História The daughter of the delegate 2 - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Anahí, David Beckham, Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette
Tags Anahi, Drama, Justin, Violencia
Exibições 41
Palavras 5.835
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


notas finais
notas finais
notas finais
notas finais


Boa Leitura!!!

Capítulo 12 - Para de se fazer de sinico


Fanfic / Fanfiction The daughter of the delegate 2 - Capítulo 12 - Para de se fazer de sinico

                                                                                            Melany P.O.V

 

 

- Quero dizer… - empurrei ele e passei as maos no rosto

- Ok… Vamos conversar – nossos olhares se encontraram e eu assenti

- Eu não deveria estar aqui, e peço que você não conte para ninguém que chegamos tao próximos assim – ele franziu a testa e segundo depois sorriu debochado

- Ta com medo do seu namorado terminar o namoro? - cruzei os braços e encarei ele

- Isso não é da sua conta - ele ergueu a sobrancelha e umedeceu os labios – Anda logo me diz o que você tem de tao importante pra me falar – ele apontou para o sofa e eu fui ate o mesmo, assim como ele

- Eu vou contar tudo, mas antes… - interrompi ele

- Tudo o que? - perguntei

 

Eu não deveria estar aqui. O Justin era um assaltante, um traficante, ele era tudo de ruim e eu deveria sentir medo, querer distancia, mas ainda sim eu queria ouvir o que ele tinha pra me contar. Nem eu sabia que necessidade era aquela de querer saber de algo que só me machucou no passado.

 

- O lance que rolou entre nos dois foi verdadeiro – revirei os olhos e dei de ombros

- Hoje não importa mais, acabou. Cada um seguiu em frente e … - olhei para ele

- E…? - sua voz saiu baixa e eu suspirei

- E que você já tá soltou. Ja disse uma vez e repito, não precisa se aproximar de mim de novo o meu não tá atras de você e nem nada do tipo

- Eu sei que nao – neguei sorrindo debochada

- Eu não sei como fui tão idiota ao ponto de não desconfiar antes – ele desviou o olhar

- Melany…

- O que você quer comigo? - perguntei seca

- Eu errei. - ele voltou a olhar pra mim - Eu errei quando quis me vigar do seu pai sem ao menos saber se aquilo era verdade, errei quando quis usar a Alicia e você, errei quando aceitei todo o plano do Alex, mas eu não errei quando me apaixonei por você – desviei o olhar e olhei para os meus dedos

- Era só isso? - voltei a olhar pra ele

- Eu sei que você não acredita em mim, mas porra… eu fiz aquilo por você. Eu fiz aquilo porque naquele dia eu tive certeza de que você era a mulher que eu amava

- A filha do seu inimigo? Ahram!- neguei e passei a lingua nos labios – Nos filmes isso funciona, mas a realidade é bem diferente – levantei

- O seu pai não… ele nunca foi o meu inimigo eu só não… - interrompi ele

- Voce nem sabia da verdade, você simplesmente quis se vingar do meu pai. Saber que eu fui capaz de deitar com um cara feito feito você me faz ter nojo de mim mesma – ele levantou

- Eu sei que errei – interrompi ele

- Sabe? Nao me parecia no momento em que você estava assaltando aquele banco – ele fechou os olhos por alguns segundos – Eu não sei o que você quer comigo, não sei qual é o seu plano, mas eu só te peço uma coisa se afasta de mim e da minha família – ele levantou o olhar e se aproximou - eu não vou falar nada sobre o assalto ao meu pai, se é isso que… - fui interrompida

