História The Guardian - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 779
Palavras 4.689
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Fantasma?


Lanchonete – 8:00AM

— Esta me dizendo que Turner tentou matar Angel ? – Minha voz ficou visivelmente alterada e meu pai coçou a cabeça – Oque mais sabe pai , fale de uma vez.

— Eu não sei de nada Justin , por Deus , estou tão chocado quanto você.

— Turner não é burro , se ele fez isso foi por um motivo. Se ele é quem realmente pensamos que é , ele sabia que Angel ficaria bem.

— Também pensei nisto, mais qual motivo, Turner é meu melhor amigo a anos e essa é a primeira vez que eu não consigo desvendar oque ele quis fazer.

— Eu sabia que tudo estava calmo demais até agora.

— Algo mais esta acontecendo ?

— Duas semanas , os filhos da puta estão contando os dias para pegarem Angel mas eu não consigo saber como , eles tem um plano , mas qual ?.

— Ela esta preparada ?

— Sim. – Falei firme – Eu só queria descobrir como eles vão armar essa emboscada.

— Teremos de esperar o momento certo meu filho.

Após longas dicas do meu pai voltei para o trabalho , a semana já estava na metade e as coisas só pioraram , primeiro a bomba , depois os e-mails , agora Turner que deveria ser nosso menor problema se soubéssemos as suas intenções, mas a partir do momento em que não sabemos aonde ele esta , todo o cuidado é pouco com as pessoas a nossa volta não só com ele.

 Assim que me sentei em minha cadeira em frente ao computador eu respirei aliviado por ninguém ter problemas para cima de mim , olhei para a tela do computador , os relatórios sobre Angel que Josh e Olly fizeram estava impecável. Olhei para o álbum de fotografias em cima da minha mesa e lembrei que Derek havia salvo-o antes da bomba explodir e o peguei guardando na gaveta , alguém poderia ver.

— Senhor Bieber – Escutei a voz de Wanda e a olhei – Confirmo suas passagens para sexta a noite ?

— Sim , por favor.

— Ida e volta para aquele mesmo horário que havia falo?

— Sim.

Ela saiu e eu suspirei, ainda tinha a viagem , havia me esquecido totalmente. Olhando para o computador novamente em minha frente abri cada relatório de Angel e li um por um e todos tinham o mesmo final, Angel havia aprendido certas coisas na velocidade da luz, sem dificuldade alguma, com o relatório de Anna fiquei até com medo , Angel poderia me matar com um palito , precisaria me lembrar disto.

Assim que sai da CIA era exatamente o horário que eu deveria estar em frente ao colégio de Angel , quando cheguei lá tudo estava devidamente vazio , desci do carro rapidamente e apertei o celular em minha mão com força, mas onde ela havia se metido , puta que pariu , caminhei mais para perto do colégio e senti meu coração desacelerar assim que a vi sentada no gramado, ela estava visivelmente entediada e distraída olhando para o céu negro.

— Me desculpe, exagerei dessa vez. – Ela sorriu de lado para mim, mais seus olhos ainda estava meio perdidos –

— Tudo bem. – Disse se levantando –

— Você esta bem? – Perguntei indo atrás dela -

— Se melhorar, piora. – Ela resmungou entrando no carro e eu franzi o cenho –

—  Oque houve?

— Estou bem – Ela respondeu olhando para fora do vidro, pude jurar que seus olhos estavam cheios de lágrimas –

— Me conte, por favor.

Ela não me respondeu mais depois disso, dei partida no carro indo para um lugar qualquer, eu precisava saber oque ela tinha, aquilo estava me deixando intensamente mal. Parei em frente a praia e ela pareceu não se importar por onde estávamos como da primeira vez que a trouxe aqui. Desci do carro e abri sua porta, ela desencostou me olhando surpresa, a puxei para fora pela mão e ela me seguiu cabisbaixa até a areia.

— Vamos lá , agora me diga oque você tem ? – Ordenei , ela ficou um tempo com os olhos perdidos no mar –

— Eu tenho crise adolescente no momento. Vou ficar bem.

— Oque houve, não me enrole.

