História THE FAN - camren - Capítulo 77


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camren, Karla Estabrao, Lauren Jauregui
Exibições 1.153
Palavras 4.410
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 77 - Capítulo 77


Karla Estabrao POV

Já são três dias depois da cirurgia, já são três dias de alvoroço na mídia pelo fato de Lauren ter desistido da banda, e para complementar, uma confusão infernal por causa dos vídeos vazados. Infelizmente eles foram parar em sites pornográficos, e está cada vez mais complicada a remoção deles, independe de um grande processo.

Estou em casa, cheguei hoje, e me sinto bem, Morgan cuida muito bem de mim. Ela é o amor da minha vida.

Camila e Lauren não foram ao hospital me visitar, porém, em compensação, agora que estou em casa, Camila não sai de perto de mim, ela também cuida de mim, de seu jeitinho, mas cuida bem. O que mais tem feito por mim é tocar violão e cantar para mim. É impressionante o quão linda ela é cantando, não merecia nada disso. Me sinto mal por ter deixado tudo isso acontecer.

- Eu tenho que ficar, você é louca? Ela não pode ficar sem mim. Eu não vou deixar ela, independe se agora tem a Luana para cuidar dela. – Ouvi a voz enfurecida de Morgan em alguma parte do meu apartamento e franzi o cenho.

Estou em meu quarto, ao lado de Camila, que mexe em seu celular distraída.

Luana, a amiga das meninas, está nesse momento limpando meus curativos, por exigência de Morgan, que não me deixa fazer isso sozinha, na verdade, nem tocar.

- Mana, olha que lindo. – Camila disse, me fazendo fitá-la. Ela estava mostrando uma foto de um cachorrinho. – Vou dar ele a Sofia!

- Se tiver uma irmã melhor que você, eu vou querer conhecer. – Alisei seus cabelos e ela sorriu. – Faz um favor pra sua mana? – Ela assentiu. – Chama a Morgan para mim, eu preciso conversar com ela.

- Ok, e uma coisa. – Ela disse, e em seguida sorriu. – Conseguiram remover alguns vídeos.

- Isso é maravilhoso. – Senti uma ardência em minha cirurgia. – AU! – Gritei assustando Luana que arregalou os olhos. – Você pode fazer mais devagar? – Ela ficou com um semblante confuso.

Camila riu.

- Ela pediu para você fazer devagar. – Camila disse, em português, eu arqueei as sobrancelhas.

- Mas... – Sussurrei, e vi a Luana assentir. – Desde quando... – Apontei para as duas e Camila riu novamente.

- Eu tive que aprender algumas coisas para saber o que as brasileiras falavam de mim no Twitter, e quando eu era no fandom, eu tinha contato com várias. Consigo ajudar, se você quiser.

- Poxa, eu sou burra, nunca consegui entender nada. – Ela riu novamente.

- Eu sei, inclusive, eu ri da vez que vocês foram ao Brasil, uma menina a sua frente “ manda um beijo para fulano” e você sorrindo feito idiota. – Camila disse rindo, revirei os olhos. – Eu posso te ensinar, Lauren já sabe cantar uma música.

- Qual? – Perguntei vendo minha enfermeira terminar de fechar o curativo.

- Delícia, delícia, assim você me mata, ai se eu te pedi, ai ai, se eu te pego. – Eu franzi o cenho e virei meu rosto para Camila. Ela riu.

- Você realmente é muito boa nisso. – A enfermeira Luana disse. – Parabéns.

- Estão de sacanagem? Eu não entendi nada! – Ambas riram de mim, e logo ouvi um grito de não, e era Morgan. – Camila, interrompa a conversa dela e mande ela vir aqui. – Camila assentiu e levantou-se.

- Mas é o seguinte, A Morgan é a Lauren do tamanho da Dinah, eu não tenho coragem de contrariar ela. – Camila disse um pouco desconfiada.

- Diga que foi eu quem pediu, ela está nervosa, mas não vai descontar em você. – Camila assentiu e caminhou até a saída de meu quarto. – Luana, você é lesbica? – Ela franziu o cenho.

