História The Heart Wants What It Wants - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Jimin, Menção¡yoonseok, Suga, Sugamin, Yoongi, Yoonmilla, Yoonmin
Visualizações 404
Palavras 4.069
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E aí, pessoinhas? 'u'
Pois é, aqui estou eu com um novo capítulo para vocês 'u'
Sinto muito não poder escrever nada melhor nas notas, é difícil me concentrar enquanto minha mãe tagarrla ao meu lado :3
Obrigada pelos favoritos, ok? ♡
*Boa Leitura*

Capítulo 12 - Uma solução


Coisas boas e ruins podiam vir com a tempestade, ao menos era isso que Jimin acreditava após o fim daquela semana.

Hoseok descobrira sobre o retorno de Yoongi naquela mesma manhã, e foi demasiadamente notável a expressão surpresa que lhe moldara a face e o deixara estático quando passara pela porta da cozinha e o encontrara sentado ao lado do mais baixo do grupo. Quase poderia ser considerado cômico a forma como todos os presentes olhavam com hesitação do moreno ainda parado à porta para o loiro com uma falsa expressão despreocupada, como se eles estivessem para começar a Terceira Guerra Mundial. Seria engraçado, se não fosse uma situação trágica para o grupo.

Suga comia de forma teatralmente tranquila, claramente ignorando a presença do rapaz que fora o estopim de toda aquela confusão – e por Jimin saber de toda a história, entendia perfeitamente a decisão de seu hyung, que a mágoa ainda estava muito fresca e a ferida aberta, e por isso ainda não podia conversar com o moreno sem acabar se deixando levar pelo ressentimento e ocasionar em uma discussão; entretanto, os outros garotos não sabiam da verdade e, vendo a expressão decepcionada de Hoseok e a frieza com que Suga o ignorava, poderiam julgar que o primeiro estava disposto à conversar e até mesmo perdoar o ex-namorado infiel, mas que este continuava a ser um babaca com ele.

Jimin não pôde evitar o olhar incisivo que lançou à Hoseok antes de voltar sua atenção para Yoongi, que lhe questionava sobre ajuda-lo com a produção de uma música cantando uma letra que produzira, e tal pedido realmente surpreendera o moreno mais baixo, pois quem conhecia aquele hyung, sabia que aquele singelo pedido era uma honra.

E assim os garotos acabaram se dividindo em grupos que Jimin nomeara como “nós” e “eles”.

Suga já não interagia com os outros rapazes, mesmo quando eles ousavam lhe dirigir a palavra, e era perceptível como sua relação com seus colegas de grupo havia sido profundamente abalada e tornara o clima do dormitório tenso – e quando Hoseok e Yoongi estavam no mesmo espaço, quase podiam cortar o ar denso que os rodeava com uma faca.

Em contrapartida, a relação de Jimin e Suga havia se estreitado mais do que um dia o moreno pudera sonhar durante esses anos, e talvez pudesse até afirmar que eram ainda mais próximos do que foram antes do debut.

Suga estava sempre consigo, conversando baixo sobre assuntos triviais ou mesmo sobre algumas das produções que planejava, oferecendo sorrisos discretos que pareciam demais para que o sensível coração do mais novo pudesse suportar; e quando estavam sozinhos, o seu hyung lhe oferecia leves afagos nos seus cabelos escuros que lhe traziam sensações confusas e engraçadas por todo o seu corpo, além de deixarem as pontas de seus dedos da mão dormentes e fazerem-no ficar sorrindo como um grande bobalhão.

Por ser o único que não era ignorado por Yoongi, Jin propôs um remanejamento nos quartos por não suportar mais o clima pesado que cobria o seu, o que Jimin sequer cogitou negar tendo a maravilhosa oportunidade dormir na cama ao lado da que pertencia à seu hyung favorito lhe sendo estendida de bandeja. Claro que ele sentiria falta de estar tão próximo a Taehyung e Jungkook, ainda eram seus melhores amigos, mas desde que todos escolheram de que lado ficar naquela situação, algo na amizade deles mudara e Jimin, assim como eles, pareciam estar a pisar em ovos para conversarem.

Embora não houvesse dito, Jimin notara através do quase imperceptível sorriso nos lábios rosados de Yoongi que ele gostara de o encontrar se organizando no espaço que antes pertencia à Seokjin.