- É a verdade que você quer? Entao vamos la… Eu assaltei aquele banco porque eu quis. Eu sou assaltante, traficante, usuario drogas na maior parte do tempo. Tenho armas em casa, sou capaz de matar se necessario e amo a filha do cara que pode me colocar atras das grades a qualquer momento. - engoli seco – Quer mais? Eu me aproximei da garota com o objetivo de atingir o pai dela, eu queria destruir as provas que ele tinha contra mim e vingar a morte do meu pai, mas no meio do caminho eu fiquei confuso porque eu acabei descobrindo que estava apaixonado pela filha dele. - ele se aproximou mais um pouco e ficamos alguns centímetros de distancia – Quer mais? Eu falo… - fiquei calada e ele continuou – Eu tentei me afastar dela porque eu só tinha duas opções, ou me afastar ou fazer um filho para mostrar para o delegado quem é que mandava no jogo, mas o bandidinho aqui não queria fazer nenhum mal a ela, nem tao pouco deixar ela se fodendo sozinha depois,então o que foi que eu fiz? Hum...Terminei o namoro. – franzi a testa – Achei que essa seria a solução. Sumir da vida dela pra sempre. Mas depois eu recebi uma missãozinha, sabe? - ele coçou o queixo – Ou ir ''ajudar'' – ele fez aspas - o Alex no tal sequestro, ou ver ele acabar com a vida dela, adivinha o que foi que eu escolhi? A primeira opção. Eu preferia mil vezes apontar uma arma na cabeça dela e … - ele respirou fundo - e correr o risco de nunca mais ve-la na minha frente, do que… - ele abaixou a cabeça – do que ve-la morta. Eu preferia mil vezes ter o seu odio do que não ter ela viva. - abaixei o olhar sentindo os meus olhos lacrimejarem se aquilo fosse verdade… – Eu nunca pensei que… pudesse gostar tanto de uma pessoa, ainda mais a filha do cara que quer me colocar atras das grades – ele soltou uma risada – eu não escolhi amar ela. Aconteceu. Talvez se eu não tivesse essa porra aqui – ele apontou para o peito - nada disso teria acontecido. Quando eu soube que ela tinha sofrido um acidente e corria risco de vida… - olhei para ele e o mesmo olhava para o chao – e-e-eu…- ele passou a mao no rosto – eu… sentir tanto medo, acho que na minha vida toda eu nunca me sentir um nada. Quando eu ouvir que ela poderia morrer a qualquer momento eu … - ele ficou alguns segundos calado e depois levantou a cabeça com os olhos cheios de lagrimas– Porra, Melany… eu sou errado, eu sou um lixo, eu sou o que você quiser, mas eu te amo. - a primeira lagrima caiu – Eu não vou dizer que e eu voltasse atras mudaria alguma coisa, porque se fosse pra ser assim eu nunca … - não deixei ele terminar de falar e puxei a gola da sua camisa, juntando os nossos labios em um beijo calmo.

 

Eu amava ele. Muito.

 

- Justin! - me afastei e suspirei . Ele sorriu apertando a minha cintura – Eu não sei se te mato agora ou depois – ele me deu um selinho demorado

- Achei que você falaria que me amava tambem – ele afastou o rosto minimante

- Eu não sei como vai ser – fechei os meus olhos – mas…

- Mas? - abrir os meus olhos e sorri de leve

- Faça valer a pena - ele franziu a testa

- Era isso que você ia falar? - perguntou sem jeto e eu sorri

- Eu tambem te amo – ele sorriu largo e juntou os nossos corpos, me dando vários beijos no rosto

 

 

(…)

 

 

Ele me deitou com todo cuidado na cama sem parar com os beijos, enquanto eu juntava os nossos corpos.

Seus beijos desceram para o meu pescoço, onde ele depositou beijos e algumas mordidinhas me fazendo rir.

 

- Sentir tanta fato do seu cheiro – ele disse próximo a minha orelha e voltou para os meus labios

 

Desci as minhas maos ate chegar a parte de baixo da sua camisa, onde com a ajuda dele eu tirei do seu corpo, sem parar com os beijos. O corpo dele sem duvida era perfeito. Ainda por baixo dele eu desci com os beijos ate o seu pescoço, fazendo o mesmo que ele havia feito comigo.

- Eu te amo – ele sussurrou na minha orelha, enquanto eu descia as minhas maos pelas suas costas

Ele trouxe o rosto de volta, e nos beijamos novamente. Mas dessa vez o beijo foi mais intenso. Sentir uma de suas maos descer pela lateral do meu corpo e o ajudei na horar de retirar a minha blusa.

Iniciamo o beijo novamente e o celular dele começou a tocar, o beijos continuaram e o celular não parava de tocar.

 

- Hum… - afastei ele um pouco e ele tentou me beijar, mas virei o rosto

- O que foi? - perguntou franzindo a testa

- O seu celular tá tocando – ele deu de ombros e voltou a me beijar. Novamente o celular voltou a tocar e eu afastei ele de novo – Pode ser importante, vai la – ele negou

- Nada é mais importante que você – ele voltou a me beijar e o celular voltou a tocar- Nao. É melhor você atender – ele negou

- Voce é mais importante

- Justin… - alisei o rosto dele- Pode ser importante, é serio – ele saiu de cima de mim e foi atras do celular, assim que achou ele simplesmente ''desmontou'' o celular e foi ate a janela jogando o mesmo – JUSTIN! - sentei na cama- Voce é maluco? - ele veio na minha direçao

- Voce é mais importante pra mim – ele subiu encima de mim novamente

- Ma… -ele me interrompeu com um beijo

 

 

Com a ''ajuda'' do Justin tirei sua calça , deixando ele somente de boxer. Ele fez o mesmo comigo só que me deixando apenas de calcinha e sutiã.

