História The heaven has a sea - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekhyun, Baekyeol, Chanbaek, Chanyeol, Fluffy
Visualizações 31
Palavras 2.781
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Fluffy, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ANNYEOOOONG
oi
bom, como tinha prometido para mim mesma, ia postar essa oneshot hj, no caso meu niver
mas tipo, é a minha primeira yaoi, minha primeira oneshot, então se tiver algo ruim me perdoem
vim tarde, mas vim pq fiquei o dia todo fora e só consegui postar agr, mas dps, quando não estiver com tanto sono, vou revisar direitinho (pq ta dificil revisar com sono)

Capítulo 1 - Capítulo Único


 

Sombra.....
substantivo feminino
obscuridade produzida pela interceptação dos raios luminosos por um corpo opaco.

Porque todos tem medo da sombra? Algum dizem que é por que ela sempre vai estar com você. Mas isso não é algo bom? Não é feliz saber que mesmo se o mundo te deixar, pelo menos ela vai estar com você? A sombra não é apenas a ausência de luz?

Mar...
Algo tão lindo e pacífico. Todos gostam e querem estar perto. As ondas que vão e vem, levam todas as suas preocupações para longe, te deixando extremamente hipnotizado pelo movimento calmante. Olhar o mar sempre foi a coisa que sempre amei mais na vida.

Porque eu não posso ser um mar?

Andava pelo corredor frio e vazio da escola. Todos ja haviam deixado o lugar ao ouvir o sinal estridente tocando. Apenas eu continuava nesse lugar.  Esperava a escola se esvaziar por completo, para ser o último a sair e não precisar de mais cicatrizes feitas por palavras de ódio e sem sentimento.

Voltei a andar sobre o piso branco, que foi limpo a pouco tempo. Tinha dó de pisar naquele chão tão brilhante, por isso ando na ponta dos pés, quase flutuando. As tias da limpeza achavam que isso era uma atitude muito doce, elas sempre acabam rindo e me elogiando.

Passado....
Algo que pode ser seu sonho doce ou seu pior pesadelo. Porque isso nos assombra de um modo corrosivo? Alguns segundos que os outros causam, te destroem de um jeito que você sente que não existe mais forças para continuar. Todos gostavam de mim... Porque não mais?
De cabeça baixa, saio da escola, logo depois ouvindo o portão principal ser fechado, assim indicando que, novamente, eu tinha saido junto com o último funcionário que restava na escola.

Eu era como uma sombra. Todos sabiam de minha existência, porém tinham medo. Minha consciência esta limpa. Sei que nunca fiz nada do que sempre disseram.

Meus pais foram assassinados quando eu tinha treze anos. Meu próprio irmão os matou. Diziam que eu era o culpado por meu irmão se matar logo depois e só eu sobrar no local.

Meus pais viviam brigando, um pai bêbado e uma mãe que não aguentava mais a sua vida. Meu irmão sempre apanhava em meu lugar, ele dizia que eu nunca deveria receber um arranhão por eu ser bonito demais, ele tentava ver um riso nos momentos mais difíceis.

Quase fui preso, mas encontraram uma carta do meu irmão que confessava seu crime. Ele escreveu aquilo antes de morrer e mesmo assim alguns achavam que eu havia escrito e forjado um assassinato em minha família.

Passei anos convivendo com a rejeição. Tentativas falhas de mudar de escola. Foi realmente ruim metade das pessoas acreditando em suas palavras e outras pessoas simplesmente te xingando e fazendo sua vontade de viver diminuir cada vez mais.

O bom de tudo em toda essa desgraça é que ganhei pais novos que não bebiam e não me machucavam.

Antes, todos me achavam uma criança doce, carinhosa e que era difícil de achar iguais. Sempre era o preferido dos professores, sendo assim motivo de inveja para as outras crianças.

Antes, todos aceitavam normalmente minha sexualidade, mas após o incidente, isso virou motivo de bullying por todos da sala. Eu ja estava cansado de ser machucado por palavras tão ruins. 

Eu era, e ainda sou, um garoto sensível, que sempre recebeu amor de todos a sua volta e do nada, simplesmente, tudo que recebia era ódio.

As pessoas pareciam não ligar se isso iria me  afetar ou não. Na verdade, parecia que queriam me ver o pior possível.

Como eu não tinha parentes próximos que queriam ficar comigo, comecei a morar na casa ao lado. A casa dos sonhos. Pais perfeitos e um filho e uma filha muito legais, que no caso era meu melhor amigo, que nunca duvidou de tudo que disse.