— Mais que droga, qual o problema de todo mundo ficar me perguntando isso hoje , será possível que ninguém intende que eu não sei que porra eu estou sentindo no momento – Ela gritou irritada - Meu pai morreu , desde então eu não tive tempo nem para pensar nisso direito e porra , porque você fica me beijando afinal , porque caralhos faz isso comigo. – Ela literalmente gritou e andou de um lado pro outro ajeitando o cabelo nervosamente até mesmo com o vento que o bagunçava – E o Derek , mas que droga ele não sabe nem beijar direito e quer namorar comigo , ele não sabe nem oque quer da vida , estava babando por outra vadia sem roupa hoje , eu quero que vá todo mundo pro inferno , eu estou cansada inclusive de você vai pro inferno junto com Derek , com Anna , com a vadia do Derek , com todo mundo.

Eu não sabia oque dizer sobre o seu surto repentino, ela andava de um lado para o outro e hora ou outra eu podia achar que ela iria avançar sobre mim e me encher de socos, mais ela visivelmente se continha e voltava a gritar, eu apenas continuei da maneira que eu estava observando cada movimento seu quieto esperando que ela despejasse toda sua fúria ao vento , só tínhamos nós ali.

— Você não vai falar nada? – Eu sorri de lado e ela bufou voltando a andar irritada – Normal, já era de se esperar, estou surtando como uma adolescente maluca na sua frente.

—  Prometo que já irei me recompor. – Ela relaxou os ombros parando um pouco longe de mim –

— Eu não estou rindo de você , eu estou satisfeito com você. – Ela me olhou confusa – É bom jogar tudo ao vento de vez em quando, é necessário. – Ela corou –

— Desculpe sobre oque falei de você, eu não...

Nem eu mesmo esperava por aquilo, mais quando dei por mim já estava com os lábios nos dela, suas mãos subiram automaticamente para meu pescoço e então tentou me afastar , sem sucesso ela cedeu ao beijo deixando que eu trouxesse seu corpo para perto do meu e deixou uma de suas mãos em minha nuca , a outra em meu peito , ela parecia receosa á se entregar ao beijo mais aos pouco foi cedendo , era como se tivéssemos todo o tempo do mundo ali.

Seus lábios se encaixavam perfeitamente nos meus , sua língua dançava em uma valsa deliciosa em nossas bocas e seu corpo estava entregue ao meu toque sem preocupações por ali , seu corpo pequeno era praticamente coberto pelo meu e sua cintura cabia perfeitamente em minha mão , aquilo era errado , mais Deus que me perdoe era tão gostoso. Ter seu corpo tão junto do meu era como estar perto de um vulcão em erupção, não podia negar que ficava duro feito uma pedra e sentia até mesmo meu pau latejar dentro da calça, aquilo chegava ser torturante. Desci minha mão de sua cintura e parei em sua bunda redonda e empinada, apertei trazendo-a mais para frente fazendo-a roçar seu corpo no meu, merda.

— Angel. – Falei assim que separei meus lábios dos seus, ela estava ofegante e com os lábios inchados–

— Hum?

— Vai com calma. – Sorri de lado e ela corou visivelmente envergonhada, a abracei deixando-a encostar o rosto em meu peito na tentativa de esconde-lo – Eu sou homem lembra. – Ela se afastou de meus braços e assentiu–

— Eu não havia falo para não fazer isso? – Murmurou fingindo certo irritamento -

— Não.

— Então ok, não faz mais isso. – Ela se virou de costas para mim indo em direção ao carro e eu gargalhei, ela era uma graça.

Eu não pude deixar de voltar para o carro rindo sozinho daquilo , me sentei no banco e voltei a dirigir diretamente para casa. Eu sabia que ela agora mais do que nunca precisava treinar porém ela estava aparentemente cansada e eu entendia , até mesmo para mim as vezes era um pouco cansativo. Um dilema interno tomava conta de mim durante o dia , meu pai havia dito que eles , minha mãe , meu pai , meus avós , Joe , Kaity e talvez tivessem chamado Ryan, Christian e Chaz para ir jantar em um restaurante que continha uma vista para pista de gelo artificial e musica ao vivo mais eu não estava afim de dar de cara com Kaity.

