História The Heirs - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Jessica, Seohyun, Sooyoung, Sunny, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Taengsic, Taeny, Yoonhyun, Yulsic
Visualizações 267
Palavras 5.234
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura

Capítulo 6 - Capitulo 6


Taeyeon

Quando eu aceitei a bolsa para estudar em um novo colégio, minha ideia principal era que eu passasse despercebida, para assim terminar meu ano letivo sem nenhum problema. Até então, meu plano estava dando certo, pelo menos até eu esbarrar em Bora, consequentemente em Jessica, e em Tiffany que surgiu não sei de onde. Agora eu estava ali, entre duas garotas que quase soltavam faíscas enquanto fuzilavam uma a outra. Muitas perguntas se passavam pela minha cabeça, mas naquele momento, nenhuma delas seria saciada.

– P-Podem me soltar? – Pedi sem graça. Jessica e Tiffany pareciam travar um batalha entre olhares, que somente elas pareciam compreender o que diziam.

O que eu estava perdendo ali?

Olhei desesperadamente para Yoona em minha frente, que ainda encarava Tiffany com uma expressão assustada. Todo mundo se conhecia, mas eu era a única que estava sobrando.

– Estão me machucando! – Resmunguei assim que senti os dedos das duas pressionarem meu braço com força.

– Tudo bem, soltem ela!

Suspirei aliviada assim que Yoona pareceu acordar de seu transe. Ela empurrou Tiffany e Jessica, me livrando de seus apertos firmes. As duas encararam Yoona seriamente, mas ninguém teve tempo de dizer nada já que a Im saiu me arrastando pelo campus do colégio. Agradeci aos céus por Yoona ter aparecido ou senão eu estaria em apuros logo no meu primeiro dia de aula.

– Obrigada por me ajudar Yoona. – Falei sincera enquanto era arrastada por ela.

Yoona parou imediamente de andar e se virou com um olhar furioso para mim. Eu tremi da cabeça aos pés, e desejei que Seohyun não estivesse viajando.

– O que pensa que está fazendo se metendo entre Tiffany e Jessica!? – Ela praticamente gritou, e eu a encarei assustada. Felizmente não havia pessoas ao nosso redor naquele momento.

– E-Eu...

– Você sabe o grande problema que irá causar?

– Eu nem sabia que elas se conheciam! – Me defendi. – Na verdade, estou completamente perdida aqui.

– Não. Não. Não. Não...

Yoona levou as mãos ao rosto e começou a murmurar frases desconexas. Consegui entender coisas como "Por que ela voltou?" ou "Ela vai estragar tudo", mas eu não sabia dizer exatamente de quem ela estava falando. Yoona parou de repente e voltou a me olhar. Eu engoli seco, pois nunca era bom ficar sozinha com ela, não sem Seohyun para me defender.

– De onde você conhece a Tiffany? – Questionou séria.

– Quando eu tive problemas na Califórnia, ela me ajudou antes de Seohyun vir me buscar. – Expliquei.

– Por falar nisso...

Levei a mão a bochecha esquerda e arregalei os olhos ao sentir a mão de Yoona em minha face. Não foi uma tapa forte, na verdade, foi bem fraco, mas por ter sido um tapa estalado, acabou ardendo um pouquinho.

– AI! – Resmunguei massageando a bochecha.

– Não ouse ir atrás da minha namorada novamente, nem ficar fazendo gracinha para me deixar com ciúme. – Ameaçou, e eu senti minhas pernas tremerem. Brincar com Yoona era divertido, pelo menos até o momento em que você ficava em frente a ela.

– P-Prometo.

– Tudo bem Yoona, respira. – Falou consigo mesma inspirando fundo. – Vai ficar tudo bem.

– Qual sua relação com a Tippany? – Questionei curiosa.

Yoona voltou a me lançar um olhar ameaçador, e eu me repreendi por ter feito aquela pergunta. Droga Kim Taeyeon!

– Isso não... – A morena estava prestes a me responder quando se calou ao ver algo atrás de mim. Yoona desviou o olhar e eu me virei curiosa, vendo Tiffany nos olhando seriamente a uma longa distância. – Ela é minha ex-namorada.

O sussurro de Yoona me pegou desprevenida e eu acabei me engasgando com minha própria saliva. Tiffany e Yoona, ex-namoradas? Era por isso que a ruiva estava tão curiosa para saber sobre Yoona e Seohyun...

