História The Guardian - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 801
Palavras 4.399
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Mistérios.


Dentro do Carro – 16:00PM

— E se eu estiver, algo contra meu anjo? – Podia jurar que logo sairia fumaça de seus ouvidos –

— Não. – Ela murmurou entredentes – Justin, Derek pediu para namorar comigo.  – Freei bruscamente e Angel me olhou assustada –

— Como assim, você esta maluca? Já viu sua idade, nem fez ainda 15 anos.

— E qual o problema, você pode sair por ai agarrando qualquer mulher do batom vermelho e eu não posso simplesmente ser pedida em namoro.

— A diferença é que eu tenho 23 anos e você tem 14 e você não vai namorar moleque nenhum.

— E quem vai me impedir?

— Não duvide de mim , Angel , posso te fazer mudar de ideia quanto a isso em minutos.

— Tente.

 — E quanto a seu encontro com Derek?

—Pedi para que ele esperasse até segunda, darei a resposta durante o encontro.

Fui tocar seu rosto mais ela virou-o rapidamente, afastando-se do meu toque, suspirei ao me sentir rejeitado ninguém nunca havia me rejeitado, como ela ousava a fazer isso?. Lembrei novamente da noite passada, não me sentia rejeitado em momento algum, sorri sozinho e a vi me olhar curiosa mais sabia que seu orgulho não a deixaria perguntar nada então voltei a dirigir, ela não podia namorar, ela era tão nova.

 — Qual o problema eu namorar Justin? – Ela me perguntou cabisbaixa –

—Você quer namorar com ele, Angel? – Seus olhos desviaram-se dos meus rapidamente –

— Não sei, não sinto nada além de carinho por ele , mas ...

— Você sabe oque é gostar de uma pessoa meu anjo ?

— Nunca gostei de ninguém Justin. – Ela me olhou e suspirou , aquilo obviamente estava deixando-a confusa –

— Já o beijou? – Aquela pergunta saiu engasgada em minha garganta e ela me olhou com os olhos um pouco cautelosos –

— Ele me beijou hoje.

Foi apenas o necessário para que eu me calasse, foi como uma faca apunhalada em meu peito , foi estranho sentir aquilo não nego, mais talvez fosse apenas questão de proteção não queria vê-la chorando por um pirralho. Olhei para seus lábios, eram tão gostosos, tão rosados e chamativos, quem não sentiria vontade de beija-los , mais eu não aceitava o fato de um moleque tê-los tocado , eu era o único , eu deveria continuar sendo o único. Assim que entramos na CIA o lugar já bem conhecido, Angel tomou seu rumo, sem me esperar ou querer olhar para mim. Já esperava por isso.

— Senhor Bieber? – Rogger entrou na academia enquanto eu arrancava minha blusa –

— Boa tarde Rogger.

— Veio desestressar?

— Sim , espero que dê certo , Angel esta me tirando do sério, acredita que ela quer namorar.

— Essa idade é bem complicada Senhor Bieber , minha filha tem apenas 10 anos e eu ja estou pensando oque vou fazer quando ela vier falar disto comigo.

— Eu nunca imaginei-me nessa situação. – Neguei com a cabeça colocando as luvas –

— Mas , oque o senhor disse ?

— Que obviamente não , ela é nova , nem completou 15 anos.

— Mas esta bem próximo. – Eu suspirei –

— Eu sei , mais ela é tão ingênua que eu a vejo como uma boneca de porcelana. – Falei demais e o vi me olhar curioso –

— Esta ferrado senhor bieber , a tendência é só piorar.

— Sua sinceridade me encanta. – Ele riu e eu comecei a bater no saco de luta em minha frente – Peça para todos estarem as 19:00PM na sala de reuniões por favor.

— Algo muito importante ?

— Terei de contar para Angel sobre os últimos ocorridos – Comentei sem prestar atenção nele – e teremos que intensificar um pouco algumas coisas.

