História The heart wants what It wants - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Selena Gomez, Taylor Momsen
Tags Lesbicas, Romance
Exibições 104
Palavras 1.951
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Alessia e Candice


Candice não disse nada, apenas pegou suas coisas e se retirou. Todos me olhavam sem entender , ninguém disse mais nada sobre o assunto durante o almoço, comecei a falar sobre o baile e todas se empolgaram falando quem elas levarias, as roupas que iriam usar... apesar de parecer interessada no assunto, minha cabeça não parava de pensar no que eu havia feito, tinha sido dura demais? O sinal avisando que o intervalo havia acabado tocou, todos foram para suas respectivas aulas, quando estava chegando na porta da minha sala, sinto meu braço sendo puxado.

— Ok, agora você vai me explicar. Qual é a porra do seu problema?

Candice tinha me levado para um lugar vazio, apesar de estudar nesse colégio minha vida toda, não conhecia onde eu estava, tinha algumas plantas e um banquinho, era deserto, acho que quase ninguém conhecia aquela parte, a não ser os maconheiros que com certeza usavam essa área para fumar sem serem pegos.

— Dói, não é? Ser ignorada? Ser deixada de lado? - cruzei meus braços e sorri.

— Do que está falando, Selena? - ela me olhava com uma expressão de curiosidade e raiva ao mesmo tempo.

— Você sabe muito bem, não se faça de sonsa.

— Eu não te entendo, primeiro você some da festa e...

— EU SUMI? - não aguentei ouvir aquilo, interrompi ela aos gritos. - VOCÊ ME DEIXOU LÁ, SOZINHA, NO CHÃO, UMA DESCONHECIDA ME AJUDOU! - senti algumas lágrimas escorrendo pelo meu rosto.

— Eu não te deixei sozinha - Candice se aproximava, tentando um abraço, mas eu empurrei ela —. Quando eu vi a polícia, corri para te buscar mas não te encontrei, eu nunca deixaria você sozinha, você não confia em mim?

— Eu vi você saindo, você parecia muito feliz com seus amigos, não parecia que estava tão preocupada assim comigo.

— Selena, eu não sei o que você viu mas, eu estava perguntando para o Jelall, nós rodamos a casa inteira por você, pensei até que tinha sido presa. Mas Hinata disse que viu você saindo, corri até o ponto de ônibus próximo de casa, mas você já tinha entrado em um carro, por favor, acredite, eu nunca faria nada que te machucasse.

Ela me olhava com sinceridade, minha única reação foi abraçá-la, chorei em seu uniforme enquanto ela fazia carinho na minha cabeça, eu acreditava nela, sabia que ela não havia feito isso comigo, naquele momento fiquei com raiva de mim por tê-la tratado tão mal 

— Eu fiquei com tanto medo - dizia com a voz abafada, ainda com seu corpo sobre o dela.

— Eu também, Selly, eu também...

Sentamos em um banco e ficamos de mãos dadas, não tinha como ir para a aula pois já tínhamos perdido metade do tempo, dividimos um cigarro e enquanto isso Candice tirou seu celular do bolso e me mostrou algumas músicas que ela ia cantar no próximo show, o estilo dela não era parecido com o meu, eu gostava de Taylor Swift, ela gostava de Green Day, mas por algum motivo, as músicas dela me acalmavam e eu amava.

— Selena, estou curiosa - ela deu pausa na música, tirando nossos fones —  Quem foi a pessoa que você entrou no carro?

— Ah... o nome dela é Alessia, conheci ela na festa, é minha amiga agora.

— Alessia... - ela murmurou, enquanto mordia os lábios. — Você a conheceu na festa e pegou carona mesmo assim?

— Ela parecia uma boa pessoa - dei de ombros.

— Selena, você não pode sair pegando caronas assim, só porque a pessoa te deu uma boa impressão — ela cruzava os braços, rolando os olhos.

— Foi ela que me ajudou enquanto eu precisava - murmurei.

— Na próxima vez, não receba ajuda de estranhos, eu estou lá, eu vou ajudar você.