– Seohyun já-.

– Não ela nã sabe! – Interrompeu-me com certa pressa. – Não ouse contar para ela.

– Mas você não acha que ela deve-.

Novamente percebi que falei besteira assim que senti meus pés serem tirados do chão. Yoona me segurou pela gola do paletó, e eu prendi a respiração ao ter seu rosto bem próximo ao meu.

– Não. Ouse. Contar. Para. Ela. – Ordenou pausadamente.

Apenas assenti com a cabeça, sem coragem para dizer mais alguma coisa. Yoona me colocou no chão e eu soltei a respiração, ela era realmente assustadora.

– Ei Im!

Um grupo de com quatro garotas veio em nossa direção. Percebi Yoona engolir seco, e eu estranhei sua atitude.

– Oi Soo.

– Quem é a sua amiga? – A tal Soo perguntou me olhando de cima em baixo. – Qual é a dela com a Tiffany e com a Jessica?

– Essa é a Taeyeon, e bem... – Yoona coçou a cabeça. – É uma história complicada.

– Prazer novata, eu sou a Sunny, essa gigante é a Sooyoung, aquela é a Minzy e essa é Joy. – A garota baixinha de cabelos rosa me cumprimentou. – Quanto tu tem?

– Quanto eu tenho? – Franzi a testa sem entender.

– É, quanto de dinheiro você tem? Com o que seus pais trabalham? Você tem cara de ser filha de médicos.

Arregalei os olhos e encarei Yoona. O que ela estavam querendo dizer com quanto de dinheiro eu tenho? Isso era algo que se perguntava a alguém?

– Não vai responder novata? – Minzy me encarou seriamente.

– E-Eu...

– A Taeyeon é muito rica que ao menos da pra dizer exatamente. – Yoona tomou a frente, e eu a olhei incrédula pelas coisas que ela estava dizendo. – Ela é a garota do dinheiro!

– Oh, então parece que alguém roubou o topo das Jung. – A tal Joy disse divertida. – Seus pais são empresários também?

– Na verdade, o pai da Taeyeon é um grande produtor de cinema. – Yoona continuou, e eu não consegui interrompê-la pois estava chocada demais com tudo. – Ela é filha do produtor Kim Hyunwon.

– Isso é sério? – As três me olharam surpresas, e eu quis que deus me levasse naquele momento.

– Sim, mas ninguém pode saber disso. Sabem como o senhor Kim gosta de proteger sua família. – Yoona explicou.

– Soube que seu pai vai produzir o novo filme dos transformers. – Sooyoung me olhou animada. – É verdade?

– Com licença...

Agarrei o braço de Yoona, e com um sorriso forçado eu a puxei para longe daquelas garotas. Eu estava confusa e irritada com aquelas mentiras, e não entendia o por quê ela fizera aquilo.

– Você endoidou? – Questionei incrédula assim que encontrei um lugar vazio. Eu mal havia entrado no colégio e já estava cheia de problemas.

– Foi mal eu entrei em pânico. – Se defendeu.

– Yoona, eu não sou rica, e meu pai não é um produtor famoso. Eu nem tenho pai! – Falei furiosa e ela suspirou. – Você me colocou em mais problemas!

– Eu protegi você! – Yoona rebateu irritada, e eu a encarei confusa. – Alguém como você não deveria estar nesse colégio. Sabe as coisas que fazem aqui?

– O que quer dizer com isso?

– Apenas continue fingindo que é rica, e assim você terá um ano de paz.

Abri a boca sem saber o que dizer. Yoona me deu as costas e saiu andando, sem ao menos dar mais explicações. Pensei em ir atrás dela, mas o sinal acabou batendo e eu sabia que precisava chegar a secretaria.

Entrei no prédio, e aproveitei para passar primeiro no banheiro. Felizmente não havia ninguém lá dentro já que os alunos estavam ocupados em chegarem em suas salas a tempo. Caminhei até a pia e abri a torneira. As vezes eu acreditava que eu atraía problema, pois não era possível que em todo lugar que eu ia eu me me envolvia em confusão.

Inclinei-me sobre a pia e fiz uma concha com as mãos, molhando o rosto calmamente. Se Seohyun estivesse ali comigo, talvez ela me ajudasse a resolver aqueles problemas.

Ah~.

