História The Green Eyes - Capítulo 48


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally, Brooke, Cabello, Camila, Camren, Dinah, Fifthharmony, Jane, Jauregui, Kordei, Lauren, Normani, Norminah
Exibições 160
Palavras 2.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Quem piscou o olho perdeu...

Capítulo 48 - Forty Eight


Três anos depois Lauren estava correndo de um lado para o outro na Universidade de Artes de Nova Iorque. Ela tinha inúmeros trabalhos para entregar e ainda uma tela para terminar. Ser a melhor aluna às vezes sugava demais dela, fazendo com que tudo o que ela pensasse fosse artes, artes e artes.

Ela havia perdido contato com muita gente, e ganhado outros amigos. Nada que se comparasse ao que ela tinha antes. Às vezes batia uma saudade das amizades que costumava ter e ela queria ter tudo de volta, mas apenas não tinha tempo suficiente para correr atrás e rever todos os velhos amigos.

Dinah estava vendendo alguns de seus desenhos de roupas para algumas marcas de renome, mas ela queria ir bem mais longe do que isso e abrir algo com o próprio nome ou ir bem mais longe e se tornar um desses estilistas famosos por serem bons e não por serem excêntricos demais. Ela continuava tão próxima de Camila como antes.

Normani estava trabalhando como professora de dança em uma companhia de balé infantil enquanto ainda cursava dança em uma ótima Universidade. Ela estava sendo bem acompanhada pelos professores e hora ou outra sendo avaliada por técnicos importantes de grandes companhias de dança. 

Ally embarcou no rumo culinário e abriu um pequeno restaurante com Troy, que havia a pedido em casamento meses atrás. Eles estavam indo muito bem nos negócios e o restaurante crescia um pouco mais a cada dia, se tornando um dos mais famosos no estado um tempo depois. Abrir franquias em outros lugares não estava fora da lista de planos para o futuro, assim como ter filhos.

Camila estava em Los Angeles estudando música em uma das melhores universidades do país. Ela queria ter ido para Nova Iorque e ter estado todo esse tempo do lado de Lauren, que quase nunca estava fora dos seus pensamentos. Talvez ela tivesse permanecido como sua fonte inspiradora para música. Mal sabia ela que Lauren também se guiava pelo fato de Camila ter um dia colorido sua vida um pouco mais. 

Ela havia lançado algumas músicas, que foram bem acolhidas pelo publico e se podia dizer que tinha mais fãs do que esperava ter de inicio. Ela e Brant haviam começado a namorar há não muito tempo e ela ainda estava tentando se encaixar em um novo relacionamento depois de Lauren. Tudo pra ela parecia fora do normal depois de Lauren, era como se ela tivesse marcado isso e esperasse que o destino fosse bom novamente e trouxesse um capitulo melhor de volta para sua vida.


...

- Camila, rápido. Nós iremos nos atrasar para a premiação. – Brant a chamou novamente.

- Você sabe que eu não me importo com isso. Eu nem estou concorrendo. – Ela terminou de calçar os saltos e eles saíram em direção ao carro que os esperava em frente de casa.

- Eu sei, mas é importante que você esteja lá. Um dia será você a artista principal. – Ele deu um beijo rápido na bochecha dela antes de entrarem no carro. 

O caminho foi silencioso da parte de Camila. Brant falava pelos cotovelos, mas ela não prestava atenção no que ele estava lhe dizendo. Ele costumava ser bem sério na frente dos outros, mas com Camila, ele era apenas diferente e se divertia mais sendo ele mesmo. 

Ela estava esperando que essa premiação não fosse tão chata quando a outra. Muita gente falando e ela nem ao menos podia se distanciar dele para falar com artistas que gostava. Ele achava isso chato e ela devia se comportar como alguém tão grande como eles. Mesmo que ela não fosse e achasse isso ridículo. 


...

- Lauren, você está nessa tela faz 2 horas. Não vai embora? – Matheus entrou na sala da faculdade onde Lauren estava pintando e desligou o som que ela estava ouvindo.

- Você sempre chega na minha parte favorita da música. – Lauren sorriu e pincelou novamente a tela.

- Você vai deixar seu melhor e único amigo morrendo de fome? – Ele fez drama e se jogou no chão.

- Eu acho que você deveria realmente fazer teatro e desistir da fotografia. E você não é meu único amigo. – Ela riu e ele levantou do chão indo abraçá-la por trás no banco. 

- WOW! Isso está fantástico! – Matheus pegou um pouco de tinta e passou no nariz dela, a fazendo rir mais. – Te pago 50 pratas pra me deixar colocar isso pra vender na internet. 

