História The Experience - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~foxyiam_

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Kai, Personagens Originais, Sehun, Suho
Tags Drama, Exo, Ficção, Heterosexualidade, Romance, Sexo, Suspense, Tragedia, Violencia
Visualizações 4
Palavras 2.103
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá bolinhos, tudo bem com vocês?
Bom, estamos tendo alguma dificuldade para postar novos capítulos, para ser honesta.
Esse capítulo será um pouco diferente do que costumamos escrever, com um pouco menos de ação, espero que gostem...
Deem suas opiniões ou criticas, serão todas bem vindas!
Desculpem se estamos fugindo um pouco do enrredo da história, queríamos testar algumas coisas, mas mesmo assim, espero que gostem e deem carinho pela fic. Desculpem qualquer erro ><
Boa leitura :3

Capítulo 8 - Ligação


(Aly Mode On)

Encontramos a Lee no meio do caminho toda machucada pedindo por ajuda, Chanyeol que estava comigo no banco traseiro saiu em disparada logo que saí do carro, assim que fui à direção dela pedi a ele que a carregasse com cuidado até o carro e então Kyungsoo nos levou para a casa onde eles três moravam juntos pelo que haviam me dito.

Ao chegarmos na casa, Chanyeol começa a subir as escadas e os meninos e eu vamos logo atrás, entrando no corredor onde ficava os quartos Sehun diz:

- Leva ela pro meu quarto que está mais perto Chany e a coloque na cama para podermos tratar de seus ferimentos. – Sehun passa na frente e abre a porta do quarto para que possamos entrar.

Chanyeol a coloca sobre a cama arrumando seu corpo e pondo o travesseiro sob sua cabeça para que fique mais confortável, eu a o olho de cima a baixo e sinto uma imensa raiva possuir-me ao ver seu estado, ela estava muito machucada, cheia de hematomas e alguns cortes superficiais em seu corpo, até seu rosto estava marcado, como ele se atreve a fazer isso com a minha amiga, não suporto a ideia de saber que ele bateu nela ou que tenha feito qualquer coisa a ela.

Aproximo-me da cama e me abaixo para poder chegar mais perto e ver se haviam cortes profundos para saber do que precisaria para trata-la. Vendo que só precisaríamos limpar seus ferimentos e estancar o sangue viro-me para eles que até agora estavam parados de pé estáticos no meio do quarto apenas nos olhando, estalo os dedos tirando-os do transe e digo:

- Gente, acorda, eu preciso de álcool, gazes e uma pomada, isso já é o suficiente, não há nada profundo, ainda bem. – digo aliviada por não ter que suturar nem nada, meu psicológico não aguentaria.

- Eu acho que tenho aqui. – Sehun vai em direção ao seu guarda roupa e me entrega o que havia pedido. Chanyeol olha para ele e pergunta:

- Por que você teria essas coisas guardadas no guarda roupa? – ergue as sobrancelhas.

- Só sou uma pessoa prevenida, nada demais. – Sehun da de ombros e vira-se para mim. – Eu posso te ajudar, já fiz aulas de primeiros socorros e como não é nada tão grave melhor ainda. – ele me encara esperando por uma resposta.

- Ai que ótimo, na verdade já que sabe mexer com isso poderia fazer só você mesmo, eu não estou muito bem com toda essa situação e não sou boa com isso, ainda mais nervosa como estou poderia machuca-la, então é melhor que você faça. – levanto-me e bato levemente em seus ombros como um sinal de apoio e ele só concorda com a cabeça, vou me retirando do quarto puxando junto Chanyeol e Kyungsoo, ao me aproximar da porta e antes de fechá-la totalmente digo: - Por favor, cuide bem dela, estou deixando-a em suas mãos. – sorrio pequeno e saio.

(Aly Mode Off)

(Sehun Mode On)

Aly havia saído do quarto com os garotos nos deixando sozinhos e confiando Lee aos meus cuidados, para começar pego a cadeira que estava próxima a cama e a coloco em frente à mesma, percorro meus olhos sobre o corpo de Lee e vejo que terei de cortar sua blusa para poder limpar os ferimentos que havia em seu abdômen, pego uma tesoura no criado mudo e corto sua blusa ao meio, deixando-a somente de sutiã e short, jogo seus cabelos que estavam sobre seus ombros para o lado deixando seu pescoço a mostra, o que me fez engolir seco com tal visão que estava tendo dela, porém logo me postei a começar a limpar seu corpo, pego uma gaze e inicio pela testa, vou descendo até chegar em seu busto rodeando cada canto possível, desço mais para limpar o pouco de sangue que havia entre seus seios, até que Lee abre seus olhos e segura minha mão violentamente me assustando fazendo com que eu desse um leve pulo para trás devido sua ação tão repentina.

