História The end of the world - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Aaron, Abraham Ford, Carl Grimes, Carol Peletier, Daryl Dixon, Eugene Porter, Glenn Rhee, Lori Grimes, Maggie Greene, Michonne, Morgan Jones, Personagens Originais, Rick Grimes, Rosita Espinosa, Sasha, Sophia Peletier
Tags The Wlaking Dead
Exibições 15
Palavras 1.005
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Estupro, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OI! OI! Tudo bem?
Minha nova história <3

* Não aceito plágio - não é legal :/ Se quiserem usar como base, fiquem a vontade, porém fale comigo antes <3
* Comentem e Favoritem a estória precisa de vocês! Aceito críticas, mas não ofensivas.

Só isso <3 Curtem ae!

Capítulo 1 - Flu Alexandria - 01


Pov´s Carl Grimes

 

Hoje o sol está bem forte, minha testa está relativamente molhada, estou em uma busca com meu pai e Daryl, estamos nos hospedando na Alexandria ainda por sorte, confesso que estranho por ainda estar dando tudo certo...

 

Acho que sou muito novo por tantas responsabilidades, um menino de dez anos não devia manuzear uma arma de fogo não é? Ou devia? Bom... Se fosse alguns anos atrás estaria jogando futebol na frente de casa tomando um belo sorvete de brigadeiro a espera do meu pai que chegaria do trabalho algumas horas depois, porém hoje, nunca sei a hora que ele chegará, mais torço que chegue vivo.

 

- Carl! - ouço Rick me chamar e me direciono a ele - Pode me ajudar com essas caixas? - assinto.

 

- Achou alguma coisa para Judith? - pergunto se referindo a minha irmã mais nova.

 

- Algumas roupas, brinquedos e um pacote de frauda - ele respodeu dando os ombros.

 

Sorrio e me esforço para pegar a caixa que estava bem pesada por sinal.

 

- E mamãe, será que está bem? - pergunto.

 

Era uma gripe, Alexandria está passando por essa gripe horrível e por azar minha mãe contraiu ela.

 

- Deve estar, não pense muito nela - Ele respondeu colocando a última caixa no porta- malas do carro - Acho que podemos ir...

 

- E Daryl? - perguntei me sentando no banco do passageiro.

 

- Ele está com a moto, suponho que foi caçar - Meu pai adentra o carro ligando-o em seguida.

 

O carro começou a se movimentar em alta velocidade por sinal, a pista era de 80km/h mais concerteza papai estava a 120km/h, as regras de trânsito também ficou pros anos passados.

Logo avistamos os portões altos de Alexandria, papai fez um sinal com a mão para Abraham que estava na torre de vigia, o portão se abriu e adentramos, rolei os olhos pelo o local e vi algumas crianças brincando na areia, papai diz que posso ficar e brincar com eles, porém prefiro ajudar nas buscas. Sophia estava lá, ela é tão inocente, como uma verdadeira criança, seu olhar se encontra com o meu assim que desço do carro, sorrio e a mesma caminha até mim.

 

- Como foi lá? - ela perguntou limpando suas mãos que estavam cobertas por areia.

 

- Foi bem - sorrio e percebo que Abraham, Glenn e meu pai retiravam as caixas do carro.

 

- Suponho que já ajudou muito por hoje, não quer vir brincar com a gente? - ela perguntou sorrindo.

 

Olho para meu pai e o mesmo balança a cabeça em forma de sim.

 

- Pode ser - dou os ombros e a mesma me puxa pela mão até o encontro das crianças, eu certamente podia sentir a terra grudada em sua mão.

 

Paro em frente á mais ou menos quatro crianças, dois meninos e duas meninas, eu não sabia seus nomes e nem suas idades, mais suponho que um dos meninos era o mais velho da turma.

 

Estavam brincando de fazer castelo na areia, se sentaram sobre ela e eu fiquei observando, arrumei o chapéu em minha cabeça e decedi me sentar também e com as mão fiz um montinho de terra, Sophia sorriu e eu sorri de volta.

 

Depois de um tempo brincando ali, ouço Maggie me chamar, mamãe queria me ver.

Me levanto da areia devagar, limpo minha calça e me despeço dos demais, caminho com as mãos no bolso até a porta de minha casa, suspiro, não gostava de vê-la assim, eu preferia evitar.

 

Subi as escadas da sacada e a primeira coisa que fiz foi ir até o banheiro, lavei minhas mãos e também meu rosto, arrumei meu cabelo e coloquei meu chapéu novamente, abri a porta do banheiro e subi as escadas até o quarto, peguei minha máscara e coloquei minhas luvas - uma forma de não contrair a doença - suspirei novamente e abri, vi papai sentado na poltrona ao seu lado, Judith dormia em seu colo suavemente, mamãe sorriu, mesmo com sua aparência de exausta consegui ver o brilho em seus olhos.

 

- Fiquei sabendo que estava brincando com o resto das crianças - mamãe diz com a voz rouca, assinto - e estava gostando?

 

- Estava sim, eles são legais - sorri, mesmo que a mesma não conseguiria ver meu dentes.

 

Se aproximei de papai e me sentei em seu colo, peguei na mão fria de minha mãe e acariciei.

 

- Não precisa ter medo filho, mamãe vai ficar bem - ela disse assim que meus olhos se encherão de lágrimas. Assinto secando-as em seguida.

 

Depois de um tempo ali, a noite já havia chegado, resolvi então tomar um banho, me vesti com uma roupa qualquer e desci para comer, afastei a cadeira da mesa e me sentei, papai estava ali com Judith e Michonne. Comemos em silêncio e logo depois subi para o quarto, peguei o gibi novo que encontrei na busca de hoje e abri-o na primeira página, a porta se abriu novamente, era papai, depois que mamãe adoeceu passei a dormir no quarto junto com ele e Judith e mamãe em meu quarto.

 

- Pode trocar Judith para mim? Vou preparar o leite dela... - ele me pediu colocando a pequena sobre a cama, assenti e coloquei o gibi em cima da cama.

 

Tirei a frauda suja da pequena e senti o cheiro desagradável subir, coloquei a frauda nova e por fim a peguei no colo.

 

- Você só é bonita, mais faz uma explosão em - brinquei com a mesma e vejo a gargalhar.

 

A porta é aberta novamente, papai pega judith e a coloca em seu lado dando a mamadeira para a mesma, me deito e sinto o sono me dominar até adormecer.

 

- Carl! Carl! Vamos! - eram as unicas palavras que conseguia ouvia quando me despertei.


Notas Finais


Não esqueçam de favoritar e comentar bombons! Super beijo e até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...