História The Falling of an Order - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 19
Palavras 2.023
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Esporte, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi oi gente, tá admito fiquei muito tempo sem postar, admito mais, tava sem criatividade nenhuma, admito já estamos quase no final e não quero que acabe, amo escrever essa historia, espero que estejam gostando de ler. Bom tá ai esse cap como presente de dia das crianças, afinal seremos eternas crianças. Até lá me baixo, bjs

Capítulo 23 - Você vai entender.


Ainda estava confusa de como tudo tinha acontecido, o monitor praticamente me arrastava pelo braço, apesar daquele momento de distração com a Lorena, eu estava apavorada com aquilo tudo, fiquei me perguntando se tinha feito algo errado. Me apavorei quando passamos pela sala da diretoria e continuamos a caminhada, paramos em frente a uma sala que pelo que todos diziam nunca era aberta.

- Joseph, onde você está? – Ele falou em um tom quase que desesperado. Vi o enfermeiro estagiário aparecer com uma cara de sono, aquela sala parecia muito com um pequeno apartamento, ao que parecia ele morava ali. – Eu preciso daquele seu poder. – Ele continuou falando ainda segurando firme meu braço, o que já estava começando a me irritar, mas como eu queria saber o que estava acontecendo por ali continuei calada.

- Eu fui expulso por ter descoberto esse poder, e você quer que eu o use? – Ele perguntou com uma cara de indignação.

- Talvez tenhamos achado a solução para os nossos problemas, você vai poder voltar para a Ordem se me ajudar, vamos, não vai te custar nada. – Ele tentava persuadir o rapaz que revirando os olhos veio em minha direção.

- Primeiramente larga o braço dela, você vai acabar machucando-a. – Sorri para ele, ele parecia ser uma pessoa legal, e parecendo finalmente perceber que ainda segurava em meu braço com força o monitor saltou meu braço que comecei a esfregar o olhando com cara de poucos amigos. – Pequena? – O estagiário chamou minha atenção e revirei os olhos para aquele apelidinho que todos estavam se acostumando a usar em relação a mim. – Okay, você não gosta muito desse apelido. –Ele falou dando uma risada pela cara de ironia que fiz. – Olha, vou precisar segurar sua mão por um tempo, você se importaria? – Ele perguntou constrangido.

- Você vai entender. – O monitor falou quando olhei para o estagiário confusa, dei de ombros depois de alguns segundos de silencio, eu queria sair logo dali e aposto que se eu dissesse não aquele monitor iria me obrigar a isso. Ele então tocou a minha mão, e senti como se ele pudesse me ler, era uma sensação estranha, mas fiquei ali imóvel esperando que acabasse logo, depois de uns dois minutos como se ele houvesse sido empurrado ele voou em direção ao sofá que havia ali. O monitor correu para o socorrer.

- Ela é. – O ouvir pronunciar quase que inconsciente.

- Foi ela que fez isso? – O monitor assustado.

- Ela tem poderes que ainda não descobriu e consequentemente não sabe controlar, um deles não me deixou entrar para ver o passado dela. – Ele falou com uma voz baixa entre gemidos de dor.

- Precisamos avisar a direção, precisamos proteger ela, ela não está mais segura, se o James descobre acabou com nossa chance. – O monitor falava rápido com as mão na cabeça fazendo com que eu tivesse que me esforçar para poder entender uma boa parte do que ele falava. E mesmo conseguindo diferenciar o que ele falava, não compreendia o porquê daquelas palavras. Tentei me pronunciar algumas vezes, mas tudo estava tão confuso, tinha acontecido tão rápido. – Vamos. – Ele falou me despertando dos meus questionamentos internos.

- Para... – Tentei em vão terminar a frase o sinal tocou e aquela multidão de adolescente começou a passar por nós já que havíamos cruzado os corredores desviando das salas principais. Estava apavorada imaginando para onde ele estava me levando, mas parece que seus planos foram frustrados, ele olhou com decepção para um carro preto que havia em frente à escola, ele me olhou preocupado e me levou para a sala de música que estava um tanto perto de nós.

