História The Golden Girl - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Álvaro Morata, Antoine Griezmann, Cristiano Ronaldo, Fábio Coentrão, Gareth Bale, Irina Shayk, James Rodríguez, Karim Benzema, Manuel Neuer, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Mesut Özil, Pierre-Emerick Aubameyang, Renato Sanches, Robert Lewandowski, Sergio Ramos, Thomas Müller
Personagens Álvaro Morata, Antoine Griezmann, Cristiano Ronaldo, Fábio Coentrão, Gareth Bale, Irina Shayk, James Rodríguez, Karim Benzema, Manuel Neuer, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Mesut Özil, Pierre-Emerick Aubameyang, Renato Sanches, Robert Lewandowski, Sergio Ramos, Thomas Müller
Tags Drama, Euro, Futebol!, Romance
Exibições 142
Palavras 2.251
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá queridas!🙌 Hoje mais cedo que o habitual pois vou sair para jantar!🍴
Capítulo bastante especial pois hoje mesmo foi o sorteio para a fase de grupos da Copa das Confederações, onde participará Portugal e até que não errei ao escolher os adversários dos times!😉😂
Espero que gostem!💕
Beijos😘

Capítulo 46 - Confederations Cup - Part I


Fanfic / Fanfiction The Golden Girl - Capítulo 46 - Confederations Cup - Part I

****Raquel POV****

 

-Como você fez isso? - eu perguntei a Cris, durante o primeiro treino na Rússia para a Copa das Confederações, quando o vi bater um livre e a bola ir com um certo efeito para o gol. 

-Eu te ensino, mas só porque você é a minha melhor amiga. - ele falou e começou me explicando enquanto eu tentava fazer mas não estava dando certo. 

-Você tem que bater na bola com a parte de dentro do pé, você está chutando com a ponta! - ele falou meio que agoniado por eu não estar conseguindo. Cristiano me ajudava muito, e no que toca a futebol não confiava a mais ninguém para pedir conselhos e recomendações, para além de que ele puxava muito por mim enquanto estavamos na seleção, ele me tratava como sua nova aprendiza e a verdade é que eu estava aprendendo muito com ele. 

 

Tentei mais uma vez, agora com o time todo me olhando, e dessa vez bati na bola exatamente como Cristiano queria, e ela fez o efeito e passou por Rui que estava no gol. Comemorei correndo para Cris e pulando em cima dele enquanto o time batia palmas, esqueci até que havia jornalistas no treino e que, muito provavelmente, tinham gravado toda esta ceninha.

 

-6 voltas no campo e estão liberados.- Fernando falou e nós bufamos.- Vamos mocinhas, mexam essas pernas! - Fenando gritou e eu ri alto enquanto os meninos protestavam. Esses garotos nunca vão crescer! 

 

[...]

 

Estávamos na semi final! Haviamos passado pela fase de grupos tranquilamente e só com goleadas, e devo admitir que os quartos de final também não foram um desafio para nós. Enfrentámos a Austrália que não se mostrou boa o suficiente para parar o hat-trick de Cristiano, mas quem pára o melhor jogador do mundo? 

 

Nas semi finais iriamos enfrentar o México, onde joga meu amigo do Benfica Raúl Jiménez que é um grande ponta de lança e, definitivamente, o maior perigo para nós por parte da seleção mexicana. 

 

Os treinos foram mais puxados que nunca e todos nós duplicamos as horas na academia para treinar a resistência e a velocidade, queriamos muito mais um troféu Internacional e essa era a oportunidade perfeita para chegarmos ainda mais confiantes na copa, no ano que vem.

 

Em relação à minha mudança para Dortmund, eu e Mario decidimos que iriamos comprar uma casa maior pois, segundo ele, teriamos que ter bastante espaço em casa para jogar futebol e claro para nossas familias poderem nos visitar sem problemas. Então assim que chegassemos na Alemanha, depois de mais umas férias para descanso antes da nova temporada, iriamos ver algumas opções e escolher nossa casa. Depois de várias discussões sobre o assunto, chegamos a um acordo em que eu iria para Dortmund grande parte dos finais de semana, e Mario viria a Munique noutros tantos para não ser sempre eu a viajar, já que as viagens são bastante cansativas e desgastantes para os músculos. 

 

Entrei em meu vestiário pensando apenas em ganhar esse jogo, para mim não havia qualquer outra possibilidade. Tal como na Eurocopa, chegamos sendo os patinhos feios da competição mas depressa mostramos nosso valor, sofremos gols tontos e tivemos de saber sofrer antes de conseguir marcar em alguns jogos mas no final sempre deu tudo certo para nós. 

 

Já tinha falado com Mario mais cedo, devido ao horário de seus treinos e de minha viagem para o estádio, e segundo ele o time alemão iria ver o jogo para saber qual seria seu adversário caso eles conseguissem derrotar o campeão da Copa América, o todo poderoso Chile, num jogo que ocorreria amanhã. 

