História The Family Business - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Abaddon, Adam Milligan, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Crowley, Dean Winchester, John Winchester, Rowena MacLeod, Sam Winchester
Tags Sobrenatural, Supernatural, Winchester
Visualizações 50
Palavras 5.860
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sci-Fi, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 44 - Alfa e Ômega


Fanfic / Fanfiction The Family Business - Capítulo 44 - Alfa e Ômega

POV MALU

Andei até Dean e o ajudei a se levantar com um pouco de dificuldade. 

_ Veja se eles estão bem - falei.

Dean andou até Sam e o ajudou a se levantar. Procurei por Gabriel mas não havia sinal dele em lugar nenhum. Fui com Dean até Lúcifer que estava desmaiado e nos abaixamos ao lado dele.

_ Lucy? - chamei enquanto o balançava sutilmente, não obtendo resposta.

_ Dean? Malu? - ele acordou nos olhando confusos.

_ Castiel? - Dean se aproximou - É você?

_ Sim - ele respondeu enquanto nós o ajudávamos a se levantar.

_ Não querendo ser grossa, estou feliz em ver que você está bem mas cadê Lúcifer? E Gabriel? - perguntei.

_ Ele.. se foi. Amara o expulsou do meu corpo - falou.

_ Pra onde? - Dean perguntou.

_ Eu não sei - Castiel admitiu.

_ Você está.. bem? - Sam perguntou a Chuck, o ajudando a se levantar assim que nos aproximamos.

_ Sabe quando um inseto bate no vidro do carro? - Chuck nos olhou - Me sinto como o inseto agora. 

_ E o quê Amara disse sobre você estar morrendo é.. - Sam começou a perguntar mas Chuck o interrompeu.

_ Verdade - falou - Posso sentir minha centelha divina se apagando. E quando se apagar.. 

_ Podemos te ajudar? - perguntei - Algum feitiço ou sei lá..

_ Não podem - ele respondeu - Só Amara pode fazer isso mas ela não faria.

Ouvimos barulhos de passos e rapidamente Dean e eu tiramos a arma de nossa cintura e apontamos pra porta, ao mesmo tempo, em uma perfeita sincronia.

_ Ah, que adorável. O casalzinho pensa junto e agem junto - Rowena falou com desdém e nós bufamos, abaixando a arma.

_ Bem, isso foi completamente inútil não é mesmo? - Crowley pergunto aparecendo por outro lado. 

_ Não sabia que cachorros tomavam café da manhã - Castiel falou e Sam o olhou confuso com a piada ruim.

_ Castiel voltou - Dean explicou para o irmão.

_ Curiosidade: Alguém foi olhar lá fora? - Rowena perguntou.

Saímos pela porta um por um. Rowena, Dean, eu, Cass, Crowley e Sam que ajudava Chuck a se manter de pé.

Dean olhava para a rua, com toda a bagunça feita no ataque a Amara.

_ Amor.. - toquei em seu braço e ele me olhou, puxei seu braço o virando para encarar o lado que todos nós olhávamos e ele arfou percebendo.

O céu estava em um tom rosado, com o sol numa cor salmão e apagado. 

_ O que é isso? - ele perguntou confuso.

_ Parece que o sol.. - comecei.

_ Está morrendo - Chuck completou minha frase.

_ Por que Amara faria isso? - Sam perguntou.

_ O Sol é a fonte de vida de tudo no planeta terra - falei - Sem ele, a vida apenas.. 

_ Definharia - Castiel completou.

_ Vamos sair daqui - Dean falou.

De repente, todos estávamos no Bunker.

_ Você? - Crowley perguntou a Chuck.

_ Não olhe pra mim - ele falou ainda apoiado em Sam - Estou sem forças.

_ Rowena? - Crowley perguntou confuso.

_ Não fui eu - ela disse - Não estava fazendo nenhum feitiço de teleporte.

_ Francamente? - Chuck falou e Dean me encarou - Tem outra pessoa poderosa na sala, não se esqueçam disso. Malu?

_ Tenho alguns truques na manga - falei e eles suspiraram.

Sam levou Chuck até a mesa dos mapas e arrastou uma cadeira para o ajudar a se sentar.

_ O que faremos agora? - Castiel perguntou pensativo.

Dean, Sam e eu trocamos olhares rápidos e Dean saiu em direção a cozinha. 

_ É a sua vez ou a minha? - perguntei para Sam assim que ele se aproximou de mim, enquanto os outros conversavam distraidamente.

_ É a sua - ele respondeu - Pode ir atrás do problema. 