Não se lembrava de dias melhores do que aqueles que compartilhara com seu hyung naquela semana, tendo a sublime liberdade de não apenas estar com Yoongi, mas também de conversar e rir com ele; e isso lhe trazia uma paz e satisfação pessoal que mal podia acreditar – sequer notara a magnitude de seu sofrimento com o afastamento do outro até finalmente tê-lo de volta. Claro que nenhum dos dois mencionava sobre aquela noite ou mesmo tocavam-se de forma romântica ou luxuriosa, era como se possuíssem um acordo tácito de manter os acontecimentos para si, talvez por ser uma lembrança preciosa e delicada que, por ser maleável, não devesse ser tocada para que não se alterasse na mente de ambos – se é que essa decisão pudesse ser compreendida, mas fazia muito sentido para Jimin.

Entretanto, isso não impedia que eles se flertassem levemente vez ou outra, embora ambos não ousassem atravessar aquela linha que delimitava a amizade que estabeleceram. 

A parte ruim de não discutirem sobre aquela noite era que Jimin começara a internalizar uma parte de si, adquirindo um hábito ou outro – como o de se distrair facilmente quando estavam assistindo à um programa ou a um filme, sentados lado a lado na cama de Yoongi com o notebook sobre as pernas dele e a cabeça do mais baixo apoiada sobre os ombros do outro. Também possuía aquela mania que considerava irritante, que se baseava em tentar decifrar cada olhadela que Suga lhe lançava quando julgava que não era notado, cada sorriso ou olhar que Jimin considerava diferente, que ao invés de levarem-no para uma solução, apenas lhe preenchia com mais incertezas; e isso lhe levava a mais um hábito que se tornara demasiadamente comum nos últimos dias, que era o de se encher de dúvidas quanto a tudo que envolvia o que eles passaram e o que possuíam naquele momento, e questionar-se incessantemente o que tudo aquilo poderia representar para Yoongi – Jimin não sabia se poderia acreditar que aquela noite foi realmente algo além de sexo ou se houve realmente um sentimento a mais, como ele identificara, algo além de tesão e prazer. Talvez tenha sido apenas ele, o tolo completamente apaixonado. 

O baixinho agora de cabelo loiro olhou furtivamente para o mais velho, que estava sentado ao seu lado após voltar do cabelereiro com suas madeixas recém-tingidas de castanho, o que realçou levemente o tom alvo de sua tez e o tornou ainda mais adorável, apesar daquela expressão estoica.

Eles estavam dividindo aquela poltrona de couro marrom na sala-de-estar, que só aportava os dois por Suga ter coxas muito menores do que as suas, mas ainda que estivessem um tanto espremidos, nenhum deles se importava o bastante para atravessarem a fronteira imaginária que polarizava o território do “nós” e “eles” afim de conseguir mais espaço.

Estavam claramente mais íntimos do que antes, todos podiam perceber e estar consciente deste detalhe deliciava Jimin, por mais egoísta que isso soasse levando em conta as circunstâncias que estavam enfrentando, mas ele simplesmente não conseguia controlar essa parte sua que julgava tão maldosa e que não o permitia regular suas interações com Yoongi quando Hoseok estava por perto; e o mais baixo não sabia se era por querer se exibir ou se era simplesmente por ter passado tempo demais privado do mais velho e agora não conseguisse se autopoliciar – esperava mesmo que fosse o último, pois senão poderia se classificar como um ser humano desprezível. 

Porém, Yoongi não parecia se importar com sua falta de discrição quanto à aproximação deles e até mesmo parecia seguir o exemplo, como naquele instante, que uma mão pálida de dedos esguios jazia sobre a coxa morena e farta que se apoiava sobre a perna do mais velho; e mesmo que esta estivesse com os dedos semifechados e meio de lado ao invés de estar segurando aquela perna com posse, como o loiro baixinho queria, sentia-se demasiadamente consciente daquele toque que fazia sua pele experimentar um formigamento quente – mas o castanho mais velho aparentava não se importar com aquilo, como se mantivesse sua destra ali por não haver outro lugar.

Jimin só podia torcer para não estar sendo usado pelo outro para provocar ciúmes em Hobi.

