História The Four Knights - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), CNBlue, EXO, Got7
Personagens BamBam, Jung Yong Hwa, Jungkook, Personagens Originais, Sehun
Tags Comedia, Drama, Romance
Exibições 12
Palavras 1.397
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi,oi pessoal!
Sejam bem-vindos, espero que gostem, a capa está sendo feita, então... aguardem, please!
Boa leitura!

Capítulo 1 - Prólogo





                HA-NI
    -Há muito, muito tempo atrás, existia uma garota chamada Cinderela, que era maltratada pela madrasta malvada e suas irmãs postiças. Ela era tratada como uma empregada, vivia limpando, passando e cozinhando para as 3 preguiçosas que moravam na sua casa, mas, aí, em um belo dia, ela conheceu o príncipe encantado, eles se casaram e viveram felizes para sempre... Até parece! As Cinderelas de hoje em dia só fazem trabalhar, trabalhar e trabalhar, elas quase se matam com seus trocentos empregos de meio período, e, além do mais, os príncipes encantados de hoje em dia parecem mais com sapos, eles se acham melhores e fazem de tudo para humilhar. - falei terminando de trocar a frauda do Jeremy, que era o bebê que eu tomava conta. As duas irmãs do Jeremy, Rachel e Ryo, estavam ao meu lado escutando a minha versão da história da Cinderela. Eu amava ficar de babá deles, eles são bem calmos. Ryo é a mais velha, com 7 anos; seguida de Rachel, com 5 anos; e depois vem o Jeremy, que tem apenas 1 ano.
    Eu peguei o Jeremy no colo e nós fomos para a sala, onde tinha alguns brinquedos no chão.

    -É por isso que vocês têm que estudar e estudar muito para ter um bom emprego e não precisar depender de nenhum tipo de "príncipe encantado", certo? - perguntei para as meninas que se sentaram no chão.

    -Certo! - responderam em uníssono e eu sorri. Minha história é quase parecida com a da Cinderela, tirando a parte do príncipe encantado e o "viveram felizes para sempre". Minha mãe morreu quando eu tinha 9 anos, mal se passou 2 anos e o meu pai já havia se casado de novo, com uma mulher tão falsa quanto a própria cara revela, ela veio morar conosco e sua filha, que virou minha irmã postiça (outra falsa, devo acrescentar). Elas conseguiam me maltratar e esconder do meu pai, já que, por causa do seu trabalho, ele só volta para casa de 6 em 6 meses. Mas eu vou conseguir me livrar delas, eu só preciso de mil wons para conseguir dinheiro o suficiente para a minha faculdade. Eu irei seguir o meu sonho de ser professora.


                    [...]





                SEHUN
    Bebi um pouco da água que estava no copo e encarei em volta, o restaurante do hotel do meu avô estava quase vazio, mas cheio dos maiores nomes desta cidade e era isso que ia fazer a minha conta bancária subir. Olhei para frente e vi uma morena muito bem vestida caminhando à passos furiosos na direção da minha mesa, ela parou de frente para mim e me lançou um olhar furioso.

    -Você terminou comigo por mensagem?! - exclamou, atraindo toda a atenção para nós.

    -Eu até mandei um emoticon de carinha triste, não gostou? - perguntei e ela pegou o copo de água da minha mão, pensei que ela ia jogar em mim, mas logo bebeu todo o conteúdo do copo. Ela pôs o copo em cima da mesa e aproximou o rosto do meu.

    -Aquele boato, é verdade? - murmurou e eu arqueei uma das sobrancelhas.

    -Que boato?

    -Que você concede um desejo à todas as garotas com quem termina? - perguntou e eu sorri de banda.

    -O que você quer?



                    [...]




    -Lá se vai mais um dos meus carros. - falei acenando para a morena que saía do local com a minha Koenigsegg branca. Escutei um apito, indicando que eu tinha recebido uma mensagem, peguei o meu celular e li a mensagem.

        "Precisamos ter uma conversa séria, venha à mansão agora ou eu corto todos os seus dados bancários e todos os seus cartões de crédito."

    Era o meu avô, revirei os olhos e encarei a rua.

    -Táxi! - chamei o primeiro táxi que apareceu e indiquei o endereço para o taxista.




                    [...]





                YONG HWA
    Assim que me troquei, fui à passos rápidos atrás do meu empresário e dos meus seguranças, deixamos o estabelecimento ouvindo os gritos das minha fãs, eu estava exausto, fiz 4 shows em menos de uma semana, eu estava acabado, mas eu gostava do que estava fazendo. Nós entramos no carro e o motorista deu partida.