Os pais do meu vizinho, que sempre estava brincando comigo, independente da situação, me cuidaram como se fosse seu próprio filho. 

Sempre que o sinal batia, um sorriso surgia em meu rosto. Poderia voltar para casa e encontrar o garoto com orelhas grandes que sempre amei. 
Ele me fazia esquecer de toda a agressão que sofria na escola, tanto verbal como física.

Ninguém naquela casa sabia sobre o que se passava na escola. 

Achavam que eu era só um pouco triste por causa de meus pais, mas na verdade não.

Eu só estava cansado de tudo, que daria de tudo para um recomeço

Até porque, sempre fui um menino esforçado e que adorava ouvir o "E como sempre, Byun Baekhyun com a nota mais alta da sala!", isso fazia falta...
>><<

O horário de aula havia acabado e eu só queria sair dali logo, mas como sempre o que eu  quero não importa. Já estava virando rotina. Kim YoungDo e os outros, que não sei como suportam esse demônio, estavam me esperando novamente ao lado de fora 

-Ei! Não sabia que viadinhos de merda podiam usar o portão principal!- Ao terminar a frase seus "seguidores" riram de modo irritante.
Eles diziam que eu deveria sair pelos fundos da escola para não passar vergonha.

Tentei ignorar, mas ao chegar na esquina, Youngdo puxou me braço me levando até uma rua menos movimentada que tinha por ali.

Eu sabia que gritar por ajuda não ajudaria em nada, na verdade pioraria minha situação, anos de experiência.

Meu presente de aniversário acabou sendo novos machucados. Quando eles saíram, decidi me levantar e vestir meu moletom que havia sido tirado algumas horas atrás durante a educação física.

Andei até minha casa com a cabeça baixa e Heaven- Troye Sivan tocando nos fones. Acho que Youngdo deveria ouvir essa música já que sempre diz que eu nunca vou ir para o céu se continuar sendo gay.

Quando cheguei na frente da minha casa, larguei minha mochila na parte interna da pequena sacada. Atravessei a rua e fui em direção às pequenas ondas que se formavam.

Com seis anos pedi para meus pais para nos mudarmos para uma cidade de praia, onde pudesse ficar observando os movimentos que nunca mudam e nunca me cansam. O mar  é a coisa mais linda que já vi, tirando Chanyeol.

Sentei em um banco e fiquei observando tudo a minha volta. Pessoas se divertindo com suas familias, crianças fazendo seus castelos de areia, ondas indo e vindo. Mas um dia normal como os outros.

Senti uma presença ao meu lado encostar-se em meus ombros. Eu ja sabia quem era. Esse cheiro fazia meu coração palpitar de um modo único.

Vi um envelope em cor azul bebe se pousar em minha coxa e ele fazer um leve carinho ali.

-Feliz aniversário Baek!- peguei o envelope que dentro tinha uma pulseira prata com um único pingente preso à pulseira em forma de concha.

Logo que vi o seu presente, ele se afastou e começou a colocar em meu pulso, só ai percebi que em seu pulso também havia uma igual.

Ele sabia que tudo que era relacionado a mar, me fazia bem. Era minha coisa preferida de toda a vida.

Olhei em seu rosto pela primeira vez e vi seus olhos enormes com um brilho que me fez sorrir. Ele parecia uma criança...

Só que de quase dois metros.

Depois de alguns minutos, entramos em casa que dentro havia um cheiro maravilhoso de lasanha.

Meu senhor, me segura, se não é hoje que eu viro uma bolota gorda
>> <<

Estava deitado sobre a cama grande com cobertores cinzas, vendo algum anime aleatorio que passava na tv. No canto do olho consegui ver a silhueta de um garoto enorme enxugando os cabelos com uma toalha branca, que logo foi parar na minha cara.

-Ei! Sai da minha cama!- fiz uma cara meio brava e resmunguei algo

-Chan, hoje é meu aniversário, dê um desconto- falei um pouco manhoso com um bico nos labios -Você sabe que no meu quarto não tem tv.

-Não!- se aproximou e começou a fazer cócegas em minha cintura. Mas, eu realmente queria estar rindo.

Meus olhos lacrimejaram ao suas mãos quentes tocarem meus machucados recentes, feitos algumas horas atrás.

Nos primeiros segundos, ele não notou, mas quando os olhos lacrimejados se tornaram choro, ele se afastou rápidamente me olhando com um semblante preocupado e confuso.