Do outro lado da fronteira, Seokjin e Hoseok estavam espalhados confortavelmente no sofá cor de chumbo, o que era quase uma afronta aos rapazes espremidos na poltrona, e detinham o controle remoto da televisão, por isso todos estavam assistindo um programa no Animal Planet que apresentava uma série de vídeos de animais fofinhos e engraçados – e a série de gemidos estranhos que Hoseok, Seokjin e Jimin soltavam por conta deles parecia mais cômico para Suga do que os bichos que passavam na TV, entretanto ele se permitia rir livremente apenas do mais novo dali, que sempre esticava os lábios em um bico gigante e o olhava com indignação, algo que parecia diverti-lo ainda mais.

– Não sei o que vê de tão adorável em um rato, Jiminie – ele comentou com um leve tom de humor, a voz em um volume que apenas o mais novo pudesse entender perfeitamente. 

– Aquilo é um Porquinho da Índia, hyung – corrigiu o loiro um pouco na defensiva, a voz deixando escapar um leve tom de indignação por estar sendo motivo de chacota para o outro.

Um canto dos lábios de Suga se ergueu minimamente, parecendo se deliciar com a reação indignada do outro por um assunto tão bobo – mesmo sabendo que de essência, Jimin estivesse daquele jeito por ter o mais velho rindo de si.

– Ora, para que dar um nome mais enfeitado para um rato? – inqueriu o castanho em provocação, enfatizando a última palavra.

Jimin bufou com a resposta de seu hyung, os lábios projetando-se para frente em um bico que fez Yoongi soltar uma risada baixa.

– Aish, por que você não vai rebolar a bunda em uma boate e me deixa em paz? – devolveu com rebeldia, cruzando os braços. 

O garoto mais velho soltou um breve riso nasal com a resposta revoltada do outro, e o loiro mais baixo estava começando a cogitar que lhe irritar fosse um dos prazeres pessoais do Min.

Então o sorriso nos lábios rosados de Yoongi se desmanchou lentamente enquanto seus olhos perscrutavam a face alheia daquele jeito que sempre enchia Jimin de duvidas quanto ao que aquilo poderia significar, e o castanho inesperadamente esticou uma das mãos pálidas, ajeitando a franja loira do cabelo de seu dongsaeng com a ponta de seus dedos elegantes, levando mil borboletas a alçarem voo no estômago do mais novo e a raiva anterior a desaparecer em um passe de mágica. 

– Você sabe que isso é mais a sua cara do que a minha – falou Yoongi em um tom divertido, parecendo não notar o leve rubor que coloria as maçãs do rosto alheias pelo ato repentino anterior, deixando sua mão cair sobre a coxa de Jimin outra vez. – É a sua bunda que todo mundo olha.

Jimin se engasgou com a própria saliva assim que seu cérebro assimilou as palavras do outro, tossindo compulsivamente enquanto seu rosto em brasa se tingia de vermelho com sua mortificação quanto ao que o mais velho lhe dissera, e o loiro notou como seu constrangimento não apenas surpreendeu Yoongi, mas também o divertiu. Lançou um olhar para o mais velho que era uma mescla de surpresa e incredulidade, mas o outro não pareceu se importar realmente com isso.

– Do que você está falando, hyung? – questionou Jimin com olhos arregalados e a voz subindo dois oitavos e se tornando mais aguda, a incerteza sobre se havia entendido bem o que o mais velho insinuava para si.

Yoongi deu de ombros com despreocupação, levando seus olhos para a televisão enquanto umedecia os lábios, parecendo apenas se preparar para a informação que ia disparar para cima do outro sem qualquer restrição.

– Que praticamente todo mundo fica vidrado olhando para sua bunda – falou de forma simplista. 

O queixo de Jimin caíra em seu colo, os olhos fitando Yoongi com assombro, mas o outro não parecia se importar com a maneira que era observado, manteve seu olhar no que se passava na tela da TV sem realmente prestar atenção ou aparentar se interessar – e o loiro se questionou como seu hyung podia dizer aquelas coisas vergonhosas sem demonstrar um mínimo traço de constrangimento.

Com o coração palpitando quase em sua garganta, estava para perguntar ao outro se ele estava incluso nessas pessoas que observavam sua traseira, mas logo Suga prosseguiu:

– Provavelmente você só perde para a de Taehyung – comentou casualmente. – As vezes, me pergunto como ele não nota os olhares indiscretos de Jungkook.