Suas maos desceram para as minhas coxas onde ele apertou e mordeu os labios ao ouvir um gemido sair dos meus labios.

 

- Hum… - seus dedos tocaram a meu rosto e nesse momento as nossas intimidades se chocaram, fazendo ambos gemer

- Eu te amo pra caralho - ele dizia a todo momento, e ouvir aquilo me deixava cada vez mais entregue a ele, ao cara que eu havia me entregado de verdade

 

Seus labios se juntaram aos meus novamente e nos iniciamos um beijo lento, mas isso não durou muito.

Justin desceu com os beijos pelo o meu pescoço, ate que ele chegou no meu busto. Ele parou com os beijos e se afastou um pouco, eu entendi o recado ajudando a ele na hora de tirar o meu sutiã. Nossos olhares se encontraram e ele sorriu

 

- O que foi? - perguntei sem jeito, o Justin tinha o dom de me deixar sem graça com suas olhadas

- Nada – ele ficou por cima de mim novamente e deu alguns beijos em um dos meus seios antes de suga-lo

- Hum…- fechei os meus olhos sentido o prazer invadir meu corpo, enquanto uma de suas maos para o meu outro seio e massageou fazendo eu gemer ainda mais, e me contorcer

 

Ele foi para o outro e fez a mesma coisa, enquanto eu gemia o seu nome e sentia todo o meu corpo pegar fogo.

 

Assim que terminou ''o serviço '' , ele desceu os beijos pela a minha barriga, beijou as minhas cochas e se posicionou no meio das minhas pernas.

Ele passou a língua pela minha intimidade, e quando me dei por si já estava gemendo alto.

 

 

- JUSTIN… - apertei os lençóis e me contorcia, enquanto ele sua lambia, chupava, e fazia movimentos circulares na minha intimidade me levando a outro planeta – JUSTIN… - a minha mao direita foi ate os seus cabelos tentando fazer algo contra ou a favor de toda aquela sensação prazerosa e ao mesmo tempo agoniante.

 

Sem aviso algum ele me penetrou um dedo, depois outro e começou a move-lo. Entrando e saindo, entrando e saindo… Sentir novamente os seus labios na minha intimidade e não demorou muito para que …

 

- EU VOU… OOOH...JUSTIN! - ele sugou tudo e tentava controlar a minha respiração, mas ve-lo ali lamber os dedos e me encarar foi coisa de outro mundo.

 

Assim que terminou, ele subiu com os beijos ate chegar nos meus labios. Os beijos que eu sentia falta.

Nossas intimidades se chocaram, e ambos gemeram.

 

- Hum… - ele afastou os labios do meu e fechou os olhos com um sorriso lindo nos labios. Eu sorri e alisei seu rosto, atraindo a sua atençao pra mim. Aqueles olhos, aquela boca… tudo nele me encantava ainda – O que foi? - ele segurou a minha mao e beijou as costas da mesma

- Eu só estou admirando a sua beleza. Posso? – ele sorriu e ergueu a sobrancelha

- Claro, aproveita porque não são todas que tem a chance de ficar comigo – ele brincou, mas ouvir aquilo me fez voltar para a realidade. Ele namorava, e eu de certa forma tinha um namorado. Se ele falou aquilo é porque provavelmente trai a namorada e.. - O que foi? - interrompeu os meus pensamentos

- Nada. - tirei ele de cima de mim ,sentei na cama e peguei um lençol para cobrir os meus seios

- O que foi? - ele se aproximou e tentou me beijar, mas olhei para o lado – O que foi, Melany? - permaneci calada – Eu falei brincando, serio que você vai ficar toda emburrada por causa disso?

- Meu objetivo não era transar com você. E fora que namoramos eu não sei como deixei as coisas chegarem ate aqui – ele revirou os olhos

- Primeiro, ainda não transamos. Segundo, enquanto ao seu namoro eu não havia terminado? - fechei a cara – Ué?