— Meu pai nos chamou para ir em um jantar hoje , oque acha ? – Ela ficou meio pensativa – É em um restaurante, tem musica ao vivo vista para pista de gelo, artificial claro  e coisas do tipo.

— Podemos ir. – Ela respondeu meio insegura –

— Okay, vou confirmar com ele mais tarde.

Nos calamos após isso , assim que chegamos eu fui diretamente para meu quarto e Angel ficou na sala assistindo qualquer programa na televisão. A noite caiu e as horas passaram eu tomei um banho demorado, as coisas estavam cada vez piores para o lado de Angel , consequentemente para o meu também , as pessoas estavam a cercando e oque me matava era não saber quem estava tentando feri-la. Sai do quarto já arrumado, calça , tênis , blusa e moletom, ela desceu em seguida arrumada casualmente , uma blusa branca bem justa ao corpo , por cima um casaco verde aberto , sua calça justa e uma bota nos pés.

— Pronta ? – Perguntei pegando as chaves do carro –

— Sim.

Ela sorriu para mim me chamando atenção para seus lábios brilhosos , prestei atenção em seu rosto enquanto ela andava , ela estava com os olhos mais esverdeados e os cílios maiores devido a maquiagem , os lábios estavam brilhosos pelo brilho oque a deixava ainda mais linda e me fazia ficar com vontade de beija-la. Assim que ela entrou no carro me obriguei a parar de pensar aquele tipo de coisas.

{...}

Sentados a mesa do restaurante todos conversavam animadamente , todos , literalmente todos estavam por lá , inclusive Erin que eu ainda tentava descobrir se era mulher ou namorada do meu pai já que eles estavam juntos mais não estavam. Observei todos atentamente após fazermos os pedidos e imaginei que até o fim dessa noite teremos alguma surpresa, nunca nos reuníamos todos assim, bom , eu acho já que eu nunca apareci em muitos eventos familiares.

— Justin, andou sumido. – Kaity chamou minha atenção e eu voltei minha atenção para ela –

— É, muito trabalho.

— Precisa curtir um pouco a vida, trabalhar demais deixa com cabelo branco. – Sorri amigavelmente para ela –

— Eu curto, do meu jeito. Bom, e você como esta? – Ela sorriu animada aparentemente por eu querer saber sobre ela –

— Estou bem , só não trabalhando tanto quanto você sou mais de sair um pouco.

— Isso é bom.

Virei-me para frente e assim que olhei para Angel seus olhos desviaram rapidamente dos meus voltando-se para Ryan que falava algo que a fez sorrir animadamente, me remexi incomodado porém me contive tentando prestar atenção quando Kaity começou a falar que poderíamos marcar de sairmos um dia desses.

— Justin? Esta bem?

— Sim, me desculpe, oque falava?

— Esta aéreo, aconteceu algo? – Neguei com a cabeça e ela deu de ombros – Então, poderíamos sair um dia desses.

— Quem sabe, as coisas são mais complicadas agora não é apenas eu , tem Angel também.

— Mas ela já é uma moça , parece até mesmo mais madura do que eu. – Ela sorriu e eu quis dizer que aquilo era verdade mas me contive –

 — Ela só aparenta ser mais madura , mais ela ainda tem quatorze anos e eu sou responsável por ela.

— Tudo bem, mais caso mude de ideia.

— Pode deixar – Sorrimos um para o outro e eu voltei a prestar atenção na conversa de todos -

O jantar ocorreu entediante, todos conversavam animadamente, após comermos, minha mãe mandou que trouxesse uma garrafa de vinho para todos exceto Angel e meus irmãos , observei atentamente querendo saber oque iriamos comemorar e esperei para a bomba que desceria sobre nossas cabeças , meu pai parecia incomodado com alguma coisa a partir daquele momento.

— Bom – Minha mãe se levantou chamando atenção de todos, menos de Angel que olhava para fora da enorme janela perto de nós com uma vista magnifica para a pista de patinação-  Eu tenho um comunicado , por isso reuni todos aqui hoje e fico grata que tenham aceitado esse convite.

