História The Guardian - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Drama, Justin Bieber, Romance, Sexo
Visualizações 837
Palavras 4.279
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Uma Bomba , literalmente!


1 Mês Depois – Central CIA , Langley , Virgínia.

Eu movia meu corpo rapidamente, desviando dos socos de Rogger, meu professor de luta, eu já havia pegado o jeito e diria que poderia brigar com qualquer pessoa inclusive com Justin e não apanharia tão feio , além de minha habilidade com o corpo ter melhorado bastante eu havia começado a pouco tempo atrás dominar meus poderes como ninguém , fazendo coisas magnificas que eu podia ver nos olhos de Justin a surpresa. Com Anna, bom com ela as coisas pioraram um pouco, não exatamente no lado técnico mais sim no pessoal, onde nós passamos a nos beijar diariamente como um... casal, mesmo quando eu sempre tentava faze-la desistir dessa ideia maluca de ficar me beijando por todos os cantos.

Mas o pior de tudo eu diria ser com Justin, ah, meu lindo tutor másculo e gostoso, após os últimos acontecimentos na casa de tia Pattie eu podia dizer que nos distanciamos de uma maneira terrivelmente dolorosa, toda intimidade que ele criou comigo durante um certo tempo foi direto para o poço e aquilo me fez dormir mal por todas as noites desde então. Mesmo sabendo que ele estava ali comigo a todos os momentos, me observando atentamente, eu sabia que algo estava diferente entre nós, mais ele parecia não se importar, ou apenas não demonstrava, mas não podia negar que eu ainda reparava em todas as suas mudanças, a pouco mais de duas semanas ele andava estressado, aéreo e já havia quebrado dois celulares, apesar de toda minha vontade de saber oque estava havendo eu não chegaria e o perguntaria dessa maneira, as coisas entre nós havia tomado outro rumo, um rumo ruim. Meu aniversário de 15 anos seria daqui a uma semana, próximo sábado, legal não é? Pois é, não!

— Precisamos ir Angel, você tem tarefas do colégio para fazer.

— Claro, eu vou beber agua.

— Aqui – Ele me entregou uma garrafa e pegou a toalha branca de suor de minhas mãos-

— Obrigada.

Esse era nosso pouco dialogo durante os últimos dias que se passaram, olhei para o céu assim que saímos da CIA e pude ver que mais uma vez estava repleto de nuvens negras escurecendo ele por completo, o temporal estava prestes a cair sobre nossas cabeças e Justin andou rápido para que isso não acontecesse e mais um dia eu quis puxar assunto com ele, vê-lo sorrir como a dias não via e me ver naquela situação tentadora de ter seus lábios sobre os meus novamente.

[...]

Me joguei na cama de bunda para cima, apenas de calcinha, a chuva lá fora começou a cair forte e eu fechei a porta e a janela para tentar me desligar daquele temporal e comecei a escrever e ler os livros o mais rápido possível para não estar ali tão exposta quando os relâmpagos e trovões começassem , queria estar deitada embaixo das cobertas orando para os estrondos terminarem. Pude escutar passos pelo corredor e também os escutei quando pararam na porta de meu quarto, não quis olhar para trás, mais tinha a certeza que Justin estava me observando, senti meus músculos ficarem rígidos, meu corpo inteiro estremeceu e então escutei quando a porta do seu quarto fechou.

— Mas que droga. – Murmurei passando a mão no meu rosto –

Xingar não adiantaria nada , tudo estava como deveria estar, eu não sabia oque era aquilo mais todas as vezes que Justin me tocava com seus dedos largos , seus lábios pequenos e rosados eu me deixava derreter por ele por completo e no dia seguinte vê-lo de modo diferente novamente  era comum para mim e agora não, toda relação que temos é a que talvez deveria ser.

 Minha mente só se sente cada vez mais confusa, Anna, Justin e também tem o, bom o Derek , ele não tentou me beijar ou algo do tipo mais todo seu charme e seu jeito carinhoso comigo me deixava completamente feliz ao seu lado, ele me fazia sorrir todos os dias, me deu flores arrancadas de uma roseira qualquer mais que me deixava alegre após um momento perturbador no carro com Justin, sorri sozinha ao lembrar dele, fazendo o possível e o impossível para me ver sorrir apesar de ter pouco tempo a sós comigo já que como ele diz todos roubam a cena , falando uns atrás dos outros sem dar tempo para que nós falemos algo.