Ele se retirou sem protestar , afinal , também não teria para que. Voltei a prestar atenção em meus socos , direita , esquerda e direita , enquanto fazia aquilo pude deixar minha mente voar , Angel não namoraria com qualquer um nem por cima do meu cadáver.

[...]

Angel não entendia nada enquanto andávamos por dentro da CIA central , passamos por Wanda que apenas sorriu para nós , angel a olhou curiosa , franziu o cenho e entortou a cabeça para trás enquanto andávamos para longe , ela não deixaria passar algo assim , o batom era o mesmo que estava em meu carro. Continuei calado enquanto andávamos , ela pareceu pensativa , com os treinos , as habilidades de Angel aumentaram 50% deixando-a mais perceptiva e ágil.

— Oque foi heim? – Ousei perguntar, vi seu rosto formar uma carranca e eu sorri de lado–

— Nada.

Fui ignorado, parei em frente a sala de reuniões e á observei , sabia que seria um baque quando a contasse sobre a contagem regressiva talvez seja por isso que eu á tenha poupado antes, mais ela precisaria ser esperta agora.

— Anjo – Puxei seu queixo levemente vendo-a me olhar séria – esqueça todos as irritações , temos algo para conversar sério nesse momento e vou precisar mais uma vez que seja madura e inteligente para lidar com isso.

— Falta só me dizer que vai se casar. – Ela falou fria , tirando minha mão de seu rosto –

— Você não concordaria? – Sorri e ela revirou os olhos, corando –

— Vamos entrar Justin, por favor. – Ela falou aparentemente cansada. –

— Precisa parar de fugir de mim.

— Estou cansada, ta tudo tão apressado ultimamente. - Toquei sua bochecha calmamente e beijei sua testa -

Assim que entramos ela pareceu um tanto espantada em ver todos ali juntos, mas se sentou calada na cadeira que deveria ser para mim e eu fiquei de pé atrás, ela observou a mesa de madeira visivelmente distraída , parecia chateada.

— Bom, pretendo ser breve, estamos todos cansados e querendo ir embora certamente.

— Senhor ...

Meu celular tocou no bolso e eu bufei irritado, á uma hora dessas, todos sabiam que não deveriam incomodar-me a essa hora pois era a única hora do dia em que ou eu fazia algo para mim ou eu estava em meu escritório trabalhando sozinho. Olhei para a tela , um novo e-mail , senti meu corpo irrigecer por inteiro.

“Atentados acontecem a todo instante. Mas algo me preocupa, alguém quer executa-la , eu a quero viva , pois a quero inteira em duas semanas, aguardo ansiosamente.”

Apertei o celular nos dedos irritado, todos prestavam atenção em mim , passei a mão nos cabelos e por hoje aquela reunião estava encerrada.

— A reunião esta cancelada, os aguardo amanha.

Angel que antes parecia alheia, levantou os olhos confusos para mim mais enquanto todos saiam continuou observando a mesa atentamente. Todos saíram , caminhei até a parede de vidro e observei lá fora , o tempo nublado , mais não chovia. Senti quando uma mão pequena se arrastou por meu abdômen e não pude acreditar naquilo, ela encostou sua cabeça em minhas costas e abraçou meu corpo grande, suas mãos agarraram minha camisa e escutei seu suspiro, assim que tomei conta do que ela havia feito toquei sua mãos com a minha e então a puxei rapidamente sem dar-lhe tempo de protestar para minha frente, seu corpo encostou na parede de vidro e meu corpo cobriu o seu , seus braços abraçaram minha cintura esquentando-se em meu palitó e seus olhos olhavam os meus cautelosos como se a qualquer momento eu fosse afasta-la e falar que não deveríamos estar daquela maneira , oque eu deveria realmente fazer, mais tê-la tomando a iniciativa era tão novo para mim e eu não poderia negar que foi agradável.

