História The Heir Of The Crime. - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arlequina (Harley Quinn), Batman, Cameron Monaghan, Esquadrão Suicida, Gotham, Harry Styles, Jared Leto, Justin Bieber, Margot Robbie
Personagens Alfred Pennyworth, Avril Lavigne, Barbara Gordon, Bruce Wayne (Batman), Cameron Monaghan, Canário Negro, Carmine Falcone, Cassandra Cain (Batgirl), Comissário James "Jim" Gordon, Coringa (Jack Napier), Dick Grayson, Dr. Jonathan Crane (Espantalho), Dr. Thomas Wayne, Edward Nygma, Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Harvey Dent (Duas-Caras), Jared Leto, Jason Todd, Jerome Valeska, Lucius Fox, Margot Robbie, Martha Wayne, Oswald Chesterfield Cobblepot (Pinguim), Pamela Lillian Isley / Poison Ivy (Hera Venenosa), Personagens Originais, Sarah Essen, Selina Kyle (Mulher-Gato)
Tags Batman, Esquadrão Suicida, Harley Quinn, Selina Kyle, The Joker
Visualizações 688
Palavras 4.856
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi minhas puddinzinhas e puddins.
Eu estou de volta com um capítulo fresquinho para vocês. Tem uma parte do capítulo que foi feita pela a usuária ~Cobrajerome.
Eu espero que vocês gostem desse capítulo. Eu quero agradecer pelos 288 favoritos e 412 comentários.
(E quem quiser entrar no grupo do whatssap ainda tem vagas é só deixar o número do celular é o nome )

Capítulo 36 - Capítulo 33.(+18)


Fanfic / Fanfiction The Heir Of The Crime. - Capítulo 36 - Capítulo 33.(+18)

POV HOPE.

⚜⚜⚜⚜⚜⚜

 

Quando voltei para casa. Já eram 03:20 da madrugada, a casa estava escura o que indicava que todos estavam dormindo, mas eu estava enganada, assim que acendi a luz da sala, encontrei Jerome sentado no sofá, com uma faca na mão.

- Onde estava? - Ele perguntou sem tirar sua atenção da faca.

- Andando por aí! - Eu o respondi séria.

- Não faça mais isso. Seu pai não quer que você saia de casa! - Jerome mandou agora se levantando do sofá e largando a faca na mesinha.

 

- Eu estou pouco me fodendo para meu pai! - Eu falei com raiva e cruzando os braços. - Você não manda em mim Jerome. Eu faço o que eu quiser, quando eu quiser, e onde eu quiser! - Eu falei encarando os seus olhos azuis esverdeados sem medo algum. - Eu não sou sua! - Eu falei dando um sorriso, e então me virei para sair subindo as escolas, mas eu podia sentir sua raiva atrás de mim.

Assim que cheguei ao meu quarto, tomei outro banho para tirar a água salgada do meu corpo. O engraçado que toda aquela sensação de tranquilidade foi embora assim que eu voltei. Quando sai do banho, fui até o closet e escolhi uma calça de moletom preta, uma regata roxa, e deixei meus cabelos verdes soltos. Quando voltei do closet, tomei um susto ao encontrar Jerome sentado na minha cama.

- O que faz aqui? - Eu perguntei parando no batente da porta do closet.

- Eu vim ver você! - Jerome respondeu brincando com a faca que estava com ele lá na sala. - E também te deixar um pequeno aviso! - Jerome completou se levantando da cama.

- Saia do meu quarto! - Eu mandei séria e apontando para a porta.

- Escuta Hope, eu sei que você está sofrendo e tal e blá... Blá... Blá... Mas da próxima vez que você tentar me desafiar, as coisas não vão ficar muito boas! - Jerome falou apontando a faca para mim.

Eu dei uma risada, então com magia, joguei a faca longe, aproveitei e fiz ondas de choque no seu cérebro.

- Eu não gosto de quando me ameaçam! - Eu falei sorrindo, e então parei de usar a magia.

- Agora saia do meu quarto! - Eu mandei abrindo a porta do quarto com magia.

- Você se faz de durona, mas por dentro é uma garotinha com o coração rejeitado! - Jerome falou parando bem na minha frente com um sorriso diabólico no rosto.