Fiquei olhando para Angel, seus olhos brilhavam assim como as luzes lá fora por mais que o céu estivesse escuro e congelante, eu ficava cada dia mais impressionado com o fato de ela se encantar de um modo que os olhos brilhem de uma maneira magnifica quando esta apaixonada, encantada ou admirada por algo , sorri sozinho.

— Eu quero fazer um brinde primeiramente a nossa família incrível que a cada dia cresce mais , oque me deixa imensamente feliz. – Todos a observaram sorrindo e eu se quer prestei atenção naquilo , continuava observando Angel – e por segundo eu queria fazer um comunicado a vocês. Bom , como todos sabem eu e Joe namoramos a um bom tempo e semana passada ele me fez um pedido muito especial e eu aceitei , iremos nos casar. – Minha cabeça virou rapidamente para ela assim como o de Angel que antes estavam distraída –

Ela sorriu abertamente olhando para Joe que sorria sentado segurando sua mão, olhei diretamente para meu pai que estava calado com o punho fechado em cima da mesa e neguei sozinho com a cabeça. Não que eu não estivesse feliz por ela, eu estava, mais por Deus , ela não o amava e todos sabiam disso.

Ela ergueu a taça e todos fizemos o mesmo ainda meio desnorteados e então quando todos deixaram a ficha cair se levantaram para abraça-la e parabeniza-la , todos estavam devidamente entretidos com a celebração , olhei para Angel que já me olhava curiosamente a algum tempo e fiz sinal com a cabeça para que ela me seguisse e ela soube no momento em que eu levantei sem fazer barulho que era para ser escondido. Andamos para fora do restaurante calados e então quando aparentemente ela se sentiu segura em falar algo me bombardeou com perguntas como já era de se esperar.

— Ela o ama? – A olhei confuso e ela pareceu ter feito uma pergunta aleatória perdida em sua mente –

— Não sei. Em minha pobre opinião eu acredito que não.

— Então porque ela vai se casar com ele? Da para ver nos olhos dela que ela gosta do tio Jeremy, é como se os dois pegassem fogo apenas ao se olharem, até mesmo os sorrisos são diferentes.

— Você é perceptiva.

— Você casaria sem amar? – Eu continuei calado pensando por uns minutos, caminhávamos calmamente até a pista de gelo –

— Não, tanto que ate hoje não me casei. Posso ter sido criado com regras de velhos, mais, casamento para mim é algo honroso.

— Eu nunca pensei nisso. – Ela deu de ombros –  Ryan me falou que quando era mais novo teve um .. romance, eu acho, com Kaity. – Tive uma vontade tremenda de socar Ryan –

— Nunca tive romance com Kaity, fomos para cama duas vezes e estranhamento ela aparecia em todos os lugares que eu estava e ficava como um carrapato.

— Sinal de que você é bom no que faz. – A olhei um pouco surpreso e ela corou – Me desculpe.

— Então, quando dei um fora nela ela logo arrumou um namoradinho mais aparentemente não deu certo.

— Vocês.. hum... formariam um belo casal. – Ela falou para dentro e eu gargalhei –

— Desista de tentar me arranjar uma namorada, meu anjo. Estou bem como estou.

Caminhamos quietos um ao lado do outro observando as ruas frias e as pessoas sorridentes que passavam por nós , aquele local estava cheio , algumas pessoas olhando outras patinarem e casais como sempre. Sorri vendo a animação dos olhos brilhantes de Angel e imaginei como ela ficaria se realmente visse uma pista de patinação verdadeira, talvez no natal eu a levasse em um das pistas.

— Quer patinar? – Ela me olhou e então não precisei de resposta apenas agarrou minha mão e me arrastou para perto do balcão –

Rapidamente paguei e peguei os patins e quando vi Angel já estava com os dela, a rapidez daquela menina foi impressionante, coloquei os meus e a ajudei a ficar em pé e então completamente desengonçada ela me seguiu, aquilo me renderia risos com certeza.