- Yes?! – Ela respondeu com o semblante confuso e dessa vez eu não contive, gargalhei e senti dor.

- Maldito pontinho.

Luana riu negando com a cabeça, mas eu sei, no fundo ela entendeu a pergunta.

Morgan adentrou o quarto na companhia de Camila, e sentou-se a meu lado, em seguida, beijou meu rosto delicadamente.

- Me chamou? – Ela perguntou passando a mão em meus cabelos.

- Camila, chame a Luana e vá para sala, quero conversar com a Morgan sozinha. – Camila assentiu e sussurrou algo para a Luana que lhe acompanhou. – O que te deixou tão nervosa? Fiquei preocupada. – Morgan suspirou e fez bico.

- Minha sócia quer que eu vá para lá, ela quer vender q parte dela na boate, e eu tenho que estar lá. Quer que eu passe uma semana lá, mas eu não podia te deixar sozinha.

- Amor, a probabilidade de eu ficar sozinha um diazinho se quer é zero. – Ela revirou os olhos. – Camila está aqui o tempo todo, a Luana foi contatada para isso. Minha mãe vem toda hora, meu pai também. Se a Camila pedir, a Sinuhe vem também, fora a Amanda. Dinah, Normani e Ally também, eu tenho certeza que nenhuma vai me deixar sozinha. Então vá. Resolva seus problemas e depois venha.

- Eu até pediria a Tia Clara, mas sei que vocês não se dão bem.

- Ela não gosta de mim, e nunca vai gostar, não sei se gosta da Camila ou se age com falsidade. Mas enfim, não preciso dela, tenho pessoas que me amam, e ela vai ter que me engolir, eu vou ser uma Morgado, e faço questão de pôr o sobrenome que ela tem. – Morgan entreabriu a boca e depois riu.

- That's my girl. – Ela suspirou e beijou meu rosto. – Eu sabia que eu teria que ir, mas saber que ela quer vender a parte dela, foi chato, ainda bem que sou dona de 70% por isso, e essa merda, me faz ter que estar lá para essa venda. – Suspirou novamente.

- Vá, não se preocupe, vá logo para poder voltar logo. – Ela sorriu de canto e assentiu.

- AEW! – Ouvimos esse grito e nos assustamos. Olhei em direção a porta e fiquei em silêncio. – AMOR DA MINHA VIDA! – Camila, sorri.

- Deve ser a Lauren que chegou. – A Morgan disse.

- Sem dúvida. Eu não sabia que ela ficava tão louca quando ela aparecia. – Morgan riu. – Amor, vá arrumar suas coisas, vá em um voo de hoje, quanto mais cedo você for, melhor. – Morgan revirou os olhos e assentiu.

- Não revire os olhos para ela. – Ouvi uma voz estranha e olhei em direção a porta.

- Dinah?! – Me surpreendi.

- Você achava que era quem? – Ela jogou uma mochila no chão e veio até mim. – Vim cuidar de você.

- É sério que a Camila gritou amor da minha vida para você? – Morgan perguntou totalmente confusa.

- Claro, eu sou o amor da vida de muita gente, inclusive da Karla. – Dinah disse sentando-se a meu lado. – Como você está, meu bombom? – Disse alisando meu rosto.

- Estou bem. – Sorri para ela que alisou meu rosto. – Pensei que tinha ido para casa.

- Eu fui, mas só para buscar algumas coisas, eu quero ficar aqui com você, será que posso? – Perguntou agora alisando meus cabelos. – Agora tem duas desgraças iguais para eu cuidar. – Ela disse olhando para Camila. – E aquela sua namorada, a gorda, cadê ela?

- Ela não é gorda, ela é gostosa.

- Me poupe, aquela barriga dela cabe você dentro. – Comecei a rir, Camila fechou a cara. – E não é?

- Claro que não! Mana, não aceite. – Camila disse sentando-se a frente de Dinah. – Eu amo a Dinah, ela é minha idola, mas não, aqui não.

- Fecha esse cu, eu conheci ela antes de você.

- E daí? E eu sou a irmã de sangue.

- Mas eu sou a irmã há muito mais tempo, eu vi ela virgem, eu tomei banho com ela quando ela era virgem.

