História The Duff - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Elizabeth Olsen, Justin Bieber, The Duff
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 459
Palavras 2.011
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, sei que demorei podem jogar as pedras, eu mereço. Bom, mas voltei felizona com um POV do Justin, agora eu saio correndo ksgdks Espero que gostem, uma ótima leitura sz

Capítulo 19 - Aquele que ela achava que era verdadeiramente fiel.


Fanfic / Fanfiction The Duff - Capítulo 19 - Aquele que ela achava que era verdadeiramente fiel.

Justin narrando.

Rodeado pelas mais diversas bebidas que aderi em um supermercado perto de casa. Sinto-me tão embriagado que não consigo distinguir a mesa e a televisão. Minha cabeça dói em decorrência a diversas doses de todas as bebidas alcoólicas possíveis, tento forçar meus olhos a fim de enxergar pelo menos minha própria mão e nada se resolve, apenas fico ainda pior do que já estava. Encolho-me no estofado da sala e sinto rastros molhados desenharem minha face, é impossível conter as lagrimas nesse momento tão mórbido. Lembro-me vagamente das diversas vezes em que Blanche estava comigo, abraçando-me, beijando-me ou apenas estava ao meu lado em um dia qualquer e penso como a queria perto agora, como a queria dizendo que me ama e que nunca me deixará, porém todas essas coisas parecem distantes de mim. Eu tornei a vida dela um inferno, um completo e sorumbático inferno. Mas, apesar de todos os meus erros imperdoáveis, eu a quero de volta. Queria cada centímetro daquela mulher que eu tanto amo.

Ouço a porta da sala se abrir e rapidamente enxugo as várias lágrimas que rolavam pela minha face. Sento-me direito no sofá e respiro fundo ouvindo a voz de Stacie e Hope. Esfrego meus olhos tentando enxergar pelo menos um pouco e consigo. Olho para as duas garotas adentrando a sala e entristeço no mesmo momento.

― Justin, porque está chorando? Perdeu alguma transa por ai? – Hope indaga venenosa e eu respiro fundo para não surtar e acabar com sua vida medíocre.

― Vai se foder! – exclamo sem paciência enquanto ela faz uma cara de magoada com minha recém pronuncia, reviro os olhos para seu ato patético e tento me concentrar em não dar um soco na cara dessa garota.

― Gatinho, porque está tão nervoso? – pergunta chegando mais perto de mim e sentando-se ao meu lado, quase consequentemente em meu colo para ser mais exato. A olho com raiva e vejo o sorriso sarcástico moldar sua face.

― Você não tem um pingo de vergonha na cara, não é? Depois de arruinar a minha vida ainda pergunta por que estou nervoso. Tente adivinhar porque eu quero te esfaquear agora, vadia! – pronuncio raivoso e em nenhum momento minha inquietação por tê-la tão perto de mim se oculta.

― Blanche. – Stacie sugere enquanto se encolhe no canto da sala, encostando-se na parede, a olho com raiva, com toda raiva dentro de mim, nada disso estaria acontecendo se Stacie não tivesse me pegado em um momento totalmente desprevenido ― Eu estava bêbada. – choraminga e eu reviro os olhos com tamanha infantilidade, como se ela fosse a inocente.

― Cala a sua boca. – resmungo impaciente colocando minhas mãos na cabeça querendo arrancar os fios loiros do meu couro cabeludo, Hope olha admirada nossa discussão e seus olhos brilham por tamanha empolgação, isso era tudo que ela queria, ver nós dois contra Blanche.

― Por isso estou ajudando vocês, meus caros. – Hope diz batendo de leve no meu ombro e se levantando, ficando na frente de nós dois ― Eu afastei a Blanche de vocês para que ela não saísse tão machucada dessa merda toda que vocês aprontaram. Vocês tinham que me agradecer por eu não ter ido contar para aquela garotinha que vocês dois passaram dos beijos enquanto ela estava só e completamente debilitada do outro lado do mundo. – pronuncia malévola ― Se ela descobrisse que a traição acabou na cama, ela nunca perdoaria vocês. Agradeçam a mim por ter escondido tudo isso dela, porque olha... – ela finge pensar ― Eu estava louca para ver aquela idiota chorar pelo querido Justin, aquele que ela achava que era verdadeiramente fiel.