Após meia hora ali ela ainda estava na luta , quase caindo umas dez vezes , eu já estava cansado de tentar sair do local com Angel e então coloquei-a apoiada na barra de ferro mas ela pareceu não gosta da ideia e aquilo me agradou um pouco.

— Estou cansado, deixe de medo, saia dai menina. – Falei me afastando dela e ela me olhou desesperada –

— Não, não Justin.

Assim que ela se jogou praticamente curvada em minha direção eu me afastei , ela foi diretamente para baixo , fui rápido tentando agarra-la mais não consegui , esperei escutar o barulho de seu corpo pequeno batendo no chão mais não pude pois seu corpo parou antes disso flutuando , a puxei rapidamente para cima olhando em volta orando para ninguém ter visto e a puxei para perto de mim , deixando seu corpo junto do meu , seus olhos estavam arregalados.

— Desde quando pode fazer isso? – Sussurrei vendo-a respirar fundo e então desviar os olhos dos meus olhos indo diretamente para meus lábios –

— Eu, eu não sei foi agora, nervosismo, medo isso me fez fazer isso, eu não sei.

— Tudo bem – Soltei o ar calmamente e afastei uma mecha de cabelo de seus lábios –

— Justin? Angel? – Olhamos para o lado rapidamente e vi minha mãe , Joe , Meus avós e Kaity parados do lado de fora, soltei Angel rapidamente e ela conseguiu se manter de pé –

Assim que ela ameaçou cair eu segurei sua mão e ela sorriu agradecida, vi meu pai chegar mais perto com meus irmãos e então Angel percorreu os olhos por todos os lados parecia incomodada com algo, passei a prestar atenção atentamente a nossa volta também a procura do que a incomodava e então ela tentou focar novamente na conversa da família.

— Quer dar uma volta? – perguntei –

— Claro.

Ela apoiou uma mão na minha como se sentisse segura e então a outra segurou o corrimão de ferro ao seu outro lado , mais ainda parecia meio desnorteada enquanto nos afastávamos. Ela olhava para os próprios pés e eu olhava para seu rosto preocupado e com medo de cair, mais ao mesmo tempo eu não pude deixar de reparar a nossa volta, algo que Angel viu a deixou tensa.

— Oque houve?

— Eu tive a impressão de ser vigiada – Ela olhou a nossa volta novamente –

— Por quem?

— Eu não sei, ele sumiu na multidão quando eu percebi sua presença , é conhecido Justin. – Ela apertou minha mão visivelmente nervosa –

— Calma, não irá acontecer nada.

— Tem certeza? – Seus olhos não focavam em mim em momento algum –

— Nunca tive tanta. – Aquilo pareceu reconforta-la.-

Quando já estávamos longe o suficiente de todos ela parou, encostou as costas no corrimão aparentemente cansada e eu parei em sua frente mantendo a devida distancia pedindo a Deus para que não me deixasse perder a cabeça e beijar seus lábios brilhosos que tanto me eram convidativos aquela noite. Observei perdidamente seus lábios enquanto ela me olhava da mesma maneira, desviei os olhos dela, mais eu desfoquei preocupado a todo instante com realmente ter alguém nos observando, o perigo quando se tratava de Angel morava em cada rua em que passávamos, era nosso vizinho mais próximo. ELA ESTAVA CERTA!, meus olhos percorreram a figura de preto entre a multidão, podia jurar que conhecia aquele cabelo castanho quase loiro, a barba maior do que o que geralmente víamos, Não era possível, Angel percebendo meu maxilar travado mais eu puxei seu rosto antes mesmo que ela pudesse ver o sujeito que andava pela multidão, minha mão espalmada em sua bochecha carinhosamente e ela me olhou confusa, a obriguei olhar em meus olhos mesmo que os meus estivessem distantes.

— Venha. – A puxei pela mão levando-a para o centro da pista, longe da vista de quem fosse que nos observava–

— Quem é? O conhece?