    -Estava tudo lotado, você viu? - perguntei para o meu empresário e ele assentiu.

    -Agora só falta a entrevista no Talk Show sei-lá-o-quê. - falou e eu assenti, só essa entrevista e os meus compromissos de hoje se encerram.

    -Onde está o meu celular? - perguntei e ele me entregou o meu celular. Liguei o mesmo e percebi que havia uma mensagem do meu avô.

        "Precisamos conversar, venha rápido ou adeus carreira."

    -Precisamos dar a volta. - falei sem tirar os olhos da tela do celular.

    -Não vamos voltar, Yong, precisamos estar naquele Talk Show daqui há 15 minutos, já estamos perto. Não precisa ficar nervoso. - falou e eu abaixei o celular.

    -Não estou nervoso, é o meu avô.

    -O que é que você está fazendo, meu filho? Dá logo a volta nesse carro, é o avô dele! - exclamou o meu empresário exasperado, para o motorista, e eu ri fraco, balancei a cabeça negativamente e tornei a encarar a tela do celular.




                    [...]







                BAMBAM
    -Eu tenho mesmo que ficar? - perguntei para o Young Do, o braço direito do meu avô, e ele me encarou com uma das sobrancelhas arqueadas, como se a pergunta que eu fiz fosse idiota. - Ok, eu vou esperar o circo pegar fogo. - murmurei me sentando no sofá da sala de estar.

    -Quem é que ainda fala isso? - replicou e eu dei de ombros, peguei me celular e verifiquei a hora.

    -Você sabe que faltam apenas 15 minutos para essa sala ficar com um ar tenso? - perguntei e ele assentiu, permanecendo com a mesma posição, as mãos atrás das costas e o corpo ereto. - Você precisa relaxar, Do, você trabalha demais. - verbalizei pondo os fones. - Me acorde quando os trouxas chegarem. - falei fechando os olhos, me acomodando mais no sofá.



                        [...]





                JUNGKOOK
    -Já é a terceira vez que eu venho aqui concertar esse carro! O que você pensa que está fazendo?! Está querendo roubar o meu dinheiro?! - escutei a voz de um homem irritado, deixei de lado o motor da minha buggatti vermelha e encarei a cena. Um homem de meia idade estava gritando com um mecânico (amigo meu) desta oficina. Eu me aproximei do Seung, o meu chefe, e limpei a mão suja de graxa em uma flanela.

    -O que está acontecendo? - perguntei e o meu chefe respirou fundo, parecendo exausto.

    -Ele é um crítico, ele está tentando nos dar uma crítica negativa, por isso anda quebrando o carro com frequênica, ele está querendo fechar esse estabelecimento. - respondeu e eu encarei o carro do crítico, em seguida o meu.

    -Ele vai parar agora. - falei sorrindo fraco.

    -O que você vai fazer?

    -Vai ver. - respondi indo até o meu carro, fechei o capô e entrei no mesmo, dando partida logo em seguida, acelerei e bati com tudo no carro do crítico, que parou na hora de reclamar, eu saí do carro e vi o estrago que fiz no meu e no carro dele.

    -Olha o que você fez! Sabe quanto esse carro custa?! - bravejou vindo na minha direção e eu o encarei sem nenhum pingo de expressão.
    -Meu carro custa muito mais que essa coisa que você chama de carro. - repliquei, joguei a chave do meu carro para o meu amigo, Shin, e cruzei os braços. - Eu vou pagar pelo concerto dos dois carros. - falei para Shin e ele assentiu, me virei para o crítico. - Quando o seu carro for concertado, eu não vou querer ver essa sua cara nojenta e nem esse seu pé imundo nesta oficina, me entendeu? - o desafie com o olhar. - Até lá, é melhor respeitar os trabalhadores daqui.

    -Quem você pensa que é?

    -Ninguém, só... um dos herdeiros do império Kang, quer testar quem tem mais poder aqui? - repliquei e ele se afastou, indo na direção do seu carro. Escutei o meu celular apitar e peguei o mesmo, vendo que tinha chego uma mensagem do meu avô.


    "Precisamos conversar, esteja aqui em 15 minutos ou eu vou manter em segredo a origem do seu nascimento."

    Respirei fundo e guardei o meu celular indo na direção da minha moto.



                        [...]


Notas Finais


Espero que tenham gostado, eu usei meus 4 k-idols favoritos.
Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...