História The diamond girl. - (SasuSaku) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Hidan, Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Juugo, Kakuzu, Kisame Hoshigaki, Kizashi Haruno, Madara Uchiha, Mebuki Haruno, Naruto Uzumaki, Pain, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara
Tags Akatsuki, Amor, Aventura, Drama, Hinata, Kizashi, Mebuki, Naruhina, Naruto, Revelaçoes, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku, Shikamaru
Exibições 281
Palavras 1.515
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi gente linda!
Está aí mais um. Bom, recomendo lerem ouvindo You Can Be The Boss - Lana Del Rey.
Divirtam-se! :*

Capítulo 4 - Capítulo 3.


 

Na mansão Haruno.

...

- Busquem por todos os lugares! – Falava, calmamente, o homem de terno branco com uma bengala preta na mão direita, ele tinha os primeiros botões da camisa abertos e um belo sotaque britânico.

Todos os homens ali começaram a quebrar tudo enquanto o outro homem se sentava numa poltrona ali, de pernas cruzadas rindo loucamente de algo que só tinha graça para ele. Hidan era pura maldade, um homem muito bonito e de corpo escultura, mas era pura e total maldade.

Ele se serviu a partir de uma garrafa de conhaque que estava perto dali, balançou o copo e bebeu o liquido todo de uma só vez; passou a mão em seus cabelos meio longos, puxando-os para trás e depois passou a mão, lentamente, eu seus lábios grossos e carnudos.

...

No posto de gasolina.

...

- O que estamos fazendo aqui, Uchiha? – Perguntou a garota irritada.

Sasuke a olhou com desdém e optou por não a responder. Afastaram-se do carro seguindo em direção ao pequeno empreendimento que havia ali. Adentraram ao local e tudo que Sakura viu foi alguns motoqueiros nojentos a olhando como se estivessem morrendo de fome e ela fosse um pedaço de file, o Uchiha percebeu e a puxou pelo braço, não queria uma confusão desnecessária e ainda mais se fosse causada pelo o que ele apelidou, carinhosamente, de “projeto de Barbie”. Ele foi diretamente até um senhor magro de cabelos grisalhos que estava atrás do balcão.

- Sasuke! – Cumprimentou o senhor.

- Olá, Jiraya! – Curto e grosso, como sempre.

- E ela, quem é? – Falou mexendo o palito em sua boca.

- Haruno. – Falou para o velho.

- Ah, mas é claro. O cabelo... como estão seus pais, querida?

Sasuke fez uma cara feia em sinal de que ele não deveria tocar naquele assunto. O senhor entendeu o silêncio da menina e baixou a cabeça.

- Entendo! Bom, – bateu palmas – você sabe que precisa dizer, Sasuke.

Sakura fazia uma cara de quem não entendia nem uma virgula, mas também não perguntaria nada. Sasuke sorriu de lado e estirou a mão para o senhor.

- Konoha. – Sussurrou no ouvido de Jiraya.

Ele havia dito a palavra secreta. Jiraya sorriu e Sasuke puxou Sakura pelo braço indo em direção a uma porta de pintura descascada, ele abriu a porta e empurrou a rosada para dentro. Por um misero segundo Sakura acho que ali aconteceria outra coisa e seu coração acelerou de medo, mas respirou fundo e começou a olhar o local de forma mais meticulosa. Percebia que estavam num corredor largo que levava a uma porta de aço, aquele local era bonito e bem arejado, tinha paredes brancas e, diferente do local anterior, não tinha nenhum homem nojento ali. Seguiram calados até a porta metálica, o homem colocou o dedo numa abertura, a porta se abriu e uma pequena gota de sangue saiu do dedo de Sasuke. Ambos entraram em meio ao gélido ar que se expelia dali. Havia um homem sentado numa cadeira de madeira com um estofado vermelho, o local cheirava a charuto, era grande e tinham várias armas espalhadas pelas paredes, também havia uma porta naquela sala. “O que será que tem ali? ” – Perguntou-se.

- A luz que ilumina o dia se fará presente na terra. – Falou uma a voz grossa do homem.

Sakura apertou os punhos, estava com medo, mas era orgulhosa demais para dizer algo então fechou a cara e continuou seguindo o Uchiha.

- A luz que ilumina a noite se faz presente em nossos corações. – Falou Sasuke em resposta.

- Sasuke, meu caro! Ah quanto tempo? – Falou um homem moreno que estava sentado atrás de uma mesa numa cadeira larga e alta. Ele tinha um semblante feliz, pareceu um homem gentil ao ver de Sakura. – Que bela moça essa que vos acompanha! – Exclamou o homem ao se levantar.

- Fazem 5 anos, Shikamaru. E essa é a filha de Mebuki, irritante! – Falou olhando para Sakura.

- Babaca! – Resmungou – Eu me chamo Sakura e é um prazer! – Estirou sua mão na direção de Shikamaru.

 - O prazer é meu, mocinha! – Sorria ele.