_ Droga - sorri pra ele enquanto ia pra cozinha.

_ Boa sorte - ele também riu.

_ Sério? - perguntei assim que vi Dean bebendo uma cerveja na cozinha.

_ Sério - ele respondeu de olhos fechados e respirando fundo - Nós atingimos Amara com tudo que tínhamos e não funcionou. Estou tentando relaxar e aceitar que o mundo está acabando.

_ Então, é a última chamada? - perguntei me aproximando dele calmamente.

_ Isso ai - ele deu mais um grande gole na garrafa de cerveja - Me diga o que fazer, em quem bater ou o quê matar.. posso fazer isso até morrer. Mas não tem como concertar o maldito sol.

_ Tudo bem.. - suspirei.

Me sentei na mesa e com as duas mãos puxei a gola de sua jaqueta de couro, o trazendo pra perto e o colocando no meio das minhas pernas.

_ Vai com calma ai Kiddo - ele sorriu erguendo as sobrancelhas - Temos Deus, um anjo, um demônio, uma bruxa e o Sam no cômodo ao lado. E nós dois sabemos que não sabemos nos controlar.

_ Bom.. - sorri passando os braços em volta do pescoço dele - O mundo está acabando mesmo, que se dane. Você não queria uma forma de relaxar? - ri - Estou te oferecendo um meio.

Dean juntou nos lábios em um beijo feroz e desesperado. Quando nossos pulmões gritavam por ar, tivemos que nos separar.

_ Vem comigo - ele disse enquanto me tirava da mesa e me pousava no chão.

_ Pra onde? - perguntei rindo do desespero dele em me puxar até a porta.

_ Você vai ver..

O Winchester mais velho pegou na minha mão e nós passamos pela porta da cozinha rapidamente, sem que ninguém nos vessemos, descemos as escadas rapidamente. 

 

POV SAM

_ Charles, vou fazer um chá - Rowena comentou com Chuck enquanto o ajudava a se sentar melhor na cadeira - Mamãe dizia que um chazinho resolve tudo. Já volto.

Rowena foi para a cozinha enquanto Crowley se sentava junto de Chuck na mesa, com uma garrafa de whisky na mão. Eu apenas fiquei no sofá da sala com o notebook enquanto Cass assistia tv.

_ Ela está te usando - falou para Chuck - É o que ela sempre faz. Encontra alguém com poder, se aconchega e enfia as garras. 

_ Bom, eu não estou ajudando ninguém no momento - Chuck respondeu - E ela tem sido legal.

_ Por enquanto - Crowley falou enquanto tomava um grande gole de Whisky.

_ Por enquanto é só o quê nós temos - Chuck falou.

_ Tanto faz - Crowley rebateu - Não vou te chamar de papai.

 

_ Fergus era brilhante - Rowena comentou com Chuck que sorria - Andou antes do primeiro aniversário. Mas detestava usar calças. Vivia correndo pelo vilarejo com o pintinho balançando ao vento.

_ Adão e Eva eram iguaizinhos - Chuck respondeu.

_ Crianças.. - os dois falaram juntos.

_ Fico feliz que o mundo esteja acabando - ouvi Crowley murmurar ao meu lado enquanto ouvia a conversa da mãe.

_ O que exatamente estamos fazendo? - perguntei.

_ Nada - todos responderam juntos.

_ Exatamente - bufei - Amara está lá fora destruindo o sol e tudo que nós fazemos é nada.

_ Tem ideia melhor? - Crowley perguntou.

_ Sim - falei - Qualquer coisa! Essa é a minha ideia melhor. Melhor do que fazer nada.

_ Sam, eu entendo - Chuck falou - Mesmo que pudéssemos trancar Amara, nada adiantaria agora. Estou morrendo. E quando eu me for.. o equilíbrio cósmico que existe entre Luz e Escuridão terminará.

_ Tudo bem - pensei - Se não podemos prender ela, vamos matar.

_ Acertou - Crowley falou tomando um gole de whisky.

_ Onde está Dean e Malu? - perguntei olhando em volta.

 

POV DEAN

_ Bom.. - falei com dificuldade de respirar - Isso foi.. caramba.

Ela apenas riu enquanto se aconchegava no meu peito e eu brincava com os cabelos ruivos dela.

_ Foi uma boa maneira de relaxar - ela comentou sorrindo - Por alguns minutos nós esquecemos a história de fim do mundo.

_ Realmente - sorri - Mas infelizmente temos que voltar logo antes que sintam nossa falta.

_ Precisamos mesmo? - ela fechou os olhos sorrindo.