Ergui a cabeça rapidamente ao ouvir o gemido ecoar dentro do banheiro. Olhei para os lados curiosamente, mas só havia eu ali dentro. Desliguei a torneira e caminhei até as fileiras de cabines. O banheiro daquele colégio era enorme e daria umas cinquentas pessoas lá dentro. Segui em passos lentos em direção ao outro lado do banheiro, ouvindo os gemidos se intensificaram assim como batidas fortes na madeira. Corei completamente ao encontrar a cabine que provinha o barulha. Havia dois pares de pernas visíveis sob o pequeno vão da porta, e eu não precisava ser muito inteligente para saber o que acontecia ali dentro.

Antes que eu pudesse sair dali sem ser notada, a porta da cabine se abriu e eu senti vontade de enterrar a cabeça na terra ao me deparar com Jessica saindo da cabine, seguida de Yuri. As duas pararam no corredor e ficaram me encarando, mas nenhuma delas mostrou incômodo por terem sido pegas nos flagra. Na verdade só eu que estava sem graça, e provavelmente vermelha como um tomate.

Engoli seco ao ver o olhar sério de Jessica para mim. Ela provavelmente estava com raiva do que aconteceu, mesmo eu não entendendo exatamente aquele interação entre Tiffany e ela. Observei travada no meu lugar a castanha caminhar até a pia e lavar as mãos. Jessica saiu desfilando no seu salto alto, enquanto Yuri permaneceu ali parada, me olhando curiosamente.

– E-Eu não vi nada... – Falei sem graça.

– O que está fazendo aqui Tae? – Yuri perguntou tranquilamente. Ela caminhou até a pia, e abriu a torneira para lavar a mão.

– Longa história. – Soltei um suspiro, apoiando-me na pia. – Só queria que a Seohyun estivesse aqui pra me ajudar.

– Ela volta hoje a noite. – Yuri respondeu enxugando as mãos. – Já sabe que é o assunto da escola né?

– Imaginei...

– De onde conhece a Jessica? – Questionou, e eu notei uma pontada de ciúme em seu tom. Mesmo que não fôssemos amigas, eu conhecia Yuri o suficiente por conta de nossa convivência.

– Eu a conheci na mercearia perto de casa. – Respondi, e Yuri franziu a testa.

– No Doc's? – Assenti com a cabeça ao me lembrar do nome do lugar. – Mas você não mora por aqui.

– Como eu disse, longa história.

– Você terá tempo para me contar. – Indagou caminhando até mim. Pensei que ela ia me bater ou algo do tipo, mas Yuri apenas ajeitou a gravata em meu pescoço.

Percebi que a morena usava um uniforme um pouco diferente do meu. Da cintura para baixo, a saia, a meia e o tenis eram os mesmos, mas na parte de cima, Yuri usava uma camisa meia manga de cor branca e um colete fechado de cor marrom por cima, tendo uma gravata azul por dentro dela. Ah, parecia tão mais confortável, eu queria tanto aquele uniforme, mas provavelmente deve custar um dinheiro que eu não tenho.

– Preciso ir agora.

– Espera! – Segurei seu braço apressadamente. Yuri ergueu uma sobrancelha em minha direção e eu a soltei imediatamente. – Pode me dizer onde fica a secretaria?

– Siga-me.

Acompanhei a morena numa distância razoável. Ela parecia não se preocupar com o fato do sinal já ter batido, e andava tranquilamente pelo corredor. Aquela Yuri ao meu lado era muito diferente da Yuri que eu costumava ver quando visitava a casa das Seo. A Kwon que eu conhecia era bem nerd e geek, mas aquela em minha frente parecia ser alguém metido e esnobe(?). Yuri normalmente era bem relaxada, e um pouco bagunceira, mas ali, ela estava impecável, com seu uniforme perfeito, mesmo após o momento do banheiro, tendo seus lindos cabelos escuros soltos, um batom de leve a dar cor ao seu lindo rosto bronzeado, e claro a lente castanha. Eu gostava da cor de seus olhos, mas achava que ela ficava muito mais Yuri, com seus óculos de grau.

– É aqui. – Parou em frente a uma porta preta. – Preciso ir.

– Obrigado Yuri.

A Kwon acenou para mim e saiu andando pelo corredor. Entrei na secretaria, e não precisei de muito esforço para ser atendida. Tive que fazer minha ficha, e confesso que fiquei um pouco perdida com aquelas perguntas de gente rica. Demorei uns cinco minutos para completar tudo, e em seguida, a secretária me acompanhou em direção a minha nova turma.