Assim que ela fechou os olhos eu soube que ela esperava pelo meu beijo e eu não poderia negar isto, beijei-a com vontade, seus lábios se entreabriram recebendo minha língua divinamente e acolhendo-a com a sua , seus braços apertaram meu corpo para ela e eu pus minhas mãos em sua cintura e apertando-a levemente para mim , eu não podia negar que estava excitado, ela me excitava apenas por estar perto , n inguém mais me satisfazia , tentei com Kaity , e na segunda vez foi literalmente broxante assim como hoje com Wanda , que provavelmente não entendeu o motivo de eu tê-la largado , qualquer recepcionista naquele edifício sabia que eu não negava fogo , nunca era apenas beijo , pois é , agora foi.

Tomei seus lábios em um selinho assim que afastamos nossas línguas , e assim que separei nossos lábios voltei a sela-los novamente em mais vários selinhos rápidos , pude senti-la sorrir entre meus selinhos e abri os olhos vendo que ela me olhava com seus olhos brilhantes, tão linda.

— Senhor Bieber – A voz atrás de nós fez com que eu virasse despreocupadamente –

— Wanda ? – Falei e Angel se afastou de mim com os olhos envergonhados e virou para a parede vidro observando a floresta escura –

— Seu pai ligou , disse que sua mãe esta á sua espera em sua nova casa.

— Obrigada, já esta tarde Wanda , pode ir.

— Boa noite. – Ela forçou um sorriso e eu apenas acenei com a cabeça –

Eu sabia que ela havia visto aquele momento “intimo” entre mim e Angel , mais eu também sabia que ela não comentaria com ninguém , tinha amor ao seu trabalho. Me virei novamente para Angel que tinha os olhos perdidos na floresta e a puxei virando-a para mim novamente , ela suspirou e agora diferente de antes continuou com os braços cruzados sem tocar-me.

— Era ela que estava te beijando mais cedo? – Sua pergunta soou chateada e eu toquei sua bochecha, não sendo rejeitado dessa vez –

— Sim. – Ela se remexeu desconfortável entre meus braços e eu tive medo que ela se afastasse – A chamei para almoçar comigo, ela aceitou e acabamos nos beijando na volta, mais foi apenas. – Fiz careta para mim mesmo por minha sinceridade –

— Porque não arruma uma namorada e se casa? – Ela perguntou curiosa –

— Porque eu nunca gostei de ninguém de verdade.

— É impossível que com tantas mulheres lindas aos seus pés você nunca tenha se interessado de verdade por alguma.

— Gostar é bem mais complicado do que parece, não é porque você quer gostar da pessoa que você gosta dela. Assim como não é porque você não quer que você vá deixar de ama-la.

— Então porque fica fazendo isso com elas, dá para ver no rosto da sua secretaria que ela esta caída por você e também tem ela, Kaity , ela gosta tanto de você

— Como eu te disse meu anjo, todos temos necessidades de certas coisas mas nunca as deixei desse jeito por gostar, sempre deixei claro que não iriamos ter nada além de ...

— Sexo. –Ela terminou minha frase e eu assenti –

— Não é porque tenho uma lista extensiva de mulheres que passaram em minha cama que eu as feri por querer, sou safado, mas não sou esse tipo de canalha.

— Coitada delas. – Ela suspirou –

— E sobre Kaity, esquece, ela é louca. – Eu gargalhei de mim mesmo e ela sorriu –

Toquei seus lábios com os meus novamente e antes que ela se entregasse ao beijo afastei-os de sua boca, descendo por seu pescoço e ombro calmamente deixando-a tremula e sorri entre os beijos, era bom tê-la assim tão próxima.

[...]

Não posso dizer que assim que saímos da sala de reuniões eu estava altamente relaxado , o local estava vazio praticamente , apenas seguranças e poucas pessoas , o caminho para casa foi silencioso mais relaxante principalmente quando senti seus dedos tocarem minha coxa mesmo enquanto ela estava virada para o lado da janela cochilando, peguei seus dedos e os levei aos meus lábios beijando-os rapidamente e então retornei para onde estava.