- Amor, acho que eu vou realmente passar uma semana em Londres... – Morgan disse fazendo careta, presenciando a briga de Camila e Dinah. – Espero de coração que você sobreviva a elas. – Eu sorri para ela e neguei com a cabeça voltando a fitar as duas pirralhas.

--

POV Lauren

Sentei no sofá da casa de minha mãe e suspirei olhando para a tv, aonde estava passando uma partida de futebol americano, na qual Christopher e papai assistem.

- Filha, me dê notícias daquela lá. – Minha mãe disse sentando-se a meu lado. Eu franzi o cenho e a fitei.

- Quem?

- A Karla. – Suspirei.

- Mãe, ela está em casa, se recuperando, vai fazer a quimo.

- A Morgan se enfiou na casa dela e nem lembra que existo. Aquela menina tem uma capacidade desagradável de fazer essas coisas, e a Cabello está no mesmo caminho. Vocês passam a semana toda em Miami, e só hoje você vem me ver.

- Fala sério, mãe. A Karla acabou de fazer uma cirurgia, ela está com câncer, câncer! Camila e eu estamos passando por uma tempestade.

- Eu sei, mas isso não impede de uma sobrinha ligar para uma tia, de uma filha mandar uma mensagem para a mãe. A mãe da sonsinha liga todos os dias para ela, eu lembro quando estávamos da turnê. Minha filha não. – Eu olhei para minha mãe e neguei com a cabeça.

- Demorou para você começar a pegar no pé da Camila. O que ela fez para ser sonsinha agora?

- Eu vi os vídeos.

- Os que vazaram? – Perguntei, ela assentiu. Papai olhou em nossa direção, eu suspirei.

- Acho que foi ela quem colocou aquilo na internet. Ela pode estar querendo ibope.

- Clara? – Meu pai chamou sua atenção, antes que eu pudesse falar algo. – O que você está falando?

- Sujou o nome da Lauren, mas botou ela no topo dos holofotes, só se fala em Camila Cabello. E outra coisa, quem teria acesso a esses vídeos se não Lauren ou ela? – Neguei com a cabeça e me levantei, papai levantou também.

- Eu vim aqui para relaxar, tentar esquecer os problemas, mas aí, minha própria mãe abre a boca para falar merda. Uma grande merda, aliás. – Suspirei. – Eu vou embora, não quero me estressar com você.

- Filha, desculpe. – Meu pai disse tocando meu ombro.

- Minha mãe só fala merda. – Falei ainda fitando minha mãe. – Só fala merda, mãe. Só merda.

--

POV Camila

- Segura direito! – Reclamei com Dinah que estava segurando a Karla enquanto eu lhe dava banho.

- Eu falei que era para você segurar e eu dar banho. – Dinah disse. Karla riu e suspirou.

- Ela nem tem pêlos. Se tivesse eu mandaria você dar.

- Ela depila com cera. – Dinah disse. – E Morgan cai de boca.

- Só sejam mais rápidas, por favor. Me sinto fraca ainda para passar tanto tempo em pé. – Karla disse com calma.

- A Karla tem o mesmo sinal que eu tenho. – Falei fitando o ventre de Karla. – Bizarro, só falta a da perna.

- Será que o pai de vocês tinha lá também? – Fiz careta fitando Dinah, ela riu e Karla acabou rindo junto.

- Vocês são a combinação nada perfeita para uma recém operada. – Karla disse ainda rindo. – Por favor, Mila. Para de namorar minha boceta e termina isso. – Sorri para ela e comecei a passar sabonete em suas pernas. – Eu sinceramente estou com medo de abrir um ponto com vocês. Vou chamar minha mãe.

- Vamos parar com a brincadeira, eu havia esquecido que você não pode rir. – Dinah disse, agora seria. – Quando começa a quimo?

- Amanhã. – Karla disse suspirando. – Estou com medo, confesso. Mas é isso aí.

- Não pense besteira, Kah. Vai dar tudo certo. – Falei, ficando de pé. – Pronto, só precisa se enxaguar e acabou. – Me afastei e a vi ligar o chuveiro.

