabia quem ela era, já que eu sempre contei para ele que eu tive uma irmã mais nova chamada Annie que ficou doente e morreu jovem — George respondeu. — Mas como eu e o Howard meio que éramos amigos, e eu trabalhei para ele por anos, Gregory decidiu me perguntar se eu sabia algo, eu fiquei com medo de falar a verdade e ele resolver entrar nesse projeto da SHIELD para descobrir mais, então eu menti, disse que nunca me metia nos assuntos de Howard com a SHIELD, eu só queria o manter seguro.

— E mesmo assim ele entrou no projeto — Annie deduziu.

— Ele continuou curioso com a história da garota e decidiu descobrir o que era, então ele entrou no projeto, e como não confiava na SHIELD, ele chamou o amigo de infância dele, Richard, para ajuda-lo — George completou. — E foi quando tudo deu errado.

— Não foi culpa sua — Annie tentou acalmar o avô.

— Na verdade foi, se eu tivesse contado a verdade, talvez ele tivesse entendido e tivesse ficado fora do projeto — George respondeu. — Gregory não estaria morto e o pobre Richard.... Eu vi aquele garoto crescer.

— Você não precisa mais falar sobre isso, eu já sei o que eu queria saber — Annie tentou fazer o avô parar.

— Eu praticamente vi aquele garoto nascer — George disse.

— Mas, o meu pai e o Richard só se conheceram na época do colégio — Annie estranhou.

— Sim, mas antes disso eu já o conhecia — George explicou. — Howard ajudava a manter o garoto e foi ele que mandou o Richard para o mesmo colégio que o Tony e o Gregory, ele sempre achou que era por causa de uma bolsa de estudos.

— Porque ele manteria o Richard? — Samantha questionou.

— A menos que ele fosse um bastardo — Shadow deduziu.

— Ele era? — Annie perguntou e não conseguia acreditar, ela lembrava bem do Richard ou Droster, como ele mesmo se chamava, ela nunca imaginaria que aquele seria o passado dele.

— Eu não sei, eu nunca perguntei ao Howard, e nunca quis me intrometer nisso — George respondeu. — Jarvis sempre me disse que era melhor que eu não soubesse nada do que havia por trás dessa história.

— O Richard sabia dessa possibilidade? — Annie questionou.

— Eu creio que não — George respondeu.

— E o Tony, ele fazia alguma ideia? — Mark perguntou.

— Eu não sei, as vezes acho que ele desconfiava, mas acho que ele nunca quis ir muito a fundo nessa história — George respondeu. — E de qualquer forma, mesmo se ele fosse, agora é tarde, Richard definhou até morrer. Eu vi aquele garoto crescer, e se eu tivesse contado a verdade ao meu filho, Gregory ainda estaria aqui, Richard jamais teria enlouquecido, e os dois seriam bons amigos até hoje.

— Não foi sua culpa — Annie tentava convencê-lo.

— Foi, e não há nada que possamos fazer por isso — George respondeu e eles ouviram a campainha tocando.

— Vocês estão esperando alguém? — Annie perguntou.

— Não — a avó de Annie foi olhar quem era e pouco depois voltou para avisar quem era. — É a Clarice.

— Acho melhor eu ir embora — Annie não queria encontrar com a irmã naquele momento.

— Annie, é sua irmã — George achava que seria melhor se Annie e Clarice se encontrassem logo.

— Por isso mesmo — Annie justificou. — Ela está mais segura longe de mim e sem saber onde eu estou.

— Você tem certeza? — George questionou.

— Sim — Annie confirmou e George deixou Annie, Samantha, Mark e Shadow saírem pela porta dos fundos, enquanto Clarice entrava pela porta da frente para visitar os avós.

— Clarice, eu não sabia que tinha voltado — Grace abraçou a neta.

— Na verdade, eu só estou de passagem, só para ver como as coisas estão — Clarice explicou. — Enfim, como vocês estão?

— Melhor agora que você veio nos ver — George respondeu.

— Você... Tem tido notícias da Annie? — Clarice perguntou esperançosa deles saberem algo sobre a irmã dela.

— Não, infelizmente não — George mentiu.

***

Annie, Samantha, Mark e Shadow andavam disfarçados pelas ruas. Annie havia descoberto o que queria e estava tentando assimilar tudo aquilo, além de quase ter visto a irmã.

— Por que não quis ver sua irmã? — Shadow questionou.

— O quê? — Annie não tinha entendido muito bem a pergunta de Shadow.

— É que, se já tínhamos ido ver os seus avós, acho que não faria muita diferença ver sua irmã — Shadow observou. — Eu não acho que ela iria contar para alguém que ela te viu.

— É que ela e a irmã tem uma relação complicada — Samantha respondeu e Shadow notou algo errado, eles pareciam estar sendo seguidos, e Annie e Mark notaram que Shadow estava olhando para todos os lados para ver o que encontrava.

— A HYDRA nos achou, acertei? — Annie questionou.

— Sim — Shadow respondeu.

— Alguma ideia — Samantha perguntou.

— Muitas — Shadow respondeu.

— Olá — Kristen os abordou e Annie e Shadow se prepararam para ataca-la.

— Não se preocupem, não estou aqui para leva-los — Kristen disse.

— O que quer? — Annie questionou.

— Apenas conversar — Kristen respondeu. — Eu não tenho nada contra você, na verdade, todos aqueles problemas eram porque eu precisava de uma distração e você foi perfeita nisso.

— Como é? — Annie estava confusa.

— Eu te deixo em paz, deixo seus amigos em paz, ninguém se machuca, e em troca, você não se mete no meu caminho — Kristen propôs.

— E por que eu deveria ter medo de você? — Annie questionou. O nariz de Samantha começou a sangrar e ela começou a andar para trás contra a própria vontade.

— Annie, eu não consigo controlar minhas pernas — Samantha estava assustada.

— Considere isso um aviso — Kristen disse. Annie entendeu que foi Kristen quem fez Samantha agir daquele jeito. Em seguida, Samantha conseguiu parar de andar e Kristen foi embora dali.


Notas Finais


Hora das referências :V #1: Anna é aquela garota ruiva do prólogo. Ela também é tia-avó da Annie #2: "Minha Oma disse que somos especiais, que alguns de nós são anjos que ficam escondidos entre o resto. E que um dia estes anjos salvarão o mundo" Anjos = Inumanos #3: Oma é avó #4: Lembranças de um passado não tão distante (também conhecido como primeira temporada) #5: Se é dificil para a Annie, imagina para o avô dela que perdeu a irmã e o filho #6: Na primeira temporada a Annie tinha fugido por causa da SHIELD (que ainda existia) #7: A família do avô da Annie era judia #8: O Capitão América conhecia o avô da Annie :D #9: A Anna sobreviveu, mas os poderes dela a atormentaram, já que naquela época eles eram ainda mais dificeis de entender do que foi para a Annie #10: Antes da SHIELD ser o que é, ela era SSR, tem muito disso na série Agent Carter #11: SHIELD sendo meio fdp antes mesmo de ser a SHIELD :p #12: o avô da Annie era meio que amigo do pai do Tony Stark, Howard Stark #13: Existe a possibilidade de que o Richard poderia ser algum irmão bastardo do Tony Stark #14: Jarvis, antes de ser um programa de computador (e mais para frente, o Visão), ele era um mordomo da família Stark, provavelmente, foi ele quem criou o Tony #15: A família da Annie tem uma história complicada quando se trata de irmãos #16: Eu lhes apresento a vilã da história, Kristen, a parasita :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...