História The four elements. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Capitão América, Homem de Ferro (Iron Man), Mitologia Grega, Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Apollo, Artemis, Atena, Clint Barton, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Hades, James Buchanan "Bucky" Barnes, Loki, Natasha Romanoff, Perséfone, Personagens Originais, Pietro Maximoff (Mercúrio), Poseidon, Steve Rogers, Thor, Wade Willson (Deadpool)
Tags Apolo, Ares, Atena, Bucky Barnes, Caçadores De Artemis, Clint Barton, Deuses Do Olimpo, Eris, Hades, Incestos, Inveja, Loki, Mitologia Grega, Os Quatorze Males Gregos, Poseidon, Steve Rogers, Thor, Triângulo Amoroso, Vingança, Zeus
Visualizações 37
Palavras 1.935
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


— Os vingadores ou qualquer outro personagem da marvel não me pertence. 👍👌👏👏👐

— O acampamento meio-sangue pertence ao Rick Riordan. Direitos a ele.👏👏👏

– Todos comentários serão respondidos. Mesmo não tendo nenhum. 😭😢😭😢

– Eu também não obrigo ninguém a comentar, mais um comentário construtivo💡 sempre será bem vindo.📉

– O trailer estará disponível nas notas finais. Para um melhor entendimento da fic.⏪▶⏩

– Esta história retratará, a mentira, vingança, incesto e um pouco de comédia para não ficar muito sombria. Também terá alguns momentos cutes e momentos sad. Mais principalmente, retratará em como qualquer pessoa veio a este mundo para ser uma lenda... Só basta querer.🏆🏆

– Você não precisa manja de mitologia grega para entender a história, eu explicarei direitinho o que os personagens estão falando. Ok? Okay!📚📚

– Um último aviso: o enredo da fic esta anotado 📖 há dias, então se tiver reviravoltas não se assuste... Era para acontecer mesmo.

✅O tema desta fanfic é, Live like legends da Ruelle. Mesmo os personagens tendo seus temas, para a fanfic será este por que combina com que a história quer passar.🎶🎶🎶🎶

📆 A fic será atualizada sempre quando eu escreve um novo capítulo 📄📄.

Capítulo 1 - Drop of hope


Fanfic / Fanfiction The four elements. - Capítulo 1 - Drop of hope

Meus piores inimigos são os meus sonhos, pelo menos eu acho isso. Desde de criança meus sonhos não são normais, eles sempre são carregados de duvidas e confusões. Mais este sonho, não tem palavras para descreve-lo, parece ser uma visão do futuro ou talvez do presente. Mais aquelas pessoas são desconhecidas, eu pelo menos tenho uma menção de quem são essas pessoas, só que não tenho pura certeza. É claro que eu já havia pedido ajuda de um certa personificação da sabedoria e o deus do sol. Discutimos bastante, Apolo tem um orgulho e tanto, ele disse que não queria pedir ajuda a humanos, ele aceitou depois que eu ameacei transformar ele em pato por dois meses, eu não insisti por que eu não sou dessas. Sofía gosta de uma batalha, mais só aceitou com uma condição, “Se livrar da guerra”, isso eu já queria fazer. Na verdade eu só pedi ajuda dos dois, porque eles são os meus chegados de séculos.

Agora eu estava no meu quarto vendo arquivos sobre esses tais heróis, imagens de câmeras, e também algumas imagens da S.H.I.E.L.D., Sofia que hackeou essa organização, as vezes eu amo a filha de Atena, fazer o que né? É a vida.

— Bárbara, eu queria saber se já conseguiu? — Apolo falou, logo após fechar a porta.

— Espera um minuto! — eu o acalmei.

Ele se sentou no sofá, pegando o iPhone e começou a mexer.

É no Olimpo tem essas tecnologias, os deuses se atualizam com a época. Mesmo algumas coisas, eles não deixando para trás.

Deslizei meu dedo na tela do celular, assim criando um holograma com imagens.

— Apolo! — chamei. Ele não respondeu, na verdade ele estava rindo de algo no celular. — Apolo! — chamei mais uma vez, não respondeu. — Desgraçado do Sol! — gritei por vez.

— Ai Bárbara, bem na hora que a Hedonê iria responder, se era na minha casa ou na dela! — ele disse bravo.

— E eu lá ligo! — falei jogando uma caneta nele.

— É minha vida sexual que esta em jogo! — disse fazendo drama. Eu revirei os olhos.

— Fazer drama lá pros quintos dos infernos! —falei.

Ele me encarou, e soltou uma gargalhada ridícula.

— Querida, seu pai é o rei de lá! — se referiu a Hades.

— Esse “Lá” se chama submundo! — falei.