— Apenas olhe para mim , esqueça quem quer que seja, desligue-se do mundo por hoje.– Seus olhos saíram dos meus envergonhados e eu sabia que poderia faze-la esquecer aquilo –

Ela mordeu o lábio aparentemente nervosa e tentou se afastar do meu corpo, eu sabia que ela queria beijar-me tanto quanto eu a queria, olhei a nossa volta, era difícil ver meus pais e meus familiares conversando entre todas aquelas pessoas então abaixei minha cabeça tomando seus lábios com os meus rapidamente e pela adrenalina de sermos vistos percorrendo meu corpo seu corpo junto ao meu se tornou ainda mais gostoso. Suas mãos presas entre nossos corpos, meu braço rodeando sua cintura e minha outra mão segurando sua nuca, me senti como se eu estivesse voltando a adolescência, onde um beijo é algo magnifico independente do local em que nos encontrarmos.

— Justin... – Ela murmurou com a testa colada na minha e os olhos ainda fechado - Eles podem nos ver.

— Eu acho que não me importo, você se importa?. – Perguntei em um sussurro e ela prendeu o lábio inchado entre os dentes –

— Eu.. acho que não.

— Então apenas beije-me.

Meus lábios foram novamente bem recebidos pelos seus, agora bem mais urgente do que antes, coloquei minha mão disfarçadamente por dentro de sua blusa e senti sua pele quente contra minha mão gelada, Deus, toda a quentura se alastrou por meu corpo fazendo-me quase perder a cabeça. Afastei meus lábios do seus e beijei sua testa antes de puxa-la ainda desnorteada para sairmos da pista, já era o suficiente por hoje estar em cima daqueles patins. Caminhamos até minha família calados, ela constantemente mordia o lábio e mexia as mãos nervosamente ao meu lado e tive vontade de leva-la para casa agora e acabar com seu nervosismo.

— Onde estavam? , ficamos preocupado. – Minha avó falou e meu pai soltou um riso debochado –

— Estavamos apenas curtindo a patinação vovó, esta tudo bem. Vamos ir agora?

— Seus irmãos estão se divertindo um pouco no parquinho, já já iremos. – Respondeu minha mãe, mais seu olhar para nós era visivelmente estranho –

— Justin, vamos ir atrás de seus irmãos comigo. – Meu pai chamou –

— Claro, Volto logo. – Murmurei para Angel que assentiu –

Eu sabia que meu pai queria falar algo, e já esperava que fosse sobre Angel, mais ainda queria que ele entendesse que eu não iria comentar sobre aquilo, eu não tinha oque comentar. Ele soltou uma risadinha quando já estávamos afastados o suficiente.

— Precisa ser mais discreto, Justin. – Comentou olhando a nossa volta como quem não quer nada –

— Sobre...?

— Você sabe do que estou falando, sua mãe já esta desconfiada na verdade ela sempre esteve, mais agora piorou.

— Não dei motivos para tal desconfiamento dela.

— Vamos ver, primeiro disse ela que encontrou você e Angel em seu quarto, completamente amassados. Segundo, vocês somem hoje num piscar de olhos e ah, dava para vermos visivelmente você beijando Angel, eu consegui distraír a todos mais e se eu não conseguisse?

— Ninguém tem nada haver com minha vida, já sou um homem adulto.

— Todos podemos ver o seu afeto por Angel, ela é como uma boneca de porcelana que você cuida para que não se quebre, não conseguira negar que gosta de verdade da menina por muito tempo Justin. – Coloquei as mãos para trás do corpo irritado, por que sempre a mesma história –

— Não gosto de Angel, sim eu cuido dela pois acho que é meu dever mantê-la a salvo de tudo.

— Não seja tolo Justin, você próprio sabe oque estava havendo com você, como disse já é adulto e sabe oque sente.  – Revirei os olhos sem que meu pai percebesse e me senti pela segunda vez um adolescente naquela noite. –

A volta para casa foi um tanto torturante, já que as imagens do homem dos cabelos um pouco longo mais não chegando até os ombros , a barba por fazer e as roupas pretas me atormentavam, o fantasma realmente nos assombraria, mais ele havia voltado , para nos ajudar? Ou não? , passei a mão no rosto nervosamente tentando esquecer aquilo, por outro lado lembrei das palavras de meu pai sobre Angel, por que ele sempre tinha que entrar naquele assunto? Não era tão mais fácil deixar que continua como esta?,  senti uma mão leve tocar minha bochecha enquanto eu dirigia , meu corpo inteiro irrigeceu , mais que droga.

