História The four sisters of yui - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Beatrix, Carla Tsukinami, Christa, Cordelia, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Seiji Komori, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Lobos, Shoujo, Vampiros
Visualizações 20
Palavras 1.196
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu sei que estou alguns minutos atrasada, era por que eu cheguei tarde em casa e ainda tinha que finalizar esse capítulo; -;
Não postei ontem por um ocorrido que teve aqui em casa e na escola, então por favor me perdoem 😭
Mas então me perdoem pelos erros ortográficos e tenha uma boa leitura.

Capítulo 11 - Não sou como elas... (Parte 2)


Fanfic / Fanfiction The four sisters of yui - Capítulo 11 - Não sou como elas... (Parte 2)

Pov Lisa

[sonho...]

Estava em um lugar não muito longe de casa, Estava em um jardim um pouco distante. Não sabia no que pensar ou no que fazer, então venho a esse lugar para desabafar ou ficar relaxada. Em casa quase nunca vejo minha mãe, ela esta sempre ocupada de mais para não falar comigo, foi assim desde que eu nasci. Fui criada pelas servas, elas me educaram e eu aprendi magia com elas. Não sabia por que disso, quando ela tem tempo inventa uma desculpa para não me ver e também para não falar comigo, isso me machuca por dentro, me deixa destruída e morta por dentro. Chorava todas a noites quando ela passava por mim reto sem falar uma única palavra. Por que os humanos tem esses sentimentos? Pra que eles servem? Para nos matar ainda mais rápido... Só pode ser isso.

As rosas são lindas e me deixam calma quando eu quero ficar sozinha. A rosa que me representa são as azuis. É a cor do céu e do mar, simboliza a confiança, harmonia, amizade, fidelidade, amor. Nunca sorri e nunca tive uma expressão que não fosse tristeza profunda. Nunca chorei na frente dos outros, sempre chorei aonde não pudessem me ver e nem me encontrar.

Elizabeth: pequena dama por que estar em um lugar como esse? -ouvi aquela voz a poucos passos longe de mim.

- oi eliza, só Estou pensando um pouco... - eu olhei para as rosas brancas que estavam no meu lado.

Elizabeth: estar chateada com alguma coisa? Eu sei que você sempre vem aqui quando estar triste. -ela se aproximou de mim e passou a mão na minha cabeça e depois sentou no meu lado e olhou para as rosas vermelhas. - eu vinha aqui quando pequena, e realmente calmo né?

- sim... Porque você vinha para cá?

Elizabeth: sabe lisa, eu é sua mãe não fomos criadas pela nossa mãe, fomos criadas pelos nossos parentes. Nossos pais morreram quando tínhamos apenas 7 ou 8 anos de idade. Era sempre complicado na mansão, tínhamos que fazer tudo que eles mandasse sem reclamar ou falar alguma coisa. Fazíamos tudo... Mas nada estava bom para eles. Recebíamos punições severas e tínhamos marcas roxas por todo o corpo, então eles faziam a gente vestir vestidos longos com mangas compridas, e colocavam colares grandes para poder esconder todas as marcas que estavam visíveis. Então todas as vezes que recebia essas punições eu ficava aqui... Chorando e tentando morrer...

- morrer...? - sentia meu coração quebrar.

Elizabeth: eu me alto mutilava... Cada corte mais fundo que o outro... Mas toda vez que eles viram meus pulsos eu recebia mais punições do que o normal, foi assim que sua madrinha morreu.

- ela morreu pelos cortes...? - senti lágrimas caírem no meu rosto.

Elizabeth: infelizmente... Eles davam uma punição maior para ela, ela fazia isso para nos proteger, porque éramos suas irmãs mais novas é sua única família...

- quais eram suas punições?

Elizabeth: se entregar para eles... Qualquer um da nossa família podia ascendia-la, levá-la para cama é estuprar ela... Ela não aguentou, mas Ela resistiu um pouco quando você nasceu.

- eu?

Elizabeth: você foi um presente que tivemos, graças a você ela aguentou não morrer, mas em uma noite ela foi encontrada morta em um dos jardins principais. Nesse dia sua mãe entrou em depressão, mas esse sentimento foi quebrado quando ela teve uma raiva que dominou seu corpo.