— Ok - sorri. - Ah, como você conhece esse lugar? Quer dizer, eu estudo aqui a minha vida toda e nunca tinha vindo aqui.

— Ah, esse lugar. Eu venho aqui quando quero pegar alguma garota - ela sorriu maliciosamente, dei um tapa em seu braço com raiva. — Estou brincando, uso aqui com meus amigos quando queremos fumar.

— Imaginei.

— Mas agora - ela dizia aproximando seu rosto no meu -, podemos usá-lo para outras coisas também, não acha?

 ela colocou sua mão no meu rosto, trazendo ele para mais próximo do seu, me beijando. O beijo começou lento mas foi acelerando, a senti deitando meu corpo no banco, em seguida deitando sobre ele enquanto me beijava, usava as unhas arranhando minha coxa, senti uma sensação estranha mas eu estava gostando. Ela parou de me beijar, olhou nos meus olhos e então começou a abrir meu uniforme, deixando meu sutiã aparecendo, em seguida beijou meu pescoço, eu estava com medo de alguém aparecer e ver a gente naquela situação, mas ao mesmo tempo não queria que ela parasse. Eu estava gostando, gostava de como ela me tocava. Ela parou de beijar meu pescoço e desceu para os meus seios, ela tocava neles analisando cada detalhe, em seguida beijando-os, gemi baixinho, aquela era a melhor sensação do mundo. Então ouvimos o sinal do fim das aulas tocando, parecia que estava acordando de um transe. Empurrei Candice para longe, olhando para ela assustada.

— Desculpa, Selena. - ela dizia com uma expressão de vergonha.

— Acho que a gente tem que voltar pra aula. Arrumei minha blusa e saí correndo deixando ela sozinha, não sei o que havia dado em mim, nunca tinha chegado tão longe assim com alguém e não sabia porque eu tinha deixado aquilo acontecer. Fui até o banheiro e me olhei no espelho, estava toda amassada, e suada. Joguei uma água no meu rosto, tentando voltar aos meus sentidos normais. As aulas já haviam acabado, estava com vergonha da Candice, só queria sumir. Não esperei ninguém, saí logo, queria chegar em casa. Fui andando em direção ao estacionamento, cheguei no final dele e lembrei que meu carro tinha ficado em casa. Chutei uma pedra com raiva, peguei meu celular para ligar pra Amanda e Britney em buscar de carona, quando escuto o som de uma buzina

— Olá, Selena.

— Alessia! - gritei animada assim que a reconheci.

— Parece que você está precisando de uma carona de novo?

— Como você sabia?

— Deduzi - ela apenas sorriu dando de ombros, abrindo a porta do carro para mim, entrei em seguida.— Então, como foi a aula hoje? - ela perguntava enquanto dirigia.

— Digamos que foi interessante - lembrei da cena, eu e Candice no banco.

— Interessante como?

— Deixa pra lá - não conhecia Alessia ainda, não sabia como ela reagiria ao saber que namoro meninas, não gostaria de perder uma amiga por isso. — E você, Alessia, não estuda?

— No momento não, mas vou começar na próxima semana.

— Oh, onde?

— Não sei direito - ela deu de ombros.