_ Precisamos - suspirei - Por mim eu continuaria aqui dentro do impala com você mas precisamos ir. Vamos encontrar um jeito de acabar com a Amara.

_ Tudo bem - ela suspirou enquanto procurava suas roupas.

Procurei minhas roupas que estavam espalhadas pelo carro e vesti a cueca.

_ Não vamos conseguir nos vestir aqui - falei - Não sei nem como a gente conseguiu se despir.

Abri a porta de trás de carro e saímos. Vesti a calça e calcei os sapatos enquanto Malu procurava pelo sutiã dela. Ela saiu do carro e vestiu a calça enquanto eu terminava de vestir a camiseta e a jaqueta.

_ Malu? Dean? Onde vocês dois est.. - a voz de Sam surgiu nos assustando e ele parou nos olhando com os olhos arregalados - Estão.. achei.

Os olhos dele rapidamente pousaram em Malu que estava sem camiseta.

_ Hey Sam, olha o respeito.. - falei entrando na frente dela e o empurrando para se virar - Não sabe bater?

_ Vocês estão na garagem! - ele falou se virando de costas para nós dois - Não tem como bater. A propósito, bonito sutiã Malu. A cor vermelha é a minha favorita.

Dei um soco no braço dele que riu.

 

POV MALU

_ Então agora você quer matar a Escuridão? - Dean perguntou confuso.

_ Bom, Chuck está morrendo - falei - E isso faz com que o equilíbrio se perca e a balança tombe para os dois lados. Se nós matarmos Amara, a balança não vai pender pra nenhum dos lados.

_ Eu topo - Dean falou - Como faremos isso?

_ Ela parece impossível de ser destruída - Castiel comentou.

_ Ela é? - Sam perguntou a Chuck.

_ Bom.. - ele suspirou - A fraqueza da Escuridão é a Luz.

_ De quanta luz estamos falando? - Sam perguntou.

_ Não sei - Chuck pensou - Uma supernova de uns 10 mil sóis?

_ Bem, você é Deus - Dean falou - Só criar uma.

_ Bom.. eu não estou em condições pra isso - ele respondeu.

_ Tudo bem.. só precisamos de outra ideia - Sam comentou - Malu.. e quanto ao livro dos condenados?

_ Isso está além - falei.

_ Ok - Sam pensou - Crowley?

_ Eu não tenho nada - ele respondeu.

_ E quanto as almas? - Castiel perguntou - Almas são baterias vivas. Cheias de energia.. cheias de luz. Cada uma é tão poderosa quando.. uns cem sóis?

_ Ele não está errado.. - falei.

_ E o que faremos com esse poder? - Dean perguntou.

_ Se conseguirmos almas o bastante, posso criar uma bomba - falei.

_ Isso resolveria? - Dean perguntou a Chuck.

_ Talvez.

_ Ótimo - Sam sorriu - Temos um plano B.

_ Tudo bem - Dean me olhou - De quantas almas estamos falando?

_ Bom.. quanto mais, melhor - falei.

_ Posso pedir aos anjos - Castiel falou - O céu está cheio de almas.

_ Ok.. e o que mais temos? - Sam perguntou.

_ Fantasmas - Dean respondeu - São apenas almas com problemas não é?

_ Sim - Sam falou - Mas precisamos de muitas.

_ Waverly Hills - falei. 

_ Sanatório Waverly Hills - Sam sorriu - Milhares de pessoas morreram lá. 

_ Uma tonelada deles - Dean completou.

_ Isso é desespero - Rowena comentou.

_ E burrice - Crowley falou.

_ Desespero e burrice é tudo que temos. A menos que tenha a cura pra Deus escondida no bolso Crowley, essa é nossa única opção no momento - Dean rebateu.

_ Tudo bem - ele bufou - Vou revirar o inferno e ver o quê sobrou dos meus pactos.

_ Certo - Sam sorriu - Vamos ao trabalho.

 

_ Acha que vai funcionar? - Dean perguntou enquanto encarávamos a ruína a nossa frente.

_ Sim - falei - Não confia em mim Loiro?

Ele engoliu em seco e entramos no sanatório.

O EMF soou enlouquecidamente enquanto passávamos pelos corredores. As portas velhas de madeira dos quartos começaram a abrir e fechar, quanto uma ventania esparramava os papéis jogados no chão. Olhei atentamente para o corredor e vi a imagem de um homem alto e moreno com uma espécie de avental branco piscou algumas vezes e desapareceu. Me aproximei de Dean e segurei seu braço.

_ O lugar faz jus a fama - Sam falou olhando em volta.