- Você me assustou! – digo arregalando os olhos e a vejo olhar para todos os lados do quarto.

- Onde está Aly? – ela diz tentando se levantar.

- Pare de fazer esforço, você está fraca. – coloco as mãos em seus ombros e a empurro com calma para que voltasse a sua posição anterior.

Ela olha para seu corpo e em seguida olha para mim com seu rosto ruborizado, ela deve estar achando tudo isso estranho, estava apenas de sutiã comigo no quarto e eu ainda estava a tocando. Vendo que aparentemente ela possa estar constrangida com tal situação digo:

- Fique aqui deitada que eu vou chamar a Aly. – ia me levantando para sair, porém sinto Lee segurar meu braço fazendo com que eu voltasse a sentar e a encaro esperando que diga algo.

- Não precisa chama-la, vou deixar que termine o que começou. – ela diz levando minha mão até seu corpo. – Somente irei fechar os olhos para que você possa ficar mais confortável. – ela da um sorriso de canto e fecha seus olhos lentamente.

Somente assinto pegando outra gaze, mas paro antes de fazer qualquer coisa e fico a olhando, observando-a, vendo como ela se mantinha forte e confiante, apesar de seu corpo frágil e delicado ter passado por alguns apuros, ela continuava esplêndida... Balanço a cabeça voltando à realidade, dispersando-me de meus pensamentos e voltando a cuidar de seus ferimentos.

(...)

 Inclino meu corpo sobre o seu, aproximando-me de seu rosto coloco minha mão no canto de sua boca limpando o sangue que havia ali, sinto sua respiração forte e novamente ela abre seus olhos vendo meu rosto tão próximo do seu enquanto olho para sua boca, mesmo que estivesse apenas limpando. Ela fica olhando fixamente para mim sem dizer nenhuma palavra sequer.

- Só faltava aqui. – digo dando um sorriso sem graça e me afasto.

- Por que está assim? Está com vergonha de mim? – ela diz com tom de divertimento apoiando seus braços na cama, levantando seu tronco e inclinando sua cabeça para o lado.

- Não estou com vergonha de você. – digo voltando a me aproximar dela. – Só não sei o que você possa estar pensando dessa minha aproximação, mas juro que não estou me aproveitando de nada. – levanto minhas mãos e esbanjo um semblante de pura inocência.

- Não sei não, essa sua cara aí é suspeita. – ela diz apontando para mim rindo. – Mas, onde estão os outros?

- Ah sim, eles estão na sala nos esperando, disseram que quando eu terminasse era para nós irmos.

- Certo. – ela diz calma. – Então vamos lá. – ela tenta se levantar impulsionando seu corpo, porém falha. – Meu corpo está dolorido, não estou aguentando me movimentar muito. – ela diz se sentando na cama.

- Espera. Você não está se esquecendo de nada? – a encaro.

- E o que seria? – faz uma expressão de dúvida.

- Você vai até lá só de sutiã? – digo olhando para seu corpo.

- Ah, é mesmo. – ela diz levando suas mãos até seus seios os cobrindo sem graça. – Cadê minha blusa? – ela procura ao seu redor.

- Bem, eu a cortei. – olho de soslaio para ela.

- Você o que? 

- Só coloque isso. – corro até meu guarda roupa trazendo de lá uma camisa minha para ela. – Erga os braços. – digo e ela somente fica me olhando. –Erga-os. – gesticulo pedindo mais uma vez e assim que ela faz o que havia pedido passo a camisa através de seus braços e cabeça, logo em seguida pego-a em meus braços, ela se espanta um pouco e me olha atenta.

- O que está fazendo? – diz corando levemente.

- Estou cuidando de você. – dou um sorriso ladino e sem dizer mais nada a levo no colo até a sala. Chegando lá vou até o sofá que estava vazio e a coloco nele sentando ao seu lado logo depois, olhamos para os três que estavam sentados no outro sofá e eles nos abrem um sorriso cínico. – O que foi?  - digo erguendo as sobrancelhas.