 

Depois de totalmente pronta, segui para o balneário dos meninos acabando por me cruzar com alguns jogadores do time mexicano, que começaram a mandar alguns piropos e cantadas baratas, esquecendo que havia câmeras gravando em todo o estádio. Meu sangue ferveu quando um deles disse para eu ir cozinhar ou cuidar de minha casa onde era meu lugar, ou seja, lugar de toda a mulher. Parei de andar e rodei dando de cara com aquele projeto de jogador mal formado, que estava com um sorriso debochado em seus lábios me olhando enquanto os outros meninos riam de mim. Por essa altura já Fernando e os meninos haviam vindo me procurar, e deram de cara com toda essa cena triste. Me aproximei daquele estúpido, e o fuzilei com o olhar.

-Escuta aqui, primeiro meu lugar é onde eu quiser e bem me apetecer, segundo você não é ninguém, repito NINGUÉM, para me dizer onde meu lugar é ou deixa de ser, e terceiro daqui a pouco veremos quem pertence àquele campo, se é você ou se sou eu. - eu falei o fuzilando com o olhar e ele engoliu em seco. - No entanto acho que é bem visível quem merece mais estar ali jogando. - eu falei apontando para seu colete que indicava que ele era reserva. - Não ouse dizer mal de mim ou qualquer outra mulher, nós temos exatamente os mesmos direitos e deveres que vocês então eu exigo respeito dentro e fora de campo, e pode ter certeza que o conselho disciplinar da Fifa vai saber desse incidente. - eu falei e ele continuava me olhando como se não acreditasse que eu estava lhe fazendo frente. - Está avisado, não irei avisar uma segunda vez. - eu falei e me dirigi aos meus meninos e logo formamos nossa fila no túnel de acesso ao gramado. Agora é que eles vão ver quem pertence a esse campo!

 

****Mario POV ****

 

-Porque eu tenho que ficar sempre no chão? - eu perguntei vendo que já não iria caber nos sofás da sala onde iriamos ver o jogo.

-Porque você sempre chega em último! - Mesut falou.- E ainda por cima veio com a camiseta do inimigo!- ele falou apontando para minha camiseta verde da seleção portuguesa e eu ri. 

-Não é o inimigo, é minha namorada! - eu falei rindo.

-Mesmo assim. - ele falou e nós rimos. Começamos uma conversa bastante animada até Raquel aparecer no ecrã se encaminhando para os vestiários masculinos. 

-Porque ela parou? - Draxler perguntou ao ver Raquel parada no meio do corredor enquanto os caras mexicanos riam.

-Só espero que não tenham mexido com ela! - Thomas falou rindo. Por nossa sorte havia câmeras onde eles estavam conversando e pudemos assistir toda a conversa entre Raquel e o cara com o dobro do tamanho.

-Sua namorada é perigosa! - Trapp falou rindo.

-Nem você sabe o quanto! - eu respondi totalmente orgulhoso de minha princesa. 

 

(...)

 

O jogo estava ocorrendo sem grandes chances para as duas equipas, e hoje nem Raquel estava conseguindo finalizar pois a defesa do México estava conseguindo bloquear ela ao máximo. 

 

Mas Raquel não era de desistir fácil, nunca foi, para além de que ela tinha uma equipe fantástica jogando com ela, uma equipe que era totalmente nova nesse negócio de ganhar troféus internacionais mas que estava completamente desejosa de ganhar todos eles. 

 

Raquel tinha recebido um bom passe de Ronaldo, e conseguiu driblar um dos defesas passando para Ronaldo que, chutou sem qualquer chance para o goleiro defender. Ronaldo fez a sua típica celebração e depois apontou para Raquel, que saltou em seu pescoço toda sorridente e lhe deu um abraço junto com os outros jogadores. 

 

Comemoramos o gol na maior euforia, quase todos ali tinham algum jogador português em seu clube e como tal estavam todos bastante felizes por eles, no entanto a felicidade durou muito pouco ou quase tempo nenhum. 

Herrera roubou a bola de Miguel e montou um contra-ataque rápido, passou para Corona que passou pelo meio campo de Portugal com total facilidade, passando depois para Jiménez, companheiro de Bastian, que chutou sem chances para Rui Patrício.

 

Ficámos um pouco chateados com esse gol, vimos Raquel aparecer no televisor falando desanimada com Pepe, que lhe deu uma palmadinha nas costas e parecia tentar anima-la. 

 

A bola rolava de novo no gramado, e Portugal tinha tomado total controle do jogo nesse momento. O México parecia não querer mais que o empate, erravam passes, chutavam desenquadrado do gol e as defesas não estavam sendo as melhores porém estavam sendo eficazes.

 

Miguel percebeu a desatenção de um dos zagueiros, e conseguiu ,depois de algum esforço, roubar-lhe a bola, tocando ela para Renato que a levou até Quaresma que fez um dos seus famosos cruzamentos direcionados para Raquel, que estando totalmente sozinha, arriscou um bol de bicicleta e não desiludiu: marcou o gol e dedicou ele a seu sobrinho, que via o jogo na bancada ao colo do pai, com uma camisola número 12, totalmente sorridente enquanto batia palmas como se soubesse do golaço que a tia tinha acabado de marcar.