― Já chega Hope! – Stacie pede ainda encolhida no canto, apenas observando e tentando digerir a verdade que nos rondava. A traição.

― Você também não é nada inocente nessa historia Stacie, espero que saiba disso. – o orgulho nos olhos brilhantes de Hope me fazem querer vomitar ― Ela só tinha você, e justo você transou com o namorado dela, que coisa horrível. – ela finge estar alarmada com o fato que disse.

― Ela nunca vai me perdoar. – murmuro oprimido e ouço a risada irônica da morena em resposta.

― Não seja imbecil, é lógico que ela não vai te perdoar. Nenhum de vocês dois, vocês traíram ela porra. – diz amarga rindo de nossas caras, e é nesse momento que todos os meus neurônios explodem, todos juntos de uma vez só e quando me dou conta do que estou fazendo, vejo-me segurando com força o pescoço de Hope, enquanto ambos estamos no chão. Sua cara de desespero me faz querer apertar ainda mais minhas mãos em volta de sua garganta, porém contenho minha vontade súbita de matá-la e solto-a a contragosto, me afasto e corro para meu quarto.

Jogo-me na cama com o celular na mão e vou para a galeria, ver minhas fotos e sorrio ao encontrar uma foto linda de Blanche sorrindo enquanto ainda estávamos na cama. Sorrio espontaneamente ao ver o sorriso tão ingênuo da mulher na fotografia e penso comigo se algum dia a terei de volta. É tudo o que eu mais quero e se depender de mim, eu a terei.

Ensaio fotográfico.

Sou o primeiro a chegar ao prédio, vou até o andar de ensaios fotográficos pelo elevador e rapidamente adentro o andar. Comprimento todos que irão ajudar no ensaio e principalmente a dona da revista, que veio ver o ensaio de perto. Tento sorrir espontâneo para todos, mas é difícil ocultar a minha ansiedade, não pelo ensaio em si, mas sim por Blanche. Temo em não conseguir passar uma imagem segura de mim mesmo nas câmeras e isso de certo modo me assusta.  Ouço a porta da frente ser aberta e rapidamente me viro para olhá-la. Meu coração falta sair de meu corpo e cair no chão de tanto que bate freneticamente ao ver a loira perfeitamente linda, como sempre foi. Ela anda até onde estou e senta-se ao meu lado, tento fingir que não estou a secando descaradamente, mas é impossível. Blanche olha-me e sorri sem mostrar os dentes, fazendo meu coração acelerar ainda mais, como se isso fosse possível. Balanço a cabeça negativamente e ouço Lotte nos chamar dizendo que temos que nos maquiar.

Cada um sentou em uma cadeira e começou a ser maquiado pelos profissionais. Depois colocamos as partes intimas e por fim, estamos na frente das diversas câmeras querendo pegar o melhor ângulo para esse fingimento todo, pelo menos da minha parte não é simulação. As primeiras posições foram coisas simples como olhar nos olhos e mão na cintura ou qualquer coisa nesse contexto, mas depois começaram as verdadeiramente mal-intencionadas e me segurar foi uma tarefa complexa.

Deitei cuidadosamente Blanche no estofado elegante de coloração creme e fiquei por cima, sem nenhum momento oscilar meu olhar de seus olhos brilhantes. Sorri espontaneamente ao vê-la e senti-la tão nervosa por baixo de mim. Não consegui ouvir mais nada que a moça propunha para as posições, só sei que levei minha mão até o rosto macio da garota perigosamente perto de mim e acariciei. Seu olhar não deslocava do meu o que me trazia tamanha contentamento e agradecimento por esse ensaio estar ocorrendo. Aproximei-me de seu rosto e beijei seu pescoço causando arrepios nela e em mim também. Depois de tudo, nunca pensei que ela estaria tão entregue a mim, por mais que seja apenas um ensaio, mas seus pensamentos estão completamente fora daqui, pois se não ela já estaria me chutando de raiva.