_ Com certeza - Dean concordou se arrepiando.

_ Está com medo amor? - perguntei sorrindo.

_ Certo - ele bufou - Vamos caçar alguns fantasmas.

Entramos numa sala que deveria ser a de convivência e olhamos em volta. As grandes janelas estavam cobertas de poeira e teia de aranha.

Enquanto Dean preparava as armadilhas, Sam e eu cobríamos as janelas e paredes com sal. 

_ Onde eles estão? - Sam perguntou olhando em volta.

Dean pegou uma barra de ferro enquanto guardava o resto dos materiais na mochila que estava no meio da sala. 

_ Apareçam Gasparzinhos! - Dean gritou.

_ Quer saber? - Sam me olhou - Vocês terminam isso aqui enquanto eu vou irritar eles.

Sam saiu da sala com a espingarda de sal grosso na mão.

_ Vocês me dão cobertura enquanto eu faço os feitiços pode ser? - falei com Dean e ele piscou pra mim, concordando.

Ouvimos tiros e Dean me puxou pra trás dele enquanto ele segurava a barra de ferro com uma mão e pegava a arma na outra. 

_ Ok, acho que deu certo - Sam gritou enquanto passava pela porta correndo.

Em uma espécie de fila indiana, eles entraram na sala enquanto Dean e Sam atiravam neles, eles apenas sumiam e apareciam em outro ponto da sala.

Com um tiro único e certeiro, acertei o saco de sal sob a soleira da porta que se rasgou e caiu fechando o círculo, deixando todos os fantasmas presos na sala.

Havia muitos fantasmas na sala e eles iam se aproximando de nós cada vez mais enquanto eu tirava as coisas da mochila e os meninos estavam a minha volta, acertando os fantasmas e os impedindo de nos alcançar. 

O homem alto que eu havia visto no corredor jogou Dean para longe, que caiu longe da barra de ferro e arma.

Uma mulher alcançou o pescoço e o arremessou para outro canto da sala.

Um velho, baixo e machucado se aproximou de mim e me ergueu pelo pescoço. Ele me encarava com os olhos vazios enquanto eu tentava desesperadamente encontrar o ar. De repente, o homem desapareceu e os braços de Dean me envolveram enquanto ele abaixava a barra de ferro e eu voltava a respirar.

Haggis! - gritei enquanto os fantasmas se aproximavam de nós.

A luz roxa que emanava do cristal tomou conta da sala e todos os fantasmas foram sugados para dentro dele numa explosão de luz. 

_ Palavrinha mágica - Sam comentou ofegante, assim como Dean e eu.

 

_ Os anjos estão bravos. Não vão ajudar - Castiel falou.

_ Eles sabem que é o fim, certo? - Dean perguntou - De tudo?

_ Sim - ele respondeu.

_ E não se importam? - perguntei.

_ Não é isso.. - Castiel nos encarou - É que eles sabem que Deus está morrendo e acham que não há como vencer. Vão lacrar o céu e "morrer com dignidade".

_ Que maravilha - Dean falou com ironia.

_ Bom, enquanto estive afastado, os demônios saquearam o estoque do inferno e fugiram - Crowley falou.

_ O que temos agora não basta - Castiel falou.

De repente, as luzes do Bunker ficaram vermelhas e piscaram. Dean e eu pegamos rapidamente as armas no cós da calça e apontamos pra porta, no começo das escadas.

_ Bela casa - a mulher morena de cabelos cacheados falou, parando no topo da escada.

_ Billie? - Sam, Dean e Crowley falaram juntos.

_ Quem é Billie? - perguntei.

_ Ceifadora - Dean respondeu enquanto guardávamos a arma e ele passava os braços em volta da minha cintura - Resumindo, ela nos quer mortos. Super divertida.

Ela desceu as escadas vindo em nossa direção.

_ Oi - sorriu e piscou pra Crowley quando passou por ele.

O rei do inferno ficou corado? É isso mesmo produção? 

_ O que você está fazendo aqui? - Sam perguntou.

_ Eu os vi em Waverly Hills - ela falou enquanto cruzava os braços - E eu sou um pouco curiosa. Por que estão prendendo fantasmas?

_ Por que isso te importa? - perguntei.

_ Gente morta? - ela me olhou com desdém - É meio que a minha área boneca. Então.. desembuchem.

_ Estamos coletando almas para construir uma bomba - Sam respondeu.

_ Para explodir a Escuridão para o inferno - Dean completou.

_ Ok - ela falou lançando um olhar para o cristal que brilhava em cima da mesa.