- Eu vou sentir falta dos meus cabelos. – Ela sorriu sem graça.

- Você vai continuar linda. – Falei, lhe fazendo suspirar. Dinah desligou o chuveiro.

- Amor, já terminou? – Ouvi a voz de Morgan na entrada do banheiro e caminhei até ela. – Você não é o meu amor.

- Graças a Deus, e você não vai entrar aqui até ela estar totalmente coberta. – Morgan riu.

- Eu já vi coisas que você nem imagina.

- Isso não tem nada a ver com o momento. – Morgan riu.

- Minha namorada pelo menos está viva? – Eu assenti. – Ótimo, então adiante, quero me despedir dela, meu voo sai em duas horas.

- Oi, amor. – Olhei para trás e vi Karla com um roupão, sendo guiada por Dinah. – Elas são um amor, nem se preocupe comigo.

- Eu só quero me despedir, linda.

- Eu sei linda, me ajude a trocar de roupa, e ao mesmo tempo se despida de mim. – Morgan me afastou da entrada do banheiro e foi até Karla. Beijou sua testa e a abraçou. Dinah olhou para mim e apontou para fora, em seguida me puxou e fez com que saíssemos do banheiro.

- Meu shipper, você não pode fazer isso. – Reclamei constando que Dinah continua me puxando, dessa vez para fora do quarto.

- Você já falou com sua mãe sobre ser irmã da Karla? – Dinah questionou assim que chegamos na sala.

- Ainda não, estou pensando em como contar isso. – Dinah se sentou no sofá e suspirou. – Você está toda molhada. – Dinah revirou os olhos e pegou um celular que havia no sofá. Caminhei até ela e me sentei a seu lado. – O que você vai fazer agora que a banda acabou?

- Virar puta. – Ela disse é em seguida caiu na risada. – Não sei, Mila. Acho que vou fazer faculdade.

- Faculdade de que?

- Essa é a questão, eu não sei. Vivo pela música, não sei o que pode acontecer agora.

- Acho que esse momento seria bom investir na sua carreira solo.

- Com esse rebuliço todo? Acho que vão me odiar, vou deixar as coisas acalmarem.

- A Lauren não quer mais cantar.

- A Lauren sempre foi óbvio para mim, mas e você? Sei que gosta de compor música.

- Eu amo, mas sei lá. Talvez eu não vá subir. Minha entrada na banda só causou agonia.

- Escreva para mim, vamos gravar um dueto. – Dinah disse segurando minha mão. – Quem sabe juntas não podemos mudar as coisas? Eu não sei viver sem a música, acho que nenhuma de nós sabe. Só a Lauren, mas no fundo, ela continuaria, eu tenho certeza.

- Juntas somos Fifth Harmony.

- Eu sei.

- Mas Fifth Harmony não está funcionando. – Dinah suspirou. – Vamos deixar as coisas acalmarem, de todos os lados. Depois veremos o que podemos fazer.

- Você toparia tentar de novo? Eu assumo qualquer responsabilidade sobre você. – Dinah propôs. – Vamos. Vamos deixar essa onda passar, e vamos tentar de novo. Ally e Mani vão ficar muito felizes, e a Karla? Meu Deus, ela vai ficar muito feliz.

- Fifth Harmony sem Lauren?

- Não, você vai dar um jeitinho nisso. Mas não toca nesse assunto com ela. Vamos nós duas, escrever música para um futuro álbum. O Refletion vai ser vendido, mas sem uma turnê, mas quem sabe, se escrevemos e daqui há uns meses voltarmos com algo novo? Aí, acho que estou sonhando demais. – Ela desanimou-se e jogou seu celular para o lado. – Não vai funcionar....

- A ideia é boa, podemos pôr em pratica. Só nós duas. É melhor nem falar nada a ninguém. – Dinah assentiu e suspirou.

- Aquela doida ali não vai falar nada? – Disse apontando com o queixo. Olhei para o lado e vi Luana passando com uma bandeja indo em direção ao quarto de Karla.

- Ela não entende nada em inglês, então provavelmente não.

- Ok, seja o que Deus quiser.