— Porque esta tão nervoso?

— Por nada, não se preocupe com isso.

Saímos do carro entrando rapidamente em casa tranquei a porta atrás de mim e puxei Angel pelo braço ela bateu fortemente em meu peito e seus lábios já vieram para juntos dos meus como se já esperasse por aquilo assim como eu. Eu não podia me conter, seu corpo me despertava por inteiro, até a ingenuidade daquela menina me deixava louco, me surpreendi quando suas mãos entraram por minha blusa e arranharam forte meu abdômen, ela estava excitada. Arrastei seu corpo junto com o meu para o sofá e quando a joguei deitada ali ela abriu os olhos me olhando ardentemente, tirei o casaco e logo após a camisa, me debrucei sobre ela e quase pude escuta-la gemer quando tocou meu corpo nu e quente debruçado por cima do dela.

— Isso é loucura. – Ela murmurou olhando as tatuagens no meu peito e logo após descendo para meu abdômen-

— A melhor que eu já cometi. – Sussurrei em seu ouvido e então ela fechou os olhos tombando a cabeça para o lado, deixando claro que queria que eu tocasse seu pescoço com os lábios–

Toquei seu pescoço com meus lábios e não pude deixar de conter minha mão de tocar seus seios médios do tamanho perfeito para minha mão, a senti se contorcer embaixo de mim quando mordi forte seu pescoço e depois beijei, olhei seus lábios entreabertos e seus olhos fechados, puxei seu queixo beijando seus lábios que moldaram-se com os meus perfeitamente deixando minha língua deslizar sobre a sua em uma velocidade impressionante, deixei meu corpo cair sobre o seu roçando nossas intimidades e quase gemi quando ela envolveu as pernas em minha cintura, estava tudo muito quente , o corpo embaixo do meu parecia pegar fogo, ergui mais corpo e ela se sentou tirando seu casaco e blusa deixando desvendar seu sutiã branco e suas curvas completamente deliciosas.

 Pude admirar seu corpo durante um certo instante, ela era tão linda , tão perfeita para meu toque. Beijei sua barriga quando ela se deitou novamente com os olhos abertos me olhando ardentemente, meus dedos deslizaram junto com meus lábios só que na lateral do seu corpo fazendo-a contrair a barriga arrepiando-se. Mas que loucura eu estava fazendo, e por que eu estava gostando tanto, meu Deus.

— Oque esta fazendo? – Perguntei quando ela me empurrou , afastando meu corpo do seu , obrigando-me a ficar de pé vidrado em seus olhos –

— Tocando você.

Eu não conseguia tirar meus olhos dela , mais assim que seus lábios tocaram calmamente meu pescoço descendo por meu ombro e então quando eu menos esperava já estavam trilhando um caminho por meu peito chegando até meu abdômen , eu não pude deixar de fechar os olhos e apreciar o toque dos lábios e dos dedos macios e calmos , sem pressa , apreciando aquela sensação de me tocar e eu gostei daquilo até mesmo mais do que eu imaginava.

 Abri meus olhos rapidamente quando ela puxou o meu cinto com uma agilidade que eu não esperava, ela estava de joelhos a minha frente, queria poder dizer que era para rezar , mais não , suas intenções eram indecentes.

Eu não poderia deixa-la tocar-me daquela maneira, meu Deus, eu preciso parar, preciso faze-la ir para longe de mim. Eu não podia ter controle de mim mesmo, eu estava em êxtase. Seus olhos subiram encontrando os meus passei as mãos por seus cabelos tirando-os de seu rosto.

— Oque você esta fazendo... comigo?

— Tocando você. 


Notas Finais


Todo mundo curioso pra saber oque o Jeremy sabia e na verdade não era nada... ou pode ser algo, quem sabe? muahahaha kkkkk achei o capitulo meio bosta mais precisava postar então me desculpem. MAS NO PROXIMO TEM HOT.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...