História The Enemy of the Shadows - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Tsuki_no_yaya
Exibições 8
Palavras 1.236
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, FemmeSlash, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Viram o que eu fiz? Viram? Viram?(provavelmente não né mas é a vida 😢) CASO NÃO TENHA VISTO eu mudei a capa da fic, a sinopse, e coloquei capa em TODOS os capítulos! E também já estou planejando o capítulo seguinte (😏)
Bom era só isso mesmo, porque dificilmente eu uso esse espaço para algo útil né…
Boa leitura, meus pequenos padawans.

Capítulo 11 - Festa


Fanfic / Fanfiction The Enemy of the Shadows - Capítulo 11 - Festa

Após longas horas de viagem, chegaram na metade do caminho. A única pessoa que se encontrava desperta, além do motorista, claro, era Yupina. Isso, Yupina, você não leu errado. Quando o diretor perguntou o motivo dela estar acordada, ela se limitou a responder: “Pesadelos”. 


Isso foi a única e última coisa dita no veículo. Ambos se mantinham em um silêncio desconfortável. 

  

Yupina, concentrada apenas no pensamento de seu “sonho estranho demais para ser chamado de sonho”. O motivo do sonho lhe perturbar, não era o fato de ele ser esquisito, e sim o fato dele vir se repetindo desde quando chegou aos Estados Unidos. 

  

Ele se baseava apenas em uma mulher dizendo coisas, que ela já não se lembrava, e após isso dizer “A propósito, meu nome é…”. Ela nunca conseguia escutar o nome. Quando não era um chiado ensurdecedor no lugar do nome, ela era acordada por alguém antes disso. 

  

Resolveu parar de se preocupar com isso, afinal, era só um sonho. Pensando em outras coisas, lembrou de algo que se esqueceu de perguntar a tempos. 

  

Yupina: Ei, cara, por que diabos nós não precisamos ir na aula? 

  

Diretor: Além do fato de vocês estarem investigando um caso que coloca a reputação da escola em risco? 

  

Yupina: Isso, tipo, nós não meio que precisamos passar de ano? E para isso existem duas coisas, chamadas limite de faltas e notas. 

  

Diretor: Bem, isso é só um detalhe. Nós vamos continuar dando nota a vocês de acordo com a média que vocês tinham, e as faltas, nós não iremos contar, pois vocês estarão na escola todos os dias, só não irão comparecer às aulas.

  

Yupina: Tá, mas, isso não é meio que uma… trapaça? 

  

Diretor: Vocês 5, embora não aparentem, tem a inteligência mais avançada do que um adolescente de 16 ou 17 anos. Admito que até eu invejo essa inteligência. 

  

Yupina: Como assim? 

  

Diretor: Vocês foram escolhidos pelo simples motivo de não precisarem mais ir as aulas, porque já tem o conhecimento necessário até para receber um diploma em uma universidade. 

  

Yupina: Tudo bem então… falta muito para chegar…? 

  

Diretor: Agora não falta tanto. Acabamos de entrar na cidade. 

  

Yupina: Melhor acordar os outros então…- ela se virou para o lado e começou a cutucar a loira em seu lado, enquanto a mesma apenas dava gemidos de frustração.- Ei loirinha, acorda, já estamos chegando.- a francesa apenas se encolheu mais em seu banco, ignorando o chamado da ruiva, que já havia mandado sua paciência com ela para o quinto dos infernos.- Acorda porra!- esbravejou dando um empurrão na loira, fazendo-a se chocar com a porta do carro com demasiada força. 

  

Charlotte: Ai! Por que fez isso Yu?- disse já desperta e totalmente irritada com a japonesa. 

  

Yupina: Que culpa eu tenho se já estamos chegando e você não acordava?- perguntou se virando para os bancos de trás, onde se deparou com Yukina escorada no ombro de Jason, o mesmo mantinha sua cabeça na dela, enquanto mantinham suas mãos entrelaçadas.- Meu Deus! Loirinha, vem ver isso aqui! 

  

Charlotte: Que fofo! Preciso tirar uma foto disso!- ela sacou seu celular e bateu uma foto do casal, que fora despertado pelo som da câmera, junto com Allen. 

  

Allen: O que foi isso, Char? 

  Charlotte: Nada, eu só tirei uma foto dos pombinhos ali.- explicou apontando para os dois que já haviam se separado, e estavam em um estado que um ovo poderia facilmente ser fritado na cara deles.- Aliás! Hum… o que era mesmo Yu? Oh, sim! Já estamos chegando! 

  

Yupina: Na verdade já chegamos. 