- E você acha que é assim que funciona? Voce… - ele segurou as minhas maos e se aproximou

- Sim, eu sou o que? - ele ficou na minha frente

- Voce namora. - disse seria – Voce tá traindo a sua namorada, você é um galinha, VOCE É UM BABACA – encarei ele que sorriu

- Sou isso tudo ai mesmo, mas sabe Melany, você esqueceu de colocar nessa lista a palavra otario. - ele disse me olhando com um sorrisinho no rosto – Porque vou te falar um coisa, o cara pra amar, ser declarar e fazer o que eu fiz por você só sendo muito otario mesmo. – eu não estava entendendo o que ele estava falando

- O que você fez? - ele levantou da cama e ficou parado de pe

- Lembra do dia em que eu me droguei e você foi la em casa? - assenti – Voce me acalmou, nos conversamos e você disse que eu não sabia ser romatico e bla bla bla – sorri ao lembrar daquele dia. O Justin nem de longe era uma cara romantico. Ele só sabia falar besteiras, falar coisas direcionadas ao sexo e essas eram as únicas coisas que saiam da boca dele

 

 

- Mais um - dei um selinho demorado nele - coisa linda da Mel- beijei sua bochecha e depois afundei meu rosto no seu pescoço-
- Voce tem o dom de cortar o clima- levantei o rosto e olhei para ele
- E voce nao sabe ser romântico nem por um minuto. - ele deu de ombros- No dia que isso acontecer...
- Eu mando tatuar um coração na minha bunda- ele disse serio, mas nao aguentamos e caímos na gargalhada
- Essa eu pago pra vê- me afastei um pouco
- To ligado que voce ta louquinha pra me ver pelado- ele deu um tapa forte na minha bunda
- Ai!- empurrei ele- Eu ja disse que vou chutar isso ai- apontei para a parte intima dele
- ''Isso'' pode ser seu gostosa - ele me puxou de forma rapida, me deixando por baixo- a hora que voce quiser-mordeu meus lábios de leve
- So meu? -sussurrei contra os seus lábios
- So seu. - ele se animou e eu aproveitei a deixa para da um chute no seu bem precioso- VA SE FODER MELANY- ele me empurrou e se contorceu na cama
- Eu falei pra voce nao bater na minha bunda, sua mao é pesada.- ele colocou a cabeça no travesseiro- Quer gelo?
- Pra botar no seu...- interrompi ele
- Olha a boca- puxei o travesseiro do seu rosto- vou preparar algo pra voce comer, que seu mal e fome- saí da cama
- E to louco pra comer voce- ele jogou uma almofada nas minhas costas
- Idiota- sai do quarto e fechei a porta

 

 

Comecei a rir, e assenti me endireitando na cama.

 

- Lembro. Voce nunca soube ser romantico

- E você nunca deixou de ser agressiva comigorebateu e nos rimos

- Entao… - ele ficou alguns segundos calado

- O que foi? - olhei pra ele sem entender

- Voce lembra… - ele umedeceu os labios – Quando… - ele suspirou e voltou a olhar pra mim – Enfim… O nosso ultimo beijo? - engoli seco

 