Eu estava enrolando demais, então resolvi voltar para o assunto:

— Apolo, o que você diria se existisse um loiro mais bonito que você? — perguntei para provocar.

— Eu não diria nada. Ninguém me supera, Babi! — disse convencido.

— Eu acho que este daqui te supera! — falei. Levei a imagem até ele.

— Eu sou mais bonito. — ele disse.

— Então, pelas informações que vejo aqui! — sentei ao lado dele, mexendo nas imagens. — Ano passado eles se desentenderam, até rolou uma guerra civil! — falei. — Pelo menos não rolou tanto sangue igual nas guerras da Atena e de Ares! — comentei.

— Verdade! — ele concordou. — Mais como estão novamente?

— Já se entenderam, pelo menos é o que diz aqui? — falei mostrando o documento.

— Quem é esta aqui? — ele perguntou apontando para uma ruiva.

— Espera! — falei, procurando arquivos sobre ela. — Natasha Romanoff. — respondi.

— Idade? — perguntou.

— trinta e dois anos. — respondi. — Ela é uma ex assassina altamente treinada, e agora uma agente da S.H.I.E.L.D. — passei para a próxima imagem. — Clint Barton, Steve Rogers, Tony Stark, Thor Odinson, Wanda Maximoff, Bruce Banner e esses outros ai, é só você ler! — falei.

Passamos quase duas horas pesquisando algumas coisas sobre eles. Escutamos batidas na porta, eu me levantei e fui até lá:

— Sofía, entra! — falei.

Ela entrou com rapidez e se sentou ao lado de Apolo. Eu fechei a porta e fui até os dois. Antes de eu me sentar, olhei para Sofia e uma ideia veio na minha cabeça.

— Sofía, caramba meu! Eu tive uma ideia brilhante. — eu gritei.

— conta! — Apolo pediu.

— Primeiro irei capta-la, depois repasso para os dois! — falei.

— Se essa ideia não for completamente um absurdo! — Sofia disse séria.

— Não, não é um absurdo. É uma ótima ideia! — falei segura da minha ideia.

— Então conta, criatura de Hades! — Apolo disse.

— Você se disfarçara de secretária de Tony Stark. — apontei para Sofia.

— Eu! — apontou os dedos para si própria. — Por quê não você, Bárbara?

— Por que você é a mais tudo! — eu disse. — Agora deixa eu terminar, você irá fazer o que eu disse antes, para bem depois quando ele estiver acostumado com sua cara, você contara seu propósito! — falei.

— E plano que com certeza, não dará certo vai para... Bárbara uma cria de Hades e Perséfone! — Apolo bateu palmas.

— Da seu rabo, seu jumento! — falei já com raiva de ele ficar me chamando de “cria”.

— Já deu né! — Sofia disse. — Bárbara, irei pensar neste assunto! Agora tenho que ir, minha mãe precisa de mim! — ela disse.

— Tchau Sasá! — Apolo sorriu como uma capivara, acenando para a sobrinha.

— Tchau! — apenas dei um aceno, e ela assentiu com a cabeça e saiu do quarto.

                       ~∆~

Eu estava sozinha no meu quarto. Logo depois que Sofía saiu, Apolo saiu também, um encontro com a Hedonê.

Meus olhos começaram a ficar pesados, era sete horas da noite, e eu com sono.

Na verdade para mim vir até o Olimpo, eu tive que acordar duas e meia da manhã, eu fui dormir meia noite e cinquenta. O motivo de eu acordar aquele horário é por que é a hora que o Cérbero, cão de meu pai dormia, e é difícil de acorda-lo neste horário! É eu tenho medo dele, com três cabeças. Quem não ficaria?

Me levantei em um impulso, eu tenho que ir no banquete dos deuses! Eu estou morrendo de fome. Desta vez Hipnos perdeu para Limos, eu aguento o sono! Encostei-me na cabeceira da cama, batendo os dedos na minha barriga.

— Ir ou ficar, eis a questão? — perguntei para mim mesma. — Ficar! — falei decidida. — Mais eu estou morrendo de fome! — passei a mão na barriga.

Peguei meu celular e, mandei uma mensagem para minha vó:

“Vovozinha, cê me ama né?”

“O que você quer Bárbara?”

“Eu estou morrendo de fome, só que estou com sono!”

“O que tem?”

“Pede para trazerem comida aqui no meu quarto?”

“Tudo bem, as ninfas irão levar algo para você comer!”

“Obrigadinha!”

“De nada.”

Coloquei meu celular ao meu lado na cama e, fechei os olhos tentando pensar em algo que possa me acalmar.