Assim que chegamos a nossa nova casa vi três carros estacionados em frente , Meu pai , Minha mãe e o outro dos meus avós. Peguei Angel nos braços e fui em direção a minha nova casa enquanto a outra era novamente reconstruída, a estrutura desta era totalmente diferente da outra , essa tinha 5 quartos , uma copa , uma cozinha americana , sala , academia , sala de jogos , e um sótão magnificamente arrumado como um quarto com uma janela no teto de vidro. Esta foi a primeira casa que eu mandei construir, á meu gosto, mais a achei grande demais para apenas uma pessoa então fui para uma menor que estava a venda.

 Justin. – A voz de minha mãe ecoou pela sala assim que eu fechei as porta , fiz sinal para que eles falassem baixo – Estava preocupada.

— Mãe , mandei meu pai lhe avisar que estava bem, não tinha motivo para tal preocupação – Falei quase em um sussurro , angel se remexeu em meus braços e aconchegou o rosto em meu peito –

— Quem disse que ela acredita em mim ? – Meu pai falou visivelmente irritado –

— Que bom que esta bem , estava preocupada , vim chamar vocês para jantarem conosco hoje.

— Acho que Angel esta cansada. – Falei –

— Mas ainda esta cedo , assim que ela acordar vá para lá , apenas um jantarzinho para a família.

— Não prometo nada. – Falei sério –

— Kaity esta com saudades. Parece que enfeitiçou a menina.- Minha mãe sorriu e meu pai negou com a cabeça me observando –

— Com licença , vou colocar Angel lá em cima , sintam-se em casa.

As ultima hora com Angel havia sido ótima , não esperava estraga-la dessa maneira por causa de Kaity , com certeza não iriamos a esse jantar. Entrei no quarto feminino devidamente decorado para Angel e a coloquei na cama grande mais parecida com uma cama de casal apesar de não ser.

— Justin ... – Angel soltou um murmúrio e eu parei imediatamente antes de sair do quarto – Awn.. – Ela gemeu e aquilo mexeu internamente comigo. –

Respirei fundo antes de sair do quarto , sabia que a marca do meu pau duro estava evidente na calça , pensei em todos os tipos de coisas broxantes do mundo e assim que senti que podia sair , eu desci , escutando uma voz nova na casa.

— Anna ? – Perguntei curioso vendo a moça de calça skinny , uma blusa larguinha e os lábios vermelhos em minha sala –

— Oi Justin , Angel esta ? – Ela perguntou sorridente e eu a olhei confuso –

— Antes você vinha para conversar comigo ,agora é só Angel né ? – Sorri com meu senso de humor pela primeira vez em tanto tempo leve –

— Aconteceu algo ? – Ela sorriu desconfiada – Você parecia estressado , agora esta mil sorrisos.

— Não, estou apenas tentando relaxar. – Suspirei e olhei em volta , não havia ninguém.

— Sua mãe acabou de ir embora reclamando horrores por seu pai estar levando-a a força.

— Eles não tem jeito. – Falei indo até o balcão da cozinha , peguei a garrafa de whisky – Servida ?

— Claro. – Sorriu e se sentou no banco alto –

Me sentei do outro lado ficando de frente para ela e então a conversa começou a fluir , Anna era minha amiga desde quando entrei na CIA , foi a primeira que veio abusada falar comigo e então nos demos bem , acho que lá dentro ela é a pessoa que mais me conhece no intimo , talvez tenha dado certo nossa amizade por ela ser definitivamente lésbica e não ter interesse nenhum por mim.

— Como esta a convivência com Angel ?

— Hora esta boa , hora esta ruim , não tem como se saber exatamente.

— Ela gosta bastante de você – Sorri de lado –

— Ela é uma ótima menina, ingênua e inteligente.

— Bota ingênua nisto, ela nunca havia beijado, é difícil achar meninas assim hoje.