_ Ok? - Sam perguntou - O quê significa ok?

_ Bom.. do jeito que as coisas vão, estou prestes a ceifar o próprio Deus não é mesmo? - ela lançou um olhar para Chuck.

_ Então está aqui pra nos ajudar? - Castiel perguntou.

_ Uma pequena dica: se querem almas, chamem um ceifador  - ela olhou para Dean e umedeceu os lábios com a língua, bufei.

Ela pegou o cristal em suas mãos e todas as luzes de apagaram. Vários raios de luz azuladas atravessaram as paredes e foram em direção ao cristal. 

_ Quantas almas estão ai? - Castiel perguntou assim que as luzes se acenderam novamente.

_ Algumas centenas.. - ela respondeu - de milhões. Eu invadi o véu. Como eu disse.. gente morta é a minha área. Agora está bom?

_ Está - falei pegando o cristal.

_ Maravilha - ela deu um aceno de cabeça e subiu as escadas.

_ Te vejo por ai - Dean falou.

_ Sim, verá - ela se virou sorrindo - Só espero que não seja hoje... - ela desviou o olhar - Crowley..

Subiu as escadas enquanto Crowley tentava disfarçar o sorriso de orelha a orelha que tinha em seu rosto.

_ E então? - Castiel perguntou - Temos a bomba.. só precisamos encontrar Amara agora.

_ Eu posso rastrear ela agora - Chuck respondeu - Ela não está mais protegida. Por que estaria? Ela venceu.

_ E então? O que estamos esperando? - Dean perguntou.

_ Precisamos de alguém que possa se aproximar dela.. - Castiel falou - Alguém com.. uma conexão pessoal.

O silêncio tomou conta da sala por alguns instantes.

_ Eu não vou mandar Dean com uma bomba atrás da Amara - falei - É suicídio.

_ Bom.. o quê estamos esperando? - ele perguntou - Como faço pra contrabandear essa coisa?

_ Não pode estar falando sério - o encarei, indignada - Você não vai carregar a bomba, você será a bomba. Eu iria pegar o que está ali - apontei pro cristal - E colocar dentro de você. Sem chances Dean, não vou fazer isso.

_ Não estou pedindo sua permissão Kiddo - ele respondeu irritado - Apenas faça.

_ Eu. Não. Vou. Fazer. Isso - falei pausadamente o encarando, algumas lágrimas escorriam dos meus olhos - Não vou. Não vou participar da sua estúpida missão suicida.

Subi as escadas e fui em direção ao quarto.

 

POV DEAN

O raio azul saiu do cristal das mãos de Rowena e me atingiu em cheio no peito.

_ Dean, você está bem? - Castiel perguntou quanto tudo acabou - Como se sente?

_ Como se minhas entranhas tivessem sido grelhadas - respondi - Isso é normal?

_ Amorzinho, você está muito longe do normal - Rowena respondeu - Quando estiver perto da Amara.. apenas estale os dedos e.. Bum! Você tem uma hora.. talvez um pouco menos antes de virar uma bomba atômica e se explodir sozinho.

_ Tudo bem - falei - Só tem uma coisa que eu quero fazer antes de irmos adiante com o plano.

 

_ Dean, você não precisa fazer isso - Sam comentou enquanto tirava os cabelos do rosto em vão, já que o vento sempre bagunçava novamente.

_ Claro que tenho - respondi - Só tenho que me aproximar. Posso fazer isso, ok?

Encarei a sepultura a minha frente. O nome "Mary Winchester" brilhava na elegante caligrafia da lápide. Deixei um beijo na rosa em minha mão antes de a depositar sobre o mesmo. 

Fui em direção ao carro onde Castiel, Malu, Crowley, Chuck e Rowena nos esperavam. Malu estava com a expressão fechada e braços cruzados.

_ Você está bem com isso? - perguntei a Chuck.

_ Não - ele respondeu apoiado em Rowena - Mesmo depois de tudo que fez, Amara ainda é minha irmã. Ela é minha família. Eu não posso, eu não quero que ela morra. Mas eu entendo.

_ Dean? - Castiel chamou.

_ Cass - o abracei apertado enquanto o grande nó se formava em minha garganta e eu segurava o choro - Vai ficar tudo bem.

_ Eu poderia ir com você - ele falou enquanto nós dois nos afastávamos para conversamos a sós.

_ Não Cass.. Isso é uma coisa que eu tenho que fazer sozinho - falei - Quando isso funcionar.. Malu e Sam vão ficar destruídos. Pode cuidar deles pra mim?