O constrangimento anterior fora completamente esquecido, dando lugar para a confusão que moldara suas feições, franzindo seu cenho e estreitando seus olhos enquanto observava a face do outro.

Yoongi bufou com a reação do mais novo.

– Você não pode ser tão lerdo, Jimin – falou com em um tom descrente, mas quando o mais novo desviara os olhos dos seus para buscar na memória algum indício do que seu hyung afirmara nesses anos de interação, o castanho bufou. – Céus, Park Jimin, como não notou? Aquele pirralho não é nada discreto. 

Jimin optou por apenas dar de ombros, ainda fitando o chão e divagando sobre cada instante em que estivera com ou próximo à Jungkook e Taehyung, concentrando-se especificamente nas ações e reações do maknae em relação ao melhor amigo; e quando não se impunha o bloqueio do “melhores amigos” em sua percepção, realmente os sinais de que era mais do que uma simples relação fraternal para o Jeon tornavam-se quase óbvias demais – mas ainda assim, não se lembrava de flagrar Jungkook olhando para a bunda do Kim.

– Eu nunca havia notado – comentou Jimin, um tanto distraído. – Sempre achei que Namjoon fosse o único que estivesse incomodado de estar na terrível Friendzone de Jin.

Yoongi fez uma careta incrédula um tanto hilariante por ser tornar-se tão expressivo de uma hora para outra.

– Namjoon? – questionou o castanho, parecendo não acreditar nas palavras de Jimin. – Eu duvido muito que ele queira ser mais do que um amigo de Seokjin. Dá pra ver pelo jeito que ele é hétero ‘pra caralho.

Jimin ergueu os cantos de seus lábios em um sorriso irônico. 

– Você também parecia hétero ‘pra caralho, hyung, e veja como nos enganamos.

Suga lançou um olhar entediado para seu dongsaeng, que não deixou de ser engraçado para o loiro que logo esticava seus lábios em um largo sorriso humorado que encolhera seus olhos, soltando uma risadinha baixa que apenas teve como resposta um revirar de olhos por parte do mais velho.

– De qualquer forma, eu não faço ideia de como o Tae não percebe – prosseguiu Yoongi, enquanto Jimin mantinha os olhos no chão e refletia sobre o quão cego fora por todo esse tempo. – Ele costuma ser bem perceptivo, mas não consegue notar que o amigo está louco por ele.

“Isso me lembra alguém”, pensou Jimin com um revirar de olhos sutil, antes de se voltar para o castanho com o olhar mais neutro que conseguiu encontrar no seu estoque.

– Talvez algumas pessoas só consigam perceber esses detalhes quando estão fora da situação – sugeriu, esforçando-se para soar imparcial e não deixar escapar qualquer indício de que não estava falando de Taehyung. – Pode ser mais difícil notar um amigo apaixonado quando se está envolvido, mesmo que as provas estejam bem debaixo do nariz.

Jimin olhou o outro diretamente naqueles orbes castanhos escuros que, embora fossem de uma cor bastante comum em seu país, eram tão únicos e lindos em sua singular profundidade cheia de mistérios, tão intensos que lhe desarmavam por completo – eles sempre seriam a sua perdição, fariam a sua máscara deslizar e levariam todas as emoções que escondia para a superfície, ainda mais quando devolviam seu olhar daquela maneira.

Um pigarrear se fez ouvir no recinto, o que acelerou os batimentos cardíacos de Jimin com a possibilidade de terem flagrado a forma com que ele olhava seu colega de grupo e que o próprio não parecia notar. Quebrando o contato visual, Suga foi o primeiro a desviar o olhar na direção do som que estourou aquela bolha que os isolava do mundo ao redor, e logo o loiro mais baixo fez o mesmo, encontrando Sejin parado a porta com uma postura tensa. Ele não aparentava ter notado a maneira com que o mais baixo olhava para seu hyung, na verdade, ele revezava seu olhar para cada face ali – principalmente a de Yoongi e Hoseok.

– Preciso que reúnam todos na cozinha em alguns minutos – falou com um timbre sério. – Será uma reunião rápida. 