Senti meu estômago revirar com a ansiedade ao me aproximar da sala de aula. A porta estava aberta, e a professora caminhava de um lado para o outro em frente a mesa. Nossa aparição foi o suficiente para tirar a atenção dos alunos da mulher. Os olhares curiosos vieram em minha direção, e mesmo estando nervosa, eu senti-me aliviada ao ver Yuri, Tiffany, Yoona e Jessica espalhadas pela sala de aula.

Pelo menos eu conhecia alguém.

– Pessoal, essa é Kim Taeyeon, ela será a nova colega de vocês. – A secretária falou me guiando para dentro da sala. – Espero que a recebam muito bem.

– Olá. – Curvei-me respeitosamente.

– Então novata, quando tu tem? – Um garoto sobrancelhudo perguntou curioso, e meus olhos automaticamente encontraram os de Yoona.

– Ela é a garota do dinheiro. – A morena de antes, Sooyoung, respondeu na minha frente, e eu arregalei os olhos já que Yoona havia mandando guardar segredo.

– Garota do dinheiro? – Yuri franziu a testa e encarou Sooyoung.

– O pai da Taeyeon é o produtor Kim. – A mais alta tagarelou, e engoli seco ao receber o olhar de Yuri e Tiffany.

– SOOYOUNG! – Yoona gritou olhando com raiva para a colega.

– Que é? Sabe que eu não sei guardar segredo.

– Pessoal, sem dispersar. – A professora falou calma. – Sente-se atrás da Tiffany, Taeyeon.

Abaixei a cabeça e caminhei até a carteira no meio da sala atrás da ruiva. Mal me sentei ali, e Tiffany se virou como um furacão, me encarando seriamente.

– Que história é essa?

– Foi a Yoona que inventou, eu não consegui desmentir. – Sussurrei de volta. Eu me sentia desesperada com aquilo, mas já estava tudo feito.

Tiffany desviou o olhar e ficou em silêncio por alguns minutos. Pensei que ela iria brigar comigo, ou até me fazer desmentir aquela história, porém ela suspirou e disse exatamente o contrário.

– Tudo bem, vai ser melhor assim.

Quis questionar sua fala, mas a ruiva se virou para frente e passou a prestar a atenção no que a professora falava. Senti uma sensação estranha, como se estivesse sendo vigiada, e quando me virei curiosamente para trás, me deparei com o olhar intimidador de Jessica, e o olhar questionador de Yuri.

É parece que meu primeiro dia de aula vai ficar marcado na história.

[...]

Segui o grupo de alunos que andavam agitadamente em direção ao refeitório do colégio. Não existia nenhuma companhia comigo, já que minha melhor amiga ainda estava viajando, e Tiffany havia se separado de mim após descobrirmos que tínhamos algumas aulas em turmas diferentes. Ela no momento era minha única guia naquele lugar, porém, eu teria que me virar sozinha até encontrá-la novamente.

Entrei no refeitório, percebendo o quanto o lugar era enorme, tornando o falatório ensurdecedor. Algumas pessoas olharam curiosamente para mim, e apesar de imaginar que aquilo aconteceria, eu me senti sem jeito, pois odiava ser o centro das atenções. Notei o olhar furioso de Bora em minha direção, mas apenas segui meu caminho em direção ao balcão. Essa garota ainda me mataria, e eu não sabia se deveria ter mais medo dela, do que de Yoona.

Arrumei minha bandeja e busquei por uma mesa naquele enorme salão. Havia algumas cadeiras vazias numas mesas ocupadas, mas como eu não conhecia ninguém, optei por sentar na única mesa vazia no centro do salão. Caminhei tranquilamente até ela, e puxei a cadeira para me sentar. Todavia, antes que eu conseguisse fazer, um tranco contra meu corpo me fez dar passos atrapalhados para o lado, e quando eu me recuperei, vi que uma garota morena havia se sentado no meu lugar.

– Por que fez isso? – Indaguei irritada. Aquela mesa tinha várias cadeiras, porque ela me empurrou se podia se sentar em outra?

Suspirei frustada ao perceber que ela não me respondeu. A mesma parecia mais jovem, e comia como se temesse alguma coisa. Balancei a cabeça e puxei uma outra cadeira para me sentar, mas novamente, antes que eu fizesse, uma mão agarrou meu braço com força.