- Até que enfim né. – Aly que estava sentada no meio do Chany e Soo se inclina em direção à mesinha de centro pegando alguns salgados que havia sobre uma bandeja e depois da um na boca de cada um dos dois em seguida colocando uma na sua. - Eu estava nervosa e pedi alguns salgadinhos, comam. – ela diz alegre e volta a olhar para a TV que estava passando um filme, que aparentemente era de comédia e ação.

- Ok. – pego um pratinho e coloco alguns salgados nele e entrego para Lee. – Toma, você precisa comer. – digo e relaxo meu corpo deitando a cabeça sobre seu colo enquanto a observava e pensava no quanto tudo isso que aconteceu possa ter aproximado mais todos nós.

(...)

Estávamos todos confortáveis e tranquilos enquanto assistíamos ao filme e sorríamos entre nós, preferimos não comentar no momento sobre nada do acontecido, pois pensamos que Lee não quisesse falar sobre isso agora, estávamos num clima alegre e divertido até que um celular começa a tocar.

- É o meu. – Soo o levanta e diz “é anônimo”, com receio ele atende. – Alô, quem fala? – ele se espanta levantando bruscamente. – O que você quer falar com ela? Pode dizer para mim mesmo. – ele coloca a mão em sua cintura já impaciente. – Não vou deixar você falar com ela.

- Quem é? – Aly e Lee sussurram para ele.

- Ninguém importante. – diz Kyungsoo para nós.

- Fala logo quem é droga! – Chanyeol diz se alterando.

- Tá bom, tá bom. – ele diz emburrado. - É alguém que quer falar com você. – Soo vem em nossa direção e entrega o celular para Lee contra sua vontade.

(Sehun Mode Off)

(Lee Mode On)

-Alô? – digo após pegar o celular e posicionar sobre meu ouvido.

“Boa noite docinho, sentiu saudades?” Me arrepio ao escutar a voz de quem falava, e eu sabia perfeitamente de quem se tratava.

- Kai, o-oque você quer? – minha voz falha ao falar com ele. – Como conseguiu esse número?

“Ah sua bobinha, eu sei de tudo e caso não saiba eu conheço bem o Soo.” No mesmo instante arregalei os olhos e olhei para Kyungsoo sem entender muito bem do que ele estava falando. “Você não achou que iria sair daqui tão facilmente e eu não iria te achar não é?” Ele pergunta e eu apenas me mantenho em silêncio. “Eu pus um rastreador na sua roupa, sabia que iria tentar escapar novamente, e agora eu sei perfeitamente onde você está!” Assim que ele diz isso começo a procurar na roupa em que eu usava onde o rastreador estava, passo as mãos sobre todo meu corpo à procura e quando coloco as mãos nos bolsos do short, o acho e começo a tentar quebrar com os pés em desespero, quando consigo retorno ao meu estado anterior passando as mãos em meus cabelos e voltando para a ligação. “Mas hein, me fala, a sua amiguinha Aly está ai também? Adoraria passar um tempinho com as duas. Seria bem divertido, não acha?”

- Não, não acho. – digo tentando me manter firme. Tenho medo do que possa acontecer, pois sinto que ele sabe mais do que imagino. – Eu já disse que não sei de nada sobre o que você queria saber. O que está querendo agora? – digo tornando meu semblante um tanto aterrorizado.

“Ahhhh, agora você acha que eu quero só isso? Acha mesmo? Está muito enganada, porque agora eu não quero somente obter respostas, apesar de que eu acho que não seria uma má ideia buscar respostas com sua amiga.” Respiro fundo tentando me manter o mais calma possível.

- Não ouse fazer nada com ela, eu já disse tudo que sabia e ela não sabe de nada também. – digo alterada, estava me tremendo de raiva e nervosismo, não conseguia conter minha apreensão com o que ele seria capaz de fazer.

“Que nada docinho.” Diz sarcástico. “Que tal marcarmos um pequeno encontro para matar a saudade um do outro hein? O que acha? Estou louco para te ver novamente, esse tempo que já se passou está me deixando sedento por mais. Também pode trazer a Aly se quiser, garanto que só teremos boas recordações.” Escuto seu riso cínico e sádico do outro lado da linha, é como se ele estivesse tão próximo e cada vez mais perto de me ter em suas mãos mais uma vez e tudo que me rodeia para si, e agora era ainda pior, pois parecia que nada o impediria de fazer o que bem entender, tornando tudo mais perturbador.

(Lee Mode Off)


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse capítulo, estou um pouco nervosa, confesso!
Maaaas, fiquem ligadinhos nos próximos capítulos, eles irão explicar tudo.
Annyeong Boolinhooos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...