 

- EU MANDEI SAIR!! - Eu gritei com raiva então empurrei Jerome com magia fazendo ele bater na parede do corredor com força, mas eu pouco me importei, apenas fechei a porta com força.

Eu respirava fundo. Eu estava com muita raiva. Eu podia sentir meus olhos vermelhos.

"Mate-o"

"Sangue"

"Faça o sofrer"

"Os humanos não merecem você"

"Mate todos eles"

"Sem dó"


"Não faça isso mamãe"

Ouvi a voz na minha cabeça me fazendo relaxar. Dei um suspiro sentindo meu corpo relaxar. Minha convivência com Enchanchess estava piorando. Ela parecia ter raiva de humanos. Ela queria a morte. Ela queria sangue nas mãos. Agora eu entendia por que June Monne não suportava ela, mas agora ela estava livre e por ironia do destino essa maldita bruxa me possuiu, mas ela sabia que eu tinha um ponto fraco e esse ponto fraco era meu filho. Ele/Ela era a única coisa que me deixava calma. Eu ainda me surpreendo com essa voz de criança na minha cabeça, acho que era impossível ter esse tipo de ligação com o bebê.

 

"ESTÚPIDA"

 

"GAROTA IDIOTA"

 

"MATE ESSA PRAGA QUE VOCÊ CARREGA E VENHA SER LIVRE"

 

- AHHHHHH!! - Eu gritei de raiva colocando as mãos em minha cabeça sentindo ela doer.

Corri até a parede mais próxima e bati a cabeça com força. Cai no chão sentindo algo liquido e quente escorrer na minha testa, coloquei minha mão no local e vi que era sangue. Em vez de eu correr ou chorar por causa da dor, a minha reação foi totalmente surpreendente, eu comecei a gargalhar como se fosse uma grande piada.

- Hope, eu estou pensando em pegar um taco de baseball para te bater. Oque você tá fazendo...? - Alice perguntou entrando em quarto com uma cara de sono, mas sua reação foi de surpresa e horror. – Hope, sua maluca! - Alice exclamou surpresa. - O que você tem na cabeça? - Alice perguntou vindo ao meu encontro.

- Cabelos!! - Eu respondi rindo que nem um bebê.

- Você não está bem! - Alice falou olhando minha testa. Que provavelmente já estava curado o ferimento. - Vem, vamos tomar algum remédio! - Alice falou tentando me levantar.

- NÃO!! - Eu gritei a jogando na parede do quarto.

- JEROME!! - Alice gritou chamando por Jerome.

- Vocês são tão patéticos. A raça humana é patética e precisa ser destruída! - Eu falei sorrindo com uma voz diferente.

Espera um pouco. Aquela não era minha voz. Era da Enchanchess...

- JEROME SOCORRO. A HOPE ESTÁ POSSUÍDA PELO O SATANÁS!! - Alice gritou com medo.

O ruivo entrou no quarto, olhando para mim com um sorriso malicioso no rosto, devido eu estar agachada no chão com a metade do rosto coberta de sangue e um sorriso diabólico no rosto.

- O que está acontecendo? - Jerome perguntou para Alice sem tirar os olhos de mim.

Seus olhos tinham um brilho, ele parecia estar fascinado comigo.

- Eu acho que ela está possuída pela bruxa! - Alice respondeu ficando atrás de Jerome.

Então eu comecei a rir e fiz um sinal de silêncio com o dedo indicador.

- Enchanchess ... - Eu sussurrei sorrindo, então em questão de segundos eu estava vestida com as roupas de bruxa.

Eu usava apenas um vestido preto transparente, mas ele tinha uns desenhos com um brilho preto que tampava meus seios e minhas partes íntimas.

- AHHH AGORA FODEU!! - Alice gritou com medo tirando de dentro do roupão uma pistola. E apontando para mim/Enchanchess.

- Hope, se você estiver aí? Por favor, me dê um sinal! - Jerome pediu olhando para mim.

(N/A: Gente as letras "E" Significa Enchanchess e "H" Hope e por enquanto essa briga e nos pensamentos de Hope.)

 

H: Por favor. Para com isso.

E: Cala a boca.

H: Você está fora de controle.

E: Se você continuar falando, eu mato sua criança.

 

POV AUTORA.