  

A casa onde ficariam, era afastada de praticamente tudo. 

  

Ela tinha dois andares e uma piscina que parecia mais larga que a casa, embora não tivesse necessidade, já que a casa ficava quase na beira do mar. 

  

Quando entraram nela, o espanto foi maior. 

  

Eles observaram cada detalhe do primeiro andar que podia ser visto da porta. 

  

Com certeza aquilo era trabalho de um decorador profissional. 

  

O diretor disse que iria passar uma noite em um hotel naquela cidade, para descansar e não correr o risco de algum acidente. 

  

Os 5 jovens eram as únicas almas vivas em uma grande distância, já que não tinham nada para fazer, resolveram fazer apresentações que deveriam ter feito faz tempo. Mesmo todos já sendo amigos, não sabiam praticamente nada um dos outros, mas nada que uma brincadeira não resolva. 

  

Charlotte havia sido a primeira, pegou um papel em uma caixa improvisada e o leu. 

  

Charlotte: “Quando é seu aniversário?”- pensou um pouco antes de escolher quem responderia, optou por Yukina, já que como fora criada com Allen, sabia seu aniversário, e o de Jason, que havia contado no dia que se conheceram.- Yuki! Você responde! 

  

Yukina: M-meu aniversário? E-ele é e-em… uma semana…- fora sua vez de pegar o papel.- “Qual sua comida favorita?” b-bem… Allen… 

  

Allen: Espaguete. 

  

E assim a brincadeira seguiu até o anoitecer, Jason estava querendo falar com Yukina sobre o ocorrido no cinema, mas parecia que sempre que ele chegava muito perto dela, ela fugia. 

  

Logo, rapidamente uma semana havia passado. Charlotte, que era muito amiga das japonesas, deu a ideia dos garotos fazerem uma festa surpresa para elas, e garotos porque ela seria a peça chave. 

  

Ela seria a distração, pois ela faria questão de arrastar as duas para compras até receber o sinal verde de Allen. 

  

Claro que, no passeio com a francesa, estranharam o fato de ela estar grudada no celular, que ela mesmo sempre fazia questão de desligar quando saía com alguém para algum lugar. 

  

Alguma coisa estava errada para as asiáticas. 

  

Tiveram certeza disso quando Charlotte entrou em uma loja e se recusou a deixar as duas entrarem. 

  

Perto das 17:00 horas, ela disse que já estava tudo pronto para a volta delas. 

  

Quando chegaram quase não acreditavam no que viam. 

  

Doces e salgados em uma mesa, junto com um bolo, a casa inteira com uma decoração improvisada… aquilo tudo… a última vez que havia sido feito para elas foi um ano antes da trigêmea do meio partir. 

  

Se divertiram até a madrugada, quando chegou a hora de todos estarem cansados e irem para cama. Yukina, embora não quisesse, ainda se sentia encabulada com que iria dividir o quarto com ela. Mas não como no dia que escolheram os quartos. 

  

“Todos estavam cansados, após as brincadeiras que fizeram, já sabiam o suficiente uns dos outros. 

  

Charlotte: Gente… agora percebi que… não decidimos os quartos…- lembrou com a voz sonolenta.- Como tem dois quartos de casal e um de solteiro… eu vou ficar com o Allen em um de casal porque eu posso… 

  

Ela já estava no topo da escada quando disse isso, e claro, ela havia puxado Allen pelo braço escada acima. 

  

Yukina: Então Yupina, você vai dormir comigo né? 

  

Yupina: Não. Você sabe que eu gosto de dormir sozinha. Se não quer dormir no sofá, durma com Jason. 

  

Jason: Por mim tudo bem, e pra você? 

  

Yukina: T-tudo bem…” 

  

Embora tenha dito isso aquele dia, sabia que o rapaz apenas queria falar com ela sobre o beijo do cinema. Ela fazia de tudo para evitar o assunto, mas naquela noite não poderia. 

  

Além dos dois estarem indo para a cama na mesma hora, ela não apresentava nenhum sinal de cansaço, o que só dificultava qualquer desculpa que poderia dar. 

  

Estava em meio a devaneios sentada na cama quando escutou uma voz fazendo-a estremecer. 

  

Jason: Yukina. Precisamos conversar.



Notas Finais


Gostaram? Não? Então foda-s… que pena né?
Mas mudando de assunto, caso não tenha notado, no próximo capítulo tem! Tem sabe o que? Hehehehehe uma carinha diz tudo 😏😏😏😏( no caso, quatro)
Até a próxima jovens!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...