Limpei minhas lágrimas na tentativa que não piorasse a situação. Adiantou algo?

Não.

Sua cara estava completamente confusa. Ele tentou levantar minha blusa mas eu segurei ela impedindo que fosse levantada. 

-Baekhyun, me deixa ver -ele ficou sério e eu recuei lentamente minhas mãos da blusa.

Ele lentamente levantou parte da camiseta largada que usava.

-O que é isso Baekkie?- sua voz estava um pouco tremula e esbanjando preocupação. Um dos motivos por não contar nada para ninguem, me sinto culpado quando ficam mal por meus problemas.

-Não é nada, apenas cai da bicicleta ontem-falei tentando ser indiferente e tentar mentir bem. 

-Baekkie... Você sabe que eu te conheço melhor que ninguem! Só me diz a verdade...

-Chanyeol... -ele pareceu meio assustado pela forma que o chamei, tipo, eu nunca o chamo pelo nome. - Por favor não... Eu to bem.

Mas logo ele relaxou e veio em minha direção segurando meus ombros. Deixou um leve selar em minha testa.

-O que esta acontecendo?

Não respondi, apenas deixei o choro baixinho por ele ter mexido em feridas tão profundas que eu só queria que cicatrizassem

Ele me abraçou e afagou meus cabelos em uma forma de proteção.

-Se não quiser, não precisa me falar...- o interrompi

-Não... Tudo bem. Você sabe que desde que tudo aquilo aconteceu muitos tem medo de mim, mas eu nem mesmo fiz nada para isso! Porque ninguém acredita no que eu digo?  Meu irmão se sacrificou para meu bem, mas parece que não esta dando certo! - suspirei- Os que não tem medo me fazem ter medo deles, me batendo e fazendo essas marcas psicológicas e físicas..

-Mas.... Porque você nunca me contou nada disso?!- pela sua voz, ele iria começar a chorar logo

-Eu não queria que você se preocupasse...

-Seria melhor se tivesse me contado... Eu ia quebrar a cara de todos que te feriram. Um por um. Você nunca mereceu isso Baekhyun, você é e sempre foi alguém que merece todo o carinho e amor do mundo, essas pessoas que não possuem sentimentos, um dia as consequências vão vir. São apenas jovens que não recebem a atenção que queriam. Como você acha que vão conseguir algum tempo com seus pais? Com certeza não é quando tirarem um dez na prova, e sim quando acabarem na diretoria.

Eu realmente comecei a pensar melhor sobre suas palavras sinceras. Talvez ele realmente tivesse razão.

-Vamos dormir um pouco, seu dia deve ter sido cansativo

Disse andando até a cama e logo depois deitando. Me deitei ao seu lado depois de apagar as luzes. Ele me abraçou me deixando sentir seu calor humano.

I'm not perfect but I swear (Eu não sou perfeito, mas eu juro)
I'm perfect for you (Sou perfeito para você)

 

Sua voz rouca e grave começou a cantar uma melodia calma e suave de uma música considerada uma de minhas preferidas.


And there's no guarantee (Não tem nenhuma garantia)
That this'll be easy (Que isso vai ser fácil)
It's not a miracle you need (Não é de um milagre que você precisa)
Believe me (Acredite em mim)
Yeah I'm no angel (Eu não um anjo)
I'm just me (Sou apenas eu)
But I will love you endlessly (Mas irei te amar eternamente)
Wings aren't what you need (Asas não são o que você precisa)
You need me (Você precisa de mim)

Eu já estava quase dormindo a quando ele terminou de cantar.

-Eu te amo muito Byun...-sussurrou
(...)

Hoje vamos nos mudar. Chanyeol falou com seus pais e decidimos que seria melhor se pudéssemos recomeçar em outro lugar, onde a história seria ocultada e eu pudesse viver em paz.

Nós vamos para a cidade em que o primo dele mora... Como é o nome dele mesmo? Alguma coisa com "soo" no final, tanto faz, mas vamos passar alguns dias na casa desse primo já que o caminhão de mudanças vai demorar, e nós vamos de avião.

Eu estava guardando meus livros, no caso muitos, em uma caixa quando alguem abre a porta (se diz quase quebrar ela) quase gritando.

-Aaaaah estou tão feliz! - ele veio pulando em minha direção e me "abraçando", porque acabou com dois retardados deitados do chão rindo

-Que horas nós vamos sair de casa?