                          ⚜⚜⚜⚜⚜⚜⚜

Hope permaneceu quieta, ela não podia arriscar a segurança da sua criança. Enchanchess deu um sorriso diabólico e cumpriu o que ela prometeu, ela conseguiu fazer Hope ficar quieta, ela estava no controle agora.

Então Enchanchess se teletransportou para o quarto do Jake, encontrando o pequeno palhaço dormindo.

H: O que pensa que está fazendo?

E: Sua mãe e sua turma arrancaram meu irmão de mim. Agora é minha vez de retribuir o favor.

H: NÃO.

Então Hope tentou retomar ao controle fazendo a cabeça de Enchanchess doer.

H: NELE VOCÊ NÃO VAI TOCAR.

As duas travavam uma batalha dentro do mesmo corpo. Hope conseguiu tomar o controle e se teletransportar para a floresta perto da sua casa. Hope caiu no chão cheio de galhos e folhas, e acabou ficando um pouco suja, devido ao teletransporte Hope acabou desmaiando.

 

****

 

Ela acordou puxando o ar para seus pulmões e se sentou à mesa. Colocou a mão na barriga aliviada por saber que seu filho estar bem. Olhou em volta e percebeu que estava numa espécie de sala, acabou reconhecendo o lugar. Era a sala do Complexo. O lugar onde ela e Harry moravam. Ela ouviu passos e olhou para o lugar da onde vinham os sons de passos.

Era a própria Enchanchess com sua verdadeira aparência.

 

POV HOPE.

 ⚜⚜⚜⚜⚜⚜⚜

- Onde eu estou? - Eu perguntei me levantando da mesa e me afastando da mulher.

 

Ela sorriu e se telestranportou para trás de mim. Então ela me sufocou com seu braço em meu pescoço.

- Isso minha querida, é meu inferno particular! - Enchanchess respondeu a minha pergunta.

- Não. Você está morta... Então eu...! – Eu falei, mas parei quando percebi uma coisa. - NÃO... O BEBÊ!! - Eu gritei negando com a cabeça aquela hipótese.

- O bebê? - Enchanchess perguntou então deu uma risada falsa. - Ela não tinha chance. Você teve a coragem de juntar com aquela linhagem!! - Enchanchess falou sorrindo. Então eu dei um grito e torci o braço da bruxa.

Peguei um pedaço de ferro e batendo no rosto da própria fazendo ela se afastar.

- Ela não morreu, eu não morri. Se não você não estaria tentando me matar! - Eu falei com raiva e com os olhos vermelhos.

Enchanchess olhou para mim com um sorriso diabólico.

- Desiste Enchanchess... Eles já te venceram. Você morreu! - Eu falei me afastando da bruxa.

- Eu sou uma deusa. Eu estou habitando seu corpo. Quem você acha que morreu? - Ela perguntou sarcástica.

Então eu quebrei um pedaço de madeira da escada.

- Fica longe de mim! - Eu alertei subindo as escadas devagar e olhando atentamente para a bruxa.

- A criatura nunca teve chance. Seu pai irá matar essa coisa que você carrega no útero. É melhor que você e ela morram agora! - Enchanchess falou então se telestranportou novamente ficando no segundo andar da escada.

Rapidamente pulei a escada caindo perfeitamente no chão e olhando para cima. Enchanchess pulou do segundo andar parando na minha frente, então eu dei um giro e enfiei a estaca no coração da bruxa que caiu no chão gritando.

- Minha filha terá um privilégio que eu nunca tive. Ela nunca, jamais vai conhecer você! - Eu sussurrei com raiva no ouvido dela.

 

****

 

Então eu acordei puxando o ar para meus pulmões. Eu estava deitada no chão da floresta.

- Hope? - Alice perguntou vindo até mim me ajudando a me sentar.

- Tudo bem meu amor! - Jerome falou ao meu lado e sorrindo.

- Eu a vi. Ela tentou me matar! - Eu falei em choque recebendo os olhares confusos de Jerome e Alice. - Eu vi a Enchanchess! - Eu respondi olhando para Jerome.

- O que? - Alice perguntou confusa e surpresa.

- Ela disse coisas horríveis. Tentou matar eu e o bebê! - Eu falei me abraçando por conta do medo.