--

Eu havia mandado uma mensagem para Lauren, pedindo que se ela pudesse vir me buscar para me levar a casa de minha mãe. Ela não havia me respondido, bom, esteve assim durante todo o dia.

- Oh, meu amor. Você está preocupada com algo? – Karla chamou minha atenção. Estou sentada a seu lado, em sua cama. – Não para de olhar esse celular e fica suspirando.

- A Lauren sumiu hoje. – Ela sorriu de canto e suspirou.

- Nenhuma mensagem? – Neguei com a cabeça. – Ela vai aparecer, deve estar em seu momento não me toque. – Ela disse fazendo alguns gestos com as mãos. Eu sorri. – A Dinah está mesmo preparando a pizza? Ou será que morreu queimada na cozinha?

- Eu nem vou lá, ela deve estar em uma luta constante com a Luana.

- A Luana deve estar usando o tradutor google. – Karla disse e em seguida riu.

Ouvimos a campainha tocar.

- Eu vou ver quem é. – Falei levantando-me.

- Se for visita me avise antes, sabe que minha roupa não está adequada. – Ela avisou enquanto eu caminhava para fora do quarto. – Me ouviu?

- Deixa de frescura! – Revirei os olhos e fiz caminho até a porta principal. Abri a porta e arqueei minhas sobrancelhas.

- Oi. – Lauren disse com um sorriso nos lábios. – Sou seu uber.

- Oi, meu amor. – Puxei-a para um abraço. – Senti saudade, o que houve com você? – Perguntei me afastando.

- Me isolei, estava com o estresse a mil. – Puxei-a novamente para um abraço.

- Fiquei preocupada. – Beijei seu pescoço. – De verdade, amor.

- Tá tudo bem, depois eu falo o que aconteceu. – Me desvencilhei dela e assenti. – Aonde está a Karla?

- Está no quarto, quer vê-la? – Ela assentiu. – Vamos lá. – Segurei sua mão e a puxei para dentro do apartamento. Ela mesma fechou a porta e começou a me seguir. Assim que chegamos em frente a porta do quarto de Karla, na qual está aberta, Karla estava fitando a TV. Quietinha. Lauren suspirou a meu lado e eu a fitei. – Entre... – Sussurrei. Ela assentiu e entrou, eu entrei em seguida.

- Karla? – Lauren disse, chamando a atenção de minha irmã. – Ei, tudo bem? – Karla abriu um sorriso enorme e assentiu. Lauren sentou-se à sua frente. – Minha namorada te deu trabalho? – Karla riu.

- Você não imagina o quanto, ela e a Dinah! – Lauren sorriu para Karla. – Ela estava chorando por seu sumiço.

- Fiquei sabendo, ela não vive sem mim. – Lauren olhou para mim, e eu me aproximei de ambas. Lauren me abraçou de lado e eu suspirei. – Está preparada para amanhã?

- Sim, digo, não. Estou com medo, eu não sei como vai ser minha reação a ela. Fora que ainda tem esse cuidado todo com a cirurgia. – Karla disse apontando para o curativo em seu abdômen. – Graças a Deus não dói, pelo menos pelo tempo que tenho estado quieta estou de boa.

- E continue assim, é o melhor que você faz. E a Morgan?

- Ela foi a Londres, volta em cinco dias.

- Ela teve coragem de te deixar?

- Fiz uma guerra com ela, ela aceitou minha proposta. – Lauren riu negando com a cabeça.

- A PIZZA ESTÁ PRONTA! – Dinah gritou fazendo Karla fechar os olhos.

- E lá vamos nós... – Karla disse, e em seguida riu.

--

Lauren estacionou o carro em frente à casa de minha mãe e suspirou. Ela havia passado todo trajeto em silêncio.

- Meu amor, vai entrar comigo? – Perguntei tirando meu cinto, ela assentiu. – O que aconteceu? – Seu jeito desanimado está me preocupando.

- Minha mãe, ela me decepciona. – Eu franzi o cenho. – Disse que você é uma sonsa e que provavelmente foi você quem vazou os vídeos. – Eu encarei Lauren incrédula.