Joguei os livros na escrivaninha e me deitei puxando as cobertas para cima do meu corpo frio quando vi o relâmpago clarear quase meu quarto por completo, senti a imensa vontade de correr para o quarto de Justin , mais me contive , ficando ali deitada quase tendo convulsões de medo. A porta do quarto se abriu e eu não quis colocar a cabeça para fora da coberta para saber se era Justin, só podia ser ele, certo ?.

— Angel? – A voz suave chamou minha atenção e eu coloquei apenas meus olhos para fora , lá estava ele , quanta perdição – Posso me deitar junto de você?

— Hum... acho que isso não é adequado. – Ele sorriu e se deitou debaixo das cobertas com o corpo quase colado ao meu –

— Porque não seria? Posso ficar apenas até você dormir. – Sua feição séria , fez meu corpo se arrepiar por inteiro –

— Porque, porque você não pode fazer isso.

— Me de um bom motivo, meu anjo.

— Porque Kaity não gostaria que você se deitasse junto de outra menina.

Ele continuou parado me observando com diversão nos olhos, me senti bravamente envergonhada, ele não podia chegar assim do nada e se deitar em minha cama , quando a quase um mês completo mal chegou perto de mim além de para falar o necessário. Será que ele sente falta? Como eu? e por isso esta aqui , brigando com todos os seus demônios interiores para poder se deitar comigo? prefiro acreditar que não , ele não precisa lutar contra demônios para deitar ao meu lado , afinal ele tem mulheres gostosas que se matariam para deitar ao seu lado e beija-lo todos os dias.

— Não namoro com Kaity, Angel.

— Mas vocês...

— Não é porque nós “ficamos” por acaso que estamos namorando, Kaity é uma boa menina, nunca quis iludi-la mais ela acha que podemos tentar.

— Tenta? Mas quanto mais tentarem ela vai gostar mais de você.

— Eu estou tentando mantê-la afastada, mais é complicado, entende ?

— Na verdade não, mas fingiremos que sim. – Ele sorriu –

Por um momento longo o sorriso se desfez de seu rosto , quando o estrondo la fora foi incrivelmente forte eu me acheguei para perto de seu corpo por puro reflexo , ele não se importou , me perguntei oque estava se passando na sua mente.

— É tão agoniante não falar normalmente com você durante todo esse tempo.

— Eu sei, senti sua falta , Justin.

— Me desculpe por manter distancia de você , é o meu trabalho Angel , eu não posso ficar lhe beijando por ai.

— Então porque me beijou?

— Porque... é tão pior do que parece meu anjo.

— Pare de me chamar de meu anjo, você á chama assim. – Seus lábios se curvaram em um enorme sorriso e eu bufei –

— Esta com ciúmes Angel ?

— Não Justin, apenas não me chame assim.

— Tudo bem, meu anjo.

— Boa noite.

Fechei meus olhos sentindo o calor delicioso de seu corpo perto demais do meu, tudo pareceu mais quente do que realmente estava, apesar de estar frio como o gelo. Sinto seus dedos acariciarem meus cabelos quando ele virou de frente para mim aparentemente desconcertado.

— Angel, tenho uma noticia para te dar.

—Fale.

— Terei que viajar esse fim de semana.

— Mas .. – A decepção em meus olhos não pode ser menos visível , sábado , meu aniversario – Como vou ficar Justin ?

— Você ficará com minha mãe, volto domingo a noite meu anjo, não vou demorar você estará mais segura do que parece.

— Mas é... Justin... Tudo bem. – Suspiro visivelmente chateada e ele continua acariciando meus cabelos –

— Você ficará bem, eu prometo. Bons sonhos.

Aquela realmente foi um mandado para que eu dormisse, já estava um pouco tarde e eu realmente estava com sono e chateada. Meus aniversários nunca foram dos melhores , geralmente meu pai comprava uma torta pequena e cantava parabéns sozinho para mim no café da manhã , mas aquilo era o suficiente para que meu dia fosse divino pois assistíamos filmes e comíamos pipoca e o dia por mais que não fosse diferente , era ótimo por alguém lembrar , mas agora meu pai não estaria ali.

Seria meu aniversário de 15 anos.