- Olha, não posso falar muito sobre isso, mas você não está salva, eu não posso te contar tudo agora, mas vou ter que sumir por um tempo, olha, você não me conhece, mas te peço para não confiar em ninguém, não vou estar aqui, e não quero que aconteça com você o mesmo que aconteceu com a sua irmã, você só precisa saber de uma coisa, eu vou voltar e vou te explicar tudo, aquela sala que estávamos é protegia, então ninguém dá Ordem poderá te localizar se estiver lá, mas tente não ficar indo lá, ou vão descobrir a localização do Joseph, quando as coisas estiverem mais calmas você vai até lá que ele te dará algumas respostas, preciso que seja forte, que não desista e principalmente, não confie em ninguém da ordem, não conte isso para ninguém, você é uma garota forte, é um nível cinco como a sua irmã, e aposto que se ela estivesse aqui teria muito orgulho de você. – Ele falava tudo um pouco rápido mas era audível, eu prestava atenção em tudo que ele dizia mesmo não entendo do que ele estava falando, aquilo parecia ser um assunto sério, tudo aquilo parecia ter haver com o carro que vimos antes dele me arrastar para dentro daquela sala, pensando bem eu já conhecia aquele carro, eu havia o visto na foto em que o James estava junto com a Anelise e o Scott. Tudo estava tão confuso que eu não conseguia raciocinar direito. – Eles não sabem que eu estava lá e que você está comigo, neste momento devem estar procurando por você pela escola, vou precisar que assim que fique fora do alcance da minha stagnus tome cuidado e vá até o armário 347 e pegue alguns papeis que estão lá, vai te ajudar. – Ele continuou tirando-me dos pensamentos confusos que estavam em minha mente desde quando ele me arrastou da área da piscina. – Está aqui a chave, agora vá, mas tome cuidado. – Ele me entregou a pequena chave e apontou para a porta de saída me ainda me olhando preocupado.

Ainda confusa sai da sala de música e andei a esmo pelos corredores, esfregava constantemente a chave com meus dedos, minha mente viajava até que me vi atrás do terceiro prédio da Scripeds, olhei em volta e vi tudo muito quieto, na hora me veio o olhar de preocupação e as palavras daquele que me arrastou para a sala de música, eu poderia pensar nele como um monitor, mas eu tinha a plena certeza de que monitor era a última coisa que ele poderia realmente ser, tentei voltar para onde teria algum movimento, com medo de que algo acontecesse, mas um homem com uma estatura alta e cabelos compridos me surpreendeu.

- A onde pensa que vai? – Ele falou em tom de sarcasmo se aproximando de mim lentamente. Olhei para os lados tentando encontrar uma saída em quanto dava passos incertos para trás.

- É-é, estão me pro-procurando, e-eu tenho que ir. – Tentava falar, mas o olhar dele me dava arrepios, eu sentia que agora iria descobrir o porquê de todas a instruções para eu tomar muito cuidado que eu mesmo sem perceber não segui.

- É, eu sei... – Ele falava com um sorriso malicioso. – E eu fui incumbido de não permitir que isso aconteça.

- O-o que vai fazer comigo? – Perguntei olhando para os lados procurando uma saída e tentando ganhar tempo.

- Você vai ter o mesmo fim que a sua irmãzinha, mas não vai precisar parar em uma dimensão diferente primeiro. – Ele falava tudo com um sorriso no rosto, eu tentava não deixar o medo vencer. – Chega de conversa. – Ele falou se jogando em minha direção esticando os braços para me agarrar, por reflexo consegui me esquivar, ia começar a correr mas ele parou em minha frente impedindo a minha passagem e tentando um novo agarro, me abaixei por instinto e dei uma cotovelada na direção do estomago dele, ele se inclinou para frente segurando o lugar da pancada, com uma rasteira o fiz cair no chão, passei por cima do seu corpo tentando correr novamente, mas ele agarrou minha perna me fazendo cair e impedindo minha fuga, seu aperto era tão forte que mesmo eu sendo morena tinha a plena certeza de que ficaria roxo, tentei a todo custo me saltar, mas ele não largava mesmo sentindo dor, eu só precisaria chegar na frendo do difícil, eu não queria gritar, poderia ter capangas dele ali por perto, eu ainda não consegui entender o porquê daquilo estar acontecendo comigo, eu estava perto de onde alguém poderia me ver, mas vi minhas esperanças irem embora quando meu corpo vou guisado do chão e arremessado para longe, uma dor aguda invadiu minhas costas quando senti o empaqueto com o chão, ele vinha em minha direção com a expressão fechada. – Não achei que iria precisar de tanto esforço para poder matar uma garotinha, vejo que é difícil, mas para tudo há se um jeito. – Ele falava se aproximando cada vez mais, tentei me levantar, mas a dor me fez cair novamente no chão, ele colocou um de seus pés em cima de minha barriga e fazendo pressão, senti tudo rodar e me forcei a ficar consciente, não poderia desmaiar, não naquela hora.

