História The Jocker - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Garota conhece o Mundo (Girl Meets World)
Personagens Maya Hart, Personagens Originais, Riley Matthews
Tags Lucaya, Riarkle
Exibições 9
Palavras 1.766
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Obrigada mesmo pelos comentarioss💓❤
Efim...Boa Leitura

Capítulo 2 - Tenho um pequeno probleminha


Fanfic / Fanfiction The Jocker - Capítulo 2 - Tenho um pequeno probleminha

Jocker loyal:pessoas em que a Big mom confia.

Collectors: pessoas encarregadas nas dívidas dos intelectuales.

Intelectuales: em espanhol Malfeitores, pessoas que não cumprem os seus acordos  e acabam gerando uma dívida.

Anel inimagato: (não existe..foi pura imaginação da autora) é um anel que mantem um Imã pra vidro, que tem a função  puxar o cinto e o indivíduo que está usando.

Jocker Mayor: em espanhol, jocker superiores, aqueles que são o braço direito da Big Mom.

Suspirei quando Farkle disparou e o homem caiu morto.

-eu ainda não concordo com isso! Por que a Big mom manda matar?--diz Riley e eu revirei os olhos.

-Riles eles são intelectuales...eles são mal..é o que eles merecem--digo indo até a van, sentei e peguei o conjunto de shuriken, e guardei  minhas botas.

-quem é o proximo?--perguntei.

--Jason Senna--respondeu Farkle pegando seu lança dardos.

--já tem um ano que ele deve a Big Mom--diz Riley e eu concordo.

Você deve estar se perguntando...o quê a gente faz da vida...adolescentes como a gente, vai na escola e aprende coisas, se forma, e tem tempo pra besteiras  tipo, festas, baladas e namoros, já nós...não é bem assim,  somos jocker's, nome criativo não?  A Big Mom nos deu esse nome, por que somos caçadores de recompensas e cobradores, ela gostava muito do coringa (The Joker) mas, não queria que o nome fosse igual, então nos nomeou The Jocker's. E meu querido, se você tem uma dívida com a gente, não evite em pagar, pois iremos atrás de você.

O instituto The Jocker foi criado dez dias antes de me sequestrarem, as crianças que foram pegas aquele tempo, hoje são the jocker, no tempo do sequestro eu tinh 6 anos, hoje eu tenho 17 e sou uma Jocker Loyal, os Jocker Loyal são os melhores em lutas e artes marciais, e que ficam ecarregados de missões collectors onde os collectors nos acompanham e nos dão corbeturas.

A van parou e então saimos, eu Riley nos encaramos e pegamos nossas mochilas.

Pego o equipamento de escalada xingando esse tal de Jason mentalmemte por morar na ultima cobertura do prédio.

*okay meninas...estarei dando as instruções de como chegar no apartamento pelos dutos de ar*

Chegamos perto do prédio,  claro...na parte de trás e nos preparamos.

Peguei o anel inimagato e o lancei, como eu queria, ele parou 20 metros acima de nossa cabeça, apertei o cinto e olhei pra Riley que me desejou um boa Sorte.

Cliquei no botão e logo meu cinto comecou a ser puxado pra cima.

***

*certo...estão me ovindo bem?*

-Sim Farkle--diz Riley

*virem a direita, esse caminho irá levar vocês até a sala dele, onde está o cofre com dinheiro*

Riley vai na frente e eu vou atrás a seguindo, ta ventando e tá ficando muito frio, Riley para e eu percebo que há algo errado.

-Riles? O que Houve?--perguntei e ela se vira.

-uma aranha--respondeu pálida, Riley é Aracnofobica.

*meninas está tudo bem?*

-Farkle...há uma aranha aqui--digo

*Oh...Droga! Maya ve se da pra matar*

Afastei Riley com um pouco de dificuldade pois o duto é apertado, e consegui chegar na frente, quase morri ao ver o tamanho da aranha.

-Farkle-chamei.

*que?*

-isso não é uma aranha...é um mutante--digo pegando um Shuriken e lançando contra a aranha.