Todas as meninas sonham com isso , uma festa de princesa , com um príncipe para recebe-la , dançar a famosa valsa da meia noite e ser a princesa , com vestidos e tiaras por pelo menos uma noite. Mas eu nunca sonhei com isso , afinal nunca tive tantas pessoas a minha volta para participar de uma festa daquele tamanho todo , mas se Justin estivesse por perto já seria um dia bom. Meus olhos pesaram enquanto eu estava perdida e então deixe-me sonhar que passaria meu aniversário sem meu pai , sem Justin , talvez sem ninguém.

[...]                                                     

Acordei no horário de me arrumar exato, me virei bruscamente para o lado a procura de Justin ainda estar ali , mais tudo que encontrei foi ele entrando pela porta com roupa de dormir , como todas as manhãs fazia era um padrão comum de todos os dias.

— Justin , Derek vem aqui hoje fazer uns trabalhos do colégio comigo , pode nos buscar depois do colégio ? Depois quando

— acabarmos eu prometo não deixar de treinar.

— Derek ?

— Sim.

— Okay. Farão trabalho na sala.

Foi tudo oque falamos , Justin mudou drasticamente naquele momento e eu sorri com a ideia dele estar com ciúmes , mesmo sabendo que era impossível  , ele era estranho , queria que todas os dias ele estivesse como nas madrugadas.

— Porque não dormiu comigo ? – Perguntei parada no balcão da cozinha -

— Não posso, meu anjo. – Suspirei frustrada e curiosa –

— Mas porque não ?

— Tenta entender Angel, você é uma menina esperta. Conversamos uma vez sobre necessidades, todos temos, e eu tenho uma que você ainda não tem.

— Sexo? – Perguntei curiosa e ele sorriu –

— Sim, e faz bastante tempo que eu não tenho tempo nem pra respirar , então acabamos entrando na parte da necessidade.

— Então você...

— Xii , vamos.

— Mas Justin eu quero fala...

— Acabamos com esse assunto Angel. – Ele falou autoritário e eu bufei –

Seguimos para o colégio, Justin calado durante todo o caminho e eu tentando achar qualquer brecha para poder falar sobre Derek , eu e ele andamos nos “entendendo” e ele me convidou para qualquer dia irmos ao cinema , consideramos aquilo um encontro mais prometi que ainda essa semana conversaria com Justin sobre isso , so que as coisas estão piores do que eu imaginava , voltamos a nos falar na madrugada passada e eu iria jogar uma bomba dessas em cima dele ?.

— Justin , preciso conversar sobre Derek. – Falei assim que ele estacionou o carro um pouco distante do colégio , embaixo de uma arvore atrás de uma fileira de carros –

—Fale. – Sua postura ficou rígida e seu maxilar travado , suspirei –

— Derek me convidou para ir ao cinema com ele.

— Como assim ? – A novidade pegou Justin de surpresa , deixando-o um pouco paralisado –

— Um encontro ,  talvez , cinema.

— Você não tem idade para isso. – Ele apertou o volante mesmo com o carro desligado –

— Mas como assim ? Ele é só um “amigo”.

— Amigos saem como Amigos e não para encontros.

— Ele é um menino legal , estudioso , na dele, não custa nada , afinal eu já vou fazer 15 anos e sou a única menina da escola que sou praticamente BV.

— Como assim ? – Mordi o lábio após falar aquilo e ele e observou atenta –

— Eu só beijei a Anna e ... você Justin.

— E qual o problema nisso , você não precisa beijar mais ninguém , nem a Nanda precisava estar nessa.

— Problema nenhum só...

— Então me explique sua tese de ainda ser BV.

— É porque todo mundo já beijou tanto menino e eu só beijei você.

— Isso não é o suficiente ?

Arregalei os olhos rapidamente quando sua mão estava em minha nuca quando eu menos esperei meu rosto já estava próximo do seu , era quase impossível eu tirar meu rosto de tão perto sua mão segurava firme minha nuca na direção de seu rosto. Soltei todo o ar do meu corpo e puxei novamente sentindo o arrepio percorrer todo meu corpo , observei todos os traços do rosto de Justin , impecável , seus lábios rosados foram oque mais prendeu minha atenção.

— Qual o problema em se contentar com o tão pouco que eu posso te dar ? Você só tem 14 anos , é o suficiente.

— É o suficiente , se eu entendesse oque acontece aqui , eu não entendo eu nunca entendo.

— Você é uma menina tão linda Angel – Sua mão em minha nuca mudou o rumo para minhas bochechas , afagando-a carinhosamente –

— Porque você me beijou daquelas vezes Justin ?

— Porque eu não posso resistir.

— Você é meu “guardião” legal Justin.