- Olha pra mim -voltei a olhar pra ele- nao olha pra ninguém so pra mim- assenti -
- MELANY ELE ...
- JUSTIN O DELEGADO JA CHEGOU E...
- ALEX O ...- todos falavam ao mesmo tempo, mas eu so tinha olhos pra ele
- Estamos juntos de novo?- sorri e ele alisou meu rosto- Eu juro que quando a gente sair daqui meu pai...- ele me interrompeu
- Shii . - juntou os nossos lábios- Eu sei que as coisas iram mudar daqui pra frente, mas eu preciso te dizer que cada segundo ao seu lado valeu a pena. Seu sorriso, seus olhos, seu rosto vai ficar aqui - ele apontou para a cabeca - e aqui- ele apontou para o coração
- O que ta acontecendo?- franzi a testa
- Me promete que algum dia voce pensara na possibilidade de me perdoar?- ele juntou nossas testas
- C-claro...- sorri deixando a primeira lágrima cair- a gente vai ficar juntos e...- ele me interrompeu
- Eu nao queria que nada disso tivesse acontecendo.
- Justin...
- Me desculpa por tudo, por favor- neguei alisando seu rosto
- Voce nao tem culpa de nada Justin, p..
- Eu ...eu te amo muito - ele fechou os olhos e ao abrir foi como se meu mundo tivesse acabado. Lágrimas caíram dos seus olhos- Agora acabou... eu e voce... me desculpa, eu errei muito principalmente com voce. Mas eu preciso fazer isso, justamente por te amar tanto.- ele umedeceu os lábios- Eu tenho a consciência de que voce pode me odiar pra sempre, mas embora pareca ser a pior coisa que ja fiz, pela primeira vez na vida eu estarei fazendo a coisa certa
- CINCO MINUTOS- alguem gritou, mas nao dei atenção
- SE AFASTA DELA JUSTIN, POR FAVOR- minha irmã gritava ainda chorando
- Do que voce ta falando?- ele alisou meu rosto e sorriu triste
- Eu te amo! - eu estava sentindo uma coisa ruim dentro do meu coração
- DOIS MINUTOS
- Eu também te amo- sussurrei contra seus lábios
- Me beija como se fosse a nossa última vez- engoli seco
- O que ta acontecendo? Por que voce ta...- ele me interrompeu
- Por favor- sentir sua mão ir para a minha nuca, e juntamos nossos lábios e iniciamos o beijo
Foi um beijo bom, mas foi estranho. Eu estava boiando em toda aquela situação.
- UM!
- Voce so precisa confiar em mim - ele sussurrou e eu abrir meus olhos e logo vi ele segurando uma arma-
- Justin, o que voce...
- Vira pra frente- ele evitou olhar pra mim eu franzi a testa sem entender, me assustei quando vi o revólver nas suas maos mas eu sabia que ele nao iria fazer nada comigo.

 

 

- Lembro – abaixei o olhar e olhei para as minhas mao

 

Ficamos calados por longo segundos e ele voltou a falar.

 

- Eu cumprir com o combinado – olhei para ele – a declaçao e tal… Nao foi bem uma declaração, mas não foi facil admitir aquelas coisas – franzi a testa

- Seja mais claro – ele virou de costas e abaixou a boxer – levei minha mao ate a boca e fiquei sem reaçao – Voce… não…

- Gostou? - ele disse em um tom de deboche e eu rir colocando as maos no rosto

- Meu Deus! - ele virou para mim novamente – Voce cumpriu com a sua promessa

- Sou um cara de palavra – ele levantou a boxer

- Justin – o chamei e ele olhou pra mim

- Hum? - levantei da cama, ainda segurando o lençol e fui ate ele

- Nao precisava fazer isso – ele negou

- Precisava. Eu precisava fazer. Nao só porque eu havia falado que faria um coração na bunda se eu me declarasse durante um minuto – nos rimos – mas isso foi feito para eu mostrar todos os dias a mim mesmo que eu não merecia ter tido você. - puxei ele para um abraço apertado

- Eu sentir a sua falta. – disse inalando o seu cheiro e fechando os olhos – Sentir falta do seu cheiro, das suas brincadeiras chatas, da sua voz… - me afastei e olhei pra ele e o mesmo alisou o meu rosto- Nos precisamos conversar sobre muitas coisas, porque eu to com muitos problemas e não posso colocar tudo a perder . Mas eu tambem te amo e eu posso ate estar errada, posso ser julgada por isso, posso me arrepender de novo, mas eu não posso fazer nada, porque eu simplesmente te amo – ele sorriu

- Vamos ficar juntos de novo? - ele juntou as nossas testa

- Eu quero você, mas eu não posso aparecer do nada e falar que estou namorando você. - ele assentiu

- Te entendo. Mas você aceita namorar comigo?

- Como antes?

- Como antes. Eu ate gostei de escalar a janela do eu quarto – sorri e juntei os nossos labios

 

(…)

 

 

- JUS-TIN… HUM… - ele aumentou a velocidade, enquanto eu arranhava as suas costas. Sentir o Justin dentro de mim novamente me fez relembrar o quão bom ele era – OH, MEU DEUS! JUSTIN!

- HUUM… OH… - ele gemia enquanto se ''movimentava'' encima do meu corpo. Seu rosto foi para o meu pescoço, e ele continuava com a penetração cada vez mais rapido. Mordi seu ombro ao sentir que faltava muito pouco para mim

- JUSTIN… AMOR…EU…- revirei os meus olhos e enquanto ouvia ele falar alguns palavroes próximo a minha orelha. Eu reclamava bastante quando ouvia ele falar palavras sujas, mas agora… Como é que eu nunca percebi o quão excitante era?!