- Caramba. Então aquilo tudo no quarto era a Enchanchess? - Jerome perguntou surpreso.

- Sim. Ela conseguiu dominar meu corpo! - Eu respondi sua pergunta.

- Mas vocês estão bem? - Alice perguntou preocupada.

- Sim. Eu e o bebê estamos bem! - Respondi balançando a cabeça possivelmente. - Por quanto tempo eu apaguei? - Eu perguntei com a mão na cabeça.

- Umas duas horas! - Alice me respondeu. - Te achamos faz alguns minutos! - Alice completou me deixando surpresa.

- Consegue andar? - Jerome perguntou.

- Não! - Eu respondi olhando para minhas mãos.

- Deixa eu te ajudar! - Jerome falou passando a mão em minhas costas e nas minhas pernas, me pegando no colo.

- Eu te peguei amor. Eu peguei você! - Jerome sussurrou em meu ouvido enquanto eu encostava a cabeça em seu peito.

- Jake. Ele está bem? - Eu perguntei preocupada.

- Sim. O Mini-Gangster está ótimo! - Alice respondeu minha pergunta enquanto andava atrás de nós.

 

****

 

Quando chegamos em casa novamente, eu tive que tomar um outro banho só que dessa vez eu preferi tomar um banho na banheira. Depois fui até o closet coloquei uma calça de moletom preta e uma regata azul escuro.

Fiquei sentada na cama, com as pernas cruzadas em forma de índio, estava pensativa. Eu tinha que tomar uma decisão para proteger a todos. Fui tirada de meus pensamentos quando ouvi passos.

- Jerome? - Eu chamei o ruivo que entrava no quarto.

- Eu vim me desculpar. Foi por minha causa que você quase morreu! - Jerome falou se desculpando com as mãos atrás das costas.

- Tudo bem, não foi sua culpa. Eu estava com esse conflito com Enchanchess há bastante tempo! -Eu falei mexendo os ombros.

- Por um momento eu achei que tivesse perdido você. - Jerome falou meio desconfortável.

- Não. Você estava com medo do meu pai te matar. Você não se importa comigo ou com ninguém! - Eu falei séria e dura. - E se você estiver sentindo, sei lá, qualquer coisa por mim, desista. Eu cansei de sofrer por homens!- Eu falei com raiva e olhando fundo nos olhos do ruivo que parecia um pouco surpreso com o que eu disse.

- Eu sou uma mulher Jerome. Eu sofro, eu me machuco, eu sangro. Eu sou a filha do diabo. Eu tenho um dom do submundo correndo em minhas veias. Aquilo que você viu é apenas uma pequena parte do meu dom. Eu tenho pessoas que querem me controlar. Eu preciso ser forte. Essa cidade é minha. Eu nasci em Gotham City. Eu tenho sangue nas mãos antes mesmo de eu vir ao mundo. Eu vou ser a rainha do submundo de Gotham. Eu tenho um legado nas mãos. E eu não vou deixar ninguém me derrubar. Eu posso chorar às vezes e cair, mas sempre vou me reerguer, porque eu sou Hope Quinzel. Eu sou uma sobrevivente. - Terminei de falar percebendo que Jerome estava com um sorriso no rosto.

 

- Eu acho que somos iguais Palhacinha. Somos duas pessoas sobreviventes nesse mundo cruel. - Jerome falou vindo até mim fazendo um leve carinho na minha bochecha. - Mas agora somos livres. O que eles chamam de sanidade, são apenas uma pequena gaiola. Eu e você quebramos essa gaiola! - Jerome completou começando a rir logo em seguida.

- Bem, eu preciso lidar com a minha liberdade. Eu preciso de um pequeno favor! - Eu pedi séria afastando meu rosto da mão de Jerome.

- Tudo o que você quiser, linda! - Ele falou sorrindo se sentando na minha cama rapidamente.

Eu me levantei da cama e andei até o closet, abri o cofre tirando de lá de dentro uma pequena maleta preta. Fechei o cofre novamente, andei de volta a cama e entreguei a maleta para Jerome.

- O que é isso? - Ele perguntou confuso apontando para a maleta fechada.

Jerome então tomou coragem e abriu a maleta.

- Eu roubei do meu pai antes de me mudar. - Eu falei respondendo e olhando a cara de surpresa do ruivo. - Eu quero que você injete isso em mim! - Eu pedi séria.