Os rapazes assentem em concordância, já igualmente tensos com o que o mais velho tinha para dizer-lhes, então Sejin acenou com a cabeça brevemente antes de se encaminhar para o cômodo onde solicitara que todos fossem, sendo seguido em silêncio por Hoseok, Jimin e Yoongi – os dois últimos sentando-se nas cadeiras dispostas no final da mesa por escolha de Suga, estas as mais afastadas de onde o outro se sentara.

Ficara como tarefa de Jin chamar os outros rapazes do grupo para a tal reunião, não demorando muito para entrar no cômodo acompanhado por um Namjoon sério, que cumprimentava Sejin com um breve aceno de cabeça. Ambos se sentaram um de frente para o outro nos assentos próximos ao mais velho do recinto, parado na ponta da mesa, e trocavam alguns olhares preocupados.

O espaço estava em um silêncio completamente tenso, tal emoção pairando no ar de forma densa e quase palpável enquanto esperavam que Taehyung e Jungkook aparecessem para que pudessem dar início à reunião; e não demorou muito para que ouvissem a porta do dormitório ser aberta e fechada – mas levando em conta a ansiedade que preenchia todos eles, pareceram esperar horas a fio. Logo Jungkook e Taehyung passavam pela entrada, o maknae permitindo que o Kim passasse na sua frente, ao que Jimin e Yoongi trocaram um olhar significativo, sorrindo com humor em cumplicidade com a cena.

Após recepcionar os recém-chegados, o manager esperou que eles se acomodassem nos lugares restantes, tendo sete pares de olhos voltados para si com curiosidade e expectativa. Tomou um segundo de preparação antes de começar a falar:

– Serei breve quanto ao assunto. Vocês provavelmente já sabem do terrível engano que Hoseok e Yoongi sofreram e-

– Engano? – Interrompeu Jin, confuso, assim como todos os outros, exceto os mencionados e Jimin.

Sejin franziu o cenho para a pergunta do mais velho do hyung. 

– Sim, sobre a foto – mencionou o manager, como se esta fosse a chave que abriria o baú com a informação necessária para prosseguir, mas ao ver os olhares confusos e o chocado de Taehyung, olhou para a figura de indiferença fria que Yoongi portava para a encolhida de Hoseok. – Vocês não contaram?

Embora houvessem dois envolvidos naquela situação, todos os olhares se desviaram para a do rapper baixinho, que não pareceu se importar com a atenção dos outros e aparentava até mesmo ignora-los.

– Eles pareciam já ter chegado à uma conclusão – respondeu Yoongi com frieza. – Por que iria eu decepciona-los quanto a imagem que pintaram de mim?

Sejin pareceu notar só então como a relação entre os garotos e Suga estava abalada, chegando à conclusão de que provavelmente, por não saberem do que estava acontecendo, os rapazes culparam Yoongi por todas as atrocidades que as pessoas ao lado de fora faziam, e isso chateou o manager. 

Por vezes, ele se sentia como o irmão mais velho daqueles meninos, gostava de estar com eles e sentir que tinha como tarefa protege-los, pois todos eram pessoas maravilhosas e com uma amizade tão verdadeira que o deixava orgulhoso – talvez se sentisse um pouco pai também. 

Não podia deixar de se sentir chateado com a maneira rápida com que os garotos julgaram o próprio amigo sem nem ao menos perguntar o que realmente estava acontecendo – porque foi notório na fala de Yoongi que os outros sequer lhe perguntaram o que acontecera, apenas o tacharam como vilão – e ele entendia que talvez Hoseok estivesse envergonhado demais com sua atitude para contar o que fizera.

– Não posso dizer que não estou profundamente decepcionado com vocês, garotos – pronunciou-se Sejin, suspirando baixo e atraindo a atenção dos outros para si. – Acho que por se conhecerem há tanto tempo, deveriam ter julgado melhor o amigo de vocês – sacudiu a cabeça com decepção, então olhou para Hoseok, que permanecia de cabeça baixa. – E embora eu saiba que você está envergonhado, devia ter sido sincero e enfrentado as consequências de seus atos ao invés de permitir que eles julgassem mal o seu amigo – falou de forma dura, mas logo suspirou, tomando a postura de manager e não amigo/irmão mais velho. – Enfim, a foto do suposto beijo é inteiramente falsa, nem Yoongi e nem Hoseok nunca tiveram um relacionamento romântico pelas costas de vocês. O que aconteceu foi apenas que uma fã mal-intencionada tirou uma foto deles em um momento em que ambos estavam alcoolizados e de guarda-baixa. Nossos esforços para convencer a imprensa foram em vão e logo esses dois impulsivos colocaram um plano em prática sem nosso consentimento, e o tiro saiu pela culatra, desencadeando toda a confusão. 

