História The Guardian - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 1.150
Palavras 1.923
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Sequestro Relâmpago


Langley , VA – Estados Unidos, 2015

— Você precisa fugir. – A voz de meu pai entrou por meus ouvidos , o barulho de passos rápidos e chutes em portas me assustaram –

— Mas pra onde ? Eu não conheço nada , eu não conheço ninguém.

— Você não precisa encontrar ninguém , a pessoa certa ira lhe encontrar , agora vai , eles estão chegando.

— E o senhor?

— Já chegou a minha hora Angel , agora vá.

 Talvez fosse o sentimento mais doloroso que eu já senti na vida , deixar a única pessoa que sempre esteve comigo ali , esperando para oque estivesse por vir , mais eu não poderia desobedece-lo , desde sempre , talvez desde quando eu me entendi por “gente” meu pai me diz.

— Quando o momento certo chegar , não olhe para mim , não olhe para trás , apenas corra de encontro com a sua segurança.

 Acho que eu nunca fui a pessoa mais inteligente do mundo , sempre tentei decifrar os códigos do meu pai , códigos do cofre , código da porta para entrar em seu escritório , código do cofre secreto embutido na parede de seu quarto e tudo que eu sempre descobri foi um grande nada então porque eu entenderia o porque eu deveria correr atrás da minha segurança ? Talvez eu intendesse , mais não queria entender , eu só queria poder ser como todas as adolescentes de quatorze anos.

  Corri em direção á , lugar nenhum , essa era a verdade , corri pelas ruas do bairro até me sentir segura o suficiente para parar , já estava longe de minha casa e o único lugar ali que eu conhecia era o Parque Central e a direção da escola , e entre o colégio e o parque com certeza eu iria para o parque. Corri mais um pouco , sentindo minhas pernas cansarem assim que consegui me encostar na enorme arvore a minha frente, me senti inutilmente segura sendo escondida pela enorme arvore , olhei para minha frente e vi as pessoas sorridentes , crianças brincando , casais de aparentemente seus dezessete anos sentados em bancos perto do lago namorando e eu , eu apenas me sentia perdida entre todas aquelas pessoas felizes , para onde eu iria agora ? Toda a família que eu tinha ali era meu pai e ele , eu se quer sabia oque estava acontecendo com ele agora.

  Me levantando , pensando seriamente em procurar os policiais mais próximos de mim , assim que caminhei olhei cuidadosamente para o lado vendo um carro preto grande o suficiente para assustar qualquer pessoa ,  coloquei o capuz na cabeça avistando os policiais ao longe e caminhei o mais rápido possível na direção deles. Até pelo menos o carro parar ao meu lado , três homens , ambos de terno preto , três vezes maiores do que eu , todos de óculos escuros , todo tempo que eu tive foi de correr amedrontada , tentativa mais inútil da minha vida pois rapidamente fui pega pelos braços.

— ME SOLTA , SOCORRO – Gritei irritada e desesperada – SOCORRO.

 Os policiais distantes de mim não fizeram questão de se importar , apenas nos olharam e continuaram observando o nada e eu não pude entender o porque , mais em questão de segundos eu estava dentro do carro ao meu lado dois dos homens que haviam me pego e na frente mais dois , um deles dirigindo rapidamente para longe dali , observando tudo atentamente , todos eles estavam devidamente armados e eu , eu apenas chorei como á criança amedrontada que eu me senti naquele momento.

— Brutos na escuta ? – A voz soou no oktok do homem moreno e sério ao meu lado –

— Senhor ?

— Pegaram a menina  , não a machucaram certo ?

— Não senhor , ela está bem , já chegaremos.

  Foi as ultimas palavras que eu escutei  , o homem ao meu outro lado me pegou de surpresa assim que virei o rosto em sua direção um pano foi posto sobre meu rosto , nariz e boca ambos tampados e invadidos por um cheiro torturador e logo me fez perder os sentidos mesmo que eu me debatesse por inteira , eu não podia... não podia .. dormir...

 Abri os olhos rapidamente , tomei o folego assustada , o teto devidamente coberto de um gesso magnifico acima da minha cabeça me assustou , me sentei rapidamente no sofá procurando algo a minha volta e tudo que encontrei foi um lindo escritório com acessórios de madeira e um sofá confortável aonde eu me encontrava deitada e uma enorme parede de vidro com uma vista aparentemente linda , procurei a porta e assim que a encontrei minha primeira reação foi correr em sua direção mas antes que eu chegasse lá ela se abriu , voltei meus passos para trás e me sentei no sofá novamente como uma estátua.

 Observei seus movimentos atenta , era um homem branco , bem mais alto que eu por eu ser baixinha , terno e gravata ,  os cabelos de lado perfeitamente penteado e as tatuagens que pareciam ocupar seus braços por completo ou quase por completo mais não pude ver pelo terno ocupar até seu cotovelo tampando a total visão do restante de seu braço , mas a tatuagem de seu pescoço foi a que mais me chamou atenção , assim que ele encarou meus olhos pude observar os seus , cor de mel , brilhantes.

— Angel Turner ? – Sua voz ecoou por todo o escritório , rouca -

— Sim – Me senti intimidada ao escutar meu nome sair de seus lábios-

— Eu não sei uma forma melhor de me apresentar , então , prazer sou Justin Bieber agente da CIA.

— Porque me trouxe aqui e principalmente aonde estou ?

— Estamos na central da CIA , fui treinado para ser seu responsável caso algo acontecesse ao seu pai e esse momento chegou. –Me levantei imediatamente-

— Meu pai ... ele está mesmo ...