Minha vó, sempre disse que eu e minha irmã Mácaria, fomos a única coisa que saiu do casamento dos meus pais, ela até hoje não gosta dele por ter levado sua querida filha Perséfone... Mais eu não entendo, minha mãe passa seis meses com meu pai e seis com Deméter. Eu acho que nunca vou entender.

Três batidas na porta foi ouvida por mim. A minha preguiça estava tão grande, que eu não quis levantar para abri-la, nem falar eu estava aguentando. Nossa Bárbara, que exagero! Eu tenho que ter descanso, pois foi quase um mês mal dormido.

— Pode entrar! — falei.

— Senhora, aqui esta sua comida! — disse.

Era uma ninfa dos cabelos longos, castanhos claros, os olhos pretos e é até que é bonita.

— Obrigada. — respondi.

Ela colocou a bandeja em cima da cama.

Era uma lasanha, mas sem massa! Se chama moussaka, esta lasanha é maravilhosa uma delícia, meu prato favorito. Vovó sabe das coisas. Quando terminei de comer, peguei meu copo cheio de néctar para beber a sede é grande.

Depois que eu terminei a ninfa pegou a bandeja e saiu do meu quarto. Me levantei da cama e, fui até meu banheiro. Me despi e entrei na banheira.

Eu fiz um coque no cabelo, alguns fios ficou solto.

Me lembrei de Sofía depois de ver um planta perto da banheira, será que ela irá aceitar ou apenas esta enrolando?

Depois de dez minutos na banheira, sai da mesma e vesti um vestido preto para dormir.

Quando me deitei na cama, senti como se alguém me desse um tapa na cara forte, para mim apagar. Pois eu apaguei mesmo, minhas vistas escureceu de uma forma rápida demais, eu não havia nem me deitado direito na cama.

A claridade voltava para minhas vistas, pensei que iria ficar cega, eu estava deitada na terra. Passei a mão no meu rosto e depois olhei minha mão com um pouco de sangue em dois dedos. Me levantei, olhando para todas os lados, aquele lugar realmente é desconhecido por mim.

Uma garotinha se aproximou de mim, ela pegou na minha mão e sorriu, fez um carinho na minha mão direita, o seu sorriso era tão reconfortante e alegre. Sem mais nem menos, ela me arrastou para frente de uma casa azul marinho. Eu realmente não entendo nada!

— Vem! — me chamou com as mãozinhas. Ela entrou dentro da casa correndo, eu sem falar nada a segui.

— Garotinha? — chamei.

— Vem. — ela pegou minha mão de novo e, me levou até um quarto.

O quarto era escuro, a garotinha sentou-se no chão, eu fui até ela e fiz o mesmo.

— Como é o seu nome?— Perguntei. — O meu é Bárbara.

— Meu nome não pode ser revelado, mais me chame apenas de esperança. — ela disse.

— Por que esperança? — perguntei confusa.

— Por que eu sou a única que possa ajudar salvar o mundo, ou me juntar a destruição dele! — ela disse.

Eu franzi a testa, aquilo estava estranho, muito mesmo.

— Você é a única esperança? — perguntei.

— Não, mais eu sou a única que tem...

Não deu tempo de ela responder, uma flecha acertou a barriga dela fazendo ela cair e bater a cabeça no chão. Como alguém pode ser tão cruel a este ponto, matar uma criança.

Eu corri até ela e, tirei a flecha da costela dela. Os olhinhos fechados, e o corpo gelado.

A garota sumiu em um pó verde. Eu olhei ao redor, estava só eu ali.

Me levantei e, sai andando. Minhas vistas ficaram turvas.

Eu já estava em um novo lugar, algo como uma gruta sombria. Com medo eu não estava, eu sou uma filha de Hades, estou acostumada com tudo sombrio.

Eu andei até sair em um lugar, onde havia gritos, choros e pedidos de socorro.

Todos os deuses estavam mortos, mais como se eles são todos imortais.

Eu comecei andar entre os corpos, até que sinto alguém vivo, era Apolo!

Me agachei até ele e, coloquei meus dois dedos no pescoço dele, ele segurou minha mão forte, me assustando.

—Você... Deixou... — ele estava agonizando, não conseguia terminar de falar.

— Deixei o que? — perguntei.

— Deixou... A nossa única... — ele não conseguia terminar de falar.

— Droga! — praguejei.

— Você não a salvou, Bárbara... Deixou ela morrer, — ele fez uma pausa para respirar. — Nossa esperança!

Os olhos dele se fecharam lentamente, ventou forte lá naquele lugar.

Quem é esta esperança? Por quê é tão importante? As perguntas não me deixarão em paz tão cedo.

As pessoas ainda vivas gritavam, choravam e pediam socorro eu não tinha o que fazer por elas. Nada, a minha única esperança morreu. Eu já as perdi!



Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...