— Eu sei que sou , e me martirizo todos os dias por isso.

— Me desculpe.

Seus lábios juntaram-se aos meus inesperadamente , quase perdi o folego , fechei meus olhos ainda assustada me deixando levar e pude sentir sua língua sobre a minha depois de tanto tempo , suas mãos em meu rosto me segurando ao beijo como se eu fosse fugir dele , seus dentes agarraram meu lábio mordiscando-o e então voltou a me beijar com sua língua enroscando-se com a minha. O afastei com a mão quando senti que a falta de ar me dominava.

— Porque você faz isso ? Você sabe que depois vamos ficar estranhos um com o outro;

— Não quero ficar estranho com você ,mas não posso ... resistir. – Seus lábios voltaram aos meus e me deu um selinho demorado –

— Mas que merda é isso tudo Justin.

— Você precisa ir – Falou quando ao longe escutamos o sinal do colégio –

— Tenho aula com Anna hoje ?

—Vai correr pros braços dela ?

— Não , é só pra saber se vou ser beijada de surpresa novamente hoje. – Sorrimos –

— Boa aula , passo para lhe buscar no horário correto.

— Tchau Justin – Sua mão ainda acariciando minhas bochecha e então se reclinou beijando o canto dos meus lábios rapidamente –

— Tchau.

Ele tecnicamente não podia fazer aquilo , desci do carro com a cabeça nas nuvens , entrei rapidamente no colégio dando oi a alguns conhecidos e passei quase voando, sem cabeça para conversar com alguém , me sentei em minha cadeira na sala de aula e debrucei meu rosto sobre a mochila , querendo dormir , uma tentativa certa , dormi como um anjo.

Acordei com um enorme cutucão e então comecei a prestar atenção na segunda aula do dia , mas tudo que sempre vinha em minha mente era o terrível ou maravilhoso beijo de Justin e que não havíamos chegado a conclusão alguma sobre ir ao cinema com Derek. Suspirei sozinha.

— Oque você tem ? – Ela sussurrou – Você nunca dormiu em nenhuma aula.

— Ultimamente dormir esta mais fácil do que ficar acordada.- Ela me olhou confusa –

— Que tal assistirmos filme na sua casa amanhã?

— Na minha casa ? Mas o Justin ... não sei se é uma boa ideia.

— Dê um jeito de manda-lo para longe da casa...

O dia passou aparentemente tranquilo , na hora de irmos Derek disse que não poderia ir , só no dia seguinte agradeci aos Deuses apesar de demonstrar pra ele que estava um pouco triste , entrei no carro ao me despedir de todos e passei meu endereço para Derek caso ele quisesse aparecer ainda hoje, mesmo sendo quase impossível. Vi Justin observar meus amigos de longe , Mindy olhou para ele e então para mim com um sorriso malicioso , neguei sozinha com a cabeça e entrei no carro.

— Cade seu amigo ?

— Não pode vir , só amanha.

— Ah , ótimo. – Ele falou realmente satisfeito e eu revirei os olhos – Não revire os olhos para mim.

— Sim, senhor. – Falei irônica  ele sorriu me vendo cruzar os braços –

Justin não foi para CIA como fazia normalmente, foi a caminho de casa e eu fiquei realmente feliz, eu queria descansar, precisava disso pelo menos por um dia. Entrei correndo indo direto para o quarto, tomei banho e coloquei uma roupa quente ficando com os pés de meia e corri de volta como uma criança hiperativa para a cozinha onde estava Justin mexendo em algo no fogo. Me sentei no banco de frente para a bancada e sorri assim que ele me olhou.

— Tudo bem ? – Me olhou confuso –

— Derek me beijou. – Justin não pronunciou uma palavra se quer, apenas continuou segurando a xicara que estava em sua mão, observando-me atentamente, meu coração acelerou e eu pude ver seu maxilar travado – Justin, você...você esta bem ? – Perguntei receosa e ele continuou me encarando – é mentira, me desculpa foi apenas uma brincadeira, fala comigo.

Ele não se pronunciou, caminhou até a bancada ainda aéreo e colocou a xicara ali em cima logo após sumiu escada a fora sem se quer me olhar. Minhas pernas travaram ali, assim como meu corpo inteiro, eu queria ir atrás dele e explicar o porque daquela brincadeira idiota, mais algo me dizia para simplesmente calar-me, já havia falado besteiras o suficiente por este dia.