- O que levou ela a pensar isso? Ela é minha professora, ela convive comigo, ela me conhece, sabe que eu jamais faria isso.

- Eu não gostei da atitude dela, ela simplesmente falou da Karla de um jeito asqueroso e em seguida isso de você. – Suspirei e olhei para frente. – Me perdoe por isso. – Lauren segurou minha mão. – Isso é tão vergonhoso, eu não deveria ter dito. Mas está me sufocando, eu fiquei mal com isso. Eu estou mal com toda essa situação. – Fitei-a.

- Tudo bem, o importante é que você acredita em mim. – Ela sorriu sem jeito e suspirou, mesmo isso me afetando, vou tentar ser forte e encarar minha situação. – Agora vou fazer algo importante, preciso de uma vez, contar a mamãe que a Karla é minha irmã.

- Então vamos lá.

Assim que entramos em minha casa, minha mãe estava assistindo TV junto com Sofia. Amanda aparentemente não estava em casa, pois com toda certeza estaria ali com elas.

Sofia notou nossa presença e correu em nossa direção, abraçou minhas pernas e em seguida correu para Lauren. Minha mãe me fitou e sorriu.

- Quero falar com você, mãe. – Ela franziu o cenho. – Eu tenho algo importante a dizer. – Ela ficou de pé. Caminhei até ela e a fiz sentar novamente, sentei a seu lado.

- Vou dar uma voltinha de carro com a Sofi. – Lauren disse, evitei olhar para trás, apenas ouvi a porta sendo trancada e Sofia em euforia.

- O que aconteceu?

- É que... – Ela parecia estar ficando nervosa. – A Karla é minha irmã. – Ela revirou os olhos e em seguida riu.

- Você adora brincar com meu coração, não é moleca? – Ela me deu um beliscão.

- Você sabe que o papai morou aqui em Miami antes de casar com você, não lembra? Antes de tudo, antes da imigração e antes de minha existência... – Ela franziu o cenho. – Não estou brincando, mãe. O papai teve um caso com a mãe da Karla enquanto esteve aqui. Eu não sei o que vocês eram nessa época, mas quando o papai decidiu ir embora, a mãe da Karla descobriu a gravidez e como já havia um novo amor em sua vida, ela acabou deixando ele assumir a Karla como filha. E ela só se chama Karla porque o papai sempre falou que ama esse nome. – A mamãe parecia estar horrorizada.

- Quem te contou isso?

- A Karla, a mãe dela contou isso a ela. – Mamãe ficou espantada, olhou para os lados e voltou a me fitar. – Mãe, você e o papai eram namorados quando ele veio para Miami?

- Na verdade não...  Havíamos terminado, pois eu não tinha certeza que ele iria voltar um dia. – Ela suspirou. – Agora lembro que ele contou uma vez que chegou a se envolver com alguém aqui. – Ela negou com a cabeça e riu nervosa. – Que cafajeste...  Me deixou achando que você era a primogênita... – Ela negou com a cabeça novamente. – Isso explica as suas semelhanças, e quanto mais você amadurece, mais parecida com ela fica.

- Você a odeia? – Ela negou com a cabeça.

- Por que eu odiaria a filha do homem da minha vida? O homem que eu continuo amando? A filha que ele nem se quer soube que existia?! Porque tenho certeza que não soube, ele teria me dito. Ele nunca foi de mentir. Era um homem justo. – Eu sorri, seus olhos estavam cheios de lágrimas. – Meu Deus, ele estaria louco se soubesse que ela está doente... – Suas lágrimas escorreram. – Ele enlouqueceu uma vez quando você teve uma febre que não queria abaixar. Eu nunca havia o visto tão espantado em minha vida... – Ela suspirou. – Eu não posso odiar a filha de meu marido.

- Estou aliviada por isso, mãe. De verdade... – Ela subiu a mão até meu rosto e fez carinho.