- Tem certeza? - Jerome perguntou enquanto tirava a seringa com o líquido que eu mais odiava.

- Sim. Eu preciso proteger minha família! - Eu concordei respirando fundo com a minha decisão.

Então me deitei na cama e estendendo o braço para o ruivo que logo aplicou a injeção em mim. Novamente eu senti a queimação em meu sangue. Logo eu fui perdendo os sentidos. A última coisa que eu vi foi o ruivo me cobri e dar um beijo em minha testa depois eu cai num sono profundo.

 

POV JEROME.

⚜⚜⚜⚜⚜⚜

Olhei o corpo inconsciente de Hope dormindo profundamente na cama.

"Ela te rejeitou. Quem ela pensa que é para te rejeitar?"

- Minha… Minha vadia. Minha linda! - Eu sussurrei respondendo minhas vozes.

Me aproximei de Hope com um sorriso. Fiz carinho no rosto extremamente pálido e macio da minha palhaça.

- O que você faz comigo garota? - Eu perguntei para Hope mesmo sabendo que ela não iria me responder. - Eu sou um idiota pelo o seu amor! - Eu falei, então aproximei meus lábios dos lábios vermelhos de Hope e dandoum pequeno selinho.

Olhei para o relógio que marcava 05:30 da manhã, então sai do quarto antes que me descontrolasse.

 

POV JOKER.

⚜⚜⚜⚜⚜⚜

Acordei às 06:40 da manhã de bom humor depois da minha noite maravilhosa. Olhei para o lado vendo o corpo de Harley dormindo profundamente ao meu lado e coberto apenas por um lençol fino branco.

Me levantei da cama e olhei meu quarto. No criado mudo de Harley havia 3 fotos. A primeira é uma da festa de 15 de Hope. A segunda é da gravidez do Jacob e a terceira é uma de Alice, Hope e Jake juntos.

- Quando meu quarto virou um santuário? - Eu perguntei pra mim mesmo.

Então fui tomar um banho, depois fiz minha higiene matinal e logo depois escolhi uma roupa. Optei por uma camisa social branca com os botões abertos, uma calça preta e uma jaqueta de couro roxa. Coloquei algumas das minhas joias e penteei meus cabelos. Dei uma olhada para Harley antes de sair do quarto e depois indo para a cozinha, como sempre Beth já estava preparando o café dá manhã. Tomei meu café e depois fui direto para o escritório.

Assim que eu cheguei ao escritório andei até minha poltrona e me sentei, mas senti algo. Me levantei de novo e tirei um carro de brinquedo.

- Garoto infernal!! - Resmunguei irritado jogando o carrinho de brinquedo na parede. – JOHNNY, JOHNNY! - Eu gritei chamando o meu capanga.

Depois de 1 minuto no máximo, Johnny apareceu no escritório.

- Bom dia chefe! - Johnny falou sério.

- Quem deixou Jacob entrar no meu escritório sem minha permissão? - Eu perguntei indo direto ao assunto.

- O senhor deixou chefe! - Ele me respondeu sério.

Então eu pendi a cabeça para o lado dando um rosnado de irritação me lembrando de que eu mesmo deixei o garoto brincar no escritório.

- Alguma notícia sobre o assalto de ontem? - Eu perguntei me sentando na poltrona e olhando para Johnny.

- Todos os noticiários estão mostrando o assalto. Eles dizem que foi um dos mais violentos. - Johnny contou respondendo minha pergunta.

Eu dei uma gargalhada sádica me lembrando do assalto ontem.

- Mas estão dizendo por aí que o senhor amoleceu. E que está perdendo o poder! - Johnny falou sério me fazendo desmanchar o sorriso.

- Onde estão dizendo isso? Quem está por trás disso? - Eu perguntei pegando minha pistola e a apertando.

- Nas docas. E o Pinguim está por trás disso! - Johnny me respondeu.

Então eu bati a mão na mesma e olhei para Johnny com um sorriso diabólico.

- Vamos fazer uma visitinha ao meu amigo Pinguim, mas antes, você conseguiu o que eu pedi? - Eu perguntei sorrindo ansioso.