— Eu sei – Sorri bebendo mais um gole de meu whisky–

— Foi você não foi?

— Eu oque?

— Que a beijou ? Ela disse que só havia beijado uma pessoa antes de ...

— Você agarra-la , aquilo foi horrível Anna , ela nem deveria saber que mulheres faziam isso com outras.

— Mas ela retribuiu muito bem pode acreditar.

— Eu vi com meus próprios olhos. – Disse sério –

— Ficou com ciúmes Bieber ?

— Porque eu ficaria ?

— Você gosta dela. – Fiquei calado –

— Então oque veio fazer aqui ? – Perguntei curto e grosso e ela suspirou –

— Angel não estava bem nas aulas hoje , não pudemos conversar então vim aqui.

— Ela dor...

— Justin? – A voz nas escadas nos chamou atenção –

Logo desceu como um batalhão correndo pelas escadas , Angel , parecia assustada e confusa talvez por a casa ser enorme e ela não estar acostumada , mais assim que me viu com Anna relaxou os ombros e sorriu envergonhada talvez pelo seu desespero.

— Anna ? – Ela sorriu –

— Boa noite dorminhoca , vim conversar, não tivemos tempo para muita coisa hoje. – Anna sorriu e Angel a acompanhou corando –

— Anna... – Comecei querendo para-la por ali mas Angel me interrompeu –

— Podemos ir para meu quarto , é o único lugar que eu ainda conheço aqui. – Ela riu alto-

Me sentei no sofá da sala incomodado , eu sabia oque obviamente elas estavam fazendo lá em cima e já cheguei até a me pegar pensando se Angel era bissexual , ou algo do tipo afinal ela não via problema algum aparentemente em ficar com Anna.

[...]

Anna desceu se despedindo brevemente depois de quase uma hora junto de Angel e minutos depois Angel desceu também com os cabelos presos em um rabo de cavalo e roupas largas e quentes de dormir , coloquei meu copo de whisky em cima da mesa de centro e a chamei para se sentar comigo no sofá.

— Oque Anna queria ? – Ela sorriu para mim e estranhamente se deitou com a cabeça em meu colo , quis acariciar seus cabelos mais inicialmente fiquei receoso , depois não me importei tocando-os calmamente –

— Apenas conversar e você sabe, não perdeu a oportunidade de me beijar.

— Oque você acha sobre isso? Beijar uma mulher? – Ela franziu o cenho –

— É comum, eu não sei, não é como foi beijar o Derek, mas também não é como beijar você , é algo neutro é gostoso e excitante mais não chega aos pés de ... você. – Ela virou a cabeça olhando para meu rosto –

Me calei , ela também e então ficamos ali , ela deitada com a cabeça em meu colo e o corpo encolhido de frio no sofá olhando a televisão , e eu acariciando seus cabelos macios. Senti meus olhos fecharem e mal pude perceber quando deitei a cabeça para trás e me deixei dormir.

Acordei com meu celular tocando estridentemente, me remexi irritado e ao perceber que Angel não estava mais com a cabeça em meu colo e sim para o outro lado eu peguei o celular me levantando irritado.

— Justin ? – Escutei a voz do meu pai e percebi que eram 22:00 –

— Sim , Pai ?

— Podemos conversar pela manha ?

— Depende do horário.

— As 7:00 AM chegarei ai podemos ir tomar café depois de deixar Angel no colégio.

— Mas... Tudo bem.

— Boa noite filho.

Desliguei o celular preocupado , aquilo não era bom sinal , peguei Angel nos braços e a deixei em sua cama devidamente arrumada e bêbada de sono , beijei sua testa e sai do quarto um pouco irritado por meu corpo querer ficar ali contrariando minha mente.