_ Claro - ele respondeu - Vocês são minha família. 

_ Obrigado por tudo - falei e ele assentiu com a cabeça.

_ Vou sentir sua falta.. - falou.

Andei em direção a Sam que tinha as mãos nos bolsos do casaco. Tirei as chaves do bolso e o entreguei.

_ Vamos lá, sabe o que tem que fazer - falei - Não torne as coisas difíceis. Estou evitando ter que chegar na Malu, estou com medo dela. Não vamos fazer uma cena de comédia romântica, ok?

Ele pegou a chave e pude ver seus olhos marejados.

_ É, você adora comédias românticas - falou.

_ É, você está certo.. - sorri - Vem cá..

Nos abraçamos apertado e o nó em minha garganta cresceu mais ainda, quase me impedindo de respirar. Nos separamos rapidamente e ele limpou as lágrimas.

_ Tudo bem.. - ele respirou fundo.

_ Olha só - o olhei - Quero que cuide da Malu pra mim ok? Pelo amor de Chuck, não deixe Lúcifer chegar perto de um fio de cabelo ruivo dela sequer ou me levanto do meu túmulo e chuto os fundilhos dele. E quero que cuide também do meu filho ok? Não quero que ele tenha a mesma criação que nós tivemos.. você sabe o quanto foi duro.

_ Tudo bem - ele sorriu limpando as lágrimas.

Respirei fundo e caminhei na direção da ruiva que me fuzilava com os olhos.

_ Nem um beijinho de despedida? - perguntei sorrindo me aproximando dela mas o sorriso se desfez assim que ela começou a chorar e me abraçou apertado.

_ Você prometeu  pra mim Dean.. - ela falou com dificuldade enquanto enterrava a cara no meu peito - Você prometeu e não está cumprindo.

_ Me desculpe Kiddo - falei - Eu tinha que fazer isso. Foi pensando em você e nosso filho. Não posso deixar o mundo acabar, eu tenho que dar uma boa vida a vocês.

_ Só que ela não vai ser tão boa sem você do lado - ela respondeu.

O nó na minha garganta me sufocou e eu arfei, sentindo o peito doer. Por mais que eu estava lutando com as lágrimas, a última frase me pegou de surpresa e elas desabaram enquanto eu apertava a mulher da minha vida em direção a mim. A afastei do meu corpo e a encarei por um longo momento, seu rosto estava totalmente molhado pelas lágrimas e vermelho por causa do choro.  

Ela continuava linda. Tentei gravar cada detalhe delicado do seu rosto. A fina curva de seu nariz, os lábios carnudos e rosados, as poucas sardas estrategicamente espalhadas pelas suas grandes bochechas, os cílios longos e cheios, os olhos pretos no qual eu não conseguia diferencias a pupila. Tudo, absolutamente tudo nela, era lindo pra mim. 

_ Eu amo você Kiddo - falei antes de depositar um beijo em sua testa e sentir o cheiro de seus cabelos pela última vez - E também amo você filho.. ou filha - sorri enquanto acariciava a barriga dela que ainda não havia crescido muito - Sinto muito não fazer parte da sua vida como eu gostaria, mas é que o papai precisa salvar as pessoas que ele ama, inclusive você ok?

_ Eu amo você Dean - ela respondeu enquanto me beijava.

 O beijo era calma, cheio de sentimento mas não me pareceu uma despedida. Era mais como um.. até breve?

 

POV MALU

_ Ok, olhem.. eu quero um grande funeral - Dean falou sorrindo - Estou falando de coisa épica. Open bar, Coral, Cover do Black Sabbath e o Gary Busey lendo o meu elogio fúnebre. 

_ Feito - Sam falou.

_ E quanto as minhas cinzas.. eu gosto daqui - falou olhando o local - É.. aqui me parece um bom lugar para descanso eterno.

_ Tudo bem - suspirei.

_ Ok.. - ele fechou os olhos fortemente - Vamos seguir com isso logo.

Chuck se aproximou e tocou nele. Dean desapareceu diante dos olhos dele.

 

POV DEAN

Olhei em volta e vi que estava em uma enorme estufa de vidro com várias plantas em volta. Algumas rosas vermelhas totalmente secas.

_ Dean.. - a voz me chamou, surpresa - O que faz aqui? Como me encontrou?

_ Isso importa? - perguntei a encarando.

Amara estava parada próximo ao chafariz.

_ Bom.. não sei.

_ Vim te dar o que você quer - falei - Eu.

_ Que mudança - ela me observou curiosa.

