História The devil from the house next door - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amorsemgeneros, College, Imagineyourself, Jungkook, Lovewithoutgenres, Neighbors, Taehyung
Visualizações 11
Palavras 783
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Fluffy, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boys P.O.V.(capítulo em que o ponto de vista é masculino, ou seja não é o mesmo personagem do capítulo anterior, visto que é um homem.)
Em homenagem ao meu bebê Jeffinho

;)

Vou tentar deixar mais longo :'")

Capítulo 2 - Two.


Fanfic / Fanfiction The devil from the house next door - Capítulo 2 - Two.

Eu corria desesperadamente por um corredor escuro enquanto era perseguido incansávelmente por algo que eu não podia ver. Meu coração batia em um rumo frenético e desesperado, no fundo eu sabia que não tinha saída. Uma melodia que se não fosse a situação, séria até mesmo encantadora, mas que neste exato momento era tenebrosa, ecoava por todo o ambiente, me causando profundos arrepios que alcançavam minha alma. Eu não tinha coragem o suficiente para olhar para trás, fechei meus olhos por poucos segundos antes de avistar uma porta aberta à minha esquerda, porta esta à qual me dirigi tentando fugir daquele corredor. Adentrei o cômodo completamente vazio a não ser por uma cortina escura no outro extremo da parede. Porque uma cortina cobriria uma parede vazia? Talvez porque não estivesse vazia? Me aproximei a passos lentos da cortina, apoiei minha mão sobre ela e quando fui abrir senti como se olhos gélidos estivesse a me observar por trás, podia senti-los focados em minha nuca, e no mesmo momento em que decidi puxar a cortina meu corpo foi abruptamente virado para trás e pude ver apenas a imensa boca que parecia um infindável buraco negro se abrir à minha frente.


Abri meus olhos desesperado e ofegante, sentia o suor escorrer pelo meu pescoço enquanto as pessoas à minha volta no ônibus me encaravam com alguma espécie de alienígena. Definitivamente dormir no ônibus tinha sido uma péssima ideia. Joguei minha cabeça para trás, deixando que o banco atrás de mim a segurasse. Suspirei tentando encaixar as ideias no lugar, pelo menos não havia dormido tempo o suficiente para perder a parada do  ônibus. Retiro os fones de ouvido do bolso da minha jaqueta e os conecto ao meu celular, logo ajeitando-os em meus ouvidos e selecionando uma música qualquer na minha última playlist de viajem. Senti o ônibus parar porém ainda não era minha vez de descer, fiquei então a observar as pessoas se movimentarem dentro do ônibus, percebendo que o cara ao meu lado também se apressava para descer. Assim que ele se levantou do banco e entrou na fila do corredor para sair do ônibus, tomei seu lugar na janela me apoiando sobre o vidro e refletindo sobre minha vida dali em diante. Eu torcia para que fosse o primeiro a chegar na casa, preferia já estar lá antes da garota do que chegar logo depois e enfrentar o clima estranho e desconfortável.

 Desde o ano passado eu vinha procurando um meio para me mudar para um lugar mais próximo da universidade, longe da minha família, da minha antiga cidade. Um dia em um site de compra, venda e aluguel, coloquei logo meus olhos sobre uma casa de fácil acesso e preço acessível. A casa parecia ter sido anunciada à apenas meia hora, e havia incrivelmente apenas uma pessoa interessada. Cliquei sobre o anúncio da casa e comecei a analisá-lo quando o chat daquele site se abre e vejo um simples "olá, você por acaso-seja lá qual for seu objetivo- tem interesse em dividir este aluguel comigo e fugir de todo o resto? "Aquelas simples palavras me fizeram digitar um grande e maravilhoso "SIM" . Eu passei o resto dos quatro meses me comunicando com a pessoa que eu descobri ser uma garota, ela tinha praticamente os mesmos ideais que eu, embora a única diferença fosse que eu era um garoto. Nós praticamente já partilhavamos de uma relação íntima e compreensível, era como se nos conhecêssemos de verdade. 

Afastei as lembranças e fiquei concentrado na próxima parada do ônibus, tinha trauma de perder as paradas dos ônibus. Após ter descido do ônibus eu ia calmamente em direção à um táxi estacionado na outra esquina logo batendo no vidro do motorista. Ele acenou com a cabeça para que eu entrasse no carro e assim o fiz. Não demorou muito para que eu lhe disse o endereço e finalmente chegassemos em frente à minha moradia pelos próximos 5 anos. Paguei ao motorista rapidamente e desci do táxi, não conseguia descrever a felicidade que senti ao respirar a primeira lufada de ar da minha vida nova. Notei um carro preto estacionado em frente à casa e algumas decorações de natal espalhadas pelo exterior da casa e em algumas árvores. Ela havia chegado primeiro. E...droga, aquela casa precisava de reparos.

Adentrei o portãozinho e passeei igual a uma criança pelo quintal. Devia admitir, aquela grama era incrivelmente verde e impecável. Subi os três degrauzinhos da varanda e bati duas vezes na porta antes de abri-la e entrar. 

-Olá....cheguei! Queria ter chegado antes de você mas, pelo visto meus planos não deram muito certo.

Ri brevemente antes de observar a garota surgir em meio às caixas empilhadas na bancada da cozinha. 


Notas Finais


Aeeeehoooo! Então meus bb's, sempre quis fazer uma fic que tivesse como ponto de vista o garoto, pq até hoje nunca achei uma que tivesse essa perspectiva, geralmente sempre é o ponto de vista da garota. Eu queria que esta estória tivesse especificamente ambos p.o.v.'s. Espero que tenha ficado bom o suficiente, e..eu sei que demorei para um krl, me desculpeeeem. Mas eu meio que tinha desanimado pelos poucos favoritos. Enfim bj e até o próximo cap. :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...