- MELANY VOCE É TÃO … APERTADA. UH….

 

Os nossos liquidos se juntaram e ele continuou por cima de mim com a respiração acelerada, assim como eu.

 

- Melhor foda da minha vida . - ele disse ainda com a respiração descompensada, sorri alisando as suas costas

- Bom saber – disse beijando o seu ombro

 

Ele saiu de dentro, e de cima de mim e caiu ao meu lado na cama. Justin aproximou mais o meu corpo do seu.

 

- Por que você mentiu pra mim ? - perguntei alisando o seu braço

- Porque o meu pa…- interrompi ele

- Nao to falando disso. - olhei pra ele – Eu to falando da Jolie

- O que tem ela? - ele me olhou sem entender

- Por que você não me disse que tinha uma filha? Independente de qualquer coisa você sabe que eu nunca iria maltratar ela ou deixar de gostar de você só porque tinha uma filha.

- Eu sei. Mas a Jolie não é a minha filha – sentei na cama e franzi a testa

- Nao? - ele negou

- Eu peguei ela pra criar – arregalei os olhos

- Voce?

- Ela era moradora de rua. - ele entrelaçou os nossos dedos e olhou para as nossas maos- Eu tinha ido ate a casa do Chaz para saber sobre você. Ele tinha acesso ao hospital, eu fui uma vez mas fui impedido de te ver

- Voce tinha ido me ver? - ele assentiu

- Mas como o esperado não pude entrar no quarto. Enfim, eu fui ate a casa do Chaz e ele havia me falado que você tinha acordado – ele não deixou de olhar para as nossas maos – e … ele tava puto comigo

- Por que vocês tinha brigado? - ele umedeceu os labios

- Porque… Eu não lembro. Entao, ele me falou que você tinha acordado e não quis mais entrar em detalhes, depois disso eu fui embora e nessa ida pra casa eu vi a Jolie em um beco com dois caras. Um era o pai dela, e o outro era um cara que ele devia. O pai dela tinha bebido pra caralho e pra resumir ele levou um tiro. Ela tentou defender o pai, mas o cara era um filho da puta. A menina chorando e ele … Porra. Eu tenho raiva só de lembrar daquele infeliz. - ele passou as maos no rosto e eu beijei a sua bochecha

 

 

 

Justin P.O.V

 

 

 

- A gente pode falar sobre isso outra hora – ela disse alisando o meu rosto e eu suspirei negando

- Ela saiu saiu de la chorando e eu a seguir. A Jolie parou em em uma lanchonete e sentou por ali mesmo, eu não sei bem o que deu em mim naquele momento, mas eu sentir pena porque ela era só uma criança. - engoli seco – Eu paguei um lanche pra ela e nos conversamos ….

 

- Voce nao tem familia?- negou-
- Quer me adotar?- neguei-
- Eu nao.- disse rapido-
- Voce tem cara que é rico
- E sou- dei de ombros-
- Quer me contratar? Eu posso engraxar os seus sapatos.- ergui a sobrancelhas- Faço um preço legal pra voce, so porque somos amigos
- Nao somos amigos.
- Posso arrumar seu quarto, engraxar seus sapatos, preparar seu almoço.
- Por quanto?- perguntei tirando onda com a cara dela-
- Cinco dólares por dia,mais alimentação- assenti-
- Fechado. Onde voce vai dormir hoje?
- Vou esperar recolherem o corpo do meu pai e voltarei pra la. Onde voce mora?- levantei da cadeira-
- Vamos.

 

 

Terminei de contar e olhei para a Melany.

 

- E foi ai que a levei pra casa e eu cuido dela como se fosse minha… - engoli seco novamente

- Filha? - fiquei calado e a Melany deitou ficando ao meu lado novamente – Eu to orgulhosa de você . – olhei pra ela e a mesma tinha um sorriso lindo nos labios – Eu to muito orgulhosa de você.– ela juntou os nossos labios e me deu um beijo. Um beijo lento, apaixonado

- É bom ouvir isso de você – trouxe ela pra cima de mim e alisei sua cintura – logo você, quem eu fiz tanto mal

- Eu sei que o final não foi legal, mas fomos um casal maneiro. – ela sorriu e eu sorri junto

- Verdade. - alisei o rosto dela

- Voce acha que a Jolie vai gostar de mim?