Gostava muito da Alessia, apesar de ter conhecido ela apenas hoje, por algum motivo confio nela e ela sempre aparece quando eu preciso, Candice disse que eu não deveria confiar nas pessoas porque elas parecem gentis, mas a Alessia é uma amiga muito legal, confio nela. Ela dirigia enquanto ouvíamos músicas, me contou muita coisa legal do tempo que ela morou fora, já havia morado na Coreia do Sul e colocou k-pop para tocar. Um grupo chamado exo, eu adorei, a batida dava para usar nas coreografias do time, ela me falou que no Youtube, existem vários vídeos, que os próprios integrantes gravam mostrando as coreografias, eu achei aquilo fascinante, eu amei o k-pop. Paramos em um parque de diversões de uma cidade vizinha, não era muito movimentado porque nem todo mundo conhecia ele, brincamos em todos os brinquedos e como não tinham muitas pessoas, podíamos repetir várias vezes seguidas, andamos no carrinho de bate-bate, na montanha russa, entramos até na casa de terror, um fantasma tentou puxar Alessia mas ela bateu nele. Saímos correndo com medo dele vir atrás de novo, em busca de vingança. A cada momento eu gostava mais dela, ela me contou que já tinha trabalhado naquele parque antes de viajar para a Coreia, como a cidade não é tão populosa e conhecida, o parque é sempre parado. Eles poderiam até fechar por falta de clientes, fiquei triste com a notícia, pois havia adorado ele; em frente ficava uma praia, fomos até lá, tiramos nossos sapatos e caminhamos pela areia. Não sei como começou, mas quando vi estava correndo atrás de Alessia, tentando alcançar ela, entramos na água e começamos a nos jogar, ela me derrubou e ficamos encharcadas, não conseguia parar de sorrir. Compramos cerveja, alguns salgadinhos e cigarro, ganhei o hábito de fumar com a Candice, então assim que ela me ofereceu eu logo peguei. Ficamos na praia bebendo e conversando sobre a vida, música, televisão, nós tínhamos gostos parecidos, ela era a segunda pessoa que eu conseguia ser eu mesma, finalmente senti que tinha uma melhor amiga. Já era tarde, pedi para que ela me deixasse em casa pois meus pais já deviam estar preocupadas com a minha demora. Alessia me deixou na porta de minha casa às 22 horas, dei um beijo no seu rosto de despedida. Assim que saí do carro, percebi que Candice estava parada na árvore do jardim, me aguardando. Engoli em seco, ainda não estava preparada para vê-la depois do que havia acontecido, ela começou a andar em minha direção e colocou seu braço sobre meu ombro, mas sua atenção não era para mim e sim para Alessia.

— Não vai apresentar sua amiga, Selena? - ela continuava à encarar, parecia que eu não precisava apresentar pois elas já se conheciam.

— Ah, Alessia, essa é minha amiga, Candice - apresentei mesmo sem querer.

— Prazer Candice - vi Alessia mudar seu jeito, ela deu um sorriso sarcástico que eu reconheci, era o mesmo da Candice.

— Alessia, você conhecia a Candice, não é? - lembrei que na festa ela havia falado da Candice, com intimidade.

— Não, nos conhecemos, Candice? - novamente o tom sarcástico em sua voz.

— Estamos nos conhecendo agora - ela sorriu sarcasticamente, igual à Alessia, eu estava perdendo alguma coisa na nossa conversa.

— Selena, já está tarde, é melhor você entrar. Depois nós conversamos.

— Ah, sim. - me despedi das duas entrando em seguida. Não sei bem o que havia acabado de acontecer, mas algo me dizia que as duas se conheciam e muito bem, a Alessia já tinha falado sobre a Candice, e pelo tom de voz da Candice, ela já conhecia a Alessia, e bem, pois nunca tinha a visto tratar uma pessoa desconhecida dessa forma. Fiquei ansiosa e curiosa ao mesmo tempo, qual seria a história delas? Sabia que elas nunca iriam me contar como se conheceram, mas eu iria descobrir

. Candice on

Olhei a Selena entrando e fechando a porta, voltei minha atenção para a menina à minha frente. Não sei bem o que ela pretendia, mas ela ia acabar com isso agora.

— Fique longe da minha namorada, último aviso.

— Namorada? Wow - Alessia ria - você continua a mesma, né, Candice, você deveria me agradecer, se não fosse por mim, a polícia ia pegar sua namoradinha, drogada, sozinha e levá-la. E você não quer ver isso acontecer, não é? Ou esqueceu que...

Não esperei ela terminar de falar, voei em seu pescoço, a fazendo bater seu ombro na porta do carro.

— Se você se atrever a falar isso na frente da Selena eu vou...

— O que? - ela me interrompeu, sorrindo. — Você vai fazer o que? - ela voltou a rir. — Ah, Candice, você continua uma piada. - ela tirou minha mão de seu pescoço.

— Fica longe da Selena!

— Será que a Selena vai querer ficar longe de mim? - ela piscou. — Tchau, Candice. Até uma próxima.

Droga, xinguei baixo, passando a mão nos meus cabelos, o que vou fazer agora?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...