- Por que você quer vender isso na internet? – Lauren perguntou enquanto limpava o nariz sujo de tinta vermelha. 

- Porque nosso apartamento tem um quarto cheio de telas suas, uma mais incrível que a outra e você não faz nada com elas. Ahh querida, é seu mês de pagar o aluguel. – Ele bateu de leve sobre o ombro dela e andou pela sala examinando as outras telas que estavam lá. – Essa é daquele cara gostoso que estuda com você?

- Eu te disse que ele tem namorada. E eu juro que pago os dois próximos meses, mas o meu dinheiro não vai dar pra pagar esse. – Lauren fez sua cara de cachorro abandonado e ele riu voltando para perto dela.

- Lauren, Lauren, Lauren! Me deixe vender seus quadros na internet e você nunca mais vai precisar atrasar com o aluguel e esse cara é gay só pela forma de ele traçar essa linha turquesa. – Matheus riu e arrastou Lauren para fora da sala. – Você precisa trocar de roupa, amor. Ta toda suja de tinta e eu quero ir em um restaurante que preste dessa vez.

- Certo, mas você paga a conta. – Lauren o abraçou rapidamente.

- Como sempre, Srta. Jauregui! – Matheus riu e dessa vez foi arrastado por ela até um banheiro feminino, no qual ele não pôde entrar e teve que permanecer esperando ela voltar.


...

- Lauren, eu coloquei alguns de seus quadros para vender na internet hoje pela manhã e algumas pessoas estão visualizando. Dou algumas horas para alguém realmente comprar algum, você verá. – Matheus se jogou ao lado da amiga no sofá da sala do apartamento em Nova Iorque que eles dividiam. 

- Quais você colocou? – Lauren perguntou sem tirar os olhos da tela da Tv onde um filme prendia sua atenção.

- Alguns. Você pode dar uma olhada depois ou pode deixar que eu tome conta disso e você tem apenas o trabalho de continuar pintando como sempre faz. – Ele jogou os pés para cima da mesa de centro e se ajeitou confortavelmente no sofá.

- Tudo bem. Mas o que você ganha com isso? – Lauren olhou para ele e ele ergueu as sobrancelhas. – 20%.

- 30% e você esquece que eu trabalho com isso. – Ele sorriu e Lauren concordou com ele voltando sua atenção para o filme.

Ela realmente não sabia o que fazer com todos os quadros guardados no quarto. Eles eram realmente bons e precisavam estar na parede de alguém em vez de estarem sem destaque algum. Matheus iria a ajudar com isso, assim Lauren parava de negar sair com ele por sempre se desculpar por não ter dinheiro para sair, o que ele sabia que era mentira.


...

Camila estava em reunião no estúdio. Brant e mais três homens estavam conversando algo que Camila não se deu o trabalho de prestar atenção. Ela vasculhava paginas na internet atrás de um papel de parede novo para o quarto de hospedes. Estava quase certa de que Brant concordaria em transformá-lo em um pequeno estúdio particular, assim ela poderia gravar o que quisesse a qualquer hora do dia.

- Camila. – Brant a chamou pela segunda vez, mas ela parecia ainda não ter ouvido seu chamado. – Camilaa! 

- Oii! Desculpa. Eu estava... O que?... Pode falar. – Ela gaguejou e Brant sorriu de leve.

- O que achou da idéia do Sr. Rauser? Não é maravilhosa? – Ele falou animado, mas Camila ainda parecia no mundo da lua.

- Sim, claro. É fantástica. – Ela não fixou os olhos em ninguém na sala, apenas falou olhando para um espaço vazio como se estivesse pensando em algo profundamente.

Os homens voltaram a conversar. Ela piscou varias vezes e voltou a atenção para a tela do celular. Algo nele lhe parecia familiar. Era um site de vendas de artigos de decoração. O ícone que direcionava para papeis de parede estava logo abaixo de quadros originais e Camila acabou pressionando o dedo um pouco acima do que deveria, sendo enviada para a pagina de venda dos quadros. 

O terceiro quadro lhe chamou atenção, mas ela não soube dizer imediatamente por qual razão. Ele apenas lhe parecia ser familiar, como se ela o conhecesse, mas estava certa de nunca o ter visto antes. O usuário cadastrado no site de vendas responsável pela venda daquele quadro não lhe recordava nada. Camila não lembrava de conhecer algum Matheus Burnett que pintasse quadros.