- Sim chefe. Deu um pouco de trabalho, mas finalmente consegui! - Johnny falou me entregando uma pasta que na verdade era um arquivo super secreto.

 

ULTRA SECRETO:
Nome: Barbara Gordon.
Idade: 26 anos.
Espécie: Humana.
Terra natal: Gotham City.
Parentesco: James Gordon (pai)
Barbara Kean (mãe)
Sarah Essen (madrasta)
James Gordon Jr. (irmão)
Dick Grayson (namorado)
Situação presente: Ativa.
Codinomes conhecidos: Batgirl.
Habilidades: Intelecto genial, hacker excepcional, memória fotográfica, grande detetive, bailarina e artista marcial.

 

Meu sorriso se alargou quando eu li o que eu realmente precisava.

- Obrigada Johnny. É por isso que eu ainda não te matei. - Eu falei então comecei a rir e Johnny também deu uma pequena risada.

- Agora precisamos trabalhar. Reúna os homens. Hoje à noite iremos fazer uma visitinha para Batgirl! - Eu falei sorrindo já imaginando meu plano em mente.

- Okay chefe. Mais alguma coisa? - Johnny perguntou.

- Não. Pode se retirar. - Eu falei apontando para a porta. - A propósito. Não diga nada para Harley! - Eu o alertei sério.

- OK Chefe! - Johnny concordou antes de sair do escritório.

Andei em direção a garrafa de whisky e coloquei um copo cheio.

 

1 HORA DEPOIS.

⚜⚜⚜⚜

 

Eu ainda estava em meu escritório e agora estava cheio de planos e garrafas vazias de whisky. Eu estava sentando na poltrona vendo alguns sites de notícias. Estava muito irritado, odiava quando diziam que eu estava mole, mas o pior que é verdade. Desde que Jacob nasceu. Por falar no demônio, Jake apareceu em meu escritório vestindo um short jeans preto e uma regata roxa.

- Vai embora Jacob! - Eu mandei sério, mas o menino não deu ouvidos.

- Papai, o sexho vai ir caçar morcegos comigo?- Jacob perguntou com um sorriso no rosto.

- Não Jacob. Agora vai embora! - Eu falei sem um pingo de paciência. A voz do menino me irritava.

- O sexhor plometeu! - Jacob falou.

- EU JÁ MANDEI VOCÊ SAIR DA MERDA DO MEU ESCRITÓRIO!! -Eu gritei com raiva jogando a garrafa na parede.

- Mas papai... - Jake tentou falar, mas eu o interrompi dando um tapa no rosto pálido e pequeno do menino que caiu no chão e começou a chorar.

- VOCÊ É INSUPORTÁVEL... NINGUÉM GOSTA DE VOCÊ. EU QUERIA QUE VOCÊ MORRESSE! - Eu gritei com raiva ficando na frente de Jake e dando um chute no garoto.

- PARA COM ISSO. FICA LONGE DO MEU FILHO!! - Harley gritou me empurrando contra a parede me dando um soco no rosto.

Então eu a empurrei na parede e apertei minhas mãos em seu pescoço a enforcando.

- Nunca mais faça isso sua vadia. Eu faço o que eu quiser com o menino. Ele é meu filho se não fosse por mim ele nem estaria vivo! - Eu falei rosnando de raiva enquanto apertava o pescoço de Harley e vendo ela ficar sem ar. - Se você fizer o que fez. Eu mato esse garoto. - Eu a ameacei com um sorriso no rosto e então soltei o pescoço de Harley.

Ela caiu no chão, respirando fundo procurando por ar, olho para o outro lado e Jacob estava deitado encolhido.Então eu sai daquele escritório indo para minha Lamborghini.

 

POV HARLEY.

                         ⚜⚜⚜⚜⚜⚜⚜

Assim que Joker saiu do escritório, eu comecei a chorar. Meu pescoço doía muito e meus pulmões procuravam por ar.

- JAKE? JAKE? - Eu gritei chamando pelo meu filho com o coração doendo.

Jake apareceu vindo até mim correndo desajeitado e me abraçando com força ainda no chão.

- Me dexculpe. Eu não vou mais invadir o exclitólio do papai. Me desculpe, é minha culpa! - Ele pedia desculpas chorando muito.