Ela continuou andando, meu queixo caiu ao ver que ela vinha em minha direção. Me virei e peguei o lança  chamas e apertei com tudo o botão de spray, finalmente a aranha morreu.

***

*certo,vocês se separam aqui*

-eu não sei se vou conseguir--diz Riley.

-Calma Riles...lembra do seu encontro com o Michel?-perguntei

*ava*

-sim--diz Riley ignorando o Farkle.

--pois é...nada pode ser pior do que aquele encontro--digo rindo.

--obrigado Peaches, estou bem mais calma agora--ironizou descendo.

*Maya, siga em frente*

-olhe para o lado, se liga no mestiço é a batida do cavaco--cantarolou Riley.

Revirei os olhos rindo e segui em frente.

*a uma pequena saida de ar lá em baixo, é por lá que você vai sair, estou vendo o Jason agora, ele está sentado no sofá, e há vários guardas em direção a porta...algo me diz que ele está a nossa espera*

--ava? Na porta? Ele acha que somos o que? Amadores?--perguntei descendo em um duto que dava a saída de ar.

*coloque seus óculos,  vou cortar a energia agora*

Coloquei meus óculos e então a energia foi cortada, chutei a tampa da saída de ar com tudo e entrei.

Lancei meus Shuriken, acertou os homens tudo em fileira.

Peguei a arma e comecei atirar, me virei  e vi Jason correndo sorrateiramente lá pra cima.

Terminei de matar os seguranças e fui lá pra cima.

Abri a porta esperando alguma coisa, e não aconteceu nada, caminhei lentamente olhando pra todos os lados, de repente a luz volta.

-Farkle!-o repreendi

*não fui eu!*

Sinto um chute na minha barriga e então solto a arma, que cai 5 metros longe de mim.

Logo depois um chute na minha costa,me levantei e olhei Jason com fúria.

-afs..é isso que a Big Mom manda?-diz vindo com tudo em minha direção.

Ele ia me dar um soco, só que desviei pro lado, como a mão dele ainda estava no ar, peguei e o lancei com um golpe de Jiu jitsu.

Coloquei meu ante braço em sua garganta, e o meu joelho em seu peito.

-meça suas palavras cretino--digo ele sorri e impulsa a cabeça pra cima batendo com a minha, vou pra trás com dor e ele me empurra e logo depois me chuta.

Respiro com dificuldade, mas consigo me recompor, corro até ele e o chuto na cabeça,  ele cambalea pra trás,  faço um mortal pra frente parando com as minhas pernas em sua costa e minhas mãos em seu pescoço.

-Nunca deva para Big Mom--digo e então quebro seu pescoço dou um pulo e ele cai morto no chão.

***

-achei que não iria conseguir--diz Riley pra mim

-sua fé em mim me impressiona--digo rindo,  logo Farkle aparece sorrindo com seus olhos azuis brilhantes.

-a Vitória é nossa jogadoras--diz nos abraçando.

Arrumamos as coisas na van e nos preparamos para entrar, olhei em volta e vi tudo calmo, dar um passeio não é uma má ideia né?

-nem pense nisso--diz Riley me puxando.

-pensar em que Riles?--perguntei sorrindo.

-sair por aí,  sabe que é contra as regras, lembre...é só,  sair, completar a missão e voltar--diz fazendo eu revirar os olhos

-eu não me importo! Que tipos de problemas eu posso me meter?--perguntei e Riley suspirou

-em muitos....só...não chegue depois das 22:30--diz e eu sorri dando um tchauzinho.

Suspirei vendo a Van sair do meu campo de visão e comecei a caminhar, tempos que eu não me sentia segura, e eu sei que é ironico a pessoa falar que se sente segura, andando a noite sozinha numa rua abandonada, mas é que, lá no instituto não temos coisas assim, eu nunca tive uma infância, eu não saia pra ir no parque com meus amigos, eu não saia pra namorar ou até mesmo estudar, era proibido, nesses tempos eu só me dediquei a uma coisa, Artes Marciais e lutas corporais, e então descobri a arte, parece que a arte foi a unica coisa capaz de me tirar daquela escuridão,  quando eu pintava, eu me esquecia de tudo e de todos, só era eu e minha arte, claro que isso deu problemas pra mim, vários, e eu fiquei de castigo muitas vezes por fazer coisas como por exemplo: pintar as paredes do instituto, brigar com a Missy (verdadeira e única filha da Big Mom),responder,gritar,berrar com os Jocker's Mayor.