A noite caiu e começou a chover, eu estava deitada no sofá da sala, vendo desenho animado, mais meu desanimo era evidente por qualquer um Justin não havia descido de seu quarto desde o momento em que fiz a maldita brincadeira e tudo que eu fiz foi puxar um cobertor fofinho como uma criança acordando pela manhã sem preocupações e ir pra sala assistir meus desenhos infantis, esperando que Justin aparecesse ali a qualquer momento.

— Angel – A voz alta me fez levantar – Vou precisar sair, foi inesperado então você terá que ficar sozinha.

— Sozinha? – O olhei com o cenho franzido e ele parecia ofegante –

— Sim, tome qualquer coisa meu numero esta na discagem rápida – Ele me deu um celular reserva – Não abra a porta pra ninguém por favor.

— Aconteceu alguma coisa?

— Volto em meia hora.

Ele correu para fora completamente arrumado e perfumado, devidamente agasalhado mais seus olhos estavam apreensivos e nervosos, ele sumiu de minhas vistas. 10 minutos depois eu estava completamente tremula e nervosa por estar sozinha pela primeira vez depois de mais um mês naquela casa. As três batidas na porta me chamaram atenção, olhei para a própria com os olhos arregalados, eu não deveria fazer isso.

— PORRA ANGEL ATENDE. É A MINDY. – Mindy gritou e eu arregalei os olhos obrigando minhas pernas a se mexerem –

— Oque estão fazendo aqui? – Arregalei meus olhos assim que abri a porta, os quatro estavam parados com os braços encolhidos pelo frio –

— Sabem que da ultima vez que fizemos algo parecido, por exemplo fugir, fomos perseguidos né ? – Derek falou –

— Sabemos, mais deixe de ser pessimista, oque pode acontecer aqui, estaríamos inseguros se estivéssemos na rua. – Mindy falou sem paciência –

— Vocês estão molhados.

— Pegamos uma chuva do caramba no caminho. O idiota não pode pegar o carro hoje e não avisou.

— Pra vocês eu não tenho roupa, mais se você quiser pegar uma roupa minha. – Apontei pra Mindy e ela aceitou com a cabeça –

— Nossa, sua casa é incrível.  – Flynn falou observando-a –

— Se quiserem podem ir explorar, desde que não entrem nem no quarto nem no escritório de Justin.

— E como vamos saber onde é.

— Não entre na ultima sala do ultimo andar e nem no quarto que tem em frente ao meu.

Fiz sinal para que Mindy molhada me seguisse e ela o fez, emprestei a roupa que coubesse melhor nela depois de varias tentativas e então saímos do quarto a procura dos meninos.

— Como é morar nesse lugar enorme com o Gostoso do Senhor Bieber.

— É normal, acho que já acostumei com a presença dele e com esse lugar. – Falei olhando em volta –

— Vai me dizer que nunca rolou nada? Você é uma menina linda, Senhor Bieber é um tremendo gostoso.

— Nunca rolou nada Mindy , Justin é bem mais velho que eu e um homem responsável.

— Se precisar de ajuda para fazer o Senhor Bieber perder a cabeça eu ajudo.

— Como? Oque sabe sobre isso?

— Eu não sabia muita coisa, mais eu acho que estou apaixonada.

— Own , quem é ele?

— Ah , um homem já , mais ele é tão lindo. – Seus olhos brilharam enquanto subíamos para o terceiro andar –

— Nome?

— Não posso revelar ainda, ele quer pedir para meus pais, mais eu acho que meu pai não vai aceitar.

— Porque

— Porque ele tem 21 anos – Ela suspirou chateada –

— Quem sabe, não custa tentar.

— Mas você não fica ... insegura? – Perguntei curiosa e ela franziu o cenho pensativa–

— Claro, sempre, mais eu não tenho oque fazer a não ser tentar chamar a atenção dele só para mim.

— Por isso aprendeu “coisas“?

— Sim , é a lei da vida Amiga , precisamos estar sempre a frente das vadias quando se trata de homem.

— Nossa.

Ela revirou os olhos como se eu fosse a pessoa mais santa do mundo e eu bufei não encontrando os meninos, até ter a brilhante ideia.

— Mindy. Olhamos por toda a casa, menos...