Meus beijos molhados descem até sua clavícula e ameaçam descer mais e assim faço quando a vejo não se mexer e nem protestar. Ao som de Body Party beijo o vão de seus seios cobertos pela lingerie vermelha e desço para sua barriga depositando vários beijos. Volto a olhá-la e surpreendo por ver seus olhos fechados e sua boca entreaberta. Passo minha mão pela lateral de seu corpo quase desnudo e sinto seu corpo pegar fogo na medida em que minha mão escorrega entre suas curvas. Aproximo meus lábios dos seus e a beijo calmamente, sentindo ela se entregar vagarosamente a mim. Nossas línguas se encontram e ela não impede tal ato, suas mãos vão até meu cabelo o puxando sem esforço. Está indo tudo perfeitamente bem, quando de longe ouço a voz de Hope. Afasto-me rapidamente de Blanche e ela se assusta com minha reação súbita. Ouço todos aplaudirem nosso ensaio, procuro Hope entre as pessoas e ao a encontrar aplaudindo sarcasticamente tudo aquilo eu saio correndo. Coloco minha camiseta e meu jeans, sem me importar com o sapato.

Penso em me desculpar com Blanche pelo ocorrido, mas ao entrar na sala de ensaio, não a encontro, porém ouço sua voz em um dos cômodos, ando ouvindo sua bela voz cantando alguma coisa e a encontro em uma sala olhando-se no espelho. Percebo que ela está balançando a cabeça de um lado para o outro minimamente e cantarola uma música. Ela parece tão ingênua fazendo esse movimento que fico apenas a observando ao invés de tentar me desculpar. Sinto meus olhos se encherem de lágrimas prontas a deslizarem em minha face quando ela começa a chorar de repente, como se algo tivesse a acertado em cheio e uma tristeza a invadisse. Eu poderia correr para abraçá-la, mas nesse momento minhas pernas não obedecem ao meu comando. Vê-la chorar compulsivamente deixa-me atordoado, como se tudo de mal que está acontecendo na vida dela fosse culpa minha, e de certa forma, é.

Sinto meu rosto receber trilhas feitas pelas lágrimas que rolam sem meu consentimento. Levo minhas mãos ao cabelo e o puxo tentando arrancar a angústia armazenada em meu coração. Vejo Blanche levar as mãos ao rosto e se debruçar em seu colo enquanto desce até o chão e se senta jogada no mesmo chorando cada vez mais e meu coração é consumido pela amargura e se despedaça em minúsculos pedaços. Se eu tivesse consertado as coisas tempos atrás, nada estaria assim. Com certeza eu estaria agora com minha amada em meus braços enquanto estaríamos ainda na cama pela clara preguiça não nos deixar levantar.

Não agüentando mais vê-la quase gritar de tanto chorar, vou até ela, mas antes limpo meu rosto ligeiramente. Sento-me ao seu lado. O choro da mulher ao meu lado parece ainda mais real quando eu a olho e vejo como ela está, do mesmo jeito que a vi de longe. Sem conter-me eu a abraço e deixo que ela molhe minha camiseta, não me importo se ficarei encharcado, eu apenas quero que ela tire tudo que está a afligindo agora.

― Eu estou aqui. – digo, mesmo que isso seja irrelevante, porém sei que ela precisa de alguém agora, alguém que ela possa se debruçar e a deixar chorar por horas e horas, e agora, não importa quem faça isso por ela. Porém suas mãos me empurram para longe.

Blanche se distancia vagarosamente rastejando para longe de mim e só agora percebi que ela já parou de chorar. Sua maquiagem está toda borrada e eu sorrio pelo simples fato que ela continua linda, mesmo dessa forma.

― É melhor sair daqui. – ela sussurra limpando seus olhos, borrando ainda mais a maquiagem.

― Blanche... – tento me aproximar, porém ela se distancia ainda mais, encostando-se na parede e se encolhendo ― Desculpe-me. – digo antes de sair do cômodo e andar sem rumo para qualquer lugar que seja o mais longe possível da agência.

 

Desde que topei embarcar em nossa aventura, já sabia que alguns dias escuros viriam. O Sol pode tentar brilhar sempre, mas, em alguns momentos do mês, mesmo as nuvens, tão frágeis, conseguirão cobri-lo quase que completamente. Se eu disse que estava ao seu lado, eu falei de verdade.

Não se esqueça. Não deixe tudo te dominar.

Se a tristeza der três batidas na porta e você a deixar entrar, ajudarei a abrir a janela. Uma hora ou outra ela vai embora, a gente tem certeza, não é?

E se isso te ajudar de alguma forma, apenas se lembre de que eu estou aqui para você, tá?

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado amorecos, amo vocês demais, beijos e até sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...