- Está tudo bem querido. Você está machucado? - Eu perguntei enquanto o abraçava tentando fazer meu palhacinho parar de chorar, mas eu estava com medo de Puddin aparecer e fazer algo pior com Jake.

- Não… Dexculpe! - Jake falou soluçando enquanto molhava minha camisa.

Eu sabia o oque precisava fazer. Eu não iria deixar ele machucar meu filho, eu deixo ele me bater eu não me importo, mas com meu filho não. Eu precisava sair o mais rápido possível daquela casa. Eu não quero ver a cara de Joker por um bom tempo.

Então decidi ir para a casa de Hope e depois ficar num lugar seguro.

 

POV JOKER.

⚜⚜⚜⚜⚜⚜

12:23 DA TARDE.

 

Finalmente chegou o tão esperado momento. Eu estava muito ansioso. Conseguimos entrar no prédio numa boa... Bem, tivemos que matar o porteiro e o resto das pessoas Há há há.

Eu estava parado na frente da porta do apartamento de Bárbara. Meus capangas estavam atrás de mim e eu segurava uma câmera fotográfica no pescoço. Toquei a campainha apenas uma vez, ninguém atendeu. Toquei outra vez e nada, mas foi na terceira que pude ouvir o ranger da porta e também vozes conversando entusiasmadas. Empunhei minha arma rapidamente, uma pistola automática. Enquanto meus capangas esperavam ansiosos ao meu lado, foi quando a porta se abriu e Barbara estava com um traje casual, uma expressão de horror que lhe caiu como a uma luva. Ela simplesmente estava estática, seus olhos negros pararam à minha arma para meu rosto lentamente, ela parecia estar em choque.

- Bárbara? Quem é? - Alguém perguntou, parecia o comissário Gordon. Ótimo! Ele participaria da festa.

- Olá, Batgirl - Eu falei entre sorrisos.

- Vamos lá chefe - Os homens que me acompanhavam falaram em perfeita sincronia.

Sorri largamente enquanto empurrava o chapéu que usava para que meus olhos ficassem um pouco mais a mostra. Engatilhei a pistola e subi meus olhos para Bárbara, que ainda alimentava a mesma expressão estática. Então disparei um tiro certeiro e reto que acertou sua cintura do lado direito. Bárbara caiu para trás como um grande saco de lixo morto por cima de uma mesa de vidro, a mesma se quebrou em vários pedaços e tudo isso bem na frente de Gordon. Rapidamente meus capangas tomaram minha frente, invadindo a casa e segurando o homem, deixando o mesmo incapaz de ajudar sua bela cria.

- Boa noite comissário! Eu até teria dado um telefonema, mas não gosto de formalidades. – Debochei e andando até ele. - Além do mais, ambos sabemos que já somos íntimos. - Falei dando uma piscadela para Gordon. Meaproximei ainda mais com cautela.

Ele se debatia na tentativa falha de fazer meus comparsas pararem, mas era inútil, e quando meu corpo já estava a poucos centímetros do seu, levantei meu punho a altura de seus olhos, fazendo ele encarar minha mão fechada.

- O que quer de nós? Ela pode morrer! - Ele exclamou me fazendo revirar os olhos. Eu simplesmente ignorei sua exagerada observação dando um impulso forte em meu antebraço, acertando seu rosto com um soco certeiro!

- Desgraçado! - Ele gritou me fazendo fechar a expressão divertida. Me virei com calcanhares e fui até Bárbara que gemia de dor caída no chão.

- O que temos aqui? - Eu indaguei me abaixando a sua frente, ficando muito próximo de seu corpo esguio.

- M... Morra... - Ela sussurrou levando a mão até a mancha de sangue em sua saia de secretaria.

- Foi essa criação que seu pai te deu? - Perguntei erguendo o olhar para Gordon e abrindo um sorriso conspiratório.

- Vai se foder Palhaço! - Ela murmurou fechando os olhos com força. Acho que pela dor insuportável em seu quadril.

- Eu poderia te dar uma cadeira de rodas, oferecimento do Asilo Arkham, mas você não está sendo gentil Barbara. – Soltei, fazendo a mulher arregalar os olhos. Acho que não havia passado pela cabeça dela que o tiroimpossibilitaria a mesma de andar novamente. Ela não falou nada, apenas me encarou. Ótimo, Barbara estava em choque novamente. Ignorei o fato de ela parecer um morto vivo sem pernas, e aproximei minhas mãos de seu decote, exageradamente provocador.

