História The Heroes Of Olympus - Sasusaku - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Naruto, Novela, Romance
Visualizações 91
Palavras 1.551
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Esporte, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Minotauro


Fanfic / Fanfiction The Heroes Of Olympus - Sasusaku - Capítulo 1 - Minotauro

"Haja ou não deuses, deles somos servos"


  Andava sobre as ruas de konoha, estavam desertas, ninguém nas ruas ou lojas abertas,  apenas eu e o vento se mantia presente alí. Meus cabelos rosêos balançaram se chocando uns com os outros, estava bem frio. Meus lábios espremiam-se fazendo o barulho estridente dos meus dentes pararem de bater. Viro-me e olho para trás estranhando ter visto um vulto correr e sumir na escuridão. 

Volto minha atenção para a rua, caminhando rápido dessa vez, não iria mentir, sentia um pouco de medo sobre isso, mais minha mente dizia para ser forte e focar no caminho. Após virar a rua, me deparo com a floresta, sempre uso-a para chegar mais rápido em casa. Essa floresta além de ser imensa, me dá certos arrepios, pois está completamente escura e os seus galhos finos e secos me faz pensar se tem algum fantasma ou sombra no chão. 

Pego meu celular no bolso de minha calça escura e ligo a lanterna para não tropeçar nas pedras pelo caminho. Ouço alguns arbustos se mexerem e me assusto. Logo apareceu um lobo, ele parecia surpreso também, mais depois sua expressão muda completamente, sua boca começa a salivar intensamente e seus dentes finos ficam expostos. Dou passos para trás calmamente para não ser atacada. 

Meu corpo estava começando a ficar quente, sentia minhas pálpebras quererem se fechar, mais uma raiva ia crescendo dentro de mim. O lobo aproximou-se e eu pude notar seus olhos que antes eram azuis, começaram a ficar vermelhos, era um sonho? Não poderia ser, pois quando dei outro passo para trás, um galho seco se quebrou sobre meus pés fazendo o barulho trincar e ecoar pela floresta. corri o mais rápido que pude. 

Ainda com meus ouvidos atentos, eu ouvia as patas do lobo atrás de mim, também correndo. Me sentia como uma lebre pronta para ser devorada por um grande caçador. Pisquei meus olhos que queriam se fechar cansados. Sentia meu corpo ferver, mesmo com o frio e o vento gelado, minha pele soava. Não ouço mais o barulho do lobo atrás de mim, provavelmente havia se cansado. Olhei ao redor, mais a escuridão não me deixava enxergar nada, estou completamente perdida na imensa floresta. 

Encostei em uma árvore e caí sobre o o chão coberto de folhas secas, respirava cansada recuperando o fôlego da pequena corrida. Mecho minhas mãos para o bolso da calça tentando achar o telefone.-Merda... Deve ter caído.-Fiquei alguns segundos pensando se iria ou não levantar e o mesmo fiz, andei para frente no mesmo caminho que corria do lobo alguns minutos atrás e vejo uma luz acesa no chão. Sorri e peguei o celular. Finalmente podia ir pra casa. 

☆☆☆

Depois de alguns minutos tentando achar o caminho, havistei luzes não muito longe, vi um vulto parado na porta com uma cara nada boa, mamãe aproximou-se de mim com uma carranca, provavelmente por eu ter voltado a essa hora. Sorri sem graça pensando em uma desculpa mas a mesma me interrompeu.-Onde esteve todo esse tempo?!.-seu rosto ficou vermelho, e suas expressões não era uma das melhores, estava extremamente zangada. -Mãe... Eu... -Não terminei de tentar explicar e ela me interrompe de novo. 

-Sakura, quantas vezes eu já disse para não sumir assim?  Você sabe o quanto eu fiquei preocupada?! -o vermelho de seu rosto foi sumindo e seus olhos começaram a marejar. Vê-la assim me faz se sentir culpada, estava realmente com raiva daquele lobo estúpido.- Me desculpe, mamãe. -A abracei forte e senti ela molhar minhas costas com suas lágrimas. -Eu prometo não sumir assim... -A soltei de um abraço e voltei a olhá-la. 

Achei estranha a sua reação, seus olhos não focavam em mim, mais sim em um bicho enorme com corpo de homem e cabeça de touro parado no início da floresta escura. Não tive tempo de fazer perguntas, pois mamãe literalmente me puxou pelo braço correndo para o carro que estava estacionado do lado de fora da casa. Ela abriu a porta me fazendo entrar em seguida e sem demora ligou o mesmo pisando forte no acelerador. -Mãe, o que está acontecendo?! -.Olhei para trás novamente sem obter respostas e vejo o lobo que me seguia a algumas horas atrás, morto entupido de sangue, suas tripas estavam na mão do monstro enorme com cabeça de touro. -Mãe?! -Dessa vez gritei para ter sua atenção. Ela estava começando a me irritar, não me dava respostas. 