– Tippany...

– Não sente aqui. – Ela disse séria.

Não entendi sua reação, mas o repentino silêncio no refeitório me deixou confusa. Olhei curiosa para a entrada do salão onde três garotas entravam. Uma era Jessica, a outra Yuri, e a terceira eu não sabia quem era. As três caminharam até o balcão para pegarem seus almoço, e mesmo que houvesse alunos na frente, eles abriram espaço com a chegada delas, deixando que elas montassem suas bandejas mesmo estando atrasadas. Nenhum pio foi dito durante isso, e pela segunda vez do dia eu vi o olhar assustador de Jessica, não direcionado a mim, mas sim a ruiva ao meu lado.

– Jihyo amiga, que bom que nos esperou. – A morena falou se sentando ao lado da tal Jihyo. Yuri parou em minha frente, e eu apenas senti Tiffany me puxar para dar espaço para ela se sentar. Jessica se colocou do outro lado da mesa, na frente das três, e o sorriso que ela lançou para a menina me assustou.

– Taeyeon vamos sair daqui. – Tiffany sussurrou para mim. Ela tentou me puxar para longe daquela mesa, mas eu me desvilhenciei de seu aperto assim que vi a morena pegar um pouco de comida e esfregar na cara de Jihyo.

– Para com isso! – Ordenei séria.

As três garotas olharam curiosamente para mim, assim como todo o refeitório. Eu sabia que estava me metendo em problemas, mas o que é mais um em meio de vários que eu já tenho?

– Quer ficar no lugar dela, garota do dinheiro?

Yuri se levantou, e me encarou seriamente. Seu tom era debochado, e eu engoli seco, pois não estava acostumada com aquele seu comportamento assustador.

– Coma comigo e eu paro.

Virei-me curiosa para a castanha que comia tranquilamente. Jessica bebericou um pouco de seu refrigerante e olhou para mim, puxando a cadeira vazia ao seu lado. Olhei para Yuri e ela parecia tão surpresa quanto eu, mas seu olhar logo se tornou raivoso. Peguei minha bandeja, e fui obrigada a olhar para Tiffany ao dar a volta na mesa. Ela me encarava com certa reprovação, mas nada disse, e apenas saiu marchando do refeitório.

– Eu como com você, mas deixe ela ir. – Falei para Jessica.

A castanha me deu um sorriso divertido, e deu tapinhas na cadeira. Coloquei a bandeja na mesa e me sentei, observando seu olhar se desviar de mim para a garota em nossa frente.

– Jihyo, vaza.

Se eu acreditasse em coisas sobrenaturais, com certeza desconfiaria que aquela garota tinha super poderes, pois do jeito que ela saiu disparada da mesa e do refeitório, parecia até que ela era o personagen flash da DC.

Comi em silêncio, tentando suportar os olhares dos outros alunos em minha direção. Jessica nada disse, estava tranquila demais, diferente de Yuri e da outra garota que me encaravam seriamente. Ao contrário do que eu esperava, o intervalo não foi tão ruim assim, exceto pelos olhares que lançavam para mim. Jessica e suas amigas terminaram primeiro, e ela saiu sem ao menos se despedir.

Decidi voltar para a sala de aula assim que o sinal bateu. Já tinha problemas socialmente, não queria arranjar problemas na minha ficha. Caminhei pelo campus cheio, em direção ao prédio em que ocorreria minha próxima aula. Eu estava distraída demais pensando em toda aquela confusão que não percebi que alguém se aproximou, somente quando meu braço foi puxado bruscamente.

– O que foi aquilo? Você ficou louca? – Exclamou Tiffany, rudemente. Ela se mostrava bastante brava, e eu não entendia o por quê.

– Eu não podia ver aquilo e não fazer nada! – Me defendi. Era muito covardia o que faziam com aquela garota.

– Taeyeon, ser uma boa samaritana aqui dentro só vai te trazer mais problemas! – Reclamou, e eu me senti confusa diante de suas palavras.

– O que quer dizer?

– Olha, esse colégio não é um sonho. – Tiffany suspirou. – Por fora, tudo parece lindo e perfeito, mas só quem entra aqui dentro sabe o pesadelo que é.

– Eu não estou entendendo. – Murmurei ainda perdida, e a ruiva em minha frente bagunçou os cabelos frustrada.