_ Bom, eu posso ficar parado e ver minha família, meus amigos e o mundo morrer ou.. fazer parte de você e me livrar disso - falei me aproximando dela.

_ Você e essa bomba em seu peito? - ela perguntou erguendo uma sobrancelha - Acha que eu não sinto o poder que vem de você? Você nunca conseguiu me machucar.. por que agora seria diferente?

_ Eu não tenho escolha - falei - Olha só o que você está fazendo com o sol.. 

Olhei pra cima, eram pouco mais de duas horas da tarde mas estava tão escuro quanto oito horas da noite.

_ Não sou eu - ela respondeu - Com meu irmão ficando fraco, a balança está pendendo pra longe da luz. 

_ E em direção a Escuridão - falei.

_ Ao nada - ela corrigiu - Quando Deus se for, tudo.. incluindo o universo e a mim, vão deixar de existir.

 

POV MALU

Sam parou o carro e nós descemos. 

_ Então é isso? - Crowley perguntou encarando a placa que dizia "fechado" - Um finzinho do mundo de nada e eles já fecham os bares? Que péssimo serviço. Arregões.

A porta se abriu sozinha e todos nós entramos no bar.

_ Vamos encher a cara? - perguntei.

_ Claro - Crowley respondeu - Eu sei que você se amarra num Whisky gata. E é a vez do Alce ser o barmen.

Nos sentamos nas cadeiras do balcão e ligamos a tv.

_ A polícia pede para que não haja pânico - o homem no jornal falou.

_ Chato - Crowley falou enquanto mudava de canal.

_ Ele parece horrível - Castiel comentou fazendo com que Sam e eu olhássemos para Chuck.

Deus estava sentado numa da cadeiras das mesas do bar voltadas para janela, seus braços estavam em volta de si mesmo e sua expressão era vazia.

 

POV DEAN

_ Meu irmão me traiu - ela falou - Me trancou por bilhões de anos e te mandou aqui pra me executar.

_ Não - falei - Não. Ele foi contra desde o começo - falei - Ele me trouxe aqui mas foi contra tudo isso. Vocês são família.. ele não quer você morta.

Ela se sentou no banco, pensativa.

 

POV MALU

_ Ei Chuck - sorri me aproximando dele e me sentando ao seu lado - Como você está?

_ Perfeito - sorriu respondendo.

 

POV DEAN

_ É isso que você queria? - perguntei.

_ Não! Eu só queria machucá-lo. Queria que ele pagasse. 

_ É, isso se chama vingança. Vai te tirar da cama todas as manhãs e assim que consegue é maravilhoso.. por uns cinco minutos - ela me encarou - Já aconteceu comigo várias vezes, pode apostar.

_ Não entendo - ela falou.

_ Sam e eu tivemos nossas cotas de brigas - falei - Muitas mesmo. Mas nunca importava porque tudo sempre terminava bem.. nós somos uma família. Eu preciso dele e ele precisa de mim. E quando tudo vai a merda, é tudo que se tem.. família. Você pode ser uma entidade muito poderosa, mas acho que é humana onde conta.

Algumas lágrimas escorriam dos olhos de Amara.

_ Pare com isso - ela falou.

_ Você simplesmente precisa do seu irmão. Você não quer ficar sozinha.. por isso precisa de mim. Mas lá no fundo sabe que não é de mim que você precisa. É dele que você precisa - falei - E quem sabe eu possa te matar ou não. Talvez se eu fizer, todos  vivam felizes pra sempre ou talvez não. Mas eu vou falar novamente.

_ O quê? - ela me encarou.

_ Esqueça o ódio. Esqueça a raiva e me diga.. O que você quer?

 

POV MALU

_ Nós precisamos que você aguente firme - falei o encarando.

_ Sabe Malu.. - Chuck sorriu - Essa é uma das coisas que eu mais gosto em você, sua generosidade. Sua bondade e o quanto seu coração é grande. Será uma boa mãe.

_ Obrigada Chuck - falei - Se o mundo existir até lá né..

_ Espero que exista - ele disse - O filho de vocês vai ser fantástico. 

_ Filho? - sorri - Vai ser menino? 

_ Sim - ele sorriu também - Todos os que vão nascer já foram planejados por mim antes mesmo de seus pais se conhecerem. É um menino. E eu sei que já tem nomes em mente.

_ Tudo bem - ri - Eu gosto de John.

_ Dean ficaria muito feliz por isso. E Sam também vai.

_ Obrigada pelo Spoiler Chuck - sorri e me levantei - Vou pegar algo pra você beber e descansar.