- As coisas vão melhorar... – Ela sussurrou, ainda com lágrimas escorrendo. – Sua vida vai mudar, meu anjo...  Eu prometo. Sei que o brilho de seus olhos morreu, eu sei que destruíram seus sonhos, mas tudo vai ficar bem. – Ela disse mudando totalmente o foco da conversa. – Não ligue para o que dizem de você, ou o que fazem, você é uma pessoa mais que especial nesse mundo. Quem te apedreja não sabe o mal que tem feito a si mesmo. – Senti um nó se formar em minha garganta e respirei fundo. – Agora que você tem uma irmã nova, e que pelo que tenho visto, quer te ver sorrindo sempre, fique próximo a ela, ela te fará bem...

--

Vamos dizer que as primeiras semanas na qual tive que voltar a frequentar a escola foram um inferno para mim. A “professora Clara” chegou a discutir comigo em sala de aula. Mas com um tempo, ela passou a me tratar bem, pediu desculpas e quem sabe se redimiu de tudo que havia pensado sobre mim. E fora algumas piadinhas que tive que ouvir dos colegas de escola.

As coisas em cima de Fifth Harmony estavam se acalmando, pois já se passou três meses. E bom, Dinah e eu seguimos com nosso plano, começamos a compor músicas. Ah, e sobre o Refletion, ele vendeu bem, inacreditavelmente bem. Recebi muitos elogios e até recebi várias propostas, porém recusei tudo.

Os vídeos foram finalmente removidos da internet, mas hora ou outra ainda soltam prints feitos nos vídeos e me xingam na internet, não é algo como se fosse me ofender, pois são poucas pessoas e estou aprendendo a lhe dar com isso.

Karla está indo bem em seu tratamento, e hoje, nesse momento, irá infelizmente, raspar sua cabeça. Ela está sentadinha a minha frente, está um pouco magra, nervosa, mas continua linda. Morgan está ajoelhada a sua frente, beijando sua mão. E bom, a Lauren propôs raspar, mas está nervosa demais para isso. Ela treme segurando a máquina que só faz barulho. Karla está sorrindo, olhando diretamente para Morgan, totalmente conformada com a sua situação.

- Me desculpa, mas eu não vou conseguir. – A Lauren disse, desligando a máquina. Karla olhou para trás e viu Lauren limpando suas lágrimas. – Me perdoa, eu não consigo.

- Por favor, faça. – Karla pediu, com a voz frágil, dando sinal que está segurando o choro. Lauren olhou para ela e simplesmente ligou a máquina. Karla voltou a fitar Morgan. Lauren respirou fundo segurou os cabelos de Karla com cuidado, em seguida, começou a passar a máquina no cabelo de Karla.

Karla fechou os olhos e assim permaneceu. Os cabelos desciam no chão junto com suas lágrimas, a emoção tomou de conta de sua pessoa, e ela começou a chorar. Morgan alisou seu rosto, e ao mesmo tempo passou a retirar os fios de cabelo que ficavam sobre sua face.

Lauren tremia como eu nunca havia visto na vida. Eu temia que a qualquer momento ela fosse desmaiar. Mas ela conseguiu, ela foi até o fim. Ela deixou tudo como a Karla queria.

Quando a máquina foi desligada o silencio tomou de conta da sala de estar do apartamento de Karla. Ela chora em silêncio, vivendo seu momento.

- Força, minha guerreira...  Nós vamos vencer tudo isso... – Morgan sussurrou, quebrando o silêncio.

E eu? Bom...  Não preciso dizer o quão emocionada estou.


Notas Finais


Eu não acho que realmente seja necessário explicações para meu atraso, como eu tenho dito, o trabalho e a falta de tempo estão fodendo tudo.

Nunca esqueçam que eu não vou abandar, e vou ir até o fim.

Muito obrigada a todos que entendem isso, e que continuam lendo. Eu amo muito vocês.

Não tenho dia certo para atualizar, vamos ironizar isso, "mês" certo, mas vou tentar me dedicar ao fim essa fic.

Eu a amo, amo a Karla Estabrao, e acabar a fic e não ter mais ela é ruim pra caralho. Isso também colabora muito para a demora em atualizar, pois sei que a cada capítulo fica mais próximo de parar de escrever sobre ela.

:(

Eu amo vocês e espero que tem gostado de coração.

Até a próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...