- Sentem eles. Eu quero que o nosso querido comissário me assista com sua linda... - Ordenei para os capangas, sem tirar os olhos de Bárbara, enquanto eu passava a ponta dos dedos por seu rosto, enxugando suas lágrimas - Filha...

Continuei o toque indo para o botão de sua blusa social amarela. Abri o primeiro botão com o dedo indicador e o dedão de minha mão direita, enquanto com a mão esquerda guardava a pistola em meu cinto. Pude ver a renda de seu sutiã surgindo através do pano de sua camisa enquanto eu terminava de desabotoar o último botão. Segurei o centro de seu bojo puxando o pano, fazendo seu sutiã se rasgar e me dar a visão de seus seios rosados.

- P...Por... - Ela implorava, sem conseguir falar direito - Favor, não faça isso.

- Deixa ela em paz. Desgraçado! - Gordon gritava insistentemente.

- Calem a boca dele! - Gritei, fazendo um dos capangas enfiar um pedaço de pano rasgado da própria camisa de Gordon em sua boca. - Assim está melhor.

Voltei então minha atenção para Bárbara. Seu rosto já estava se manchando com as lágrimas contínuas da mesma. Revirei os olhos tentando não ficar mais nervoso e abaixei minha mão ansiosa até sua saia preta. Segurei a barra do pano e a levantei um pouco, até seu umbigo deixando a mostra sua calcinha de renda transparente.

- Tão linda. - Debochei, pendendo meu pescoço para frente alcançando o pano com os dentes, puxei a renda e a rasguei com facilidade jogando o tecido no tapete, que aliás estava encharcado de sangue, abri o zíper de minha calça e abaixei um pouco a mesma e a cueca boxer verde...

- Isso vai doer mais em mim do que me você, amor - Sussurrei para Bárbara - Não... Acho que vai doer mais em você.

Gargalhei, fazendo minha risada estética invadir todo o quarto, e em um impulso rápido para frente, penetrei a intimidade de Bárbara, fazendo ela explodir em uma crise de lágrimas. Era como se ela implorasse para morrer nesse exato momento. Gordon ainda se debatia no sofá, e fechava os olhos a cada entocada funda que eu dava em Bárbara.

- Oh, querida... Shh... - Sussurrei, limpando algumas lágrimas de seu rosto, então ajeitei um pouco suas pernas as levantando minimamente para eu poder a penetrar melhor, e foi o que fiz, sem enrolação penetrei o ânus dela com força, não entrou de primeira, mas na terceira tentativa foi. Eu não sei bem descrever a expressão da garota, ela estava olhando para o teto e lágrimas caiam de seus olhos como em uma cachoeira, ela batia os dentes como se estivesse tentando morder o ar e quase não respirava, acho que ela estava começando a ter algum tipo de convulsão. Enquanto ao Gordon? Ele estava chorando como um bebê medroso. Encolhido no sofá, fechando os olhos com vigor.

- Não gosta disso querida? - Murmurei, começando a me movimentar de verdade, para frente e para trás. Do ângulo em que eu estava, conseguia ver perfeitamente meu membro rígido saindo do bunda de Bárbara. Então percebi muito sangue ao nosso redor, oque me excitou mais, então continuei com a penetração indo cada vez mais rápido, podia sentir o ânus de Bárbara se contrair em volta de meu pênis, mas não liguei apenas continuei o ritmo violento, até que senti o meu orgasmos próximo. Tirei meu membro dela rapidamente, e coloquei em sua intimidade, gozando dentro da mesma.

- Será que paraplégicas engravidam? - Eu perguntei sussurrando no ouvido de Bárbara, começando minha gargalhada estética novamente.

-Bem, eu preciso ir embora, mas antes uma pequena foto para o jornal de Gotham e para o nosso amigo Batys. Diga "X" Batgirl! - Eu falei sorrindo e tirando a câmera do meu pulso e tirando uma foto do corpo nu de Batgirl.

- Isso sim é manchete... Há Há Há Há

 

Continua...


Notas Finais


Bem puddins eu espero que vocês tenham gostado até o próximo capítulo beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...