- Claro que sim. Ela te achou linda e amou mais ainda porque você é tia da amiga dela. - Melany sorriu - Depois podemos combinar de sairmos, o que acha?

- Acho legal, mas calma. Precisamos resolver muitas coisas antes – ela deitou com a cabeça no meu peitoral

- Eu só fico calma se tiver um segundo a round – ela riu e eu fui pra cima dela, já mordendo o seu pescoço

 

 

Melany P.O.V

 

 

- Ta com fome? - ele perguntou

- Não pretendo dormir aqui, Justin. Preciso voltar – disse sentando na cama

- Ja sao quatro da madrugada, amanha você vai. Eu mesmo deixo você na porta de casa – olhei pra ele e o mesmo riu – Ok, na esquina de casa

- Não acho uma boa ideia – comecei a colocar o meu sutiã, depois a calcinha

- Posso te fazer uma pergunta?- olhei pra ele

- Uhrum, o que?

- O que aconteceu naquele tempo em que voce ficou internada?

- Fiquei um tempo em outro planeta, quando acordei nao sabia de nada.- ele franziu a testa

- Como assim?

- Eu tinha perdido a memória- ele me olhou sem entender- ai depois de alguns meses recuperei

- Como assim voce perdeu a memória?! - ele me olhou surpreso

- Voce nao sabia? - negou e eu peguei a minha blusa

- O seu pai havia proibido a minha entrada no hospital eu fiquei sem saber de nada

- Ah, foi. Voce disse .- suspirei

- O que foi?- ele se aproximou e beijou o meu ombro

- Eu não sei como serão as de agora em diante

- Nos estamos juntos Mel.

- Nao é assim que funciona, Justin. Voce ainda namora e isso que aconteceu foi um deslize e enquanto voce ainda estiver namorando nao ira acontecer.

- Ok.- ele pegou o celular que estava dentro da calça que ele usava antes de ficar pelado , destravou e digitou alguns numeros

- O que voce vai fazer?- arregalei os olhos

- Ue, eu...Paloma?- neguei e sussurrei um " não"

- Justin, onde voce esta eu fui atras de voce, mas nao o encontrei entao resolvi vir para a mansão

- Eu estou com a ...-puxei o celular da sua mao e encerrei a chamada

- Voce é louco?- me corpo foi empurrado contra a cama e seus lábio encontraram os meus

- Muito. Mas por voce- sorri entre os beijos e parei as minhas mãos nas suas costas

- Idiota.

 

Meu celular começou a tocar e eu tentei levantar , mas o Justin continuou com o corpo por cima do meu e sem parar os beijos.

 

- Eu preciso atender- disse assim que ele desceu os beijos para o meu pescoço

- Agora?- ele levantou o rosto e eu sorri assentindo

- Agora.- ele me roubou mais um beijo e deitou ao meu lado

 

Levantei e fui atrás da minha bolsa para pegar meu celular. Assim que peguei o mesmo, vi o nome da Julia na tela.

 

- Julia!

- Melany, tá tudo bem?- mordi os labios e eu pensei em falar o que tinha acabado de acontecer para a Julia, mas eu precisava ao menos chegar em casa

- Sim, eu to…- passei a mao na nuca e fechei os olhos – na casa da minha mae – falei baixo para que o Justin não ouvisse

- Ainda bem. – engoli seco – O que ele queria com você? - Justin levantou e foi na direção da porta, saindo segundos depois

- Ele queria falar sobre o que aconteceu no passado e… - fui interrompida

- Ainda bem, Melany. Nossa! Eu tava com medo de você estar com ele – ela disse tranquilo

- Porque? O Justin não faria nada contra mim. Quero dizer… Eu acho.

- O seu pai chegou tem dez minutos, ele estava com um policial e eles estavam falando do Justin. - fui na direção da janela

- Como assim?

- Eu ouvir pouca coisa porque fingir que ia beber agua e tal, eu fiquei com medo porque achei que ele iria perguntar por voc…- interrompi ela

- Fala Julia! - franzi a testa

- O Justin assaltou um banco, parece que algumas cameras conseguiram identificar uma tatuagem que ele tem no braço – passei a mao na testa e fechei os meus olhos

 

O Justin poderia ser preso. Ele tinha que ser preso porque feito o que fez, mas agora eu estava entre a cruz e a espada agora. Porque ou eu ia contra o Justin e ia a favor do meu pai, ou ou ia contra o meu pai e ia a favor do Justin.