- como assim?

Elizabeth: nos bruxas não podemos fazer mau para ninguém, não podemos sentir raiva ou nossa magia fica negra. Quando a raiva entra pelo corpo todo, a sua vítima tem um sentimento enorme de matar todos que fizeram algo ruim com a mesma. Ela matou todos que tocaram nela, todos que a fizeram chorar é todos que espancaram ela. - ela começou a chorar e apertou suas pernas.- Na manhã seguinte... Quando todos acordaram, quando todas as bruxas acordaram, nos ficamos de olhos arregalados... A mansão estava cheia de sangue, partes de corpos mutilados é que receberam torturas intensas, ela fez uma chacina na mansão. Depois daquele dia todos que tentaram lutar contra ela morreram, aqueles que sobraram tinham que obedecer suas regras é nunca comentar sobre oque aconteceu... Senão seriam mortos sem piedade.

- então... O motivo de nossa família estar quase sumindo... E por culpa dela?

Elizabeth: não só nossa família... Mas a cidade inteira, por isso ela fez o casamento forçado de outras famílias e cidades com a nossa.

- mas... Porque? - comecei a chorar.

Elizabeth: porque... A vida deu nossos lados ruins tudo de uma vez... Agora deve vim os bons. Nossa anciã sempre falava " Mesmo ferido, terminado é derrotado ... Temos de nos mover sem medo. Por mais doloroso que seja, por mais lágrimas que deixamos cair, temos que sempre nos levantar, mesmo se quisermos ficar no chão."

Então estava lá, naquele dia ela começou a criar como sua filha. Mas, como ela disse, nossa vida traz coisas ruins, mas a nossa continua bem, mas quem disse que os lados ruins acabaram?

[Fim do sonho...]

Saí da cama e fui ao banheiro limpando meu rosto. Eu olhei para o espelho me sentir derrotada, por que isso novamente? Quando voltei ao meu quarto, essa pessoa estava sentada olhando para mim com um rosto hostil.

- Por que estar aqui?- Eu disse, dando alguns passos para trás.

Reiji: Você acha que eu deixaria você sair sem fazer nada para puni-la pelo que você fez? - Ele disse secamente, olhando-me com desaprovação e arder de raiva por dentro.

- O que eu fiz para receber isso?- Eu disse tentando ficar calma e não tremer.

Reiji: o que você fez? Não importa, você sabe o que fez e vai pagar por isso.- Ele levantou-se de sua cadeira brultamente e me olhou com ódio.

- Você não ousa me tocar de outra forma, haverá sérias conseqüências.- eu disse, preparando um escudo de proteção.

Reiji: Desta vez, não vou cair em seus truques.- Ele aparece atrás de mim, puxando-me contra o corpo dele e depois me jogou na cama ficando por cima de mim.

Senti uma de suas mãos segurar as minhas mãos acima da minha cabeça, sua mão livre estava deslizando pela minha coxa. Eu estava me debatendo, mas quanto mais eu me movia, mais ele moviria sua mão livre para a minha intimidade. Senti a sua mão tocar minha intimidade fazendo movimentos circulares me fazendo gemer e me contorcer de prazer. Eu não queria gostar, mas era impossível. Ele me deu chupões pelo pescoço deixando marcas roxas e depois foi descendo em direção aos meus seios tiravam as roupas que os cobriam, senti sua língua circular em cada canto e em cada espaço e deixando marcas. Quando cheguei ao meu limite, ele não parou, e cada vez que eu gozava ficava cada vez mais sensível, mas seus toques me deixavam louca, era assim até eu não conseguir mais aguentar, então ele me deixou esgotada na cama, ele Sorria e com um olhar vitorioso, logo que ele saiu deixando-me terminada naquela cama.

" Mas naquele dia eu quebrei uma regra de bruxa na minha cidade, eu tinha comprometido a luxúria, mas agora que eu sou deles, essas regras não existem mais."


Notas Finais


Espero que tenham gostado, desculpa mais uma vez por não ter postado ontem e ter demorado para posta esse, mas então um beijo um queijo e tchau💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...