_ Obrigado - ele sussurrou fechando os olhos.

Peguei a água na balcão e me virei.

_ Chuck? - chamei mas ele havia sumido.

 

POV DEAN

_ O quê? - Chuck apareceu ao meu lado confuso - Por que me trouxe aqui?

_ Irmão eu...

_ Apenas escute o que ela tem a dizer Chuck - falei e assenti pra ela com a cabeça, ela ganhou confiança.

_ No princípio, éramos somente você e eu. E éramos uma família - ela respirou fundo - Eu te amava e eu achava.. Eu sabia que você me amava. 

_ Eu amava - Chuck falou - Ainda amo.

_ Mas ai você criou todas essas outras coisas. Eu as odiava. Te odiei por querer algo a mais, algo que não fosse eu. Ai você me trancou e tudo que eu pensava era em te fazer sofrer. 

_ Você teve seus motivos - Chuck falou.

_ Sim, eu tive. E eu achei que a vingança me deixaria feliz mas eu estava enganada. O que você criou... é lindo. Demorei demais para ver isso. Sei que não dá pra voltar atrás e ser como éramos antes. Mas eu desejo isso.. desejo que possamos voltar a ser uma família de novo.

_ Eu também - Chuck sorriu.

Os dois se abraçaram e uma grande luz se acendeu novamente, o sol voltou a brilhar.

 

POV MALU

Saímos do bar surpresos enquanto o sol voltava a brilhar.

 _ Funcionou! - Rowena falou sorrindo e olhando para cima.

Abracei Sam que correspondeu me apertando contra si. Nós dois sabíamos o que isso significava. Dean havia se sacrificado por nós.

 

POV DEAN

Amara curou Chuck e os dois me encararam sorrindo.

_ Acho que vamos sumir por uns tempos - Chuck falou sorrindo - Colocar o papo em dia.. sabe como é.. 

_ Reunião de família - falei - Entendo.

_ Mas primeiro - ele se aproximou e me tocou - Você não é mais uma bomba. Acho que vai gostar de saber disso. 

_ E quanto a nós? E quanto a terra? - perguntei.

_ Tudo continua a ser como sempre foi - Chuck sorriu - A terra vai fica bem.. ela tem você, Sam e Malu.

Ele voltou pra junto da irmã.

_ E Dean.. - Amara sorriu - Você me deu o que eu mais precisava. É hora de retribuir.

_ Do que está falando? - perguntei confuso.

_ Você saberá em breve.

Os dois sumiram numa explosão de luz e fumaça, formando Yin e Yang no céu.

 

POV MALU

_ Sam, Malu.. eu sinto muito - Castiel comentou enquanto descíamos as escadas entrando no Bunker - Se quiserem conversar, estou aqui para o que der e vier.

_ Tudo bem Cass - falei - Estamos bem.

_ Olá - uma voz feminina falou e nós olhamos em direção a mulher.

Ela cortou a mão e colocou no símbolo, expulsando Castiel do Bunker. A mulher apontou uma arma para nós.

 _ Quem é você? - Sam perguntou.

_ Toni Bevell, homem de letra - ela falou e nós a olhamos confusa - Departamento de Londres. Vocês não nos conhecem. Somos bem tradicionais.

_ O quê? - perguntei,

_ Eles me mandaram para prender Sam e Dean Winchester - ela falou - Onde está Dean?

_ Morto - Sam respondeu - Prender?

_ Nós observamos os danos que vocês tem causado. Leviatãs, demônios, Escuridão.. Decidimos que vocês passaram dos limites. 

_ Escute moça - falei - Eu não sei quem diabos você é ou o que quer.. - ela apontou a arma para mim.

_ Pare! - gritou.

_ Abaixe essa arma - falei.

_ Eu disse pra parar - falou.

_ Nós duas sabemos que você não vai puxar o gatilho - falei.

O som da arma sendo disparada soou estridente.

 

POV DEAN

_ Eu pareço um garoto ridículo caçando Pokémon - falei enquanto olhava a tela do celular procurando por sinal, sem sucesso - Aonde estou?

Olhei em volta e só via mato. Alguns minutos andando na enorme floresta e finalmente avistei a rodovia. 

_ Quando eu chegar em casa, prometo que vou transar a noite inteira - falei - Vamos lá Dean, você consegue.

_ Socorro! - ouvi alguém gritar e apressei os passos.

Uma mulher loira e de cabelo comprido com um vestido branco estava parada na rodovia.

_ Moça.. está tudo bem? Posso te ajudar? - ela se virou para mim e eu fiquei em choque - Mamãe?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...