– O motivo para Yoona mentir sobre você, é que provavelmente, se soubesse quem você verdadeiramente é, você estaria sentada naquela mesa, no lugar de Jihyo. – Explicou, e eu arregalei os olhos. – Esse colégio possui uma hierarquia. Os alunos da elite, são os que controlam esse colégio. A maioria gosta de praticar bullying contra as classes a baixo, ou seja, com pessoas como você!

– E ninguém faz nada? – Perguntei incrédula. Como alguém podia deixar que essas coisas acontecessem?

– Tae, essas pessoas são ricas! Compram tudo com um pouco de dinheiro.

– Mas seu padastro não é o diretor, por que você não fala com ele?

– Por que eu que comecei isso tudo. – A ruiva respondeu amargamente, e eu arregalei os olhos por saber disso.

– O que?

– Aquela mesa, é a mesa do bullying. Eu e Jessica a criamos. – Tiffany desviou o olhar. – Ninguém senta ali ao menos que queira apanhar. Depois que eu saí, Jessica tomou controle de tudo, e eu sei do que ela é capaz de fazer, por isso eu peço que não se aproxime dela.

– Então eu deveria ficar longe de você também, pois você é como ela! – Exclamei irritada. Toda a imagem boa que eu tinha da ruiva se desfez assim que eu escutara aquilo.

– Não Tae, me entenda. – Tentou se justificar, mas eu não queria ouvir mais nada.

– Entender que você gosta de humilhar pessoas como eu?

– Isso foi a vários anos, okay!? – Tiffany me encarou com raiva. – Eu me arrependo disso, mas eu não posso mudar!

– Ela parecia uma pessoa legal. – Suspirei chateada. – E você também.

– Taeyeon... Taeyeon!

Saí em passos apressados, ignorando os gritos de Tiffany. Eu não acredito que ela e Jessica faziam aquele tipo de coisa, não acredito que ela começara aquilo! E Yuri ainda estava no meio! Como alguém pode ser tão ruim aquele ponto? Como podiam sentir prazer em machucar outras pessoas!

– Taeyeon!

Senti meu ombro ser tocado, e num ato impensado, eu ergui a mão e me virei para acertar a pessoa que me segurara. Assustei-me assim que me deparei com Jessica, e me surpreendi ao notar que ela segurara meu braço a tempo, antes que minha mão atingisse seu rosto.

– O que você quer? – Perguntei rudemente.

– Vamos sair hoje. – Falou tranquilamente, e eu arregalei os olhos. – Tem uma lanchonete próximo a mercearia que nos conhecemos. Me encontre lá as sete.

– Jessica eu-.

Suspirei frustradamente assim que ela me deu as costas e saiu marchando, sem me dar direito de falar. Se eu achava que tudo terminado, me enganei completamente, pois quando me virei-me deparei-me com Tiffany.

Como elas faziam para surgir assim de repente?

– Lembra que você me prometeu que tomaríamos sorvete juntas se nos encontrássemos novamente? – Ditou séria. – Então, hoje você vai cumprir a sua promessa. Esteja pronta as sete.

– Mas eu- Aish!

Bati o pé assim que Tiffany me dera as costas. Quem ela e Jessica pensam que eram?



                    Jessica

Olhei para o celular, verificando o horário pela quinta vez. Estava quase dando oito horas, e eu me começava me sentir irritada com a ideia de Taeyeon não aparecer. Tudo bem que eu não havia dado a chance dela falar, talvez a mesma estivesse ocupada, mas ela poderia avisar não é?

O garçom voltou a minha mesa, perguntando mais uma vez se eu iria fazer o pedido, porém eu neguei e disse que iria esperar mais um pouco. Uma mão arrastou a cadeira em minha frente, e por um momento pensei que fosse Taeyeon, porém meus olhos se cruzaram com os de Yuri, e eu fechei a cara ao vê-la se sentar comigo.

– O que está fazendo aqui? – Questionei irritada, e ela cruzou os braços, sorrindo divertida.

– Não queria que ficasse sozinha.

– Não vou ficar sozinha, eu tenho um encontro.

– Tinha um encontro. – Debochou. – Acabei de ver Taeyeon tomando sorvete com Tiffany a duas quadras daqui.