Ela voltou a abrir o site no notebook no fim daquele dia, quando Brant já havia ido para cama. O mesmo responsável pela venda do quadro anterior havia colocado outras obras para venda em seu perfil e ela estava quase convencida de que conhecia aqueles traços e pinceladas de algum lugar, só não lembrava de onde. Todos os quadros estavam assinados por JL. e ela não conhecia ninguém com essas iniciais. 

Resolveu que se iria transformar o quarto de hospedes em um estúdio, talvez quadros novos fossem necessários na decoração do mesmo. Comprou três quadros, mas teve de passar alguns minutos tentando escolher quais eram melhores. Ela havia achado um mais incrível do que o outro e queria ter comprados todos, só não queria ser egoísta com outras pessoas que também poderiam querer apreciar aqueles quadros em suas paredes.


...

- Eu te disse que iriam comprar seus quadros na internet. Alguém gostou muito e comprou três e outra pessoa levou mais um. – Matheus disse sacudindo Lauren na cama.

- Tá bom! Agora sai de cima de mim. Eu estou dormindo. – Ela o empurrou para o outro lado da cama e cobriu a cabeça com o travesseiro.

- Amorzinho, são 8h da manhã. Você disse que tinha uma apresentação daqui a 20 minutos, então se fosse você, levantava esse bumbum da cama e ia me arrumar. – Ele deitou a cabeça ao lado da dela.

- Puta merda!!!! Eu me esqueci disso. – Lauren em um pulo levantou da cama e correu para o banheiro do quarto tirando a roupa.

- É, por nada. Eu sei que você está muito grata por eu ter te lembrado, não precisa agradecer de novo. – Matheus riu de si mesmo e ficou olhando para o teto enquanto cantarolava e ouvia Lauren xingar o mundo dentro do banheiro. 

Depois de alguns minutos no banheiro, Lauren saiu enrolada na toalha e tentando secar rapidamente o cabelo com outra. Ela parou no meio do quarto e correu para o closet que ficava antes do banheiro, pegou a roupa que usaria e jogou na cama. Matheus com a sobrancelha arqueada.

- Eu não acredito que você está sem roupa na minha frente. – Ele gritou e riu alto quando Lauren sem mais nem menos tirou a toalha do corpo e pegou a roupa para vestir.

- Como se a única coisa que você sentisse pelo meu corpo não fosse inveja. – Lauren piscou e vestiu rapidamente suas peças intimas.

- Hmm, Lauren. Você pode fazer qualquer homem virar realmente não gay. Talvez eu esteja virando hetero por você. – Ele gargalhou novamente.

- Ahh Math, vá pro inferno. – Ela jogou os cobertores sobre o rosto dele, o fazendo rir mais ainda. – Você nunca vai ser hetero. 

- E nem você, amor! – Matheus levantou da cama e deu a volta, parando ao lado da amiga. – Você precisa seriamente de uma namorada.

- Você não sabe do que eu preciso, então cale a boca. – Ela correu pelo quarto pegando as coisas que precisaria no seu dia na universidade, jogando tudo dentro da mochila.

- Você precisa sair agora ou perde a apresentação da tela. – Lauren o empurrou para fora do quarto e ele rapidamente arrastou a chave do carro que estava no criado-mudo da sala. – Claro que eu dirijo pra você, amor!

- Vamos, estou atrasada. Vire homem e passe por cima de todo mundo enquanto eu reviso minha apresentação. – Eles desceram de elevador e Lauren teve a leve impressão de que tudo estivesse mais lento que o normal hoje. Ou talvez sempre fosse assim quando ela se atrasava. 

- Eu envio os quadros quando eu voltar. Os vendi por ótimos preços. – Matheus disse quando Lauren desceu do carro alguns minutos mais tarde e derramou um pouco de seu café no banco. – Eu vou limpar isso também, não se preocupe. Boa sorte com isso.

- Obrigada, Math! Por tudo! Você sabe que eu...

- Que você me ama. Tudo bem, eu sei. Agora corre antes que você seja barrada na entrada. – Eles mandaram beijos no ar um para o outro e Lauren saiu correndo para dentro do campus. – Ela vai me matar quando souber que eu vendi o favorito dela.

Camila não sabia, mas ela havia comprado o quadro favorito de Lauren, que por ela mesma, nunca venderia o mesmo. Talvez Matheus fosse ouvir muito ainda de Lauren por ter feito isso, mas foi o quadro mais caro e o que Camila obviamente ficou mais interessada. Ela estava separando um lugar de destaque para ele dentro do estúdio, queria poder gravar algo enquanto olhava para ele, e mesmo que ela apenas tivesse o visto por foto no notebook, ela já podia dizer que amava aquele quadro. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...