— Nos locais que você falou para não irem. – Mindy bufou me puxando para a ultima porta do corredor –

Mindy empurrou a ultima porta do corredor furiosa, e então os meninos se viraram para nós assustados, os olhei com a pior cara que pude fazer naquele momento , Justin ficaria tão bolado comigo se ele visse isso. Collin estava sentado na cadeira da mesa de Justin, revirando seu computador, Derek estava em pé ao lado da mesa mexendo em algo que parecia um livro , grande, Flynn estava sentado em uma poltrona mais afastado olhando em volta , entediado.

— Nos desculpe, de verdade – Derek falou apressado assim que me olhou – Mais Collin nos arrastou e quando eu vi isso aqui não pude deixar de olhar. – Ele apontou para o livro em suas mãos –

— Oque é isso? – Perguntei curiosa –

— É um álbum e tem fotos magnificas – olhei curiosa me aproximando cautelosamente – Mas são suas.

— Minhas?

— E olhem isso, essa pasta, tem e-mails arquivados e relatórios sobre... você ?

— Parem de mexer nisso. – Falei irritada e fui até Collin , empurrando-o da cadeira – Justin vai me matar.

— Gente, vocês estão escutando isso ? – Flynn se levantou aparentemente atento a algo-

— Eu estou, de onde esta vindo ? – Mindy procurou em volta atenta –

— Porra – Collin gritou assim que abriu a gaveta – CORRE , CORRE , CORRE.

Senti uma mão em meu braço e o barulho pareceu ficar mais alto a cada minuto em que corríamos em direção a algum lugar, minha mente ainda estava avoada, estava sendo carregada por Mindy que agarrou meu pulso e não soltou em momento algum enquanto todos nos atropelávamos nas escadas , cada um tentando fugir o mais rápido que podia, os gritos de Collin para corrermos eram mais estridentes a cada momento em que chegávamos mais perto da saída e assim que passamos pela porta de entrada, o tormento pareceu ser bem maior, o estrondo atrás de nós fez com que meu coração apertasse amagando-se em meu peito sozinho.

— Não olhem para trás! – Gritou Mindy –

E eu nem consegui olhar, minha cabeça não pensava em nada que não fosse correr para perto de Justin, mesmo sabendo que não era para lá que estávamos indo e sim para qualquer lugar aleatório em que nos sentíssemos seguros. Já deveríamos estar a três esquinas da casa de Justin quando todos foram parando aos poucos, cada um mais ofegante que o outro, as caras aterrorizadas eram de dar dó de todos , mais eu sabia que por mais que eu soubesse oque foi aquilo ainda era amedrontador.

— Oque fazemos agora ? – Collin perguntou -

— Vamos chamar a policia – Gritou Flynn –

— Não! – Gritei alto –

— Como não, aquilo foi uma bomba escondida, foi uma tentativa de assassinato. – Derek pela primeira vez gritou, vi que em suas mãos ainda estava o álbum grande de fotos –

— Parem de gritar – Gritei sentindo o sangue quente em minhas veias, andei de um lado para o outro passando a mão em meu rosto–

— Vou ligar pra Justin.

Antes mesmo que eu pudesse clicar na discagem rápida com meus dedos trêmulos o celular já tocava, o coloquei no ouvido e pude escutar a voz alta e rouca de Justin gritar do outro lado, mordi o lábio segurando a lágrima que queria escorrer.

— QUE PORRA VOCÊ FEZ ANGEL ? ONDE VOCÊ ESTA ? PELO AMOR DE DEUS , TEM NOÇÃO DO QUANTO FIQUEI NERVOSO QUANDO SOUBE OQUE HOUVE COM A CASA , PUTA QUE PARIU.

— Me ajuda, por favor, esta frio e eu se quer sei onde estou. – Sussurrei com o choro entalado na garganta –

— Onde você esta ?

— Três esquinas depois de sua casa.

— Não deixe que nenhum estranho se aproxime Angel. Estou chegando.

O celular desligou e eu suspirei me sentando na calçada molhada e escondendo meu rosto nos joelhos, todos se sentaram ao meu lado e tudo que eu fiz foi chorar. Senti quando Derek tocou meus cabelos e acariciou-os como se tentasse me consolar. Minutos depois o carro preto se parou em nossa frente, ainda ligado as duas portas se abriram a única coisa que pude ver foi Justin descer de um lado correndo.

— Justin... – Ele parou olhando para todos nós e logo seus olhos focaram nas mãos de Derek em meus cabelos –...


Notas Finais


Gente , eu estou hiper feliz com os comentarios , continuem assim e terão capitulos super rapidos já tenho alguns escritos. Obrigada pelos elogios estou amando


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...