 

- Voce ouviu mais alguma coisa? Ele sabe onde o Justin tá?

- Ele tá atras do pai do Justin. Parece que eles estao ligados no assalto e…

- E o que?

- O seu pai acha que o Justin pode se aproximar você novamente para tentar algo. Parece que você vai andar com um segurança agora

- O Justin não faria nada contra mim, Julia – coloquei uma mecha do cabelo para tras da orelha

- Ele já fez. E agora ele trabalha para o pai, Melany. Por isso que o Justin se aproximou de você, eles querem se vingar do seu pai usando voce. – parei no tempo – Melany, você tá ai? - passei a mao no rosto

- Amanha a gente se fala – antes mesmo dela falar encerrei a chamada

 

Caminhei ate a cama e peguei a minha bolsa, vestir a calça, coloquei a minha sapatilha em tempo recorde. Ele estava mentindo pra mim de novo, como eu pude ser burra de novo? A primeira lagrima caiu, eu tinha me declarado, o que eu sentia por ele era de verdade, mas o que ele sentia por mim era fingimento.

 

Fui na direçao da porta e me esbarrei nele

 

- Aonde você vai? - ele perguntou e eu dei um passo pra tras – Voce tá chorando?

- Voce mentiu pra mim de novo…- ele franziu a testa

- Ãm? - lancei um tapa forte no seu rosto

- VOCE É MUITO BAIXO. SEU MENTIROSO. - ele levou a mao ate o lugar onde eu tinha batido- SE VOCE ACHA QUE VAI ME ENGANAR DE NOVO VOCE TA MUITO ERRADO, JUSTIN. QUANDO EU CHEGAR EM CASA VOU CONFIRMAR QUE FOI VOCE QUEM ASSALTOU AQUELE BANCO

- Por que você tá assim? - ele tentou se aproximar

- Voce tá trabalhando para o seu pai não tá?Por isso você se aproximou de mim de novo e armou esse circo todo

- Quê?

- PARA DE SE FAZER DE SÍNICO. - gritei – VOCE ME FEZ DE BESTA DA PRIMEIRA VEZ MAS… - ele me interrompeu

- Eu te contei a verdade. Do que você tá falando?

- PARA DE MENTIR – empurrei ele – VOCE TA SE APROXIMANDO DE MIM POR CAUSA DO SEU PAI

- Eu? - ele negou – Nao! Quem te disse isso?

- NAO INTERESSA. EU NAO ACREDITO QUE PELA SEGUNDA VEZ EU… ME DEIXEI LEVAR – funguei e enxuguei as minha lagrimas

- O meu pai quer que eu me afaste de você , justamente por você ser o nosso problema. – olhei pra ele- Porque eu iria te usar de novo sendo que o seu pai quer me colocar na cadeia? Ficando com você eu corro riscos de ser pego, Melany. Mas eu te amo, fazer o que…

 

Eu estava confusa por fazia sentido o que a Julia havia me falado, mas o que ele havia falado tambem fazia.

 

 

Fechei os olhos.

 

- Eu to confusa, eu preciso ir embora – ele segurou o meu braço

- Eu faço qualquer coisa para você acreditar em mim

- Entao se entrega – ele soltou o meu braço e negou

- Eu não posso fazer isso. Eu tenho a Jolie, tenho a minha mae. Nao posso fazer isso

- Voce pode contratar um advogado e…

- Se eu for para a cadeia corro o risco de perder a guarda da Jolie. – engoli seco

- Justin… - ele negou

- Voce precisa acreditar em mim. Eu não to mentindo pra você Melany – ele alisou o meu rosto – acredita em mim

- Eu não… - ele juntou os nossos labios e eu levei as minhas maos ate a sua nuca intensificando o beijo

- Acredita em mim – ele disse assim que nos afastamos

- Desculpa pelo tapa – ele riu e voltou a me beijar

 


Notas Finais


Milhões de desculpas pela demora, pelos erros. Eu finalizei agora to postando assim mesmo rsrsrsrs. Se tiver alguma coisa ''embolada'' espero que vcs consigam entender Kkkkkkk depois eu vou consertar.
O hot nao foi O HOT, mas ainda ta no começo e tal entao ta tranquilo hashu... Espero que tenham gostado, e a partir de agora o bicho vai pegar *o* *o* *o* vou adiantar que pela segunda vez o Justin sera obrigado a mentir para a Melany :( :(


Bjokasssss e ate breve!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...