– Aquela porca imunda! – Bati a mão na mesa com força, atraindo alguns olhares para mim. Eu ainda não acreditava que aquela idiota havia voltado. Por mim ela podia continuar apodrecendo lá na Califórnia que não faria falta. – Eu não acredito que ela voltou.

– Qual é a sua com a Taeyeon? – Yuri perguntou séria. –Você só a viu uma vez e já está toda interessada nela.

– O que é? Está com ciúmes? – Murmurei num tom debochado, e ela revirou os olhos.

– Só não entendo o que você quer com ela!

– Quem sabe dar uns beijos nela, transar...

Soltei uma gargalhada ao ver Yuri bufar e levantar-se apressada dali. Eu adorava vê-la irritada, e sabia que no fim, não ficávamos muito tempo brigadas, pois as coisas entre nós sempre terminavam com nós duas nuas na cama.

– Ei Kwon! – Corri atrás dela e me coloquei em sua frente. – Está com raivinha é?

– Hyorin me chamou para um passeio. – Falou séria, e eu automaticamente fechei a cara ao ouvir o nome pronunciado. – Eu recusei, pois queria te fazer companhia, mas se eu soubesse que ia ser assim eu teria aceitado e te deixado sozinha.

Yuri esbarrou em mim e saiu andando, mas eu não a deixei e afastar e agarrei seu braço com força.

– Eu já disse para ficar longe dela. – Ordenei. Hyorin era totalmente interessada em Yuri, e eu a odiava por isso, pois Yuri era só minha e de mais ninguém.

– Você não manda em mim. – Ela se afastou rudemente.

– Não brinque com minha paciência Yuri, fique longe da Hyorin.

– Eu não posso me envolver com ninguém, mas você pode ficar dando pra qualquer um? – Reclamou irritada.

– É!

– Me poupe.

Yuri me deu as costas e eu respirei fundo para não me estressar. Corri novamente atrás dela e a empurrei para um beco. Yuri foi pega desprevenida, e acabou sendo fácil pressioná-la contra a parede.

– Me solta Jessica. – Resmungou tentando se afastar, porém eu era mais forte.

– Você fica linda quando está com raiva.

Grudei meu corpo contra o de Yuri, sendo obrigada a ficar nas pontas dos pés por ela ser mais alta. Beijei divertida seu queixo, vendo-a virar o rosto com raiva. Eu sabia todos os pontos fracos dela, e eu era um deles.

– Eu odeio você! Odeio o modo como me trata, como me usa, como me-.

Calei Yuri com um beijo. Ela tentou me empurrar, mas isso só fez com que eu grudasse ainda mais meu corpo ao dela. Yuri quis resistir, porém eu sabia que ela não era capaz. Eu sabia usar meu amor por mim ao meu favor. Yuri fazia de ruso para me agradar, e nunca me negava nada.

Dei um sorriso ao sentir seus lábios se movimentando contras os meus. Como eu disse, nunca ficávamos brigadas por muito tempo.

– Vamos pra sua casa huh? – Falei depositando selinhos em suas lábios. – Estou doida para tirar essa frustração que corre em suas veias.

– Eu não vou cair nesse seu jogui-.

– Eu sei o quanto você quer... – Calei-a novamente.

– E-Eu p-preciso...

– Você decide, ou na sua cama, ou aqui nesses sacos de lixo.

Afastei meu rosto somente para ver sua expressão. Yuri mordeu o lábio com força, e eu tive que rir assim que sua mão agarrou a minha, e me puxou para fora dali.

[...]

Dei um sorriso ao ouvir o gemido de Yuri. Aquilo era música para meus ouvidos, e se tornava muito mais relaxante que qualquer outra coisa. Mordi a pele de seu pescoço com força, sentindo suas unhas se cravarem em minhas costas. Seu corpo se remexia sob o meu, e todo meu ser estava quente com aquele prazer que ela sabia me dar.

– Ah, como você é gostosa. – Sussurrei em seu ouvido.

Movimentei meu dedos dentro dela até sentir todo seu ser relaxar. Yuri soltou um longo gemido, mas eu logo a calei com um beijo molhado.

– Você é uma desgraçada. – Sussurou, e eu acabei rindo.

– KWON YURI!

Ouvimos a porta do quarto bater com força, e eu só tive tempo de ver o lençol ser puxado de nossos corpos. Yuri me empurrou para o lado e arregalou os olhos ao ver sua irmã adotiva parada ao lado da cama com um olhar furioso.