- Por que está fazendo isso comigo. – Perguntei com a voz baixa em meio aos gemidos de dor.

- Você realmente nem imagina por que vai morrer? – Ele me perguntou com um sorriso de lado e balancei a cabeça negativamente em resposta. – Acho que merece ao menos saber isso, eu fui mandado pelo seu tio, sabe, ele não é um cara que gosta de compartilhar. – O olhei espantada e ele irou o pé que pressionava minha barriga. – É acho que não preciso te segurar, você não está conseguindo nem respirar direito. – Ele sorriu maléfico com a própria piadinha de mal gosto, e continuou. --- Sabe, o James? É, ele não quer concorrência, e por isso estou aqui, para matar a qualquer um que o impeça, estou ganhando uma grana preta para estar aqui garotinha, nem acredito que vou ganhar tanto por tão pouco esforço, achei que uma nível cinco seria um pouco mais forte. – Me levantei fazendo uma careta pela dor que preenchia minhas costas, coloquei toda a força em um braço e soquei a cara dele com gosto, ele cambaleou para trás e eu dei um sorriso de lado. – Admito, você tem garrar, mas só isso não é o suficiente garota. – Ele falava balançando a cabeça negativamente e vindo em minha direção me empurrou fazendo com que eu fosse de encontro ao chão novamente. Minha cabeça doía e tudo em minha frente começou a ficar embaçado novamente, eu estava perdendo o pouco de mim que ainda restava, pensei no que havia acontecido mais cedo e tente me concentrar totalmente para tentar ativar algum de meus poderes, eu não sabia como controlar, não fazia ideia de como tinha feito mais cedo.

- Essa escola deveria me ensinar a isso, mas a única coisa que ela causou foi um cara tentando me matar, acho que minha mãe tinha razão em querer minha mente apagada, nada disso teria acontecido. – Pensava vendo-o rir do desespero que provavelmente estava estampado em meu rosto. Tudo acontecia para mim como em câmera lenta, não sabia o que ele estava esperando para acabar logo com aquilo tudo, talvez estivesse se arrependido, ou estivesse com remoço do que estava preste a fazer, mas pelo sorriso maldoso em seu rosto eu imagino que esteja pensando em formas diferentes para dar um fim em meu corpo, tentei voltar meus pensamentos para os meus poderes, tentava a todo custo os ativar, nem que fosse apenas uma poeira caindo no olho dele para o distrair.

- Está bom, agora chega de apressar isso, tenho que fazer isso antes que algum intrometido ou qualquer casalzinho venha aqui para atrapalhar meus planos, eu te mataria de uma forma mais divertida, mas tenho que ser rápido. – Ele falou esticando os braços para o lado do corpo fazendo com que eles ganhassem um volume, parecia algum metal pesado, ele juntou as duas mãos com os pesos como um martelo. Fechei meus olhos, e em rendição respirei pesadamente, não tinha mais o que fazer, imagem das pessoas que agora estavam sendo importantes para mim passaram como um flash em minha mente, meus novos e antigos amigos, minha familia. Eu tinha que lutar, que reagir, por eles.

E então abri meus olhos...


Notas Finais


Então, foi isso, espero que estejam gostando da historia, sinto informar que ela já está perto do fim, então querem que eu a termine? Um beijo para vocês e até o próximo :) <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...