 

-Acho que o Puskas do ano que vem já tem nome e sobrenome! - Joachim falou sorrindo e eu não pude evitar um pequeno sorriso também.

 

O jogo acabou pouco depois mas ficamos vendo os jogadores e os festejos da torcida portuguesa que queria mais uma taça, Raquel e Renato de dirigiram a Jiménez e tentaram consolar ele que chorava no gramado, era dificil ter a final entre as mãos e deixar ela escapar com um golaço daqueles no último instante.

 

Portugal estaria na final, agora só faltava saber se nós estariamos também, não havia qualquer margem para erros contra o Chile, era nossa oportunidade de mostrar que realmente éramos dignos de ser os campeões da copa das confederações. Agora ou nunca!

 

***Raquel POV***

 

Outra final! Depois de um jogo sofrido, conseguimos mais uma final, agora restava saber se jogariamos contra a Alemanha se contra o Chile. Qualquer deles se mostraria um adversário à altura, e claro nos colocaria bastantes obstáculos mas estariamos prontos para lutar até ao último segundo por aquela taça.

 

(...)

 

-Raquel! Você vai perder o início do jogo!- Raphael me gritou da sala, enquanto eu procurava minha camiseta da Alemanha feita louca no meio de minhas malas.- Raquel! - Raphael gritou mais uma vez.- Já começou! - ele falou enquanto eu abria minha mochila e tirava a camiseta de dentro dela, vestindo a mesma enquanto descia as escadas numa velocidade alucinante.

-Finamente! - Quaresma falou me fazendo um pequeno espaço para eu me sentar ao lado dele.

-Desculpem, não encontrava a camiseta de Mario... - eu falei, colocando minha atenção no jogo que passava no ecrã.

 

A Alemanha estava dominando o Chile, no entanto Weigl não estava inspirado para marcar, tendo mesmo falhado uma oportunidade fantástica numa jogada de Kroos com Özil que fez um dos seus maravilhosos cruzamentos que acabou desperdiçado na trave da baliza chilena.

 

Sempre ouvi dizer que quem não marca, sofre e os alemães não demoraram muito a perceber isso mesmo. Arturo Vidal mostrou todas as suas capacidades ao passar sozinho pelo meio campo alemão cruzando para Alexis Sánchez que cabeceou para o gol sem dar tempo a Neuer de raciocionar. Os chilenos iam à loucura enquanto os alemães não acreditavam que estavam perdendo. 

 

Não demorou muito para os alemães igualarem o resultado com um gol de Müller, assistência de Mario, que pegou na bola e colocou debaixo da camiseta chupando seu dedo e apontado para a arquibancada onde estava Lisa, grávida de quase 7 meses e com uma barriga já bastante grande, que sorria emocionada para o marido. 

 

O jogo começou a perder o seu encanto depois de igualado o resultado, os chilenos faziam entradas bastante duras e estavam sendo batidos demasiados escanteios sem qualquer perigo para gol, no entanto a Alemanha começava a perder o ritmo do jogo, ainda para mais com a saida de Khedira para dar lugar a Draxler, e estavam deixando o Chile dominar a bola completamente e isso não era nada bom.

 

Kroos tentava fazer a bola chegar a Thomas ou a Mario, no entanto a defesa chilena estava demasiado em cima dele, que se via obrigado a passar a bola aos defesas alemães. Sem conseguirem marcar, os alemães viram sua chance de ir à final escapar com o segundo golo da partida, o primeiro de Arturo Vidal nesse torneio, que foi marcado de livre na sequência de uma falta de Boateng dentro da área. 

 

Depois do gol, os alemães pareceram acordar para a realidade dominando os últimos vinte minutos do jogo. Marcaram o gol de honra aos 89, devido a um escanteio onde Hummels cabeceou sem chances de defesa por parte de Claudio Bravo.

 

O juiz apitou tornando oficial o maior pesadelo da Alemanha: os campeões do mundo estavam fora da final da taça das confederações. Meu coração apertou ao ver os jogadores jogados no gramado, chorando e sem acreditar que não tinham ganho esse jogo, Müller tinha o rosto escondido em suas mãos enquanto Özil tentava consolar ele mas parecendo também demasiado abatido para tal. Neuer era o que estava mais revoltado com a derrota: pontapeou a garrafa de água e socou a trave do gol, provavelmente se culpando pelos dois gols que tomou nessa partida. No entanto essa derrota não era culpa de ninguém, mas sim de um jogo não tão bom quanto os anteriores, onde eles não conseguiram mostrar a força e o poder da Alemanha.

 

Por outro lado, eu respirava de alívio por não ter de enfrentar Mario em mais uma final, desse modo não me sentiria culpada em dar tudo para que Portugal levantasse aquela taça, no entanto o preço a pagar por esse alívio era ver Mario chorando no gramado por ter de voltar à Alemanha mais cedo do que o previsto e esperado.

 

 

 


Notas Finais


Raquel sendo Raquel!😂 Se preparem que o próximo capítulo ser totalmente emocionante!💕
Até ao próximo capítulo! 🙌
Beijos❤😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...