 Acordei pela manhã bem cedo , o sol já estava posto e eu senti meu corpo descansado , levantei rapidamente indo direto para meus afazeres , olhei para o celular e não havia nenhum novo e-mail desagradável a não ser uma mensagem de meu pai dizendo que estava a caminho, a campainha tocou enquanto eu terminava as panquecas e colocava sobre a mesa e abri a porta deixando-o entrar e fecha-la sem cerimonias voltando para ver o omelete , provavelmente Angel já estava acordando.

— Estou surpreso, o senhor tão cedo aqui, para conversar. – Ele se sentou na bancada e suspirou –

— É algo estranho eu sei , mais precisamos conversar. – Ele parecia confuso –

— Fale. – Falei sério colocando os omeletes na mesa também –

— Melhor irmos a uma lanchonete após colocar Angel no colégio , creio que seria embaraçoso se ela escutasse isso. – Assenti sem se quer imaginar oque ele falava – Como esta a convivência ?

— Estamos bem , claro que quando ela não esta dando ataques de histerismo.

— Vocês são lindos juntos. – Ele gargalhou e eu revirei os olhos –

— Esquece isso pai , já sou um homem adulto.

— Nós podemos até crescer Justin, mais os sentimentos continuam os mesmos e com você não é diferente.

Preferi ignorar os fatos do passado recordado, Angel desceu com o bico enorme e os olhos avermelhados como toda manhã, ela sempre acordada com um bico delicioso , o rosto amassado e os olhos avermelhados de tanto coçar mais continuava linda mesmo quando tinha preguiça de pentear o cabelo e passava apenas as mãos para mantê-los baixos. Ela ficou constrangida ao ver meu pai sentado no banco ao lado do balcão mas tomou seu café calmamente mesmo eu reconhecendo sua postura tensa e envergonhada. A campainha tocou novamente e eu fui até a porta abri-la , preferi amargamente tê-la deixado fechada como estava antes.

— É , Angel esta? – O moleque menor que eu e completamente mirrado falou sorrindo –

— Como nos encontrou? – Perguntei curioso –

— Perguntei a Mindy , ela perguntou a christian e depo...

— Foda-se. – Resmunguei querendo realmente que ele cala-se a porra da boca –

— Posso falar com ela ?

— Entre.

Ele entrou sorrindo com a mão no bolso e a outra segurando a alça de sua mochila pendurada no ombro , irritado eu caminhei até a cozinha e me sentei ao lado do meu pai , Angel arregalou os olhos e pareceu se engasgar com os ovos quando viu a figura sorridente a sua frente , levantou rapidamente limpando os lábios.

— Oque você faz aqui ?

— Vim perguntar se não quer ir para a escola comigo... – Ele corou como uma mocinha , mais que merda –

— Não acho que Justin concordaria com isso. Me desculpe.- Ela mexeu as mãos nervosamente mesmo com o rosto de quem o pedia desculpas –

— Mas é perto podemos ir conversando. – Ele insistiu e depois olhou para mim como se pedisse permissão –

— Por Deus ,  não seja tolo , não deixarei. – Me levantei indo até a pia debochado e meu  pai riu baixo como se insinuasse algo –

— Derek , melhor nos vermos no colégio. – O menino fez cara de triste e ela puxou sua mão até a porta sussurrando algo para ele –

Não demorou muito para depois que ele se foi nós sairmos de casa , e o silencio reinava , Angel desceu quase correndo quando cheguei a porta de seu colégio e entrou como um furacão se perdendo entre os outros alunos por ali. Ela não iria me ignorar como estava fazendo.

— Pai, se importa de esperar um pouco? preciso fazer uma coisa

— Esse é meu garoto – Ele me deu um tapa no ombro e eu o olhei incrédulo –

Sai do carro ainda um pouco inacreditado sobre meu pai, entrei no colégio sentindo os olhares e escutando todos os cochichos de meninas ainda mais novas que Angel e sorri sozinho. Parei na porta da sala de aula em que Angel ficava e dei duas batidas, a porta foi aberta e uma professora já de aparentemente 40 anos me olhou com uma tremenda carranca.