Se você acha que só porque eu estou trabalhando e estou acostumada nas missões, eu considero a Big Mom como Mãe, está estupidamente enganado,  eu só cansei de ir pro castigo, e aprendi, que pra ser alguém melhor que seu inimigo, tem que virar seu aprendiz.

E caso estejam se perguntando o que é o castigo,  eu irei explicar, o castigo é uma sala escura, ela é tecnologica e ilusionatica.

Você coloca os equipamentos, e se prepara, a Big Mom vai escolher seu desafio, e ai você tera que ser parte de um Video Game, se você morrer lá,  você morre aqui.

Riley nunca foi, algumas vezes foi por que a Big Mom teve dó dela e a puniu com tarefas como, "lave a louça por um mês"

E outras, por que eu e Farkle nos voluntariavamos para receber o castigo em vez dela.

Mas, apesar de tudo isso, eu agradeço a Big Mom, se não fosse ela eu seria uma adolescente fraca que não serveria pra nada.

Um barulho chama minha atenção,  me aproximo e ouço uma conversa.

-se você não sumir eu juro,  que vou preso, mas te mato--diz o garoto, ele usava um chapéu preto, com uma camisa branca e uma jaqueta de couro por cima, usava também...espera? Por que estou falando uma coisa irrelevante  mesmo?

Só que o que ele não percebeu e eu sim-é obvio-foi que o cara   conseguiu uma faca, eu gritei fazendo os dois pararem, e então eu vi seus olhos, um verde claro bem bonito,  já o do outro não chegava nem aos pés.

Ele percebeu a faca agora e arrancou o objeto dele e jogou, o que ele não viu foi que a faca veio em uma rapida velocidade ate mim, mas meus reflexos me salvaram fazendo minha mão por impulso agarrar a faca a poucos centímetros  do meu rosto.

Ele olhou assustado e preocupado, mas viu que eu consegui me cuidar e então se virou para o cara de novo, ele começou a distribuir socos e chutes.

Naquela situação,  qualquer ser humano que chegasse agora e visse, tentaria tirar o menino de cima do outro, pois acabaria em morte o final,  mas eu, eu não achei que ele estava errado, por algum motivo eu não quis para-lo.

O cara que estava apanhando conseguiu dar um chute no garoto dos olhos verdes que caiu, o morto-vivo( decidi chama-lo assim, pois parece que ele nem vivo ta mais) veio cambaleando até mim, com seu rosto cheio de sangue, impusionei meu corpo pra baixo me virando, e levantando a perna pra cima, meu pé atingiu o rosto do cara e ele caiu.

O garoto limpou o sangue que  estava em seu rosto e olhou pra mim.

-você luta como uma garota-ironizou e eu cruzei os braços.

-meu nome é lucas Friar-diz sorrindo.

Aquele sorriso! Aqueles olhos! Eu sabia que eu conhecia! Ele é o garotinho,  o garotinho que a mãe dele tentou me ajudar, eu devo ter ficado com uma cara de songa, pois ele riu.

-meu nome é Sabrina--digo, e depois percebo que falei o nome errado, eu acho que é tipo costume de falar esse nome pras pessoas.

Ele pegou seu chapéu e me deu um sorriso, odiei.

-prazer em conhece-la madame--diz pegando minha mão e beijando ela.

-isso seria fofo se a pessoa que estivesse sendo beijada na mão não fosse eu e não achasse isso nojento- -digo revirando os olhos puxando a minha mão.

-e..Desprazer o meu, finja que nunca me viu na vida, e..Adeus Cowboy.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...