Sejin deu uma pausa para que todos absorvessem a informação, observando como os garotos pareciam surpresos com sua revelação e constrangidos, olhando de maneira culposa para Yoongi, que cruzava os dedos sobre a mesa e os ignorava completamente.

Enquanto isso, Jimin olhava um tanto orgulhoso para seus amigos, pois não apenas havia dado a Suga o benefício da dúvida e o dissera sobre como sabia o tipo de pessoa que ele era – sendo recompensado com todo um desabafo que lhe pôs a par da situação – mas também por ter estado ao lado dele quando foi difamado injustamente pelos outros. Não podia dizer que não compreendia a atitude dos outros rapazes, eles também haviam se deixado levar pela calorosa atuação de Hoseok, e não esperaram muito para julgarem quem era o inocente e o culpado; mas até muitas fãs internacionais estavam agora se mobilizando a favor do rapper, exigindo uma oportunidade para ele se explicar sem julgamentos.

Também não podia culpar inteiramente Hoseok, sabia que ele se sentia mal com sua atitude, que não foi intencional, e que provavelmente deveria estar sendo corroído pela culpa do que fizera e com o medo de ser isolado por seus amigos; mas ainda assim Jimin se sentia chateado por Hobi apenas ter se calado para salvar a própria pele.

Antes que começasse uma sessão de pedidos de desculpas que claramente Yoongi refutaria, ainda muito magoado para sequer conseguir falar com os outros, Sejin continuou a falar.

– Eu estava em uma reunião com a diretoria – o manager parecia tenso outra vez, enquanto passava a mão pelos fios escuros e esforçava-se para se manter olhando nos olhos dos garotos. – Não podemos mantê-los isolados dentro do dormitório e adiar a agenda de vocês para sempre, mesmo que Suga ainda receba muitos comentários negativos na Ásia, no mundo Ocidental está bastante dividido, mas nenhum show de vocês é lá. Então, por vocês – olhou especificamente para Yoongi e Hoseok – já terem assumido esse relacionamento, não podemos desmenti-lo agora. Então o que foi acordado para amenizar esse assunto é... – Sejin desviou os olhos para a mesa por um instante, parecendo não concordar com aquilo. – Vocês terão que assumir um retorno no namoro de vocês.

Um silêncio praticamente pétreo se instalou no recinto pelos segundos que se seguiram, a maioria estupefata demais para dizer qualquer coisa sobre a solução encontrada - sequer Jimin soubera como reagir nos minutos que se seguiram, suas articulações congeladas e a boca escancarada, parecia que sua mente resolvera tirar férias ou fora para o inferno pelo resto do dia. Tudo que conseguia sentir nos minutos que se seguiram era o bolo que lhe apertava a garganta e aquela dor latente irradiando em seu peito, entrando em suas veias como um veneno que se espalhava pelo seu corpo com lentidão. Tentou segurar a postura, mas sua visão se tornou turva com as lágrimas que umedeciam seus olhos, e Jimin não conseguiu se manter ali por muito tempo.

Estava claro desde o início para o loiro que Yoongi possuía sentimentos por Hoseok, e manteve sua esperança de ser retribuído até então porque ambos se mantinham distantes, esperando que o castanho lhe visse como uma nova oportunidade; mas agora que a BigHit praticamente os obrigava a interagir como um casal, não havia dúvidas que Suga não abandonaria seus sentimentos passados por Hobi sendo constantemente exposto à personalidade incrível e iluminada do Jung.

Jimin sentia que não teria chances contra o outro naquela batalha pelo coração do hyung.

De cabeça baixa, Jimin empurrou a cadeira, pondo-se de pé, e após dizer um "licença" quase ininteligível, saiu dali o mais rápido possível com um "eu o perdi" ecoando em sua mente.


Notas Finais


VRAAAAAAAA!
Espero que tenham gostado do capítulo e que não me matem 'u'
E me perdoem por qualquer erro
Até a próxima o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...