— Infelizmente sim Anjo – pude sentir a pena em sua voz e recompus minha postura desconcertada diante aquilo tudo –

— Aonde vou ficar ? Oque vou fazer , eu não conheço ninguém , eu não tenho ninguém além do meu pai.

— Comigo – Seu sorriso torto me fez olha-lo confusa , pude vê-lo andar em direção a sua mesa –

— Mas porque ? Eu nem lhe conheço.

— Mas eu lhe conheço , bem o suficiente para que caso acontecesse algo com seu pai , sua guarda fosse diretamente para mim.

 Me calei imediatamente , “a pessoa certa ira lhe encontrar” , foi a única coisa que veio em minha mente , mas será que esse homem tão ... sério , seria a pessoa certa ? Eu estava simplesmente perdida , eu não o conhecia porque deveria confiar cegamente nele.

— Porque devo confiar cegamente no senhor , moço ? – Perguntei levantando meus olhos para observa-lo , ele me olhou alguns instantes –

— Não deve. – Ele balançou os ombros negando com a cabeça e eu franzi o cenho –

— Então porque eu iria morar com o senhor ?

— Porque não tem opção , eu tenho sua guarda , apenas eu posso assinar para que faça qualquer coisa. – O olhei abismada , eu era praticamente sua submissa –

— Mas...

— Anjo , eu sou treinado desde os quatorze anos para protege-la e ensina-la tudo que necessita saber.

— Mas para que eu preciso de proteção ?

— Esse código você consegue descobrir sozinha.

Passei a mão nos cabelos , bagunçando-os por um tempo , eu não acreditava que tudo isso poderia estar acontecendo. Observei o homem sentado em sua cadeira visivelmente concentrado em seu notebook em cima da enorme mesa de madeira , senti vontade de chorar e me recostei no sofá , abraçando os joelhos e ali me sentindo “ escondida “ deixei  que as lágrimas rolassem ,  o sofá ao meu lado afundou , não quis acreditar que o homem antes em sua cadeira havia sentado ali e então me encolhi mais ainda.

— Você está chorando? – Sua voz adentrou meus ouvidos como de uma criança curiosa –

— Uhum – Murmurei seguido de um soluço –

— Você não deveria chorar.

— Meu pai esta provavelmente morto , eu estou em um lugar com uma pessoa que eu se quer conheço a mais de 20 minutos , eu nem sei oque vai ser da minha vida agora então porque eu não deveria chorar  ?

— Porque eu estou aqui

O olhei incrédula , mais o sorriso enorme que abriu em seus lábios me fez o olhar de outra maneira , era o sorriso mais lindo que eu já havia visto em toda minha vida , sorri mesmo entre as lágrimas e ele se levantou indo até sua mesa , pegou seu celular.

— Já esta tarde , temos que ir.

— Para onde ?

— Para casa. – Me levantei um pouco curiosa –

 A sensação de ir para um lugar totalmente diferente era estranha , era como se eu estivesse recomeçando minha vida do zero  faltava apenas mudar de país e nome. O  caminho até a casa de Justin foi silencioso , eu poderia ter milhões de perguntas a fazer mais toda a vergonha me impedia e nem eu achava que esse fosse o momento para isso.

 Assim que entramos na casa de Justin eu fiquei um pouco admirada demais , era grande e espaçosa com uma escada no meio que levava ao segundo andar aonde provavelmente ficaria os quartos , a casa era bonita e arrumada.

— Voce mora com mais alguém ? – Perguntei curiosa –

— Não , pelo menos antes não , agora tem você. – Ele respondeu , indo em direção a cozinha , eu pude vê-lo ainda sim por ser uma cozinha americana brilhante -

— Então porque mora em uma casa tão grande ?

— Porque eu gosto de espaço. – Ele observou a geladeira enquanto falava , como se não desse importância para aquilo –Quer leite ? – Ele perguntou parecendo que era a única coisa que ele conseguia ver na geladeira –

—Sim. – Caminhei envergonhadamente até a cozinha –

— Desculpe a falta de comida , geralmente faço minhas refeições do dia em restaurantes por ai mas prometo que faremos compras.

— Eu nunca se quer fui em um supermercado.

— Então quando chegarmos lá seremos dois perdidos que teremos que nos encontrar. – Sorri vendo-o caminhar até o whisky e despeja-lo no copo – Venha , vou lhe mostrar seu quarto.

 O segui achando que provavelmente eu dormiria em um quarto de hospedes qualquer da casa mas logo me espantei , o quarto era perfeitamente decorado , para mim. Quadros , livros , escrivania e uma cama de solteiro,  porém , grande o suficiente para acomodar duas pessoas, imaginei comigo mesmo  ,se já que minha cama era daquele tamanho imagina a de Justin como deve ser , enorme e confortável.

— Pode ficar a vontade , a casa é sua agora , você terá bastante tempo para se sentir a vontade até pensar em casar e ir morar em outro lugar. – Ele riu , bebendo mais um gole de seu whisky fechou a porta para sair –

— Ei moço , espera oque eu  vou vestir até quando eu me casar e sair daqui ?

— Abra o closet , tem algumas coisas que deve servir.

Me joguei na cama detonada , meu corpo estava cansado , minha mente já não conseguia pensar em quase nada  e do modo em que cai deitada deixei meus olhos fecharem , tive quase um replay do meu dia completo e no final tudo que lembrei foi o sorriso torto de Justin saindo de meu mais novo quarto e então me deixei cair no sono.


Notas Finais


Bieber apareceu , espero que tenham gostado do modo dele , sério , recatado e principalmente debochado oque irrita e encanta qualquer pessoa , pelo menos a mim encanta.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...