— Bom dia, poderia falar com Angel Turner um minuto?

— Quem é o senhor? Esta atrapalhando minha aula – Quis revirar os olhos e dizer que ela so estava dificultando algo bem simples –

— Sou responsável por Angel.

— Ah, claro senhor. – Ela fez sinal para Angel que levantou envergonhadamente –

— Prometo não demorar tanto.

Coloquei a mão nas costas de Angel empurrando-a comigo pelo corredor e observei disfarçadamente o teto da escola, para que câmeras se haviam tantos pontos cegos?, olhei em volta e tudo estava um completo deserto então a empurrei inesperadamente para o pequeno corredor perto da sala de limpeza, sem câmeras, antes que ela soltasse um grito eu tampei sua boca com minha mão empurrando-a na parede, e ela arregalou os olhos.

— Não pode sair sem falar comigo. – Murmurei visivelmente irritado  -

— Hum.. hum – Ela tentou falar mais eu continuei com minha mão em sua boca –

— Não quero escutar explicações, vim apenas me despedir.

Tomei seus lábios com os meus rapidamente, ela pareceu desnorteada mais logo senti suas mãos apoiadas em meu peito enquanto eu a prensava na parede com meu corpo, quem visse de fora com certeza quase não iria enxergar Angel por eu ser maior que ela.

Ela gemeu contra meus lábios e aquilo me deixou furioso por eu ter ficado duro como um adolescente virgem, prensei mais ainda seu corpo na parede, praticamente esmagando-a e mordi seu lábio inferior com força, antes de voltar a enlaçar sua língua com rapidez, aquilo estava me deixando louco, alguém poderia nos ver, mais era tão excitante. Enfiei meus dedos entre os cabelos de sua nuca e puxei-os fazendo-a soltar mais um gemido, eu precisava larga-la. Soltei-a contra a vontade do meu corpo, ela abriu os olhos olhando-me desnorteada, os cabelos bagunçados, as roupas amassadas e os lábios inchados apenas virei as costas e caminhei em direção a saída do colégio, meu pai me esperava.

— Começou a manhã bem filho? – Eu o olhei indignado –

— Pelo Amor de Deus pai, precisa ser menos cara de pau.

— Acho que tem um pouco de batom aqui na sua boca. – Ele falou sério –

— Angel não usa batom – Dei de ombros e sorri acelerando o carro e escutando a gargalhada do homem ao meu lado –

Acelerei mais ainda o carro, indo para uma lanchonete próxima a CIA, eu sabia o quão brincalhão meu pai era principalmente quando se trata de coisas como safadeza, mais ele observava tudo atentamente sempre.

— Então oque tem a dizer ? – Perguntei após nos sentarmos na lanchonete –

— Primeiramente , você estava com ciúmes de Angel com aquele Derek? – Eu me mantive impassível –

— Não. – Respondi secamente e sorriu mostrando que não acreditava, mais logo voltou a ficar sério –

— Então Justin , ontem quando sai da CIA eu fiquei pensativo , porque querem matar Angel se precisam dela.

— Recebi um e-mail , definitivamente não é eles que a querem morta.

— Eu sei – O olhei calado e ele prosseguiu – Justin , aquela bomba não é simplesmente um bomba que se encontra em qualquer lugar , ela foi feita por pessoas especificas e só tem três pessoas que tiveram acesso a esta experiência de criação , duas estão mortas e uma delas ... uma delas foi o Turner , pai de Angel , não temos certeza se ele esta morto e agora , bom , agora esta bomba aparece do nada.

— Esta me dizendo que Turner tentou matar Angel ? – Minha voz ficou visivelmente alterada e meu pai coçou a cabeça – Oque mais sabe pai , fale de uma vez.


Notas Finais


Estou apaixonada pelos comentários, continuem assim estou amando. Ai esta mais um capitulo se quiserem me matar não matem só eu sei oque vai acontecer ashuahsu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...