– S-Seohyun...

– Oi maninha está surpresa em me ver? – Seohyun falou debochada. – Não deveria, pois nos encontraríamos no aeroporto, lembra? Você tinha que ir me buscar!

– Desculpa eu esqueci.

– Estou vendo. – O olhar dela se voltou para mim, e eu apenas dei os ombros, abraçando Yuri por trás. – Não acredito que estão transando de novo na minha cama!

Soltei uma risadinha com o olhar enojado que ela lançou para nós duas. Assim que chegamos, ficamos tão apressadas que acabamos fazendo ali mesmo na cama da mais nova já que seria muito trabalhoso ir para a cama de Yuri.

– Eu já pedi para você trocar com ela. – Comentei, recebendo seu olhar raivoso.

– Cala a boca.

– Seo eu-.

– Vou contar pra mamãe. – Seohyun disse séria.

– NÃO!

Yuri se esticou, puxando a irmã para trás. Seohyun acabou caindo em cima de nós, mas ela logo se afastou com desesperada.

– YAH- QUE NOJO!

– Seo eu esqueci, desculpa! – Yuri tentou mais uma vez.

– Claro, você sempre esquece tudo quando está com ela. – Seohyun apontou para mim, e eu revirei os olhos enquanto me deitava em sua cama.

– Ai que banana você. Larga de ser chata!

– Cala a boca vadia.

– Olha como fala comigo! – Disse séra, não aceitaria alguém como ela falar comigo daquela forma.

– Vai fazer o que? – Seohyun ergueu uma sobrancelha. – Eu não tenho medo de você.

– Pare as duas! – Yuri pediu, e eu revirei os olhos.

– Manda sua irmã parar de ser irritante.

– Mande sua amiga parar de ser puta.

Levantei-me irritada e me coloquei seriamente de frente para a morena. Não me importava se ela era mais alta. Eu a faria engolir os dentes por dizer aquilo.

– Repete.

– Vadia e puta.

– Sua-.

Tentei desferir um soco em Seohyun, mas ela habilidosamente segurou meu braço e me jogou contra a parede.

– Seohyun!

– Você está na minha casa, aprenda a ter respeito. – Ordenou, e eu rangi os dentes com raiva.

– Você tem sorte de Yuri ser sua irmã. – Falei.

– Já chega!

Yuri se colocou entre nós duas e nos separou. Seohyun apesar de ser sempre na sua, sabia lutar muito bem. Fizemos karatê juntas quando éramos mais novas, e mesmo sabendo que ela era melhor que eu, eu não temia enfrentá-la. Só não mexia com ela, pois ela era a representante da turma e irmã de Yuri, pois senão, seria muito divertido deixá-la no lugar de Jihyo.

– Você devia ensinar bons modos a ela. – Comentei assim que a mais nova saiu do quarto, batendo a porta. Ela ordenou para que Yuri fosse fazer o jantar antes de sua mãe chegar e por isso a morena andava pelo quarto em busca de suas roupas.

– Você devia parar de provocá-la. – Yuri me repreendeu, e eu arregalei os olhos por ela defendê-la.

– Ela me chamou de vadia e puta!

– Se vista.

Soltei um suspiro frustrado e me abaixei para catar as roupas do chão. Eu odiava o fato de Yuri dividir o quarto com Seohyun, pois nunca tínhamos privacidade.

– Me empresta uma roupa. – Pedi.

Yuri me deu um par de suas roupas. Eu adorava vestí-las, pois além de serem confortáveis, tinham o cheiro de Yuri. Ela saiu do quarto para ir fazer o jantar e eu fiquei ali me vestindo. Cacei meu celular pelo lugar e o encontrei debaixo da cama. Assim que o desbloquei para verificar se havia alguma notificação me surpreendi ao ver que havia uma mensagem de uma número desconhecido. Abri-a curiosamente acreditando que poderia ser Taeyeon, mas assim que eu li o nome no final da frase percebi que não era ela.

Fechei a mão com força e se eu tivesse superpoderes, com certeza teria quebrado meu celular. Eu queria gritar, queria destruir tudo, mas eu não estava na minha casa.

"Vamos conversar depois da aula."

- Tiffany.

Li aquela mensagem pela última vez antes de soltar um gemido frustrado. Parece que amanhã teríamos uma bela briga depois da aula.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...