Sakura não estava entendo nada ali então ela se atentou a todos os detalhes, observou tudo e inclusive as armas que tinham ali que iam de pistolas a rifles, mas o que lhe prendia a atenção era o símbolo que tinha gravado em todas as armas ali, uma flor de lis. Sakura forçou a memória para lembrar sobre a explicação que seu pai havia dado sobre simbologia. “Bingo! ” – Pensou ela.

Flashback.

...

- Mas para que isso, pai? – Sakura estava cansada e confusa.

 - Bom, antigamente existia uma organização secreta que dizia defender o mundo dos males espirituais, eles matavam bruxas e qualquer um que invocasse o mal. – Riu para a menina atenta.

- E o que eles queriam com o mal? – Perguntava agora mais interessada.

- Muitos queriam rever pessoas amadas que já haviam morrido, alguns por ganancias e outros por pura maldade. – Kizashi bagunçou os cabelos de sua pequena. – Agora chega, senão você não dormira a noite.

...

Flashback off.

 Mas deveria Sakura se atentar aos símbolos? Será que aquilo não era apenas mais um tipo de enfeite aleatório? Ela tinha optado por acreditar que era apenas uma mera coincidência.

- Irritante! – Gritou o Uchiha.

- Não grita, idiota! Estou do seu lado, não vê?

- Está surda? Só pode! Eu estava te chamando e você com essa cara abobalhada. – Rosnou.

Shikamaru ria da cena, lhe lembrava Mebuki e Kizashi jovens.

- Então, porque me tirou de meus devaneios?

Respirou fundo, acalmou-se.

- Você atira, não é?

- Sim, porque? Quer que eu te mate? – Sasuke arfou.

- Não, mas é importante que não se mate. – Riu de lado.

- Idiota!

- Bom, pequena, pode escolher as suas armas. – Falou Shikamaru.

Sakura observou mais uma vez e uma arma ali havia lhe chamado a atenção, ela era uma Magnum, uma arma potente e muito bonita, era toda prata com uns detalhes em preto. Sasuke optou por pegar duas Magnum, ele sempre pensava a frente, pois se acabasse as balas de uma, teria as da outra. Todos seguiram para a tal porta misteriosa, essa dava para uma sala de treinamentos para tiros, tinham manequins e alvos suspensos. A menina seguiu à frente dos demais e colocou sua arma numa pequena bancada a frente, pegou uma bala e reparou que nela tinha o mesmo símbolo das armas, pensou que poderia ser algum tipo de marca do fabricante então decidiu que descobriria do que se tratava depois, pois agora iria tratas de depositar toda suas tensões, preocupações e raivas naqueles meros alvos.

Primeiro era carregou a arma e disparou, mas caiu devido ao ricochetear da arma. Ela não tinha como adivinhar, gostou da arma mesmo sem saber nada sobre ela. Sasuke riu e então aproximou-se dela, tocou no ombro e ela se assustou.

- Cuidado! – Falou ao pé do ouvido dela. Sakura fechou os olhos e sentiu o calor que vinha da boca dela, uma onda de arrepios pelo seu corpo. Sasuke tocou sua mão e o coração dela acelerou, respirou fundo. Ele continuou, estava atrás dela, segurou as mãos dela junto da arma. – Mire – disse ele, chegou ainda mais perto que da última vez. Sakura estava sentido o corpo dele, fechou os olhos, engoliu em seco e mirou. As mãos dele deslizaram na pele alva e macia dela, liberando-a. – Segure bem firme e atire.

Ela conseguiu, estava orgulhosa de si.

- Obrigada! – Falou séria, olhando em seus olhos em meio a pouca luz do ambiente.

Sasuke só seguiu na direção de Shikamaru, falou algo e saiu. “O que há com ele? – Talvez seja bipolar. ” Afastou tais pensamentos e continuou treinando sua mira, que estava boa, por sinal. Seu único problema era força, mas já fora resolvido da melhor forma possível. – Riu para si.

- Tudo bem? – Perguntou Shikamaru a garota.

- Sim. Cadê ele?

- Disse que esperaria no carro.

- Tá, obrigada por tudo! – Sorriu em agradecimento.

Colocou sua arma no cos da calça. Uma arma, sim, uma simples arma fez a diferença em si, estava mais confiante, afinal, poderia matar quem mexesse com ela. Saiu e deu de cara com os mesmos homens de antes, sorriu para Jiraya e foi em direção ao carro, Sasuke não estava lá, mas entrou ainda assim.

Depois de longos 15 minutos sentada, ela olhou ao redor e o viu, estava com uma garrafa de cerveja em mãos. Sakura ficou com raiva, como ele dirigiria bêbado? Ele se aproximou e adentrou ao automóvel.

- Você vai dirigir assim? – Falou ela.

- Eu dirijo melhor bêbado, Barbie. – Falou mirando o horizonte.

...

Ainda sentado, Hidan se encontrava impaciente. Levantou e andou de um lado a outro.

- Senhor? – Falou um de seus homens. – Achamos algo que talvez o senhor queira ver.

Ele sorriu e seguiu o mesmo. Eles tinham achado o local um escritório com as filmagens das câmeras, sentaram e depois de horas descobriram onde estava o tal diamante.

- Vamos para Londres. – Gargalhou ele. – Coloquem fogo em tudo.

...


Notas Finais


Gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...