-Acho que você esta meio atrasado, já que vamos sair daqui uma hora -quem me olhasse agora não ia saber que sou asiático

-Como assim uma hora!!??- corri e comecei a arrumar as coisas rapidamente, já que ainda faltava bastante- Cacete, caralho, puta que pariu, porque você não me avisou antes!

Comecei a correr de um lado para o outro jogando algumas coisas na mala e outras em caixas.

-Ei! Me ajuda logo aqui porra!

-Hum, o Baekkizinho ta estressado!- um sapato acabou voando na cabeça dele e ele veio me ajudar resmungando
>><<

Estavamos nos mudando para Seul porque lá também tem praia e porque Chanyeol gostava de lá; eu nunca tinha ido, mas por suas varias histórias de infância, me parecia bem legal.

No carro eu estava com a cabeça encostada na janela com só um lado do fone, quando percebo que o Chanyeol pegou o outro lado e descansou sua cabeça em meu ombro.

Dei um pequeno sorrisinho. Eu gostava dessa proximidade, mas sempre achava que ele poderia ouvir o barulho de meus batimentos, de tão alto.

Ele se desencostou alguns minutos depois e começou a fazer carinho em meus cabelos. Era tão gostoso sentir seus dedos macios se entrelaçando em meus fios de cabelo que eu fechei meus olhos e sorrir meio bobo.

-Você parece aqueles gatinhos fofinhos que ficam pedindo carinho o dia todo, é tão lindo

Eu fico sem jeito quando alguém me elogia, então apenas sorri e abaixei meu rosto levemente corado.

Ele levantou levemente meu rosto com seus dedos e ficamos trocando contato visual por um tempo até ele me abraçar.

É incrível que quando eu fico perto dele, toda a minha sombra some e me sinto como um lindo mar limpo com ondas calmas.

Eu estava deixando cair algumas lágrimas solitárias. Não gostava de pensar que não podia ser o mar bonito sempre, mas também ficava feliz em saber que pelo menos poderia me sentir refugiado em uma pessoa.

-Baekkie...- afastou um pouco o abraço mas ainda acabou mantendo uma distância pequena entre nossos rostos- Sabia que eu sempre vou te amar né?- passou seu polegar em meu rosto limpando uma lágrima

-Eu sei, porque eu também vou te amar para sempre.

Ele sorriu e deixou um leve selar em meus lábios. Foi tão suave que parecia que eu estava beijando uma núvem, mas pera.

Porra, ele ta me beijando.

CARA

ELE TA ME BEIJANDO

Calma, respira
expira
respira

AH FODA-SE 

Já posso ir para o céu 

me leva G-Dragon

Quando senti a ponta de sua língua molhando meus lábios finos,  entendi seu recado e abri levemente meus lábios deixando sua língua invadir minha boca fazendo um leve arrepio correr pelo meu corpo.

Sua boca tinha um gostinho leve de baunilha, eu não tinha vontade de parar

Isso é mesmo verdade?

-Será que os pombinhos poderiam parar de se pegar?- Falou a Yoora e eu acabei me separando rapidamente olhando para o lado. 

Tinha até esquecido que a família dele estava lá também. Todo mundo rindo da minha cara, eu estou sendo traido?! É isso mesmo? Até o Chany estava com a mão cobrindo um semi-riso de "cara, você esta fazendo cosplay de tomate"

Fiz um bico de ofendido e virei para o lado da janela fazendo birra.

Bando de traidores
>><<

Faz exatamente um ano que eu e Chanyeol estamos namorando. Muita coisa aconteceu nesse tempo que passou.

Eu acabei me declarando para ele, mas tudo que ele fez foi me beijar e retribuir todos os meus sentimentos.

Comecei  a perceber que todos os comentários ruins que recebi não passavam de palavras vazias que precisavam ser ignoradas, então realmente percebi que posso sim ir para o céu

Terminamos a escola e começamos nosso tão esperado futuro, fazer faculdade de psicologia juntos.

O lugar onde nos mudamos era realmente lindo, que estava sendo observado em uma linda noite de agosto por nós dois.

-Chan, será que no céu existe um mar? Se sim, o mesmo vai ser observado por mim todos os dias.

-Fique tranquilo... Ele vai ter sim

-Como você tem tanta certeza?

-Porque você é meu mar.


Notas Finais


bom... é isso hebcnws
aaaaa
que finalzinho fofo
que raiva
da vontade de apertar
Bom, se tiver algum erro, ou algo para melhorar, me avisem por favor
Até :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...