Virei-me novamente para trás quando o carro capotou rolando floresta abaixo caindo em seguida a um  rio. Senti um líquido quente escorrer pela minha testa e arder, olhei para o banco da frente tentando achar minha mãe, mais não a encontrava. Me desesperei, chutei a porta do carro, minhas pernas doiam assim como minha cabeça que latejava. Meu corpo se manteve quente novamente, sentia ódio, principalmente da porta do carro que não se movia com meus chutes. Me pus sentada com a cabeça meio curvada para não bater no teto e chutei com certa força fazendo a porta amassada cair pro lado de fora. 

Saí do carro com a mão sobre o ombro esquerdo que havia um corte. Olhei ao redor tentando achá-la, meus olhos ficavam mais marejados quando não via nenhuma sombra se quer de minha mãe. Logo depois ouvi um grito, corti até o mesmo, meus olhos se arregalaram ao ver a cena. Minha mão desocupou meu ombro para ir em minha boca. Minha mãe caída no chão sangrando. Corri rápido deixando pra lá as dores que sentia, abaixei e botei a cabeça de minha mãe sobre seu colo a chamando. -Sakura.... Corra... -pronunciava para mim deixando suas lágrimas tocarem o chão cheio de seu sangue. -Não... Eu não posso deixá-la.... -Disse já chorando.- Logo em frente....há um acampamento... Corra para lá, pede ajuda... -Ela começava a me irritar, bati com força no chão fazendo ela se assustar e me encarar. Como ela poderia pedir me para deixá-la? Eu não podia, literalmente eu não podia. 

-Vejo que possuí... O mesmo ódio de seu pai... -sua voz saía fraca, e eu não tava entendendo o que ela falava, meu pai? -.Você é forte... Minha flor... De cerejeira... -a abraçei forte. -não vou deixá-la morrer. -Sussurrei em seu ouvido, a mesma me afastou de meu abraço me fazendo olhá-la.- Corra... O minotauro já irá nos alcançar, você não tem mais tempo! -.Gritou, após isso, senti o chão tremer, olhei para as árvores logo atrás de nos, e lá estava o monstro a quem minha mãe falava. 

Minha mãe me empurrou levantando em seguida ficando na minha frente, sua barriga havia um enorme corte, e sangrava muito. -Mãe... O que esta fazendo...?.-Perguntei tentando aproximar-se da mesma que me olhou com repreensão me fazendo ficar no mesmo lugar. -Ele não quer a mim!  Ele está atrás de você!! -.assim que ela falou isso o minotauro começou a correr em nossa direção. -Corra!!  Estarei logo atrás de você! -Gritou ela me fazendo correr. 

Ouvia seus passos atrás de mim assim como o do monstro que corria para tentar nos alcançar, mamãe  tropeçou em um galho me fazendo parar no mesmo instante para ajudá-la. O minotauro estava a poucos metros de nós, cheirava algumas árvores e olhava para os arredores. -Eles não sabem enchergar e ouvir bem, mais seu olfato é ótimo, logo, logo ele irá nos achar... -Olhei para ela, parecia tão calma dizendo essas palavras. 

Olhei para trás vendo que não havíamos corrido tanto assim, puxei minha mãe pelo braço o botando em volta de meu pescoço a ajudando levantar-se. Fomos caminhando para as árvores devagar, tentando não fazer tanto barulho quando mamãe me soltou e correu para a direita, me assustei com seu ato. O minotauro desviou seu olhar para ela correndo e antes de correr atrás da mesma ela virou-se e gritou. -Eu te amo!.- Senti minhas lágrimas descerem contra minhas bochechas. O monstro havia corrido atrás de sí e ela o segurou caindo de um penhasco. 

Corri para lá para olhá-la, a mesma tinha caido em um rio, as águas viraram puro sangue e foram desaparecendo pelas margens do rio. Meu corpo e meus sentidos haviam parado, uma dor me envadiu tão forte ao ponto de pensar em me jogar também. Ajoelhei sobre o chão, e olhei para o céu, estava já amanhecendo. Meu corpo ferveu novamente, não consegui me conter e rapidamente levantei dando um soco na árvore, a rachando no meio. 

Eu não sabia dessa minha força, eu não sabia de quem eu verdadeiramente era, ou que fazia, o ódio tomava conta de mim. Ouvi uma voz em minha mente pedindo para me acalmar. Flashes de minha mãe veio em minha mente, falando sobre meu pai. Afinal, quem ele era?  Ou o que ele era?  Minha mente martelava de tantos pensamentos, meu sangue fervia. Botei as mãos eu meus cabelos e os apertei forte fechando os olhos em seguida. Minhas pálpebras se fecharam, cai de joelhos no chão, antes de apagar, ví alguns vultos descendo de seus cavalos, que estavam com armaduras prateadas.- O que será que aconteceu? -.ouvi uma voz doce falar. -Um minotauro provavelmente...outra voz num tom rouco e baixo.-Antes de tudo escurecer, senti meu corpo ser carregado por mãos fortes, olhei para cima me deparando com um rapaz de cabelos pretos e logo senti a escuridão me tomar. 



Notas Finais


Comentem oque acharam por favor, logo, logo continuarei! Beijos até o próximo. ♥♥♥♥♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...